Reflexos

30.764 visualizações

Publicada em

1 comentário
29 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
30.764
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
643
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
454
Comentários
1
Gostaram
29
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reflexos

  1. 1. REFLEXOS
  2. 2. Reflexos • É a contração brusca do músculo quando este é submetido a um estiramento rápido, • Resposta involuntária a um estímulo.
  3. 3. Neurônio motor periférico (corno anterior da medula e núcleos motores dos nervos cranianos) • Neurônio motor alfa=> fibras nervosas de condução rápida=>terminam nas fibras musculares esqueléticas • Neurônio motor gama=>inervam fibras dos fusos neuromusculares
  4. 4. Arco reflexo • Órgão receptor (pele, músculo ou tendão) • Um neurônio aferente • Um neurônio efetor • Um órgão efetor • ARCO REFLEXO MONOSSINÁPTICO • (a interrupção desse arco reflexo em qualquer ponto do trajeto irá abolir a resposta)
  5. 5. Arco reflexo Estimulação do receptor sensorial Envio da mensagem para medula espinal via neuronio sensorial Na medula espinal estímulo neuronio motor correspondente Neuronio motor provoca estiramento das fibras musculares SISTEMA PIRAMIDAL MODULA NMP ARCO REFLEXO
  6. 6. REFLEXOS • Resposta motora ou secretora a um estímulo externo interno, • Arco reflexo=> via aferente (receptor e nervo sensitivo), um centro (substância cinzenta do sistema nervoso central), uma via eferente (nervo motor e órgão efetor) • Cada reflexo apresenta uma área específica de excitação e resposta.
  7. 7. Composição reflexo miotático a) Terminações ânulo-espirais do fuso muscular, que são estimuladas pela distensão ou estiramento do músculo, b) Via aferente, formada pelos axônios do grupo Ia do neurônio sensitivo da raiz dorsal, c) Centro reflexo, formado pela sinapse entre o neurônio motor sensitivo e o motoneurônio,
  8. 8. Composição reflexo miotático d) Via eferente, formada pelo axônio do motoneurônio alfa, e) O efetor, representado pelas fibras extra- fusais do músculo extensor.
  9. 9. 1 2 3 4 5
  10. 10. Reflexo miotático • O sistema gama mantém os fusos musculares em estado sensível, • Facilitando as respostas reflexas e intervém na manutenção do tônus muscular, • O controle deste sistema é dado por centros supramedulares (facilitadores ou inibidores).
  11. 11. Fusos musculares: verificam alteração (estiramento) e a taxa de alteração do comprimento muscular (contração muscular) Órgãos tendinosos de Golgi: sinalizam mudanças de tensão muscular; Motoneurônios alfa: ativam as fibras extra- fusais Motoneurônios gama: ativam as fibras intra- fusais (regula a sua sensibilidade do fuso)
  12. 12. Reflexo miotático • A via piramidal ou corticospinal, por intermédio das fibras extrapiramidais do trato reticulospinal misturadas a ela, é inibidora do sistema gama e, portanto, do reflexo miotático, • A lesão da via piramidal é acompanhada de reflexos tendinosos hiperativos, hipertonia ou espasticidade.
  13. 13. Reflexo miotático • A interrupção do arco reflexo leva à diminuição ou abolição do reflexo miotático e à hipotonia, • traduzindo lesão neurogênica periférica (raiz dorsal ou ventral, troncos nervosos periféricos ou corpos dos motoneurônios no segmento medular).
  14. 14. Reflexos • Estiramento do músculo (percussão do tendão através do martelo, estimula receptores no seu interior=> fusos musculares)
  15. 15. Reflexo miotático • Extensão • Mantém o membro estendido, levando o organismo a manter a posição que antagoniza a ação da gravidade
  16. 16. Classificação dos reflexos • Exteroceptivos (superficiais)=> Receptores localizados na pele e/ou mucosas externas (polissinápticos) • Proprioceptivos =>estímulos atuam ou se originam nos músculos, tendões, labirinto (monossinápticos) • Visceroceptivos
  17. 17. Reflexos proprioceptivos  Miotáticos (profundos ou osteo tendíneos): • estímulo é constituído pela distensão do músculo origem=> receptores aferentes de tração dos músculos esqueléticos e órgãos neurotendíneos, • Reflexos monossinápticos, • Resposta=> contração do músculo estimulado e relaxamento dos músculos antagonistas • Pesquisa do reflexo=>distensão muscular rápida provocada pela percussão tendínea ou óssea.
  18. 18. Reflexos miotáticos fásicos • Pesquisa com auxílio de martelo pela percussão de um tendão muscular Dejerine Teylor Babinsky
  19. 19. Reflexos dos membros superiores
  20. 20. Estilorradial (Braquirradial) • Centro  C5-C6 • Nervo radial • Músculos flexores da mão e dedo • antebraço em flexão sobre o braço e o punho sobre a mão do examinador, • percussão sobre apófise estilóide do rádio, • resposta: contração do músculo braquiorradial com flexão e supinação do antebraço.
  21. 21. Cubitopronador • Centro: C6-T1 • percussão do processo estilóide da ulna, • antebraço em semiflexão e apoiado sobre a mão do examinador. • resposta: contração dos pronadores, com consequente pronação da mão.
  22. 22. Reflexo bicipital • Centro => C5-C6 • N. músculocutâneo • M. Bíceps • antebraço apoiado e em semiflexão, mão em supinação, • percute-se o tendão do bíceps na dobra do cotovelo com interposição do polegar do examinador, • resposta: contração do bíceps e consequente flexão e supinação do antebraço.
  23. 23. Reflexo tricipital • Centro=>C6-C8 • Nervo radial • Músculo tríceps • braço em abdução e sustentado pela mão do examinador, deixa-se cair o antebraço em ângulo reto com o braço, • percussão do tendão distal do tríceps, • resposta: contração do tríceps, com extensão do antebraço.
  24. 24. Reflexo dos flexores dos dedos • C8-T1 • nervos mediano e ulnar • falange média do dedo médio do paciente é fixada entre o segundo e terceiro dedos que com seu polegar determina a flexão brusca da última falange do paciente, pressionando a unha e relaxando-a subitamente, • Manobra de Hoffmann. • resposta: contração dos músculos flexores dos dedos.
  25. 25. • antebraço em semiflexão e supinação e os dedos em leve flexão, • o examinador coloca seus dedos médio e indicador sobre a superfície palmar das falanges do paciente e percute os seus próprios dedos, • manobra de Wartenberg. Reflexo dos flexores dos dedos
  26. 26. Reflexo dos flexores dos dedos • Percussão brusca da polpa dos dedos médio e indicador do paciente com seu próprio dedo médio, • Manobra de Troemner.
  27. 27. Reflexos dos membros inferiores
  28. 28. Manobra para facilitar a obtenção do reflexo => Jendrassik
  29. 29. Reflexo patelar • Centro reflexógeno: L2 – L4 • Nervo femural • Músculo=> quadríceps femural • paciente sentado com as pernas pendentes ou com uma das pernas cruzadas sobre o joelho oposto, • paciente deitado em decúbito dorsal com joelho semifletido e apoiado na mão do examinador, • percussão do tendão da patela junto à articulação do joelho, • resposta: contração do músculo quadríceps femural com extensão da perna.
  30. 30. Reflexo Aquileu • Centro reflexógeno : L5- S2 • Nervo tibial • Músculo tríceps sural • paciente de joelhos sobre uma cadeira e com os pés para fora do assento, • paciente sentado e as pernas pendentes, o tendão do tríceps sural é ligeiramente distendido pela dorsiflexão discreta do pé, • paciente em decúbito dorsal a cima das pernas cruzadas sobre o joelho oposto, pé em ligeira flexão dorsal e apoiando-se a mão do examinador na parte anterior da planta do pé, • percussão: tendão do calcâneo, • resposta: contração do tríceps sural com extensão do pé sobre a perna.
  31. 31. Alteração dos reflexos profundos • Normais, hiperativos, hipoativos • Arreflexia ou hiporreflexia=> Ocorre quando há comprometimento dos elementos que constituem o arco reflexo, obtenção débil (polineuropatia, radiculopatia, poliomielite, miopatia, tabes dorsalis)
  32. 32. Alteração dos reflexos profundos • Hiperreflexia:  Em condicão normal o trato cortico-espinal tem ação inibitória sobre o arco reflexo  lesão dos tratos=> liberação do piramidal  Motoneurônios na síndrome piramidal tornam-se hiperativos  exaltação dos reflexos,obtenção de várias respostas (policinético), lesão da via piramidal.
  33. 33. GRADUAÇÃO DOS REFLEXOS
  34. 34. Alteração dos reflexos profundos Clônus: • Observado quando um músculo é alongado passivamente de modo brusco e este alongamento é mantido pelo examinador • contrações clonicas, repetidas, rítmicas e involuntárias, após distensão brusca de um tendão (mão, rótula, pé).
  35. 35. REFLEXOS CUTÂNEOS
  36. 36. Reflexos cutâneos • O arco reflexo exteroceptivo (reflexos cutâneos) é formado pela fibras aferentes finas, que através de vários interneurônios, vão estimular os motoneurônios alfa.
  37. 37. Reflexos cutâneos • A abolição de um desses reflexos isoladamente (cutâneo-abdominal ou cremastérico) traduz lesão de um dos pontos do arco reflexo (raízes ou nervos periféricos), • Abolição de mais de um desses reflexos => lesão piramidal.
  38. 38. Reflexos cutâneos
  39. 39. Reflexo cutâneo-abdominal • Centro => T6-T12 • Nn. torácicos • obtido pelo estímulo da parede do abdome com objeto semipontiagudo aplicado em sentido látero-medial nas regiões epigástrica, umbilical e hipogástrica, • resposta: contração homolateral dos músculos abdominais , com desvio da linha alba e da cicatriz umbilical.
  40. 40. REFLEXO CREMASTÉRICO • paciente eme decúbito dorsal com os membros inferiores em extensão e abdução, • estimula-se a face interna da coxa no seu 1/3 superior, • resposta: contração do músculo cremaster e elevação do testículo homolateral.
  41. 41. Reflexo cutâneo-plantar • Centro => L5-S2 • Nervo tibial • estimulação com instrumento semipontiagudo da borda externa da planta do pé no sentido postero- anterior, • resposta: contração dos músculos flexores dos dedos do pé.
  42. 42. Reflexo cutâneo-plantar • a via piramidal exerce inibição sobre este reflexo, o que determina a flexão plantar dos dedos do pé quando for estimulada a planta do pé, • Lesão piramidal: após a estimulação da planta do pé o hálux responde com a extensão lenta=> sinal de Babinski.
  43. 43. • SINAL DE BABINSKY=> cutâneo plantar em extensão (extensão lenta e majestosa do hálux) • Manobras=>  Sinal de Gordon=> compressão da panturrilha  Sinal de Schafer=> compressão do tendão de Aquiles  Sinal de Oppenheim=> atrito da crista tibial  Sinal de Chaddock =>obtido pela estimulação da face lateral do pé em torno do maléolo externo
  44. 44. Babinsky Oppenheim
  45. 45. • Tratos corticospinal e reticulospinal lateral são ativadores dos motoneurônios destinados aos músculos flexores e inibidores dos motoneurônios destinados aos músculos extensores, • Os tratos vestibulospinal e reticulospinal anterior são ativadores dos motoneurônios aos músculos extensores e inibidores dos músculos flexores,
  46. 46. • A hipertonia (espasticidade) resulta de lesão dos tratos piramidal, córtico-rubrospinal e reticulospinal, • Ocorre desativação dos motoneurônios destinados aos músculos flexores, liberando os motoneurônios dos músculos extensores,
  47. 47. “Fasciculação” Fasciculação Síndrome do NMP
  48. 48. Sistema Nervoso - Lesões CENTRAL (piramidal) PERIFÉRICA Força Motora Paralisia espástica Paralisia flácida Ref. Miotáticos Hiperreflexia Dim. Ou abolidos Outros S. Babinsky Normal ou indiferente Trofismo Atrofia por desuso amiotrofia
  49. 49. Reflexos primitivos • Respostas motoras reflexas presentes em pacientes com lesão cerebral difusa, com envolvimento principal dos lobos frontais, • Alguns são encontrados em crianças e desaparecem com o desenvolvimento do sistema nervoso.
  50. 50. Reflexos axiais da face • Nasopalpebral (contração bilateral do músculo orbicular da pálpebra), • Orbicular dos lábios, • Mandibular (massetérico)
  51. 51. Sincinesias  movimentos involuntários provocados pela realização de determinados atos voluntários (globais, de imitação, de coordenação).
  52. 52. Tônus • Tono muscular=>estado de tensão permanente dos músculos • Tono muscular ( inspeção, palpação, movimentação e balanço passivos): hiper (lesões piramidais e extrapiramidais) e hipotonia.

×