SlideShare uma empresa Scribd logo
A Aprendizagem

  Uma mudança comportamental e de
atitudes relativamente permanente que
   deriva da experiência e da prática.
A Aprendizagem implica:


a) Uma mudança
comportamental e de atitudes
(crenças, ideias, sentimentos e
predisposições).


                    b) Que essa mudança seja
                    relativamente permanente e
                    durável.


                                  c) Que a sua origem seja a
                                  experiência e a prática.
1 - A Habituação

Declínio da tendência para responder                Um ruído súbito
a um estímulo que se tornou familiar.               assusta-nos, mas da
                                                    segunda vez que o
                                                    ruído for ouvido, o
                                                    susto será menor.



                                        -Estreita o leque de estímulos.
         Há benefícios?                 - Permite aos organismos
                                        voltar-se para acontecimentos
                                        mais importantes.
                                        -Aprende-se a ignorar.
2 – O Condicionamento Clássico
Exemplos
  Vários anos depois da Segunda Guerra Mundial, muitos
  habitantes de cidades que foram bombardeadas
  amedrontavam-se com o som dos aviões comerciais. O som
  dos aviões era associado à destruição. O que aconteceu?




Estímulo neutro: ruído do avião comercial.
Estímulo incondicionado: o ruído de um avião de guerra.
Resposta incondicionada: medo dos aviões de guerra.
Estímulo condicionado: Ruído do avião comercial
Resposta condicionada: Medo do ruído do avião comercial
Exemplos

O André detesta chocolates da marca Kids. No seu 4º aniversário, comeu algumas
barritas e, pouco tempo depois, estava doente com febre, vómitos e arrepios.
Tratava-se de uma gripe, mas, para o André, foram os chocolates «kids» que
provocaram o seu mal-estar. Ainda hoje recusa comê-los. Mas não generalizou, por
completo, bem pelo contrário, discriminou: só os chocolates «Kids» «fazem mal». Há
outros que continuam a ser «bons».


  Estímulo neutro: o chocolate «kids».
  Estímulo Incondicionado: Gripe.
  Resposta incondicionada: mal-estar.
  Estímulo condicionado: chocolate.
  Resposta condicionada: mal-estar.
Estímulo neutro: cerveja.
Estímulo Incondicionado: cerveja.
Resposta Incondicionada: sede
Estímulo Condicionado: ruivaça
Resposta condicionada: atração
Há uma associação entre a cerveja e a ruivaça. No fundo pretende-se
que a resposta à cerveja seja idêntica à resposta à ruivaça.
Estímulo neutro: carro.
Estímulo Incondicionado: carro.
Resposta incondicionada: poder.
Estímulo condicionado: imagem do homem.
Resposta Condicionada: poder e sentimento de liberdade.
Estímulo Incondicionado: perfume.
Resposta incondicionada: cheiro.
Estímulo condicionado: modelos.
Resposta condicionada: beleza, sensualidade, perfeição corporal
EI: roupa.
RI: Conforto.
EC: Várias raças.
RC: Cosmopolitismo.
Princípios Básicos da Aprendizagem
      por Condicionamento Clássico
  1.
  Extinção



A RC desaparecerá
gradualmente se o EC for
repetidamente
apresentado sozinho.
• Quando há a ausência do EI a RC diminui ou
  extingue-se. Pavlov observou que, quando
  fazia soar a campainha, repetidas vezes, sem
  apresentar a carne, o cão salivava cada vez
  menos, até deixar de salivar. Contudo, se for
  apresentado novamente o EI, a
  reaprendizagem aparece de forma mais rápida
  do que a aprendizagem inicial. É o chamado

             2. recondicionamento
3.
   Generalização




Apesar de haver reação, quanto
maior for a diferença entre o
novo estímulo e o EC original,
mais fraca será a RC. Porém,
desde que os E sejam similares,
a resposta também se
assemelha .
O processo de generalização
4.                                      pode apresentar certas
Discriminação                           dificuldades. Apesar de nos
                                        apercebermos que o gato e o
                                        leopardo têm pontos em
                                        comum é importante
                                        discriminar diferenças, caso
                                        contrário podemos
                                        arrependermo-nos.




     Por exemplo: um cão tem um EC (quadrado preto)
     que desencadeia um RC (salivar). Progressivamente
     substitui-se o original EC por outro (círculo
     cinzento). Assim se prossegue até o animal
     discriminar perfeitamente o estímulo original dos
     outros estímulos.
Estudo de caso – A droga
3- Aprendizagem por condicionamento
                operante. Thorndike
O experimento de
Thorndike: Colocou um
gato numa jaula com
comida no exterior. A
jaula possui um
dispositivo de abertura
acionado por uma
alavanca. O gato, depois
de tentar múltiplas
formas de alcançar a
comida, acionou sem
querer essa alavanca. Na
                                    Respostas ou comportamentos seguidos por
repetição da situação, o
                                    consequências ou efeitos satisfatórios tendem a
gatos demorou cerca de
                                    repetir-se; respostas seguidas por consequências
15s a abrir a caixa.
                                    desagradáveis tendem a não repetir-se.
Conclusão: houve uma
aprendizagem.
             A força de uma resposta está adaptada às consequências dessa resposta
Experiência que confirma as teorias de Thorndike: no primeiro ensaio, a
tendência para executar respostas incorrectas é muito forte. À medida que
os ensaios prosseguem a força da resposta correcta é progressivamente
fortalecida
4- Aprendizagem por
     condicionamento operante - Skinner
               Altifalante
Armazenador
                   Luzes
  de grãos
               sinalizadoras
                 pedal




   Tubo do
 armazenador




                                               Fios geradores de
  Copo com comida                                   choques
                             Grade eléctrica
Skinner Construiu uma caixa dotada de uma alavanca
que desprendia o alimento. Depois de explorar a caixa, o
animal carregava, por acaso, na alavanca e o alimento
era libertado. A partir deste momento o animal repetia
o comportamento, recebendo o reforço, neste caso
positivo. Também pode haver um reforço negativo.
Colocando numa caixa toda ela electrizada uma
alavanca que fecha essa passagem de electricidade, o
animal, através de sucessivas tentativas alcança o
mecanismo que lhe diminui a dor.
    Reforço: Processo que se verifica quando a
    consequência de uma resposta aumenta a tendência
    para a repetir. O reforço, quer positivo quer negativo, é
    sempre uma consequência que fortalece uma
    tendência comportamental
Reforço Positivo              Reforço Negativo

Consequência de uma ação      Consequência de uma ação
que lhe acrescenta algo       que remove ou nega algo
agradável; situação em que    desagradável; situação em
um comportamento tem          que um comportamento tem
como resultado a adição de    como resultado a remoção
um estímulo agradável que     ou extinção de um estímulo
aumenta a probabilidade de    desagradável, aumentando
repetição da resposta         assim a probabilidade de
                              repetição da ação em
                              condições similares.
         Repetir                       Evitar
     Trabalhar bem e ter um      A Joana toma uma aspirina
     aumento de ordenado         para evitar ficar doente
A aprendizagem
5. A aprendizagem observacional

Experiência               Grupo do Modelo Recompensado: estas crianças viam o
efectuada:                adulto agressor a ser recompensado com doces
Albert
Bandura
criou três
grupos                      Grupo do Modelo Punido: o adulto agressivo era
                            asperamente punido por outro adulto que lhe
                            chamou «má pessoa»


                      Grupo de condição neutral: a este terceiro
                      grupo não lhe foi exibido nenhum final


      Depois da exibição do filme, foi permitido aos grupos brincarem
      com o boneco insuflável. Cada criança brincava sozinha num sala,
      sendo observada.
Resultados da experiência
1. Todas as crianças reproduziram as agressões.
2. As crianças do grupo de modelo recompensado
   possuíam um comportamento mais acentuado no
   que respeita à agressão.


Conclusões:
1. Bem mais do que o reforço, o que condiciona a
   performance é a expectativa de ser
   recompensado.
2. O factor motivação é crucial para a
   «performance» ou desempenho efectivo do que
   foi aprendido.
As formas de aprendizagem
             observacional
• Aprendemos observando os outros, sem que essa
  observação se traduza necessariamente em
  imitação.
• Aprendemos observando os outros e sendo
  directamente reforçados por os imitarmos
  adequadamente.
• Aprendemos observando as consequências dos
  comportamentos dos outros (aprendizagem por
  condicionamento vicariante ou indirecto –
  aprender com as acções dos outros.)
Factores ou causas que influenciam a
     aprendizagem observacional.
• O nível de desenvolvimento do observador.
• O estatuto do modelo.
• Consequências vicariantes. As consequências
  positivas motivam o observador.
• A auto-eficácia. A tendência de imitar é
  directamente proporcional à capacidade de
  acreditar de que são capazes.
Métodos de Aprendizagem
• Aprendizagem espaçada.
Aprendizagem que se distribui ao longo do
  tempo e de forma regular o que se está a
  aprender.

• Aprendizagem concentrada.
Estudar intensivamente e sem intervalos de
  tempo significativos.
Aprendizagem Total

•   Todos os alunos da esjs são inteligentes.
•   O Zé é inteligente
•   O Ambrósio é inteligente
•   A Felismina é inteligente
Aprendizagem Parcial

•   O Zé é inteligente
•   O Ambrósio é inteligente
•   A Felismina é inteligente
•   Todos os alunos da esjs são inteligentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
Olena Kolodiy
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
Jorge Barbosa
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
12anogolega
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
CENSUPEG-PÓS GRADUAÇÃO-JUQUIÁ-SP
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
psicologiaazambuja
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
Jorge Barbosa
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
Jorge Barbosa
 
Memoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimentoMemoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimento
Pedro Alves
 
Psicologia - socialização
Psicologia - socializaçãoPsicologia - socialização
Psicologia - socialização
hana kitsune
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Universidade Católica Portuguesa
 
Processos Conativos
Processos ConativosProcessos Conativos
Processos Conativos
Jorge Barbosa
 
Skinner
SkinnerSkinner
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
psicologiaazambuja
 

Mais procurados (20)

Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEMAPRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Aprendizagem e memória
Aprendizagem e memóriaAprendizagem e memória
Aprendizagem e memória
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
Memoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimentoMemoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimento
 
Psicologia - socialização
Psicologia - socializaçãoPsicologia - socialização
Psicologia - socialização
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
 
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e ObediênciaRelações interpessoais: Conformismo e Obediência
Relações interpessoais: Conformismo e Obediência
 
Processos Conativos
Processos ConativosProcessos Conativos
Processos Conativos
 
Skinner
SkinnerSkinner
Skinner
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
 

Semelhante a A aprendizagem

Aprendizagem[1]
Aprendizagem[1]Aprendizagem[1]
Aprendizagem[1]
Anabela Gutierres Cunha
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
Natália Araújo
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
Talita Queiroz
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
Nilson Dias Castelano
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
Monalisa Costa
 
Tipos de Aprendizagem
Tipos de AprendizagemTipos de Aprendizagem
Tipos de Aprendizagem
flaviacorreia0
 
teoria de ensaio erro.docx
teoria de ensaio erro.docxteoria de ensaio erro.docx
teoria de ensaio erro.docx
MrioMabunda1
 
Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Aprendizagem Social
Aprendizagem SocialAprendizagem Social
Aprendizagem Social
Jorge Barbosa
 
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behavioristaO ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
GLEYDSON ROCHA
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
José Roberto Pinto
 
John Watson e Edwin Guthrie
John Watson e Edwin GuthrieJohn Watson e Edwin Guthrie
John Watson e Edwin Guthrie
Débora Prado
 
psic_5_7.pdf
psic_5_7.pdfpsic_5_7.pdf
psic_5_7.pdf
Rita Rafael
 
Passo 11 2007 1
Passo 11 2007 1Passo 11 2007 1
Passo 11 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Aprendizagem complexa
Aprendizagem complexaAprendizagem complexa
Aprendizagem complexa
Tiago Malta
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
Rafael Afonso de Oliveira
 
Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1
Ronaldo Moraes
 
Aprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social BanduraAprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social Bandura
aritovi
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
Nilson Dias Castelano
 

Semelhante a A aprendizagem (20)

Aprendizagem[1]
Aprendizagem[1]Aprendizagem[1]
Aprendizagem[1]
 
Manual ABA
Manual ABAManual ABA
Manual ABA
 
Behaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondenteBehaviorismo comportamento respondente
Behaviorismo comportamento respondente
 
Aprendizagem operante
Aprendizagem operanteAprendizagem operante
Aprendizagem operante
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.pptbehaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
behaviorismo_em_pavlov_e_skinner.ppt
 
Tipos de Aprendizagem
Tipos de AprendizagemTipos de Aprendizagem
Tipos de Aprendizagem
 
teoria de ensaio erro.docx
teoria de ensaio erro.docxteoria de ensaio erro.docx
teoria de ensaio erro.docx
 
Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1Passo 6 2007 1
Passo 6 2007 1
 
Aprendizagem Social
Aprendizagem SocialAprendizagem Social
Aprendizagem Social
 
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behavioristaO ambientalismo e a abordagem behaviorista
O ambientalismo e a abordagem behaviorista
 
Condicionamento reflexo
Condicionamento reflexoCondicionamento reflexo
Condicionamento reflexo
 
John Watson e Edwin Guthrie
John Watson e Edwin GuthrieJohn Watson e Edwin Guthrie
John Watson e Edwin Guthrie
 
psic_5_7.pdf
psic_5_7.pdfpsic_5_7.pdf
psic_5_7.pdf
 
Passo 11 2007 1
Passo 11 2007 1Passo 11 2007 1
Passo 11 2007 1
 
Aprendizagem complexa
Aprendizagem complexaAprendizagem complexa
Aprendizagem complexa
 
Psicologia evolucionista
Psicologia evolucionistaPsicologia evolucionista
Psicologia evolucionista
 
Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1Passo 12 2007 1
Passo 12 2007 1
 
Aprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social BanduraAprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social Bandura
 
Definição de aprendizagem
Definição de aprendizagemDefinição de aprendizagem
Definição de aprendizagem
 

Mais de António Daniel

Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
António Daniel
 
Exame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª faseExame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª fase
António Daniel
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
António Daniel
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
António Daniel
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
António Daniel
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
António Daniel
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
António Daniel
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
António Daniel
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
António Daniel
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
António Daniel
 
Concepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawlsConcepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawls
António Daniel
 

Mais de António Daniel (16)

Exame de filosofia critérios
Exame de filosofia   critériosExame de filosofia   critérios
Exame de filosofia critérios
 
Exame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª faseExame filosofia 2ª fase
Exame filosofia 2ª fase
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.Kant. Conhecimento.
Kant. Conhecimento.
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Mente corpo
Mente corpoMente corpo
Mente corpo
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Truísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da belezaTruísmos à volta da beleza
Truísmos à volta da beleza
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Concepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawlsConcepções de justiça e john rawls
Concepções de justiça e john rawls
 

A aprendizagem

  • 1. A Aprendizagem Uma mudança comportamental e de atitudes relativamente permanente que deriva da experiência e da prática.
  • 2. A Aprendizagem implica: a) Uma mudança comportamental e de atitudes (crenças, ideias, sentimentos e predisposições). b) Que essa mudança seja relativamente permanente e durável. c) Que a sua origem seja a experiência e a prática.
  • 3. 1 - A Habituação Declínio da tendência para responder Um ruído súbito a um estímulo que se tornou familiar. assusta-nos, mas da segunda vez que o ruído for ouvido, o susto será menor. -Estreita o leque de estímulos. Há benefícios? - Permite aos organismos voltar-se para acontecimentos mais importantes. -Aprende-se a ignorar.
  • 4. 2 – O Condicionamento Clássico
  • 5. Exemplos Vários anos depois da Segunda Guerra Mundial, muitos habitantes de cidades que foram bombardeadas amedrontavam-se com o som dos aviões comerciais. O som dos aviões era associado à destruição. O que aconteceu? Estímulo neutro: ruído do avião comercial. Estímulo incondicionado: o ruído de um avião de guerra. Resposta incondicionada: medo dos aviões de guerra. Estímulo condicionado: Ruído do avião comercial Resposta condicionada: Medo do ruído do avião comercial
  • 6. Exemplos O André detesta chocolates da marca Kids. No seu 4º aniversário, comeu algumas barritas e, pouco tempo depois, estava doente com febre, vómitos e arrepios. Tratava-se de uma gripe, mas, para o André, foram os chocolates «kids» que provocaram o seu mal-estar. Ainda hoje recusa comê-los. Mas não generalizou, por completo, bem pelo contrário, discriminou: só os chocolates «Kids» «fazem mal». Há outros que continuam a ser «bons». Estímulo neutro: o chocolate «kids». Estímulo Incondicionado: Gripe. Resposta incondicionada: mal-estar. Estímulo condicionado: chocolate. Resposta condicionada: mal-estar.
  • 7. Estímulo neutro: cerveja. Estímulo Incondicionado: cerveja. Resposta Incondicionada: sede Estímulo Condicionado: ruivaça Resposta condicionada: atração Há uma associação entre a cerveja e a ruivaça. No fundo pretende-se que a resposta à cerveja seja idêntica à resposta à ruivaça.
  • 8. Estímulo neutro: carro. Estímulo Incondicionado: carro. Resposta incondicionada: poder. Estímulo condicionado: imagem do homem. Resposta Condicionada: poder e sentimento de liberdade.
  • 9. Estímulo Incondicionado: perfume. Resposta incondicionada: cheiro. Estímulo condicionado: modelos. Resposta condicionada: beleza, sensualidade, perfeição corporal
  • 10. EI: roupa. RI: Conforto. EC: Várias raças. RC: Cosmopolitismo.
  • 11. Princípios Básicos da Aprendizagem por Condicionamento Clássico 1. Extinção A RC desaparecerá gradualmente se o EC for repetidamente apresentado sozinho.
  • 12. • Quando há a ausência do EI a RC diminui ou extingue-se. Pavlov observou que, quando fazia soar a campainha, repetidas vezes, sem apresentar a carne, o cão salivava cada vez menos, até deixar de salivar. Contudo, se for apresentado novamente o EI, a reaprendizagem aparece de forma mais rápida do que a aprendizagem inicial. É o chamado 2. recondicionamento
  • 13. 3. Generalização Apesar de haver reação, quanto maior for a diferença entre o novo estímulo e o EC original, mais fraca será a RC. Porém, desde que os E sejam similares, a resposta também se assemelha .
  • 14. O processo de generalização 4. pode apresentar certas Discriminação dificuldades. Apesar de nos apercebermos que o gato e o leopardo têm pontos em comum é importante discriminar diferenças, caso contrário podemos arrependermo-nos. Por exemplo: um cão tem um EC (quadrado preto) que desencadeia um RC (salivar). Progressivamente substitui-se o original EC por outro (círculo cinzento). Assim se prossegue até o animal discriminar perfeitamente o estímulo original dos outros estímulos.
  • 15. Estudo de caso – A droga
  • 16. 3- Aprendizagem por condicionamento operante. Thorndike O experimento de Thorndike: Colocou um gato numa jaula com comida no exterior. A jaula possui um dispositivo de abertura acionado por uma alavanca. O gato, depois de tentar múltiplas formas de alcançar a comida, acionou sem querer essa alavanca. Na Respostas ou comportamentos seguidos por repetição da situação, o consequências ou efeitos satisfatórios tendem a gatos demorou cerca de repetir-se; respostas seguidas por consequências 15s a abrir a caixa. desagradáveis tendem a não repetir-se. Conclusão: houve uma aprendizagem. A força de uma resposta está adaptada às consequências dessa resposta
  • 17. Experiência que confirma as teorias de Thorndike: no primeiro ensaio, a tendência para executar respostas incorrectas é muito forte. À medida que os ensaios prosseguem a força da resposta correcta é progressivamente fortalecida
  • 18. 4- Aprendizagem por condicionamento operante - Skinner Altifalante Armazenador Luzes de grãos sinalizadoras pedal Tubo do armazenador Fios geradores de Copo com comida choques Grade eléctrica
  • 19. Skinner Construiu uma caixa dotada de uma alavanca que desprendia o alimento. Depois de explorar a caixa, o animal carregava, por acaso, na alavanca e o alimento era libertado. A partir deste momento o animal repetia o comportamento, recebendo o reforço, neste caso positivo. Também pode haver um reforço negativo. Colocando numa caixa toda ela electrizada uma alavanca que fecha essa passagem de electricidade, o animal, através de sucessivas tentativas alcança o mecanismo que lhe diminui a dor. Reforço: Processo que se verifica quando a consequência de uma resposta aumenta a tendência para a repetir. O reforço, quer positivo quer negativo, é sempre uma consequência que fortalece uma tendência comportamental
  • 20. Reforço Positivo Reforço Negativo Consequência de uma ação Consequência de uma ação que lhe acrescenta algo que remove ou nega algo agradável; situação em que desagradável; situação em um comportamento tem que um comportamento tem como resultado a adição de como resultado a remoção um estímulo agradável que ou extinção de um estímulo aumenta a probabilidade de desagradável, aumentando repetição da resposta assim a probabilidade de repetição da ação em condições similares. Repetir Evitar Trabalhar bem e ter um A Joana toma uma aspirina aumento de ordenado para evitar ficar doente
  • 22. 5. A aprendizagem observacional Experiência Grupo do Modelo Recompensado: estas crianças viam o efectuada: adulto agressor a ser recompensado com doces Albert Bandura criou três grupos Grupo do Modelo Punido: o adulto agressivo era asperamente punido por outro adulto que lhe chamou «má pessoa» Grupo de condição neutral: a este terceiro grupo não lhe foi exibido nenhum final Depois da exibição do filme, foi permitido aos grupos brincarem com o boneco insuflável. Cada criança brincava sozinha num sala, sendo observada.
  • 23. Resultados da experiência 1. Todas as crianças reproduziram as agressões. 2. As crianças do grupo de modelo recompensado possuíam um comportamento mais acentuado no que respeita à agressão. Conclusões: 1. Bem mais do que o reforço, o que condiciona a performance é a expectativa de ser recompensado. 2. O factor motivação é crucial para a «performance» ou desempenho efectivo do que foi aprendido.
  • 24. As formas de aprendizagem observacional • Aprendemos observando os outros, sem que essa observação se traduza necessariamente em imitação. • Aprendemos observando os outros e sendo directamente reforçados por os imitarmos adequadamente. • Aprendemos observando as consequências dos comportamentos dos outros (aprendizagem por condicionamento vicariante ou indirecto – aprender com as acções dos outros.)
  • 25. Factores ou causas que influenciam a aprendizagem observacional. • O nível de desenvolvimento do observador. • O estatuto do modelo. • Consequências vicariantes. As consequências positivas motivam o observador. • A auto-eficácia. A tendência de imitar é directamente proporcional à capacidade de acreditar de que são capazes.
  • 26. Métodos de Aprendizagem • Aprendizagem espaçada. Aprendizagem que se distribui ao longo do tempo e de forma regular o que se está a aprender. • Aprendizagem concentrada. Estudar intensivamente e sem intervalos de tempo significativos.
  • 27. Aprendizagem Total • Todos os alunos da esjs são inteligentes. • O Zé é inteligente • O Ambrósio é inteligente • A Felismina é inteligente
  • 28. Aprendizagem Parcial • O Zé é inteligente • O Ambrósio é inteligente • A Felismina é inteligente • Todos os alunos da esjs são inteligentes.