Sopros cardíacosProf. Roberto Heinisch
Mecanismos de formação dos             sopros• A corrente sanguínea normal é laminar.   – Camadas de células sanguíneas se...
Mecanismos de formação dos            sopros1. A circulação sanguínea normal é   silenciosa.2. A produção de sopro ocorre ...
Mecanismos de formação dos            sopros1. Corrente veloz em tubo de calibre uniforme:   nas síndromes hipercinéticas....
Mecanismos de formação dos            sopros1. Aumento da velocidade da corrente sangüínea.   Ex.: Anemia, exercício físic...
Sopros – características               semiológicas• Definir o período do ciclo cardíaco em que  ocorre (relacionar com o ...
Sopros – características              semiológicas• LOCALIZAÇÃO: Definir o local de máxima  ausculta. Serve de orientação ...
Sopros – características            semiológicas• TIMBRE, TONALIDADE, QUALIDADE:  Suave/ rude/ musical/ aspirativo/ em jat...
Sopros - manobras• Respiração:   – Inspiração   – Expiração   – Valsalva• Alteração na postura:   –   Decúbito lateral esq...
Efeitos das manobras para o        diagnóstico dos sopros.                  N. Eng. J. Med. 1988; 318:1572-8Manobra Respos...
Abordagem do paciente com sopro      cardíaco – decisões:• Há necessidade de profilaxia para endocardite?• ... de profilax...
Causas de sopros cardíacos•     Estenose valvar aórtica ou pulmonar•     Estados hipercinéticos (anemia, febre...)•     Di...
Sopros inocentes• Sopro de Still: é o sopro inocente mais comum, a  tonalidade é musical e vibratória, é mais auscultado n...
Abordagem do paciente com um sopro –      indicações de Ecocardiografia• Sinais ou sintomas de Insuficiência cardíaca,  sí...
Sopros patológicos• Da estenose valvar mitral:   – Diastólico, apical, irradia para a axila, baixa freqüência, ruflar,    ...
Sopros sistólicos1. Insuficiência valvar mitral2. Ejeção acelerada em grande artérias3. Dilatação arco aórtico ou do tronc...
Sugestões de Sites na internet• Laboratório de Ciências Cardiovasculares  – www.hu.ufsc.br/~cardiologia• The Auscultation ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sopros cardíacos

7.983 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.983
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
132
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sopros cardíacos

  1. 1. Sopros cardíacosProf. Roberto Heinisch
  2. 2. Mecanismos de formação dos sopros• A corrente sanguínea normal é laminar. – Camadas de células sanguíneas se superpõem umas às outras, e o deslizamento de uma camada sobre a outra se faz silenciosamente. (Rever no livro de Fisiologia).• Quando o fluxo se torna turbilhonar há possibilidade de aparecimento de sopro. – As camadas de células sanguíneas apresentam entrechoques.• O diâmetro do vaso, a velocidade de circulação do sangue e a viscosidade sanguínea são variáveis que podem modificar o padrão laminar da corrente sanguínea. Assad JE. Sopros cardíacos. R.M. , 1982; 11(6): 26- 38.
  3. 3. Mecanismos de formação dos sopros1. A circulação sanguínea normal é silenciosa.2. A produção de sopro ocorre no turbilhonamento.3. O frêmito é a sensação tátil do sopro.4. Para perceber frêmito é preciso que o sopro seja de grande intensidade. Assad JE. Sopros cardíacos. R.M. , 1982; 11(6): 26- 38.
  4. 4. Mecanismos de formação dos sopros1. Corrente veloz em tubo de calibre uniforme: nas síndromes hipercinéticas.2. Súbito aumento do calibre do vaso: dilatação aneurismática, dilatação pós-estenótica.3. Obstrução localizada: estenoses valvares.4. Regurgitação: o sangue segue um sentido diferente daquele da corrente sanguínea normal: insuficiência valvar. Assad JE. Sopros cardíacos. R.M. , 1982; 11(6): 26- 38.
  5. 5. Mecanismos de formação dos sopros1. Aumento da velocidade da corrente sangüínea. Ex.: Anemia, exercício físico, febre.2. Diminuição da viscosidade sangüínea. Ex.: Anemia.3. Passagem do sangue através de uma área estreitada. Ex. Defeitos valvares.4. Passagem do sangue por uma área dilatada. Ex. Defeitos valvares, aneurismas.
  6. 6. Sopros – características semiológicas• Definir o período do ciclo cardíaco em que ocorre (relacionar com o pulso arterial) – Sopro sistólico – coincide com o pulso • Protossistólico – terço inicial da sístole • Mesossistólico – terço médio da sístole • Telessistólico – terço final da sístole • Holossistólico – todo o período da sístole – Sopro diastólico – não coincide com o pulso • Os sopros diastólicos são sempre patológicos. • Proto, Meso, tele e holodiastólico
  7. 7. Sopros – características semiológicas• LOCALIZAÇÃO: Definir o local de máxima ausculta. Serve de orientação para o diagnóstico.• IRRADIAÇÃO: Deslocar o estetoscópio para outras regiões (axila, pescoço, borda esternal direita, região interescapular, topo da cabeça).• INTENSIDADE: Com frêmito, tem forte intensidade. Critérios cruzes (+ a ++++) – +/4+ = muito suaves – ++/4+ = intensidade moderada – +++/4+ = sopros intensos (com frêmito) – ++++/4+ = sopros muito intensos (com frêmito)
  8. 8. Sopros – características semiológicas• TIMBRE, TONALIDADE, QUALIDADE: Suave/ rude/ musical/ aspirativo/ em jato de vapor/ granuloso/ piante e ruflar.• MODIFICAÇÕES: – Com a respiração: os sopros do lado direito do coração tendem a ser mais intensos na inspiração (aumenta o retorno venoso).
  9. 9. Sopros - manobras• Respiração: – Inspiração – Expiração – Valsalva• Alteração na postura: – Decúbito lateral esquerdo – Sentado c/ o tórax inclinado para frente – Agachada/ ortostática (em pé) – Ortostática/ agachada• Exercício: – Isométrico (Handgrip) – durante 20 a 30 seg.O’ Rourke RA. Abordagem do paciente com um sopro cardíaco. In: Goldman L, Braunwald E.Cardiologia na clínica geral. Rio de Janeiro: Granabara Koogan, 2000. Cap. 13, págs. 147-164.
  10. 10. Efeitos das manobras para o diagnóstico dos sopros. N. Eng. J. Med. 1988; 318:1572-8Manobra Resposta Sopro Sensib. Especif.Inspiração ↑ Lado Direito 100% 88%Expiração ↓ Lado Direito 100% 88%Valsalva ↑ Mioc. Hipert. 65% 96%Ortostática Mioc. Hipert. 95% 84% ↑Agachada ↓ Mioc. Hipert. 95% 85%Eleva perna Mioc. Hipert. 85% 91% ↓Aperto mão Mioc. Hipert. 85% 75% ↓Aperto mão I.M.; C.I.V. 68% 92% ↑
  11. 11. Abordagem do paciente com sopro cardíaco – decisões:• Há necessidade de profilaxia para endocardite?• ... de profilaxia para febre reumática?• Há restrição para atividade física?• Necessita avaliação cardíaca adicional?• Na avaliação de risco para cirurgia cardíaca, há aumento do risco?• Na avaliação para atividade profissional, exame de admissão em emprego, há evidência de cardiopatia?• Na gravidez, é uma gravidez de alto risco? O’ Rourke RA. Abordagem do paciente com um sopro cardíaco. In: Goldman L, Braunwald E. Cardiologia na clínica geral. Rio de Janeiro: Granabara Koogan, 2000. Cap. 13, págs. 147-164.
  12. 12. Causas de sopros cardíacos• Estenose valvar aórtica ou pulmonar• Estados hipercinéticos (anemia, febre...)• Dilatação da aorta• Sopro inocente• Comunicação interatrial• Comunicação interventricular• Insuficiência valvar aórtica ou pulmonar• Insuficiência valvar mitral ou tricúspide• Estenose valvar mitral ou tricúspide• Persistência da canal arterial• Tumores nos átrios O’ Rourke RA. Abordagem do paciente com um sopro cardíaco. In: Goldman L, Braunwald E. Cardiologia na clínica geral. Rio de Janeiro: Granabara Koogan, 2000. Cap. 13, págs. 147-164.
  13. 13. Sopros inocentes• Sopro de Still: é o sopro inocente mais comum, a tonalidade é musical e vibratória, é mais auscultado na borda esquerda do esterno, é sistólico, curto, de pequena intensidade. Diagnóstico diferencial com Miocardiopatia hipertrófica obstrutiva e com Comunicação interventricular.• Sopro pulmonar inocente: é menos freqüente, auscultado na borda superior esquerda do esterno, em posição supina, sistólico, pequena intensidade, com segunda bulha normal. Diagnóstico diferencial com Estenose pulmonar, Comunicação interatrial e estados hipercinéticos.
  14. 14. Abordagem do paciente com um sopro – indicações de Ecocardiografia• Sinais ou sintomas de Insuficiência cardíaca, síncope e/ou isquemia.• Sinais de endocardite ou tromboembolismo.• Qualquer sopro diastólico ou contínuo.• Sopro holossistólico ou telessistólico.• Sopro intenso, grau III/IV ou >• Outros achados anormais no exame das artérias ou na ausculta cardíaca (como estalidos, clicks, alteração na fonese de bulhas, alteração na duração e amplitude do pulso arterial).O’ Rourke RA. Abordagem do paciente com um sopro cardíaco. In: Goldman L, Braunwald E.Cardiologia na clínica geral. Rio de Janeiro: Granabara Koogan, 2000. Cap. 13, págs. 147-164.
  15. 15. Sopros patológicos• Da estenose valvar mitral: – Diastólico, apical, irradia para a axila, baixa freqüência, ruflar, B1 hiperfonética, estalido de abertura, diminue com a inspiração.• Da insuficiência valvar mitral: – Sistólico, apical, irradia p/ axila, timbre aumentado, B1 hipofonética, aumenta de intensidade c/ handgrip• Da estenose valvar aórtica: – Sistólico, crescendo/decrescendo, aórtico, irradia p/ pescoço, B1 normal, estalido aórtico, aumenta de intensidade qdo de cócoras• Da insuficiência valvar aórtica: – Diastólico, em descrescendo, foco aórtico acessório, aumenta de intensidade c/ handgrip
  16. 16. Sopros sistólicos1. Insuficiência valvar mitral2. Ejeção acelerada em grande artérias3. Dilatação arco aórtico ou do tronco da artéria pulmonar4. Alterações nas cúspides da valva aórtica ou pulmonar sem estenose5. Obstrução da saída do ventrículo
  17. 17. Sugestões de Sites na internet• Laboratório de Ciências Cardiovasculares – www.hu.ufsc.br/~cardiologia• The Auscultation Assistant – www.wilkes.med.ucla.edu/intro.html

×