SlideShare uma empresa Scribd logo
DTP 08 21
31/05/2021
CLÍNICA PROPEDÊUTICA MÉDICA
SALA PRESENCIAL
Pergunta âncora 1
A sobrecarga de sangue no ventrículo esquerdo na Insuficiência da
Válvula aórtica leva a que tipo de sobrecarga? Intrínseca? Extrínseca?
Por quê?
Resposta: Na diástole devido a válvula estar semiaberta há um retorno de volume
sanguíneo para o ventrículo esquerdo esquerdo durante a diástole e por isso a sobrecarga
volumétrica, esta leva a uma hipertrofia muscular extrínseca, os sarcômeros perfilam-se em
série. O coração “cresce para Fora", diferente da hipertrofia ventricular concêntrica da
estenose aórtica quando o coração “cresce para dentro”
Hipertrofia excêntrica do ventrículo esquerdo.
Observar as dimensões aumentadas da cavidade
ventricular, assim como a diminuição na
espessura da parede do ventrículo.
Pergunta âncora 2
Descreva as características auscultatórias da
válvula aórtica na insuficiência da mesma.
R-A ausculta cardíaca da insuficiência
aórtica não costuma ser um grande desafio. O
sopro diastólico aspirativo, melhor audível nos
focos aórtico e aórtico acessório, também com o
paciente sentado e levemente inclinado é de alta
frequência e se inicia logo após o componente A2
da segunda bulha.
Pergunta âncora 3
Citar as causas agudas e crônicas da Insuficiência aórtica
Resposta:
a)Agudas: Endocardite infecciosa,Dissecção aguda da aorta
B) Crônicas: Febre reumática,Endocardite infecciosa e valva
bicúspide
Perguntas para atividade em sala
de aula presencial
4 Casos Clínicos
Caso 1-Falta de ar, especialmente ao fazer algum esforço ou quando for dormir,Cansaço
excessivo,Tosse, principalmente à noite Palpitações e coração acelerado,Inchaço nos pés e
tornozelos. O sopro no foco mitral é tipicamente holossistólico regurgitativo, ou seja, de intensidade
contínua do início ao fim. Ocorre borramento da segunda bulha.Qual o diagnóstico?
Caso2-Falta de ar, especialmente ao fazer algum esforço ou quando for dormir,Cansaço
excessivo;Tosse, principalmente à noite;Palpitações e coração acelerado;Inchaço nos pés e
tornozelos.Apresenta um sopro meso-telessistólico com borramento da B2. Podemos ouvir um click
mesossistólico antes do início do sopro. Qual o diagnóstico?
Caso 3-Cansaço fácil,Sensação de falta de ar, principalmente à noite, tendo que dormir sentado ou
recostado,Tontura ao levantar-se,Dor no peito,Pressão arterial normal,Face rosada.À ausculta do foco
mitral percebe-se um sopro diastólico tipo ruflar, que, na presença de ritmo sinusal vem acompanhado
de um reforço pré-sistólico. É possível ouvir, antes do sopro, um estalido de abertura, Qual o
diagnóstico?
Caso 4- Paciente com queixa de desmaios, dor ou pressão no peito, sensação de fadiga e falta de
ar,apresenta à ausculta cardíaca um sopro sistólico em formato de diamante, foco aórtico,deixando a
B2 bem audível. Ao realizar a manobra de Valsalva,ocasiona uma redução na intensidade do sopro
sistólico.Por quê?
Caso Clínico I
Falta de ar, especialmente ao fazer algum esforço ou quando
for dormir,Cansaço excessivo,Tosse, principalmente à noite
Palpitações e coração acelerado,Inchaço nos pés e
tornozelos. O sopro no foco mitral é tipicamente holossistólico
regurgitativo, ou seja, de intensidade contínua do início ao fim.
Ocorre borramento da segunda bulha.Qual o diagnóstico?
Caso clínico I
Resposta: Insuficiencia mitral.O sopro da IM é tipicamente holossistólico regurgitativo, ou seja, de
intensidade contínua do início ao fim. Ocorre borramento da segunda bulha e esse fato ajuda a
diferenciar do sopro da estenose aórtica que é em diamante e deixa a segunda bulha bem nítida
na ausculta!
Caso clinico II
Falta de ar, especialmente ao fazer algum esforço ou quando
for dormir,Cansaço excessivo;Tosse, principalmente à
noite;Palpitações e coração acelerado;Inchaço nos pés e
tornozelos.Apresenta um sopro meso-telessistólico com
borramento da B2. Podemos ouvir um click mesossistólico
antes do início do sopro. Qual o diagnóstico?
Caso clinico II
A insuficiência mitral apresenta uma variante na ausculta quando se trata de prolapso de
valva mitral. Nesse caso, ocorre um sopro meso-telessistólico com borramento da B2. Em
alguns casos em que a valva ainda não está muito degenerada, podemos ouvir um click
mesossistólico antes do início do sopro.
Caso Clínico III
Cansaço fácil,Sensação de falta de ar, principalmente à noite,
tendo que dormir sentado ou recostado,Tontura ao levantar-
se,Dor no peito,Pressão arterial normal,Face rosada.À
ausculta do foco mitral percebe-se um sopro diastólico tipo
ruflar, que, na presença de ritmo sinusal vem acompanhado de
um reforço pré-sistólico. É possível ouvir, antes do sopro, um
estalido de abertura, Qual o diagnóstico?
Caso Clínico III
Estenose mitral
A estenose mitral, classicamente causa um sopro
diastólico tipo ruflar, que, na presença de ritmo
sinusal vem acompanhado de um reforço pré-
sistólico (pelo aumento do fluxo transmitral
durante a contração atrial). Em valvas doentes,
mas não tão calcificadas, é possível ouvir, antes
do sopro, um estalido de abertura, significando se
tratar de uma valva não tão acometida e, portanto,
passível de tratamento percutâneo com balão.
Caso clinico IV
Paciente com queixa de desmaios, dor ou pressão no
peito, sensação de fadiga e falta de ar,apresenta à
ausculta cardíaca um sopro sistólico em formato de
diamante, foco aórtico,deixando a B2 bem audível. Ao
realizar a manobra de Valsalva,ocasiona uma redução
na intensidade do sopro sistólico.Por quê?
Caso clinico IV
Estenose aórtica com manobra de
Valsalva
O sopro da estenose aórtica é sistólico em
formato de diamante, deixando a B2 bem
audível. Ao realizar a manobra de Valsalva,
ocorre uma redução da pré-carga após
alguns segundos, levando a um enchimento
menor do VE. Isso ocasiona uma redução na
intensidade do sopro sistólico da estenose
aórtica, diferenciando-se do sopro da
obstrução dinâmica da via de saída, comum
na miocardiopatia hipertrófica.
Terminou!!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas
resenfe2013
 
Anatomia cardiovascular[27]
Anatomia cardiovascular[27]Anatomia cardiovascular[27]
Anatomia cardiovascular[27]
sebastiaomoises
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
José Alexandre Pires de Almeida
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
Paulo Alambert
 
Fisiologia ventilação
Fisiologia ventilaçãoFisiologia ventilação
Fisiologia ventilação
Flávia Salame
 
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADEFÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
pauloalambert
 
Icc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia HospitalarIcc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia Hospitalar
Universidade Norte do Paraná
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
pauloalambert
 
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
arcarraretto
 
Ventilação mecânica avançada
Ventilação mecânica avançadaVentilação mecânica avançada
Ventilação mecânica avançada
Grupo Ivan Ervilha
 
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico
Adaptações agudas e crônicas do exercício físicoAdaptações agudas e crônicas do exercício físico
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico
albuquerque1000
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
Flávia Salame
 
Bulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasBulhas Cardíacas
Bulhas Cardíacas
Kelvia Dias
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares
Gabriela Bruno
 
Semiologia Cardiovascular
Semiologia CardiovascularSemiologia Cardiovascular
Semiologia Cardiovascular
Anderson Armstrong
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
Paulo Alambert
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Edema Agudo do Pulmão - Manejo
Edema Agudo do Pulmão - ManejoEdema Agudo do Pulmão - Manejo
Edema Agudo do Pulmão - Manejo
El Nino Cansado
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
resenfe2013
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
jaquerpereira
 

Mais procurados (20)

Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas Cardiopatias congênitas cianogênicas
Cardiopatias congênitas cianogênicas
 
Anatomia cardiovascular[27]
Anatomia cardiovascular[27]Anatomia cardiovascular[27]
Anatomia cardiovascular[27]
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
Fisiologia ventilação
Fisiologia ventilaçãoFisiologia ventilação
Fisiologia ventilação
 
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADEFÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
FÁCIES,ATITUDE,MARCHA,MOTRICIDADE
 
Icc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia HospitalarIcc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia Hospitalar
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
 
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015
 
Ventilação mecânica avançada
Ventilação mecânica avançadaVentilação mecânica avançada
Ventilação mecânica avançada
 
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico
Adaptações agudas e crônicas do exercício físicoAdaptações agudas e crônicas do exercício físico
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
 
Bulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasBulhas Cardíacas
Bulhas Cardíacas
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares Doenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares
 
Semiologia Cardiovascular
Semiologia CardiovascularSemiologia Cardiovascular
Semiologia Cardiovascular
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Edema Agudo do Pulmão - Manejo
Edema Agudo do Pulmão - ManejoEdema Agudo do Pulmão - Manejo
Edema Agudo do Pulmão - Manejo
 
Exame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratórioExame físico do sist. respiratório
Exame físico do sist. respiratório
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 

Semelhante a DTP 08 21 SP

DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
pauloalambert
 
Dtp9 sp
Dtp9 spDtp9 sp
Dtp9 sp
pauloalambert
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
pauloalambert
 
Insuficiencia aortica
Insuficiencia aorticaInsuficiencia aortica
Insuficiencia aortica
LionelGama
 
Valvulopatias
ValvulopatiasValvulopatias
Valvulopatias
pauloalambert
 
Perturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrioPerturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrio
Paulo Alambert
 
Dtp8 sp
Dtp8 spDtp8 sp
Dtp8 sp
pauloalambert
 
Cardio
CardioCardio
Cardio
Roberto Lima
 
Cardiopatias erm valvulas
Cardiopatias erm valvulasCardiopatias erm valvulas
Cardiopatias erm valvulas
Janderson Rodrigues
 
Arritmias semiologia
Arritmias semiologiaArritmias semiologia
Arritmias semiologia
pauloalambert
 
Arritmias semiologia
Arritmias semiologiaArritmias semiologia
Arritmias semiologia
pauloalambert
 
17ª aula doenças circulatórias Silvio
17ª aula   doenças circulatórias Silvio17ª aula   doenças circulatórias Silvio
17ª aula doenças circulatórias Silvio
Prof Silvio Rosa
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Resumo exame do aparelho cardiovascular
Resumo   exame do aparelho cardiovascularResumo   exame do aparelho cardiovascular
Resumo exame do aparelho cardiovascular
Ana Olívia Marinho
 
Dor toracica
Dor toracica Dor toracica
Dor toracica
pauloalambert
 
Dor toracica 2019
Dor toracica 2019Dor toracica 2019
Dor toracica 2019
pauloalambert
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
gisa_legal
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
030887
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
Paulo Alambert
 

Semelhante a DTP 08 21 SP (20)

DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
Dtp9 sp
Dtp9 spDtp9 sp
Dtp9 sp
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
Insuficiencia aortica
Insuficiencia aorticaInsuficiencia aortica
Insuficiencia aortica
 
Valvulopatias
ValvulopatiasValvulopatias
Valvulopatias
 
Perturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrioPerturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrio
 
Dtp8 sp
Dtp8 spDtp8 sp
Dtp8 sp
 
Cardio
CardioCardio
Cardio
 
Cardiopatias erm valvulas
Cardiopatias erm valvulasCardiopatias erm valvulas
Cardiopatias erm valvulas
 
Arritmias semiologia
Arritmias semiologiaArritmias semiologia
Arritmias semiologia
 
Arritmias semiologia
Arritmias semiologiaArritmias semiologia
Arritmias semiologia
 
17ª aula doenças circulatórias Silvio
17ª aula   doenças circulatórias Silvio17ª aula   doenças circulatórias Silvio
17ª aula doenças circulatórias Silvio
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
 
Resumo exame do aparelho cardiovascular
Resumo   exame do aparelho cardiovascularResumo   exame do aparelho cardiovascular
Resumo exame do aparelho cardiovascular
 
Dor toracica
Dor toracica Dor toracica
Dor toracica
 
Dor toracica 2019
Dor toracica 2019Dor toracica 2019
Dor toracica 2019
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 

Mais de pauloalambert

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
pauloalambert
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
pauloalambert
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
pauloalambert
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
pauloalambert
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
pauloalambert
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
pauloalambert
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
Semiologia das Linfadenopatias
Semiologia das LinfadenopatiasSemiologia das Linfadenopatias
Semiologia das Linfadenopatias
pauloalambert
 
Pares cranianos
Pares cranianosPares cranianos
Pares cranianos
pauloalambert
 

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
Semiologia das Linfadenopatias
Semiologia das LinfadenopatiasSemiologia das Linfadenopatias
Semiologia das Linfadenopatias
 
Pares cranianos
Pares cranianosPares cranianos
Pares cranianos
 

DTP 08 21 SP

  • 1. DTP 08 21 31/05/2021 CLÍNICA PROPEDÊUTICA MÉDICA SALA PRESENCIAL
  • 2. Pergunta âncora 1 A sobrecarga de sangue no ventrículo esquerdo na Insuficiência da Válvula aórtica leva a que tipo de sobrecarga? Intrínseca? Extrínseca? Por quê? Resposta: Na diástole devido a válvula estar semiaberta há um retorno de volume sanguíneo para o ventrículo esquerdo esquerdo durante a diástole e por isso a sobrecarga volumétrica, esta leva a uma hipertrofia muscular extrínseca, os sarcômeros perfilam-se em série. O coração “cresce para Fora", diferente da hipertrofia ventricular concêntrica da estenose aórtica quando o coração “cresce para dentro”
  • 3. Hipertrofia excêntrica do ventrículo esquerdo. Observar as dimensões aumentadas da cavidade ventricular, assim como a diminuição na espessura da parede do ventrículo.
  • 4.
  • 5. Pergunta âncora 2 Descreva as características auscultatórias da válvula aórtica na insuficiência da mesma. R-A ausculta cardíaca da insuficiência aórtica não costuma ser um grande desafio. O sopro diastólico aspirativo, melhor audível nos focos aórtico e aórtico acessório, também com o paciente sentado e levemente inclinado é de alta frequência e se inicia logo após o componente A2 da segunda bulha.
  • 6. Pergunta âncora 3 Citar as causas agudas e crônicas da Insuficiência aórtica Resposta: a)Agudas: Endocardite infecciosa,Dissecção aguda da aorta B) Crônicas: Febre reumática,Endocardite infecciosa e valva bicúspide
  • 7. Perguntas para atividade em sala de aula presencial
  • 8. 4 Casos Clínicos Caso 1-Falta de ar, especialmente ao fazer algum esforço ou quando for dormir,Cansaço excessivo,Tosse, principalmente à noite Palpitações e coração acelerado,Inchaço nos pés e tornozelos. O sopro no foco mitral é tipicamente holossistólico regurgitativo, ou seja, de intensidade contínua do início ao fim. Ocorre borramento da segunda bulha.Qual o diagnóstico? Caso2-Falta de ar, especialmente ao fazer algum esforço ou quando for dormir,Cansaço excessivo;Tosse, principalmente à noite;Palpitações e coração acelerado;Inchaço nos pés e tornozelos.Apresenta um sopro meso-telessistólico com borramento da B2. Podemos ouvir um click mesossistólico antes do início do sopro. Qual o diagnóstico? Caso 3-Cansaço fácil,Sensação de falta de ar, principalmente à noite, tendo que dormir sentado ou recostado,Tontura ao levantar-se,Dor no peito,Pressão arterial normal,Face rosada.À ausculta do foco mitral percebe-se um sopro diastólico tipo ruflar, que, na presença de ritmo sinusal vem acompanhado de um reforço pré-sistólico. É possível ouvir, antes do sopro, um estalido de abertura, Qual o diagnóstico? Caso 4- Paciente com queixa de desmaios, dor ou pressão no peito, sensação de fadiga e falta de ar,apresenta à ausculta cardíaca um sopro sistólico em formato de diamante, foco aórtico,deixando a B2 bem audível. Ao realizar a manobra de Valsalva,ocasiona uma redução na intensidade do sopro sistólico.Por quê?
  • 9. Caso Clínico I Falta de ar, especialmente ao fazer algum esforço ou quando for dormir,Cansaço excessivo,Tosse, principalmente à noite Palpitações e coração acelerado,Inchaço nos pés e tornozelos. O sopro no foco mitral é tipicamente holossistólico regurgitativo, ou seja, de intensidade contínua do início ao fim. Ocorre borramento da segunda bulha.Qual o diagnóstico?
  • 10. Caso clínico I Resposta: Insuficiencia mitral.O sopro da IM é tipicamente holossistólico regurgitativo, ou seja, de intensidade contínua do início ao fim. Ocorre borramento da segunda bulha e esse fato ajuda a diferenciar do sopro da estenose aórtica que é em diamante e deixa a segunda bulha bem nítida na ausculta!
  • 11. Caso clinico II Falta de ar, especialmente ao fazer algum esforço ou quando for dormir,Cansaço excessivo;Tosse, principalmente à noite;Palpitações e coração acelerado;Inchaço nos pés e tornozelos.Apresenta um sopro meso-telessistólico com borramento da B2. Podemos ouvir um click mesossistólico antes do início do sopro. Qual o diagnóstico?
  • 12. Caso clinico II A insuficiência mitral apresenta uma variante na ausculta quando se trata de prolapso de valva mitral. Nesse caso, ocorre um sopro meso-telessistólico com borramento da B2. Em alguns casos em que a valva ainda não está muito degenerada, podemos ouvir um click mesossistólico antes do início do sopro.
  • 13. Caso Clínico III Cansaço fácil,Sensação de falta de ar, principalmente à noite, tendo que dormir sentado ou recostado,Tontura ao levantar- se,Dor no peito,Pressão arterial normal,Face rosada.À ausculta do foco mitral percebe-se um sopro diastólico tipo ruflar, que, na presença de ritmo sinusal vem acompanhado de um reforço pré-sistólico. É possível ouvir, antes do sopro, um estalido de abertura, Qual o diagnóstico?
  • 14. Caso Clínico III Estenose mitral A estenose mitral, classicamente causa um sopro diastólico tipo ruflar, que, na presença de ritmo sinusal vem acompanhado de um reforço pré- sistólico (pelo aumento do fluxo transmitral durante a contração atrial). Em valvas doentes, mas não tão calcificadas, é possível ouvir, antes do sopro, um estalido de abertura, significando se tratar de uma valva não tão acometida e, portanto, passível de tratamento percutâneo com balão.
  • 15. Caso clinico IV Paciente com queixa de desmaios, dor ou pressão no peito, sensação de fadiga e falta de ar,apresenta à ausculta cardíaca um sopro sistólico em formato de diamante, foco aórtico,deixando a B2 bem audível. Ao realizar a manobra de Valsalva,ocasiona uma redução na intensidade do sopro sistólico.Por quê?
  • 16. Caso clinico IV Estenose aórtica com manobra de Valsalva O sopro da estenose aórtica é sistólico em formato de diamante, deixando a B2 bem audível. Ao realizar a manobra de Valsalva, ocorre uma redução da pré-carga após alguns segundos, levando a um enchimento menor do VE. Isso ocasiona uma redução na intensidade do sopro sistólico da estenose aórtica, diferenciando-se do sopro da obstrução dinâmica da via de saída, comum na miocardiopatia hipertrófica.