SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnico em enfermagem
Turma: "B" 2022
Teoria do modelo adaptativo de
Callista Roy
Alunas: Ana Claudia, Marilene, Ana
Paula Campos, Dulce e Thainá
Professora: Jhordana
Teoria de Callista Roy e o
processo de enfermagem
Callista Roy, enfermeira formada em
1963, com Doutorado em Sociologia em
1977, desenvolveu um modelo de
adaptação que foi a base de seu
trabalho de graduação, sob orientação
de Dorothy E. Johnson, pioneira da
proposição da enfermagem como ciência
e arte e que desenvolveu o modelo de
sistemas comportamentais.
O Modelo de Adaptação de Roy (MAR) consiste
na formulação do processo de enfermagem,
onde o profissional poderá guiar-se durante a
observação, para a identificação de reações
emocionais, interpretação comportamental,
elaboração do plano assistencial e
intervenções de enfermagem.
Ela é formada dentro do modelo adaptativo,
no qual há conceitos que estão
interrelacionados, como os conceitos de
Enfermagem, saúde/doença, ambiente e
pessoa.
Sob esta influência, apresenta
determinadas áreas de fundamental
importância para a prática da
enfermagem, quais sejam:
A pessoa que é receptora do
atendimento de enfermagem;
 O conceito de ambiente;
 O conceito de saúde;
 A enfermagem.
Os objetivos dos quatro modos
adaptativos são fazer com que o
indivíduo alcance a integridade
fisiológica, psicológica e social. Eles
relacionam-se quando ocorrem
estímulos internos ou externos que
afetam mais do que um modo.
A utilização do modelo proporciona
muitos benefícios, tanto para o paciente
como para os enfermeiros, mas sua
aplicação exige disponibilidade, vontade
e empenho. O profissional precisa ter a
capacidade de observação e análise da
realidade vivenciada, adquirindo assim,
um olhar mais humanístico do indivíduo.
Roy apresenta uma proposta de Processo
de Enfermagem que inclui as seguintes
etapas: avaliação do comportamento,
avaliação de estímulos, diagnóstico de
enfermagem, estabelecimento de
metas, intervenção e avaliação.
Seus pressupostos teóricos tratam a
dignidade dos seres humanos e o papel
do enfermeiro na promoção da
integridade na vida e na morte. Ela
mostra o cliente como participante na
formulação das ações de Enfermagem,
porém isto aparece mais filosoficamente
do que operacionalizado na prática.
Eles condizem com as formulações sobre
adaptação e indicam que o enfermeiro e o
cliente devem procurar entender o que dificulta
a adaptação e buscar meios e ações que
possibilitem a concretização da prática. Já os
metaparadigmas da teoria são:
1. A pessoa que é receptora do atendimento de
enfermagem;
2. O conceito de ambiente;
3. O conceito de saúde;
4. A meta da enfermagem.
A adaptação a esses estímulos constitui a
resposta do indivíduo e promove o equilíbrio
e integridade do sistema e, por
consequência, da própria pessoa.
As respostas do indivíduo na forma de
controle do processo constituem-se no
mecanismo de enfrentamento defendido por
Roy, que podem ter natureza genética ou de
herança (sistema imunológico), ou de
aprendizagem (por exemplo, uso de
antissépticos para ferimentos).
A regulação na busca do equilíbrio é
identificada e pode ter origem externa
ou interna, tendo como resposta
mecanismos reguladores como, por
exemplo, os de natureza química,
neural ou endócrina.
Ela considera, por exemplo, a existência
de subsistemas reguladores que
respondem aos estímulos. Entre os
muitos existentes está àquele que
promove a retroalimentação
respiratória, em que o aumento do
dióxido de carbono estimula os
quimiorreceptores na medula a
aumentar a frequência respiratória
como compensação.
Outro subsistema identificado por Roy é
o subsistema cognato, relacionado com
as funções cerebrais superiores de
percepção, processamento de
informações, julgamento e da emoção.
A dor é reconhecida como estímulo
interno de entrada que leva o indivíduo
a perceber, avaliar, julgar e decidir.
Roy identificou quatro modos de adaptação,
quais sejam:
 O fisiológico, resposta física aos estímulos
ambientais, como a oxigenação, a nutrição,
a eliminação, a atividade, o repouso e a
proteção;
 O autoconceito, relacionado com a
necessidade de integridade psíquica, em
que o foco é o ser pessoa e o ser físico,
onde predominam os aspectos psicológicos
e espirituais da pessoa;
 Modo de função do papel, na qual a
principal necessidade preenchida é a
integridade social, aonde são identificados
os papéis primário, secundário e terciário.
O papel primário determina a maioria dos
comportamentos e é definido pelo sexo,
idade e estágio de desenvolvimento da
pessoa, determinando as realizações pelo
papel secundário. O papel terciário é
temporário, escolhido com liberdade (por
exemplo, os hobbies que temos);
 Modo de interdependência, onde
as necessidades afetivas são
preenchidas, incluindo os valores
humanos que são por ele identificados,
como a afeição, o amor e a afirmação.
O modelo de adaptação de Roy, enfim, é
um excelente parâmetro para as ações
do enfermeiro, quando estão presentes
as investigações do comportamento, do
estímulo, o diagnóstico de enfermagem,
o estabelecimento de metas, a
intervenção e a avaliação.
Teoria de Callista Roy e o
processo de enfermagem

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf

Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptxAnálise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
Dorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptxDorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptx
SergioBSantos1
 
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Palestra   a terapia cognitivo comportamentalPalestra   a terapia cognitivo comportamental
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Erika Barreto
 
Abordagem Comportamental
Abordagem ComportamentalAbordagem Comportamental
Abordagem Comportamental
rafaelpouzada
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de EnfermagemTeorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
Enf.Savana das G.
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Etica e Bioética
Etica e BioéticaEtica e Bioética
Etica e Bioética
José Vitor Alves
 
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Aprova Saúde
 
SeminÁrio Psicologia Do Desenvolvimento
SeminÁrio Psicologia Do DesenvolvimentoSeminÁrio Psicologia Do Desenvolvimento
SeminÁrio Psicologia Do Desenvolvimento
Mastro
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
Letícia Spina Tapia
 
Distúrbios e dificuldades de aprendizagem
Distúrbios e dificuldades de aprendizagemDistúrbios e dificuldades de aprendizagem
Distúrbios e dificuldades de aprendizagem
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Segunda aula cuidar abordagem para além das técnicas
Segunda aula  cuidar abordagem para além das técnicasSegunda aula  cuidar abordagem para além das técnicas
Segunda aula cuidar abordagem para além das técnicas
Leticia Roncati
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
Flora Couto
 
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxteoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
JessiellyGuimares
 
introdução a abpordagem cognitivo comportamental
introdução a abpordagem cognitivo comportamentalintrodução a abpordagem cognitivo comportamental
introdução a abpordagem cognitivo comportamental
moniquedornelas
 
Reab. psico
Reab. psicoReab. psico
Reab. psico
Sílvia Valente
 
Psicologia urg e emer.
Psicologia urg e emer.Psicologia urg e emer.
Psicologia urg e emer.
Psicologia_2015
 
Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)
Luana Santos
 
artigoCASO- abordagem comportamental.pdf
artigoCASO- abordagem comportamental.pdfartigoCASO- abordagem comportamental.pdf
artigoCASO- abordagem comportamental.pdf
IvoneSantos45
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
universitária
 

Semelhante a Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf (20)

Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptxAnálise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
 
Dorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptxDorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptx
 
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Palestra   a terapia cognitivo comportamentalPalestra   a terapia cognitivo comportamental
Palestra a terapia cognitivo comportamental
 
Abordagem Comportamental
Abordagem ComportamentalAbordagem Comportamental
Abordagem Comportamental
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de EnfermagemTeorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
 
Etica e Bioética
Etica e BioéticaEtica e Bioética
Etica e Bioética
 
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
 
SeminÁrio Psicologia Do Desenvolvimento
SeminÁrio Psicologia Do DesenvolvimentoSeminÁrio Psicologia Do Desenvolvimento
SeminÁrio Psicologia Do Desenvolvimento
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
 
Distúrbios e dificuldades de aprendizagem
Distúrbios e dificuldades de aprendizagemDistúrbios e dificuldades de aprendizagem
Distúrbios e dificuldades de aprendizagem
 
Segunda aula cuidar abordagem para além das técnicas
Segunda aula  cuidar abordagem para além das técnicasSegunda aula  cuidar abordagem para além das técnicas
Segunda aula cuidar abordagem para além das técnicas
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
 
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxteoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
 
introdução a abpordagem cognitivo comportamental
introdução a abpordagem cognitivo comportamentalintrodução a abpordagem cognitivo comportamental
introdução a abpordagem cognitivo comportamental
 
Reab. psico
Reab. psicoReab. psico
Reab. psico
 
Psicologia urg e emer.
Psicologia urg e emer.Psicologia urg e emer.
Psicologia urg e emer.
 
Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)
 
artigoCASO- abordagem comportamental.pdf
artigoCASO- abordagem comportamental.pdfartigoCASO- abordagem comportamental.pdf
artigoCASO- abordagem comportamental.pdf
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
 

Mais de jhordana1

sistema cardiovascular aula 1 ...-1.pdf
sistema cardiovascular aula 1  ...-1.pdfsistema cardiovascular aula 1  ...-1.pdf
sistema cardiovascular aula 1 ...-1.pdf
jhordana1
 
Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............
jhordana1
 
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
jhordana1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
jhordana1
 
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdfaula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
jhordana1
 
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdfAula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
jhordana1
 
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdfAlimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
jhordana1
 
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdfaula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
jhordana1
 
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptxVigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
jhordana1
 
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdfORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
jhordana1
 
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdfVigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
jhordana1
 
alimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infanciaalimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infancia
jhordana1
 
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptxNUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
jhordana1
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
jhordana1
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
jhordana1
 
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptxAgua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
jhordana1
 
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptxTEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
jhordana1
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
jhordana1
 

Mais de jhordana1 (20)

sistema cardiovascular aula 1 ...-1.pdf
sistema cardiovascular aula 1  ...-1.pdfsistema cardiovascular aula 1  ...-1.pdf
sistema cardiovascular aula 1 ...-1.pdf
 
Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............
 
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
 
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdfaula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
 
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdfAula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
 
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdfAlimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
 
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdfaula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
 
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptxVigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
 
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdfORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
 
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdfVigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
 
alimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infanciaalimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infancia
 
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptxNUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptxAgua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
 
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptxTEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
 

Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf

  • 1. Técnico em enfermagem Turma: "B" 2022 Teoria do modelo adaptativo de Callista Roy Alunas: Ana Claudia, Marilene, Ana Paula Campos, Dulce e Thainá Professora: Jhordana
  • 2. Teoria de Callista Roy e o processo de enfermagem
  • 3. Callista Roy, enfermeira formada em 1963, com Doutorado em Sociologia em 1977, desenvolveu um modelo de adaptação que foi a base de seu trabalho de graduação, sob orientação de Dorothy E. Johnson, pioneira da proposição da enfermagem como ciência e arte e que desenvolveu o modelo de sistemas comportamentais.
  • 4. O Modelo de Adaptação de Roy (MAR) consiste na formulação do processo de enfermagem, onde o profissional poderá guiar-se durante a observação, para a identificação de reações emocionais, interpretação comportamental, elaboração do plano assistencial e intervenções de enfermagem. Ela é formada dentro do modelo adaptativo, no qual há conceitos que estão interrelacionados, como os conceitos de Enfermagem, saúde/doença, ambiente e pessoa.
  • 5. Sob esta influência, apresenta determinadas áreas de fundamental importância para a prática da enfermagem, quais sejam: A pessoa que é receptora do atendimento de enfermagem;  O conceito de ambiente;  O conceito de saúde;  A enfermagem.
  • 6. Os objetivos dos quatro modos adaptativos são fazer com que o indivíduo alcance a integridade fisiológica, psicológica e social. Eles relacionam-se quando ocorrem estímulos internos ou externos que afetam mais do que um modo.
  • 7. A utilização do modelo proporciona muitos benefícios, tanto para o paciente como para os enfermeiros, mas sua aplicação exige disponibilidade, vontade e empenho. O profissional precisa ter a capacidade de observação e análise da realidade vivenciada, adquirindo assim, um olhar mais humanístico do indivíduo.
  • 8. Roy apresenta uma proposta de Processo de Enfermagem que inclui as seguintes etapas: avaliação do comportamento, avaliação de estímulos, diagnóstico de enfermagem, estabelecimento de metas, intervenção e avaliação.
  • 9. Seus pressupostos teóricos tratam a dignidade dos seres humanos e o papel do enfermeiro na promoção da integridade na vida e na morte. Ela mostra o cliente como participante na formulação das ações de Enfermagem, porém isto aparece mais filosoficamente do que operacionalizado na prática.
  • 10. Eles condizem com as formulações sobre adaptação e indicam que o enfermeiro e o cliente devem procurar entender o que dificulta a adaptação e buscar meios e ações que possibilitem a concretização da prática. Já os metaparadigmas da teoria são: 1. A pessoa que é receptora do atendimento de enfermagem; 2. O conceito de ambiente; 3. O conceito de saúde; 4. A meta da enfermagem.
  • 11. A adaptação a esses estímulos constitui a resposta do indivíduo e promove o equilíbrio e integridade do sistema e, por consequência, da própria pessoa. As respostas do indivíduo na forma de controle do processo constituem-se no mecanismo de enfrentamento defendido por Roy, que podem ter natureza genética ou de herança (sistema imunológico), ou de aprendizagem (por exemplo, uso de antissépticos para ferimentos).
  • 12. A regulação na busca do equilíbrio é identificada e pode ter origem externa ou interna, tendo como resposta mecanismos reguladores como, por exemplo, os de natureza química, neural ou endócrina.
  • 13. Ela considera, por exemplo, a existência de subsistemas reguladores que respondem aos estímulos. Entre os muitos existentes está àquele que promove a retroalimentação respiratória, em que o aumento do dióxido de carbono estimula os quimiorreceptores na medula a aumentar a frequência respiratória como compensação.
  • 14. Outro subsistema identificado por Roy é o subsistema cognato, relacionado com as funções cerebrais superiores de percepção, processamento de informações, julgamento e da emoção. A dor é reconhecida como estímulo interno de entrada que leva o indivíduo a perceber, avaliar, julgar e decidir.
  • 15. Roy identificou quatro modos de adaptação, quais sejam:  O fisiológico, resposta física aos estímulos ambientais, como a oxigenação, a nutrição, a eliminação, a atividade, o repouso e a proteção;  O autoconceito, relacionado com a necessidade de integridade psíquica, em que o foco é o ser pessoa e o ser físico, onde predominam os aspectos psicológicos e espirituais da pessoa;
  • 16.  Modo de função do papel, na qual a principal necessidade preenchida é a integridade social, aonde são identificados os papéis primário, secundário e terciário. O papel primário determina a maioria dos comportamentos e é definido pelo sexo, idade e estágio de desenvolvimento da pessoa, determinando as realizações pelo papel secundário. O papel terciário é temporário, escolhido com liberdade (por exemplo, os hobbies que temos);
  • 17.  Modo de interdependência, onde as necessidades afetivas são preenchidas, incluindo os valores humanos que são por ele identificados, como a afeição, o amor e a afirmação.
  • 18. O modelo de adaptação de Roy, enfim, é um excelente parâmetro para as ações do enfermeiro, quando estão presentes as investigações do comportamento, do estímulo, o diagnóstico de enfermagem, o estabelecimento de metas, a intervenção e a avaliação.
  • 19. Teoria de Callista Roy e o processo de enfermagem