SlideShare uma empresa Scribd logo
DTP 12 21
1 3 / 0 9 / 2 0 2 1
CLÍNICA PROPEDÊUTICA MÉDICA
2
2
• Citar os exemplos de
a) Icterícia pré-hepática
b) Icterícia hepática e
c) Icterícia pós hepática dadas no vídeo
PERGUNTA ÂNCORA 1
ICTERÍCIA PRÉ
HEPÁTICA
3
A I C T E R Í C I A P R É - H E PÁT I C A O C O R R E Q UA N D O H Á H E M Ó L I S E I N T R A - O U
E X T R AVA S C U L A R D E C AU S A I N F E C C I O S A O U I M U N O M E D I A DA .
4
Anemias hemolíticas / Transfusões sanguíneas
ICTERÍCIA
HEPÁTICA
5
A I C T E R Í C I A H E PÁT I C A D E C O R R E D E L E S Ã O H E PÁT I C A E X T E N S A
6
Cirrose Hepática
ICTERÍCIA
PÓS
HEPÁTICA
7
A ICTERÍCIA PÓS-HEPÁTICA
PODE SER SECUNDÁRIA À
OBSTRUÇÃO PARCIAL OU
COMPLETA DO DUCTO
COLÉDOCO POR COLELITÍASE OU
NEOPLASIAS.
8
PERGUNTA ÂNCORA 2
CONCEITUAR COLÚRIA
9
COLÚRIA
• Colúria: ocorre devido a
presença de bilirrubina direta na
urina. Somente a direta pode
causar colúria já que é solúvel e
não é ligada à albumina como a
bilirrubina indireta.Apresenta-se
com coloração de chá ou coca
cola.
10
PERGUNTA ÂNCORA 3
CONCEITUAR ACOLIA
11
ACOLIA
• Acolia fecal: é causada pela
colestase da bile impedindo que a
bilirrubina direta chegue até o
intestino para ser convertida em
estercobilina.
12
13
AGENDA
Perguntas para
atividade em sala
de aula presencial
14
PREENCHER AS LACUNAS COM RELAÇÃO A
ICTERÍCIA
15
1) Idade: A idade de início do quadro ictérico pode auxiliar na determinação da etiologia. Exemplo:
.......................... em crianças e adolescentes e ............................................em pacientes idosos.
2) Profissão: exposição a ...................................................................., como ocorre com médicos,
enfermeiros, dentistas, técnicos de laboratório e estudantes da área de saúde, ou a tóxicos.
3) Procedência/viagens: o paciente pode proceder, ter residido ou viajado para regiões
endêmicas de ..........................................................e outras doenças que cursam com Icterícia.
4) Raça: ..................................... apresenta maior incidência de anemia falciforme.
5) Hábitos: uso de bebida....................... (quantidade, tipo de bebida, tempo de uso, história de abuso recente).
As.......................................... são frequentes em usuários de drogas injetáveis e em .........................................
6) Pródromos de .....................: queixas de náusea, anorexia e aversão ao cigarro, precedendo o
aparecimento de ..............................................................., sugerem ...............................................
RESPOSTAS
16
Idade: a idade de início do quadro pode auxiliar na determinação da etiologia. Exemplo: hepatite A em
crianças e adolescentes e câncer de vias biliares em pacientes idosos.
Profissão: exposição a infecções virais (hepatites B e C e HIV), como ocorre com médicos, enfermeiros,
dentistas, técnicos de laboratório e estudantes da área de saúde, ou a tóxicos.
Procedência/viagens: o paciente pode proceder, ter residido ou viajado para regiões endêmicas de
esquistossomose, hepatites, febre amarela, leptospirose e outras doenças que cursam com Icterícia.
Raça: negros apresentam maior incidência de anemia falciforme.
Pródromos de hepatite: queixas de náusea, anorexia e aversão ao cigarro, precedendo o aparecimento
de Icterícia, sugerem hepatite viral.
Hábitos: uso de bebida alcoólica (quantidade, tipo de bebida, tempo de uso, história de abuso recente).
As hepatites B e C são frequentes em usuários de drogas injetáveis e em homossexuais masculinos.
TERMINOU!!!
17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário de neurociencias final
Seminário de neurociencias   finalSeminário de neurociencias   final
Seminário de neurociencias final
Marcos Peixoto
 
Manifestações Neurológicas do paciente com HIV
Manifestações Neurológicas do paciente com HIVManifestações Neurológicas do paciente com HIV
Manifestações Neurológicas do paciente com HIV
Dr. Rafael Higashi
 
Epilepsia na gestação palestra
Epilepsia na gestação palestra Epilepsia na gestação palestra
Epilepsia na gestação palestra
tvf
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Joice Lins
 
Distúrbios do movimento
Distúrbios do movimentoDistúrbios do movimento
Distúrbios do movimento
Marcus César Petindá Fonseca
 
Dor torácica
Dor torácicaDor torácica
Dor torácica
resenfe2013
 
Sensibilidade 18
Sensibilidade 18Sensibilidade 18
Sensibilidade 18
pauloalambert
 
Cefaleia medicina
Cefaleia medicinaCefaleia medicina
Cefaleia medicina
Robertα Morelli
 
Epilepsia - MS
Epilepsia - MSEpilepsia - MS
Epilepsia - MS
Arquivo-FClinico
 
Aula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECGAula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECG
Wesley Rogerio
 
AVC
AVCAVC
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
Inaiara Bragante
 
Sindrome+nefrítica
Sindrome+nefríticaSindrome+nefrítica
Sindrome+nefrítica
Sarah Sella Langer
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
blogped1
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
jessica sanielly
 
Discite e mal de pott
Discite e mal de pottDiscite e mal de pott
Discite e mal de pott
Leandro Freire
 
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Professor Robson
 
Avc
AvcAvc
Cardiomiopatias
CardiomiopatiasCardiomiopatias
Cardiomiopatias
dapab
 

Mais procurados (20)

Seminário de neurociencias final
Seminário de neurociencias   finalSeminário de neurociencias   final
Seminário de neurociencias final
 
Manifestações Neurológicas do paciente com HIV
Manifestações Neurológicas do paciente com HIVManifestações Neurológicas do paciente com HIV
Manifestações Neurológicas do paciente com HIV
 
Epilepsia na gestação palestra
Epilepsia na gestação palestra Epilepsia na gestação palestra
Epilepsia na gestação palestra
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
Distúrbios do movimento
Distúrbios do movimentoDistúrbios do movimento
Distúrbios do movimento
 
Dor torácica
Dor torácicaDor torácica
Dor torácica
 
Sensibilidade 18
Sensibilidade 18Sensibilidade 18
Sensibilidade 18
 
Cefaleia medicina
Cefaleia medicinaCefaleia medicina
Cefaleia medicina
 
Epilepsia - MS
Epilepsia - MSEpilepsia - MS
Epilepsia - MS
 
Aula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECGAula arritmias e interpretação de ECG
Aula arritmias e interpretação de ECG
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Sindrome+nefrítica
Sindrome+nefríticaSindrome+nefrítica
Sindrome+nefrítica
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
Discite e mal de pott
Discite e mal de pottDiscite e mal de pott
Discite e mal de pott
 
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
 
Avc
AvcAvc
Avc
 
Cardiomiopatias
CardiomiopatiasCardiomiopatias
Cardiomiopatias
 

Semelhante a Dtp 12 21 sp

Protocolo dengue 2014
Protocolo dengue 2014Protocolo dengue 2014
Protocolo dengue 2014
Letícia Spina Tapia
 
Livro clinica medica kroton
Livro clinica medica krotonLivro clinica medica kroton
ESTUDO SOBRE DIVERTICULITE AGUDA. CIRURGIA
ESTUDO SOBRE DIVERTICULITE AGUDA. CIRURGIAESTUDO SOBRE DIVERTICULITE AGUDA. CIRURGIA
ESTUDO SOBRE DIVERTICULITE AGUDA. CIRURGIA
centromedicoaliancal
 
Enfermagem
EnfermagemEnfermagem
Enfermagem
Hevelin Portela
 
Questoes geral enfermagem_01__89
Questoes geral enfermagem_01__89Questoes geral enfermagem_01__89
Questoes geral enfermagem_01__89
tomoliver2014
 
500221 estudo dirigido_de_epidemiologia
500221 estudo dirigido_de_epidemiologia500221 estudo dirigido_de_epidemiologia
500221 estudo dirigido_de_epidemiologia
Cristyan Dall Agnol
 
Prova exame amrigs_2011
Prova exame amrigs_2011Prova exame amrigs_2011
Prova exame amrigs_2011
Saulo Brito
 
Pacientes Especiais: Biossegurança e Anamnese
Pacientes Especiais:  Biossegurança e AnamnesePacientes Especiais:  Biossegurança e Anamnese
Pacientes Especiais: Biossegurança e Anamnese
Flavio Salomao-Miranda
 
Pancriatite
PancriatitePancriatite
Pancriatite
Vet Sta Clara
 
Manual do trauma
Manual do traumaManual do trauma
Manual do trauma
Rosana Santos
 
Palestra infecção
Palestra infecçãoPalestra infecção
Palestra infecção
renato89enfermeiro
 
ECOTIN.pdf
ECOTIN.pdfECOTIN.pdf
ECOTIN.pdf
ssusere4a4eb1
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrónicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Frederico Brandão
 
Dengue X chikungunya
Dengue X chikungunyaDengue X chikungunya
Dengue X chikungunya
Juracir Bezerra
 
2010 avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recid...
2010 avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recid...2010 avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recid...
2010 avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recid...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
Daniel Valente
 
Restauração ricardo jorge
Restauração   ricardo jorgeRestauração   ricardo jorge
Restauração ricardo jorge
Ana Margarida Feio
 
111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
Manual de campo_dengue
Manual de campo_dengueManual de campo_dengue
Manual de campo_dengue
Socorro Carneiro
 
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdfPancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
EmanuelJulioMiguel
 

Semelhante a Dtp 12 21 sp (20)

Protocolo dengue 2014
Protocolo dengue 2014Protocolo dengue 2014
Protocolo dengue 2014
 
Livro clinica medica kroton
Livro clinica medica krotonLivro clinica medica kroton
Livro clinica medica kroton
 
ESTUDO SOBRE DIVERTICULITE AGUDA. CIRURGIA
ESTUDO SOBRE DIVERTICULITE AGUDA. CIRURGIAESTUDO SOBRE DIVERTICULITE AGUDA. CIRURGIA
ESTUDO SOBRE DIVERTICULITE AGUDA. CIRURGIA
 
Enfermagem
EnfermagemEnfermagem
Enfermagem
 
Questoes geral enfermagem_01__89
Questoes geral enfermagem_01__89Questoes geral enfermagem_01__89
Questoes geral enfermagem_01__89
 
500221 estudo dirigido_de_epidemiologia
500221 estudo dirigido_de_epidemiologia500221 estudo dirigido_de_epidemiologia
500221 estudo dirigido_de_epidemiologia
 
Prova exame amrigs_2011
Prova exame amrigs_2011Prova exame amrigs_2011
Prova exame amrigs_2011
 
Pacientes Especiais: Biossegurança e Anamnese
Pacientes Especiais:  Biossegurança e AnamnesePacientes Especiais:  Biossegurança e Anamnese
Pacientes Especiais: Biossegurança e Anamnese
 
Pancriatite
PancriatitePancriatite
Pancriatite
 
Manual do trauma
Manual do traumaManual do trauma
Manual do trauma
 
Palestra infecção
Palestra infecçãoPalestra infecção
Palestra infecção
 
ECOTIN.pdf
ECOTIN.pdfECOTIN.pdf
ECOTIN.pdf
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Doença Pulmonar Obstrutiva CrónicaDoença Pulmonar Obstrutiva Crónica
Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica
 
Dengue X chikungunya
Dengue X chikungunyaDengue X chikungunya
Dengue X chikungunya
 
2010 avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recid...
2010 avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recid...2010 avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recid...
2010 avaliação de variáveis potencialmente preditivas de má evolução da recid...
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Restauração ricardo jorge
Restauração   ricardo jorgeRestauração   ricardo jorge
Restauração ricardo jorge
 
111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
 
Manual de campo_dengue
Manual de campo_dengueManual de campo_dengue
Manual de campo_dengue
 
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdfPancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
Pancreatite Aguda_ap hospital_final.pdf
 

Mais de pauloalambert

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
pauloalambert
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
pauloalambert
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
pauloalambert
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
pauloalambert
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
pauloalambert
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
pauloalambert
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
pauloalambert
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
pauloalambert
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
pauloalambert
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 

Dtp 12 21 sp

  • 1. DTP 12 21 1 3 / 0 9 / 2 0 2 1 CLÍNICA PROPEDÊUTICA MÉDICA
  • 2. 2 2 • Citar os exemplos de a) Icterícia pré-hepática b) Icterícia hepática e c) Icterícia pós hepática dadas no vídeo PERGUNTA ÂNCORA 1
  • 4. A I C T E R Í C I A P R É - H E PÁT I C A O C O R R E Q UA N D O H Á H E M Ó L I S E I N T R A - O U E X T R AVA S C U L A R D E C AU S A I N F E C C I O S A O U I M U N O M E D I A DA . 4 Anemias hemolíticas / Transfusões sanguíneas
  • 6. A I C T E R Í C I A H E PÁT I C A D E C O R R E D E L E S Ã O H E PÁT I C A E X T E N S A 6 Cirrose Hepática
  • 8. A ICTERÍCIA PÓS-HEPÁTICA PODE SER SECUNDÁRIA À OBSTRUÇÃO PARCIAL OU COMPLETA DO DUCTO COLÉDOCO POR COLELITÍASE OU NEOPLASIAS. 8
  • 10. COLÚRIA • Colúria: ocorre devido a presença de bilirrubina direta na urina. Somente a direta pode causar colúria já que é solúvel e não é ligada à albumina como a bilirrubina indireta.Apresenta-se com coloração de chá ou coca cola. 10
  • 12. ACOLIA • Acolia fecal: é causada pela colestase da bile impedindo que a bilirrubina direta chegue até o intestino para ser convertida em estercobilina. 12
  • 13. 13
  • 14. AGENDA Perguntas para atividade em sala de aula presencial 14
  • 15. PREENCHER AS LACUNAS COM RELAÇÃO A ICTERÍCIA 15 1) Idade: A idade de início do quadro ictérico pode auxiliar na determinação da etiologia. Exemplo: .......................... em crianças e adolescentes e ............................................em pacientes idosos. 2) Profissão: exposição a ...................................................................., como ocorre com médicos, enfermeiros, dentistas, técnicos de laboratório e estudantes da área de saúde, ou a tóxicos. 3) Procedência/viagens: o paciente pode proceder, ter residido ou viajado para regiões endêmicas de ..........................................................e outras doenças que cursam com Icterícia. 4) Raça: ..................................... apresenta maior incidência de anemia falciforme. 5) Hábitos: uso de bebida....................... (quantidade, tipo de bebida, tempo de uso, história de abuso recente). As.......................................... são frequentes em usuários de drogas injetáveis e em ......................................... 6) Pródromos de .....................: queixas de náusea, anorexia e aversão ao cigarro, precedendo o aparecimento de ..............................................................., sugerem ...............................................
  • 16. RESPOSTAS 16 Idade: a idade de início do quadro pode auxiliar na determinação da etiologia. Exemplo: hepatite A em crianças e adolescentes e câncer de vias biliares em pacientes idosos. Profissão: exposição a infecções virais (hepatites B e C e HIV), como ocorre com médicos, enfermeiros, dentistas, técnicos de laboratório e estudantes da área de saúde, ou a tóxicos. Procedência/viagens: o paciente pode proceder, ter residido ou viajado para regiões endêmicas de esquistossomose, hepatites, febre amarela, leptospirose e outras doenças que cursam com Icterícia. Raça: negros apresentam maior incidência de anemia falciforme. Pródromos de hepatite: queixas de náusea, anorexia e aversão ao cigarro, precedendo o aparecimento de Icterícia, sugerem hepatite viral. Hábitos: uso de bebida alcoólica (quantidade, tipo de bebida, tempo de uso, história de abuso recente). As hepatites B e C são frequentes em usuários de drogas injetáveis e em homossexuais masculinos.