SlideShare uma empresa Scribd logo
DTP 02 20
SALA PRESENCIAL
PACIENTE BRANCA ,CAUCASIANA , EM CONSULTA DE ROTINA É
SUBMETIDA A EXAME ANTROPOMÓRFICO ONDE É OBSERVADA
DIMINUIÇÃO NA SUA ALTURA. QUAL SUA HIPÓTESE DIAGNÓSTICA?
• FRATURA DE OSSO VERTEBRAL POR OSTEOPOROSE
POR QUE NÃO É RECOMENDÁVEL AO MEDIRMOS O PULSO DE UM
PACIENTE FAZÊ-LO POR UM PERÍODO INFERIOR A 1 MINUTO ?POR
EXEMPLO,CONTAR AS PULSAÇÕES POR 30 SEGUNDOS E
MULTIPLICAR POR 2 OU CONTAR AS PULSAÇÕES POR 15
SEGUNDOS E MULTIPLICAR POR 4. NÃO É A MESMA COISA?
• O PULSO É GERADO POR UMA ONDA DE SANGUE PROVENIENTE DA SÍSTOLE
VENTRICULAR.ENTRETANTO SE O PACIENTE ESTIVER COM EXTRA-SÍSTOLES
ALGUMAS DESSAS PODEM NÃO FORMAR A ONDA DE PULSO E ISSO NÃO SERIA
CONTABILIZADO EM UMA AFERIÇÃO COM MENOR TEMPO DE
OBSERVAÇÃO.ALÉM DISSO EM UM INTERVALO MENOR O EXAMINADOR
DEIXARIA DE OBSERVAR ALGUMA ARRITMIA.
PERGUNTAS PARA ATIVIDADE EM SALA DE
AULA PRESENCIAL
1) QUAL A ALTURA PARA SER CONSIDERADO DEFICIENTE COM RELAÇÃO À BAIXA
ESTATURA?
R: DESDE 2004, COM O DECRETO 5.296, O NANISMO É CONSIDERADO UMA
DEFICIÊNCIA NO BRASIL. EM GERAL, CONSIDERA-SE COM ESTA DEFICIÊNCIA O
HOMEM QUE MEDE MENOS DE 1,45 METRO E A MULHER COM ALTURA MENOR QUE
1,40 METRO, MAS HÁ MAIS DE 200 CAUSAS MÉDICAS CATALOGADAS PARA O
NANISMO.
PERGUNTAS PARA A DINÂMICA
• 2) DAS 200 CONDIÇÕES DIFERENTES QUE PODEM CAUSAR ALTERAÇÕES NO RITMO DO
CRESCIMENTO UMA DAS MAIS FREQUENTES É O NANISMO.QUAL A DIFERENÇA ENTRE
NANISMO PROPORCIONAL E DESPROPORCIONAL?
• NANISMO PROPORCIONAL OU NANISMO HIPOFISÁRIO – CAUSADO POR DISTÚRBIOS METABÓLICOS E
HORMONAIS, EM ESPECIAL PELA DEFICIÊNCIA NA PRODUÇÃO DO HORMÔNIO DO CRESCIMENTO HUMANO
OU POR RESISTÊNCIA DO ORGANISMO À AÇÃO DESSE HORMÔNIO. O TAMANHO DOS ÓRGÃOS MANTÉM A
PROPORCIONALIDADE ENTRE SI E COM A ALTURA DO INDIVÍDUO.
• NANISMO DESPROPORCIONAL – O TIPO MAIS COMUM DE NANISMO DESPROPORCIONAL É A ACONDROPLASIA,
UMA SÍNDROME GENÉTICA QUE IMPEDE O CRESCIMENTO NORMAL DOS OSSOS LONGOS (FÊMUR E ÚMERO,
ESPECIALMENTE), PORQUE ACELERA O PROCESSO DE OSSIFICAÇÃO DAS CARTILAGENS FORMADORAS DE
OSSOS (OSSIFICAÇÃO ENDOCONDRAL). ISSO FAZ COM QUE AS DIFERENTES PARTES DO CORPO CRESÇAM DE
MANEIRA DESIGUAL. ALÉM DA BAIXA ESTATURA, A PESSOA COM A SÍNDROME APRESENTA PERNAS E BRAÇOS
CURTOS, CABEÇA GRANDE E MÃOS PEQUENAS, CARACTERÍSTICAS QUE SE TORNAM MAIS EVIDENTES, QUANDO
COMPARADAS COM O TAMANHO PRATICAMENTE NORMAL DO TRONCO.
Paciente de 16 anos,apresentando altura
de 1,20m,imberbe,sem caracteres sexuais
secundários
NANISMO HIPOFISÁRIO
NANISMO ACONDROPLÁSICO
Paciente de 18 anos.Notar
também o genu e coxa vara e a
Acentuação da lordose lombar.
PERGUNTAS PARA A DINÂMICA
• 3) EXISTE ASSOCIAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) E
CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL (CA) COMO FATORES DE RISCO PARA
DOENÇAS CARDIOVASCULARES? COMO SÃO MEDIDOS E CALCULADOS
ESSES DOIS ÍNDICES?
• RESPOSTAA FREQUÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR
AUMENTOU COM AUMENTO DO IMC E CA.
PERGUNTAS PARA A DINÂMICA
• 4)COM RELAÇÃO AO PULSO RESPONDA
• A) QUAL A FREQUÊNCIA NORMAL?
• RESPOSTA 60ª 100 P/MIN
• B) COMO RECONHEÇO O RITMO NORMAL? O QUE ENTENDO POR PULSO ARRÍTMICO COM RITMO DE BASE E
PULSO ARRÍTMICO SEM RITMO DE BASE?
• RESPOSTA RITMO NORMAL A SENSAÇÃO DO PULSO OCORRE EM TEMPOS IGUAIS. QUANDO OS TEMPOS
FOREM DESIGUAIS MAS SEMPRE ACONTECENDO DA MESMA MANEIRA CONSIDERAMOS PULSO ARRÍTMICO COM
RITMO DE BASE. QUANDO OS TEMPOS FOREM DESIGUAIS E ISSO NÃO OBEDECER UMA CONSTÂNCIA TEREMOS
O PULSO ARRÍTMICO SEM RITMO DE BASE.
• C) O QUE É E COMO RECONHECER UM PULSO FILIFORME? QUANDO APARECE?
• RESPOSTA:PULSO PEQUENO E DIFICILMENTE PALPÁVEL.APARECE EM SITUAÇÕES DE COLAPSO CIRCULATÓRIO
(HEMORRAGIAS,DESIDRATAÇÕES ETC....)
DTP 0221
DTP 0221

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a DTP 0221

DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
adrianomedico
 
Trauma de face
Trauma de face Trauma de face
Trauma de face
João Batista Zanirato
 
OLHO VERMELHO NA APS.pptx
OLHO VERMELHO NA APS.pptxOLHO VERMELHO NA APS.pptx
OLHO VERMELHO NA APS.pptx
enzo8d
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
Mauricio Cesar Soares
 
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em CriançasA Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
DidaticaMPCO
 
Estudo de caso tce
Estudo de caso tceEstudo de caso tce
Estudo de caso tce
jessica sanielly
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Guilherme Terra
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
douglas870578
 
1_5121149855053382281.pptx
1_5121149855053382281.pptx1_5121149855053382281.pptx
1_5121149855053382281.pptx
SuaMeKksh
 

Semelhante a DTP 0221 (10)

DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
 
Trauma de face
Trauma de face Trauma de face
Trauma de face
 
OLHO VERMELHO NA APS.pptx
OLHO VERMELHO NA APS.pptxOLHO VERMELHO NA APS.pptx
OLHO VERMELHO NA APS.pptx
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em CriançasA Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
 
Estudo de caso tce
Estudo de caso tceEstudo de caso tce
Estudo de caso tce
 
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
Acidentes e complicações em cirurgia BMF 2013
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
 
1_5121149855053382281.pptx
1_5121149855053382281.pptx1_5121149855053382281.pptx
1_5121149855053382281.pptx
 

Mais de pauloalambert

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
pauloalambert
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
pauloalambert
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
pauloalambert
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
pauloalambert
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
pauloalambert
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
pauloalambert
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
pauloalambert
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
pauloalambert
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
pauloalambert
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
pauloalambert
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
Semiologia das Linfadenopatias
Semiologia das LinfadenopatiasSemiologia das Linfadenopatias
Semiologia das Linfadenopatias
pauloalambert
 

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
Semiologia das Linfadenopatias
Semiologia das LinfadenopatiasSemiologia das Linfadenopatias
Semiologia das Linfadenopatias
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 

Último (9)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 

DTP 0221

  • 1. DTP 02 20 SALA PRESENCIAL
  • 2. PACIENTE BRANCA ,CAUCASIANA , EM CONSULTA DE ROTINA É SUBMETIDA A EXAME ANTROPOMÓRFICO ONDE É OBSERVADA DIMINUIÇÃO NA SUA ALTURA. QUAL SUA HIPÓTESE DIAGNÓSTICA? • FRATURA DE OSSO VERTEBRAL POR OSTEOPOROSE
  • 3. POR QUE NÃO É RECOMENDÁVEL AO MEDIRMOS O PULSO DE UM PACIENTE FAZÊ-LO POR UM PERÍODO INFERIOR A 1 MINUTO ?POR EXEMPLO,CONTAR AS PULSAÇÕES POR 30 SEGUNDOS E MULTIPLICAR POR 2 OU CONTAR AS PULSAÇÕES POR 15 SEGUNDOS E MULTIPLICAR POR 4. NÃO É A MESMA COISA? • O PULSO É GERADO POR UMA ONDA DE SANGUE PROVENIENTE DA SÍSTOLE VENTRICULAR.ENTRETANTO SE O PACIENTE ESTIVER COM EXTRA-SÍSTOLES ALGUMAS DESSAS PODEM NÃO FORMAR A ONDA DE PULSO E ISSO NÃO SERIA CONTABILIZADO EM UMA AFERIÇÃO COM MENOR TEMPO DE OBSERVAÇÃO.ALÉM DISSO EM UM INTERVALO MENOR O EXAMINADOR DEIXARIA DE OBSERVAR ALGUMA ARRITMIA.
  • 4.
  • 5. PERGUNTAS PARA ATIVIDADE EM SALA DE AULA PRESENCIAL 1) QUAL A ALTURA PARA SER CONSIDERADO DEFICIENTE COM RELAÇÃO À BAIXA ESTATURA? R: DESDE 2004, COM O DECRETO 5.296, O NANISMO É CONSIDERADO UMA DEFICIÊNCIA NO BRASIL. EM GERAL, CONSIDERA-SE COM ESTA DEFICIÊNCIA O HOMEM QUE MEDE MENOS DE 1,45 METRO E A MULHER COM ALTURA MENOR QUE 1,40 METRO, MAS HÁ MAIS DE 200 CAUSAS MÉDICAS CATALOGADAS PARA O NANISMO.
  • 6. PERGUNTAS PARA A DINÂMICA • 2) DAS 200 CONDIÇÕES DIFERENTES QUE PODEM CAUSAR ALTERAÇÕES NO RITMO DO CRESCIMENTO UMA DAS MAIS FREQUENTES É O NANISMO.QUAL A DIFERENÇA ENTRE NANISMO PROPORCIONAL E DESPROPORCIONAL? • NANISMO PROPORCIONAL OU NANISMO HIPOFISÁRIO – CAUSADO POR DISTÚRBIOS METABÓLICOS E HORMONAIS, EM ESPECIAL PELA DEFICIÊNCIA NA PRODUÇÃO DO HORMÔNIO DO CRESCIMENTO HUMANO OU POR RESISTÊNCIA DO ORGANISMO À AÇÃO DESSE HORMÔNIO. O TAMANHO DOS ÓRGÃOS MANTÉM A PROPORCIONALIDADE ENTRE SI E COM A ALTURA DO INDIVÍDUO. • NANISMO DESPROPORCIONAL – O TIPO MAIS COMUM DE NANISMO DESPROPORCIONAL É A ACONDROPLASIA, UMA SÍNDROME GENÉTICA QUE IMPEDE O CRESCIMENTO NORMAL DOS OSSOS LONGOS (FÊMUR E ÚMERO, ESPECIALMENTE), PORQUE ACELERA O PROCESSO DE OSSIFICAÇÃO DAS CARTILAGENS FORMADORAS DE OSSOS (OSSIFICAÇÃO ENDOCONDRAL). ISSO FAZ COM QUE AS DIFERENTES PARTES DO CORPO CRESÇAM DE MANEIRA DESIGUAL. ALÉM DA BAIXA ESTATURA, A PESSOA COM A SÍNDROME APRESENTA PERNAS E BRAÇOS CURTOS, CABEÇA GRANDE E MÃOS PEQUENAS, CARACTERÍSTICAS QUE SE TORNAM MAIS EVIDENTES, QUANDO COMPARADAS COM O TAMANHO PRATICAMENTE NORMAL DO TRONCO.
  • 7. Paciente de 16 anos,apresentando altura de 1,20m,imberbe,sem caracteres sexuais secundários NANISMO HIPOFISÁRIO
  • 8. NANISMO ACONDROPLÁSICO Paciente de 18 anos.Notar também o genu e coxa vara e a Acentuação da lordose lombar.
  • 9. PERGUNTAS PARA A DINÂMICA • 3) EXISTE ASSOCIAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL (CA) COMO FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES? COMO SÃO MEDIDOS E CALCULADOS ESSES DOIS ÍNDICES? • RESPOSTAA FREQUÊNCIA DE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR AUMENTOU COM AUMENTO DO IMC E CA.
  • 10. PERGUNTAS PARA A DINÂMICA • 4)COM RELAÇÃO AO PULSO RESPONDA • A) QUAL A FREQUÊNCIA NORMAL? • RESPOSTA 60ª 100 P/MIN • B) COMO RECONHEÇO O RITMO NORMAL? O QUE ENTENDO POR PULSO ARRÍTMICO COM RITMO DE BASE E PULSO ARRÍTMICO SEM RITMO DE BASE? • RESPOSTA RITMO NORMAL A SENSAÇÃO DO PULSO OCORRE EM TEMPOS IGUAIS. QUANDO OS TEMPOS FOREM DESIGUAIS MAS SEMPRE ACONTECENDO DA MESMA MANEIRA CONSIDERAMOS PULSO ARRÍTMICO COM RITMO DE BASE. QUANDO OS TEMPOS FOREM DESIGUAIS E ISSO NÃO OBEDECER UMA CONSTÂNCIA TEREMOS O PULSO ARRÍTMICO SEM RITMO DE BASE. • C) O QUE É E COMO RECONHECER UM PULSO FILIFORME? QUANDO APARECE? • RESPOSTA:PULSO PEQUENO E DIFICILMENTE PALPÁVEL.APARECE EM SITUAÇÕES DE COLAPSO CIRCULATÓRIO (HEMORRAGIAS,DESIDRATAÇÕES ETC....)