SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTRUTURALISMO
            Disciplina: Teorias e Sistemas da Psicologia
                      Professor: Paulo Aguiar



GRUPO:
Amanda Gabriela
Aparecida Fernanda
Cristian Dállat de Souza Firmino Alves
Luise Leite da Gama Oliveira
Juleica Gomes Assaline de Oliveira
Simone Wanderley Lustosa




                                            Bacharelado em Psicologia
                                                     Primeiro Período
                                                Turno: Manhã – 2011.1
ESTRUTURALISMO

INTRODUÇÃO:

Em nosso trabalho sobre o Estruturalismo buscamos não só aspectos históricos, seus
mestres e discípulos. Buscamos acima de tudo traduzir em uma linguagem acessível a
nós Bacharéis do primeiro período do Curso de Psicologia, aquela que seria uma das,
senão “a” primeira escola de Psicologia.

Partiremos, ao contrário do que alguns possam esperar, em busca exatamente de seus
pontos controversos e polêmicos, sempre com o intuito de “experimentar”. E para isso
nada melhor que citarmos em nossa introdução, uma afirmação de Edward Bradford
Titchener que diz: “Todo conhecimento humano é derivado das experiências
humanas, não há outra fonte de conhecimento”.

E como buscamos exatamente o CONHECIMENTO, pretendemos e tentaremos
demonstrar em nosso trabalho que toda experiência humana pode ser analisada por
pontos de vistas distintos, não estando, pelo menos a princípio, nenhum deles
necessariamente incorreto, pois cada indivíduo tem suas próprias vivências e, portanto,
seu próprio repertório de conhecimentos. (inspiração: Geraldo Magela Machado)
ESTRUTURALISMO
WILHELM WUNDT




Não há como iniciarmos um trabalho sobre o Estruturalismo sem citarmos a escola
psicológica inaugurada por Wilhelm Wundt (1832-1920). Ele foi para muitos estudiosos do
Estruturalismo, da Psicologia e da Filosofia uma das suas primeiras fontes e responsável
em determinar a estrutura da mente na tentativa de compreender os fenômenos mentais.

A psicologia só se tornou uma ciência independente da filosofia graças a Wundt, nos finais
do século XIX. Foi a partir deste acontecimento que se desenvolveram de forma sistemática
as investigações em psicologia, através de vários autores que a esta ciência se dedicaram,
construindo múltiplas escolas e teorias. Para muitos estudiosos Wundt criou o que, mais
tarde, seria chamado de Estruturalismo, por Edward Titchener; cujo objeto de estudo era a
estrutura consciente da mente, as sensações.

Em seu laboratório, Wundt muitos estudantes desejavam trabalhar com ele, muitos dos
quais viriam a se tornar pioneiros, difundindo versões próprias de psicologia para novas
gerações de alunos. Entre eles estavam, por exemplo, Edward B. Titchener. Assim, o
laboratório em Leipzig na Alemanha, exerceu enorme influência no desenvolvimento da
psicologia moderna, servindo como modelo para novos laboratórios e constantes
pesquisas.
ESTRUTURALISMO
EDWARD BRADFORD TITCHENER




Edward Bradford Titchener (1867-1927) foi um psicólogo estruturalista britânico que
estudou em Leipzig na Alemanha com o mestre Wilhelm Wund.

Titchener alterou o sistema de Wilhelm Wund, e foi o responsável em propor uma nova
abordagem que designou como “Estruturalismo”. Assim, o Estruturalismo foi
estabelecido por Edward Bradford Titchener como a primeira escola de pensamento no
campo da Psicologia.

Ele descartava a idéia de que a Percepção (que é o processo mental através do qual
cada indivíduo percebe e interpreta o mundo) tenha alguma participação nesse
processo. Para ele a psicologia deve ter como objeto de estudo a experiência
consciente do indivíduo, diante das diversas situações as quais é exposto.
ESTRUTURALISMO
A Percepção e o Erro de Estímulo:

Quando estudou a experiência consciente, Edward Titchener alertou a respeito da
possibilidade de um erro, o qual ele chamou de erro de estímulo, que gera uma
confusão entre o objeto de observação e o processo mental envolvido.

Por exemplo: se mostrarmos uma maçã a alguém, e pedirmos para que essa pessoa
descreva o que vê, muito provavelmente dirá que se trata de uma maçã, não
descrevendo suas características como cor, forma e brilho.

Essa falta de descrição dos elementos componentes da maçã é exatamente o que
Edward Titchener chamava de erro de estímulo. As características foram deixadas de
lado, em favor da descrição mais simples e conhecida.

Nesse caso, o observador está interpretando o objeto e não o analisando e segundo
Titchener “a consciência como a soma das experiências existentes em certo momento e
a mente como a soma das experiências acumuladas ao longo do tempo.”
ESTRUTURALISMO
Método de estudo usado por Edward Titchener (Introspecção)

O método utilizado pelo estruturalismo é o da Introspecção, diferente da introspecção
defendida por Wilhelm Wund que enfatizava o todo, Titchener enfatizava as partes. A
introspecção é definida como um relato verbal baseado na vivencia.

Para Edward sua principal base ou método de estudos concentrava-se nos elementos
propriamente ditos. Ele acreditava que a Psicologia deveria procurar descobrir a
natureza das experiências conscientes.

Esta experiência consciente, segundo Titchener é dependente do indivíduo que a
vivencia, diferindo da estudada por cientistas de outras áreas. Por exemplo, tanto a
Física como a Psicologia tem condições de estudar a luz ou o som, porém, cada
profissional terá orientação, métodos e objetivos diferentes.

Um exemplo da física citado por Edward Titchener é o fato de uma sala poder estar a
uma temperatura de 30ºC, independente de ter ou não alguém nesta sala para senti-la.
Nesse caso, mesmo que não haja ninguém na sala, a temperatura será a mesma. Já no
enfoque da psicologia, se houver um sujeito como observador dessa sala, ele poderá
relatar que sente um calor desconfortável ou não, dependendo de suas experiências
com a sensação de calor.
ESTRUTURALISMO
Para o Estruturalismo os 3 elementos da Consciência são:

► As sensações: que são os elementos básicos da percepção e ocorrem nos sons,
nas visões, nos cheiros e em outras experiências evocadas por objetos físicos do
ambiente.

► As imagens: são elementos de idéias e estão no processo que reflete experiências
não concretamente presentes no momento, como a lembrança de uma experiência
passada.

► Os estados afetivos, afetos ou sentimentos: são elementos da emoção que estão
presentes em experiências como o amor, o ódio ou a tristeza.

Mesmo Titchener colocando sensações e imagens como componentes diferentes da
consciência, as fronteiras que os delimitavam não se apresentavam de forma muito
clara. Para ele as sensações eram elementos da percepção que se manifestavam a
partir da estimulação ocasionada por objetos físicos. Ou seja, as imagens eram
elementos das idéias e por isso encontravam-se integradas ao processo de lembranças
e de experiências passadas, não estando o estímulo presente fisicamente.
ESTRUTURALISMO
CONCLUSÃO:

Em nossa introdução citamos uma frase de Titchener. Em nossa conclusão resolvemos
utilizar a mesma frase, pois ela resume bem o que objetivamos e o que concluímos
através deste trabalho: “Todo conhecimento humano é derivado das experiências
humanas, não há outra fonte de conhecimento”.

Mas o que será que ele quis afirmar? Que toda experiência humana pode ser analisada
por pontos de vistas distintos, não estando nenhum deles necessariamente incorreto,
pois cada indivíduo tem suas próprias vivências e, portanto, seu próprio repertório de
conhecimentos.

Concordamos quando Titchener define a consciência como a soma das nossas
experiências num dado momento de tempo, e a mente como a soma das nossas
experiências acumuladas ao longo da vida. Mente e consciência são realidades
semelhantes, mas, enquanto a consciência envolve processos mentais que ocorrem no
momento, a mente envolve o acumulo total destes processos.

Com esse estudo da escola Estruturalista reconhecemos que o corpo e a mente são
independentes uns dos outros e sem interação mútua, mas com seus processos
operando em paralelo. Somente a partir do Estruturalismo chegamos à psicologia
científica, ganhando um campo acadêmico formal e claramente separada da fisiologia e
da filosofia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Marcela Montalvão Teti
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 
Behaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosBehaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricos
Thales Rocha
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Caio Maximino
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
mundissa
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
Lany Almeida
 
Abordagem Humanista
Abordagem HumanistaAbordagem Humanista
Abordagem Humanista
Ines Santos
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
09108303
 
Vygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistóricaVygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistórica
Thiago de Almeida
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Quelen Fogaça
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
brelua
 
psicologia da educação
psicologia da educaçãopsicologia da educação
psicologia da educação
faculdadeteologica
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
Jemuel Araújo da Silva
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
Ulisses Vakirtzis
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Marcelo Assis
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Erica Nascimento
 

Mais procurados (20)

Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Behaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricosBehaviorismo clássico e teóricos
Behaviorismo clássico e teóricos
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Abordagem Humanista
Abordagem HumanistaAbordagem Humanista
Abordagem Humanista
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
Vygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistóricaVygotsky e a teoria sociohistórica
Vygotsky e a teoria sociohistórica
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
 
psicologia da educação
psicologia da educaçãopsicologia da educação
psicologia da educação
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Comportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou BehaviorismoComportamentalismo ou Behaviorismo
Comportamentalismo ou Behaviorismo
 

Destaque

Teoria estruturalista
Teoria estruturalistaTeoria estruturalista
Teoria estruturalista
Dayanne Louise Pereira Pinto
 
Teoria estruturalista
Teoria estruturalistaTeoria estruturalista
Teoria estruturalista
Ana Júlia Bona
 
Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Tga teoria estruturalista
Tga teoria estruturalistaTga teoria estruturalista
Tga teoria estruturalista
Edivan Barreto
 
Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem Estruturalista
César de Souza
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
guest970e078
 
Teoria Estruturalista
Teoria EstruturalistaTeoria Estruturalista
Teoria Estruturalista
admetz01
 
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia OrganizacionalResenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
admetz01
 
09. Teoria Estruturalista
09. Teoria Estruturalista09. Teoria Estruturalista
09. Teoria Estruturalista
Debora Miceli
 
Teoria funcionalista
Teoria funcionalistaTeoria funcionalista
Teoria funcionalista
rodcassio
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
gcajusolmari
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
A nova psicologia
A nova psicologiaA nova psicologia
A nova psicologia
informingus
 
Wundt e a psicologia
Wundt e a psicologiaWundt e a psicologia
Wundt e a psicologia
princessbabs
 
Aula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria FuncionalistaAula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria Funcionalista
Elizeu Nascimento Silva
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
Francione Brito
 
Psi - Inês
Psi - InêsPsi - Inês
Psi - Inês
12anogolega
 
Saussure
SaussureSaussure
Saussure
Juliana Gomes
 
Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)
Kogen Gouveia
 
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
Raquel Salcedo Gomes
 

Destaque (20)

Teoria estruturalista
Teoria estruturalistaTeoria estruturalista
Teoria estruturalista
 
Teoria estruturalista
Teoria estruturalistaTeoria estruturalista
Teoria estruturalista
 
Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01Teoria estruturalista 2012_01
Teoria estruturalista 2012_01
 
Tga teoria estruturalista
Tga teoria estruturalistaTga teoria estruturalista
Tga teoria estruturalista
 
Abordagem Estruturalista
Abordagem EstruturalistaAbordagem Estruturalista
Abordagem Estruturalista
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
Teoria Estruturalista
Teoria EstruturalistaTeoria Estruturalista
Teoria Estruturalista
 
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia OrganizacionalResenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
Resenha - Teoria Estruturalista: Estratégia Organizacional
 
09. Teoria Estruturalista
09. Teoria Estruturalista09. Teoria Estruturalista
09. Teoria Estruturalista
 
Teoria funcionalista
Teoria funcionalistaTeoria funcionalista
Teoria funcionalista
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
A nova psicologia
A nova psicologiaA nova psicologia
A nova psicologia
 
Wundt e a psicologia
Wundt e a psicologiaWundt e a psicologia
Wundt e a psicologia
 
Aula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria FuncionalistaAula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria Funcionalista
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
 
Psi - Inês
Psi - InêsPsi - Inês
Psi - Inês
 
Saussure
SaussureSaussure
Saussure
 
Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)
 
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
 

Semelhante a Estruturalismo

Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
JordanPrazeresFreita1
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
MariaDeMatos2
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
Patricia Amorim
 
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova PsicologiaPsicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
Diego Sampaio
 
Aula wundt
Aula   wundtAula   wundt
Aula wundt
gtoassa
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
Liliane Ennes
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
Clínica Evolução vida
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Martha Gislayne
 
Psi edu
Psi eduPsi edu
Psi edu
Ivone Reges
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Vilciele
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
ssuser494bbd
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
Adriana Alves Almeida
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
demonoidalex
 
02 - Perspectivas históricas da Psicologia - Copia.pptx
02 - Perspectivas históricas da Psicologia - Copia.pptx02 - Perspectivas históricas da Psicologia - Copia.pptx
02 - Perspectivas históricas da Psicologia - Copia.pptx
NathaliaFreitas32
 
Psic doc2 m1
Psic doc2 m1Psic doc2 m1
Psic doc2 m1
psicologiaazambuja
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
PatriciaPacheco87
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
Alexandre Misturini
 
135763015 aula-psicologia-cientifica-fundacao
135763015 aula-psicologia-cientifica-fundacao135763015 aula-psicologia-cientifica-fundacao
135763015 aula-psicologia-cientifica-fundacao
Luziane Vitoriano
 
introdução à psicologia
introdução à psicologiaintrodução à psicologia
introdução à psicologia
faculdadeteologica
 

Semelhante a Estruturalismo (20)

Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
 
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova PsicologiaPsicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
 
Aula wundt
Aula   wundtAula   wundt
Aula wundt
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Psi edu
Psi eduPsi edu
Psi edu
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Cor na psicologia
 
Aula de psicologia
Aula de psicologiaAula de psicologia
Aula de psicologia
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
 
02 - Perspectivas históricas da Psicologia - Copia.pptx
02 - Perspectivas históricas da Psicologia - Copia.pptx02 - Perspectivas históricas da Psicologia - Copia.pptx
02 - Perspectivas históricas da Psicologia - Copia.pptx
 
Psic doc2 m1
Psic doc2 m1Psic doc2 m1
Psic doc2 m1
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
 
135763015 aula-psicologia-cientifica-fundacao
135763015 aula-psicologia-cientifica-fundacao135763015 aula-psicologia-cientifica-fundacao
135763015 aula-psicologia-cientifica-fundacao
 
introdução à psicologia
introdução à psicologiaintrodução à psicologia
introdução à psicologia
 

Mais de Simone Wanderley Lustosa Landen

Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo DesignApresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
Simone Wanderley Lustosa Landen
 
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de PfisterApresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Simone Wanderley Lustosa Landen
 
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
Simone Wanderley Lustosa Landen
 
Traje Infantil - História Social da Criança e da Família
Traje Infantil - História Social da Criança e da FamíliaTraje Infantil - História Social da Criança e da Família
Traje Infantil - História Social da Criança e da Família
Simone Wanderley Lustosa Landen
 
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
Toc   neurofisiologia - Simone W. L.Toc   neurofisiologia - Simone W. L.
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
Simone Wanderley Lustosa Landen
 
N107a08
N107a08N107a08
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Toc neurofisiologia
Toc   neurofisiologiaToc   neurofisiologia
Toc neurofisiologia
Simone Wanderley Lustosa Landen
 

Mais de Simone Wanderley Lustosa Landen (8)

Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo DesignApresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
Apresentação do Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister_Novo Design
 
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de PfisterApresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
Apresentação do Teste Pirâmides Coloridas de Pfister
 
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
PHILIPPE ARIÈS UM HISTORIADOR MARGINAL (Autor: Marcos Silva - Departamento de...
 
Traje Infantil - História Social da Criança e da Família
Traje Infantil - História Social da Criança e da FamíliaTraje Infantil - História Social da Criança e da Família
Traje Infantil - História Social da Criança e da Família
 
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
Toc   neurofisiologia - Simone W. L.Toc   neurofisiologia - Simone W. L.
Toc neurofisiologia - Simone W. L.
 
N107a08
N107a08N107a08
N107a08
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Toc neurofisiologia
Toc   neurofisiologiaToc   neurofisiologia
Toc neurofisiologia
 

Estruturalismo

  • 1. ESTRUTURALISMO Disciplina: Teorias e Sistemas da Psicologia Professor: Paulo Aguiar GRUPO: Amanda Gabriela Aparecida Fernanda Cristian Dállat de Souza Firmino Alves Luise Leite da Gama Oliveira Juleica Gomes Assaline de Oliveira Simone Wanderley Lustosa Bacharelado em Psicologia Primeiro Período Turno: Manhã – 2011.1
  • 2. ESTRUTURALISMO INTRODUÇÃO: Em nosso trabalho sobre o Estruturalismo buscamos não só aspectos históricos, seus mestres e discípulos. Buscamos acima de tudo traduzir em uma linguagem acessível a nós Bacharéis do primeiro período do Curso de Psicologia, aquela que seria uma das, senão “a” primeira escola de Psicologia. Partiremos, ao contrário do que alguns possam esperar, em busca exatamente de seus pontos controversos e polêmicos, sempre com o intuito de “experimentar”. E para isso nada melhor que citarmos em nossa introdução, uma afirmação de Edward Bradford Titchener que diz: “Todo conhecimento humano é derivado das experiências humanas, não há outra fonte de conhecimento”. E como buscamos exatamente o CONHECIMENTO, pretendemos e tentaremos demonstrar em nosso trabalho que toda experiência humana pode ser analisada por pontos de vistas distintos, não estando, pelo menos a princípio, nenhum deles necessariamente incorreto, pois cada indivíduo tem suas próprias vivências e, portanto, seu próprio repertório de conhecimentos. (inspiração: Geraldo Magela Machado)
  • 3. ESTRUTURALISMO WILHELM WUNDT Não há como iniciarmos um trabalho sobre o Estruturalismo sem citarmos a escola psicológica inaugurada por Wilhelm Wundt (1832-1920). Ele foi para muitos estudiosos do Estruturalismo, da Psicologia e da Filosofia uma das suas primeiras fontes e responsável em determinar a estrutura da mente na tentativa de compreender os fenômenos mentais. A psicologia só se tornou uma ciência independente da filosofia graças a Wundt, nos finais do século XIX. Foi a partir deste acontecimento que se desenvolveram de forma sistemática as investigações em psicologia, através de vários autores que a esta ciência se dedicaram, construindo múltiplas escolas e teorias. Para muitos estudiosos Wundt criou o que, mais tarde, seria chamado de Estruturalismo, por Edward Titchener; cujo objeto de estudo era a estrutura consciente da mente, as sensações. Em seu laboratório, Wundt muitos estudantes desejavam trabalhar com ele, muitos dos quais viriam a se tornar pioneiros, difundindo versões próprias de psicologia para novas gerações de alunos. Entre eles estavam, por exemplo, Edward B. Titchener. Assim, o laboratório em Leipzig na Alemanha, exerceu enorme influência no desenvolvimento da psicologia moderna, servindo como modelo para novos laboratórios e constantes pesquisas.
  • 4. ESTRUTURALISMO EDWARD BRADFORD TITCHENER Edward Bradford Titchener (1867-1927) foi um psicólogo estruturalista britânico que estudou em Leipzig na Alemanha com o mestre Wilhelm Wund. Titchener alterou o sistema de Wilhelm Wund, e foi o responsável em propor uma nova abordagem que designou como “Estruturalismo”. Assim, o Estruturalismo foi estabelecido por Edward Bradford Titchener como a primeira escola de pensamento no campo da Psicologia. Ele descartava a idéia de que a Percepção (que é o processo mental através do qual cada indivíduo percebe e interpreta o mundo) tenha alguma participação nesse processo. Para ele a psicologia deve ter como objeto de estudo a experiência consciente do indivíduo, diante das diversas situações as quais é exposto.
  • 5. ESTRUTURALISMO A Percepção e o Erro de Estímulo: Quando estudou a experiência consciente, Edward Titchener alertou a respeito da possibilidade de um erro, o qual ele chamou de erro de estímulo, que gera uma confusão entre o objeto de observação e o processo mental envolvido. Por exemplo: se mostrarmos uma maçã a alguém, e pedirmos para que essa pessoa descreva o que vê, muito provavelmente dirá que se trata de uma maçã, não descrevendo suas características como cor, forma e brilho. Essa falta de descrição dos elementos componentes da maçã é exatamente o que Edward Titchener chamava de erro de estímulo. As características foram deixadas de lado, em favor da descrição mais simples e conhecida. Nesse caso, o observador está interpretando o objeto e não o analisando e segundo Titchener “a consciência como a soma das experiências existentes em certo momento e a mente como a soma das experiências acumuladas ao longo do tempo.”
  • 6. ESTRUTURALISMO Método de estudo usado por Edward Titchener (Introspecção) O método utilizado pelo estruturalismo é o da Introspecção, diferente da introspecção defendida por Wilhelm Wund que enfatizava o todo, Titchener enfatizava as partes. A introspecção é definida como um relato verbal baseado na vivencia. Para Edward sua principal base ou método de estudos concentrava-se nos elementos propriamente ditos. Ele acreditava que a Psicologia deveria procurar descobrir a natureza das experiências conscientes. Esta experiência consciente, segundo Titchener é dependente do indivíduo que a vivencia, diferindo da estudada por cientistas de outras áreas. Por exemplo, tanto a Física como a Psicologia tem condições de estudar a luz ou o som, porém, cada profissional terá orientação, métodos e objetivos diferentes. Um exemplo da física citado por Edward Titchener é o fato de uma sala poder estar a uma temperatura de 30ºC, independente de ter ou não alguém nesta sala para senti-la. Nesse caso, mesmo que não haja ninguém na sala, a temperatura será a mesma. Já no enfoque da psicologia, se houver um sujeito como observador dessa sala, ele poderá relatar que sente um calor desconfortável ou não, dependendo de suas experiências com a sensação de calor.
  • 7. ESTRUTURALISMO Para o Estruturalismo os 3 elementos da Consciência são: ► As sensações: que são os elementos básicos da percepção e ocorrem nos sons, nas visões, nos cheiros e em outras experiências evocadas por objetos físicos do ambiente. ► As imagens: são elementos de idéias e estão no processo que reflete experiências não concretamente presentes no momento, como a lembrança de uma experiência passada. ► Os estados afetivos, afetos ou sentimentos: são elementos da emoção que estão presentes em experiências como o amor, o ódio ou a tristeza. Mesmo Titchener colocando sensações e imagens como componentes diferentes da consciência, as fronteiras que os delimitavam não se apresentavam de forma muito clara. Para ele as sensações eram elementos da percepção que se manifestavam a partir da estimulação ocasionada por objetos físicos. Ou seja, as imagens eram elementos das idéias e por isso encontravam-se integradas ao processo de lembranças e de experiências passadas, não estando o estímulo presente fisicamente.
  • 8. ESTRUTURALISMO CONCLUSÃO: Em nossa introdução citamos uma frase de Titchener. Em nossa conclusão resolvemos utilizar a mesma frase, pois ela resume bem o que objetivamos e o que concluímos através deste trabalho: “Todo conhecimento humano é derivado das experiências humanas, não há outra fonte de conhecimento”. Mas o que será que ele quis afirmar? Que toda experiência humana pode ser analisada por pontos de vistas distintos, não estando nenhum deles necessariamente incorreto, pois cada indivíduo tem suas próprias vivências e, portanto, seu próprio repertório de conhecimentos. Concordamos quando Titchener define a consciência como a soma das nossas experiências num dado momento de tempo, e a mente como a soma das nossas experiências acumuladas ao longo da vida. Mente e consciência são realidades semelhantes, mas, enquanto a consciência envolve processos mentais que ocorrem no momento, a mente envolve o acumulo total destes processos. Com esse estudo da escola Estruturalista reconhecemos que o corpo e a mente são independentes uns dos outros e sem interação mútua, mas com seus processos operando em paralelo. Somente a partir do Estruturalismo chegamos à psicologia científica, ganhando um campo acadêmico formal e claramente separada da fisiologia e da filosofia.