SlideShare uma empresa Scribd logo
Mauricio Cesar Soares
Técnico em Segurança do Trabalho
MTE: 0062851/SP
• PROCEDIMENTOS ADOTADOS PARA MANTER E
RESGUARDAR A INTEGRIDADE DA VÍTIMA,
ENQUANTO SE AGUARDA A CHEGADA DE
ATENDIMENTO MÉDICO ESPECIALIZADO.
Corpo de Bombeiros – 193
Polícia Militar – 190
Ambulância – SAMU 192
Defesa Civil – 199
VERIFIQUE SE HÁ CONDIÇÕES DE
SEGURANÇA, PARA SER FEITO O
ATENDIMENTO A VÍTIMA
SEU OBJETIVO É AVALIAR O FATO OCORRIDO E O
NÚMERO DE VÍTIMAS
“FOTO” MENTAL DO LOCAL PARA DETERMINAR OS
ITENS ANTERIORES
“CINEMÁTICA DO TRAUMA”
AJOELHE-SE AO LADO DA VÍTIMA,
COLOQUE SUAS MÃOS SOBRE O OMBRO,
E TENTE CONVERSAR COM A VÍTIMA.
DIGA:
SEU NOME, EU TENHO CONHECIMENTOS
DE PRIMEIROS SOCORROS E POSSO TE
AJUDAR !
PERGUNTE:
OLÁ, VOCÊ PODE ME OUVIR !
REPITA POR 3 VEZES
VERIQUE:
Se a boca abre naturalmente;
Se existe sangue ou outros fluídos;
Se existem dentes partidos;
Se existem próteses dentárias soltas.
ER - ELEVAÇÃO DO TÓRAX
UVIR - RUÍDOS RESPIRATÓRIOS
ENTIR - A EXALAÇÃO DO AR
V
O
S
Crianças com
menos
de 1 ano
verificar circulação
pelo pulso braquial
A - ALERTA
V - VERBAL
D - DOLOROSO
I - INCONSCIENTE
NÍVEL DE CONSCIÊNCIA
ANISOCÓRICAS
(MIDRÍASE E MIOSE)
ISOCÓRICAS
(MIOSE)
ISOCÓRICAS
(MIDRÍASE)
Quando for retirar as vestes da
vítima, sempre cortar nas costuras
para que a roupa possa ser
reaproveitada, zelar pela
integridade física e moral do
paciente.
Atentar quanto a temperatura do
local, pois não se esqueça que uma
temperatura abaixo de 35º C, pode
ocasionar uma Hipotermia.
- SOCORRISTA / 1
FAZ O ALINHAMENTO DA CABEÇA DA VÍTIMA E MANTÉM FIRME COM
UMA LEVE TENSÃO, MANTENDO A PERMEABILIDADE DAS VIAS AÉREAS
E A ELEVAÇÃO DA MANDÍBULA, COLOCANDO OS POLEGARES NO
MAXILAR, OS DEDOS INDICADORES NA MANDÍBULA E OS DEDOS
MÉDIOS NA REGIÃO OCCIPITAL.
- SOCORRISTA / 2
DEVERÁ COLOCAR
PRIMEIRO A PARTE DE
TRÁS DO COLAR,
DESLIZANDO POR BAIXO
DO PESCOÇO DA VÍTIMA,
POSICIONAR A PARTE DA
FRENTE DO COLAR
ENCAIXANDO-A AO
QUEIXO DO PACIENTE,
APERTAR O COLAR
FIRMEMENTE E PRENDER
O VELCRO.
BUSCA CEGA
• POSICIONAR A VÍTIMA DE COSTAS.
• ABRIR A BOCA DA VÍTIMA SEGURANDO A
LÍNGUA E O QUEIXO COM O POLEGAR E O
INDICADOR.
• INTRODUZIR O SEU DEDO INDICADOR NA
CAVIDADE ORAL AO LONGO DA FACE
INTERNA DA BOCHECHA, O MAIS PROFUNDO
QUE CONSEGUIR, PRÓXIMO A BASE DA
LÍNGUA.
• RETIRAR O DEDO EM FORMATO DE
“GANCHO” TENTANDO TRAZER O CORPO
ESTRANHO.
SÉRIE DE COMPRESSÕES
ABDOMINAIS QUE SIMULAM O
EFEITO DA TOSSE ESTIMULANDO A
VÍTIMA A EXPELIR O CORPO
ESTRANHO
Inicie abraçando a
pessoa pela cintura
firmando os punhos
entre as costelas e o
abdome. Puxe a
pessoa para cima e
em sua direção,
rápida e
vigorosamente
quantas vezes forem
necessárias
EFETUE 5
COMPRESSÕES
ABDOMINAIS
E 2 INSUFLAÇÕES
Usando uma cadeira a vítima pode se
auto-aplicar a manobra colocando as
mãos entre o abdome e o tórax e
pressioná-la na borda do encosto da
cadeira.
Com o punho fechado, posicionar
a mão abaixo do tórax.
Realizar cinco compressões, até
a criança expelir o corpo estranho
Retirar o objeto com um
dos dedos, apenas se ele
estiver visível
cColocar os dedos na metade do osso
esterno e realizar cinco compressões
Posicionar o bebê de bruços
apoiando-o no antebraço e
aplicar cinco “pancadinhas”
entre as escápulas.
EFETUE 2 VENTILAÇÕES, CASO A VÍTIMA NÃO VOLTE A RESPIRAR,
CHEQUE O PULSO E FAÇA IMEDIATAMENTE A REANIMAÇÃO
CARDIO-PULMONAR
OBSERVAR,
ESCUTAR E SENTIR
A RESPIRAÇÃO, E
NA AUSÊNCIA
DESTES SINAIS:
FAÇA 30
COMPRESSÕES,
POR 2
INSUFLAÇÕES
E APÓS O
PROCEDIMENTO
CHEQUE O PULSO
CAROTÍDEO.
LIBERAR AS VIAS AÉREAS,
HIPEREXTENDENDO O
PESCOÇO E ELEVANDO A
MANDÍBULA.
COM O AUXÍLIO DE UMA DAS
MÃOS TAPAR O NARIZ, E
COM A OUTRA MANTER A
MANDÍBULA ELEVADA,
ENQUANTO SE REALIZA AS
INSUFLAÇÕES.
EM CRIANÇAS, O PROCEDIMENTO É O
MESMO ADOTADO PARA OS ADULTOS,
SENDO QUE A MASSAGEM É SOMENTE
COM UMA DAS MÃOS
EM BEBÊS DEVE SER FEITO A RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL
ENVOLVENDO A BOCA E O
NARIZ, SENDO QUE A MASSAGEM É
REALIZADA COM APENAS DOIS DEDOS.
RELACIONAR O LOCAL COM A VÍTIMA
EXAME DA CABEÇA AO PÉS
a. Cabeça
- Ferimentos ou deformidades
- Secreção pela boca, ouvido e nariz
- Hálito, dentes quebrados e próteses dentárias
b. Pescoço
- Ferimentos ou deformidades
- Desvio de traquéia
- Resistência ou dor ao movimento
- Crepitação
c. Tórax e Abdome
- Ferimentos ou deformidades
- Dor Local, local avermelhado
- Respiração Assimétrica
- Crepitação
* FAZER EXAME NA PELVE*
d. Membros Superiores e Inferiores
- Ferimentos ou deformidades
- Perfusão Lenta
- Resistência ou dor ao movimento
- Resposta neurológica (sensibilidade, motricidade e
força muscular)
FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA
12 a 20 mrm - < 12 e > 30 mrm - ALTERADA (Vítima
Grave)
FREQUÊNCIA CARDÍACA
60 a 100 bpm – NORMAL
< 60 e > 110 bpm – ALTERADA
Pressão Arterial Sistólica: Não deve ser menor que
90mmHg.
Pupilas: - Reativa ou Não Reativa;
- Simétrica ou Assimétrica;
- Midríase (dilatada) ou Miose (contraída)
Perfusão Capilar: Normal , Lenta ou Nula.
É a perda de sangue devido ao rompimento
de um vaso sanguíneo - veia ou artéria.
Pode ser interna ou externa.
ARTERIAL CAPILAR
VENOSO
Artérias, são vasos sanguíneos
que carregam o sangue do
coração, para o resto do corpo.
ARTÉRIAS
Veias, são vasos sanguíneos que
levam o sangue do organismo,
de volta para o coração.
VEIAS
ATENÇÃO PARA:
 Roupa grossa e
 Locais que
possam absorver
líquidos.
Sudorese,
Palidez,
Pulso Rápido e Fraco,
Pele Fria, Dispnéia e
Perfusão Lenta ou Nula
CLASSE I - até 15% = 750 ml - Doador
Sintomas:
Taquicardia, Taqpnéia e Palidez
CLASSE II - 15 a 30% = 1.500 ml
Sintomas:
Taquicardia, Taqpnéia, Palidez e P.A. NORMAL
CLASSE III - 30 a 40% = 1.500ml a 2.000 ml - Estado de
Choque
Sintomas:
Taquicardia, Taqpnéia, Palidez e P.A. BAIXA
CLASSE IV - > 40% = 2.000 ml - Exsanguinação - S.A.V.
INTERVENÇÃO MÉDICA
Pressão de pontos arteriais
Elevação de membro
Pinçamento
Compressão local
- Observar presença de grandes hematomas.
- Observar saída de sangue por orifícios naturais
(ouvido,nariz,boca,vagina e ânus).
- Relacionar a lesão com a natureza da
ocorrência.
- Verificar a queixa principal da vítima.
- Observar sinais e sintomas de choque
hemodinâmico.
São definidas como uma interrupção na continuidade
do osso.
• Lesão produzida no tecido de
revestimento do organismo por
agentes térmicos, produtos
químicos, radiação ionizante,
eletrocussão, etc.
• As queimaduras são
classificadas quanto a
profundidade e extensão.
Atinge somente a
epiderme. Caracteriza-se
por dor local e
vermelhidão da área
atingida.
Atinge a epiderme e a
derme. Caracteriza-se
por dor local,
vermelhidão e
formação de bolhas.
Atinge o tecido de
revestimento,
alcançando o tecido
muscular, podendo
chegar até o ósseo.
9%
4,5%
9%
9%
9%
9%
4,5%
1 %
9%
9%
9% 9%
4,5%
REGRA DOS NOVE
18 %
18 %
14 %
18 %
18 %
14 %
09 na frente
09 atrás.
 Retirar parte da roupa que esteja em volta da área
queimada.
 Retirar anéis e pulseiras da vítima, para não
estrangularem as extremidades dos membros, quando
incharem.
 As queimaduras de 1º grau podem ser banhadas com
água fria para amenizar a dor.
 Não perfurar as bolhas em queimaduras de 2º grau.
 Não aplicar medicamentos nas queimaduras.
 Cobrir a área queimada com um plástico limpo.
 Se a vítima estiver consciente, dar-lhe água.
 Evitar (ou tratar) o estado de choque.
 Transportar a vítima com urgência para um hospital
especializado.
 Retirar a roupa da vítima impregnada com agente químico.
 Lavar o local afetado com água corrente sem esfregá-lo — 5
minutos para ácidos, 15 minutos para álcalis e 20 minutos para
cáusticos desconhecidos.
 Se o agente agressor for cal virgem seco, não usar água;
removê-lo com escova macia.
 Nos demais casos, proceder como nas queimaduras térmicas.
Infarto - do latim
Infartare = morrer
Agudo - súbito
Miocárdio = Músculo do
Coração
Dor em opressão no tórax, de forte intensidade, que pode se
estender para o ombro, braço esquerdo, pescoço, mandíbula,
região epigástrica (estômago) e dorso que não melhora com o
repouso.
- Sudorese, náuseas e vômitos, ansiedade, agitação, palidez
cutânea e pulso arrítmico.
- Antecedente de doença cardíaca e/ou uso de medicamentos
para o coração.
O AVC, mais conhecido
como derrame
cerebral consiste no
entupimento ou
rompimento de uma
artéria cerebral,
interrompendo assim o
irrigamento sanguíneo
da área afetada.
É uma doença de início
súbito, que pode ocorrer
por dois motivos:
isquemia ou
hemorragia.
• Pedir para que a pessoa
sorria.
• Pedir para que levante os
braços.
• Dê uma ordem ou peça que a
pessoa repita alguma frase
simples.
A vítima pode apresentar
tontura, formigamento, perda
de consciência, pupilas
desiguais, queda súbita, dor
repentina e muito forte na
cabeça.
Ocorre uma tormenta mental,
causando desmaio e podendo
evoluir até uma Parada
Cardiorrespiratória
Proteger a vítima, colocar em
decúbito lateral, ministrar O²
cerca de 10 lts/m.
É A FALÊNCIA DO SISTEMA
CIRCULATÓRIO,
COM BAIXA PERFUSÃO
PERIFÉRICA .
1. HIPOVOLÊMICO : Causado pela perda de fluído em
quantidade suficiente para evitar o enchimento capilar.
HEMORRÁGICO
2. ANAFILÁTICO: Resulta de uma REAÇÃO ALÉRGICA severa,
que produz e libera substâncias VASODILATADORAS.
3. SÉPTICO: Causado por infecções graves que liberam
TOXINAS.
4. TÉRMICO: Resulta de mudança brusca de TEMPERATURA
corporal
1. PELE: FRIA E PEGAJOSA
2. SUOR: NA TESTA E NAS PALMAS DAS MÃOS
3. FACE: PÁLIDA, COM EXPRESSÃO DE ANSIEDADE
4. FRIO: A VÍTIMA QUEIXA-SE DE SENSAÇÃO DE FRIO, CHEGANDO
ÀS VEZES A TER TREMORES
5. NÁUSEAS E VÔMITOS
6. RESPIRAÇÃO: CURTA, RÁPIDA E IRREGULAR
7. SEDE, AGITAÇÃO E CONFUSÃO MENTAL
8. VISÃO: NUBLADA
9. PULSO: FRACO E RÁPIDO
(adulto >100 bpm, bebês e crianças > 120 bpm)
10. PODERÁ ESTAR TOTAL OU PARCIALMENTE INCONSCIENTE
Seccionamento de tronco Decapitação Calcinação ou carbonização
Rigidez cadavérica
Manhas hipostáticas
Putrefação
Salvar vidas é uma arte, e nem
sempre temos o domínio dela, mas
pela nossa condição de seres
humanos, a omissão ao ato de
socorrer alguém, não fica só no
âmbito jurídico, mas na consciência
de quem deixou de prestar socorro.
A.H.A. – American Heart Association -
http://www.heart.org/HEARTORG/
Conselho Federal de Medicina – CFM
http://portal.cfm.org.br/
Conselho Federal de Enfermagem – COFEN
http://novo.portalcofen.gov.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
Rocha Neto
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
ernandesrodriguesdasilva
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
Oberlania Alves
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
Alexandre Donha
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
Nilton Goulart
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
ElioenaiAlmeida1
 
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Ana Hollanders
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
marcos0007
 
RCP
RCPRCP
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
elisangela messias
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
Rodrigo Abreu
 
Introduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergenciaIntroduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergencia
jorge luiz dos santos de souza
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Janaína Lassala
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
Ana Hollanders
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
Prof Silvio Rosa
 

Mais procurados (20)

Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
 
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
 
Introduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergenciaIntroduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergencia
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 

Destaque

Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Marinara Moreira
 
Cap 01 Etica E Humanizacao
Cap 01 Etica E HumanizacaoCap 01 Etica E Humanizacao
Cap 01 Etica E Humanizacao
mauricio souza
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
DefesaCivilMatoGrosso
 
Primerios socorros
Primerios socorrosPrimerios socorros
Primerios socorros
clinicansl
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
marceloteacher
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Trabalho Primeiros Socorros com Séries Iniciais
Trabalho Primeiros Socorros com Séries IniciaisTrabalho Primeiros Socorros com Séries Iniciais
Trabalho Primeiros Socorros com Séries Iniciais
Anelise Beatriz Gamba
 
NBR 14280 acidente
NBR 14280 acidenteNBR 14280 acidente
NBR 14280 acidente
Ane Costa
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Atendimento pré hospitalar v2
Atendimento pré hospitalar v2Atendimento pré hospitalar v2
Atendimento pré hospitalar v2
mayana da silva lima da silva lima
 
Queimaduras cópia
Queimaduras   cópiaQueimaduras   cópia
Queimaduras cópia
PTAI
 
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIASBIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
José Carlos Nascimento
 
Atendimento aph
Atendimento aphAtendimento aph
Atendimento aph
jose paula
 
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros  Proº Gilberto de JesusPrimeiros socorros  Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Parada cardíaca
Parada cardíacaParada cardíaca
Parada cardíaca
Marco Aguiar
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
Licínia Simões
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
dapab
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
Pelo Siro
 

Destaque (20)

Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Cap 01 Etica E Humanizacao
Cap 01 Etica E HumanizacaoCap 01 Etica E Humanizacao
Cap 01 Etica E Humanizacao
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
Primerios socorros
Primerios socorrosPrimerios socorros
Primerios socorros
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Trabalho Primeiros Socorros com Séries Iniciais
Trabalho Primeiros Socorros com Séries IniciaisTrabalho Primeiros Socorros com Séries Iniciais
Trabalho Primeiros Socorros com Séries Iniciais
 
NBR 14280 acidente
NBR 14280 acidenteNBR 14280 acidente
NBR 14280 acidente
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Atendimento pré hospitalar v2
Atendimento pré hospitalar v2Atendimento pré hospitalar v2
Atendimento pré hospitalar v2
 
Queimaduras cópia
Queimaduras   cópiaQueimaduras   cópia
Queimaduras cópia
 
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIASBIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
 
Atendimento aph
Atendimento aphAtendimento aph
Atendimento aph
 
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros  Proº Gilberto de JesusPrimeiros socorros  Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
 
Parada cardíaca
Parada cardíacaParada cardíaca
Parada cardíaca
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Parada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória aclsParada cardiorrespiratória acls
Parada cardiorrespiratória acls
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 

Semelhante a Atendimento pré hospitalar

instrução de prisoc básico.pptx
instrução de prisoc básico.pptxinstrução de prisoc básico.pptx
instrução de prisoc básico.pptx
FelipeCosta315398
 
Primeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptxPrimeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptx
ErnanePinheiro2
 
PRIMEIROSSOCORROS.ppt
PRIMEIROSSOCORROS.pptPRIMEIROSSOCORROS.ppt
PRIMEIROSSOCORROS.ppt
consultingtecnico
 
Taet a10 - primeiros socorros
Taet   a10 - primeiros socorrosTaet   a10 - primeiros socorros
Taet a10 - primeiros socorros
May Mello
 
Aula-de-Primeiros-Socorros-SENAC.pdf
Aula-de-Primeiros-Socorros-SENAC.pdfAula-de-Primeiros-Socorros-SENAC.pdf
Aula-de-Primeiros-Socorros-SENAC.pdf
Marcus45753
 
Noções de Primeiros Socorros - NPS
Noções de Primeiros Socorros - NPSNoções de Primeiros Socorros - NPS
Noções de Primeiros Socorros - NPS
Carol Quadros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
CFCParaty
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
miguel_ytchu
 
primeiros-socorros.ppt
primeiros-socorros.pptprimeiros-socorros.ppt
primeiros-socorros.ppt
Rodolpho David
 
7- Queimaduras, Acidente vascular encefálico (AVE), Infarto agudo do miocárdi...
7- Queimaduras, Acidente vascular encefálico (AVE), Infarto agudo do miocárdi...7- Queimaduras, Acidente vascular encefálico (AVE), Infarto agudo do miocárdi...
7- Queimaduras, Acidente vascular encefálico (AVE), Infarto agudo do miocárdi...
ElioenaiAlmeida1
 
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptxPrimeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
MeiderLeister1
 
primeiros-socorros.ppt
primeiros-socorros.pptprimeiros-socorros.ppt
primeiros-socorros.ppt
PedroLimaGasparinho
 
Primeiro socorros.pptx
Primeiro socorros.pptxPrimeiro socorros.pptx
Primeiro socorros.pptx
RodolfoFreitas21
 
Apostila 1º socorros
Apostila 1º socorrosApostila 1º socorros
Apostila 1º socorros
Fernando Gomes
 
Trauma de face
Trauma de face Trauma de face
Trauma de face
João Batista Zanirato
 
Apostilha do tripulante de ambulância
Apostilha do tripulante de ambulânciaApostilha do tripulante de ambulância
Apostilha do tripulante de ambulância
Dalila_Marcao
 
NOÇOES BASICAS DE PRIMEIRO SOCORROS -2015.pptx
NOÇOES BASICAS DE PRIMEIRO SOCORROS -2015.pptxNOÇOES BASICAS DE PRIMEIRO SOCORROS -2015.pptx
NOÇOES BASICAS DE PRIMEIRO SOCORROS -2015.pptx
EduardoFernandes203846
 
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptxnoçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
Daniela Chucre
 
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
DiegoMenezes36
 
NR07---Treinamento---Basico-Primeiros-Socorros---2022.pptx
NR07---Treinamento---Basico-Primeiros-Socorros---2022.pptxNR07---Treinamento---Basico-Primeiros-Socorros---2022.pptx
NR07---Treinamento---Basico-Primeiros-Socorros---2022.pptx
Francimar Alves Martins Martins
 

Semelhante a Atendimento pré hospitalar (20)

instrução de prisoc básico.pptx
instrução de prisoc básico.pptxinstrução de prisoc básico.pptx
instrução de prisoc básico.pptx
 
Primeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptxPrimeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptx
 
PRIMEIROSSOCORROS.ppt
PRIMEIROSSOCORROS.pptPRIMEIROSSOCORROS.ppt
PRIMEIROSSOCORROS.ppt
 
Taet a10 - primeiros socorros
Taet   a10 - primeiros socorrosTaet   a10 - primeiros socorros
Taet a10 - primeiros socorros
 
Aula-de-Primeiros-Socorros-SENAC.pdf
Aula-de-Primeiros-Socorros-SENAC.pdfAula-de-Primeiros-Socorros-SENAC.pdf
Aula-de-Primeiros-Socorros-SENAC.pdf
 
Noções de Primeiros Socorros - NPS
Noções de Primeiros Socorros - NPSNoções de Primeiros Socorros - NPS
Noções de Primeiros Socorros - NPS
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
 
primeiros-socorros.ppt
primeiros-socorros.pptprimeiros-socorros.ppt
primeiros-socorros.ppt
 
7- Queimaduras, Acidente vascular encefálico (AVE), Infarto agudo do miocárdi...
7- Queimaduras, Acidente vascular encefálico (AVE), Infarto agudo do miocárdi...7- Queimaduras, Acidente vascular encefálico (AVE), Infarto agudo do miocárdi...
7- Queimaduras, Acidente vascular encefálico (AVE), Infarto agudo do miocárdi...
 
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptxPrimeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
 
primeiros-socorros.ppt
primeiros-socorros.pptprimeiros-socorros.ppt
primeiros-socorros.ppt
 
Primeiro socorros.pptx
Primeiro socorros.pptxPrimeiro socorros.pptx
Primeiro socorros.pptx
 
Apostila 1º socorros
Apostila 1º socorrosApostila 1º socorros
Apostila 1º socorros
 
Trauma de face
Trauma de face Trauma de face
Trauma de face
 
Apostilha do tripulante de ambulância
Apostilha do tripulante de ambulânciaApostilha do tripulante de ambulância
Apostilha do tripulante de ambulância
 
NOÇOES BASICAS DE PRIMEIRO SOCORROS -2015.pptx
NOÇOES BASICAS DE PRIMEIRO SOCORROS -2015.pptxNOÇOES BASICAS DE PRIMEIRO SOCORROS -2015.pptx
NOÇOES BASICAS DE PRIMEIRO SOCORROS -2015.pptx
 
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptxnoçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
 
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
 
NR07---Treinamento---Basico-Primeiros-Socorros---2022.pptx
NR07---Treinamento---Basico-Primeiros-Socorros---2022.pptxNR07---Treinamento---Basico-Primeiros-Socorros---2022.pptx
NR07---Treinamento---Basico-Primeiros-Socorros---2022.pptx
 

Atendimento pré hospitalar

  • 1. Mauricio Cesar Soares Técnico em Segurança do Trabalho MTE: 0062851/SP
  • 2. • PROCEDIMENTOS ADOTADOS PARA MANTER E RESGUARDAR A INTEGRIDADE DA VÍTIMA, ENQUANTO SE AGUARDA A CHEGADA DE ATENDIMENTO MÉDICO ESPECIALIZADO.
  • 3. Corpo de Bombeiros – 193 Polícia Militar – 190 Ambulância – SAMU 192 Defesa Civil – 199
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. VERIFIQUE SE HÁ CONDIÇÕES DE SEGURANÇA, PARA SER FEITO O ATENDIMENTO A VÍTIMA SEU OBJETIVO É AVALIAR O FATO OCORRIDO E O NÚMERO DE VÍTIMAS “FOTO” MENTAL DO LOCAL PARA DETERMINAR OS ITENS ANTERIORES “CINEMÁTICA DO TRAUMA”
  • 8.
  • 9.
  • 10. AJOELHE-SE AO LADO DA VÍTIMA, COLOQUE SUAS MÃOS SOBRE O OMBRO, E TENTE CONVERSAR COM A VÍTIMA. DIGA: SEU NOME, EU TENHO CONHECIMENTOS DE PRIMEIROS SOCORROS E POSSO TE AJUDAR ! PERGUNTE: OLÁ, VOCÊ PODE ME OUVIR ! REPITA POR 3 VEZES
  • 11. VERIQUE: Se a boca abre naturalmente; Se existe sangue ou outros fluídos; Se existem dentes partidos; Se existem próteses dentárias soltas.
  • 12. ER - ELEVAÇÃO DO TÓRAX UVIR - RUÍDOS RESPIRATÓRIOS ENTIR - A EXALAÇÃO DO AR V O S
  • 13.
  • 14. Crianças com menos de 1 ano verificar circulação pelo pulso braquial
  • 15. A - ALERTA V - VERBAL D - DOLOROSO I - INCONSCIENTE NÍVEL DE CONSCIÊNCIA
  • 17. Quando for retirar as vestes da vítima, sempre cortar nas costuras para que a roupa possa ser reaproveitada, zelar pela integridade física e moral do paciente. Atentar quanto a temperatura do local, pois não se esqueça que uma temperatura abaixo de 35º C, pode ocasionar uma Hipotermia.
  • 18. - SOCORRISTA / 1 FAZ O ALINHAMENTO DA CABEÇA DA VÍTIMA E MANTÉM FIRME COM UMA LEVE TENSÃO, MANTENDO A PERMEABILIDADE DAS VIAS AÉREAS E A ELEVAÇÃO DA MANDÍBULA, COLOCANDO OS POLEGARES NO MAXILAR, OS DEDOS INDICADORES NA MANDÍBULA E OS DEDOS MÉDIOS NA REGIÃO OCCIPITAL.
  • 19. - SOCORRISTA / 2 DEVERÁ COLOCAR PRIMEIRO A PARTE DE TRÁS DO COLAR, DESLIZANDO POR BAIXO DO PESCOÇO DA VÍTIMA, POSICIONAR A PARTE DA FRENTE DO COLAR ENCAIXANDO-A AO QUEIXO DO PACIENTE, APERTAR O COLAR FIRMEMENTE E PRENDER O VELCRO.
  • 20.
  • 21. BUSCA CEGA • POSICIONAR A VÍTIMA DE COSTAS. • ABRIR A BOCA DA VÍTIMA SEGURANDO A LÍNGUA E O QUEIXO COM O POLEGAR E O INDICADOR. • INTRODUZIR O SEU DEDO INDICADOR NA CAVIDADE ORAL AO LONGO DA FACE INTERNA DA BOCHECHA, O MAIS PROFUNDO QUE CONSEGUIR, PRÓXIMO A BASE DA LÍNGUA. • RETIRAR O DEDO EM FORMATO DE “GANCHO” TENTANDO TRAZER O CORPO ESTRANHO.
  • 22. SÉRIE DE COMPRESSÕES ABDOMINAIS QUE SIMULAM O EFEITO DA TOSSE ESTIMULANDO A VÍTIMA A EXPELIR O CORPO ESTRANHO
  • 23. Inicie abraçando a pessoa pela cintura firmando os punhos entre as costelas e o abdome. Puxe a pessoa para cima e em sua direção, rápida e vigorosamente quantas vezes forem necessárias
  • 25. Usando uma cadeira a vítima pode se auto-aplicar a manobra colocando as mãos entre o abdome e o tórax e pressioná-la na borda do encosto da cadeira.
  • 26. Com o punho fechado, posicionar a mão abaixo do tórax. Realizar cinco compressões, até a criança expelir o corpo estranho
  • 27. Retirar o objeto com um dos dedos, apenas se ele estiver visível cColocar os dedos na metade do osso esterno e realizar cinco compressões
  • 28. Posicionar o bebê de bruços apoiando-o no antebraço e aplicar cinco “pancadinhas” entre as escápulas.
  • 29. EFETUE 2 VENTILAÇÕES, CASO A VÍTIMA NÃO VOLTE A RESPIRAR, CHEQUE O PULSO E FAÇA IMEDIATAMENTE A REANIMAÇÃO CARDIO-PULMONAR
  • 30.
  • 31.
  • 32. OBSERVAR, ESCUTAR E SENTIR A RESPIRAÇÃO, E NA AUSÊNCIA DESTES SINAIS:
  • 33. FAÇA 30 COMPRESSÕES, POR 2 INSUFLAÇÕES E APÓS O PROCEDIMENTO CHEQUE O PULSO CAROTÍDEO.
  • 34. LIBERAR AS VIAS AÉREAS, HIPEREXTENDENDO O PESCOÇO E ELEVANDO A MANDÍBULA.
  • 35. COM O AUXÍLIO DE UMA DAS MÃOS TAPAR O NARIZ, E COM A OUTRA MANTER A MANDÍBULA ELEVADA, ENQUANTO SE REALIZA AS INSUFLAÇÕES.
  • 36. EM CRIANÇAS, O PROCEDIMENTO É O MESMO ADOTADO PARA OS ADULTOS, SENDO QUE A MASSAGEM É SOMENTE COM UMA DAS MÃOS
  • 37. EM BEBÊS DEVE SER FEITO A RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL ENVOLVENDO A BOCA E O NARIZ, SENDO QUE A MASSAGEM É REALIZADA COM APENAS DOIS DEDOS.
  • 38.
  • 39.
  • 40. RELACIONAR O LOCAL COM A VÍTIMA
  • 41. EXAME DA CABEÇA AO PÉS a. Cabeça - Ferimentos ou deformidades - Secreção pela boca, ouvido e nariz - Hálito, dentes quebrados e próteses dentárias b. Pescoço - Ferimentos ou deformidades - Desvio de traquéia - Resistência ou dor ao movimento - Crepitação c. Tórax e Abdome - Ferimentos ou deformidades - Dor Local, local avermelhado - Respiração Assimétrica - Crepitação * FAZER EXAME NA PELVE*
  • 42. d. Membros Superiores e Inferiores - Ferimentos ou deformidades - Perfusão Lenta - Resistência ou dor ao movimento - Resposta neurológica (sensibilidade, motricidade e força muscular)
  • 43. FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA 12 a 20 mrm - < 12 e > 30 mrm - ALTERADA (Vítima Grave) FREQUÊNCIA CARDÍACA 60 a 100 bpm – NORMAL < 60 e > 110 bpm – ALTERADA Pressão Arterial Sistólica: Não deve ser menor que 90mmHg. Pupilas: - Reativa ou Não Reativa; - Simétrica ou Assimétrica; - Midríase (dilatada) ou Miose (contraída) Perfusão Capilar: Normal , Lenta ou Nula.
  • 44.
  • 45. É a perda de sangue devido ao rompimento de um vaso sanguíneo - veia ou artéria. Pode ser interna ou externa. ARTERIAL CAPILAR VENOSO
  • 46. Artérias, são vasos sanguíneos que carregam o sangue do coração, para o resto do corpo. ARTÉRIAS
  • 47. Veias, são vasos sanguíneos que levam o sangue do organismo, de volta para o coração. VEIAS
  • 48. ATENÇÃO PARA:  Roupa grossa e  Locais que possam absorver líquidos.
  • 49. Sudorese, Palidez, Pulso Rápido e Fraco, Pele Fria, Dispnéia e Perfusão Lenta ou Nula
  • 50. CLASSE I - até 15% = 750 ml - Doador Sintomas: Taquicardia, Taqpnéia e Palidez CLASSE II - 15 a 30% = 1.500 ml Sintomas: Taquicardia, Taqpnéia, Palidez e P.A. NORMAL CLASSE III - 30 a 40% = 1.500ml a 2.000 ml - Estado de Choque Sintomas: Taquicardia, Taqpnéia, Palidez e P.A. BAIXA CLASSE IV - > 40% = 2.000 ml - Exsanguinação - S.A.V. INTERVENÇÃO MÉDICA
  • 51. Pressão de pontos arteriais Elevação de membro Pinçamento Compressão local
  • 52.
  • 53. - Observar presença de grandes hematomas. - Observar saída de sangue por orifícios naturais (ouvido,nariz,boca,vagina e ânus). - Relacionar a lesão com a natureza da ocorrência. - Verificar a queixa principal da vítima. - Observar sinais e sintomas de choque hemodinâmico.
  • 54.
  • 55. São definidas como uma interrupção na continuidade do osso.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62. • Lesão produzida no tecido de revestimento do organismo por agentes térmicos, produtos químicos, radiação ionizante, eletrocussão, etc. • As queimaduras são classificadas quanto a profundidade e extensão.
  • 63. Atinge somente a epiderme. Caracteriza-se por dor local e vermelhidão da área atingida.
  • 64. Atinge a epiderme e a derme. Caracteriza-se por dor local, vermelhidão e formação de bolhas.
  • 65. Atinge o tecido de revestimento, alcançando o tecido muscular, podendo chegar até o ósseo.
  • 67. 18 % 18 % 14 % 18 % 18 % 14 % 09 na frente 09 atrás.
  • 68.  Retirar parte da roupa que esteja em volta da área queimada.  Retirar anéis e pulseiras da vítima, para não estrangularem as extremidades dos membros, quando incharem.  As queimaduras de 1º grau podem ser banhadas com água fria para amenizar a dor.  Não perfurar as bolhas em queimaduras de 2º grau.  Não aplicar medicamentos nas queimaduras.  Cobrir a área queimada com um plástico limpo.  Se a vítima estiver consciente, dar-lhe água.  Evitar (ou tratar) o estado de choque.  Transportar a vítima com urgência para um hospital especializado.
  • 69.  Retirar a roupa da vítima impregnada com agente químico.  Lavar o local afetado com água corrente sem esfregá-lo — 5 minutos para ácidos, 15 minutos para álcalis e 20 minutos para cáusticos desconhecidos.  Se o agente agressor for cal virgem seco, não usar água; removê-lo com escova macia.  Nos demais casos, proceder como nas queimaduras térmicas.
  • 70.
  • 71. Infarto - do latim Infartare = morrer Agudo - súbito Miocárdio = Músculo do Coração
  • 72. Dor em opressão no tórax, de forte intensidade, que pode se estender para o ombro, braço esquerdo, pescoço, mandíbula, região epigástrica (estômago) e dorso que não melhora com o repouso. - Sudorese, náuseas e vômitos, ansiedade, agitação, palidez cutânea e pulso arrítmico. - Antecedente de doença cardíaca e/ou uso de medicamentos para o coração.
  • 73. O AVC, mais conhecido como derrame cerebral consiste no entupimento ou rompimento de uma artéria cerebral, interrompendo assim o irrigamento sanguíneo da área afetada. É uma doença de início súbito, que pode ocorrer por dois motivos: isquemia ou hemorragia.
  • 74. • Pedir para que a pessoa sorria. • Pedir para que levante os braços. • Dê uma ordem ou peça que a pessoa repita alguma frase simples. A vítima pode apresentar tontura, formigamento, perda de consciência, pupilas desiguais, queda súbita, dor repentina e muito forte na cabeça.
  • 75. Ocorre uma tormenta mental, causando desmaio e podendo evoluir até uma Parada Cardiorrespiratória Proteger a vítima, colocar em decúbito lateral, ministrar O² cerca de 10 lts/m.
  • 76.
  • 77. É A FALÊNCIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO, COM BAIXA PERFUSÃO PERIFÉRICA .
  • 78. 1. HIPOVOLÊMICO : Causado pela perda de fluído em quantidade suficiente para evitar o enchimento capilar. HEMORRÁGICO 2. ANAFILÁTICO: Resulta de uma REAÇÃO ALÉRGICA severa, que produz e libera substâncias VASODILATADORAS. 3. SÉPTICO: Causado por infecções graves que liberam TOXINAS. 4. TÉRMICO: Resulta de mudança brusca de TEMPERATURA corporal
  • 79. 1. PELE: FRIA E PEGAJOSA 2. SUOR: NA TESTA E NAS PALMAS DAS MÃOS 3. FACE: PÁLIDA, COM EXPRESSÃO DE ANSIEDADE 4. FRIO: A VÍTIMA QUEIXA-SE DE SENSAÇÃO DE FRIO, CHEGANDO ÀS VEZES A TER TREMORES 5. NÁUSEAS E VÔMITOS 6. RESPIRAÇÃO: CURTA, RÁPIDA E IRREGULAR 7. SEDE, AGITAÇÃO E CONFUSÃO MENTAL 8. VISÃO: NUBLADA 9. PULSO: FRACO E RÁPIDO (adulto >100 bpm, bebês e crianças > 120 bpm) 10. PODERÁ ESTAR TOTAL OU PARCIALMENTE INCONSCIENTE
  • 80. Seccionamento de tronco Decapitação Calcinação ou carbonização Rigidez cadavérica Manhas hipostáticas Putrefação
  • 81. Salvar vidas é uma arte, e nem sempre temos o domínio dela, mas pela nossa condição de seres humanos, a omissão ao ato de socorrer alguém, não fica só no âmbito jurídico, mas na consciência de quem deixou de prestar socorro.
  • 82. A.H.A. – American Heart Association - http://www.heart.org/HEARTORG/ Conselho Federal de Medicina – CFM http://portal.cfm.org.br/ Conselho Federal de Enfermagem – COFEN http://novo.portalcofen.gov.br/