SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
Rodrigo Abreu
Acolhimento
O acolhimento é um modo de operar os
processos de trabalho em saúde de forma a
atender a todos que procuram os serviços de
saúde, ouvindo seus pedidos e assumindo no
serviço uma postura capaz de acolher, escutar
e dar respostas mais adequadas aos usuários.
Caracteristicas do Acolhimento


• Proporcionar maior Resolubilidade;
• Verificar a real necessidade do
  paciente;
• Identificar Riscos ;
• Humanizar a Assistência;
• Abordagem Integral;
• Redução e Dinamização no tempo de
  Espera.
Importância para Enfermagem
• Participação do Enfermeiro em todas as etapas da
  assistência;
• Maior conhecimento da situação real do paciente;
• Melhor Aplicabilidade da SAE;
• Maior atuação e valorização do enfermeiro na
  equipe Multidisciplinar;
• Desmistificação do papel de “Enfermeiro
  Burocrata” ;
• Maior respeito e credibilidade do paciente
  com o enfermeiro.
Classificação de Risco
É um processo dinâmico de identificação dos
pacientes que necessitam de tratamento imediato,
de acordo com o potencial de risco, agravos à saúde
ou grau de sofrimento.

Deve ser realizado por profissional de saúde, de nível
superior, mediante treinamento específico e
utilização de protocolos pré-estabelecidos e tem por
objetivo avaliar o grau de urgência das queixas dos
pacientes, colocando-os em ordem de prioridade
para o atendimento.
CONSULTA DE ENFERMAGEM: DECRETO 99406/87 –
  PRIVATIVA DO ENFERMEIRO (RESOLUÇÃO COFEN –
                          159)
• Utiliza componentes do método científico para identificar
  situações de saúde/doença; prescrever, implementar
  medidas de enfermagem que contribuam para
  promoção, prevenção e recuperação da saúde e
  reabilitação do indivíduo, família e comunidade.

• PORTANTO O COREN RESOLVE:
  Art.1º. – Em todos os níveis de assistência à saúde, seja
  em instituição pública ou privada, a consulta de
  enfermagem deve ser obrigatoriamente desenvolvida na
  Assistência de Enfermagem.
Triagem
            X
Classificação de Risco
• Triagem
  É o encaminhamento do paciente para determinada
  especialidade médica, de acordo com os sintomas ou
  pela simples demanda espontânea.
  Pode ser realizado por qualquer pessoa, independente
  da formação profissional.

• Classificação de Risco
  Forma de atender os diferentes graus de especificidade
  e resolutividade na assistência realizada aos agravos de
  forma que, a assistência prestada seja de acordo com
  diferentes graus de necessidades ou sofrimento e não
  mais impessoal e por ordem de chegada.
Objetivos da Classificação de Risco
•   Organização no fluxo de trabalho;
•   Especificidade e Resolubilidade na Assistência;
•   Avaliação integral do Paciente;
•   Descongestionar as Emergências;
•   Reduzir o tempo para o atendimento;
•   Direcionar o paciente à especialidade necessária;
•   Evitar que o paciente seja visto por diversas
    especialidades médicas, desnecessáriamente.
Classificação de Risco
Após avaliação primária do paciente, ele é encaminhado para o
atendimento médico, de acordo com sua complexidade e necessidade
específica.

O paciente é direcionado para áreas que possuam recursos tecnológicos e
força de trabalho específica, otimizando a assistência a ser prestada.

Durante o acolhimento com classificação de risco deve-se:
     ⇒ Analisar Situação/Queixa/ Duração
     ⇒ Breve Histórico
     ⇒ Uso de Medicações
     ⇒ Verificação de Sinais Vitais
     ⇒ Exame físico sumário buscando sinais objetivos
     ⇒ Verificação da glicemia e eletrocardiograma se necessário.
Área Azul – Prioridade 3
• Área destinada ao atendimento de consultas de baixa e
  média complexidade;
• Atendimento de acordo com o horário de chegada ;
• Tempo de espera pode variar até 3 horas de acordo
  com a demanda destes atendimentos;
⇒ Queixas crônicas sem alterações agudas
⇒ Procedimentos como : curativos, trocas ou requisições
  de receitas médicas, avaliação de resultados de
  exames, solicitações de atestados médicos
⇒ Após a consulta médica e medicação o paciente é
  liberado.
Área Verde – Prioridade 2
• Pacientes não críticos,
em observação ou
internados aguardando
vagas nas unidades de
internação ou remoções
para outros hospitais.
• Pacientes em condições agudas (urgência relativa) ou não agudas
  atendidos com prioridade sobre consultas simples – espera até 30
  minutos;
• Idade superior a 60 anos
• Gestantes com complicações da gravidez
• Deficientes físicos
• Retornos com período inferior a 24 h, devido a não melhora do quadro
• Impossibilidade de deambulação
• Asma fora de crise
• Enxaqueca – pacientes com diagnóstico anterior de enxaqueca
• Dor de ouvido moderada a grave
• Dor abdominal sem alteração de sinais vitais
• Sangramento vaginal sem dor abdominal ou com dor abdominal leve
• Vômitos e diarréia sem sinais de desidratação
• História de convulsão sem alteração de consciência
• Intercorrências ortopédicas (entorse suspeita de fraturas, luxações).
• Pacientes com ferimentos deverão ser encaminhados diretamente para a
  sala de sutura.
Área Amarela – Prioridade 1
• Área destinada a assistência de pacientes críticos ou semi-
  críticos;
• Pacientes que necessitam de atendimento médico e de
  enfermagem o mais rápido possível, porém não correm
  riscos imediatos de vida. Deverão ser encaminhados
  diretamente à sala de consulta de enfermagem para
  classificação de risco;
• urgência com atendimento em no máximo 15 minutos
Situação/Queixa:
• Politraumatizado com Glasgow entre 13 e 15; sem
  alterações de sinais vitais.
• Cefaléia intensa de início súbito, acompanhada de sinais ou
  sintomas neurológicos
• TCE leve (ECG entre 13 e 15)
• Diminuição do nível de consciência
• História de Convulsão nas últimas 24 horas
• Dor torácica intensa
• Crise asmática
• Diabético apresentando – sudorese, alteração do estado
  mental, visão turva, febre,vômitos, taquipnéia, taquicardia
• Desmaios
•   Estados de pânico, overdose.
•    Alterações de Sinais Vitais em paciente sintomático
•   a. FC < 50 ou > 140
•   b. PA sistólica < 90 ou > 240
•   c. PA diastólica > 130
•   d. T < 35 ou > 40
•    História recente de melena ou hematêmese ou enterorragia
•   Epistaxe com alteração de sinais vitais
•    Dor abdominal intensa
•   Sangramento vaginal com dor abdominal e alteração de sinais vitais
•    gravidez confirmada ou suspeita
•    Náuseas /Vômitos e diarréia persistente com sinais de desidratação grave
•   Febre alta ( 39/40.º C)
•    Fraturas anguladas e luxações com comprometimento neuro-vascular ou dor
    intensa
•    Intoxicação exógena sem alteração de sinais vitais, Glasgow de 15
•    Vítimas de abuso sexual
•    Imunodeprimidos com febre
Área Vermelha – Prioridade Zero




Pacientes com necessidade de atendimento imediato.
Situação /Queixa
• Politraumatizado grave – ECG < 12;
• Queimaduras com mais de 25% de área de
  superfície corporal queimada
• TCE grave – ECG <12
• Estado mental alterado ou em coma ECG <12;
• História de uso de drogas.
• TRM
• Desconforto respiratório grave
• Dor precordial acompanhada de outros sintomas clínicos,
  associado à falta de ar e cianose , sem melhora com
  repouso.
• Perfurações no peito, abdome e cabeça.
• Crises convulsivas (inclusive pós-crise)
• Intoxicações exógenas ou tentativas de suicídio com
  Glasgow abaixo de 12
• Anafilaxia ou reações alérgicas associadas a insuficiência
  respiratória
• Complicações de diabetes (hipo ou hiperglicemia).
• Parada cardiorrespiratória
• Alterações de Sinais Vitais em paciente sintomático
• Pulso > 140 ou < 45
• PA diastólica > 130 mmHg
• PA sistólica < 80 mmHg
• FR >34 ou <10
• Hemorragias não controláveis
• Infecções graves – febre, exantema petequial ou
  púrpura, alteração do nível de consciência.
• Perda de consciência, mesmo que momentânea,
  após acidente.
• Fraturas de costelas.
• Possível aspiração
• Possível contusão pulmonar
• Pacientes com alterações neurológicas graves
• Traumas Abdominais
• Lesões perfurantes em tórax ou Abdome
• Paciente com sinais de Hipoglicemia
Em Resumo...
• O Acolhimento com Classificação de Risco é
  um processo da prática do enfermeiro, na
  perspectiva de concretização de um modelo
  assistencial adequado às condições das
  necessidades de saúde da população.

• Esse processo permite maior aproximação do
  paciente, tornando o enfermeiro peça
  fundamental em todas as fases do processo
  assistencial.
Obrigado!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Renata Araújo
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 

Mais procurados (20)

Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga
Triagem de Manchester - Hospital Municipal de Viana Kapalanga
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
O sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de ManchesterO sistema de classificação de risco de Manchester
O sistema de classificação de risco de Manchester
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e Emergência
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 

Destaque

Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RSProtocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
Everton Ianiak
 
HumanizaSUS classificação de risco
HumanizaSUS   classificação de  riscoHumanizaSUS   classificação de  risco
HumanizaSUS classificação de risco
Ismael Costa
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
Felipe Cavalcanti
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Cassio Luiz Barbosa
 
Classificação de-risco-para-prioridade-de-atend
Classificação de-risco-para-prioridade-de-atendClassificação de-risco-para-prioridade-de-atend
Classificação de-risco-para-prioridade-de-atend
airtoncs1966
 
Programa de valorização profissional da atenção básica leva 4.392 médicos a 1...
Programa de valorização profissional da atenção básica leva 4.392 médicos a 1...Programa de valorização profissional da atenção básica leva 4.392 médicos a 1...
Programa de valorização profissional da atenção básica leva 4.392 médicos a 1...
Ministério da Saúde
 
Ausculta cardíaca
Ausculta cardíacaAusculta cardíaca
Ausculta cardíaca
Samuel Abner
 
Qualidade no Atendimento
Qualidade no AtendimentoQualidade no Atendimento
Qualidade no Atendimento
Elias Guilherme
 

Destaque (18)

Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RSProtocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
 
Fluxograma manchester
Fluxograma manchesterFluxograma manchester
Fluxograma manchester
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
 
HumanizaSUS classificação de risco
HumanizaSUS   classificação de  riscoHumanizaSUS   classificação de  risco
HumanizaSUS classificação de risco
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
 
Humanização
 Humanização Humanização
Humanização
 
Painel 03 02 - joão batista - classificação de risco de transferências volu...
Painel 03   02 - joão batista - classificação de risco de transferências volu...Painel 03   02 - joão batista - classificação de risco de transferências volu...
Painel 03 02 - joão batista - classificação de risco de transferências volu...
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
 
Classificação de-risco-para-prioridade-de-atend
Classificação de-risco-para-prioridade-de-atendClassificação de-risco-para-prioridade-de-atend
Classificação de-risco-para-prioridade-de-atend
 
Ausculta
AuscultaAusculta
Ausculta
 
Gerenciamento das Urgências e Emergências
Gerenciamento das Urgências e EmergênciasGerenciamento das Urgências e Emergências
Gerenciamento das Urgências e Emergências
 
Manual do Gestor Médico | Clínica Médica
Manual do Gestor Médico | Clínica MédicaManual do Gestor Médico | Clínica Médica
Manual do Gestor Médico | Clínica Médica
 
Atendimento ao cliente
Atendimento ao cliente   Atendimento ao cliente
Atendimento ao cliente
 
Programa de valorização profissional da atenção básica leva 4.392 médicos a 1...
Programa de valorização profissional da atenção básica leva 4.392 médicos a 1...Programa de valorização profissional da atenção básica leva 4.392 médicos a 1...
Programa de valorização profissional da atenção básica leva 4.392 médicos a 1...
 
Ausculta cardíaca
Ausculta cardíacaAusculta cardíaca
Ausculta cardíaca
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._francoApresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
 
Qualidade no Atendimento
Qualidade no AtendimentoQualidade no Atendimento
Qualidade no Atendimento
 

Semelhante a Classificação

Urgências e emergências na atenção básica.pptx
Urgências e emergências na atenção básica.pptxUrgências e emergências na atenção básica.pptx
Urgências e emergências na atenção básica.pptx
EduardoMachado69756
 
Avaliação Pré operatória em Geriatria
Avaliação Pré operatória em GeriatriaAvaliação Pré operatória em Geriatria
Avaliação Pré operatória em Geriatria
uhgeri
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mangoTeorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
Raimundo Bany
 

Semelhante a Classificação (20)

Transplante Cardíaco
Transplante CardíacoTransplante Cardíaco
Transplante Cardíaco
 
Classificação de Risco.pptx
Classificação de Risco.pptxClassificação de Risco.pptx
Classificação de Risco.pptx
 
Urgências e emergências na atenção básica.pptx
Urgências e emergências na atenção básica.pptxUrgências e emergências na atenção básica.pptx
Urgências e emergências na atenção básica.pptx
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
 
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdf
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdfgerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdf
gerenciamento4-140919064325-phpapp01.pdf
 
Avaliação Pré operatória em Geriatria
Avaliação Pré operatória em GeriatriaAvaliação Pré operatória em Geriatria
Avaliação Pré operatória em Geriatria
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Urgência e emergência para tec de enfermagem.pptx
Urgência e emergência para tec de enfermagem.pptxUrgência e emergência para tec de enfermagem.pptx
Urgência e emergência para tec de enfermagem.pptx
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mangoTeorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
 
SINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdfSINAIS VITAIS pronta.pdf
SINAIS VITAIS pronta.pdf
 
Histerectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagemHisterectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagem
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 
Apostila
 Apostila Apostila
Apostila
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
 
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
AULA 08-10-22 - PAPEL DO TECNICO DE ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CERTO...
 

Mais de Rodrigo Abreu

Aula 3 pesquisas eletrônicas
Aula 3   pesquisas eletrônicasAula 3   pesquisas eletrônicas
Aula 3 pesquisas eletrônicas
Rodrigo Abreu
 
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Rodrigo Abreu
 
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Aula 1   elaboração de trabalhos científicosAula 1   elaboração de trabalhos científicos
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Rodrigo Abreu
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Rodrigo Abreu
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Rodrigo Abreu
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
Rodrigo Abreu
 

Mais de Rodrigo Abreu (20)

Aula 3 pesquisas eletrônicas
Aula 3   pesquisas eletrônicasAula 3   pesquisas eletrônicas
Aula 3 pesquisas eletrônicas
 
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
 
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Aula 1   elaboração de trabalhos científicosAula 1   elaboração de trabalhos científicos
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
 
Ciclo iii 04
Ciclo iii 04Ciclo iii 04
Ciclo iii 04
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
 
Ciclo iii 02
Ciclo iii 02Ciclo iii 02
Ciclo iii 02
 
Ciclo iii 01
Ciclo iii 01Ciclo iii 01
Ciclo iii 01
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapia
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Genero 08
Genero 08Genero 08
Genero 08
 
Genero 07
Genero 07Genero 07
Genero 07
 
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
 
Genero 06
Genero 06Genero 06
Genero 06
 
Genero 05
Genero 05Genero 05
Genero 05
 
Saude mental
Saude mentalSaude mental
Saude mental
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
 
Ciclo i 03
Ciclo i 03Ciclo i 03
Ciclo i 03
 
Ciclo i 04
Ciclo i 04Ciclo i 04
Ciclo i 04
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
 

Classificação

  • 2. Acolhimento O acolhimento é um modo de operar os processos de trabalho em saúde de forma a atender a todos que procuram os serviços de saúde, ouvindo seus pedidos e assumindo no serviço uma postura capaz de acolher, escutar e dar respostas mais adequadas aos usuários.
  • 3. Caracteristicas do Acolhimento • Proporcionar maior Resolubilidade; • Verificar a real necessidade do paciente; • Identificar Riscos ; • Humanizar a Assistência; • Abordagem Integral; • Redução e Dinamização no tempo de Espera.
  • 4. Importância para Enfermagem • Participação do Enfermeiro em todas as etapas da assistência; • Maior conhecimento da situação real do paciente; • Melhor Aplicabilidade da SAE; • Maior atuação e valorização do enfermeiro na equipe Multidisciplinar; • Desmistificação do papel de “Enfermeiro Burocrata” ; • Maior respeito e credibilidade do paciente com o enfermeiro.
  • 5. Classificação de Risco É um processo dinâmico de identificação dos pacientes que necessitam de tratamento imediato, de acordo com o potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento. Deve ser realizado por profissional de saúde, de nível superior, mediante treinamento específico e utilização de protocolos pré-estabelecidos e tem por objetivo avaliar o grau de urgência das queixas dos pacientes, colocando-os em ordem de prioridade para o atendimento.
  • 6. CONSULTA DE ENFERMAGEM: DECRETO 99406/87 – PRIVATIVA DO ENFERMEIRO (RESOLUÇÃO COFEN – 159) • Utiliza componentes do método científico para identificar situações de saúde/doença; prescrever, implementar medidas de enfermagem que contribuam para promoção, prevenção e recuperação da saúde e reabilitação do indivíduo, família e comunidade. • PORTANTO O COREN RESOLVE: Art.1º. – Em todos os níveis de assistência à saúde, seja em instituição pública ou privada, a consulta de enfermagem deve ser obrigatoriamente desenvolvida na Assistência de Enfermagem.
  • 7. Triagem X Classificação de Risco
  • 8. • Triagem É o encaminhamento do paciente para determinada especialidade médica, de acordo com os sintomas ou pela simples demanda espontânea. Pode ser realizado por qualquer pessoa, independente da formação profissional. • Classificação de Risco Forma de atender os diferentes graus de especificidade e resolutividade na assistência realizada aos agravos de forma que, a assistência prestada seja de acordo com diferentes graus de necessidades ou sofrimento e não mais impessoal e por ordem de chegada.
  • 9. Objetivos da Classificação de Risco • Organização no fluxo de trabalho; • Especificidade e Resolubilidade na Assistência; • Avaliação integral do Paciente; • Descongestionar as Emergências; • Reduzir o tempo para o atendimento; • Direcionar o paciente à especialidade necessária; • Evitar que o paciente seja visto por diversas especialidades médicas, desnecessáriamente.
  • 10. Classificação de Risco Após avaliação primária do paciente, ele é encaminhado para o atendimento médico, de acordo com sua complexidade e necessidade específica. O paciente é direcionado para áreas que possuam recursos tecnológicos e força de trabalho específica, otimizando a assistência a ser prestada. Durante o acolhimento com classificação de risco deve-se: ⇒ Analisar Situação/Queixa/ Duração ⇒ Breve Histórico ⇒ Uso de Medicações ⇒ Verificação de Sinais Vitais ⇒ Exame físico sumário buscando sinais objetivos ⇒ Verificação da glicemia e eletrocardiograma se necessário.
  • 11. Área Azul – Prioridade 3 • Área destinada ao atendimento de consultas de baixa e média complexidade; • Atendimento de acordo com o horário de chegada ; • Tempo de espera pode variar até 3 horas de acordo com a demanda destes atendimentos; ⇒ Queixas crônicas sem alterações agudas ⇒ Procedimentos como : curativos, trocas ou requisições de receitas médicas, avaliação de resultados de exames, solicitações de atestados médicos ⇒ Após a consulta médica e medicação o paciente é liberado.
  • 12. Área Verde – Prioridade 2 • Pacientes não críticos, em observação ou internados aguardando vagas nas unidades de internação ou remoções para outros hospitais.
  • 13. • Pacientes em condições agudas (urgência relativa) ou não agudas atendidos com prioridade sobre consultas simples – espera até 30 minutos; • Idade superior a 60 anos • Gestantes com complicações da gravidez • Deficientes físicos • Retornos com período inferior a 24 h, devido a não melhora do quadro • Impossibilidade de deambulação • Asma fora de crise • Enxaqueca – pacientes com diagnóstico anterior de enxaqueca • Dor de ouvido moderada a grave • Dor abdominal sem alteração de sinais vitais • Sangramento vaginal sem dor abdominal ou com dor abdominal leve • Vômitos e diarréia sem sinais de desidratação • História de convulsão sem alteração de consciência • Intercorrências ortopédicas (entorse suspeita de fraturas, luxações). • Pacientes com ferimentos deverão ser encaminhados diretamente para a sala de sutura.
  • 14. Área Amarela – Prioridade 1 • Área destinada a assistência de pacientes críticos ou semi- críticos; • Pacientes que necessitam de atendimento médico e de enfermagem o mais rápido possível, porém não correm riscos imediatos de vida. Deverão ser encaminhados diretamente à sala de consulta de enfermagem para classificação de risco; • urgência com atendimento em no máximo 15 minutos
  • 15. Situação/Queixa: • Politraumatizado com Glasgow entre 13 e 15; sem alterações de sinais vitais. • Cefaléia intensa de início súbito, acompanhada de sinais ou sintomas neurológicos • TCE leve (ECG entre 13 e 15) • Diminuição do nível de consciência • História de Convulsão nas últimas 24 horas • Dor torácica intensa • Crise asmática • Diabético apresentando – sudorese, alteração do estado mental, visão turva, febre,vômitos, taquipnéia, taquicardia • Desmaios
  • 16. Estados de pânico, overdose. • Alterações de Sinais Vitais em paciente sintomático • a. FC < 50 ou > 140 • b. PA sistólica < 90 ou > 240 • c. PA diastólica > 130 • d. T < 35 ou > 40 • História recente de melena ou hematêmese ou enterorragia • Epistaxe com alteração de sinais vitais • Dor abdominal intensa • Sangramento vaginal com dor abdominal e alteração de sinais vitais • gravidez confirmada ou suspeita • Náuseas /Vômitos e diarréia persistente com sinais de desidratação grave • Febre alta ( 39/40.º C) • Fraturas anguladas e luxações com comprometimento neuro-vascular ou dor intensa • Intoxicação exógena sem alteração de sinais vitais, Glasgow de 15 • Vítimas de abuso sexual • Imunodeprimidos com febre
  • 17. Área Vermelha – Prioridade Zero Pacientes com necessidade de atendimento imediato.
  • 18. Situação /Queixa • Politraumatizado grave – ECG < 12; • Queimaduras com mais de 25% de área de superfície corporal queimada • TCE grave – ECG <12 • Estado mental alterado ou em coma ECG <12; • História de uso de drogas. • TRM • Desconforto respiratório grave
  • 19. • Dor precordial acompanhada de outros sintomas clínicos, associado à falta de ar e cianose , sem melhora com repouso. • Perfurações no peito, abdome e cabeça. • Crises convulsivas (inclusive pós-crise) • Intoxicações exógenas ou tentativas de suicídio com Glasgow abaixo de 12 • Anafilaxia ou reações alérgicas associadas a insuficiência respiratória • Complicações de diabetes (hipo ou hiperglicemia). • Parada cardiorrespiratória • Alterações de Sinais Vitais em paciente sintomático • Pulso > 140 ou < 45 • PA diastólica > 130 mmHg • PA sistólica < 80 mmHg • FR >34 ou <10
  • 20. • Hemorragias não controláveis • Infecções graves – febre, exantema petequial ou púrpura, alteração do nível de consciência. • Perda de consciência, mesmo que momentânea, após acidente. • Fraturas de costelas. • Possível aspiração • Possível contusão pulmonar • Pacientes com alterações neurológicas graves • Traumas Abdominais • Lesões perfurantes em tórax ou Abdome • Paciente com sinais de Hipoglicemia
  • 22. • O Acolhimento com Classificação de Risco é um processo da prática do enfermeiro, na perspectiva de concretização de um modelo assistencial adequado às condições das necessidades de saúde da população. • Esse processo permite maior aproximação do paciente, tornando o enfermeiro peça fundamental em todas as fases do processo assistencial.