SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0

2.495 visualizações

Publicada em

SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0

I Seminário da LARDI - Liga Acadêmica de Radiologia e Diagnóstico por Imagem

Brenda Najat Boechat Lahlou
Leonardo de Aguiar Santos

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.495
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Pfp – prova de funcao pulmonar
    Lba – lavado broncoalveolar

    Pneumoconioses relacionadas a ocupacao

    Doencas e infeccoes mais comuns em imunodeprimidos (pneumocistes jirovecci, fungicos, etc)
  • Vou falar sobre os SINAIS RADIOLOGICOS

    Sobre os padroes caracteristicos que repetem em imagens de certos grupos de patologias.

    E o seu reconhecimento nos auxiliam no diagnostico
  • Ha varios tipos de achados do Raio X de torax e podem ser separados em grupos (ou padroes basicos): (aqueles em que ha aumento da densidade pulmonar (ficando mais radiopacos, mais branquinhos) Aqueles em que tem reducao da densidade. Atelectasias (o colapso de parte do pulmao) e anormalidades na pleura
  • De todas as coisas que podemos nos deparar ao estar de frente a uma radiografia, podem ser agrupados como mostra esse esquema.

    Em cima, de azul, temos os padroes basicos que falei no slide anterior.

    Dentro de “aumento da densidade pulmonar” temos doencas que acometem predominantemente os alveolos e outras o intersticio. MAS NENHUMA ACOMETE ISOLADAMENTE um dos dois (tem extravasamento de liquido e tal)
  • O que a gente acha no raio X de um acometimento alveolar?

    Consolidacao. [A Consolidacao eh a substituição do ar dos alvéolos por líquido (sangue, pus, água, proteína) e/ou células. Vamos ver imagens radiopacas, causando apagamento dos vasos pulmonares, sem perda significativa de volume do segmento afetado
    Temos Confluencia de opacidades, principalmente na regiao subpleural
    Contornos mal definidos
    Aerobroncogramas ou Broncogramas Aereos, que eh a visualizacao dos bronquios (mais radiotransparentes) no interior da consolidacao
    E Opacidades centoracinares –

    A parte do pulmão situada distalmente ao bronquíolo respiratório é chamada de ácino pulmonar. O ácino pulmonar é constituído de:
    Bronquíolos respiratórios (RB)
    Ductos alveolares (AD)
    Sacos alveolares (AS)
    Alvéolos.
    Os ácinos são as unidades funcionais dos pulmões. 
  • Algumas doencas de acometimento alveolar, diagnosticos diferenciais.

    Aqui temos a representacao dos bronquilos e dos sacos alveolares como deveriam ser – preenchidos por ar (por isso os campos pulmonares ficam pretos – ar radiotransmarente) e a direita preenchidos por liquido que eh mais denso. Entao vemos o borrao radiopaco ou consolidacao.
  • O que eh silhueta? Eh o contorno, o desenho do perimetro da estrutura em questao.

    O sinal da silhueta eh formado quando uma lesao fica num local do pulmao que faz contato / encosta no coracao ou nas cupulas do diafragma.

    E ajuda-nos a identificar qual loobo esta a lesao, pq no raio x eles se sobrepoe, nao eh uma visao 3d
  • Relembrando a anatomia:

    Aqui temos os lobos do pulmao direito e esquerdo em perfil e aqui uma representacao do PA. olha a sobreposicao.

    O Coracao fica localizado anteriormente, e inferiormente, ficando entre quais lobos? Isso Lobo medio e lingula.

    Quando temos uma consolidacao do lobo medio e da insula, a densidade dessa consolidacao fica similar a do coracao e formam uma imagem radiopaca continua apagando o contorno / a silhueta
  • Relembrando a anatomia:

    Aqui temos os lobos do pulmao direito e esquerdo em perfil e aqui uma representacao do PA. olha a sobreposicao.

    O Coracao fica localizado anteriormente, e inferiormente, ficando entre quais lobos? Isso Lobo medio e lingula.

    Quando temos uma consolidacao do lobo medio e da insula, a densidade dessa consolidacao fica similar a do coracao e formam uma imagem radiopaca continua apagando o contorno / a silhueta
  • Aqui temos a silhueta cardiaca - desenha
  • E aqui…. Nao conseguimos identifica-la indicando que HA acometimento da lingula.
  • E aqui…. Nao conseguimos identifica-la indicando que HA acometimento da lingula.
  • Aqui outro exemplo. Indicando que
  • Outro exemplo do apagamento da silhueta - risca
  • E aqui soh pra mostrar como fica quando nao tem sinal da silhueta, indicando um acometimento de lobo posterior.
  • E aqui soh pra mostrar como fica quando nao tem sinal da silhueta, indicando um acometimento de lobo posterior.
  • Broncograma aereo eh a visualizacao de ar dentro dos bronquios que estao passando por dentro de um lugar consolidado.

    Aqui ta essa consolidacao, essa regiao embacada branquinha.

    E aqui dentro temos esses riscos, essas sombras alongadas que sao os bronquios
  • Aqui entao temos essa consolidacao e se observarmos bem, notamos o caminho dos bronquios no interior. Viram?
  • Aqui entao temos essa consolidacao e se observarmos bem, notamos o caminho dos bronquios no interior. Viram?
  • Aqui entao temos essa consolidacao e se observarmos bem, notamos o caminho dos bronquios no interior. Viram?
  • Ai eh como o broncograma aereo fica na tomografia. Vemos o ar dentro dos bronquios.
  • Aqui a gente tem mais exemplos (mostra com o laser)
  • SINAL DA ASA DE BORBOLETA

    Opacidades aqui na regiao em torno do hilo de ambos os lados. Parecendo asas, neh?

    Por edema alveolar

    poupando os ápices.... poupando seios costofrênicos.

    Edema agudo de pulmao
    Outros como algumas infeccoes fungicas, sarcoidose, reacoes hipersensibilidade
  • Aqui observamos esse padrao, contornando o hilo
  • Aqui observamos esse padrao, contornando o hilo
  • Aqui outros exemplos da consolidacao em ASA DE BORBOLETA
  • Padrao perihilar bilateral
  • Imagem em carril
    são as bronquiectasias. Quando as paredes dos bronquis ficam espessadas (que nem na Fibrose cistica)
    Ai a gente ve o caminho radiopaco da parede dos bronquios. A gente tambem os chama de sinal do TRILHO DE TREM, pq são as duas paredes do bronquio paralelas.
  • Opacidade meio nebulosa,

    Causado por preenchimento parcial dos alveolos.

    Diferenciamos da consolidacao pq aqui nos consegimos ainda ver os vasos

    Processo intermediario pra formacao de uma consolidacao na verdade.
  • Agora doenca intersticial

    O que eh o interstício pulmonar?

    regiões situadas entre elementos bem definidos do pulmão. (a gente tem as os acinos, os bronquilos, etc, e tudo que tiver entre eles eh intersticio)

    espaços entre as células endoteliais e o epitélio alveolar.

    tecidos conectivos perivasculares, peribronquiolares e peribronquiais, desde as paredes dos lóbulos secundários até as regiões mais centrais (Figura 1).
  • Dentro dos lobos a gente tem os lobulos pulmonares, e quando a gente tem o espessamento do septo entre eles a gente visualiza o que a gente chama de “Linhas de Kerley” indicando um padrao de acometimento septal
  • Dependendo do local que estao elas tem uma letra, aqui temos linhas Kerley B, proximas a pleura. Conseguiram ver esses rajados? (vai e volta slide)
  • Dependendo do local que estao elas tem uma letra, aqui temos linhas Kerley B, proximas a pleura. Conseguiram ver esses rajados? (vai e volta slide)
  • Aqui temos mais exemplos das linhas de kerlei nos septos interlobulares

  • Aqui temos mais exemplos das linhas de kerlei nos septos interlobulares

  • Aqui o correspondente numa tomografia (risca linhas)
  • Agora padrao reticular

    Sinal da arvore em brotamento – visto na tomografia.

    A gente tem dilatacao e preenchimento dos bronquios – que como que formam os caules

    E os acinos, tambem preenchidos formando os brotinhos que ficam centrolobulares

    Presente em doencas inflamatorias (tuberculose pneumonia etc)
  • Opacidades em forma de nodulos. Ne esfericos

    Podendo ser infiltrados de celulas, tecido fibroso.
  • Aqui temos um caso de pneumonia por hipersensibilidade na tc e uma viral no raio x, em ambas temos um padrao difuso de micronodulos
  • Sinal do 1-2-3 eh qdo a gente encontra nodulos nos seguintes locas:

    Perihilares bilaterais e paratraqueal direita – causanda por linfonodomegalia.

    Eh classico na sarcoidose quando tem essa linfonodomegalia + espessamento intersticial)
    Mas lembrar tbm do diagnostico diferencial de disseminacao tumoral (mama)
  • Sinal do 1-2-3 eh qdo a gente encontra nodulos nos seguintes locas:

    Perihilares bilaterais e paratraqueal direita – causanda por linfonodomegalia.

    Eh classico na sarcoidose quando tem essa linfonodomegalia + espessamento intersticial)
    Mas lembrar tbm do diagnostico diferencial de disseminacao tumoral (mama)
  • Onde tem nodulos e opacidades lineares entre eles
  • Nosso proximo grupo sao os sinais presentes nas patologias que causam REDUCAO DA DENSIDADE PULMONAR
  • 1 – hiperinsuflacao sem ter lesao do tecido pulmonar - asma
    2 - DPOC – enisema pulmonar
  • Diafragma rebaixado e reto
    Coracao mais verticalizado
    Aumento ap
    Espaco retroesternal
  • Mais hipertransparente

    11 costela
  • Hipertransparência unilateral

    Causada por um tromboembolismo bem macico. Aqui a arteriografia deste caso.
  • (neoplasia de células escamosas)
    Niveis liquidos Sangue, infiltrado?

    A espessura da parede eh sinal da atividade da doenca. Quanto mais espessa – mais ativa.

    Mtas vezes no controle dessas doencas vamos acompanhando justamente o afinamento dessas paredes.
  • (neoplasia de células escamosas)
    Niveis liquidos Sangue, infiltrado?

    A espessura da parede eh sinal da atividade da doenca. Quanto mais espessa – mais ativa.

    Mtas vezes no controle dessas doencas vamos acompanhando justamente o afinamento dessas paredes.
  • (neoplasia de células escamosas)
    Niveis liquidos Sangue, infiltrado?

    A espessura da parede eh sinal da atividade da doenca. Quanto mais espessa – mais ativa.

    Mtas vezes no controle dessas doencas vamos acompanhando justamente o afinamento dessas paredes.
  • (neoplasia de células escamosas)
    Niveis liquidos Sangue, infiltrado?

    A espessura da parede eh sinal da atividade da doenca. Quanto mais espessa – mais ativa.

    Mtas vezes no controle dessas doencas vamos acompanhando justamente o afinamento dessas paredes.
  • Colabamento de parte do pulmao, dos alveolos.
    Tem tipos diferentes de atelectasia

    RESTRICAO
    Qdo algo restringe, impede o pulmao de se expandir

    FIBROCICATRICIAL por cicatrizes

    REABSORCAO – quando algo obstrui o bronquio que supre determinada regiao e ele atelectasia

    e por ADESAO quando falta o surfactante (responsavel por reduzir a tensao superficial dos alveolos)
  • O Sinal S de Golden eh um sinal que aparece quando uma estrutura obstrui o bronquio lobar superior direito causando atelectasia por reabsorcao do lobo superior direito e deslocando a fissura horizontal que fica em forma de um “S invertido”

    Vejamos

    A convexidade representa a massa que obstruiu, aqui centralmente
    E ai o lobo superior colaba e tem esse repuxamento da fissura horizontal.

    Um “S”

    Para quem viu minha publicacao no grupo da medicina ontem, era um caso que tinha o sinal S de golden, indicando atelectasia por lesao tumoral.
  • O Sinal S de Golden eh um sinal que aparece quando uma estrutura obstrui o bronquio lobar superior direito causando atelectasia por reabsorcao do lobo superior direito e deslocando a fissura horizontal que fica em forma de um “S invertido”

    Vejamos

    A convexidade representa a massa que obstruiu, aqui centralmente
    E ai o lobo superior colaba e tem esse repuxamento da fissura horizontal.

    Um “S”

    Para quem viu minha publicacao no grupo da medicina ontem, era um caso que tinha o sinal S de golden, indicando atelectasia por lesao tumoral.
  • O Sinal S de Golden eh um sinal que aparece quando uma estrutura obstrui o bronquio lobar superior direito causando atelectasia por reabsorcao do lobo superior direito e deslocando a fissura horizontal que fica em forma de um “S invertido”

    Vejamos

    A convexidade representa a massa que obstruiu, aqui centralmente
    E ai o lobo superior colaba e tem esse repuxamento da fissura horizontal.

    Um “S”

    Para quem viu minha publicacao no grupo da medicina ontem, era um caso que tinha o sinal S de golden, indicando atelectasia por lesao tumoral.
  • O Sinal S de Golden eh um sinal que aparece quando uma estrutura obstrui o bronquio lobar superior direito causando atelectasia por reabsorcao do lobo superior direito e deslocando a fissura horizontal que fica em forma de um “S invertido”

    Vejamos

    A convexidade representa a massa que obstruiu, aqui centralmente
    E ai o lobo superior colaba e tem esse repuxamento da fissura horizontal.

    Um “S”

    Para quem viu minha publicacao no grupo da medicina ontem, era um caso que tinha o sinal S de golden, indicando atelectasia por lesao tumoral.
  • Tem tambem os sinais indiretos de atelectasia, associados a pressao negativa exercida no colabamento, puxando estruturas vizinhas.
  • Tem tambem os sinais indiretos de atelectasia, associados a pressao negativa exercida no colabamento, puxando estruturas vizinhas.
  • Tambem temos sinais especificos da atelectasia redonda, que eh mto confundida com tumores (neh, conformacao redonda e tal)

    O sinal da cauda do cometa eh o aspecto, na tomografia de redemoinho, essa retorcao das estruturas em volta da lesao. Parecendo tipo a cauda de um cometa.

    Nomes criativos neh? hehe

    Exposicao ao asbesto
  • E agora, vamos ver os sinais presentes em anormalidades pleurais, que o nosso colega Rafael brilhantemente apresentou X
  • Temos o Derrame pleural, liquido no espaco entre as pleuras
    Espessamento da pleura
    E Pneumotorax, ar na cavidade pleural
  • Sinal do menisco

    Indicativo de derrame pleural

    Menisco eh o formato concavo que o liquido faz, em formato de meia lua.

    Mostra opacidade. Não eh algo com contornos mal definidos. Tem um formato bem caracteristico. Tao vendo?

    Outra coisa que tambem vemos no derrame pleural eh Apagamento do seio costofrenico. Por que o liquido, pela gravidade preenche esse espaco pertencente a cavidade pleural, e deixa de ser radiotransparente

    Muitas vezes pode ser bem pouco liquido entao fica bem baixinho, mas comparem o formato da base do pulmao normal e com derrame... SINAL DO MENISCO

    confirmacao?:
    Incidencia LAURELL – decubito lateral com raios horizontais
    US
  • Sinal do menisco

    Indicativo de derrame pleural

    Menisco eh o formato concavo que o liquido faz, em formato de meia lua.

    Mostra opacidade. Não eh algo com contornos mal definidos. Tem um formato bem caracteristico. Tao vendo?

    Outra coisa que tambem vemos no derrame pleural eh Apagamento do seio costofrenico. Por que o liquido, pela gravidade preenche esse espaco pertencente a cavidade pleural, e deixa de ser radiotransparente

    Muitas vezes pode ser bem pouco liquido entao fica bem baixinho, mas comparem o formato da base do pulmao normal e com derrame... SINAL DO MENISCO

    confirmacao?:
    Incidencia LAURELL – decubito lateral com raios horizontais
    US
  • Sinal do menisco

    Indicativo de derrame pleural

    Menisco eh o formato concavo que o liquido faz, em formato de meia lua.

    Mostra opacidade. Não eh algo com contornos mal definidos. Tem um formato bem caracteristico. Tao vendo?

    Outra coisa que tambem vemos no derrame pleural eh Apagamento do seio costofrenico. Por que o liquido, pela gravidade preenche esse espaco pertencente a cavidade pleural, e deixa de ser radiotransparente

    Muitas vezes pode ser bem pouco liquido entao fica bem baixinho, mas comparem o formato da base do pulmao normal e com derrame... SINAL DO MENISCO

    confirmacao?:
    Incidencia LAURELL – decubito lateral com raios horizontais
    US
  • Sinal do menisco

    Indicativo de derrame pleural

    Menisco eh o formato concavo que o liquido faz, em formato de meia lua.

    Mostra opacidade. Não eh algo com contornos mal definidos. Tem um formato bem caracteristico. Tao vendo?

    Outra coisa que tambem vemos no derrame pleural eh Apagamento do seio costofrenico. Por que o liquido, pela gravidade preenche esse espaco pertencente a cavidade pleural, e deixa de ser radiotransparente

    Muitas vezes pode ser bem pouco liquido entao fica bem baixinho, mas comparem o formato da base do pulmao normal e com derrame... SINAL DO MENISCO

    confirmacao?:
    Incidencia LAURELL – decubito lateral com raios horizontais
    US
  • Sinal do menisco

    Indicativo de derrame pleural

    Menisco eh o formato concavo que o liquido faz, em formato de meia lua.

    Mostra opacidade. Não eh algo com contornos mal definidos. Tem um formato bem caracteristico. Tao vendo?

    Outra coisa que tambem vemos no derrame pleural eh Apagamento do seio costofrenico. Por que o liquido, pela gravidade preenche esse espaco pertencente a cavidade pleural, e deixa de ser radiotransparente

    Muitas vezes pode ser bem pouco liquido entao fica bem baixinho, mas comparem o formato da base do pulmao normal e com derrame... SINAL DO MENISCO

    confirmacao?:
    Incidencia LAURELL – decubito lateral com raios horizontais
    US
  • Sinal do menisco

    Indicativo de derrame pleural

    Menisco eh o formato concavo que o liquido faz, em formato de meia lua.

    Mostra opacidade. Não eh algo com contornos mal definidos. Tem um formato bem caracteristico. Tao vendo?

    Outra coisa que tambem vemos no derrame pleural eh Apagamento do seio costofrenico. Por que o liquido, pela gravidade preenche esse espaco pertencente a cavidade pleural, e deixa de ser radiotransparente

    Muitas vezes pode ser bem pouco liquido entao fica bem baixinho, mas comparem o formato da base do pulmao normal e com derrame... SINAL DO MENISCO

    confirmacao?:
    Incidencia LAURELL – decubito lateral com raios horizontais
    US
  • O pneumotorax entao eh ar livre entre as duas pleuras.

    Vejam aqui que o pulmao acaba antes de alcancar a parede abdominal

    Pode ter um desvio do mediastino devido a pressao causada pelo ar

    E eh acentuado quando aumenta a pressao positiva no interior pela expiracao forcada. (um dos casos em que vamos pedir um raio X na expiracao e NAO na inspiracao kk)

  • A linha que representa a pleura visceral – deslocada de seu local habitual

    E uma camada sem vasos nem nada, que representa a cavidade pleural com ar.

    Aqui, uns exemplos mais acentuados

    E aqui mais discreto (mostrar vasos e linha da pleura)
  • Conhceida como a primeira radiografia realizada na historia.

    Dando inicio a uma revolucao na Medicina Diagnostica e Terapeutica.
  • SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0

    1. 1. Liga Acadêmica Radiologia e Diagnóstico por Imagem - LARDI Centro Universitário de Patos de Minas – Unipam Palestrante: Brenda Najat Boechat Lahlou Orientador: Leonardo de Aguiar Santos Patos de Minas 2016
    2. 2.  História Clínica  Exame Físico  Dados Laboratoriais  Achados de Imagem  Provas Específicas (PFP, LBA)  História Ocupacional  Status Imunológico
    3. 3. Sinais Radiológicos: São padrões característicos, reconhecíveis, por vezes com nome de objetos familiares com os quais são vagamente parecidos. Auxiliam no diagnóstico e na subsequente orientação terapêutica de doenças. São muitas vezes característicos ou altamente sugestivos de um determinado grupo de patologias. O conhecimento destes sinais pode encurtar a lista de diagnósticos diferenciais.
    4. 4. • Aumento da Densidade Pulmonar • Redução da Densidade Pulmonar • Atelectasia • Anormalidades Pleurais
    5. 5. Anormalidades pleurais Aumento da densidade pulmonar Redução da densidade pulmonar Atelectasia Padrões Básicos Doença Mista Doença Alveolar • Consolidação • Opacidades confluentes • Contornos mal definidos • Aerobroncogramas • Opacidades centroacinares Doença Intersticial • Padrão septal • Padrão reticular • Padrão nodular • Padrão reticulonodular • Vidro fosco • Hiperinsuflação sem doença pulmonar (asma) • Hiperinsuflação com redução do tecido pulmonar (enfisema) • Redução da vascularização (TEP, Swyer James) • Combinados • Outros (pneumotórax, Polland) • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cissuras interlobares Sinais Diretos • Elevação da cúpula • Aproximação de costelas • Desvio do mediastino • Deslocamento dos hilos Sinais Indiretos Derrame pleural Espessamento pleural Pneumotórax
    6. 6. • Consolidação • Opacidades confluentes • Contornos mal definidos • Aerobroncogramas • Opacidades centroacinares Doença Alveolar • Focal -Segmentar, -Não-segmentar • Esparsa • Difuso
    7. 7. AGUDAS CRÔNICAS Pneumonias Bacterianas Infecções (tuberculose, fúngicas) Tuberculose Sarcoidose Edema Agudo Pulmonar Neoplasias Hemorragias Colagenoses Tromboembolismo Pulmonar Proteinose Alveolar Silicose
    8. 8. Sinal da Silhueta: Uma lesão intratorácica que faz contato com os contornos da silhueta mediastínica ou dos hemidiafragmas e que apresenta densidade radiológica idêntica irá apagar esses contornos na radiografia. “Borrramento da silhueta / do contorno do coração” Pode acontecer com o diafragma ou com a fissura pleural.
    9. 9. Se Sinal da Silhueta estiver presente, significa que a lesão é no lobo médio ou língula.
    10. 10. Se Sinal da Silhueta estiver presente, significa que a lesão é no lobo médio ou língula.
    11. 11. Silhueta Cardíaca
    12. 12. Pneumonia total do pulmão esquerdo A – Radiografia do tórax com incidência PA mostrando opacidade em toalha homogénea ocupando todo o campo pulmonar esquerdo e condicionando sinal de silhueta com o contorno esquerdo da silhueta mediastínica e da hemicúpula diafragmática homolateral. B – Na incidência de perfil esquerdo, apenas é visível a hemicúpula diafragmática direita devido ao referido sinal da silhueta que condiciona apagamento do hemi-diafragma esquerdo.
    13. 13. Pneumonia total do pulmão esquerdo A – Radiografia do tórax com incidência PA mostrando opacidade em toalha homogénea ocupando todo o campo pulmonar esquerdo e condicionando sinal de silhueta com o contorno esquerdo da silhueta mediastínica e da hemicúpula diafragmática homolateral. B – Na incidência de perfil esquerdo, apenas é visível a hemicúpula diafragmática direita devido ao referido sinal da silhueta que condiciona apagamento do hemi-diafragma esquerdo. ?
    14. 14. Sinal POSITIVO
    15. 15. Sinal POSITIVO
    16. 16. SEM o Sinal
    17. 17. SEM o Sinal
    18. 18. • Visualização do Ar no interior dos brônquios intrapulmonares • Brônquios arejados no seio de uma consolidação
    19. 19. Pneumonia Lobar Esquerda Opacidade em toalha ocupando o lobo esquerdo e a língula, individualizando-se opacidades tubulares radiotransparentes (seta) na região central - seta
    20. 20. Pneumonia Lobar Esquerda Opacidade em toalha ocupando o lobo esquerdo e a língula, individualizando-se opacidades tubulares radiotransparentes (seta) na região central - seta
    21. 21. Pneumonia Lobar Esquerda Opacidade em toalha ocupando o lobo esquerdo e a língula, individualizando-se opacidades tubulares radiotransparentes (seta) na região central - seta
    22. 22. • Infiltrado interstício-alveolar parahilar com preservação da periferia. • Opacidades alveolares bilaterais, nos campos médios.
    23. 23. Diminuição da radiotransparência pulmonar na região peri-hilar, de forma simétrica, poupando a periferia. Edema Agudo de Pulmão
    24. 24. Diminuição da radiotransparência pulmonar na região peri-hilar, de forma simétrica, poupando a periferia. Edema Agudo de Pulmão
    25. 25. • Opacidades lineares • Paredes brônquicas espessadas, em secção longitudinal. (bronquiectasias cilíndricas)
    26. 26. • Opacidade de aspecto nebuloso (velamento), • Não apaga a trama vascular (não configurando consolidação) Infecção Micobacteriana
    27. 27. Anormalidades pleurais Aumento da densidade pulmonar Redução da densidade pulmonar Atelectasia Padrões Básicos Doença Mista Doença Alveolar • Consolidação • Opacidades confluentes • Contornos mal definidos • Aerobroncogramas • Opacidades centroacinares Doença Intersticial • Padrão septal • Padrão reticular • Padrão nodular • Padrão reticulonodular • Vidro fosco • Hiperinsuflação sem doença pulmonar (asma) • Hiperinsuflação com redução do tecido pulmonar (enfisema) • Redução da vascularização (TEP, Swyer James) • Combinados • Outros (pneumotórax, Polland) • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cissuras interlobares Sinais Diretos • Elevação da cúpula • Aproximação de costelas • Desvio do mediastino • Deslocamento dos hilos Sinais Indiretos Derrame pleural Espessamento pleural Pneumotórax
    28. 28. • Padrão septal • Padrão reticular • Padrão nodular • Padrão reticulonodular • Vidro fosco
    29. 29. • Espessamento dos septos interlobulares • Normal: não visualiza no RX • Linhas de Kerley
    30. 30. Linhas A, B, e C de Kerley
    31. 31. Linhas A, B, e C de Kerley • Edema • Malignidade (disseminação linfangítica de CA de pulmão ou linfoma) • Sarcoidose, Fibrose Pulmonar idiopática e Asbestose
    32. 32. • Padrão Reticular • Dilatação brônquica centrolobular é preenchida por muco, pus ou líquido • Nodulações nas extremidades, • Periferia do pulmão • Associado com anormalidades das vias aéreas maiores
    33. 33. • Opacidades arredondadas < 1 cm • Expansão do interstício esférica • Presença de infiltrado celular, tecido fibroso ou ambos.
    34. 34. Tuberculose Miliar
    35. 35. Pneumonia por hipersensibilidade Pneumonia Viral
    36. 36. • Padrão clássico na sarcoidose • Adenopatias: - paratraqueais direitas (1), - hilares direitas (2) e - hilares esquerdas (3).
    37. 37. • Padrão clássico na sarcoidose • Adenopatias: - paratraqueais direitas (1), - hilares direitas (2) e - hilares esquerdas (3).
    38. 38. • Opacidades lineares interligando nódulos. • Sarcoidose e Linfangite carcinomatosa.
    39. 39. Anormalidades pleurais Aumento da densidade pulmonar Redução da densidade pulmonar Atelectasia Padrões Básicos Doença Mista Doença Alveolar • Consolidação • Opacidades confluentes • Contornos mal definidos • Aerobroncogramas • Opacidades centroacinares Doença Intersticial • Padrão septal • Padrão reticular • Padrão nodular • Padrão reticulonodular • Vidro fosco • Hiperinsuflação sem doença pulmonar (asma) • Hiperinsuflação com redução do tecido pulmonar (enfisema) • Redução da vascularização (TEP, Swyer James) • Combinados • Outros (pneumotórax, Polland) • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cissuras interlobares Sinais Diretos • Elevação da cúpula • Aproximação de costelas • Desvio do mediastino • Deslocamento dos hilos Sinais Indiretos Derrame pleural Espessamento pleural Pneumotórax
    40. 40. • Hiperinsuflação sem doença pulmonar • Hiperinsuflação com redução do tecido pulmonar • Redução da vascularização (TEP, Swyer James) • Combinados • Outros (pneumotórax, Polland)
    41. 41. • Rebaixamento diafragmático (Costela: 11a ou 12a posterior; 7a anterior) • Retificação da cúpula • Coração alongado e verticalizado (em gota), diâmetro transverso < 11,5 cm • Aumento do tórax no diâmetro AP (em barril) • Aumento do espaço claro retroesternal (>2,5cm) • Aumento da Transparência Pulmonar ENFISEMA: • Bolhas - Área de maior radiotransparência >1cm, avascular, podendo estar delimitada por fina linha branca - Coalescência de alvéolos rotos • Atenuação da trama vascular periférica e proeminência dos vasos hílares
    42. 42. Normal Hiperinsuflado
    43. 43. • Ar (translúcido) dentro da massa • Necrose central da lesão, pode haver níveis líquidos • Abscesso (staphylococcus) • Neoplasia • Massa granulomatosa (tuberculose, fungo - aspergilose e coccidioidomicose, sarcoidose, doença de Wegener, nódulo reumatóide)
    44. 44. • Ar (translúcido) dentro da massa • Necrose central da lesão, pode haver níveis líquidos • Abscesso (staphylococcus) • Neoplasia • Massa granulomatosa (tuberculose, fungo - aspergilose e coccidioidomicose, sarcoidose, doença de Wegener, nódulo reumatóide)
    45. 45. • Ar (translúcido) dentro da massa • Necrose central da lesão, pode haver níveis líquidos • Abscesso (staphylococcus) • Neoplasia • Massa granulomatosa (tuberculose, fungo - aspergilose e coccidioidomicose, sarcoidose, doença de Wegener, nódulo reumatóide)
    46. 46. • Ar (translúcido) dentro da massa • Necrose central da lesão, pode haver níveis líquidos • Abscesso (staphylococcus) • Neoplasia • Massa granulomatosa (tuberculose, fungo - aspergilose e coccidioidomicose, sarcoidose, doença de Wegener, nódulo reumatóide)
    47. 47. Anormalidades pleurais Aumento da densidade pulmonar Redução da densidade pulmonar Atelectasia Padrões Básicos Doença Mista Doença Alveolar • Consolidação • Opacidades confluentes • Contornos mal definidos • Aerobroncogramas • Opacidades centroacinares Doença Intersticial • Padrão septal • Padrão reticular • Padrão nodular • Padrão reticulonodular • Vidro fosco • Hiperinsuflação sem doença pulmonar (asma) • Hiperinsuflação com redução do tecido pulmonar (enfisema) • Redução da vascularização (TEP, Swyer James) • Combinados • Outros (pneumotórax, Polland) • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cissuras interlobares Sinais Diretos • Elevação da cúpula • Aproximação de costelas • Desvio do mediastino • Deslocamento dos hilos Sinais Indiretos Derrame pleural Espessamento pleural Pneumotórax
    48. 48. Redução do componente aéreo pulmonar com perda volumétrica associada (colapso parcial do pulmão). • Restrição (derrame pleural, pneumotórax, lesão extrínseca) • Fibrocicatricial (cicatriz granulomatosa, áreas de fibrose) • Reabsorção (obstrução brônquica -pneumonite obstrutiva) • Adesão (deficiência de surfactante)
    49. 49. Diretos • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cisuras interlobares
    50. 50. Diretos • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cisuras interlobares
    51. 51. Diretos • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cisuras interlobares
    52. 52. Diretos • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cisuras interlobares
    53. 53. • Deformação da fissura horizontal • Existência de uma massa hilar • Obstrução do brônquio lobar superior direito > colapso • “S invertido” - Concavidade inferior periférica (colapso pulmonar) - Convexidade central (massa). Sugere carcinoma broncogênico obstrutivo em um adulto.
    54. 54. • Deformação da fissura horizontal • Existência de uma massa hilar • Obstrução do brônquio lobar superior direito > colapso • “S invertido” - Concavidade inferior periférica (colapso pulmonar) - Convexidade central (massa). Sugere carcinoma broncogênico obstrutivo em um adulto.
    55. 55. • Deformação da fissura horizontal • Existência de uma massa hilar • Obstrução do brônquio lobar superior direito > colapso • “S invertido” - Concavidade inferior periférica (colapso pulmonar) - Convexidade central (massa). Sugere carcinoma broncogênico obstrutivo em um adulto.
    56. 56. • Deformação da fissura horizontal • Existência de uma massa hilar • Obstrução do brônquio lobar superior direito > colapso • “S invertido” - Concavidade inferior periférica (colapso pulmonar) - Convexidade central (massa). Sugere carcinoma broncogênico obstrutivo em um adulto.
    57. 57. Indiretos • Elevação da cúpula • Aproximação de costelas • Desvio do mediastino • Deslocamento dos hilos • Hiperinsuflação do pulmão remanescente
    58. 58. Indiretos • Elevação da cúpula • Aproximação de costelas • Desvio do mediastino • Deslocamento dos hilos • Hiperinsuflação do pulmão remanescente
    59. 59. • Opacidade triangular que se projeta superiormente na metade medial do diafragma, • Consequente a atelectasia do lobo superior.
    60. 60. • Atelectasia redonda em TC • Deformação em “remoinho” (seta) das estruturas bronco- vasculares, desde o hilo pulmonar até à periferia da lesão.
    61. 61. Anormalidades pleurais Aumento da densidade pulmonar Redução da densidade pulmonar Atelectasia Padrões Básicos Doença Mista Doença Alveolar • Consolidação • Opacidades confluentes • Contornos mal definidos • Aerobroncogramas • Opacidades centroacinares Doença Intersticial • Padrão septal • Padrão reticular • Padrão nodular • Padrão reticulonodular • Vidro fosco • Hiperinsuflação sem doença pulmonar (asma) • Hiperinsuflação com redução do tecido pulmonar (enfisema) • Redução da vascularização (TEP, Swyer James) • Combinados • Outros (pneumotórax, Polland) • Aproximação de vasos e brônquios • Deslocamento de cissuras interlobares Sinais Diretos • Elevação da cúpula • Aproximação de costelas • Desvio do mediastino • Deslocamento dos hilos Sinais Indiretos Derrame pleural Espessamento pleural Pneumotórax
    62. 62. • Derrame pleural • Espessamento pleural • Pneumotórax
    63. 63. • Derrame Pleural • Opacidade homogenia com borda superior côncava • Apagamento do Seio costofrênico
    64. 64. • Derrame Pleural • Opacidade homogenia com borda superior côncava • Apagamento do Seio costofrênico
    65. 65. • Derrame Pleural • Opacidade homogenia com borda superior côncava • Apagamento do Seio costofrênico
    66. 66. • Derrame Pleural • Opacidade homogenia com borda superior côncava • Apagamento do Seio costofrênico
    67. 67. • Derrame Pleural • Opacidade homogenia com borda superior côncava • Apagamento do Seio costofrênico Laurell
    68. 68. • Derrame Pleural • Opacidade homogenia com borda superior côncava • Apagamento do Seio costofrênico Laurell
    69. 69. • Ar livre na cavidade pleural • Faixa de ar (hiperlúcida) entre a pleura visceral e: a parede torácica e/ou diafragma • Desvio de mediastino contralateralmente • Acentuado na Expiração Forçada
    70. 70. • CAMPOS, P.; RUANO, C. Imagiologia do Tórax I. 2007. Disponível em: <http://www.imaginologia.com.br/dow/radiologia_basica/Metodos-de-Imagem-na- Avaliacao-do-Torax.pdf> Acesso em: 21/03/2016 • DONATO, H.; SILVA, F. P.; ANTUNES, C.; OLIVEIRA, P. B.; ALVES, F. C. Sinais em Radiologia Torácica. Serviço de Imagem Médica, Centro Universitário de Coimbra. Coimbra. Disponível em: <http://rihuc.huc.min- saude.pt/bitstream/10400.4/1569/1/sinais_rad_torax.pdf> Acesso em: 21/03/2016 • FELSON, B.; WEINSTEIN, A. S.; SPITZ H. B. Princípios de Radiologia do Tórax: Texto Programado. Tradução Antônio S. Clemente Filho. São Paulo: Atheneu, 1978. • Introdução à patologia do aparelho respiratório. Disponível em: <http://www.pathology.com.br/introduo.htm > Acesso em: 21/03/2016 • JUHL, J. H.; CRUMMY, A. B.; KUHLMAN, J. E. Interpretação Radiológica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1204p, 2000 • MARTINEZ, J. A. B. Doenças Intersticiais Pulmonares. Medicina. Ribeirão Preto, v. 31, p. 247-256, 1998. • PASSOS, R. B. D. Sinais Radiológicos da Doença Torácica • SOUZA JUNIOR, A. S. Curso de Diagnóstico por Imagem do Tórax. Jornal de Pneumologia. v. 25, n. 1, 1999.
    71. 71. Radiografia da mão da esposa de Wilhelm Röntgen de 1895, logo após sua descoberta dos Raios X.

    ×