SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução Aprendizagem
Aprender De  apreender  (tomar posse judicialmente), do latim Aprehendere. significa  reter alguma habilidade ou conhecimento de forma razoavelmente permanente.
Aristóteles * ,  filósofo grego, 384-322AC : Aprendemos por associação * Aluno de Platão e tutor de Alexandre, o Grande Fundador da escola  peripatética, em Atenas Trabalhos sobre lógica, ética, política, retórica, física e zoologia
Empiristas ingleses (XVIII) –  John Locke e David Hume  Todo conhecimento passa  pelos órgãos dos sentidos   Leis da Associação : _  Similaridade, Contigüidade  Contraste >MEMóRIA
Princípios da Gestalt na organização perceptual Paradigma: O todo é maior do que a soma das partes Organização das partes entre si. Aprendemos para nos adaptar ao ambiente
Aprendemos para nos adaptar ao ambiente O que  aprendemos? Exemplos com vocês: Como?   Aprendemos de várias maneiras:
1+2=  Lei do Efeito  de E. Thorndike  (séc. XIX) 1 – repetição  e  2- tentativa e erro “ O que dá certo, aumenta a freqüência do comportamento; o que não dá certo, diminui a freqüência do comportamento;.”  Inspirou a base para o surgimento do comdicionamento operante Psicólogo norte-americano, nascido em 1874 e falecido em 1949,
1+2+3+4=  Behaviorismo ou Comportamentalismo 3- condicionamento clássico  e   4- condicionamento operante Psicologia rigidamente cientifica – método experimental de pesquisa científica - contra o metodo  introspectivo, ainda da Filosofia: método de Wundt(Al) e William James(EUA), considerados os fundadores da Psicologia.
William James (1842-1910) Em 1902, ele escreveria: “Eu inicialmente estudei medicina para ser um fisiologista, mas eu acabei direcionado à filosofia e à psicologia como que por fatalidade. Eu nunca havia tido instrução filosófica, e a primeira palestra sobre psicologia que escutei foi a que eu proferi.”  Willliam James  ( 11 de janeiro  de  1842  –  26 de
5+6= Cognitivismo 5-  observação 6- aprendizagem social resgata o “mentalismo” dos primeiros psicólogos de forma científica
Ou através de 7+8 =  Psicologia Cognitiva  7- raciocínio lógico 8-  insight Metacognição.
Começamos com o  Condicionamento Clássico Ou condicionamento reflexo. Em geral, sistema Autônomo e reflexos motores Simpático,  em geral responsável pela  atividade  fisiológica (níveis de excitação) Parassimpático , em geral , respostas de  repouso e relaxamento . (mais tarde, implicações diretas no conceito de Memória) OMmmmmmm.......
Sistema Autônomo Responsável por respostas reflexas do corpo, como... Funções cardíacas, respiratórias, digestivas e excretórias; ritmo circadiano;
Condicionamento Clássico ou Reflexo Mas também  reflexos motores como de pálpebras ou recuo da dor;  Respostas inatas e resultado de  predisposição biológica, São passiveis de condicionamento reflexo,  o corpo aprende
Salivar é resposta reflexa – cachorro de Pavlov
O que  é  o Reflexo Condicionado No final do s é culo XIX e no in í cio do s é culo XX, um fisiologista russo, Ivan Pavlov (1849-1936), ao estudar a fisiologia do sistema gastrointestinal, fez uma das grandes descobertas cient í ficas da atualidade: o reflexo condicionado. Foi uma das primeiras abordagens realmente objetivas e cient í ficas ao estudo da aprendizagem, principalmente porque forneceu um modelo que podia ser verificado e explorado de in ú meras maneiras, usando a metodologia da fisiologia.
Pavlov inaugurava, assim, a psicologia cient í fica, acoplando-a  à  neurofisiologia.  Por seus trabalhos, recebeu o prêmio Nobel concedido na  á rea de Medicina e Fisiologia em 1904.
A experiência cl á ssica de Pavlov  é  aquela do cão, a campainha e a saliva ç ão  à  vista de um peda ç o de carne. Sempre que  apresentamos ao cão um peda ç o de carne, a visão da carne e sua olfa ç ão provocam saliva ç ão no animal.  Se tocarmos uma campainha, qual o efeito sobre o animal? uma rea ç ão de orienta ç ão. Ele simplesmente olha, vira a cabe ç a para ver de onde vem aquele est í mulo sonoro.
Associação Se tocarmos  a campainha  e em seguida mostrarmos  a carne , dando-a ao cão, e fizermos isso  repetidamente , depois de certo n ú mero de vezes o simples  tocar   da   campainha provoca saliva ç ão  no animal, preparando o seu aparelho digestivo para receber a carne. A  campainha torna-se um sinal da carne  que vir á  depois.
Todo o  organismo  do animal  reage como se  a carne j á  estivesse presente, com saliva ç ão, secre ç ão digestiva, motricidade digestiva etc. Um  est í mulo  que nada tem a ver com a alimenta ç ão, meramente  sonoro , passa a ser capaz de  provocar modifica ç ões digestivas.   Associação
Para que surja um reflexo condicionado  é  preciso que existam certas condi ç ões:       1. coexistência no tempo, v á rias vezes repetida, entre o agente indiferente e o est í mulo incondicionado (no caso, o som da campainha e a apresenta ç ão da carne)
Para que surja um reflexo condicionado  é  preciso que existam certas condi ç ões:     2. o agente indiferente deve  preceder  em pouco tempo o est í mulo incondicionado. Se dermos a carne primeiro e tocarmos a campainha depois, a rea ç ão condicionada não se estabelece;
Para que surja um reflexo condicionado  é  preciso que existam certas condi ç ões:     3. inexistência naquele momento de outros est í mulos que possam provocar inibi ç ão de causa externa. Se simultaneamente damos uma chicotada ou jogamos  á gua gelada no animal, provocamos inibi ç ão, desencadeando rea ç ão de defesa no animal;
Para que surja um reflexo condicionado  é  preciso que existam certas condi ç ões:     4. para que o reflexo condicionado se mantenha,  é  necess á rio que  periodicamente o reforcemos . Uma vez que o reflexo se formou, o mero som da campainha substitui a apresenta ç ão da carne. Mas, se tocarmos repetidamente a campainha e  não mais apresentarmos a carne , depois de um certo n ú mero de vezes o  animal deixa de reagir  com saliva ç ão e secre ç ão digestiva.
Como Funciona o Reflexo Condicionado       Est í mulo   leva------- à >  Resposta Est í mulo Indiferente + Est í mulo Incondicionado (apresenta ç ão da carne)   leva --------- à >  Resposta Incondicionada   ou inata (salivação) Est í mulo Indiferente   associa-se------- à >  Resposta Condicionada
Explicando melhor:  um est í mulo indiferente, combinado com um est í mulo capaz de ativar um reflexo incondicionado, gera uma resposta incondicionada e, depois de algum tempo, o est í mulo indiferente, por si s ó ,  é  capaz de provocar resposta que pode, então, ser considerada como condicionada.
reflexo condicionado Esses est í mulos indiferentes podem vir tanto do meio externo (est í mulos sonoros, luminosos, olfativos, t á teis, t é rmicos) como do meio interno (v í sceras, ossos, articula ç ões).
As respostas condicionadas podem ser motoras, excretoras ou neurovegetativas.  Podem pois, ser condicionadas rea ç ões volunt á rias ou rea ç ões vegetativas involunt á rias.  Podemos fazer com que respostas involunt á rias apare ç am de acordo com a nossa vontade, se usarmos o condicionamento adequado. As respostas condicionadas podem ser excitat ó rias (com aumento de fun ç ão) ou inibit ó rias (com diminui ç ão de fun ç ão).
Efeito Placebo Existem diversos exemplos de como se pode modificar, atrav é s do condicionamento, a fisiologia do animal e do ser humano. Citaremos apenas alguns, para, a partir deles, procurar compreender o que poderia ocorrer no momento do Efeito Placebo
A Modifica ç ão da Fisiologia Atrav é s do Condicionamento   Pavlov e seus seguidores logo perceberam que o condicionamento era muito poderoso no sentido de alterar fun ç ões orgânicas. Diversos experimentos comprovaram isso, e abriram um enorme campo de estudos, com muitas conseq ü ências para a aplica ç ão cl í nica em seres humanos.
   Exemplo: se antes de aplicar inje ç ão de insulina em um cão, faz-se com que ele ou ç a sempre um assobio, a hipoglicemia que surge em decorrência da a ç ão da insulina passar á  a surgir, depois de algum tempo, pela simples audi ç ão do assobio.  O metabolismo do animal alterou-se, passando a responder com hipoglicemia a um est í mulo sonoro que nada tem a ver, em condi ç ões normais, com o metabolismo dos glic í dios.
O Sistema Nervoso Central e os Reflexos Condicionados Finalmente, atrav é s do que ficou conhecido como a "Teoria Pavloviana da Atividade Nervosa Superior", Pavlov e seus disc í pulos foram os primeiros pesquisadores a integrar os estudos da psicologia do aprendizado com a an á lise experimental da fun ç ão cerebral.  Eles mostraram que os reflexos condicionados se originam no  c ó rtex cerebral , o qual, segundo as palavras de Pavlov, " é  o distribuidor prim á rio e organizador de todas as atividades do organismo " .
  fim

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 01 introdução

Reflexo condicionado
Reflexo condicionadoReflexo condicionado
Reflexo condicionado
Lima Venancio
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Eduardo Manfré
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
Jorge Barbosa
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
ceciliamonteiro12
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
José Roberto Pinto
 
Reflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidadeReflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidade
LusCludioRosa1
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Psic doc3 m1
Psic doc3 m1Psic doc3 m1
Psic doc3 m1
psicologiaazambuja
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
guest277152fb
 
Aula 1 - Conceitos básicos de Etologia.pdf
Aula 1 -  Conceitos básicos de Etologia.pdfAula 1 -  Conceitos básicos de Etologia.pdf
Aula 1 - Conceitos básicos de Etologia.pdf
JooRafaelAssis
 
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdfMaterial de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Jorge925180
 
Behaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosBehaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricos
Thales Rocha
 
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANOpavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
moniquedornelas
 
Descobrindo a psicologia
Descobrindo a psicologiaDescobrindo a psicologia
Descobrindo a psicologia
Ana Couto
 
O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanas
Alan
 
Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
Silvyo Giffoni
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Erica Nascimento
 
Terapia de Reflexo (Reflexoterapia)
Terapia de Reflexo (Reflexoterapia)  Terapia de Reflexo (Reflexoterapia)
Terapia de Reflexo (Reflexoterapia)
QueroPraxia e Vida Segura Seguros de Pessoas
 

Semelhante a 01 introdução (20)

Reflexo condicionado
Reflexo condicionadoReflexo condicionado
Reflexo condicionado
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan PavlovComportamento Respondente - Ivan Pavlov
Comportamento Respondente - Ivan Pavlov
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
 
Reflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidadeReflexo condicionado e mediunidade
Reflexo condicionado e mediunidade
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1Passo 5 2007 1
Passo 5 2007 1
 
Psic doc3 m1
Psic doc3 m1Psic doc3 m1
Psic doc3 m1
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
 
Aula 1 - Conceitos básicos de Etologia.pdf
Aula 1 -  Conceitos básicos de Etologia.pdfAula 1 -  Conceitos básicos de Etologia.pdf
Aula 1 - Conceitos básicos de Etologia.pdf
 
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdfMaterial de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
Material de apoio-Teorias de Aprendizagem2023.pdf
 
Behaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosBehaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricos
 
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANOpavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
pavlov reflexo condicionado E SUAS DESCOBERTAS PARA O COMPORTAMENTO HUMANO
 
Descobrindo a psicologia
Descobrindo a psicologiaDescobrindo a psicologia
Descobrindo a psicologia
 
O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanas
 
Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 
Terapia de Reflexo (Reflexoterapia)
Terapia de Reflexo (Reflexoterapia)  Terapia de Reflexo (Reflexoterapia)
Terapia de Reflexo (Reflexoterapia)
 

01 introdução

  • 2. Aprender De apreender (tomar posse judicialmente), do latim Aprehendere. significa reter alguma habilidade ou conhecimento de forma razoavelmente permanente.
  • 3. Aristóteles * , filósofo grego, 384-322AC : Aprendemos por associação * Aluno de Platão e tutor de Alexandre, o Grande Fundador da escola peripatética, em Atenas Trabalhos sobre lógica, ética, política, retórica, física e zoologia
  • 4. Empiristas ingleses (XVIII) – John Locke e David Hume Todo conhecimento passa pelos órgãos dos sentidos Leis da Associação : _ Similaridade, Contigüidade Contraste >MEMóRIA
  • 5. Princípios da Gestalt na organização perceptual Paradigma: O todo é maior do que a soma das partes Organização das partes entre si. Aprendemos para nos adaptar ao ambiente
  • 6. Aprendemos para nos adaptar ao ambiente O que aprendemos? Exemplos com vocês: Como? Aprendemos de várias maneiras:
  • 7. 1+2= Lei do Efeito de E. Thorndike (séc. XIX) 1 – repetição e 2- tentativa e erro “ O que dá certo, aumenta a freqüência do comportamento; o que não dá certo, diminui a freqüência do comportamento;.” Inspirou a base para o surgimento do comdicionamento operante Psicólogo norte-americano, nascido em 1874 e falecido em 1949,
  • 8. 1+2+3+4= Behaviorismo ou Comportamentalismo 3- condicionamento clássico e 4- condicionamento operante Psicologia rigidamente cientifica – método experimental de pesquisa científica - contra o metodo introspectivo, ainda da Filosofia: método de Wundt(Al) e William James(EUA), considerados os fundadores da Psicologia.
  • 9. William James (1842-1910) Em 1902, ele escreveria: “Eu inicialmente estudei medicina para ser um fisiologista, mas eu acabei direcionado à filosofia e à psicologia como que por fatalidade. Eu nunca havia tido instrução filosófica, e a primeira palestra sobre psicologia que escutei foi a que eu proferi.” Willliam James ( 11 de janeiro de 1842 – 26 de
  • 10. 5+6= Cognitivismo 5- observação 6- aprendizagem social resgata o “mentalismo” dos primeiros psicólogos de forma científica
  • 11. Ou através de 7+8 = Psicologia Cognitiva 7- raciocínio lógico 8- insight Metacognição.
  • 12. Começamos com o Condicionamento Clássico Ou condicionamento reflexo. Em geral, sistema Autônomo e reflexos motores Simpático, em geral responsável pela atividade fisiológica (níveis de excitação) Parassimpático , em geral , respostas de repouso e relaxamento . (mais tarde, implicações diretas no conceito de Memória) OMmmmmmm.......
  • 13. Sistema Autônomo Responsável por respostas reflexas do corpo, como... Funções cardíacas, respiratórias, digestivas e excretórias; ritmo circadiano;
  • 14. Condicionamento Clássico ou Reflexo Mas também reflexos motores como de pálpebras ou recuo da dor; Respostas inatas e resultado de predisposição biológica, São passiveis de condicionamento reflexo, o corpo aprende
  • 15. Salivar é resposta reflexa – cachorro de Pavlov
  • 16. O que é o Reflexo Condicionado No final do s é culo XIX e no in í cio do s é culo XX, um fisiologista russo, Ivan Pavlov (1849-1936), ao estudar a fisiologia do sistema gastrointestinal, fez uma das grandes descobertas cient í ficas da atualidade: o reflexo condicionado. Foi uma das primeiras abordagens realmente objetivas e cient í ficas ao estudo da aprendizagem, principalmente porque forneceu um modelo que podia ser verificado e explorado de in ú meras maneiras, usando a metodologia da fisiologia.
  • 17. Pavlov inaugurava, assim, a psicologia cient í fica, acoplando-a à neurofisiologia. Por seus trabalhos, recebeu o prêmio Nobel concedido na á rea de Medicina e Fisiologia em 1904.
  • 18. A experiência cl á ssica de Pavlov é aquela do cão, a campainha e a saliva ç ão à vista de um peda ç o de carne. Sempre que apresentamos ao cão um peda ç o de carne, a visão da carne e sua olfa ç ão provocam saliva ç ão no animal. Se tocarmos uma campainha, qual o efeito sobre o animal? uma rea ç ão de orienta ç ão. Ele simplesmente olha, vira a cabe ç a para ver de onde vem aquele est í mulo sonoro.
  • 19. Associação Se tocarmos a campainha e em seguida mostrarmos a carne , dando-a ao cão, e fizermos isso repetidamente , depois de certo n ú mero de vezes o simples tocar da campainha provoca saliva ç ão no animal, preparando o seu aparelho digestivo para receber a carne. A campainha torna-se um sinal da carne que vir á depois.
  • 20. Todo o organismo do animal reage como se a carne j á estivesse presente, com saliva ç ão, secre ç ão digestiva, motricidade digestiva etc. Um est í mulo que nada tem a ver com a alimenta ç ão, meramente sonoro , passa a ser capaz de provocar modifica ç ões digestivas.   Associação
  • 21. Para que surja um reflexo condicionado é preciso que existam certas condi ç ões:   1. coexistência no tempo, v á rias vezes repetida, entre o agente indiferente e o est í mulo incondicionado (no caso, o som da campainha e a apresenta ç ão da carne)
  • 22. Para que surja um reflexo condicionado é preciso que existam certas condi ç ões:   2. o agente indiferente deve preceder em pouco tempo o est í mulo incondicionado. Se dermos a carne primeiro e tocarmos a campainha depois, a rea ç ão condicionada não se estabelece;
  • 23. Para que surja um reflexo condicionado é preciso que existam certas condi ç ões:   3. inexistência naquele momento de outros est í mulos que possam provocar inibi ç ão de causa externa. Se simultaneamente damos uma chicotada ou jogamos á gua gelada no animal, provocamos inibi ç ão, desencadeando rea ç ão de defesa no animal;
  • 24. Para que surja um reflexo condicionado é preciso que existam certas condi ç ões:   4. para que o reflexo condicionado se mantenha, é necess á rio que periodicamente o reforcemos . Uma vez que o reflexo se formou, o mero som da campainha substitui a apresenta ç ão da carne. Mas, se tocarmos repetidamente a campainha e não mais apresentarmos a carne , depois de um certo n ú mero de vezes o animal deixa de reagir com saliva ç ão e secre ç ão digestiva.
  • 25. Como Funciona o Reflexo Condicionado   Est í mulo leva------- à > Resposta Est í mulo Indiferente + Est í mulo Incondicionado (apresenta ç ão da carne) leva --------- à > Resposta Incondicionada   ou inata (salivação) Est í mulo Indiferente associa-se------- à > Resposta Condicionada
  • 26. Explicando melhor: um est í mulo indiferente, combinado com um est í mulo capaz de ativar um reflexo incondicionado, gera uma resposta incondicionada e, depois de algum tempo, o est í mulo indiferente, por si s ó , é capaz de provocar resposta que pode, então, ser considerada como condicionada.
  • 27. reflexo condicionado Esses est í mulos indiferentes podem vir tanto do meio externo (est í mulos sonoros, luminosos, olfativos, t á teis, t é rmicos) como do meio interno (v í sceras, ossos, articula ç ões).
  • 28. As respostas condicionadas podem ser motoras, excretoras ou neurovegetativas. Podem pois, ser condicionadas rea ç ões volunt á rias ou rea ç ões vegetativas involunt á rias. Podemos fazer com que respostas involunt á rias apare ç am de acordo com a nossa vontade, se usarmos o condicionamento adequado. As respostas condicionadas podem ser excitat ó rias (com aumento de fun ç ão) ou inibit ó rias (com diminui ç ão de fun ç ão).
  • 29. Efeito Placebo Existem diversos exemplos de como se pode modificar, atrav é s do condicionamento, a fisiologia do animal e do ser humano. Citaremos apenas alguns, para, a partir deles, procurar compreender o que poderia ocorrer no momento do Efeito Placebo
  • 30. A Modifica ç ão da Fisiologia Atrav é s do Condicionamento Pavlov e seus seguidores logo perceberam que o condicionamento era muito poderoso no sentido de alterar fun ç ões orgânicas. Diversos experimentos comprovaram isso, e abriram um enorme campo de estudos, com muitas conseq ü ências para a aplica ç ão cl í nica em seres humanos.
  • 31.   Exemplo: se antes de aplicar inje ç ão de insulina em um cão, faz-se com que ele ou ç a sempre um assobio, a hipoglicemia que surge em decorrência da a ç ão da insulina passar á a surgir, depois de algum tempo, pela simples audi ç ão do assobio. O metabolismo do animal alterou-se, passando a responder com hipoglicemia a um est í mulo sonoro que nada tem a ver, em condi ç ões normais, com o metabolismo dos glic í dios.
  • 32. O Sistema Nervoso Central e os Reflexos Condicionados Finalmente, atrav é s do que ficou conhecido como a "Teoria Pavloviana da Atividade Nervosa Superior", Pavlov e seus disc í pulos foram os primeiros pesquisadores a integrar os estudos da psicologia do aprendizado com a an á lise experimental da fun ç ão cerebral. Eles mostraram que os reflexos condicionados se originam no c ó rtex cerebral , o qual, segundo as palavras de Pavlov, " é o distribuidor prim á rio e organizador de todas as atividades do organismo " .