SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
CARRO DE EMERGÊNCIA
Residente em Enfermagem em
Cardiologia: R1 Suelen Olivia
PRONTO SOCORRO CARDIOLÓGICO DE PERNAMBUCO
PROFº LUIZ TAVARES
PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA
MODALIDADE RESIDÊNCIA
Recife
2015
Objetivos
• Conhecer a estrutura e organização do carro de
emergência;
• Discutir a responsabilidade do enfermeiro para com a
manutenção do carro de emergência;
• Descrever os cuidados com o carro de emergência;
CARRO DE EMERGÊNCIA OU
CARRO DE PARADA?
Introdução
• O que é o CARRO DE EMERGÊNCIA?
• Qual objetivo do carro de emergência?
Quem é o responsável pelo manuseio
do carro de emergência?
• [...] um espaço onde se deve conter de forma
sequenciada todo o material e equipamento
necessário para as urgências e emergências.
(PONTES et al., 2010).
Objetiva homogeneizar o conteúdo e quantidade
de materiais e medicamentos, retirando o
desnecessário e acrescentando o indispensável,
de forma a agilizar o atendimento de emergência
e reduzir o desperdício (PONTES et al., 2010).
Padronização do Carro de
Emergência
• A padronização deve considerar a idade da
vítima (adulto e/ou pediátrico) e o local de
atendimento (UI, pronto-socorro, UTI, centro
cirúrgico, ambulatório, hemodinâmica, etc.).
• 1 carro para cada 10 leitos (GM/MS Nº
123/2005)
(SBC, 2013)
O carro de emergência deve ser dividido de
acordo com quatro finalidades:
•Avaliação diagnóstica;
•Controle das vias aéreas;
•Acesso vascular e controle circulatório;
•Medicamentos.
(SBC, 2013)
A quantidade de medicamentos e materiais deve ser
padronizada conforme necessidade da unidade e de acordo
com os protocolos institucionais.
O conteúdo deve ser classificado em níveis de
prioridades, a saber:
•Nível 1: itens essenciais, que devem estar disponíveis imediatamente;
•Nível 2: itens altamente recomendados, que devem estar disponíveis em,
no máximo, 15 minutos;
•Nível 3: itens recomendados, mas opcionais.
Caso os fármacos e equipamentos classificados como nível 2 não possam estar
disponíveis na unidade para acesso em até 15 minutos, devem permanecer nos
carros de emergência.
(SBC, 2013)
(SBC, 2013)
Continuação...
Continuação...
Continuação...
Continuação...
ESTRUTURA CARRO DE
EMERGÊNCIA
ORGANIZAÇÃO CARRO DE
EMERGÊNCIA
• BASE SUPERIOR:
- Desfibrilhador, estetoscópio, cilindro de
O2, ambú com saco reservatório, tábua
rígida.
(Direção Geral da Saúde, 2000?.)
CARRO DE EMERGÊNCIA
BASE
SUPERIOR
PRIMEIRA GAVETA
• Fármacos de 1ª linha em situações de
emergência.
SEGUNDA GAVETA
• Material via aérea
TERCEIRA GAVETA
• Material para acessos venosos
QUARTA GAVETA
• Demais materiais
RESPONSABILIDADE CARRO DE
EMERGÊNCIA
“o enfermeiro seja o responsável pela checagem,
reposição e organização do carro de emergência”
(PONTES et al., 2010).
• Para tanto, a equipe de Enfermagem deve ter
conhecimento e domínio do manuseio dos materiais e
equipamentos existentes no carro de emergência, bem
como estar inserida em programas periódicos de
capacitação para a execução das manobras de
reanimação.
(CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM – COREN-SP, 2011)
• [...] cabe ao enfermeiro a verificação sistemática
do carro de emergência, observando a
presença e validade dos materiais e
medicamentos listados e o funcionamento do
cardioversor.
(PONTES et al., 2010)
• Esse carro deve ser checado em data pré-
fixada e após cada uso e registrado em
impresso próprio o número do lacre e a data da
conferência.
(PONTES et al., 2010)
• A responsabilidade técnica pela montagem, conferência e
reposição de materiais do carro de emergência é do
Enfermeiro. No entanto, todos os membros da equipe de
Enfermagem podem realizar a conferência, reposição e
limpeza de tal equipamento, desde que sob supervisão do
Enfermeiro.
(CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM – COREN-SP, 2011)
CUIDADOS COM O CARRO DE
EMERGÊNCIA
• Manter o Carro de Emergência em ordem e sempre no local
pré definido sem qualquer obstáculo à sua mobilização;‐
• Manter o desfibrilador sempre ligado à corrente elétrica;
(Direção Geral da Saúde, 2000?)
• DIARIAMENTE:
- Verificar se o carro de emergência está
selado/fechado,
- Testar o desfibrilador, independentemente
das verificações periódicas da responsabilidade
da marca e registar em folha própria;
(Direção Geral da Saúde, 2000?)
• SEMPRE QUE FOR UTILIZADO:
- Proceder à sua higienização;
- Repor o material o mais breve possível através
de verificação do “check–list” de todo o material;
- Registar na folha de abertura do carro;
(Direção Geral da Saúde, 2000?)
• MENSALMENTE:
-“Check list”: verificar a validade,‐
acondicionamento dos fármacos e material e
registar na folha de abertura do carro.
(Direção Geral da Saúde, 2000?)
• Quando a validade dos fármacos ou material
atingir os 3 meses do final deve enviar ao
Serviço de Farmácia para efetuar a respectiva
troca;
• Selar o Carro de Emergência após cada
verificação, reposição ou auditoria.
(Direção Geral da Saúde, 2000?)
Em todos os registros deve
constar: data, hora, assinatura
legível e número de registro
profissional!
(Direção Geral da Saúde, 2000?)
REFERÊNCIAS
• GONZALEZ, MM et al . I Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados
Cardiovasculares de Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq. Bras.
Cardiol., São Paulo , v. 101, n. 2, supl. 3, p. 1-221, 2013.
• PONTES, V. O.; FREIRE, I. L. S.; MENDONÇA, A. E. O.; SANTANA, S. S.; TORRES, G. V.
Atualização bibliográfica sobre protocolos para instituição dos carros de emergência. FIEP
BULLETIN – V. 80 - Special Edition - ARTICLE II – 2010.
• CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP CAT
Nº 030/2010, atualizado em 11/11/2011. Dispõe sobre Atendimento ao paciente em parada
cardiorrespiratória (PCR), São Paulo, 2011.
• ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE. RECOMENDAÇÃO: CARRO DE
EMERGÊNCIA. Comissão Regional do Doente Critico. 2000?
Obrigada!
E-mail: Suelen_hard@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
zoeadas
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Eduardo Gomes da Silva
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 

Mais procurados (20)

Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
 
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Registros de Enfermagem
Registros de EnfermagemRegistros de Enfermagem
Registros de Enfermagem
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
CARRINHO DE EMERGÊNCIA novo.pdf
CARRINHO DE EMERGÊNCIA novo.pdfCARRINHO DE EMERGÊNCIA novo.pdf
CARRINHO DE EMERGÊNCIA novo.pdf
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 

Semelhante a Carro de Emergência

Plano de ação_emergencial_pae_-rev+09.+junho+2010+wilson.doc+1
Plano de ação_emergencial_pae_-rev+09.+junho+2010+wilson.doc+1Plano de ação_emergencial_pae_-rev+09.+junho+2010+wilson.doc+1
Plano de ação_emergencial_pae_-rev+09.+junho+2010+wilson.doc+1
Sandra Furlani
 
Curso de aph samu de são paulo PDF
Curso de aph samu de são paulo PDFCurso de aph samu de são paulo PDF
Curso de aph samu de são paulo PDF
Prof Silvio Rosa
 
Curso de aph samu de são paulo
Curso de aph samu de são pauloCurso de aph samu de são paulo
Curso de aph samu de são paulo
silviossamu
 
Anais - VII Enenge
Anais - VII EnengeAnais - VII Enenge
Anais - VII Enenge
Sobragen
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
Sobragen
 
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptxPRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
tuttitutti1
 
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptxUFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
Nome Sobrenome
 

Semelhante a Carro de Emergência (20)

carrinho de parada unopar elainne chris ferreira preceptora
carrinho de parada unopar elainne chris ferreira preceptoracarrinho de parada unopar elainne chris ferreira preceptora
carrinho de parada unopar elainne chris ferreira preceptora
 
carrodeemergencias-150829234747-lva1-app6892.ppt
carrodeemergencias-150829234747-lva1-app6892.pptcarrodeemergencias-150829234747-lva1-app6892.ppt
carrodeemergencias-150829234747-lva1-app6892.ppt
 
carro-de-emergencia-versao-3-final.pdf
carro-de-emergencia-versao-3-final.pdfcarro-de-emergencia-versao-3-final.pdf
carro-de-emergencia-versao-3-final.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Plano de ação_emergencial_pae_-rev+09.+junho+2010+wilson.doc+1
Plano de ação_emergencial_pae_-rev+09.+junho+2010+wilson.doc+1Plano de ação_emergencial_pae_-rev+09.+junho+2010+wilson.doc+1
Plano de ação_emergencial_pae_-rev+09.+junho+2010+wilson.doc+1
 
Curso de aph samu de são paulo PDF
Curso de aph samu de são paulo PDFCurso de aph samu de são paulo PDF
Curso de aph samu de são paulo PDF
 
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptxPLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
PLANEJAMENTO DA _REA DE UMA U.T.I.pptx
 
manual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelariamanual sobre emergência médica na hotelaria
manual sobre emergência médica na hotelaria
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Curso de aph samu de são paulo
Curso de aph samu de são pauloCurso de aph samu de são paulo
Curso de aph samu de são paulo
 
Gestão de recursos materiais no aph Silvio
Gestão de recursos materiais no aph SilvioGestão de recursos materiais no aph Silvio
Gestão de recursos materiais no aph Silvio
 
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúdeUrgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
 
Anais - VII Enenge
Anais - VII EnengeAnais - VII Enenge
Anais - VII Enenge
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
Cursoaphsamusaopaulo 100723171105-phpapp01
Cursoaphsamusaopaulo 100723171105-phpapp01Cursoaphsamusaopaulo 100723171105-phpapp01
Cursoaphsamusaopaulo 100723171105-phpapp01
 
Curso aph samu sao paulo
Curso aph samu sao pauloCurso aph samu sao paulo
Curso aph samu sao paulo
 
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptxPRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
PRONTO SOCORRO LIDERANÇA PARTE 1.pptx
 
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptxUFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
 
Uti
UtiUti
Uti
 

Mais de resenfe2013

Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Carro de Emergência

  • 1. CARRO DE EMERGÊNCIA Residente em Enfermagem em Cardiologia: R1 Suelen Olivia PRONTO SOCORRO CARDIOLÓGICO DE PERNAMBUCO PROFº LUIZ TAVARES PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA MODALIDADE RESIDÊNCIA Recife 2015
  • 2. Objetivos • Conhecer a estrutura e organização do carro de emergência; • Discutir a responsabilidade do enfermeiro para com a manutenção do carro de emergência; • Descrever os cuidados com o carro de emergência;
  • 3. CARRO DE EMERGÊNCIA OU CARRO DE PARADA?
  • 4. Introdução • O que é o CARRO DE EMERGÊNCIA? • Qual objetivo do carro de emergência? Quem é o responsável pelo manuseio do carro de emergência?
  • 5. • [...] um espaço onde se deve conter de forma sequenciada todo o material e equipamento necessário para as urgências e emergências. (PONTES et al., 2010).
  • 6. Objetiva homogeneizar o conteúdo e quantidade de materiais e medicamentos, retirando o desnecessário e acrescentando o indispensável, de forma a agilizar o atendimento de emergência e reduzir o desperdício (PONTES et al., 2010).
  • 7. Padronização do Carro de Emergência • A padronização deve considerar a idade da vítima (adulto e/ou pediátrico) e o local de atendimento (UI, pronto-socorro, UTI, centro cirúrgico, ambulatório, hemodinâmica, etc.). • 1 carro para cada 10 leitos (GM/MS Nº 123/2005) (SBC, 2013)
  • 8. O carro de emergência deve ser dividido de acordo com quatro finalidades: •Avaliação diagnóstica; •Controle das vias aéreas; •Acesso vascular e controle circulatório; •Medicamentos. (SBC, 2013) A quantidade de medicamentos e materiais deve ser padronizada conforme necessidade da unidade e de acordo com os protocolos institucionais.
  • 9. O conteúdo deve ser classificado em níveis de prioridades, a saber: •Nível 1: itens essenciais, que devem estar disponíveis imediatamente; •Nível 2: itens altamente recomendados, que devem estar disponíveis em, no máximo, 15 minutos; •Nível 3: itens recomendados, mas opcionais. Caso os fármacos e equipamentos classificados como nível 2 não possam estar disponíveis na unidade para acesso em até 15 minutos, devem permanecer nos carros de emergência. (SBC, 2013)
  • 16. ORGANIZAÇÃO CARRO DE EMERGÊNCIA • BASE SUPERIOR: - Desfibrilhador, estetoscópio, cilindro de O2, ambú com saco reservatório, tábua rígida. (Direção Geral da Saúde, 2000?.)
  • 19. PRIMEIRA GAVETA • Fármacos de 1ª linha em situações de emergência.
  • 20.
  • 22. TERCEIRA GAVETA • Material para acessos venosos
  • 23.
  • 25.
  • 26.
  • 27. RESPONSABILIDADE CARRO DE EMERGÊNCIA “o enfermeiro seja o responsável pela checagem, reposição e organização do carro de emergência” (PONTES et al., 2010).
  • 28. • Para tanto, a equipe de Enfermagem deve ter conhecimento e domínio do manuseio dos materiais e equipamentos existentes no carro de emergência, bem como estar inserida em programas periódicos de capacitação para a execução das manobras de reanimação. (CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM – COREN-SP, 2011)
  • 29. • [...] cabe ao enfermeiro a verificação sistemática do carro de emergência, observando a presença e validade dos materiais e medicamentos listados e o funcionamento do cardioversor. (PONTES et al., 2010)
  • 30. • Esse carro deve ser checado em data pré- fixada e após cada uso e registrado em impresso próprio o número do lacre e a data da conferência. (PONTES et al., 2010)
  • 31. • A responsabilidade técnica pela montagem, conferência e reposição de materiais do carro de emergência é do Enfermeiro. No entanto, todos os membros da equipe de Enfermagem podem realizar a conferência, reposição e limpeza de tal equipamento, desde que sob supervisão do Enfermeiro. (CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM – COREN-SP, 2011)
  • 32.
  • 33.
  • 34. CUIDADOS COM O CARRO DE EMERGÊNCIA • Manter o Carro de Emergência em ordem e sempre no local pré definido sem qualquer obstáculo à sua mobilização;‐ • Manter o desfibrilador sempre ligado à corrente elétrica; (Direção Geral da Saúde, 2000?)
  • 35. • DIARIAMENTE: - Verificar se o carro de emergência está selado/fechado, - Testar o desfibrilador, independentemente das verificações periódicas da responsabilidade da marca e registar em folha própria; (Direção Geral da Saúde, 2000?)
  • 36. • SEMPRE QUE FOR UTILIZADO: - Proceder à sua higienização; - Repor o material o mais breve possível através de verificação do “check–list” de todo o material; - Registar na folha de abertura do carro; (Direção Geral da Saúde, 2000?)
  • 37. • MENSALMENTE: -“Check list”: verificar a validade,‐ acondicionamento dos fármacos e material e registar na folha de abertura do carro. (Direção Geral da Saúde, 2000?)
  • 38. • Quando a validade dos fármacos ou material atingir os 3 meses do final deve enviar ao Serviço de Farmácia para efetuar a respectiva troca; • Selar o Carro de Emergência após cada verificação, reposição ou auditoria. (Direção Geral da Saúde, 2000?)
  • 39. Em todos os registros deve constar: data, hora, assinatura legível e número de registro profissional! (Direção Geral da Saúde, 2000?)
  • 40. REFERÊNCIAS • GONZALEZ, MM et al . I Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo , v. 101, n. 2, supl. 3, p. 1-221, 2013. • PONTES, V. O.; FREIRE, I. L. S.; MENDONÇA, A. E. O.; SANTANA, S. S.; TORRES, G. V. Atualização bibliográfica sobre protocolos para instituição dos carros de emergência. FIEP BULLETIN – V. 80 - Special Edition - ARTICLE II – 2010. • CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP CAT Nº 030/2010, atualizado em 11/11/2011. Dispõe sobre Atendimento ao paciente em parada cardiorrespiratória (PCR), São Paulo, 2011. • ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE. RECOMENDAÇÃO: CARRO DE EMERGÊNCIA. Comissão Regional do Doente Critico. 2000?