SlideShare uma empresa Scribd logo
REUNIÃO DE DIAGNÓSTICO
DIFERENCIAL EM RADIOLOGIA
HOSPITAL MADRE TERESA
BRENDA NAJAT BOECHAT LAHLOU
R1 EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM
28/08/2019
HMA
• F.A.F., sexo masculino, 16 anos.
• Ao realizar exames de rotina, o Eletrocardiograma evidenciou sinais
de sobrecarga do ventrículo esquerdo.
• Assintomático.
• Foram solicitados um ECOTT e uma ANGIOTC da Aorta.
ECG: Sinais de sobrecarga de ventrículo esquerdo
ANGIOTOMOGRAFIA DA AORTA TOTAL – 28/05:
• Presença de volumosa dilatação aneurismática do segmento tubular
ascendente aórtico, com o diâmetro de até 74 mm, sem trombo.
• Nota-se a redução moderada do diâmetro luminal aórtico do arco, sendo
mais intenso na região do istmo (diâmetro mínimo luminal efetivo no istmo é
de aproximadamente 6,5 mm), havendo dilatação fusiforme pós-
estenótica no terço proximal descendente aórtico com até 36 mm.
• O segmento mais distal descendente da aorta apresenta o diâmetro normal.
• São evidenciadas diversas artérias dilatadas moderadamente
intercostais da metade superior, bilaterais, notando-se ainda leve /
moderada dilatação bilateral das artérias torácicas internas.
•Artérias ilíacas comuns, internas e externas estão patentes.
Obs¹.: Gentileza correlacionar evolutivamente com achados de eventuais exames prévios de
imagens relacionados, não disponíveis no momento.
Obs².: Como achados de exame não direcionado, verificamos: Cardiomegalia.
Exames complementares
• ECODOPPLERCARDIOGRAMA TRANSTORÁCICO (pré ADM)
Remodelamento excêntrico do VE com FEVE preservada (57%
pelo método 3D).
Refluxo de valva tricúspide e mitral.
Regurgitação moderada a importante da valva aórtica.
Dilatação aneurismática importante da aorta ascendente.
VD com fração de ejeção preservada.
CONDUTA
• Internado para tratamento cirúrgico.
• Coarctação no istmo da aorta
• Aneurisma aorta ascendente
• Insuficiência da valva aórtica.
Primeiro Tempo Cirúrgico
Bloco Cirúrgico CCV – 31/05
[...]
• Realizada correção da coarctação com endoprotese 28/28/150 com
Free Flow, realizada balonamento posterior.
• Aferido gradiente pré e pós coarctação.
Realizada aortografia de controle com bom resultado.
[...]
Segundo Tempo Cirúrgico
Bloco Cirúrgico CCV – 06/06
[...]
• Tentado plastia da valva e com Eco transoperatório observado
insuficiência valvar e optado por modificação para Bentall de Bono
com prótese biológica o que provocou CEC por mais de 150 minutos,
teve três Clampagens de 49 minutos, 18 minutos e 42 minutos,
recebeu 6000 ml de cristaloide, 1700 ml de diurese após estímulo
com Lasix.
[...]
•FOTOS ANGIO TC POS OP
ANGIOTOMOGRAFIA DA AORTA TOTAL 11/06:
• Achados pós-operatórios de correção de coarctação de aorta (dado clínico), havendo próteses
valvar aórtica e na aorta ascendente, patentes. Há ainda endoprótese aórtica, também
pérvia, com ancoragem proximal na região da emergência da artéria carótida esquerda,
estendendo-se até o terço médio torácico descendente. Não há evidências de endoleak.
• Fios de esternorrafia bem posicionados.
• Pequena coleção hipoatenuante alongada retrosternal, com focos gasosos em permeio,
apresentando volume grosseiramente calculado em 23 cm³.
•Associa-se pequeno / moderado pneumomediastino, além de pequeno pneumoperitônio.
•Pequeno derrame pericárdico.
•Pequeno derrame pleural bilateral hipoatenuante.
•As demais porções da aorta torácica descendente apresenta diâmetro usual.
•Houve redução da dilatação de artérias intercostais e torácicas internas, na comparação com
estudo tomográfico prévio do dia 28/05/2019 (exame pré-operatório).
•Artérias ilíacas comuns, internas e externas estão patentes.
Obs.: Como achados de exame não direcionado, verificamos: Pequena ascite.
HMA
• O paciente evoluiu bem no pós operatório e recebeu alta dia 12/06.
COARCTAÇÃO DA AORTA
COARCTAÇÃO DA AORTA
• Doença congênita obstrutiva luminal.
• Ocorre estreitamento focal no segmento descendente
proximal, usualmente na região do ducto arterioso.
• Incidência: 2-6 / 10,000 nascimentos.
• 5- 10% dos casos de doença cardíaca congênita.
Teoria Muscular X Teoria Hemodinâmica
COARCTAÇÃO DA AORTA
• Doença congênita obstrutiva luminal.
• Ocorre estreitamento focal no segmento descendente
proximal, usualmente na região do ducto arterioso.
• Incidência: 2-6 / 10,000 nascimentos.
• 5- 10% dos casos de doença cardíaca congênita.
Teoria Muscular X Teoria Hemodinâmica
Achados Associados
• Defeito Septal Ventricular
• Alterações da Valva Aórtica (Valva aórtica bicúspide)
• Ducto arterioso patente
• Aneurismas
• Aorta ascendente,
• Ducto,
• Artérias intercostais
• Polígono de Willis
• Estenose das artérias subclávias esquerda e direita aberrante.
• Síndrome Shone
(coarctação aórtica / estenose subaórtica / valva mitral em paraquedas / anel
supravalvular mitral)
Achados Associados
• Defeito Septal Ventricular
• Alterações da Valva Aórtica (Valva aórtica bicúspide)
• Ducto arterioso patente
• Aneurismas
• Aorta ascendente,
• Ducto,
• Artérias intercostais
• Polígono de Willis
• Estenose das artérias subclávias esquerda e direita aberrante.
• Síndrome Shone
(coarctação aórtica / estenose subaórtica / valva mitral em paraquedas / anel
supravalvular mitral)
Tipo infantil / pré – ductal :
• Associado à hipoplasia do arco ou da aorta
descendente.
• Associação a outras anomalias congênitas
• Síndrome de Turner (20%)
COARCTAÇÃO DA AORTA
Circulação Colateral
• Alta pressão  Baixa pressão
• Vasos colaterais emergem de ramos das artérias subclávias
acima da obstrução
(suprindo os tecidos abaixo da obstrução).
COARCTAÇÃO DA AORTA
Circulação Colateral
Rotas colaterais principais:
• a. subclávia  a. torácica interna  a. intercostais (fluxo retrógrado) 
aorta descendente pós coarctação
• a. subclávia  troncos tireo e costocervicais  a. toracoacromial e
escapular descendente  aorta torácica descendente pós – coarctação.
• a. subclávia  a. vertebral a. espinhal anterior  as. Intercostais 
aorta torácica descendente pós coarctação.
COARCTAÇÃO DA AORTA
Circulação Colateral
Rotas colaterais principais:
• a. subclávia  a. mamária interna  a. intercostais (fluxo retrógrado) 
aorta descendente pós coarctação
• a. subclávia  troncos tireo e costocervicais  a. toracoacromial e
escapular descendente  aorta torácica descendente pós – coarctação.
• a. subclávia  a. vertebral a. espinhal anterior  as. Intercostais 
aorta torácica descendente pós coarctação.
Achados Clínicos
• Hipertensão Arterial.
• MMSS com Pulsos Amplos.
• MMII com Pulsos Ausentes ou Diminuídos.
• Hiperfonese da 2ª bulha (aórtica e mitral).
• Estalido protossistólico aórtico.
• Sopro mesotelessistólico / protomesodiastólico em dorso
esquerdo (turbulência na coarctação)
RADIOGRAFIA TORÁCICA
• Sinal de Roesler:
• Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª).
• Sinal do “ 3 invertido”
• Dilatação Subclávia E.
• Segmento estenótico aparece como um entalhe
• Dilatação pós estenótica.
• Contorno do arco aórtico apagado.
RADIOGRAFIA TORÁCICA
• Sinal de Roesler:
• Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª).
• Sinal do “ 3 invertido”
• Dilatação Subclávia E.
• Segmento estenótico aparece como um entalhe
• Dilatação pós estenótica.
• Contorno do arco aórtico apagado.
RADIOGRAFIA TORÁCICA
• Sinal de Roesler:
• Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª).
• Sinal do “ 3 invertido”
• Dilatação Subclávia E.
• Segmento estenótico aparece como um entalhe
• Dilatação pós estenótica.
• Contorno do arco aórtico apagado.
RADIOGRAFIA TORÁCICA
• Sinal de Roesler:
• Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª).
• Sinal do “ 3 invertido”
• Dilatação Subclávia E.
• Segmento estenótico aparece como um entalhe
• Dilatação pós estenótica.
• Contorno do arco aórtico apagado.
RADIOGRAFIA TORÁCICA
• Sinal de Roesler:
• Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª).
• Sinal do “ 3 invertido”
• Dilatação Subclávia E.
• Segmento estenótico aparece como um entalhe
• Dilatação pós estenótica.
• Contorno do arco aórtico apagado.
RADIOGRAFIA TORÁCICA
• Sinal de Roesler:
• Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª).
• Sinal do “ 3 invertido”
• Dilatação Subclávia E.
• Segmento estenótico aparece como um entalhe
• Dilatação pós estenótica.
• Contorno do arco aórtico apagado.
RADIOGRAFIA TORÁCICA
• Sinal de Roesler:
• Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª).
• Sinal do “ 3 invertido”
• Dilatação Subclávia E.
• Segmento estenótico aparece como um entalhe
• Dilatação pós estenótica.
• Contorno do arco aórtico apagado.
[...]
• Dilatação das artérias torácicas internas podem ser vistas
no perfil como densidade de partes moles.
• Aumento do Ventrículo Esquerdo
• Ápice cardíaco se projeta inferiormente e lateralmente à E
• Abaulamento margem cardíaca
• Sinal de Hoffman Rigler positivo
RADIOGRAFIA TORÁCICA
[...]
• Dilatação das artérias mamárias internas podem ser vistas
no perfil como densidade de partes moles.
• Aumento do Ventrículo Esquerdo
• Ápice cardíaco se projeta inferiormente e lateralmente à E
• Abaulamento margem cardíaca
• Sinal de Hoffman Rigler positivo
RADIOGRAFIA TORÁCICA
Sinal de Hoffman – Rigler ( > VE)
Extensão da borda posterior ventricular  1,8 cm
posteriormente à borda da Veia cava.
(medido à 2cm acima da intersecção VCI x borda ventricular)
[...]
• Dilatação das artérias mamárias internas podem ser vistas
no perfil como densidade de partes moles.
• Aumento do Ventrículo Esquerdo
• Ápice cardíaco se projeta inferiormente e lateralmente à E
• Abaulamento margem cardíaca
• Sinal de Hoffman Rigler positivo
RADIOGRAFIA TORÁCICA
Sinal de Hoffman – Rigler ( > VE)
Extensão da borda posterior ventricular  1,8 cm
posteriormente à borda da Veia cava.
(medido à 2cm acima da intersecção VCI x diafragma)
ANGIO TOMOGRAFIA
• Segmento estenosado
• Circulação colateral
• Planejamento cirúrgico
•Acompanhamento pós - OP
AORTOGRAFIA
• Avaliação do segmento coarctado e troncos supra aórticos.
• Gradiente transcoarctação.
• Circulação colateral.
• Malformações cardíacas adicionais.
ECOCARDIOGRAFIA
• Malformações cardíacas
• Gradiente aórtico
Diagnóstico Diferencial
• Pseudocoarctação
• Alongamento e Kinking do arco aórtico.
• Pode formar “ duas proeminências” no local do arco
aórtico, simulando o Sinal do 3.
• Ausência de obstrução do fluxo sanguíneo.
• Ausência de vasos colaterais.
• > idade
Diagnóstico Diferencial
• Arterite de Takayasu
• Estreitamento de origem inflamatória idiopática.
• Estenose segmentar multifocal da aorta e seus ramos
(raramente restrito ao istmo).
• Contorno irregular / ondulado na aorta torácica descendente.
• Espessamento concêntrico da parede com padrão em anel duplo.
• Pseudoaneurisma Traumático Crônico
• História de trauma / fratura costal / outras fraturas
• Transecção parcial da parede / Expansão temporal
• Podem calcificar
Diagnóstico Diferencial
• Arterite de Takayasu
• Estreitamento de origem inflamatória idiopática.
• Estenose segmentar multifocal da aorta e seus ramos
(raramente restrito ao istmo).
• Contorno irregular / ondulado na aorta torácica descendente.
• Espessamento concêntrico da parede com padrão em anel duplo.
• Pseudoaneurisma Traumático Crônico
• História de trauma / fratura costal / outras fraturas
• Transecção parcial da parede / Expansão temporal
• Podem calcificar
Diagnóstico Diferencial
• Arterite de Takayasu
• Estreitamento de origem inflamatória idiopática.
• Estenose segmentar multifocal da aorta e seus ramos
(raramente restrito ao istmo).
• Contorno irregular / ondulado na aorta torácica descendente.
• Espessamento concêntrico da parede com padrão em anel duplo.
• Pseudoaneurisma Traumático Crônico
• Transecção parcial da parede / Expansão temporal
• História de trauma / fratura costal / outras fraturas
• Podem calcificar
Diagnóstico Diferencial
• Arterite de Takayasu
• Estreitamento de origem inflamatória idiopática.
• Estenose segmentar multifocal da aorta e seus ramos
(raramente restrito ao istmo).
• Contorno irregular / ondulado na aorta torácica descendente.
• Espessamento concêntrico da parede com padrão em anel duplo.
• Pseudoaneurisma Traumático Crônico
• História de trauma / fratura costal / outras fraturas
• Transecção parcial da parede / Expansão temporal
• Podem calcificar
Diagnóstico Diferencial
Sinal de Roesler
• Neurofibromatose
• Obstrução da Veia Cava Superior (colaterais venosas)
• Obstrução pulmonar unilateral
• Idiopática
COMPLICAÇÕES /
PROGNÓSTICO
• Média de sobrevida de 42 anos
Ruptura aórtica espontânea / Endocardite bacteriana / Hemorragia
cerebral
• Falência renal por tratamento de HAS não suspeitada
• Re-coarctação (2-5%)
• Aneurismas pós operatórios (25%)
• Hipertensão / Doença coronariana
• Aumento do risco de dissecção
• Alta mortalidade durante a gestação (quando não tratada)
TRATAMENTO
Indicações:
• Hipertensão persistente
• Estenose hemodinamicamente significativa
• Intenção de engravidar
Correção cirúrgica
• Anastomose ponta a ponta
• Aortoplastia com flap da subclávia esquerda
• Próteses / Enxertos
Indicações:
• Hipertensão persistente
• Estenose hemodinamicamente significativa
• Intenção de engravidar
Correção cirúrgica
• Anastomose ponta a ponta
• Aortoplastia com flap da subclávia esquerda
• Próteses / Enxertos
TRATAMENTO
ANEURISMAS DA AORTA
AORTA
ANEURISMA DE AORTA
•Dilatação permanente da aorta > 1,5 x superior ao
seu diâmetro normal.
Idade / Sexo / Superfície corporal
•Aorta torácica ascendente: 40 – 50 mm
•Aorta torácica descendente: 30 – 40 mm
CLASSIFICAÇÃO
Causas:
• Aterosclerose
• HAS
• Sífilis
• Arterites
• Anomalias congênitas
• Degeneração cística da média
(Sd. Marfan, Ehlers-Danlos)
Classificação Etiológica:
• Aterosclerótico
• Micótico
• Traumático
• Inflamatório
• Pós-cirúrgico
• Congênito
CLASSIFICAÇÃO
•Verdadeiros X Pseudoaneurisma
•Fusiforme (80%) X Sacular
CLASSIFICAÇÃO DE CRAWFORD
CLASSIFICAÇÃO DE CRAWFORD
CLASSIFICAÇÃO DE CRAWFORD
I Se estende da arteria subclavia esquerda ao abdome
superior / arterias renais
II Da arteria subclavia esquerda ao segmento distal da aorta /
bifurcacao
III Segmento distal da aorta toracica (segmento descendente
medio) e estende à bifurcacao aortica
IV Aneurisma que acomete toda a extensao da aorta
abdominal
COMPLICAÇÕES
• Ruptura
•  mortalidade!
• Achados na TC:
• Descontinuidade de uma calcificação circunferencial.
• Sinal do crescente hiperdenso.
• Parede posterior indistinta.
• Extravasamento do meio de contraste.
• Sacular > 6,5cm – Maior risco!
• Fístulas para órgãos vizinhos
TRATAMENTO
Indicações:
•Sintomático
•Tamanho
• A. Ascendente se > 5,5cm (Sd. Marfan >5cm)
• A. Descendente > 6,5cm (Sd. Marfan >6cm)
•Velocidade de Crescimento
• > 1cm / ano
TRATAMENTO
•Enxertos sintéticos .
•Próteses endovasculares.
•Cirurgia valva aórtica – Aneursmas sino-tubulares.
TRATAMENTO
Morfometria: IMAGEM DO CBR
•Diâmetros:
• Antes do aneurisma / ancoragem proximal
• Maior diâmetro
• Após / ancoragem distal
•Comprimentos:
• Colo proximal
• Colo distal
•Distância entre a emergência dos ramos aórticos
•Diâmetros dos ramos aórticos
•Posição angular do ramo visceral
•Condições da parede das zonas de ancoragem
(calcificações / trombos)
TRATAMENTO
Morfometria: IMAGEM DO CBR
•Diâmetros:
• Antes do aneurisma / ancoragem proximal
• Maior diâmetro
• Após / ancoragem distal
•Comprimentos:
• Colo proximal
• Colo distal
•Distância entre a emergência dos ramos aórticos
•Diâmetros dos ramos aórticos
•Posição angular do ramo visceral
•Condições da parede das zonas de ancoragem
(calcificações / trombos)
ACOMPANHAMENTO TTO
ENDOVASCULAR
• Angio TC (pré contraste / Arterial / Tardia)
• Controle: 3 / 6 / 18 / 24 meses / anual
•Endoleak
• Não redução ou aumento do diâmetro do aneurisma
• Classificação
•Outros
• Estenose da luz da prótese
• Trombose da Luz / ramificações da prótese
• Migração / angulação
• Dissecção de vaso
ACOMPANHAMENTO TTO
ENDOVASCULAR
• Angio TC (pré contraste / Arterial / Tardia)
• Controle: 3 / 6 / 18 / 24 meses / anual
•Endoleak
• Não redução ou aumento do diâmetro do aneurisma
• Classificação
•Outros
• Estenose da luz da prótese
• Trombose da Luz / ramificações da prótese
• Migração / angulação
• Dissecção de vaso
ENDOLEAK
ACOMPANHAMENTO TTO
ENDOVASCULAR
• Angio TC (pré contraste / Arterial / Tardia)
• Controle: 3 / 6 / 18 / 24 meses / anual
•Endoleak
• Não redução ou aumento do diâmetro do aneurisma
• Classificação
•Outros
• Estenose da luz da prótese
• Trombose da Luz / ramificações da prótese
• Migração / angulação
• Dissecção de vaso
ENDOLEAK
ACOMPANHAMENTO TTO
ENDOVASCULAR
ACOMPANHAMENTO TTO
ENDOVASCULAR
Referências
 SILVA, C. I. S.; MÜLLER, N. L. Série Colégio Brasileiro de Radiologia Diagnóstico
Por Imagem: Tórax . Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.
 GURNEY, J. W.; WINER-MURAM, H.T.; STERN, E. J.; FRANQUET, T.; RAVENEL, J.G.;
WHITE, C. S.; BANKIER, A. A.; HOLBERT, J. M.; GOSSELIN, M. V.; MOHAMMED, T.
H.; SHAFFER, K.; MERGO, P. J.; DESAI, S. R.; BOISELLE, P. M. Diagnostic Imaging :
Chest. Salt Lake City: Amirsys, 2006.
 BURGENER, F. A.; KORMANO, M. Differential Diagnosis in Conventional
Radiology. 2 ed. New York: Thieme, 1991.
CARROLL, D.; GAILLARD, F. et al. Coarctation of the Aorta. Radiopaedia. Disponível
em: <https://radiopaedia.org/articles/coarctation-of-the-aorta> Acesso em 27 de Agosto
de 2019.
SHARMA, R.; GAILLARD, F. et al. Rib Notching. Radiopaedia. Disponível em:
<https://radiopaedia.org/articles/coarctation-of-the-aorta> Acesso em 27 de Agosto de
2019.
Coarctação de Aorta

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
dapab
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Anatomia do abdome por tc
Anatomia do abdome por tcAnatomia do abdome por tc
Anatomia do abdome por tc
 
RM CRÂNIO
RM CRÂNIORM CRÂNIO
RM CRÂNIO
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do TóraxTomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
 
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágicoNeurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
Neurorradiologia AVC isquêmico e hemorrágico
 
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas PulmonaresMonitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
 
Profilaxia Raiva Ministerio Saude Brasil 2011
Profilaxia Raiva Ministerio Saude Brasil 2011Profilaxia Raiva Ministerio Saude Brasil 2011
Profilaxia Raiva Ministerio Saude Brasil 2011
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introdução
 
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores   2013...
Aula científica sobre seios paranasais, cavum e vias aéreas superiores 2013...
 
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
 
Princípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografiaPrincípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografia
 
Esquema profilaxia raiva humana
Esquema profilaxia raiva humanaEsquema profilaxia raiva humana
Esquema profilaxia raiva humana
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
 
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICAANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
 
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e PeritônioUltrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
 
Anatomia do tórax
Anatomia do tóraxAnatomia do tórax
Anatomia do tórax
 
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátricaPós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
Pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica
 
Nós e Suturas
Nós e SuturasNós e Suturas
Nós e Suturas
 

Semelhante a Coarctação de Aorta

Tomografia Computadorizada de Artérias Coronárias
Tomografia Computadorizada de Artérias CoronáriasTomografia Computadorizada de Artérias Coronárias
Tomografia Computadorizada de Artérias Coronárias
Alex Eduardo Ribeiro
 
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebral
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebralCirculação da coluna espinhal e coluna vertebral
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebral
Junio Alves
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
gisa_legal
 
Tomografia Computadorizada de Artérias Coronarias
Tomografia Computadorizada de Artérias CoronariasTomografia Computadorizada de Artérias Coronarias
Tomografia Computadorizada de Artérias Coronarias
Alex Eduardo Ribeiro
 
territorios especiais das coronarias
territorios especiais das coronarias territorios especiais das coronarias
territorios especiais das coronarias
Lilian Gomes
 
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitas
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitasDesenvolvimento do coração e anomalias congênitas
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitas
LUAH
 
Coraçao e anomalias congenitas
Coraçao e anomalias congenitasCoraçao e anomalias congenitas
Coraçao e anomalias congenitas
LUAH
 

Semelhante a Coarctação de Aorta (20)

Trabajo cardiología
Trabajo cardiologíaTrabajo cardiología
Trabajo cardiología
 
Valvulopatia (Davyson Sampaio Braga)
Valvulopatia (Davyson Sampaio Braga)Valvulopatia (Davyson Sampaio Braga)
Valvulopatia (Davyson Sampaio Braga)
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
 
Tomografia Computadorizada de Artérias Coronárias
Tomografia Computadorizada de Artérias CoronáriasTomografia Computadorizada de Artérias Coronárias
Tomografia Computadorizada de Artérias Coronárias
 
Manual Cardiologia Cardiopapers
Manual Cardiologia CardiopapersManual Cardiologia Cardiopapers
Manual Cardiologia Cardiopapers
 
HEMODINÂMICA: ARTÉRIAS CORONÁRIAS
HEMODINÂMICA: ARTÉRIAS CORONÁRIASHEMODINÂMICA: ARTÉRIAS CORONÁRIAS
HEMODINÂMICA: ARTÉRIAS CORONÁRIAS
 
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebral
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebralCirculação da coluna espinhal e coluna vertebral
Circulação da coluna espinhal e coluna vertebral
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
 
Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Sopros cardíacos
Sopros cardíacosSopros cardíacos
Sopros cardíacos
 
Tomografia Computadorizada de Artérias Coronarias
Tomografia Computadorizada de Artérias CoronariasTomografia Computadorizada de Artérias Coronarias
Tomografia Computadorizada de Artérias Coronarias
 
territorios especiais das coronarias
territorios especiais das coronarias territorios especiais das coronarias
territorios especiais das coronarias
 
Sistema Circulatorio.pdf
Sistema Circulatorio.pdfSistema Circulatorio.pdf
Sistema Circulatorio.pdf
 
AULA-12-VERTEBRAIS-E-ROUBO-DE-SUBCLAVIA.pdf
AULA-12-VERTEBRAIS-E-ROUBO-DE-SUBCLAVIA.pdfAULA-12-VERTEBRAIS-E-ROUBO-DE-SUBCLAVIA.pdf
AULA-12-VERTEBRAIS-E-ROUBO-DE-SUBCLAVIA.pdf
 
Neuroanatomia II
Neuroanatomia IINeuroanatomia II
Neuroanatomia II
 
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitas
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitasDesenvolvimento do coração e anomalias congênitas
Desenvolvimento do coração e anomalias congênitas
 
Coraçao e anomalias congenitas
Coraçao e anomalias congenitasCoraçao e anomalias congenitas
Coraçao e anomalias congenitas
 
Semiologia aparelho cardiovascular.pptx
Semiologia aparelho cardiovascular.pptxSemiologia aparelho cardiovascular.pptx
Semiologia aparelho cardiovascular.pptx
 
Aula exame fisico.pptx
Aula exame fisico.pptxAula exame fisico.pptx
Aula exame fisico.pptx
 
Sistema cardio
Sistema cardioSistema cardio
Sistema cardio
 

Mais de Brenda Lahlou

Mais de Brenda Lahlou (19)

Sinais Raio X de Tórax 3.0
Sinais Raio X de Tórax 3.0Sinais Raio X de Tórax 3.0
Sinais Raio X de Tórax 3.0
 
Epilepsia e Encefalites Autoimunes
Epilepsia e Encefalites AutoimunesEpilepsia e Encefalites Autoimunes
Epilepsia e Encefalites Autoimunes
 
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICATUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
TUMORES DE ORIGEM HEMATOPOIETICA, LINFOIDE E HISTIOCÍTICA
 
Sindromes Vasculares Compressivas
Sindromes Vasculares CompressivasSindromes Vasculares Compressivas
Sindromes Vasculares Compressivas
 
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
Parede abdominal (Anatomia e Hérnias)
 
Endometriose na RM: 10 perolas de imagem
Endometriose na RM: 10 perolas de imagemEndometriose na RM: 10 perolas de imagem
Endometriose na RM: 10 perolas de imagem
 
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas AdrenaisAvaliação Imaginológica de Massas Adrenais
Avaliação Imaginológica de Massas Adrenais
 
Carcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
Carcinomatose Peritoneal e outras AnomaliasCarcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
Carcinomatose Peritoneal e outras Anomalias
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELORESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO TORNOZELO
 
Mediastinite Fibrosante
Mediastinite FibrosanteMediastinite Fibrosante
Mediastinite Fibrosante
 
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
Diretrizes Hipertensão - 2017 ACC AHA - O que mudou??
 
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoDERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
 
OTITES & AMIGDALITES
OTITES & AMIGDALITESOTITES & AMIGDALITES
OTITES & AMIGDALITES
 
Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril Crise Convulsiva Febril
Crise Convulsiva Febril
 
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer GástricoAspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
Aspectos Clínicos e Raiológicos no Câncer Gástrico
 
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
 
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e TratamentoDiabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
Diabetes Mellitus - Consulta Médica e Tratamento
 
Faringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite AgudaFaringoamigdalite Aguda
Faringoamigdalite Aguda
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 

Coarctação de Aorta

  • 1. REUNIÃO DE DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL EM RADIOLOGIA HOSPITAL MADRE TERESA BRENDA NAJAT BOECHAT LAHLOU R1 EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM 28/08/2019
  • 2.
  • 3. HMA • F.A.F., sexo masculino, 16 anos. • Ao realizar exames de rotina, o Eletrocardiograma evidenciou sinais de sobrecarga do ventrículo esquerdo. • Assintomático. • Foram solicitados um ECOTT e uma ANGIOTC da Aorta.
  • 4. ECG: Sinais de sobrecarga de ventrículo esquerdo
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. ANGIOTOMOGRAFIA DA AORTA TOTAL – 28/05: • Presença de volumosa dilatação aneurismática do segmento tubular ascendente aórtico, com o diâmetro de até 74 mm, sem trombo. • Nota-se a redução moderada do diâmetro luminal aórtico do arco, sendo mais intenso na região do istmo (diâmetro mínimo luminal efetivo no istmo é de aproximadamente 6,5 mm), havendo dilatação fusiforme pós- estenótica no terço proximal descendente aórtico com até 36 mm. • O segmento mais distal descendente da aorta apresenta o diâmetro normal. • São evidenciadas diversas artérias dilatadas moderadamente intercostais da metade superior, bilaterais, notando-se ainda leve / moderada dilatação bilateral das artérias torácicas internas. •Artérias ilíacas comuns, internas e externas estão patentes. Obs¹.: Gentileza correlacionar evolutivamente com achados de eventuais exames prévios de imagens relacionados, não disponíveis no momento. Obs².: Como achados de exame não direcionado, verificamos: Cardiomegalia.
  • 12. Exames complementares • ECODOPPLERCARDIOGRAMA TRANSTORÁCICO (pré ADM) Remodelamento excêntrico do VE com FEVE preservada (57% pelo método 3D). Refluxo de valva tricúspide e mitral. Regurgitação moderada a importante da valva aórtica. Dilatação aneurismática importante da aorta ascendente. VD com fração de ejeção preservada.
  • 13. CONDUTA • Internado para tratamento cirúrgico. • Coarctação no istmo da aorta • Aneurisma aorta ascendente • Insuficiência da valva aórtica.
  • 14. Primeiro Tempo Cirúrgico Bloco Cirúrgico CCV – 31/05 [...] • Realizada correção da coarctação com endoprotese 28/28/150 com Free Flow, realizada balonamento posterior. • Aferido gradiente pré e pós coarctação. Realizada aortografia de controle com bom resultado. [...]
  • 15.
  • 16. Segundo Tempo Cirúrgico Bloco Cirúrgico CCV – 06/06 [...] • Tentado plastia da valva e com Eco transoperatório observado insuficiência valvar e optado por modificação para Bentall de Bono com prótese biológica o que provocou CEC por mais de 150 minutos, teve três Clampagens de 49 minutos, 18 minutos e 42 minutos, recebeu 6000 ml de cristaloide, 1700 ml de diurese após estímulo com Lasix. [...]
  • 17.
  • 19.
  • 20.
  • 21. ANGIOTOMOGRAFIA DA AORTA TOTAL 11/06: • Achados pós-operatórios de correção de coarctação de aorta (dado clínico), havendo próteses valvar aórtica e na aorta ascendente, patentes. Há ainda endoprótese aórtica, também pérvia, com ancoragem proximal na região da emergência da artéria carótida esquerda, estendendo-se até o terço médio torácico descendente. Não há evidências de endoleak. • Fios de esternorrafia bem posicionados. • Pequena coleção hipoatenuante alongada retrosternal, com focos gasosos em permeio, apresentando volume grosseiramente calculado em 23 cm³. •Associa-se pequeno / moderado pneumomediastino, além de pequeno pneumoperitônio. •Pequeno derrame pericárdico. •Pequeno derrame pleural bilateral hipoatenuante. •As demais porções da aorta torácica descendente apresenta diâmetro usual. •Houve redução da dilatação de artérias intercostais e torácicas internas, na comparação com estudo tomográfico prévio do dia 28/05/2019 (exame pré-operatório). •Artérias ilíacas comuns, internas e externas estão patentes. Obs.: Como achados de exame não direcionado, verificamos: Pequena ascite.
  • 22. HMA • O paciente evoluiu bem no pós operatório e recebeu alta dia 12/06.
  • 24. COARCTAÇÃO DA AORTA • Doença congênita obstrutiva luminal. • Ocorre estreitamento focal no segmento descendente proximal, usualmente na região do ducto arterioso. • Incidência: 2-6 / 10,000 nascimentos. • 5- 10% dos casos de doença cardíaca congênita. Teoria Muscular X Teoria Hemodinâmica
  • 25. COARCTAÇÃO DA AORTA • Doença congênita obstrutiva luminal. • Ocorre estreitamento focal no segmento descendente proximal, usualmente na região do ducto arterioso. • Incidência: 2-6 / 10,000 nascimentos. • 5- 10% dos casos de doença cardíaca congênita. Teoria Muscular X Teoria Hemodinâmica
  • 26. Achados Associados • Defeito Septal Ventricular • Alterações da Valva Aórtica (Valva aórtica bicúspide) • Ducto arterioso patente • Aneurismas • Aorta ascendente, • Ducto, • Artérias intercostais • Polígono de Willis • Estenose das artérias subclávias esquerda e direita aberrante. • Síndrome Shone (coarctação aórtica / estenose subaórtica / valva mitral em paraquedas / anel supravalvular mitral)
  • 27. Achados Associados • Defeito Septal Ventricular • Alterações da Valva Aórtica (Valva aórtica bicúspide) • Ducto arterioso patente • Aneurismas • Aorta ascendente, • Ducto, • Artérias intercostais • Polígono de Willis • Estenose das artérias subclávias esquerda e direita aberrante. • Síndrome Shone (coarctação aórtica / estenose subaórtica / valva mitral em paraquedas / anel supravalvular mitral) Tipo infantil / pré – ductal : • Associado à hipoplasia do arco ou da aorta descendente. • Associação a outras anomalias congênitas • Síndrome de Turner (20%)
  • 28. COARCTAÇÃO DA AORTA Circulação Colateral • Alta pressão  Baixa pressão • Vasos colaterais emergem de ramos das artérias subclávias acima da obstrução (suprindo os tecidos abaixo da obstrução).
  • 29. COARCTAÇÃO DA AORTA Circulação Colateral Rotas colaterais principais: • a. subclávia  a. torácica interna  a. intercostais (fluxo retrógrado)  aorta descendente pós coarctação • a. subclávia  troncos tireo e costocervicais  a. toracoacromial e escapular descendente  aorta torácica descendente pós – coarctação. • a. subclávia  a. vertebral a. espinhal anterior  as. Intercostais  aorta torácica descendente pós coarctação.
  • 30. COARCTAÇÃO DA AORTA Circulação Colateral Rotas colaterais principais: • a. subclávia  a. mamária interna  a. intercostais (fluxo retrógrado)  aorta descendente pós coarctação • a. subclávia  troncos tireo e costocervicais  a. toracoacromial e escapular descendente  aorta torácica descendente pós – coarctação. • a. subclávia  a. vertebral a. espinhal anterior  as. Intercostais  aorta torácica descendente pós coarctação.
  • 31. Achados Clínicos • Hipertensão Arterial. • MMSS com Pulsos Amplos. • MMII com Pulsos Ausentes ou Diminuídos. • Hiperfonese da 2ª bulha (aórtica e mitral). • Estalido protossistólico aórtico. • Sopro mesotelessistólico / protomesodiastólico em dorso esquerdo (turbulência na coarctação)
  • 32. RADIOGRAFIA TORÁCICA • Sinal de Roesler: • Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª). • Sinal do “ 3 invertido” • Dilatação Subclávia E. • Segmento estenótico aparece como um entalhe • Dilatação pós estenótica. • Contorno do arco aórtico apagado.
  • 33. RADIOGRAFIA TORÁCICA • Sinal de Roesler: • Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª). • Sinal do “ 3 invertido” • Dilatação Subclávia E. • Segmento estenótico aparece como um entalhe • Dilatação pós estenótica. • Contorno do arco aórtico apagado.
  • 34. RADIOGRAFIA TORÁCICA • Sinal de Roesler: • Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª). • Sinal do “ 3 invertido” • Dilatação Subclávia E. • Segmento estenótico aparece como um entalhe • Dilatação pós estenótica. • Contorno do arco aórtico apagado.
  • 35. RADIOGRAFIA TORÁCICA • Sinal de Roesler: • Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª). • Sinal do “ 3 invertido” • Dilatação Subclávia E. • Segmento estenótico aparece como um entalhe • Dilatação pós estenótica. • Contorno do arco aórtico apagado.
  • 36. RADIOGRAFIA TORÁCICA • Sinal de Roesler: • Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª). • Sinal do “ 3 invertido” • Dilatação Subclávia E. • Segmento estenótico aparece como um entalhe • Dilatação pós estenótica. • Contorno do arco aórtico apagado.
  • 37. RADIOGRAFIA TORÁCICA • Sinal de Roesler: • Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª). • Sinal do “ 3 invertido” • Dilatação Subclávia E. • Segmento estenótico aparece como um entalhe • Dilatação pós estenótica. • Contorno do arco aórtico apagado.
  • 38. RADIOGRAFIA TORÁCICA • Sinal de Roesler: • Erosões bilaterais na borda inferior dos arcos costais (3ª - 9ª). • Sinal do “ 3 invertido” • Dilatação Subclávia E. • Segmento estenótico aparece como um entalhe • Dilatação pós estenótica. • Contorno do arco aórtico apagado.
  • 39. [...] • Dilatação das artérias torácicas internas podem ser vistas no perfil como densidade de partes moles. • Aumento do Ventrículo Esquerdo • Ápice cardíaco se projeta inferiormente e lateralmente à E • Abaulamento margem cardíaca • Sinal de Hoffman Rigler positivo RADIOGRAFIA TORÁCICA
  • 40. [...] • Dilatação das artérias mamárias internas podem ser vistas no perfil como densidade de partes moles. • Aumento do Ventrículo Esquerdo • Ápice cardíaco se projeta inferiormente e lateralmente à E • Abaulamento margem cardíaca • Sinal de Hoffman Rigler positivo RADIOGRAFIA TORÁCICA Sinal de Hoffman – Rigler ( > VE) Extensão da borda posterior ventricular  1,8 cm posteriormente à borda da Veia cava. (medido à 2cm acima da intersecção VCI x borda ventricular)
  • 41. [...] • Dilatação das artérias mamárias internas podem ser vistas no perfil como densidade de partes moles. • Aumento do Ventrículo Esquerdo • Ápice cardíaco se projeta inferiormente e lateralmente à E • Abaulamento margem cardíaca • Sinal de Hoffman Rigler positivo RADIOGRAFIA TORÁCICA Sinal de Hoffman – Rigler ( > VE) Extensão da borda posterior ventricular  1,8 cm posteriormente à borda da Veia cava. (medido à 2cm acima da intersecção VCI x diafragma)
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45. ANGIO TOMOGRAFIA • Segmento estenosado • Circulação colateral • Planejamento cirúrgico •Acompanhamento pós - OP
  • 46.
  • 47.
  • 48. AORTOGRAFIA • Avaliação do segmento coarctado e troncos supra aórticos. • Gradiente transcoarctação. • Circulação colateral. • Malformações cardíacas adicionais.
  • 50.
  • 51. Diagnóstico Diferencial • Pseudocoarctação • Alongamento e Kinking do arco aórtico. • Pode formar “ duas proeminências” no local do arco aórtico, simulando o Sinal do 3. • Ausência de obstrução do fluxo sanguíneo. • Ausência de vasos colaterais. • > idade
  • 52.
  • 53. Diagnóstico Diferencial • Arterite de Takayasu • Estreitamento de origem inflamatória idiopática. • Estenose segmentar multifocal da aorta e seus ramos (raramente restrito ao istmo). • Contorno irregular / ondulado na aorta torácica descendente. • Espessamento concêntrico da parede com padrão em anel duplo. • Pseudoaneurisma Traumático Crônico • História de trauma / fratura costal / outras fraturas • Transecção parcial da parede / Expansão temporal • Podem calcificar
  • 54. Diagnóstico Diferencial • Arterite de Takayasu • Estreitamento de origem inflamatória idiopática. • Estenose segmentar multifocal da aorta e seus ramos (raramente restrito ao istmo). • Contorno irregular / ondulado na aorta torácica descendente. • Espessamento concêntrico da parede com padrão em anel duplo. • Pseudoaneurisma Traumático Crônico • História de trauma / fratura costal / outras fraturas • Transecção parcial da parede / Expansão temporal • Podem calcificar
  • 55. Diagnóstico Diferencial • Arterite de Takayasu • Estreitamento de origem inflamatória idiopática. • Estenose segmentar multifocal da aorta e seus ramos (raramente restrito ao istmo). • Contorno irregular / ondulado na aorta torácica descendente. • Espessamento concêntrico da parede com padrão em anel duplo. • Pseudoaneurisma Traumático Crônico • Transecção parcial da parede / Expansão temporal • História de trauma / fratura costal / outras fraturas • Podem calcificar
  • 56. Diagnóstico Diferencial • Arterite de Takayasu • Estreitamento de origem inflamatória idiopática. • Estenose segmentar multifocal da aorta e seus ramos (raramente restrito ao istmo). • Contorno irregular / ondulado na aorta torácica descendente. • Espessamento concêntrico da parede com padrão em anel duplo. • Pseudoaneurisma Traumático Crônico • História de trauma / fratura costal / outras fraturas • Transecção parcial da parede / Expansão temporal • Podem calcificar
  • 57. Diagnóstico Diferencial Sinal de Roesler • Neurofibromatose • Obstrução da Veia Cava Superior (colaterais venosas) • Obstrução pulmonar unilateral • Idiopática
  • 58. COMPLICAÇÕES / PROGNÓSTICO • Média de sobrevida de 42 anos Ruptura aórtica espontânea / Endocardite bacteriana / Hemorragia cerebral • Falência renal por tratamento de HAS não suspeitada • Re-coarctação (2-5%) • Aneurismas pós operatórios (25%) • Hipertensão / Doença coronariana • Aumento do risco de dissecção • Alta mortalidade durante a gestação (quando não tratada)
  • 59. TRATAMENTO Indicações: • Hipertensão persistente • Estenose hemodinamicamente significativa • Intenção de engravidar Correção cirúrgica • Anastomose ponta a ponta • Aortoplastia com flap da subclávia esquerda • Próteses / Enxertos
  • 60. Indicações: • Hipertensão persistente • Estenose hemodinamicamente significativa • Intenção de engravidar Correção cirúrgica • Anastomose ponta a ponta • Aortoplastia com flap da subclávia esquerda • Próteses / Enxertos TRATAMENTO
  • 62. AORTA
  • 63. ANEURISMA DE AORTA •Dilatação permanente da aorta > 1,5 x superior ao seu diâmetro normal. Idade / Sexo / Superfície corporal •Aorta torácica ascendente: 40 – 50 mm •Aorta torácica descendente: 30 – 40 mm
  • 64. CLASSIFICAÇÃO Causas: • Aterosclerose • HAS • Sífilis • Arterites • Anomalias congênitas • Degeneração cística da média (Sd. Marfan, Ehlers-Danlos) Classificação Etiológica: • Aterosclerótico • Micótico • Traumático • Inflamatório • Pós-cirúrgico • Congênito
  • 67. CLASSIFICAÇÃO DE CRAWFORD I Se estende da arteria subclavia esquerda ao abdome superior / arterias renais II Da arteria subclavia esquerda ao segmento distal da aorta / bifurcacao III Segmento distal da aorta toracica (segmento descendente medio) e estende à bifurcacao aortica IV Aneurisma que acomete toda a extensao da aorta abdominal
  • 68. COMPLICAÇÕES • Ruptura •  mortalidade! • Achados na TC: • Descontinuidade de uma calcificação circunferencial. • Sinal do crescente hiperdenso. • Parede posterior indistinta. • Extravasamento do meio de contraste. • Sacular > 6,5cm – Maior risco! • Fístulas para órgãos vizinhos
  • 69. TRATAMENTO Indicações: •Sintomático •Tamanho • A. Ascendente se > 5,5cm (Sd. Marfan >5cm) • A. Descendente > 6,5cm (Sd. Marfan >6cm) •Velocidade de Crescimento • > 1cm / ano
  • 70. TRATAMENTO •Enxertos sintéticos . •Próteses endovasculares. •Cirurgia valva aórtica – Aneursmas sino-tubulares.
  • 71. TRATAMENTO Morfometria: IMAGEM DO CBR •Diâmetros: • Antes do aneurisma / ancoragem proximal • Maior diâmetro • Após / ancoragem distal •Comprimentos: • Colo proximal • Colo distal •Distância entre a emergência dos ramos aórticos •Diâmetros dos ramos aórticos •Posição angular do ramo visceral •Condições da parede das zonas de ancoragem (calcificações / trombos)
  • 72. TRATAMENTO Morfometria: IMAGEM DO CBR •Diâmetros: • Antes do aneurisma / ancoragem proximal • Maior diâmetro • Após / ancoragem distal •Comprimentos: • Colo proximal • Colo distal •Distância entre a emergência dos ramos aórticos •Diâmetros dos ramos aórticos •Posição angular do ramo visceral •Condições da parede das zonas de ancoragem (calcificações / trombos)
  • 73. ACOMPANHAMENTO TTO ENDOVASCULAR • Angio TC (pré contraste / Arterial / Tardia) • Controle: 3 / 6 / 18 / 24 meses / anual •Endoleak • Não redução ou aumento do diâmetro do aneurisma • Classificação •Outros • Estenose da luz da prótese • Trombose da Luz / ramificações da prótese • Migração / angulação • Dissecção de vaso
  • 74. ACOMPANHAMENTO TTO ENDOVASCULAR • Angio TC (pré contraste / Arterial / Tardia) • Controle: 3 / 6 / 18 / 24 meses / anual •Endoleak • Não redução ou aumento do diâmetro do aneurisma • Classificação •Outros • Estenose da luz da prótese • Trombose da Luz / ramificações da prótese • Migração / angulação • Dissecção de vaso ENDOLEAK
  • 75. ACOMPANHAMENTO TTO ENDOVASCULAR • Angio TC (pré contraste / Arterial / Tardia) • Controle: 3 / 6 / 18 / 24 meses / anual •Endoleak • Não redução ou aumento do diâmetro do aneurisma • Classificação •Outros • Estenose da luz da prótese • Trombose da Luz / ramificações da prótese • Migração / angulação • Dissecção de vaso ENDOLEAK
  • 78. Referências  SILVA, C. I. S.; MÜLLER, N. L. Série Colégio Brasileiro de Radiologia Diagnóstico Por Imagem: Tórax . Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.  GURNEY, J. W.; WINER-MURAM, H.T.; STERN, E. J.; FRANQUET, T.; RAVENEL, J.G.; WHITE, C. S.; BANKIER, A. A.; HOLBERT, J. M.; GOSSELIN, M. V.; MOHAMMED, T. H.; SHAFFER, K.; MERGO, P. J.; DESAI, S. R.; BOISELLE, P. M. Diagnostic Imaging : Chest. Salt Lake City: Amirsys, 2006.  BURGENER, F. A.; KORMANO, M. Differential Diagnosis in Conventional Radiology. 2 ed. New York: Thieme, 1991. CARROLL, D.; GAILLARD, F. et al. Coarctation of the Aorta. Radiopaedia. Disponível em: <https://radiopaedia.org/articles/coarctation-of-the-aorta> Acesso em 27 de Agosto de 2019. SHARMA, R.; GAILLARD, F. et al. Rib Notching. Radiopaedia. Disponível em: <https://radiopaedia.org/articles/coarctation-of-the-aorta> Acesso em 27 de Agosto de 2019.

Notas do Editor

  1. RX – 28/05 Mediastinal widening on CXR is defined as width of more than 8 cm on posteroanterior view. Mediastinal width (MW) has been the most commonly used criterion with a quoted cutoff value ranging from 7.3 to 9.4 cm [3–7].
  2. Calcular indice sokolow e ver se tem padrao strain em V5 e V6 E um infra de ST com onda T invertida juntos.
  3. RX – 28/05
  4. Angiotc 28/05
  5. Angiotc 28/05
  6. Angiotc 28/05
  7. Angiotc 28/05
  8. Angiotc 28/05
  9. Angiotc 28/05
  10. 26/04 - ECOTT
  11. 31/05
  12. Rapido
  13. 06/06 CIRURGIA BENTALL DE BONO: TRIPLA : TROCA VALVAR / enxerto RAIZ AORTICA E AORTA ASCENDENTE / REIMPLANTE DE OSTIOS CORONARIOS
  14. Reducao da area mediastinal Alem da protese Fios de esternorrafia
  15. 12/06
  16. TEORIA MUSCULAR: TEORIA HEMODINAMICA:
  17. TEORIA MUSCULAR: Migração do tecido do ducto arterioso para o interior da aorta, quando este contrai, o lumen aórtico é estreitado. TEORIA HEMODINAMICA: Durante desenvolvimento fetal: Redução do fluxo sanguíneo aórtico pode colaborar para o não crescimento adequado da aorta. Aumento de incidência de coarctacao em desordens q reduzem o volume de ejeção ventricular, E ao contrario: Reduzida incidência de coarctacao da aorta em si~tuações em que há uma redução do fluxo ductal.
  18. Geralmente a 1 e 2 intercostal não altera tanto pois são supridos pelo trocno costocervical
  19. ESTALIDO AORTICO?? (devido a dilatacao da aorta ascendente) Apesar de dados clinicos sugerirem, muitos pacientes so são diagnosticados na aolescencia ou vida adulta. Cardiopatia hipertrofica na via adulta ou necropsia. ANGINA CLAUDICACAO
  20. Qdo mto jovem (<6) ainda não possui as erosoes costais. (circuito de alta pressao) Pode ter erosoes unilateral a D (qdo coarctacao entre a carotida E e subclavia E)
  21. Qdo mto jovem (<6) ainda não possui as erosoes costais. (circuito de alta pressao) Pode ter erosoes unilateral a D (qdo coarctacao entre a carotida E e subclavia E)
  22. Qdo mto jovem (<6) ainda não possui as erosoes costais. (circuito de alta pressao) Pode ter erosoes unilateral a D (qdo coarctacao entre a carotida E e subclavia E)
  23. Qdo mto jovem (<6) ainda não possui as erosoes costais. (circuito de alta pressao) Pode ter erosoes unilateral a D (qdo coarctacao entre a carotida E e subclavia E)
  24. Pode ter aumento do ventriculo esquerdo
  25. Pode ter aumento do ventriculo esquerdo
  26. Pode ter aumento do ventriculo esquerdo
  27. RX – 28/05 Mediastino deu aproximadamente 12cm Mediastinal widening on CXR is defined as width of more than 8 cm on posteroanterior view. Mediastinal width (MW) has been the most commonly used criterion with a quoted cutoff value ranging from 7.3 to 9.4 cm [3–7].
  28. RX – 28/05 Mediastino deu aproximadamente 12cm Mediastinal widening on CXR is defined as width of more than 8 cm on posteroanterior view. Mediastinal width (MW) has been the most commonly used criterion with a quoted cutoff value ranging from 7.3 to 9.4 cm [3–7].
  29. RX – 28/05 Mediastino deu aproximadamente 12cm Mediastinal widening on CXR is defined as width of more than 8 cm on posteroanterior view. Mediastinal width (MW) has been the most commonly used criterion with a quoted cutoff value ranging from 7.3 to 9.4 cm [3–7].
  30. SENSIBILIDADE DA ANGIO TC: Imagnes axiais – 73% Reconstrucao multiplanar – 100% Volume rendering – 100% Não visualiza gradiente aortico ou pequenas malformacoes cardiacas
  31. (não demonstra circulacao colateral) GRADIENTE NORMAL AORTA: < 20 > 20 – Gradiente aumentado / sugere intervencao 40mmHg – estenose grave! Gradiente transcoarctacao
  32. TAKAYASU RX Contorno ondulado da aorta torácica descendente com indentações (representam áreas de estenose) e dilatação do arco aórtico TC - Espessamento da parede, geralmente concêntrico, da aorta e de outros vasos acometidos. - Pre contraste: parede é facilmente densidade mais hiperdensa - Pos contraste: Anel duplo interno hipocaptante (edema mucoide ou gelatinoso da íntima) anel externo captante (inflamação ativa da média ou advetícia ) - Estenose segmentar multifocal, - Outros: dilatação pós-estenótica, aneurisma, irregularidade do contorno da aorta torácica descendente PSEUDOANEURISMA TRAUMATICO Historia de trauma / fratura - Transecção parcial da parede / comunicacao luz vascular com falsa luz / expansao temporal -
  33. TAKAYASU RX Contorno ondulado da aorta torácica descendente com indentações (representam áreas de estenose) e dilatação do arco aórtico TC - Espessamento da parede, geralmente concêntrico, da aorta e de outros vasos acometidos. - Pre contraste: parede é facilmente densidade mais hiperdensa - Pos contraste: Anel duplo interno hipocaptante (edema mucoide ou gelatinoso da íntima) anel externo captante (inflamação ativa da média ou advetícia ) - Estenose segmentar multifocal, - Outros: dilatação pós-estenótica, aneurisma, irregularidade do contorno da aorta torácica descendente PSEUDOANEURISMA TRAUMATICO Historia de trauma / fratura - Transecção parcial da parede / comunicacao luz vascular com falsa luz / expansao temporal -
  34. TAKAYASU RX Contorno ondulado da aorta torácica descendente com indentações (representam áreas de estenose) e dilatação do arco aórtico TC - Espessamento da parede, geralmente concêntrico, da aorta e de outros vasos acometidos. - Pre contraste: parede é facilmente densidade mais hiperdensa - Pos contraste: Anel duplo interno hipocaptante (edema mucoide ou gelatinoso da íntima) anel externo captante (inflamação ativa da média ou advetícia ) - Estenose segmentar multifocal, - Outros: dilatação pós-estenótica, aneurisma, irregularidade do contorno da aorta torácica descendente PSEUDOANEURISMA TRAUMATICO Historia de trauma / fratura - Transecção parcial da parede / comunicacao luz vascular com falsa luz / expansao temporal -
  35. TAKAYASU RX Contorno ondulado da aorta torácica descendente com indentações (representam áreas de estenose) e dilatação do arco aórtico TC - Espessamento da parede, geralmente concêntrico, da aorta e de outros vasos acometidos. - Pre contraste: parede é facilmente densidade mais hiperdensa - Pos contraste: Anel duplo interno hipocaptante (edema mucoide ou gelatinoso da íntima) anel externo captante (inflamação ativa da média ou advetícia ) - Estenose segmentar multifocal, - Outros: dilatação pós-estenótica, aneurisma, irregularidade do contorno da aorta torácica descendente PSEUDOANEURISMA TRAUMATICO Historia de trauma / fratura - Transecção parcial da parede / comunicacao luz vascular com falsa luz / expansao temporal -
  36. EROSAO
  37. 20 mmHg sugere intervenção INSUFICIENCIA CARDIACA ASSOCIADA Anastomose ponta a ponta Maior risco de reestenose e lesão da arteria espinhal Aortoplastia com Flap da subclavia esquerda Sacrifica a arteria vertebral (para impedir o fenomeno do roubo subclavio) e arteria subclavia esquerda. Endopróteses Aumento do risco de infeccoes ou aneurismas ANGIOPLASTIA POR BALAO
  38. 20 mmHg sugere intervencao Anastomose ponta a ponta Maior risco de reestenose e lesão da arteria espinhal Aortoplastia com Flap da subclavia esquerda Sacrifica a arteria vertebral (para impedir o fenomeno do roubo subclavio) e arteria subclavia esquerda. Endopróteses Aumento do risco de infeccoes ou aneurismas
  39. Verdadeiros (envolve todas as camadas do vaso) X Pseudoaneurisma (causa inflamatoria ou traumatica)
  40. CRAWFORD I> Se estende da arteria subclavia esquerda ao abdome superior / arterias renais II> Da arteria subclavia esquerda ao segmento distal da aorta / bifurcacao III> Segmento distal da aorta toracica (segmento descendente medio) e estende à bifurcacao aortica IV> Aneurisma que acomete toda a extensao da aorta abdominal
  41. CRAWFORD I> Se estende da arteria subclavia esquerda ao abdome superior / arterias renais II> Da arteria subclavia esquerda ao segmento distal da aorta / bifurcacao III> Segmento distal da aorta toracica (segmento descendente medio) e estende à bifurcacao aortica IV> Aneurisma que acomete toda a extensao da aorta abdominal
  42. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  43. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  44. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  45. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  46. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  47. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  48. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  49. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  50. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)
  51. Sinal do crescente hiperdenso na parede aortica > representa hematoma agudo com sangue contido no interior do trombo do aneurisma. É o principal sinal de ruptura iminente ou recente. Importancia da fase sem contraste! --- Infiltracao hemorragica (>30 UH) gordura mediastinal, hemomediastino, hemopericardio, hemotorax ------ Fistula Aortobroncopulmonar (hemorragia pulomanr) / Aprtoenterica (hemorragia digestiva)