SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
SAMU
SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE
URGÊNCIA
Prof. Enf. Esp. Arthur Custódio Pereira
EXPERIÊNCIAS
Sou mestrando em Modelos e Decisão em Saúde na Universidade
Federal da Paraíba, com foco em Estatística, Saúde Pública e
Geoprocessamento de dados. Possuo especialização em Enfermagem
Psiquiátrica e Saúde Mental, experiência profissional inclui atuação
como Enfermeiro no SAMU, com atendimento de urgência e
emergência, e Clínica Médica Personnalité, focando em tratamento de
dependência química e transtornos mentais. Na área de ensino, sou
adjunto de projetos de iniciação científica e pesquisa na UFPB, docente
em pós-graduação e exerço funções como preceptor e docente em
instituições educacionais de nível técnico.
SAMU
O SAMU é o componente da rede de atenção às urgências e emergências que objetiva ordenar o fluxo assistencial e
disponibilizar atendimento precoce e transporte adequado, rápido e resolutivo às vítimas acometidas por
agravos. É considerado um atendimento pré-hospitalar móvel de urgência o atendimento que procura chegar
precocemente à vítima após ter ocorrido algum agravo à saúde (clínico, cirúrgico, traumático ou psiquiátrico), que possa
levar a sofrimento, sequelas e até mesmo a morte (BRASIL, 2002; BRASIL, 2013).
Atendimento pré-hospitalar móvel primário
•Pedido de socorro for de um cidadão.
Atendimento pré-hospitalar móvel secundário
•Pedido de socorro for de um serviço de saúde.
Definições Conceituais Iniciais
Definições Conceituais Iniciais
Definições Conceituais Iniciais
•É o conjunto de partes integradas com uma finalidade comum.
SISTEMA
•Integração e interligação das centrais de regulação.
REDE
•“que é ou que age segundo as regras, as leis, dirigir, acertar, ajustar, regularizar, guiar,
orientar”.
REGULAÇÃO
Definições Conceituais Iniciais
•É o conjunto de partes integradas com uma finalidade comum.
SISTEMA
•Integração e interligação das centrais de regulação.
REDE
•“que é ou que age segundo as regras, as leis, dirigir, acertar, ajustar, regularizar, guiar, orientar”.
REGULAÇÃO
REGULAÇÃO MÉDICA
REGULAÇÃO MÉDICA DE
URGÊNCIA
Forma organizada de responder a toda situação de urgência que
necessite de cuidados médicos
Baseada na implantação de suas Centrais de Regulação, é o elemento
ordenador e orientador dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência
(Portaria 2048/GM)
CENTRAIS DE REGULAÇÃO
Receber e direcionar a demanda por serviços, a partir do conhecimento da
capacidade de produção instalada, como também identificar os déficits e as
falhas do sistema.
Unidades Móveis
O SAMU trabalha na lógica de um sistema organizado regionalmente e dentro do Estado, onde dispõe de
unidades próprias e atua em conjunto com outras instituições para o atendimento às urgências. Assim
sendo descreve-se abaixo a definição das várias ambulâncias e outras unidades móveis componentes deste
sistema conforme Portaria Ministerial 2048. Define-se ambulância como um veículo (terrestre, aéreo ou
aquaviário) que se destine exclusivamente ao transporte de enfermos
ABNT – NBR 14561/2000, de julho de 2000.
TIPO A Ambulância de Transporte: veículo destinado ao transporte em decúbito horizontal de pacientes que não apresentam risco de vida, para remoções simples
e de caráter eletivo.
TIPO B Ambulância de Suporte Básico: veículo destinado ao transporte inter-hospitalar de pacientes com risco de vida conhecido e ao atendimento pré-hospitalar
de pacientes com risco de vida desconhecido, não classificado com potencial de necessitar de intervenção médica no local e/ou durante transporte até o
serviço de destino.
TIPO C Ambulância de Resgate: veículo de atendimento de urgências pré-hospitalares de pacientes vítimas de acidentes ou pacientes em locais de difícil acesso,
com equipamentos de salvamento (terrestre, aquático e em alturas).
TIPO D Ambulância de Suporte Avançado: veículo destinado ao atendimento e transporte de pacientes de alto risco em emergências pré-hospitalares e/ou de
transporte inter-hospitalar que necessitam de cuidados médicos intensivos. Deve contar com os equipamentos médicos necessários para esta função.
TIPO E Aeronave de Transporte Médico: aeronave de asa fixa ou rotativa utilizada para transporte inter-hospitalar de pacientes e aeronave de asa rotativa para
ações de resgate, dotada de equipamentos médicos homologados pelo Departamento de Aviação Civil - DAC.
TIPO F Embarcação de Transporte Médico: veículo motorizado aquaviário, destinado ao transporte por via marítima ou fluvial. Deve possuir os equipamentos
médicos necessários ao atendimento de pacientes conforme sua gravidade
VEÍCULOS DE INTERVENÇÃO RÁPIDA
▪ Este veículos, também chamados de veículos
leves, veículos rápidos ou veículos de ligação
médica são utilizados para transporte de médicos
com equipamentos que possibilitam oferecer
suporte avançado de vida nas ambulâncias do
Tipo A, B, C e F.
DEFINIÇÃO DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
DAS AMBULÂNCIAS
Ambulância de
Transporte (Tipo
A):
Sinalizador óptico e acústico; equipamento de radiocomunicação em contato permanente
com a central reguladora; maca com rodas; suporte para soro e oxigênio medicinal.
Ambulância de
Transporte (Tipo
B):
Sinalizador óptico e acústico; equipamento de radiocomunicação fixo e móvel; maca
articulada e com rodas; suporte para soro; instalação de rede de oxigênio com cilindro,
válvula, manômetro em local de fácil visualização e régua com dupla saída; oxigênio com
régua tripla (alimentação do respirador; fluxômetro e umidificador de oxigênio e c -
aspirador tipo Venturi); manômetro e fluxômetro com máscara e chicote para oxigenação;
cilindro de oxigênio portátil com válvula; maleta de urgência contendo: estetoscópio
adulto e infantil, ressuscitador manual adulto/infantil, cânulas orofaríngeas de tamanhos
variados, luvas descartáveis, tesoura reta com ponta romba, esparadrapo,
esfigmomanômetro adulto/infantil, ataduras de 15 cm, compressas cirúrgicas estéreis,
pacotes de gaze estéril, protetores para queimados ou eviscerados, cateteres para
oxigenação e aspiração de vários tamanhos; maleta de parto contendo: luvas cirúrgicas,
clamps umbilicais, estilete estéril para corte do cordão, saco plástico para placenta,
cobertor, compressas cirúrgicas e gazes estéreis, braceletes de identificação; suporte para
soro; prancha curta e longa para imobilização de coluna; talas para imobilização de
membros e conjunto de colares cervicais; colete imobilizador dorsal; frascos de soro
fisiológico e ringer lactato; bandagens triangulares; cobertores; coletes refletivos para a
tripulação; lanterna de mão; óculos, máscaras e aventais de proteção e maletas com
medicações a serem definidas em protocolos, pelos serviços.
DEFINIÇÃO DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
DAS AMBULÂNCIAS
Ambulância de
Transporte (Tipo C):
Sinalizador óptico e acústico; equipamento de radiocomunicação fixo e móvel; prancha curta
e longa para imobilização de coluna; talas para imobilização de membros e conjunto de
colares cervicais; colete imobilizador dorsal; frascos de soro fisiológico; bandagens
triangulares; cobertores; coletes refletivos para a tripulação; lanterna de mão; óculos,
máscaras e aventais de proteção; material mínimo para salvamento terrestre, aquático e
em alturas; maleta de ferramentas e extintor de pó químico seco de 0,8 kg; fitas e cones
sinalizadores para isolamento de áreas. Quando realizarem também o suporte básico de
vida, as ambulâncias de resgate deverão ter uma configuração que garanta um salão de
atendimento às vítimas de, no mínimo 8 metros cúbicos, além de compartimento isolado
para a guarda de equipamentos de salvamento e deverão estar equipadas com: maca
articulada e com rodas; instalação de rede de oxigênio com cilindro, válvula, manômetro em
local de fácil visualização e régua com dupla saída; oxigênio com régua tripla (a -
alimentação do respirador; b - fluxômetro e umidificador de oxigênio e c - aspirador tipo
Venturi); manômetro e fluxômetro com máscara e chicote para oxigenação; cilindro de
oxigênio portátil com válvula; maleta de emergência contendo: estetoscópio adulto e
infantil; ressuscitador manual adulto/infantil, luvas descartáveis; cânulas orofaríngeas de
tamanhos variados; tesoura reta com ponta romba; esparadrapo; esfigmomanômetro
adulto/infantil; ataduras de 15 cm; compressas cirúrgicas estéreis; pacotes de gaze estéril;
protetores para queimados ou eviscerados; cateteres para oxigenação e aspiração de vários
tamanhos; maleta de parto contendo: luvas cirúrgicas; clamps umbilicais; estilete estéril
para corte do cordão; saco plástico para placenta; cobertor; compressas cirúrgicas e gazes
estéreis; braceletes de identificação;
DEFINIÇÃO DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
DAS AMBULÂNCIAS
Ambulância de
Transporte (Tipo D):
Sinalizador óptico e acústico; equipamento de rádio-comunicação fixo e móvel; maca com rodas e articulada;
dois suportes de soro; cadeira de rodas dobrável; instalação de rede portátil de oxigênio como descrito no item
anterior (é obrigatório que a quantidade de oxigênio permita ventilação mecânica por no mínimo duas horas);
respirador mecânico de transporte; oxímetro não-invasivo portátil; monitor cardioversor com bateria e
instalação elétrica disponível (em caso de frota deverá haver disponibilidade de um monitor cardioversor com
marcapasso externo não-invasivo); bomba de infusão com bateria e equipo; maleta de vias aéreas contendo:
máscaras laríngeas e cânulas endotraqueais de vários tamanhos; cateteres de aspira- 45 ção; adaptadores
para cânulas; cateteres nasais; seringa de 20ml; ressuscitador manual adulto/infantil com reservatório;
sondas para aspiração traqueal de vários tamanhos; luvas de procedimentos; máscara para ressuscitador
adulto/infantil; lidocaína geléia e “spray”; cadarços para fixação de cânula; laringoscópio infantil/adulto com
conjunto de lâminas; estetoscópio; esfigmomanômetro adulto/infantil; cânulas orofaríngeas adulto/infantil;
fios-guia para Entubação; pinça de Magyll; bisturi descartável; cânulas para traqueostomia; material para
cricotiroidostomia; conjunto de drenagem torácica; maleta de acesso venoso contendo: tala para fixação de
braço; luvas estéreis; recipiente de algodão com anti-séptico; pacotes de gaze estéril; esparadrapo; material
para punção de vários tamanhos incluindo agulhas metálicas, plásticas e agulhas especiais para punção
óssea; garrote; equipos de macro e microgotas; cateteres específicos para dissecção de veias, tamanho
adulto/infantil; tesoura, pinça de Kocher; cortadores de soro; lâminas de bisturi; seringas de vários tamanhos;
torneiras de 3 vias; equipo de infusão de 3 vias; frascos de soro fisiológico, ringer lactato e soro glicosado;
caixa completa de pequena cirurgia; maleta de parto como descrito nos itens anteriores; sondas vesicais;
coletores de urina; protetores para eviscerados ou queimados; espátulas de madeira; sondas nasogástricas;
eletrodos descartáveis; equipos para drogas fotossensíveis; equipo para bombas de infusão; circuito de
respirador estéril de reserva; equipamentos de proteção à equipe de atendimento: óculos, máscaras e
aventais; cobertor ou filme metálico para conservação do calor do corpo; campo cirúrgico fenestrado;
almotolias com anti-séptico; conjunto de colares cervicais; prancha longa para imobilização da coluna. Para o
atendimento a neonatos deverá haver pelo menos uma Incubadora de transporte de recém-nascido com
bateria e ligação à tomada do veículo (12 volts). A incubadora deve estar apoiada sobre carros com rodas
devidamente fixadas quando dentro da ambulância e conter respirador e equipamentos adequados para
recém natos.
DEFINIÇÃO DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
DAS AMBULÂNCIAS
Ambulância de
Transporte (Tipo E):
Aeronaves de Asas Rotativas (Helicópteros) para atendimento pré-hospitalar móvel primário: -
Conjunto aeromédico (homologado pelo Departamento de Aviação Civil – DAC): maca ou
incubadora; cilindro de ar comprimido e oxigênio com autonomia de pelo menos 2 horas; régua
tripla para transporte; suporte para fixação de equipamentos médicos; - Equipamentos médicos
fixos: respirador mecânico; monitor cardioversor com bateria; oxímetro portátil; bomba de infusão;
prancha longa para imobilização de coluna; - Equipamentos médicos móveis: maleta de vias aéreas
contendo: conjunto de cânulas orofaríngeas; cânulas endotraqueais de vários tamanhos; cateteres
de aspiração; adaptadores para cânulas; cateteres nasais; seringa de 20 ml; ressuscitador manual
adulto/infantil completo; sondas para aspiração traqueal de vários tamanhos; luvas de
procedimentos; lidocaína geléia e spray; cadarços para fixação de cânula; laringoscópio
infantil/adulto com conjunto de lâminas curvas e retas; estetoscópio; esfigmomanômetro
adulto/infantil;; fios; fios-guia para Entubação; pinça de Magyll; bisturi descartável; cânulas para
traqueostomia; material para cricotiroidostomia; conjunto de drenagem de tórax; maleta de acesso
venoso contendo: tala para fixação de braço; luvas estéreis; recipiente de algodão com anti-séptico;
pacotes de gaze estéril; esparadrapo; material para punção de vários tamanhos, incluindo agulhas
metálicas, plásticas e agulhas especiais para punção óssea; garrote; equipos de macro e
microgotas; cateteres específicos para dissecção de veias tamanhos adulto/infantil; tesoura; pinça
de Kocher; cortadores de soro; lâminas de bisturi; seringas de vários tamanhos; torneiras de 3 vias;
equipo de infusão polivias; frascos de solução salina, ringer lactato, e glicosada para infusão venosa;
caixa de pequena cirurgia; maleta de parto contendo: luvas cirúrgicas; clamps umbilicais; estilete
estéril para corte do cordão; saco plástico para placenta; absorvente higiênico grande; cobertor ou
similar para envolver o recém-nascido; compressas cirúrgicas estéreis, pacotes de gases estéreis e
braceletes de identificação; sondas vesicais; coletores de urina; protetores para eviscerados ou
queimados; espátulas de madeira; sondas nasogástricas; eletrodos descartáveis;
Ambulância de
Transporte (Tipo F):
Este veículo motorizado aquaviário, destinado ao transporte por via marítima ou fluvial, poderá ser
equipado como indicado para as Ambulâncias de Tipo A, B, ou D, dependendo do tipo de assistência
a ser prestada.
DEFINIÇÃO DOS MEDICAMENTOS DAS
AMBULÂNCIAS
Medicamentos obrigatórios
que deverão constar nos
veículos de suporte
avançado, seja nos
veículos terrestres, aquáticos
e nas aeronaves ou naves de
transporte médico (Classes
D, E F):
- Lidocaína sem vasoconstritor; adrenalina, epinefrina, atropina; dopamina; aminofilina; dobutamina;
hidrocortisona; glicose 50%;
- Soros: glicosado 5%; fisiológico 0,9%; ringer lactato;
- Psicotrópicos: hidantoína; meperidina; diazepan; midazolan;
- Medicamentos para analgesia e anestesia: fentanil, ketalar, quelicin;
- Outros: água destilada; metoclopramida; dipirona; hioscina; dinitrato de isossorbitol; furosemide;
amiodarona; lanatosideo C.
TRIPULAÇÃO
Ambulância (Tipo A): 2 profissionais, sendo um o motorista e o outro um Técnico ou Auxiliar de
enfermagem.
Ambulância (Tipo B): 2 profissionais, sendo um o motorista e um técnico ou auxiliar de
enfermagem.
Ambulância (Tipo C):
3 profissionais militares, policiais rodoviários, bombeiros militares, e/ou
outros profissionais reconhecidos pelo gestor público, sendo um motorista e
os outros dois profissionais com capacitação e certificação em salvamento e
suporte básico de vida.
Ambulância (Tipo D): 3 profissionais, sendo um motorista, um enfermeiro e um médico.
Ambulância (Tipo E):
Aeronaves: o atendimento feito por aeronaves deve ser sempre considerado
como de suporte avançado de vida e: - Para os casos de atendimento pré-
hospitalar móvel primário não traumático e secundário, deve contar com o
piloto, um médico, e um enfermeiro; - Para o atendimento a urgências
traumáticas em que sejam necessários procedimentos de salvamento, é
indispensável a presença de profissional capacitado para tal.
Ambulância (Tipo F): a 2 ou 3 profissionais, de acordo com o tipo de atendimento a ser realizado,
contando com o condutor da embarcação e um auxiliar/técnico de
enfermagem em casos de suporte básico de vida, e um médico e um
enfermeiro, em casos de suporte avançado de vida.
Ambulância de Suporte
Básico de Vida (SBV) -
SAMU
Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) -
SAMU
Veículo destinado ao transporte inter-hospitalar de pacientes com risco de vida conhecido e ao atendimento
pré-hospitalar de pacientes com risco de vida desconhecido que, no entanto, não apresente potencial
necessidade de intervenção médica no local ou durante o transporte . Um dos níveis de resposta do serviço
de APH, a um pedido de atendimento urgente. O envio da ambulância de SBV é decisão do médico regulador.
A equipe de suporte básico de vida é constituída por um técnico de enfermagem e o motorista-socorrista.
Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) -
SAMU
Competências
Os profissionais de enfermagem da equipe de SBV deverão estar habilitados a realizar ações de
suporte da vida, previstas na Lei do Exercício Profissional. admitindo-se que, sob delegação /
supervisão direta ou à distância do enfermeiro e quando devidamente capacitados, executem
prescrição médica por telemedicina através da orientação do médico regulador do SAMU, no âmbito de
sua qualificação profissional. Assim sendo a equipe de SBV deve ser capaz de:
• Reconhecer sinais precoces de disfunção respiratória; Aferir FC, PA, P,T, glicemia e saturação de
O2; Iniciar medidas de manutenção da vida;
• Manejar equipamentos de suporte ventilatório;
• Realizar prescrição médica sob supervisão do enfermeiro, dominar técnicas de administração de
medicamentos
• Reconhecer sinais precoces de doenças circulatórias agudas
• Realizar monitorização cardíaca e eletrocardiográfica
• Ser capaz de avaliar o politraumatizado grave
• Estar habilitado a auxiliar o trabalho de parto normal
• Reconhecer e manejar adequadamente o TCE, TRM, queimados, traumas na gestante e na criança,
entre outros traumas.
• Ter conhecimento e habilidade para realizar ações de salvamento aquático, terrestre e em altura,
com produtos perigosos.
Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) -
SAMU
Fases do Atendimento de SBV
Recebimento identificação localização Avaliação Decisão
Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) -
SAMU
O Atendimento no local:
Realizar a avaliação inicial do paciente
Repassar via rádio para o regulador todas as
informações obtidas
Transporte ao serviço de saúde indicado pelo
médico regulador
Passagem do caso à equipe do serviço receptor
Encerramento do caso junto à Central-SAMU
Ambulância de Suporte
Avançado de Vida (UTI
Móvel ou Unidade de
Suporte Avançado)) - SAMU
Ambulância de Suporte Avançado de Vida (UTI
Móvel ou Unidade de Suporte Avançado)) - SAMU
Competências
Um dos níveis de resposta do serviço de APH Móvel, a um pedido de atendimento de urgência, avaliado
e priorizado pelo médico regulador como potencialmente grave.
A equipe do SAV é composta por médico, enfermeiro e condutor. Segundo o parâmetro populacional
calcula-se uma ambulância SAV para 400.000hab.
Veículo destinado ao atendimento e transporte de pacientes com alto risco em urgências pré-
hospitalares ou transporte inter-hospitalar que necessitem de cuidados médicos intensivos.
Dispõe de equipamentos e materiais para realização de procedimentos complexos e avançados de
reanimação e estabilização, realizados por médico e enfermeiro.
Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) -
SAMU
Fases do Atendimento de SAV
Recebimento identificação localização Avaliação Decisão
Em situações de alto risco/gravidade: envio de equipe de
suporte avançado de vida;
Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) -
SAMU
O Atendimento no local:
O médico da equipe realiza a avaliação
Repassar via rádio para o regulador todas as
informações obtidas
Transporte ao serviço de saúde indicado pelo
médico regulador
Passagem do caso à equipe do serviço receptor
Encerramento do caso junto à Central-SAMU
Composição das equipes
Coordenador do
Serviço
Responsável
Técnico
Médico
Responsável de
Enfermagem
Médicos
Reguladores
Médicos
Intervencionistas
Técnicos de
Enfermagem
A composição das equipes seguirá o estabelecido pelas portarias do Ministério da Saúde nº.
2048/GM de 5 de novembro de 2002, nº. 1863/GM de 29 de setembro de 2003 e 1864/GM de
29 de setembro de 2003, assim como da Resolução do Conselho Federal de Medicina nº.
1.671/03 de 9 de julho de 2003
Além desta equipe de saúde, em situações de atendimento às urgências relacionadas às causas externas ou de pacientes em
locais de difícil acesso, deverá haver uma ação pactuada, complementar e integrada de outros profissionais não oriundos da
saúde – bombeiros militares, policiais militares e rodoviários e outros, formalmente reconhecidos pelo gestor público para o
desempenho das ações de segurança, socorro público e salvamento, tais como: sinalização do local, estabilização de veículos
acidentados, reconhecimento e gerenciamento de riscos potenciais (incêndio, materiais energizados, produtos perigosos)
obtenção de acesso ao paciente e suporte básico de vida.
Nos casos traumáticos, onde se faz necessário o acompanhamento pelas centrais e ativação de meios
adaptados às três centrais existirá protocolo de alerta triangular, cabendo ao SAMU192 a regulação e a
ativação do meio móvel ou fixo para a execução atenção pré-hospitalar com suporte básico ou avançado.
Tipos de respostas possíveis pelo Médico
Regulador do SAMU – 192
CÓDIGOS DE
RADIOCOMUNICAÇÃO
“Nenhum desafio vai ser impossível de superar, se tiver
paciência e determinação. Tudo vai dar certo”.
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS

Sistema integrado-de-emergência-médica
Sistema integrado-de-emergência-médicaSistema integrado-de-emergência-médica
Sistema integrado-de-emergência-médica
MiguelAlmeida502577
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
RaymariAlmeida1
 
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptxUFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
Nome Sobrenome
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
1. ATUAÇÃO CC E PREOP.pdf
1. ATUAÇÃO CC E PREOP.pdf1. ATUAÇÃO CC E PREOP.pdf
1. ATUAÇÃO CC E PREOP.pdf
smftec
 

Semelhante a AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS (20)

Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
URGÊNCIA.pptx
URGÊNCIA.pptxURGÊNCIA.pptx
URGÊNCIA.pptx
 
UE 18 PB Aula 1 e 2- Introdução Estrutura e Organização dos serviços de UE.pdf
UE 18 PB Aula 1 e 2-  Introdução Estrutura e Organização dos serviços de UE.pdfUE 18 PB Aula 1 e 2-  Introdução Estrutura e Organização dos serviços de UE.pdf
UE 18 PB Aula 1 e 2- Introdução Estrutura e Organização dos serviços de UE.pdf
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Sistema integrado-de-emergência-médica
Sistema integrado-de-emergência-médicaSistema integrado-de-emergência-médica
Sistema integrado-de-emergência-médica
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
 
Vi jornada profissional de enfermagem
Vi jornada profissional de enfermagemVi jornada profissional de enfermagem
Vi jornada profissional de enfermagem
 
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptxUFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
UFCD-6570 Abordagem Geral de Noções Básicas de Primeiros.pptx
 
Urgencia-e-Emergencia.pptx
Urgencia-e-Emergencia.pptxUrgencia-e-Emergencia.pptx
Urgencia-e-Emergencia.pptx
 
POLITICA NACIONAL DE ATENCAO AS URGENCIAS
POLITICA NACIONAL DE ATENCAO AS URGENCIASPOLITICA NACIONAL DE ATENCAO AS URGENCIAS
POLITICA NACIONAL DE ATENCAO AS URGENCIAS
 
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúdeUrgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
 
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horasUnopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
Unopar (TrabalhoInterdisciplinar de Grupo) upa 24 horas
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioInfraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
 
aula 1.pptx
aula 1.pptxaula 1.pptx
aula 1.pptx
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
1. ATUAÇÃO CC E PREOP.pdf
1. ATUAÇÃO CC E PREOP.pdf1. ATUAÇÃO CC E PREOP.pdf
1. ATUAÇÃO CC E PREOP.pdf
 

Mais de ArtthurPereira2

CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
ArtthurPereira2
 

Mais de ArtthurPereira2 (12)

epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificaçõesepidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
epidemiologia e biossegurança laboral conceitos e classificações
 
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICOCUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
CUIDADOS E BIOSSEGURANÇA DO TRABALHO CONCEITOS LABORATORIAL E EPIDEMIOLOGICO
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAAULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇAAULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
AULA SOBRE O CAMPO DE CONCEITO DA CIPA BIOSSSEGURANÇA
 
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologicaaula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
aula de biossegurança laboratorial e epidemiologica
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
 
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
 
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDECENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
CENTRO CIRÚRGICO ASSISTENCIAL E CLINICO NO AMBITO DE SAÚDE
 
NEFROLOGIA.pptx
NEFROLOGIA.pptxNEFROLOGIA.pptx
NEFROLOGIA.pptx
 
Apresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptxApresentação-1.pptx
Apresentação-1.pptx
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 

Último

Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (6)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS

  • 1. SAMU SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA Prof. Enf. Esp. Arthur Custódio Pereira
  • 2. EXPERIÊNCIAS Sou mestrando em Modelos e Decisão em Saúde na Universidade Federal da Paraíba, com foco em Estatística, Saúde Pública e Geoprocessamento de dados. Possuo especialização em Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental, experiência profissional inclui atuação como Enfermeiro no SAMU, com atendimento de urgência e emergência, e Clínica Médica Personnalité, focando em tratamento de dependência química e transtornos mentais. Na área de ensino, sou adjunto de projetos de iniciação científica e pesquisa na UFPB, docente em pós-graduação e exerço funções como preceptor e docente em instituições educacionais de nível técnico.
  • 3. SAMU O SAMU é o componente da rede de atenção às urgências e emergências que objetiva ordenar o fluxo assistencial e disponibilizar atendimento precoce e transporte adequado, rápido e resolutivo às vítimas acometidas por agravos. É considerado um atendimento pré-hospitalar móvel de urgência o atendimento que procura chegar precocemente à vítima após ter ocorrido algum agravo à saúde (clínico, cirúrgico, traumático ou psiquiátrico), que possa levar a sofrimento, sequelas e até mesmo a morte (BRASIL, 2002; BRASIL, 2013). Atendimento pré-hospitalar móvel primário •Pedido de socorro for de um cidadão. Atendimento pré-hospitalar móvel secundário •Pedido de socorro for de um serviço de saúde.
  • 6. Definições Conceituais Iniciais •É o conjunto de partes integradas com uma finalidade comum. SISTEMA •Integração e interligação das centrais de regulação. REDE •“que é ou que age segundo as regras, as leis, dirigir, acertar, ajustar, regularizar, guiar, orientar”. REGULAÇÃO
  • 7. Definições Conceituais Iniciais •É o conjunto de partes integradas com uma finalidade comum. SISTEMA •Integração e interligação das centrais de regulação. REDE •“que é ou que age segundo as regras, as leis, dirigir, acertar, ajustar, regularizar, guiar, orientar”. REGULAÇÃO REGULAÇÃO MÉDICA REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA Forma organizada de responder a toda situação de urgência que necessite de cuidados médicos Baseada na implantação de suas Centrais de Regulação, é o elemento ordenador e orientador dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência (Portaria 2048/GM) CENTRAIS DE REGULAÇÃO Receber e direcionar a demanda por serviços, a partir do conhecimento da capacidade de produção instalada, como também identificar os déficits e as falhas do sistema.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. Unidades Móveis O SAMU trabalha na lógica de um sistema organizado regionalmente e dentro do Estado, onde dispõe de unidades próprias e atua em conjunto com outras instituições para o atendimento às urgências. Assim sendo descreve-se abaixo a definição das várias ambulâncias e outras unidades móveis componentes deste sistema conforme Portaria Ministerial 2048. Define-se ambulância como um veículo (terrestre, aéreo ou aquaviário) que se destine exclusivamente ao transporte de enfermos ABNT – NBR 14561/2000, de julho de 2000. TIPO A Ambulância de Transporte: veículo destinado ao transporte em decúbito horizontal de pacientes que não apresentam risco de vida, para remoções simples e de caráter eletivo. TIPO B Ambulância de Suporte Básico: veículo destinado ao transporte inter-hospitalar de pacientes com risco de vida conhecido e ao atendimento pré-hospitalar de pacientes com risco de vida desconhecido, não classificado com potencial de necessitar de intervenção médica no local e/ou durante transporte até o serviço de destino. TIPO C Ambulância de Resgate: veículo de atendimento de urgências pré-hospitalares de pacientes vítimas de acidentes ou pacientes em locais de difícil acesso, com equipamentos de salvamento (terrestre, aquático e em alturas). TIPO D Ambulância de Suporte Avançado: veículo destinado ao atendimento e transporte de pacientes de alto risco em emergências pré-hospitalares e/ou de transporte inter-hospitalar que necessitam de cuidados médicos intensivos. Deve contar com os equipamentos médicos necessários para esta função. TIPO E Aeronave de Transporte Médico: aeronave de asa fixa ou rotativa utilizada para transporte inter-hospitalar de pacientes e aeronave de asa rotativa para ações de resgate, dotada de equipamentos médicos homologados pelo Departamento de Aviação Civil - DAC. TIPO F Embarcação de Transporte Médico: veículo motorizado aquaviário, destinado ao transporte por via marítima ou fluvial. Deve possuir os equipamentos médicos necessários ao atendimento de pacientes conforme sua gravidade
  • 15. VEÍCULOS DE INTERVENÇÃO RÁPIDA ▪ Este veículos, também chamados de veículos leves, veículos rápidos ou veículos de ligação médica são utilizados para transporte de médicos com equipamentos que possibilitam oferecer suporte avançado de vida nas ambulâncias do Tipo A, B, C e F.
  • 16. DEFINIÇÃO DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DAS AMBULÂNCIAS Ambulância de Transporte (Tipo A): Sinalizador óptico e acústico; equipamento de radiocomunicação em contato permanente com a central reguladora; maca com rodas; suporte para soro e oxigênio medicinal. Ambulância de Transporte (Tipo B): Sinalizador óptico e acústico; equipamento de radiocomunicação fixo e móvel; maca articulada e com rodas; suporte para soro; instalação de rede de oxigênio com cilindro, válvula, manômetro em local de fácil visualização e régua com dupla saída; oxigênio com régua tripla (alimentação do respirador; fluxômetro e umidificador de oxigênio e c - aspirador tipo Venturi); manômetro e fluxômetro com máscara e chicote para oxigenação; cilindro de oxigênio portátil com válvula; maleta de urgência contendo: estetoscópio adulto e infantil, ressuscitador manual adulto/infantil, cânulas orofaríngeas de tamanhos variados, luvas descartáveis, tesoura reta com ponta romba, esparadrapo, esfigmomanômetro adulto/infantil, ataduras de 15 cm, compressas cirúrgicas estéreis, pacotes de gaze estéril, protetores para queimados ou eviscerados, cateteres para oxigenação e aspiração de vários tamanhos; maleta de parto contendo: luvas cirúrgicas, clamps umbilicais, estilete estéril para corte do cordão, saco plástico para placenta, cobertor, compressas cirúrgicas e gazes estéreis, braceletes de identificação; suporte para soro; prancha curta e longa para imobilização de coluna; talas para imobilização de membros e conjunto de colares cervicais; colete imobilizador dorsal; frascos de soro fisiológico e ringer lactato; bandagens triangulares; cobertores; coletes refletivos para a tripulação; lanterna de mão; óculos, máscaras e aventais de proteção e maletas com medicações a serem definidas em protocolos, pelos serviços.
  • 17. DEFINIÇÃO DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DAS AMBULÂNCIAS Ambulância de Transporte (Tipo C): Sinalizador óptico e acústico; equipamento de radiocomunicação fixo e móvel; prancha curta e longa para imobilização de coluna; talas para imobilização de membros e conjunto de colares cervicais; colete imobilizador dorsal; frascos de soro fisiológico; bandagens triangulares; cobertores; coletes refletivos para a tripulação; lanterna de mão; óculos, máscaras e aventais de proteção; material mínimo para salvamento terrestre, aquático e em alturas; maleta de ferramentas e extintor de pó químico seco de 0,8 kg; fitas e cones sinalizadores para isolamento de áreas. Quando realizarem também o suporte básico de vida, as ambulâncias de resgate deverão ter uma configuração que garanta um salão de atendimento às vítimas de, no mínimo 8 metros cúbicos, além de compartimento isolado para a guarda de equipamentos de salvamento e deverão estar equipadas com: maca articulada e com rodas; instalação de rede de oxigênio com cilindro, válvula, manômetro em local de fácil visualização e régua com dupla saída; oxigênio com régua tripla (a - alimentação do respirador; b - fluxômetro e umidificador de oxigênio e c - aspirador tipo Venturi); manômetro e fluxômetro com máscara e chicote para oxigenação; cilindro de oxigênio portátil com válvula; maleta de emergência contendo: estetoscópio adulto e infantil; ressuscitador manual adulto/infantil, luvas descartáveis; cânulas orofaríngeas de tamanhos variados; tesoura reta com ponta romba; esparadrapo; esfigmomanômetro adulto/infantil; ataduras de 15 cm; compressas cirúrgicas estéreis; pacotes de gaze estéril; protetores para queimados ou eviscerados; cateteres para oxigenação e aspiração de vários tamanhos; maleta de parto contendo: luvas cirúrgicas; clamps umbilicais; estilete estéril para corte do cordão; saco plástico para placenta; cobertor; compressas cirúrgicas e gazes estéreis; braceletes de identificação;
  • 18. DEFINIÇÃO DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DAS AMBULÂNCIAS Ambulância de Transporte (Tipo D): Sinalizador óptico e acústico; equipamento de rádio-comunicação fixo e móvel; maca com rodas e articulada; dois suportes de soro; cadeira de rodas dobrável; instalação de rede portátil de oxigênio como descrito no item anterior (é obrigatório que a quantidade de oxigênio permita ventilação mecânica por no mínimo duas horas); respirador mecânico de transporte; oxímetro não-invasivo portátil; monitor cardioversor com bateria e instalação elétrica disponível (em caso de frota deverá haver disponibilidade de um monitor cardioversor com marcapasso externo não-invasivo); bomba de infusão com bateria e equipo; maleta de vias aéreas contendo: máscaras laríngeas e cânulas endotraqueais de vários tamanhos; cateteres de aspira- 45 ção; adaptadores para cânulas; cateteres nasais; seringa de 20ml; ressuscitador manual adulto/infantil com reservatório; sondas para aspiração traqueal de vários tamanhos; luvas de procedimentos; máscara para ressuscitador adulto/infantil; lidocaína geléia e “spray”; cadarços para fixação de cânula; laringoscópio infantil/adulto com conjunto de lâminas; estetoscópio; esfigmomanômetro adulto/infantil; cânulas orofaríngeas adulto/infantil; fios-guia para Entubação; pinça de Magyll; bisturi descartável; cânulas para traqueostomia; material para cricotiroidostomia; conjunto de drenagem torácica; maleta de acesso venoso contendo: tala para fixação de braço; luvas estéreis; recipiente de algodão com anti-séptico; pacotes de gaze estéril; esparadrapo; material para punção de vários tamanhos incluindo agulhas metálicas, plásticas e agulhas especiais para punção óssea; garrote; equipos de macro e microgotas; cateteres específicos para dissecção de veias, tamanho adulto/infantil; tesoura, pinça de Kocher; cortadores de soro; lâminas de bisturi; seringas de vários tamanhos; torneiras de 3 vias; equipo de infusão de 3 vias; frascos de soro fisiológico, ringer lactato e soro glicosado; caixa completa de pequena cirurgia; maleta de parto como descrito nos itens anteriores; sondas vesicais; coletores de urina; protetores para eviscerados ou queimados; espátulas de madeira; sondas nasogástricas; eletrodos descartáveis; equipos para drogas fotossensíveis; equipo para bombas de infusão; circuito de respirador estéril de reserva; equipamentos de proteção à equipe de atendimento: óculos, máscaras e aventais; cobertor ou filme metálico para conservação do calor do corpo; campo cirúrgico fenestrado; almotolias com anti-séptico; conjunto de colares cervicais; prancha longa para imobilização da coluna. Para o atendimento a neonatos deverá haver pelo menos uma Incubadora de transporte de recém-nascido com bateria e ligação à tomada do veículo (12 volts). A incubadora deve estar apoiada sobre carros com rodas devidamente fixadas quando dentro da ambulância e conter respirador e equipamentos adequados para recém natos.
  • 19. DEFINIÇÃO DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DAS AMBULÂNCIAS Ambulância de Transporte (Tipo E): Aeronaves de Asas Rotativas (Helicópteros) para atendimento pré-hospitalar móvel primário: - Conjunto aeromédico (homologado pelo Departamento de Aviação Civil – DAC): maca ou incubadora; cilindro de ar comprimido e oxigênio com autonomia de pelo menos 2 horas; régua tripla para transporte; suporte para fixação de equipamentos médicos; - Equipamentos médicos fixos: respirador mecânico; monitor cardioversor com bateria; oxímetro portátil; bomba de infusão; prancha longa para imobilização de coluna; - Equipamentos médicos móveis: maleta de vias aéreas contendo: conjunto de cânulas orofaríngeas; cânulas endotraqueais de vários tamanhos; cateteres de aspiração; adaptadores para cânulas; cateteres nasais; seringa de 20 ml; ressuscitador manual adulto/infantil completo; sondas para aspiração traqueal de vários tamanhos; luvas de procedimentos; lidocaína geléia e spray; cadarços para fixação de cânula; laringoscópio infantil/adulto com conjunto de lâminas curvas e retas; estetoscópio; esfigmomanômetro adulto/infantil;; fios; fios-guia para Entubação; pinça de Magyll; bisturi descartável; cânulas para traqueostomia; material para cricotiroidostomia; conjunto de drenagem de tórax; maleta de acesso venoso contendo: tala para fixação de braço; luvas estéreis; recipiente de algodão com anti-séptico; pacotes de gaze estéril; esparadrapo; material para punção de vários tamanhos, incluindo agulhas metálicas, plásticas e agulhas especiais para punção óssea; garrote; equipos de macro e microgotas; cateteres específicos para dissecção de veias tamanhos adulto/infantil; tesoura; pinça de Kocher; cortadores de soro; lâminas de bisturi; seringas de vários tamanhos; torneiras de 3 vias; equipo de infusão polivias; frascos de solução salina, ringer lactato, e glicosada para infusão venosa; caixa de pequena cirurgia; maleta de parto contendo: luvas cirúrgicas; clamps umbilicais; estilete estéril para corte do cordão; saco plástico para placenta; absorvente higiênico grande; cobertor ou similar para envolver o recém-nascido; compressas cirúrgicas estéreis, pacotes de gases estéreis e braceletes de identificação; sondas vesicais; coletores de urina; protetores para eviscerados ou queimados; espátulas de madeira; sondas nasogástricas; eletrodos descartáveis; Ambulância de Transporte (Tipo F): Este veículo motorizado aquaviário, destinado ao transporte por via marítima ou fluvial, poderá ser equipado como indicado para as Ambulâncias de Tipo A, B, ou D, dependendo do tipo de assistência a ser prestada.
  • 20. DEFINIÇÃO DOS MEDICAMENTOS DAS AMBULÂNCIAS Medicamentos obrigatórios que deverão constar nos veículos de suporte avançado, seja nos veículos terrestres, aquáticos e nas aeronaves ou naves de transporte médico (Classes D, E F): - Lidocaína sem vasoconstritor; adrenalina, epinefrina, atropina; dopamina; aminofilina; dobutamina; hidrocortisona; glicose 50%; - Soros: glicosado 5%; fisiológico 0,9%; ringer lactato; - Psicotrópicos: hidantoína; meperidina; diazepan; midazolan; - Medicamentos para analgesia e anestesia: fentanil, ketalar, quelicin; - Outros: água destilada; metoclopramida; dipirona; hioscina; dinitrato de isossorbitol; furosemide; amiodarona; lanatosideo C.
  • 21. TRIPULAÇÃO Ambulância (Tipo A): 2 profissionais, sendo um o motorista e o outro um Técnico ou Auxiliar de enfermagem. Ambulância (Tipo B): 2 profissionais, sendo um o motorista e um técnico ou auxiliar de enfermagem. Ambulância (Tipo C): 3 profissionais militares, policiais rodoviários, bombeiros militares, e/ou outros profissionais reconhecidos pelo gestor público, sendo um motorista e os outros dois profissionais com capacitação e certificação em salvamento e suporte básico de vida. Ambulância (Tipo D): 3 profissionais, sendo um motorista, um enfermeiro e um médico. Ambulância (Tipo E): Aeronaves: o atendimento feito por aeronaves deve ser sempre considerado como de suporte avançado de vida e: - Para os casos de atendimento pré- hospitalar móvel primário não traumático e secundário, deve contar com o piloto, um médico, e um enfermeiro; - Para o atendimento a urgências traumáticas em que sejam necessários procedimentos de salvamento, é indispensável a presença de profissional capacitado para tal. Ambulância (Tipo F): a 2 ou 3 profissionais, de acordo com o tipo de atendimento a ser realizado, contando com o condutor da embarcação e um auxiliar/técnico de enfermagem em casos de suporte básico de vida, e um médico e um enfermeiro, em casos de suporte avançado de vida.
  • 22. Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) - SAMU
  • 23. Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) - SAMU Veículo destinado ao transporte inter-hospitalar de pacientes com risco de vida conhecido e ao atendimento pré-hospitalar de pacientes com risco de vida desconhecido que, no entanto, não apresente potencial necessidade de intervenção médica no local ou durante o transporte . Um dos níveis de resposta do serviço de APH, a um pedido de atendimento urgente. O envio da ambulância de SBV é decisão do médico regulador. A equipe de suporte básico de vida é constituída por um técnico de enfermagem e o motorista-socorrista.
  • 24. Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) - SAMU Competências Os profissionais de enfermagem da equipe de SBV deverão estar habilitados a realizar ações de suporte da vida, previstas na Lei do Exercício Profissional. admitindo-se que, sob delegação / supervisão direta ou à distância do enfermeiro e quando devidamente capacitados, executem prescrição médica por telemedicina através da orientação do médico regulador do SAMU, no âmbito de sua qualificação profissional. Assim sendo a equipe de SBV deve ser capaz de: • Reconhecer sinais precoces de disfunção respiratória; Aferir FC, PA, P,T, glicemia e saturação de O2; Iniciar medidas de manutenção da vida; • Manejar equipamentos de suporte ventilatório; • Realizar prescrição médica sob supervisão do enfermeiro, dominar técnicas de administração de medicamentos • Reconhecer sinais precoces de doenças circulatórias agudas • Realizar monitorização cardíaca e eletrocardiográfica • Ser capaz de avaliar o politraumatizado grave • Estar habilitado a auxiliar o trabalho de parto normal • Reconhecer e manejar adequadamente o TCE, TRM, queimados, traumas na gestante e na criança, entre outros traumas. • Ter conhecimento e habilidade para realizar ações de salvamento aquático, terrestre e em altura, com produtos perigosos.
  • 25. Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) - SAMU Fases do Atendimento de SBV Recebimento identificação localização Avaliação Decisão
  • 26. Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) - SAMU O Atendimento no local: Realizar a avaliação inicial do paciente Repassar via rádio para o regulador todas as informações obtidas Transporte ao serviço de saúde indicado pelo médico regulador Passagem do caso à equipe do serviço receptor Encerramento do caso junto à Central-SAMU
  • 27. Ambulância de Suporte Avançado de Vida (UTI Móvel ou Unidade de Suporte Avançado)) - SAMU
  • 28. Ambulância de Suporte Avançado de Vida (UTI Móvel ou Unidade de Suporte Avançado)) - SAMU Competências Um dos níveis de resposta do serviço de APH Móvel, a um pedido de atendimento de urgência, avaliado e priorizado pelo médico regulador como potencialmente grave. A equipe do SAV é composta por médico, enfermeiro e condutor. Segundo o parâmetro populacional calcula-se uma ambulância SAV para 400.000hab. Veículo destinado ao atendimento e transporte de pacientes com alto risco em urgências pré- hospitalares ou transporte inter-hospitalar que necessitem de cuidados médicos intensivos. Dispõe de equipamentos e materiais para realização de procedimentos complexos e avançados de reanimação e estabilização, realizados por médico e enfermeiro.
  • 29. Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) - SAMU Fases do Atendimento de SAV Recebimento identificação localização Avaliação Decisão Em situações de alto risco/gravidade: envio de equipe de suporte avançado de vida;
  • 30. Ambulância de Suporte Básico de Vida (SBV) - SAMU O Atendimento no local: O médico da equipe realiza a avaliação Repassar via rádio para o regulador todas as informações obtidas Transporte ao serviço de saúde indicado pelo médico regulador Passagem do caso à equipe do serviço receptor Encerramento do caso junto à Central-SAMU
  • 31. Composição das equipes Coordenador do Serviço Responsável Técnico Médico Responsável de Enfermagem Médicos Reguladores Médicos Intervencionistas Técnicos de Enfermagem A composição das equipes seguirá o estabelecido pelas portarias do Ministério da Saúde nº. 2048/GM de 5 de novembro de 2002, nº. 1863/GM de 29 de setembro de 2003 e 1864/GM de 29 de setembro de 2003, assim como da Resolução do Conselho Federal de Medicina nº. 1.671/03 de 9 de julho de 2003 Além desta equipe de saúde, em situações de atendimento às urgências relacionadas às causas externas ou de pacientes em locais de difícil acesso, deverá haver uma ação pactuada, complementar e integrada de outros profissionais não oriundos da saúde – bombeiros militares, policiais militares e rodoviários e outros, formalmente reconhecidos pelo gestor público para o desempenho das ações de segurança, socorro público e salvamento, tais como: sinalização do local, estabilização de veículos acidentados, reconhecimento e gerenciamento de riscos potenciais (incêndio, materiais energizados, produtos perigosos) obtenção de acesso ao paciente e suporte básico de vida.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Nos casos traumáticos, onde se faz necessário o acompanhamento pelas centrais e ativação de meios adaptados às três centrais existirá protocolo de alerta triangular, cabendo ao SAMU192 a regulação e a ativação do meio móvel ou fixo para a execução atenção pré-hospitalar com suporte básico ou avançado.
  • 35. Tipos de respostas possíveis pelo Médico Regulador do SAMU – 192
  • 37.
  • 38.
  • 39. “Nenhum desafio vai ser impossível de superar, se tiver paciência e determinação. Tudo vai dar certo”.