SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
NOÇÕES BÁSICAS DE
PRIMEIROS
SOCORROS
Docente: Rosemeire Moreira de Souza
O que é
Primeiros
Socorros?
CONCEITO
São os cuidados imediatos prestados a alguém
doente ou ferido, com o objetivo de manter as
suas funções vitais e evitar o agravamento de
suas condições, até que receba assistência
médica especializada.
PRIMEIROS SOCORROS
 Avaliar a situação.
 Manter a segurança da área.
 Avaliar o estado da vítima e administrar socorro de
emergência.
 Chamar por socorro
PRIMEIROS SOCORROS
Inicialmente deve-se ter em mente que quem presta
socorro deve:
OMISSÃO DE SOCORRO
• Código Penal
Art.135. Deixar de prestar assistência, quando possível
fazê-lo sem risco, à criança abandonada ou extraviada, ou
à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave
eminente perigo, ou não pedir nesses casos, o socorro da
autoridade pública:
PENA - DETENÇÃO
1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa
DECISÃO DE PRESTAR ATENDIMENTO
Algumas pessoas podem ser obrigadas a prestar
primeiros socorros no trabalho.
Por exemplo: bombeiros, profissionais da saúde,
comissários de bordo, salva-vidas e médicos...
FORA DE SERVIÇO, ELES PODEM DECIDIR SE DEVEM
PRESTAR OU NÃO OS PRIMEIROS SOCORROS
URGÊNCIA
X
EMERGÊNCIA
Ocorrência imprevista de agravo à saúde com ou sem
risco potencial de vida, cujo portador necessita de
assistência médica imediata.
URGÊNCIA
NÃO EXISTE PERIGO IMINENTE DE FALÊNCIA DE
QUALQUER DE SUAS FUNÇÕES VITAIS.
É a constatação médica de condições de danos à
saúde, que implicam em risco de morte, exigindo
tratamento médico imediato.
EMERGÊNCIA
RISCO EMINENTE DE VIDA
(FALÊNCIA DAS FUNÇÕES VITAIS).
CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
1 Necessitam de atendimento imediato.
CASOS DE EMERGÊNCIA
Necessitam de atendimento praticamente imediato.
CASOS MUITO URGÊNTES
3 Necessitam de atendimento rápido, mas pode aguardar.
CASOS DE URGÊNCIA
4 Necessitam de atendimento rápido, mas pode aguardar.
CASOS POUCO URGÊNTES
5
Podem aguardar atendimento ou serem transferidos para
outros serviços.
CASOS POUCO URGÊNTES
2
SEGURANÇA DA VÍTIMA E DO
SOCORRISTA
Avaliação do Local Quais os riscos potenciais?
• Choque elétrico
• Incêndio
• Vitimas secundárias
Eletricidade
Combustível
Atropelamento
SEGURANÇA DA VÍTIMA E
DO SOCORRISTA
Antes de tudo, certifique-se de que o local é seguro
para você e para a vítima sempre olhe sempre ao
redor e tenha certeza que o local continuará seguro.
Ao prestar primeiros
socorros, saiba seus limites.
Não seja mais uma vítima
UTILIZAÇÃO DO EPI
• Use proteção individual
Use luvas de proteção sempre que prestar
primeiros socorros.
Use proteção ocular se a vítima estiver
sangrando.
Use máscara sempre que necessitar realizar
ventilações. (Em caso de leigos não haverá
necessidade de administrar as
ventilações).
UTILIZAÇÃO DO EPI
• Exposição aos sangue ou fluidos corporais
A não utilização dos equipamentos de proteção
individual, deixará o socorrista exposto a contaminação
de doenças que são transmitidas através do sangue e
fluídos corporais.
HIV, causador da AIDS
Hepatite B
Hepatite C
REGRAS BÁSICAS
Manter a calma.
Afastar os curiosos e agir com rapidez e segurança;
Não remover a vítima, enquanto não tiver uma ideia
precisa da natureza e extensão dos seus ferimentos;
Evitar fazer a vítima sentar ou levantar;
Não tentar dar de beber à pessoa que estiver
inconsciente;
Nunca dar bebidas alcóolicas ao acidentado;
Ligar para ( SAMU 192, COBOM 193, POLICIA 190);
Em caso de suspeita de fratura ou luxação, não fazer
massagem, nem mudar a posição da vítima.
Não mexer em ferimentos com sangue já coagulado;
Acalmar a vítima e evitar que ela veja o ferimento.
REGRAS BÁSICAS
CADEIA DA SOBREVIVÊNCIA
São as ações mais importantes necessárias para
tratar emergências potencialmente fatais
Fonte: American Heart Association
Evitar Hemorragias;
Manter a Respiração;
Proteger as áreas queimadas;
Inspirar confiança;
 Chamar socorro o quanto antes;
Evitar pânico.
MEDIDAS IMPORTANTES
ACIDENTES EM GERAL
 Análise Primária
A análise primária é uma avaliação realizada
sempre que a vítima está inconsciente e é
necessária para se detectar as condições que
colocam em risco iminente a vida da vítima. Ela
se desenvolve obedecendo às seguintes etapas
determinar inconsciência
abrir vias aéreas
checar respiração
checar circulação
checar grandes hemorragias
CHECAR RESPOSTA DA VÍTIMA
• Nível de Consciência:
 Consciente
 Análise das possíveis causas.
NÍVEL DE CONSCIÊNCIA
“Bata-lhe no ombro da pessoa e grite “Você está bem?”, se
ela responder, se identifique, diga a pessoa que você
está ali para ajuda-la e peça permissão para ajuda-la e
pergunte qual o problema.
• Nível de Consciência:
Inconsciente
Se a vítima não responde a estímulos, realizar a abertura
das vias aéreas para que o ar possa ter livre passagem aos
pulmões
ABRIR VIAS AÉREAS
• Elevação do Queixo e rotação da cabeça
• Tríplice manobra
Elevação do Queixo e rotação da cabeça
Para as vítimas que tem afastada a possibilidade de lesão
cervical.
ABRIR VIAS AÉREAS
Tríplice Manobra
Para as vítimas com suspeita de lesão na coluna cervical,
para esses casos, deve-se empregar a tríplice manobra.
ABRIR VIAS AÉREAS
Após realizar as ações anteriores, verifique se a pessoa está
respirando.
CHECAR RESPIRAÇÃO
SE A PESSOA NÃO ESTIVER RESPIRANDO OU
APRESENTAR GASPING, CHAME POR SOCORRO E
INICIE IMEDIATAMENTE A RCP.
• VER
• OUVIR
• SENTIR
O desmaio acontece quando você perde a consciência por
um curto período de tempo. Um desmaio geralmente dura
de alguns segundos a alguns minutos.
Como socorrer:
se o desmaio já ocorreu, deite a vítima no chão, verificando respiração
e palidez;
afrouxar as roupas;
erguer os membros inferiores e lateralizar a cabeça
DESMAIO
DESMAIO
se a pessoa estiver prestes a desmaiar,
coloque-a sentada com a cabeça entre as pernas;
Obs.: Se a vítima não se recuperar em poucos
minutos chamar ajuda médica.
EPILEPSIA / CRISE CONVULSIVA
A crise convulsiva, ou crise epilética,
surge quando ocorre um distúrbio na
geração destes impulsos elétricos
cerebrais, normalmente causada por uma
temporária atividade elétrica que é
desorganizada, excessiva e repetida
É importante saber que uma crise
generalizada pode ser precedida por
crises parciais, por isso, se o paciente
estiver em pé ou sentado, o ideal é deitá-
lo para evitar quedas.
CAUSAS
Meningite Febre Drogas
Desidratação grave Insuficiência renal avançada Hipoglicemia
O TRAUMA E A FALTA DE OXIGÊNIO NO
CÉREBRO, TRAMBÉM PODE SER A CAUSA
DE CRISE CONVULSIVA
COMO
SOCORRE?
EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM
Elaborar resumo criativo da aula de hoje,
descrevendo os tópicos que achou mais
importantes que você desconhecia.
Urgência e Emergência

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
 
Aph
AphAph
Aph
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 
Primeiros Socorros - Afogamento
Primeiros Socorros - AfogamentoPrimeiros Socorros - Afogamento
Primeiros Socorros - Afogamento
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Palestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros BásicosPalestra Primeiros Socorros Básicos
Palestra Primeiros Socorros Básicos
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
 
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Introduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergenciaIntroduçao a urgencia e emergencia
Introduçao a urgencia e emergencia
 
Primeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - QueimadurasPrimeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - Queimaduras
 

Destaque

Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
Ane Costa
 
Indice De Massa Corporea
Indice De Massa CorporeaIndice De Massa Corporea
Indice De Massa Corporea
Lívia
 

Destaque (20)

Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Crise e urgencia_saude_mental
Crise e urgencia_saude_mentalCrise e urgencia_saude_mental
Crise e urgencia_saude_mental
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergência
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergênciaPalestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergência
Palestra sobre novos modelos de gestão em urgência e emergência
 
Emergencia Hipertensiva, Urgencia hipertensiva y ECV
Emergencia Hipertensiva, Urgencia hipertensiva y ECVEmergencia Hipertensiva, Urgencia hipertensiva y ECV
Emergencia Hipertensiva, Urgencia hipertensiva y ECV
 
Internet redes y elementos de conexión
Internet redes y elementos de conexiónInternet redes y elementos de conexión
Internet redes y elementos de conexión
 
Big data hadoop architect program certificate
Big data hadoop architect program certificateBig data hadoop architect program certificate
Big data hadoop architect program certificate
 
tt1
tt1tt1
tt1
 
Električni rešo
Električni rešoElektrični rešo
Električni rešo
 
Tema5 losespaciosdelsectorprimario
Tema5 losespaciosdelsectorprimarioTema5 losespaciosdelsectorprimario
Tema5 losespaciosdelsectorprimario
 
Aula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 nAula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 n
 
REDES SOCIAIS FGF
REDES SOCIAIS FGFREDES SOCIAIS FGF
REDES SOCIAIS FGF
 
Palestra fgf
Palestra fgfPalestra fgf
Palestra fgf
 
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEMManual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
 
Semana da enfermagem unimed
Semana da enfermagem unimedSemana da enfermagem unimed
Semana da enfermagem unimed
 
GIT 4th PUD 2016.
GIT 4th PUD 2016.GIT 4th PUD 2016.
GIT 4th PUD 2016.
 
Medio interno y homeostasis en el paciente quirurgico
Medio interno y homeostasis en el paciente quirurgicoMedio interno y homeostasis en el paciente quirurgico
Medio interno y homeostasis en el paciente quirurgico
 
Indice De Massa Corporea
Indice De Massa CorporeaIndice De Massa Corporea
Indice De Massa Corporea
 
Apostila de cuidador
Apostila de cuidador Apostila de cuidador
Apostila de cuidador
 

Semelhante a Urgência e Emergência

0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
laiscarlini
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
sibelinha21
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
miguel_ytchu
 
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros  Proº Gilberto de JesusPrimeiros socorros  Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Primeiros socorros completo
Primeiros socorros completoPrimeiros socorros completo
Primeiros socorros completo
May Mello
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
InstitutoVidaBsica
 
06-28-59-primeirossocorros-slide1.pptx
06-28-59-primeirossocorros-slide1.pptx06-28-59-primeirossocorros-slide1.pptx
06-28-59-primeirossocorros-slide1.pptx
Rodrigo Barroso
 

Semelhante a Urgência e Emergência (20)

Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-Treinamento--Primeiros-Socorros-
Treinamento--Primeiros-Socorros-
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
 
apresentação SBV.pptx
apresentação SBV.pptxapresentação SBV.pptx
apresentação SBV.pptx
 
Noções Básicas de Primeiros Socorros Intermediários
Noções Básicas de Primeiros Socorros IntermediáriosNoções Básicas de Primeiros Socorros Intermediários
Noções Básicas de Primeiros Socorros Intermediários
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
10) primeiro socorros para iniciantes
10) primeiro socorros para iniciantes10) primeiro socorros para iniciantes
10) primeiro socorros para iniciantes
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorroAula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
 
Acordalagrima
AcordalagrimaAcordalagrima
Acordalagrima
 
Apresentação14
Apresentação14Apresentação14
Apresentação14
 
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros  Proº Gilberto de JesusPrimeiros socorros  Proº Gilberto de Jesus
Primeiros socorros Proº Gilberto de Jesus
 
Suporte básico 1
Suporte básico 1Suporte básico 1
Suporte básico 1
 
Primeiros socorros completo
Primeiros socorros completoPrimeiros socorros completo
Primeiros socorros completo
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptx
 
06-28-59-primeirossocorros-slide1.pptx
06-28-59-primeirossocorros-slide1.pptx06-28-59-primeirossocorros-slide1.pptx
06-28-59-primeirossocorros-slide1.pptx
 

Mais de Rosemeire Moreira Souza (7)

Decreto estadual 56819
Decreto estadual 56819Decreto estadual 56819
Decreto estadual 56819
 
Panfleto brigada.pdf 3
Panfleto brigada.pdf 3Panfleto brigada.pdf 3
Panfleto brigada.pdf 3
 
Panfleto rms
 Panfleto rms Panfleto rms
Panfleto rms
 
Portaria mte n.º 857 (altera a nr 12)
Portaria mte n.º 857 (altera a nr 12)Portaria mte n.º 857 (altera a nr 12)
Portaria mte n.º 857 (altera a nr 12)
 
Incêndio Residência
Incêndio ResidênciaIncêndio Residência
Incêndio Residência
 
Acidentes doméstico (spat)
Acidentes doméstico (spat)Acidentes doméstico (spat)
Acidentes doméstico (spat)
 
1300110426
13001104261300110426
1300110426
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

Urgência e Emergência

  • 1.
  • 4. São os cuidados imediatos prestados a alguém doente ou ferido, com o objetivo de manter as suas funções vitais e evitar o agravamento de suas condições, até que receba assistência médica especializada. PRIMEIROS SOCORROS
  • 5.  Avaliar a situação.  Manter a segurança da área.  Avaliar o estado da vítima e administrar socorro de emergência.  Chamar por socorro PRIMEIROS SOCORROS Inicialmente deve-se ter em mente que quem presta socorro deve:
  • 6. OMISSÃO DE SOCORRO • Código Penal Art.135. Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave eminente perigo, ou não pedir nesses casos, o socorro da autoridade pública: PENA - DETENÇÃO 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa
  • 7. DECISÃO DE PRESTAR ATENDIMENTO Algumas pessoas podem ser obrigadas a prestar primeiros socorros no trabalho. Por exemplo: bombeiros, profissionais da saúde, comissários de bordo, salva-vidas e médicos... FORA DE SERVIÇO, ELES PODEM DECIDIR SE DEVEM PRESTAR OU NÃO OS PRIMEIROS SOCORROS
  • 9. Ocorrência imprevista de agravo à saúde com ou sem risco potencial de vida, cujo portador necessita de assistência médica imediata. URGÊNCIA NÃO EXISTE PERIGO IMINENTE DE FALÊNCIA DE QUALQUER DE SUAS FUNÇÕES VITAIS.
  • 10. É a constatação médica de condições de danos à saúde, que implicam em risco de morte, exigindo tratamento médico imediato. EMERGÊNCIA RISCO EMINENTE DE VIDA (FALÊNCIA DAS FUNÇÕES VITAIS).
  • 11. CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 1 Necessitam de atendimento imediato. CASOS DE EMERGÊNCIA Necessitam de atendimento praticamente imediato. CASOS MUITO URGÊNTES 3 Necessitam de atendimento rápido, mas pode aguardar. CASOS DE URGÊNCIA 4 Necessitam de atendimento rápido, mas pode aguardar. CASOS POUCO URGÊNTES 5 Podem aguardar atendimento ou serem transferidos para outros serviços. CASOS POUCO URGÊNTES 2
  • 12. SEGURANÇA DA VÍTIMA E DO SOCORRISTA Avaliação do Local Quais os riscos potenciais? • Choque elétrico • Incêndio • Vitimas secundárias Eletricidade Combustível Atropelamento
  • 13.
  • 14. SEGURANÇA DA VÍTIMA E DO SOCORRISTA Antes de tudo, certifique-se de que o local é seguro para você e para a vítima sempre olhe sempre ao redor e tenha certeza que o local continuará seguro. Ao prestar primeiros socorros, saiba seus limites. Não seja mais uma vítima
  • 15. UTILIZAÇÃO DO EPI • Use proteção individual Use luvas de proteção sempre que prestar primeiros socorros. Use proteção ocular se a vítima estiver sangrando. Use máscara sempre que necessitar realizar ventilações. (Em caso de leigos não haverá necessidade de administrar as ventilações).
  • 16. UTILIZAÇÃO DO EPI • Exposição aos sangue ou fluidos corporais A não utilização dos equipamentos de proteção individual, deixará o socorrista exposto a contaminação de doenças que são transmitidas através do sangue e fluídos corporais. HIV, causador da AIDS Hepatite B Hepatite C
  • 17. REGRAS BÁSICAS Manter a calma. Afastar os curiosos e agir com rapidez e segurança; Não remover a vítima, enquanto não tiver uma ideia precisa da natureza e extensão dos seus ferimentos; Evitar fazer a vítima sentar ou levantar; Não tentar dar de beber à pessoa que estiver inconsciente; Nunca dar bebidas alcóolicas ao acidentado;
  • 18. Ligar para ( SAMU 192, COBOM 193, POLICIA 190); Em caso de suspeita de fratura ou luxação, não fazer massagem, nem mudar a posição da vítima. Não mexer em ferimentos com sangue já coagulado; Acalmar a vítima e evitar que ela veja o ferimento. REGRAS BÁSICAS
  • 19. CADEIA DA SOBREVIVÊNCIA São as ações mais importantes necessárias para tratar emergências potencialmente fatais Fonte: American Heart Association
  • 20.
  • 21. Evitar Hemorragias; Manter a Respiração; Proteger as áreas queimadas; Inspirar confiança;  Chamar socorro o quanto antes; Evitar pânico. MEDIDAS IMPORTANTES
  • 22. ACIDENTES EM GERAL  Análise Primária A análise primária é uma avaliação realizada sempre que a vítima está inconsciente e é necessária para se detectar as condições que colocam em risco iminente a vida da vítima. Ela se desenvolve obedecendo às seguintes etapas determinar inconsciência abrir vias aéreas checar respiração checar circulação checar grandes hemorragias
  • 23. CHECAR RESPOSTA DA VÍTIMA • Nível de Consciência:  Consciente  Análise das possíveis causas. NÍVEL DE CONSCIÊNCIA “Bata-lhe no ombro da pessoa e grite “Você está bem?”, se ela responder, se identifique, diga a pessoa que você está ali para ajuda-la e peça permissão para ajuda-la e pergunte qual o problema.
  • 24. • Nível de Consciência: Inconsciente Se a vítima não responde a estímulos, realizar a abertura das vias aéreas para que o ar possa ter livre passagem aos pulmões ABRIR VIAS AÉREAS • Elevação do Queixo e rotação da cabeça • Tríplice manobra
  • 25. Elevação do Queixo e rotação da cabeça Para as vítimas que tem afastada a possibilidade de lesão cervical. ABRIR VIAS AÉREAS
  • 26. Tríplice Manobra Para as vítimas com suspeita de lesão na coluna cervical, para esses casos, deve-se empregar a tríplice manobra. ABRIR VIAS AÉREAS
  • 27. Após realizar as ações anteriores, verifique se a pessoa está respirando. CHECAR RESPIRAÇÃO SE A PESSOA NÃO ESTIVER RESPIRANDO OU APRESENTAR GASPING, CHAME POR SOCORRO E INICIE IMEDIATAMENTE A RCP. • VER • OUVIR • SENTIR
  • 28. O desmaio acontece quando você perde a consciência por um curto período de tempo. Um desmaio geralmente dura de alguns segundos a alguns minutos. Como socorrer: se o desmaio já ocorreu, deite a vítima no chão, verificando respiração e palidez; afrouxar as roupas; erguer os membros inferiores e lateralizar a cabeça DESMAIO
  • 29. DESMAIO se a pessoa estiver prestes a desmaiar, coloque-a sentada com a cabeça entre as pernas; Obs.: Se a vítima não se recuperar em poucos minutos chamar ajuda médica.
  • 30. EPILEPSIA / CRISE CONVULSIVA A crise convulsiva, ou crise epilética, surge quando ocorre um distúrbio na geração destes impulsos elétricos cerebrais, normalmente causada por uma temporária atividade elétrica que é desorganizada, excessiva e repetida É importante saber que uma crise generalizada pode ser precedida por crises parciais, por isso, se o paciente estiver em pé ou sentado, o ideal é deitá- lo para evitar quedas.
  • 31. CAUSAS Meningite Febre Drogas Desidratação grave Insuficiência renal avançada Hipoglicemia O TRAUMA E A FALTA DE OXIGÊNIO NO CÉREBRO, TRAMBÉM PODE SER A CAUSA DE CRISE CONVULSIVA
  • 33. EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM Elaborar resumo criativo da aula de hoje, descrevendo os tópicos que achou mais importantes que você desconhecia.