SlideShare uma empresa Scribd logo
Condicionamento reflexo
Disciplina Psicologia Experimental I
2011/1
Prof. Ana Raquel Karkow
Reflexo, estímulo e resposta
• Estímulo = parte ou mudança em uma parte
do AMBIENTE
• Resposta = mudança no ORGANISMO
• Reflexo = relação entre estímulo e resposta, na• Reflexo = relação entre estímulo e resposta, na
qual o estímulo elicia a resposta.
S R
Intensidade e Magnitude
• Referem-se ao “quanto de estímulo”
(intensidade) e ao “quanto de
resposta”(magnitude).
– Ex.: Quando entramos em uma sala muito quente,
começamos a suar.começamos a suar.
– Nesse exemplo de comportamento reflexo, o
estímulo é o calor (temperatura), e a resposta é o
ato de suar. A intensidade do estímulo, nesse caso,
é medida em graus Celsius (25, 40, 30 graus, etc.) e
a magnitude da resposta é medida pela quantidade
de suor produzido (10 mililitros, 15 mililitros...).
Leis do reflexo
• Lei da intensidade-magnitude
A intensidade de
um estímulo é uma
medidamedida
diretamente
proporcional à
magnitude da
resposta.
Leis do reflexo
• Lei do Limiar
Para todo reflexo, existe uma intensidade mínima do
estímulo necessária para que a resposta seja eliciada.
Leis do reflexo
• Lei da latência
Quanto maior a
intensidade do
estímulo,
menor amenor a
latência entre a
apresentação
desse estímulo
e a ocorrência
da resposta.
Efeitos de eliciações sucessivas da
resposta
HABITUAÇÃO
• Quando um mesmo
estímulo é apresentado
POTENCIAÇÃO
• Efeito oposto ao da
habituação que ocorreestímulo é apresentado
várias vezes em curto
intervalo de tempo, na
mesma intensidade,
podemos observar um
decréscimo na
magnitude da resposta.
• Ex. barulho alto
habituação que ocorre
para alguns reflexos
• À medida que novas
eliciações ocorrem, a
magnitude da
resposta aumenta
• Ex.: Professor
dizendo “tá?”
EMOÇÕES
• Muitas são respostas reflexas a estímulos
ambientais.
• Nascemos preparados para ter repostas
emocionais quando determinados estímulosemocionais quando determinados estímulos
surgem no nosso ambiente.
• Não sentimos medo, alegria ou raiva sem motivos
– Pode ser um pensamento, uma música, uma palavra
• Boa parte daquilo que entendemos como emoção
diz respeito à fisiologia do organismo.
– Reações fisiológicas
Resumo
A descoberta do reflexo aprendido
• Ivan Petrovich Pavlov
– Fisiologista russo
– Observou que os cães aprendiam novos reflexos
• Estímulos que não eliciavam respostas, passavam a• Estímulos que não eliciavam respostas, passavam a
eliciá-los
• Descobriu que outros estímulos, além da
comida, estavam eliciando salivação do cão
• A simples visão da comida e o barulho
dos passos de Pavlov faziam o cão
salivar
• Pavlov EMPARELHOU a carne e o som
de uma sineta, medindo gotas de saliva
produzidas
Aparato experimental de Pavlov
Estímulo
(comida)
Registro
salivação
EXPERIÊNCIA DE PAVLOV
• Cães salivam naturalmente por comida. Pavlov chamou a correlação entre o estímulo
incondicionado (comida) e a resposta incondicionado (salivação) de reflexo
incondicionado.
Quando um estimulo não provoca qualquer tipo de resposta, denomina-se de estimulo
neutro (som da campainha).
A experiência de Pavlov consistiu em associar um estimulo não condicionado (comida)
com a apresentação de um estimulo neutro (som de uma campainha).
Após a repetição desta associação de estímulos (60 vezes, aproximadamente)Após a repetição desta associação de estímulos (60 vezes, aproximadamente)
verificou que o cão aprendeu a salivar perante o estimulo que antes não provocava
qualquer resposta (neutro) mesmo na ausência do estimulo incondicionado (comida).
Assim este comportamento seria denominado de resposta condicionada (aprendida).
1. Som da campainha (E. neutro)-----> ausência de resposta
2. Comida (E. incondicionado) -----> Salivação (R. incondicionada) = Reflexo
Incondicionado
3. Som da Campainha (E. Neutro) + Comida (E. Incondicionado) ----> Salivação
(Resposta incondicionda)
4. Som da campainha (E. Condicionado) -----> Salivação (Resposta Condicionada)
Experimento de Pavlov
Estímulo
neutro
Estímulo
condicionado
Estímulo
condicionado
E. incondicionado
Resposta
incondicionada
Resposta
condicionada
Condicionamento pavloviano e
emoções
• Se organismos podem aprender novos reflexos,
podem aprender a sentir emoções
– Experimento de Watson com o pequeno Albert
• Emparelhou um estímulo incondicionado (som alto) com
estímulo neutro (rato) para a resposta de medoestímulo neutro (rato) para a resposta de medo
– Albert APRENDEU a ter medo do rato
• O motivo pelo qual “respondemos
emocionalmente” de formas diferentes a mesmos
estímulos está na história de condicionamento de
cada um de nós.
• Passamos por diferentes emparelhamentos ao
longo da vida.
• Dirigir na chuva e sofrer acidente – ter medo
de dirigir na chuva
• Comer costela de porco com molho estragado
– nausear quando sentir cheiro de carne de– nausear quando sentir cheiro de carne de
porco
Generalização
• Após um condicionamento, estímulos que se
assemelham fisicamente ao estímulo
condicionado podem passar a eliciar a
resposta condicionada.resposta condicionada.
– Ex.: Pequeno Albert passa a temer coelhos, ursos
de pelúcia, barba de papai Noel
• A magnitude da resposta depende da
semelhança entre os estímulos
Extinção
• A resposta reflexa condicionada pode
desaparecer se o estímulo condicionado (som)
for apresentado sem a presença do estímulo
incondicionado (carne).incondicionado (carne).
• Pode-se aprender a não ter mais medo!
– Através da exposição
• Recuperação espontânea: a resposta pode
voltar a acontecer (com magnitude mais fraca)
Na prática...
• O condicionamento pavloviano é utilizado
para tratar fobias
– Contraondicionamento: condicionar uma resposta
contrária àquela produzida pelo estímulo
condicionadocondicionado
• Tomar um xarope de Ipeca depois de fumar
– Dessensibilização sistemática: dividir o processo
de extinção em pequenos passos
• Escala crescente da intensidade de estímulo (pensar em
cães, ver fotos de cães, tocar em cães de pelúcia,
observar cães diferentes...)
Condicionamento de ordem superior
• Parear, por exemplo, o som da campainha a
um quadro negro para eliciar a salivação.
Fatores que influenciam o
condicionamento pavloviano
Frequência de
emparelhamentos: Quanto mais
frequente é o emparelhamento do
estímulo incondicionado com o
estímulo condicionado mais forte é a
resposta condicionada.
Tipo de emparelhamento: Respostas
condicionadas mais fortes surgem
quando o estímulo condicionado
aparece antes do estímulo
incondicionado e permanece quando
o estímulo condicionado aparece.resposta condicionada. o estímulo condicionado aparece.
Intensidade do estímulo
incondicionado: Um estímulo
incondicionado forte tipicamente
leva a um condicionamento mais
rápido.
Grau de predição do estímulo
condicionado: Um estímulo neutro
que sempre é apresentado junto ao
estímulo incondicionado gera um
condicionamento com facilidade do
que um estímulo que as vezes é
apresentado e as vezes não é.
• Leitura básica
– Cap 2 de Moreira, M. B. (2007). Princípios básicos
de análise de comportamento. Porto Alegre:
Artmed.Artmed.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Erica Nascimento
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
CatarinaNeivas
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Fundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimentalFundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimental
Tiago Malta
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
Caio Maximino
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Nilson Dias Castelano
 
Lei do efeito
Lei do efeitoLei do efeito
Lei do efeito
Tiago Malta
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
Talita Queiroz
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov   Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
inesaalexandra
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
Caio Maximino
 
Aula 3 behaviorismos
Aula 3   behaviorismosAula 3   behaviorismos
Aula 3 behaviorismos
Ludmila Moura
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
Nilson Dias Castelano
 
Teorias Behavioristas
Teorias BehavioristasTeorias Behavioristas
Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1
Caio Maximino
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
Nilson Dias Castelano
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Eduardo Manfré
 
Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)
Maju Fontenele
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Modelagem
ModelagemModelagem
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
Universidade Católica Portuguesa
 

Mais procurados (20)

Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 
Aprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento OperanteAprendizagem no Condicionamento Operante
Aprendizagem no Condicionamento Operante
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Fundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimentalFundamentos da psicologia experimental
Fundamentos da psicologia experimental
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamentoDefinições e conceitos básicos em análise do comportamento
Definições e conceitos básicos em análise do comportamento
 
Lei do efeito
Lei do efeitoLei do efeito
Lei do efeito
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov   Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
 
Operantes e respondentes
Operantes e respondentesOperantes e respondentes
Operantes e respondentes
 
Aula 3 behaviorismos
Aula 3   behaviorismosAula 3   behaviorismos
Aula 3 behaviorismos
 
Interação operante-respondente
Interação operante-respondenteInteração operante-respondente
Interação operante-respondente
 
Teorias Behavioristas
Teorias BehavioristasTeorias Behavioristas
Teorias Behavioristas
 
Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1Discriminação e controle de estímulos 1
Discriminação e controle de estímulos 1
 
Condicionamento respondente
Condicionamento respondenteCondicionamento respondente
Condicionamento respondente
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
 
Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)Esquemas de reforço (1)
Esquemas de reforço (1)
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Watson e o Behaviorismo
Watson e o BehaviorismoWatson e o Behaviorismo
Watson e o Behaviorismo
 

Semelhante a Condicionamento reflexo

Primórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo PavlovPrimórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo Pavlov
Débora Prado
 
01 introdução
01   introdução01   introdução
01 introdução
andreinfpuc
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 
Reflexo condicionado
Reflexo condicionadoReflexo condicionado
Reflexo condicionado
Lima Venancio
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
Jorge Barbosa
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
inesaalexandra
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
discrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.pptdiscrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.ppt
PAMELAPITAGORASFREIT
 
Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdfMaterial de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Jorge925180
 
Aprendizagem[1]
Aprendizagem[1]Aprendizagem[1]
Aprendizagem[1]
Anabela Gutierres Cunha
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Aula 1 - Conceitos básicos de Etologia.pdf
Aula 1 -  Conceitos básicos de Etologia.pdfAula 1 -  Conceitos básicos de Etologia.pdf
Aula 1 - Conceitos básicos de Etologia.pdf
JooRafaelAssis
 
Psicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e AprendizaPsicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e Aprendiza
Marcus Alves
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
António Daniel
 
Psicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - BehaviorismoPsicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - Behaviorismo
Diego Sampaio
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
Analeticiaa
 
Reflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidadeReflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidade
LusCludioRosa1
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
Rafael Afonso de Oliveira
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
ceciliamonteiro12
 

Semelhante a Condicionamento reflexo (20)

Primórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo PavlovPrimórdios do behaviorismo Pavlov
Primórdios do behaviorismo Pavlov
 
01 introdução
01   introdução01   introdução
01 introdução
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 
Reflexo condicionado
Reflexo condicionadoReflexo condicionado
Reflexo condicionado
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
 
Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov Condicionamento de ivan pavlov
Condicionamento de ivan pavlov
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
discrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.pptdiscrimina__oesqref.ppt
discrimina__oesqref.ppt
 
Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1
 
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdfMaterial de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
 
Aprendizagem[1]
Aprendizagem[1]Aprendizagem[1]
Aprendizagem[1]
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
 
Aula 1 - Conceitos básicos de Etologia.pdf
Aula 1 -  Conceitos básicos de Etologia.pdfAula 1 -  Conceitos básicos de Etologia.pdf
Aula 1 - Conceitos básicos de Etologia.pdf
 
Psicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e AprendizaPsicologia Experimental e Aprendiza
Psicologia Experimental e Aprendiza
 
A aprendizagem
A aprendizagemA aprendizagem
A aprendizagem
 
Psicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - BehaviorismoPsicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - Behaviorismo
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
 
Reflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidadeReflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidade
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
 

Mais de José Roberto Pinto

IMPRESSIONISMO: A ARTE DE IMPRESSIONAR OS SENTIDOS
IMPRESSIONISMO: A ARTE DE IMPRESSIONAR OS SENTIDOSIMPRESSIONISMO: A ARTE DE IMPRESSIONAR OS SENTIDOS
IMPRESSIONISMO: A ARTE DE IMPRESSIONAR OS SENTIDOS
José Roberto Pinto
 
AULA-05---TRANSITIVIDADE-VERBAL-I_bc6ac78f0ec049a9bf66e829ce05ac19.pptx
AULA-05---TRANSITIVIDADE-VERBAL-I_bc6ac78f0ec049a9bf66e829ce05ac19.pptxAULA-05---TRANSITIVIDADE-VERBAL-I_bc6ac78f0ec049a9bf66e829ce05ac19.pptx
AULA-05---TRANSITIVIDADE-VERBAL-I_bc6ac78f0ec049a9bf66e829ce05ac19.pptx
José Roberto Pinto
 
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024 PDF.pdf
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024 PDF.pdfAula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024 PDF.pdf
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024 PDF.pdf
José Roberto Pinto
 
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024.pptx
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024.pptxAula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024.pptx
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024.pptx
José Roberto Pinto
 
Edsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdfEdsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdf
José Roberto Pinto
 
APOSTILA LEITURINHA.pdf
APOSTILA LEITURINHA.pdfAPOSTILA LEITURINHA.pdf
APOSTILA LEITURINHA.pdf
José Roberto Pinto
 
Dicionário de Acordes.pdf
Dicionário de Acordes.pdfDicionário de Acordes.pdf
Dicionário de Acordes.pdf
José Roberto Pinto
 
Filosofia e psicologia
Filosofia e psicologiaFilosofia e psicologia
Filosofia e psicologia
José Roberto Pinto
 

Mais de José Roberto Pinto (8)

IMPRESSIONISMO: A ARTE DE IMPRESSIONAR OS SENTIDOS
IMPRESSIONISMO: A ARTE DE IMPRESSIONAR OS SENTIDOSIMPRESSIONISMO: A ARTE DE IMPRESSIONAR OS SENTIDOS
IMPRESSIONISMO: A ARTE DE IMPRESSIONAR OS SENTIDOS
 
AULA-05---TRANSITIVIDADE-VERBAL-I_bc6ac78f0ec049a9bf66e829ce05ac19.pptx
AULA-05---TRANSITIVIDADE-VERBAL-I_bc6ac78f0ec049a9bf66e829ce05ac19.pptxAULA-05---TRANSITIVIDADE-VERBAL-I_bc6ac78f0ec049a9bf66e829ce05ac19.pptx
AULA-05---TRANSITIVIDADE-VERBAL-I_bc6ac78f0ec049a9bf66e829ce05ac19.pptx
 
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024 PDF.pdf
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024 PDF.pdfAula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024 PDF.pdf
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024 PDF.pdf
 
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024.pptx
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024.pptxAula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024.pptx
Aula 2 Orações Coordenadas 21 de 2 de 2024.pptx
 
Edsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdfEdsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdf
 
APOSTILA LEITURINHA.pdf
APOSTILA LEITURINHA.pdfAPOSTILA LEITURINHA.pdf
APOSTILA LEITURINHA.pdf
 
Dicionário de Acordes.pdf
Dicionário de Acordes.pdfDicionário de Acordes.pdf
Dicionário de Acordes.pdf
 
Filosofia e psicologia
Filosofia e psicologiaFilosofia e psicologia
Filosofia e psicologia
 

Último

643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 

Último (11)

643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 

Condicionamento reflexo

  • 1. Condicionamento reflexo Disciplina Psicologia Experimental I 2011/1 Prof. Ana Raquel Karkow
  • 2. Reflexo, estímulo e resposta • Estímulo = parte ou mudança em uma parte do AMBIENTE • Resposta = mudança no ORGANISMO • Reflexo = relação entre estímulo e resposta, na• Reflexo = relação entre estímulo e resposta, na qual o estímulo elicia a resposta. S R
  • 3.
  • 4. Intensidade e Magnitude • Referem-se ao “quanto de estímulo” (intensidade) e ao “quanto de resposta”(magnitude). – Ex.: Quando entramos em uma sala muito quente, começamos a suar.começamos a suar. – Nesse exemplo de comportamento reflexo, o estímulo é o calor (temperatura), e a resposta é o ato de suar. A intensidade do estímulo, nesse caso, é medida em graus Celsius (25, 40, 30 graus, etc.) e a magnitude da resposta é medida pela quantidade de suor produzido (10 mililitros, 15 mililitros...).
  • 5. Leis do reflexo • Lei da intensidade-magnitude A intensidade de um estímulo é uma medidamedida diretamente proporcional à magnitude da resposta.
  • 6. Leis do reflexo • Lei do Limiar Para todo reflexo, existe uma intensidade mínima do estímulo necessária para que a resposta seja eliciada.
  • 7. Leis do reflexo • Lei da latência Quanto maior a intensidade do estímulo, menor amenor a latência entre a apresentação desse estímulo e a ocorrência da resposta.
  • 8. Efeitos de eliciações sucessivas da resposta HABITUAÇÃO • Quando um mesmo estímulo é apresentado POTENCIAÇÃO • Efeito oposto ao da habituação que ocorreestímulo é apresentado várias vezes em curto intervalo de tempo, na mesma intensidade, podemos observar um decréscimo na magnitude da resposta. • Ex. barulho alto habituação que ocorre para alguns reflexos • À medida que novas eliciações ocorrem, a magnitude da resposta aumenta • Ex.: Professor dizendo “tá?”
  • 9. EMOÇÕES • Muitas são respostas reflexas a estímulos ambientais. • Nascemos preparados para ter repostas emocionais quando determinados estímulosemocionais quando determinados estímulos surgem no nosso ambiente. • Não sentimos medo, alegria ou raiva sem motivos – Pode ser um pensamento, uma música, uma palavra • Boa parte daquilo que entendemos como emoção diz respeito à fisiologia do organismo. – Reações fisiológicas
  • 10.
  • 11.
  • 13. A descoberta do reflexo aprendido • Ivan Petrovich Pavlov – Fisiologista russo – Observou que os cães aprendiam novos reflexos • Estímulos que não eliciavam respostas, passavam a• Estímulos que não eliciavam respostas, passavam a eliciá-los • Descobriu que outros estímulos, além da comida, estavam eliciando salivação do cão • A simples visão da comida e o barulho dos passos de Pavlov faziam o cão salivar • Pavlov EMPARELHOU a carne e o som de uma sineta, medindo gotas de saliva produzidas
  • 14. Aparato experimental de Pavlov Estímulo (comida) Registro salivação
  • 15. EXPERIÊNCIA DE PAVLOV • Cães salivam naturalmente por comida. Pavlov chamou a correlação entre o estímulo incondicionado (comida) e a resposta incondicionado (salivação) de reflexo incondicionado. Quando um estimulo não provoca qualquer tipo de resposta, denomina-se de estimulo neutro (som da campainha). A experiência de Pavlov consistiu em associar um estimulo não condicionado (comida) com a apresentação de um estimulo neutro (som de uma campainha). Após a repetição desta associação de estímulos (60 vezes, aproximadamente)Após a repetição desta associação de estímulos (60 vezes, aproximadamente) verificou que o cão aprendeu a salivar perante o estimulo que antes não provocava qualquer resposta (neutro) mesmo na ausência do estimulo incondicionado (comida). Assim este comportamento seria denominado de resposta condicionada (aprendida). 1. Som da campainha (E. neutro)-----> ausência de resposta 2. Comida (E. incondicionado) -----> Salivação (R. incondicionada) = Reflexo Incondicionado 3. Som da Campainha (E. Neutro) + Comida (E. Incondicionado) ----> Salivação (Resposta incondicionda) 4. Som da campainha (E. Condicionado) -----> Salivação (Resposta Condicionada)
  • 16. Experimento de Pavlov Estímulo neutro Estímulo condicionado Estímulo condicionado E. incondicionado Resposta incondicionada Resposta condicionada
  • 17. Condicionamento pavloviano e emoções • Se organismos podem aprender novos reflexos, podem aprender a sentir emoções – Experimento de Watson com o pequeno Albert • Emparelhou um estímulo incondicionado (som alto) com estímulo neutro (rato) para a resposta de medoestímulo neutro (rato) para a resposta de medo – Albert APRENDEU a ter medo do rato • O motivo pelo qual “respondemos emocionalmente” de formas diferentes a mesmos estímulos está na história de condicionamento de cada um de nós. • Passamos por diferentes emparelhamentos ao longo da vida.
  • 18.
  • 19. • Dirigir na chuva e sofrer acidente – ter medo de dirigir na chuva • Comer costela de porco com molho estragado – nausear quando sentir cheiro de carne de– nausear quando sentir cheiro de carne de porco
  • 20. Generalização • Após um condicionamento, estímulos que se assemelham fisicamente ao estímulo condicionado podem passar a eliciar a resposta condicionada.resposta condicionada. – Ex.: Pequeno Albert passa a temer coelhos, ursos de pelúcia, barba de papai Noel • A magnitude da resposta depende da semelhança entre os estímulos
  • 21. Extinção • A resposta reflexa condicionada pode desaparecer se o estímulo condicionado (som) for apresentado sem a presença do estímulo incondicionado (carne).incondicionado (carne). • Pode-se aprender a não ter mais medo! – Através da exposição • Recuperação espontânea: a resposta pode voltar a acontecer (com magnitude mais fraca)
  • 22. Na prática... • O condicionamento pavloviano é utilizado para tratar fobias – Contraondicionamento: condicionar uma resposta contrária àquela produzida pelo estímulo condicionadocondicionado • Tomar um xarope de Ipeca depois de fumar – Dessensibilização sistemática: dividir o processo de extinção em pequenos passos • Escala crescente da intensidade de estímulo (pensar em cães, ver fotos de cães, tocar em cães de pelúcia, observar cães diferentes...)
  • 23. Condicionamento de ordem superior • Parear, por exemplo, o som da campainha a um quadro negro para eliciar a salivação.
  • 24. Fatores que influenciam o condicionamento pavloviano Frequência de emparelhamentos: Quanto mais frequente é o emparelhamento do estímulo incondicionado com o estímulo condicionado mais forte é a resposta condicionada. Tipo de emparelhamento: Respostas condicionadas mais fortes surgem quando o estímulo condicionado aparece antes do estímulo incondicionado e permanece quando o estímulo condicionado aparece.resposta condicionada. o estímulo condicionado aparece. Intensidade do estímulo incondicionado: Um estímulo incondicionado forte tipicamente leva a um condicionamento mais rápido. Grau de predição do estímulo condicionado: Um estímulo neutro que sempre é apresentado junto ao estímulo incondicionado gera um condicionamento com facilidade do que um estímulo que as vezes é apresentado e as vezes não é.
  • 25. • Leitura básica – Cap 2 de Moreira, M. B. (2007). Princípios básicos de análise de comportamento. Porto Alegre: Artmed.Artmed.