SlideShare uma empresa Scribd logo
Repetição do Indébito tributário e 
Execução contra a Fazenda em 
matéria tributária 
Juliana Furtado Costa Araujo 
Doutora PUC/SP e Procuradora-Chefe 
da Divisão de Defesa em 2º grau da 
PRFN-SP
Pagamento indevido e repetiçao 
do indébito 
 Norma jurídica: 
 Hipótese: Realizar o pagamento indevido de tributo 
ou penalidade 
 Consequente: Obrigação do ente tributante de 
devolver os valores indevidamente recolhidos 
 Nascimento da relação de débito do fisco 
 Objetivo: evitar o enriquecimento ilícito 
 Necessária produção da norma individual e 
concreta
Pagamento indevido e repetição 
do indébito 
 Necessária produção da norma individual e concreta 
 Instrumentos de constituição: 
 Ato administrativo que reforma, anula ou revoga um certo 
lançamento 
 Decisão Administrativa que reconhece indevido um certo 
crédito tributário 
 Decisão Judicial com os mesmos efeitos da mencionada 
decisão administrativa 
 Ato do contribuinte, quando autorizado por lei.
CTN 
Art. 165. O sujeito passivo tem direito, independentemente de 
prévio protesto, à restituição total ou parcial do tributo, seja 
qual for a modalidade do seu pagamento, ressalvado o disposto 
no § 4º do artigo 162, nos seguintes casos: 
I - cobrança ou pagamento espontâneo de tributo indevido 
ou maior que o devido em face da legislação tributária aplicável, 
ou da natureza ou circunstâncias materiais do fato gerador 
efetivamente ocorrido; 
II - erro na edificação do sujeito passivo, na determinação da 
alíquota aplicável, no cálculo do montante do débito ou na 
elaboração ou conferência de qualquer documento relativo ao 
pagamento; 
III - reforma, anulação, revogação ou rescisão de decisão 
condenatória.
Formas de Restituição 
Judicial – Ação de Repetição de 
Indébito 
Administrativa – Pedido de Restituição, 
Ressarcimento ou Reembolso e 
Declaração de Compensação 
(PER/DCOMP)
AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO E 
LEGITIMIDADE 
Art. 166. A restituição de tributos que comportem, por sua 
natureza, transferência do respectivo encargo financeiro 
somente será feita a quem prove haver assumido o 
referido encargo, ou, no caso de tê-lo transferido a 
terceiro, estar por este expressamente autorizado a 
recebê-la. 
SÚMULA STF Nº 546: “Cabe a restituição do tributo pago 
indevidamente, quando reconhecido por decisão, que o 
contribuinte "de jure" não recuperou do contribuinte "de facto" o 
"quantum" respectivo.”
AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO E 
LEGITIMIDADE 
• REsp 903.394/AL, Rel. Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 
24/03/2010, DJe 26/04/2010 
• 1. O "contribuinte de fato" (in casu, distribuidora de bebida) não detém 
legitimidade ativa ad causam para pleitear a restituição do indébito relativo ao IPI 
incidente sobre os descontos incondicionais, recolhido pelo "contribuinte de direito" 
(fabricante de bebida), por não integrar a relação jurídica tributária pertinente. 
• 2. (...) 
• 3. Conseqüentemente, é certo que o recolhimento indevido de tributo implica na 
obrigação do Fisco de devolução do indébito ao contribuinte detentor do direito 
subjetivo de exigi-lo. 
• 4. Em se tratando dos denominados "tributos indiretos" (aqueles que comportam, 
por sua natureza, transferência do respectivo encargo financeiro), a norma 
tributária (artigo 166, do CTN) impõe que a restituição do indébito somente se 
faça ao contribuinte que comprovar haver arcado com o referido encargo ou, caso 
contrário, que tenha sido autorizado expressamente pelo terceiro a quem o ônus 
foi transferido.
AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO E 
LEGITIMIDADE 
• 5. A exegese do referido dispositivo indica que: "...o art. 166, do CTN, 
embora contido no corpo de um típico veículo introdutório de norma 
tributária, veicula, nesta parte, norma específica de direito privado, que 
atribui ao terceiro o direito de retomar do contribuinte tributário, apenas 
nas hipóteses em que a transferência for autorizada normativamente, as 
parcelas correspondentes ao tributo indevidamente recolhido: Trata-se 
de norma privada autônoma, que não se confunde com a norma 
construída da interpretação literal do art. 166, do CTN. É desnecessária 
qualquer autorização do contribuinte de fato ao de direito, ou deste 
àquele. Por sua própria conta, poderá o contribuinte de fato 
postular o indébito, desde que já recuperado pelo contribuinte 
de direito junto ao Fisco. No entanto, note-se que o contribuinte 
de fato não poderá acionar diretamente o Estado, por não ter 
com este nenhuma relação jurídica. Em suma: o direito 
subjetivo à repetição do indébito pertence exclusivamente ao 
denominado contribuinte de direito. Porém, uma vez recuperado 
o indébito por este junto ao Fisco, pode o contribuinte de fato, 
com base em norma de direito privado, pleitear junto ao 
contribuinte tributário a restituição daqueles valores.
• RECURSO ESPECIAL. REPRESENTATIVO DA CONTROVÉRSIA. ART. 543-C 
CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. CONCESSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO. 
ENERGIA ELÉTRICA.INCIDÊNCIA DO ICMS SOBRE A DEMANDA 
"CONTRATADA E NÃO UTILIZADA".LEGITIMIDADE DO CONSUMIDOR 
PARA PROPOR AÇÃO DECLARATÓRIA C/C REPETIÇÃO DE INDÉBITO.- 
Diante do que dispõe a legislação que disciplina as concessões de serviço 
público e da peculiar relação envolvendo o Estado-concedente, a 
concessionária e o consumidor, esse último tem legitimidade para propor 
ação declaratória c/c repetição de indébito na qual se busca afastar, no 
tocante ao fornecimento de energia elétrica, a incidência do ICMS sobre 
a demanda contratada e não utilizada.- O acórdão proferido no REsp 
903.394/AL (repetitivo), da Primeira Seção, Ministro Luiz Fux, DJe de 
26.4.2010, dizendo respeito a distribuidores de bebidas, não se aplica ao 
casos de fornecimento de energia elétrica.Recurso especial improvido. 
Acórdão proferido sob o rito do art.543-C do Código de Processo 
Civil.(REsp 1299303/SC, Rel. Ministro CESAR ASFOR ROCHA, PRIMEIRA 
SEÇÃO, julgado em 08/08/2012, DJe 14/08/2012) 
9
PRAZO PARA REPETICÃO 
Art. 168. O direito de pleitear a restituição 
extingue-se com o decurso do prazo de 5 (cinco) 
anos, contados: 
I - nas hipótese dos incisos I e II do artigo 
165, da data da extinção do crédito tributário; 
II - na hipótese do inciso III do artigo 165, da 
data em que se tornar definitiva a decisão 
administrativa ou passar em julgado a decisão 
judicial que tenha reformado, anulado, revogado ou 
rescindido a decisão condenatória.
PRAZO PARA REPETICÃO 
Lançamento por homologação e LC 118/05. 
Art. 3º e 4º da Lei 118/2005 – 
Art. 3º - Para efeito de interpretação do inciso I do 
art. 168 do CTN, a extinção do crédito tributário 
ocorre, no caso de tributos sujeitos ao lançamento 
por homologação, no momento do pagamento 
antecipado de que trata o § 1º do art. 150 da 
referida lei. 
Art. 4o Esta Lei entra em vigor 120 (cento e vinte) 
dias após sua publicação, observado, quanto ao art. 
3o, o disposto no art. 106, inciso I, da Lei no 5.172, 
de 25 de outubro de 1966 – Código Tributário 
Nacional.
PRAZO PARA REPETICÃO 
-Lei interpretativa? 
-STF: RE 566 621 – Julgado 
inconstitucional pelo STF.
COMPENSAÇÃO 
Conceito: extinção de 
obrigações entre dois 
sujeitos devedores uns 
dos outros, até o limite 
de seus valores.
Compensação Tributária 
Compensação Legal 
CTN 
• Art. 156, inciso II 
• Art. 170 
• Art. 170 A 
14
Norma geral de compensação no CTN 
 Art. 170. A lei pode, nas condições e 
sob as garantias que estipular, ou cuja 
estipulacão em cada caso atribuir à 
autoridade administrativa, autorizar a 
compensação de créditos tributários 
com créditos líquidos e certos, vencidos 
ou vincendos, do sujeito passivo contra 
a Fazenda pública.
Norma geral de compensação no CTN 
Hipótese de extinção do crédito 
tributário 
Compensação vinculada à previsão 
legal 
Créditos decorrentes de pagamento a 
maior, líquidos e certos (determinadas) 
 Créditos vencidos ou vincendos 
16
LEGISLAÇÃO SOBRE COMPENSAÇÃO 
 Lei 8383/91 – compensação por parte do 
contribuinte 
 Art.66 - Nos casos de pagamento indevido ou a 
maior de tributos e contribuições federais, inclusive 
previdenciárias, … o contribuinte poderá efetuar a 
compensação desse valor no recolhimento de 
importância correspondente a períodos 
subseqüentes 
 § 1° A compensação só poderá ser efetuada entre 
tributos e contribuições da mesma espécie.
LEI nº 8.383/91 
Requisitos para a compensação: 
Pagamento indevido ou a maior de 
tributos e contribuições, inclusive 
previdenciárias, e receitas patrimoniais. 
Compensação entre tributos da mesma 
espécie (destinação constitucional) 
Compensação com valores vincendos.
Lei nº 9.430/96 – art. 74 
 Compensação a pedido do contribuinte 
 Art. 74. Observado o disposto no artigo 
anterior, a Secretaria da Receita Federal, 
atendendo a requerimento do contribuinte, 
poderá autorizar a utilização de créditos a 
serem a ele restituídos ou ressarcidos para 
a quitação de quaisquer tributos e 
contribuições sob sua administração.
Lei nº 9.430/96 – art. 74 
Requisitos: 
Compensação a requerimento 
do contribuinte 
 Quaisquer tributos sob 
administração da SRF
Dois Regimes de Compensação vigentes até 2002 
1) Tributos da mesma 
espécie 
Realizada pelo 
contribuinte em sua 
escrita fiscal 
2) Tributos espécies 
diferentes 
Obrigatório 
requerimento a Receita 
Federal
NOVO REGIME DE COMPENSAÇÃO A 
PARTIR DE 2002 
 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: 
 MP nº 66/02 convertida na Lei nº 10.637/02 
(nova redação ao art. 74 da Lei nº 9.430/96). 
 Lei nº 10.833/03 
 Lei nº 11.051/04 
 Lei nº 11.196/05 
 Lei nº 11.488/07 
 MP 449/08 convertida na Lei nº 11.941/09. 
 Lei n 12249/10.
Lei nº 10.637/02 
 ”Art. 74. O sujeito passivo que apurar 
crédito, inclusive os judiciais com trânsito em 
julgado, relativo a tributo ou contribuição 
administrado pela Secretaria da Receita 
Federal, passível de restituição ou de 
ressarcimento, poderá utilizá-lo na 
compensação de débitos próprios relativos a 
quaisquer tributos e contribuições 
administrados por aquele Órgão”.
Requisitos 
 Crédito tributário 
não permite título público, crédito-prêmio 
 Passível de restituição ou de 
ressarcimento 
Afasta as hipóteses em que a lei 
expressamente veda a restituição 
 Débito próprio 
veda crédito de terceiro
REGIME ÚNICO DE COMPENSAÇÃO 
 Tributos sob administração da Receita 
Federal 
 Derrogação do art. 66 da Lei n° 8.383/01 
Passa a ser obrigatória a formalização 
da compensação, ainda que o débito e 
o crédito se refiram a um mesmo 
tributo ou contribuição.
Pedidos de compensação anteriores 
a DCOMP 
 Possibilidade de conversão em DCOMP 
para beneficiar o contribuinte. 
Cinco anos para o fisco homologar a 
compensação a contar da data do 
protocolo do pedido. 
Não conversão dos pedidos que não 
atendem os requisitos do novo 
regime de compensação. 
26
Espécies de Compensação 
• Não Homologada 
• Não Declarada
Regime único de compensação Lei 
10637/02 
 Compensação formalizada por entrega de 
declaração (DCOMP). 
 Quantum do indébito apurado pelo 
contribuinte. 
 A compensação extinguirá o crédito tributário 
sob condição resolutória de ulterior 
homologação. 
 Os pedidos de compensação pendentes de 
apreciação pela autoridade administrativa serão 
considerados declaração de compensação, 
desde o seu protocolo. 
28
Lei nº 10.833/03 
Prazo de 5 anos para homologar. 
 DCOMP - confissão de dívida 
(somente a partir de 11/2003). 
 Manifestação de inconformidade. 
 Suspensão da exigibilidade. 
 Multa isolada por fraude.
COMPENSAÇÃO NÃO HOMOLOGADA 
Reflexos da não homologação: 
• Declaração de compensação é 
documento hábil a exigência do crédito 
tributário irregularmente compensado 
(constitui confissão de dívida). 
• Possibilidade de apresentação da 
manifestação de inconformidade.
Legislação 
 Lei nº 11.051/04 
• compensação não declarada
Compensação não declarada: hipóteses 
Hipóteses em que a compensação é vedada ( §12 
do art. 74 da Lei nº 9.430/96): 
Débito do contribuinte: 
• Saldo a restituir apurado na DIRPF; 
• Débitos devidos no registro da DI; 
• Débitos encaminhados para inscrição em DAU; 
• Débito parcelado; 
• Débito objeto de compensação não homologada; 
• Valor objeto de pedido de restituição ou 
ressarcimento indeferido pela autoridade 
competente;
Compensação não declarada: 
hipóteses 
Crédito do contribuinte: 
• De terceiros; 
• Crédito-prêmio; 
• Título público; 
• De decisão judicial não transitada; 
• Que não se refira a tributo ou 
contribuição;
Compensação não declarada: 
hipóteses 
• Tiver como fundamento a alegação de inconstitucionalidade 
de lei, exceto nos casos em que a lei: (Lei 11491/09) 
1 – tenha sido declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal 
Federal em ação direta de inconstitucionalidade ou em ação 
declaratória de constitucionalidade; 
2 – tenha tido sua execução suspensa pelo Senado Federal; 
3 – tenha sido julgada inconstitucional em sentença judicial 
transitada em julgado a favor do contribuinte; ou 
4 – seja objeto de súmula vinculante aprovada pelo Supremo 
Tribunal Federal nos termos do art. 103-A da Constituição 
Federal.
Compensação não declarada: 
efeitos 
 Não há previsão do rito do Decreto 
70.235/72. (Aplica-se o rito da Lei nº 
9.784/99) 
 Não extingue o crédito tributário. 
 Não suspende a exigibilidade do 
débito. 
 Aplicação de multa isolada (art. 18 
da lei nº 10833/03 - 150%, podendo 
ser metade)
Compensação não declarada: 
efeitos 
REsp 1066503/AL, Rel. Ministro CASTRO MEIRA, SEGUNDA 
TURMA, julgado em 05/03/2009, DJe 31/03/2009 
2. Considera-se não declarada a compensação na hipótese em 
que o crédito seja de terceiro ou decorrente de decisão 
judicial não transitada em julgado (Lei 9.430/96, art. 74, § 12, 
alíneas "a" e "d"), ficando afastada a possibilidade de 
apresentação de "manifestação de inconformidade" e, em 
consequência, de suspensão da exigibilidade do crédito (§ 13 
do referido dispositivo legal). 
3. A "manifestação de inconformidade" passou a ter eficácia 
suspensiva da exigibilidade do crédito tributário com a edição 
da Lei 10.833/03, que introduziu os §§ 9º a 11 ao art. 74 da 
Lei 9.430/96 
4. Recurso especial conhecido em parte e não provido.
Compensação com contribuições 
previdenciárias 
 Lei 11457/2007 – Criou a Super Receita 
 Art. 26 - ... 
 Parágrafo único. O disposto no art 74 da Lei nº 9430, de 27 de 
dezembro de 1996, não se aplica às contribuições sociais a que se refere o 
art. 2o desta Lei. 
 MP 449/08 convertida na Lei 11941/09 – Nova redação ao art. 89 da Lei 
8212/91 
 Art. 89 - As contribuições sociais previstas nas alíneas “a”, “b” e “c” do 
parágrafo único do art. 11, as contribuições instituídas a título de substituição 
e as contribuições devidas a terceiros somente poderão ser restituídas ou 
compensadas nas hipóteses de pagamento ou recolhimento indevido ou 
maior que o devido, nos termos e condições estabelecidos pela Secretaria da 
Receita Federal do Brasil. 
 IN 900/08 – compensação somente com contribuições previdenciárias 
relativa a períodos subsequentes. 
37
Legislação 
• Lei 12.249/10 – Alterou o art. 74 da 9430/96 
• § 15. Será aplicada multa isolada de 50% (cinquenta por cento) 
sobre o valor do crédito objeto de pedido de ressarcimento 
indeferido ou indevido. 
• § 16. O percentual da multa de que trata o § 15 será de 100% 
(cem por cento) na hipótese de ressarcimento obtido com 
falsidade no pedido apresentado pelo sujeito passivo. 
• § 17. Aplica-se a multa prevista no § 15, também, sobre o valor 
do crédito objeto de declaração de compensação não 
homologada, salvo no caso de falsidade da declaração 
apresentada pelo sujeito passivo.“
Compensação no Processo Judicial 
 Ação declaratória 
 Mandado de Segurança 
 Repetição de indébito
Súmulas do STJ 
Súmula 212 
“a compensação de créditos tributários não pode ser 
deferida em ação cautelar ou por medida liminar 
cautelar ou antecipatória 
Súmula 213 
“o mandado de segurança constitui ação adequada 
para a declaração do direito à compensação” 
Súmula 460 
“É incabível o mandado de segurança para convalidar a 
compensação tributária realizada pelo contribuinte”.
Limitação Legal 
Art. 170-A do CTN 
“É vedada a compensação mediante 
o aproveitamento de tributo objeto 
de contestação judicial pelo sujeito 
passivo, antes do trânsito em 
julgado da respectiva judicial”
• Lei 10522/2002 
• Art. 19. .... 
• § 5º As unidades da Secretaria da Receita Federal do 
Brasil deverão reproduzir, em suas decisões sobre as 
matérias a que se refere o caput, o entendimento 
adotado nas decisões definitivas de mérito, que 
versem sobre essas matérias, após manifestação da 
Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional nos casos 
dos incisos IV e V do caput.
Compensação e Execução Fiscal 
• É possível que compensação 
seja alegada como matéria de 
defesa em execução fiscal?
Compensação e Execução Fiscal 
Art. 16 - O executado oferecerá embargos, no prazo de 30 
(trinta) dias, contados: 
I - do depósito; 
II - da juntada da prova da fiança bancária; 
III - da intimação da penhora. 
§ 3º - Não será admitida reconvenção, nem compensação, e 
as exceções, salvo as de suspeição, incompetência e 
impedimentos, serão argüidas como matéria preliminar e 
serão processadas e julgadas com os embargos.
Compensação e Execução Fiscal 
• 1. "O art. 16, §3º, da LEF deve ser lido com tempero. O que não 
é permitido é, em defesa na execução fiscal, o executado 
apresentar créditos que possui (indébitos tributários, créditos 
presumidos ou premiais ou outros créditos contra o ente público 
exequente tais como: precatórios a receber e ações diversas 
ajuizadas) a fim de abater os créditos tributários em execução. 
No entanto, nada impede que alegue a existência de 
compensações efetivamente já realizadas, efetivadas e 
reconhecidas, em processo administrativo ou judicial, com os 
créditos que são objeto da CDA, e que, por esse motivo, não 
poderiam ali estar (compensações tributárias pretéritas). 
Hipótese em que o crédito tributário veiculado na CDA foi 
incorretamente inscrito" (REsp. n. 1.252.333-PE, Segunda 
Turma, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 
28.6.2011). 
• (REsp 1305881/PR, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, 
SEGUNDA TURMA, julgado em 07/08/2012, DJe 14/08/2012)
Compensação e Execução Fiscal 
• É possível alegar compensação 
em exceção de pré-executividade?
Compensação e Execução Fiscal 
• 1. Não obstante serem os embargos à execução o meio de defesa 
próprio da execução fiscal, a orientação desta Corte firmou-se no sentido 
de admitir a exceção de pré-executividade naquelas situações em que 
não se fazem necessárias dilações probatórias, e em que as questões 
possam ser conhecidas de ofício pelo magistrado, como: as condições da 
ação, os pressupostos processuais, a decadência, a prescrição, a 
compensação pretérita, entre outras. Precedentes: REsp. n. 1.252.333- 
PE, Segunda Turma, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 
28.6.2011; e AgRg no REsp. n. 1085914 / RS, Primeira Turma, Rel. Min. 
Luiz Fux, julgado em 20.05.2010. 
• 2. Recurso especial não provido. 
• (REsp 1318418/RJ, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, 
SEGUNDA TURMA, julgado em 07/08/2012, DJe 14/08/2012)
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora   aula extincao do-credito_tributario-damasioAurora   aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Julia De Menezes Nogueira
 
Conjur fisco deve dar acesso a tributos pagos pelo próprio contribuinte
Conjur   fisco deve dar acesso a tributos pagos pelo próprio contribuinteConjur   fisco deve dar acesso a tributos pagos pelo próprio contribuinte
Conjur fisco deve dar acesso a tributos pagos pelo próprio contribuinte
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Decadência e Prescrição no Direito Tributário
Decadência e Prescrição no Direito TributárioDecadência e Prescrição no Direito Tributário
Decadência e Prescrição no Direito Tributário
aldodepaulajr
 
Rpeduardo
RpeduardoRpeduardo
Rpeduardo
flexa141
 
Rprafael
RprafaelRprafael
Rprafael
flexa141
 
Rpsoter
RpsoterRpsoter
Rpsoter
flexa141
 
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Tacio Lacerda Gama
 
FDV. TEPúblico. Execução Em Face Da Fazenda
FDV. TEPúblico. Execução Em Face Da FazendaFDV. TEPúblico. Execução Em Face Da Fazenda
FDV. TEPúblico. Execução Em Face Da Fazenda
Cláudio Colnago
 
Slides processo tributário keziah
Slides processo tributário   keziahSlides processo tributário   keziah
Slides processo tributário keziah
Keziah Silva Pinto
 
Apelação, reexame necessário nº 5020964 34.2011.404.7100
Apelação, reexame necessário nº 5020964 34.2011.404.7100Apelação, reexame necessário nº 5020964 34.2011.404.7100
Apelação, reexame necessário nº 5020964 34.2011.404.7100
Jornal do Commercio
 
Aula ibet decadência prescrição 13042013 sp - dra. camila catunda
Aula ibet decadência prescrição 13042013   sp - dra. camila catundaAula ibet decadência prescrição 13042013   sp - dra. camila catunda
Aula ibet decadência prescrição 13042013 sp - dra. camila catunda
Fernanda Moreira
 
Ibet decadência e prescrição
Ibet decadência e prescriçãoIbet decadência e prescrição
Ibet decadência e prescrição
Betânia Costa
 
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
Droit ZeitGeist
 
Apostila direitotributáriooab
Apostila direitotributáriooabApostila direitotributáriooab
Apostila direitotributáriooab
Keziah Silva Pinto
 
Ação anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscalAção anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscal
PrLinaldo Junior
 
Legislação sintetizada - Lei 5584 de 1970
Legislação sintetizada - Lei 5584 de 1970Legislação sintetizada - Lei 5584 de 1970
Legislação sintetizada - Lei 5584 de 1970
Wagson Filho
 
Jurisprudência sintetizada - ACP e MPT
Jurisprudência sintetizada - ACP e MPTJurisprudência sintetizada - ACP e MPT
Jurisprudência sintetizada - ACP e MPT
Wagson Filho
 
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Fabiana Del Padre Tomé
 
Prescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRFPrescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRF
Jean Simei
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Tacio Lacerda Gama
 

Mais procurados (20)

Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora   aula extincao do-credito_tributario-damasioAurora   aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
 
Conjur fisco deve dar acesso a tributos pagos pelo próprio contribuinte
Conjur   fisco deve dar acesso a tributos pagos pelo próprio contribuinteConjur   fisco deve dar acesso a tributos pagos pelo próprio contribuinte
Conjur fisco deve dar acesso a tributos pagos pelo próprio contribuinte
 
Decadência e Prescrição no Direito Tributário
Decadência e Prescrição no Direito TributárioDecadência e Prescrição no Direito Tributário
Decadência e Prescrição no Direito Tributário
 
Rpeduardo
RpeduardoRpeduardo
Rpeduardo
 
Rprafael
RprafaelRprafael
Rprafael
 
Rpsoter
RpsoterRpsoter
Rpsoter
 
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
 
FDV. TEPúblico. Execução Em Face Da Fazenda
FDV. TEPúblico. Execução Em Face Da FazendaFDV. TEPúblico. Execução Em Face Da Fazenda
FDV. TEPúblico. Execução Em Face Da Fazenda
 
Slides processo tributário keziah
Slides processo tributário   keziahSlides processo tributário   keziah
Slides processo tributário keziah
 
Apelação, reexame necessário nº 5020964 34.2011.404.7100
Apelação, reexame necessário nº 5020964 34.2011.404.7100Apelação, reexame necessário nº 5020964 34.2011.404.7100
Apelação, reexame necessário nº 5020964 34.2011.404.7100
 
Aula ibet decadência prescrição 13042013 sp - dra. camila catunda
Aula ibet decadência prescrição 13042013   sp - dra. camila catundaAula ibet decadência prescrição 13042013   sp - dra. camila catunda
Aula ibet decadência prescrição 13042013 sp - dra. camila catunda
 
Ibet decadência e prescrição
Ibet decadência e prescriçãoIbet decadência e prescrição
Ibet decadência e prescrição
 
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
 
Apostila direitotributáriooab
Apostila direitotributáriooabApostila direitotributáriooab
Apostila direitotributáriooab
 
Ação anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscalAção anulatória de débito fiscal
Ação anulatória de débito fiscal
 
Legislação sintetizada - Lei 5584 de 1970
Legislação sintetizada - Lei 5584 de 1970Legislação sintetizada - Lei 5584 de 1970
Legislação sintetizada - Lei 5584 de 1970
 
Jurisprudência sintetizada - ACP e MPT
Jurisprudência sintetizada - ACP e MPTJurisprudência sintetizada - ACP e MPT
Jurisprudência sintetizada - ACP e MPT
 
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
Ação Declaratória e Ação Anulatória de Débito Fiscal - Íris Vânia
 
Prescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRFPrescrição e decadencia 2012.MRF
Prescrição e decadencia 2012.MRF
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 

Destaque

Aula 4 - Gestão de Pessoal
Aula 4 - Gestão de PessoalAula 4 - Gestão de Pessoal
Aula 4 - Gestão de Pessoal
Rafael Gonçalves
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Rafael Gonçalves
 
Capital De Giro
Capital De GiroCapital De Giro
Capital De Giro
fabricio vitoria
 
Curso Gestão Financeira
Curso Gestão FinanceiraCurso Gestão Financeira
Curso Gestão Financeira
Aleksander Avalca
 
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacionalCiclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Maick William Oliveira Costa
 
Gestão financeira
Gestão financeiraGestão financeira
Gestão financeira
Studiesfree
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
admcontabil
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
Leandro Trelesse Vieira
 
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Rafael Gonçalves
 
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroCapital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
André Faria Gomes
 
Administração Financeira
Administração FinanceiraAdministração Financeira
Administração Financeira
elliando dias
 
Introdução a administração financeira Professor Danilo Pires
Introdução a administração financeira  Professor Danilo PiresIntrodução a administração financeira  Professor Danilo Pires
Introdução a administração financeira Professor Danilo Pires
Danilo Pires
 
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão FinanceiraModelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Alex Felix Nepomuceno
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
Francine Manhabosco
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao FinanceiraApresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
PPS Fã
 
Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 4 t07
Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 4 t07Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 4 t07
Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 4 t07
Equatorial
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
FEARP/USP
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Rafael Gonçalves
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Cadernos PPT
 

Destaque (20)

Aula 4 - Gestão de Pessoal
Aula 4 - Gestão de PessoalAula 4 - Gestão de Pessoal
Aula 4 - Gestão de Pessoal
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
 
Capital De Giro
Capital De GiroCapital De Giro
Capital De Giro
 
Curso Gestão Financeira
Curso Gestão FinanceiraCurso Gestão Financeira
Curso Gestão Financeira
 
Ciclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacionalCiclo econômico, financeiro e operacional
Ciclo econômico, financeiro e operacional
 
Gestão financeira
Gestão financeiraGestão financeira
Gestão financeira
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
 
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
 
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroCapital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
 
Administração Financeira
Administração FinanceiraAdministração Financeira
Administração Financeira
 
Introdução a administração financeira Professor Danilo Pires
Introdução a administração financeira  Professor Danilo PiresIntrodução a administração financeira  Professor Danilo Pires
Introdução a administração financeira Professor Danilo Pires
 
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão FinanceiraModelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
Modelos de Gestão - Apresentação - Gestão Financeira
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao FinanceiraApresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
Apresentacao De Slides Em Powerpoint Sobre Administracao Financeira
 
Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 4 t07
Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 4 t07Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 4 t07
Apresentação de resultados financeiros e operacionais do 4 t07
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 

Semelhante a Aula dra. juliana furtado costa 04-10-14

Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Tacio Lacerda Gama
 
Aula 23 03-13 - mód. iii
Aula 23 03-13 - mód. iiiAula 23 03-13 - mód. iii
Aula 23 03-13 - mód. iii
Fernanda Moreira
 
A repetição de indébito tributária e a regra do cinco mais cinco
A repetição de indébito tributária e a regra do cinco mais cincoA repetição de indébito tributária e a regra do cinco mais cinco
A repetição de indébito tributária e a regra do cinco mais cinco
ESINF - Estudo Sistematizado de Informativos
 
Modelo agravo
Modelo agravoModelo agravo
Modelo agravo
anderson4582
 
Decio porchat ect - aula 2
Decio porchat   ect - aula 2Decio porchat   ect - aula 2
Decio porchat ect - aula 2
Priscila Souza
 
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos RosaExecucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Fernando Favacho
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Fabiana Del Padre Tomé
 
Andrea darzé ect - aula 3
Andrea darzé   ect - aula 3Andrea darzé   ect - aula 3
Andrea darzé ect - aula 3
Priscila Souza
 
DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES
DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMESDECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES
DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES
Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior
 
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Tacio Lacerda Gama
 
VII Congresso do IBET - Legitimidade Ativa na Compensação - 09/12/2010
VII Congresso do IBET - Legitimidade Ativa na Compensação - 09/12/2010VII Congresso do IBET - Legitimidade Ativa na Compensação - 09/12/2010
VII Congresso do IBET - Legitimidade Ativa na Compensação - 09/12/2010
camilavergueirocatunda
 
Resumo de Véspera PGE - Fazenda Pública
Resumo de Véspera PGE - Fazenda PúblicaResumo de Véspera PGE - Fazenda Pública
Resumo de Véspera PGE - Fazenda Pública
Ricardo Torques
 
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Fernanda Moreira
 
Aula 24 08 - juliana furtado costa
Aula 24 08 - juliana furtado costaAula 24 08 - juliana furtado costa
Aula 24 08 - juliana furtado costa
Fernanda Moreira
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Fernanda Moreira
 
Material - Execução contra a Fazenda Pública
Material - Execução contra a Fazenda PúblicaMaterial - Execução contra a Fazenda Pública
Material - Execução contra a Fazenda Pública
lucasribeiroreis2001
 
Aulas direito financeiro e tributario
Aulas   direito financeiro e tributarioAulas   direito financeiro e tributario
Aulas direito financeiro e tributario
Ana Carolina Vingert
 
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
Fernanda Moreira
 
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
Fernanda Moreira
 
Sentença
SentençaSentença
Sentença
fabiomotta747
 

Semelhante a Aula dra. juliana furtado costa 04-10-14 (20)

Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 
Aula 23 03-13 - mód. iii
Aula 23 03-13 - mód. iiiAula 23 03-13 - mód. iii
Aula 23 03-13 - mód. iii
 
A repetição de indébito tributária e a regra do cinco mais cinco
A repetição de indébito tributária e a regra do cinco mais cincoA repetição de indébito tributária e a regra do cinco mais cinco
A repetição de indébito tributária e a regra do cinco mais cinco
 
Modelo agravo
Modelo agravoModelo agravo
Modelo agravo
 
Decio porchat ect - aula 2
Decio porchat   ect - aula 2Decio porchat   ect - aula 2
Decio porchat ect - aula 2
 
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos RosaExecucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
 
Andrea darzé ect - aula 3
Andrea darzé   ect - aula 3Andrea darzé   ect - aula 3
Andrea darzé ect - aula 3
 
DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES
DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMESDECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES
DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES
 
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
Prescrição e decadencia damasio 12 03 2011
 
VII Congresso do IBET - Legitimidade Ativa na Compensação - 09/12/2010
VII Congresso do IBET - Legitimidade Ativa na Compensação - 09/12/2010VII Congresso do IBET - Legitimidade Ativa na Compensação - 09/12/2010
VII Congresso do IBET - Legitimidade Ativa na Compensação - 09/12/2010
 
Resumo de Véspera PGE - Fazenda Pública
Resumo de Véspera PGE - Fazenda PúblicaResumo de Véspera PGE - Fazenda Pública
Resumo de Véspera PGE - Fazenda Pública
 
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
 
Aula 24 08 - juliana furtado costa
Aula 24 08 - juliana furtado costaAula 24 08 - juliana furtado costa
Aula 24 08 - juliana furtado costa
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
 
Material - Execução contra a Fazenda Pública
Material - Execução contra a Fazenda PúblicaMaterial - Execução contra a Fazenda Pública
Material - Execução contra a Fazenda Pública
 
Aulas direito financeiro e tributario
Aulas   direito financeiro e tributarioAulas   direito financeiro e tributario
Aulas direito financeiro e tributario
 
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
 
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
 
Sentença
SentençaSentença
Sentença
 

Mais de Fernanda Moreira

Aula dr. marcos neder 13-10-14
Aula dr. marcos neder   13-10-14Aula dr. marcos neder   13-10-14
Aula dr. marcos neder 13-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dra. simone costa barreto 24-11-14
Aula dra. simone costa barreto   24-11-14Aula dra. simone costa barreto   24-11-14
Aula dra. simone costa barreto 24-11-14
Fernanda Moreira
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Fernanda Moreira
 
Aula dra. célia murphy 22-11
Aula dra. célia murphy   22-11Aula dra. célia murphy   22-11
Aula dra. célia murphy 22-11
Fernanda Moreira
 
12.11 dr. fernando salaberry
12.11   dr. fernando salaberry12.11   dr. fernando salaberry
12.11 dr. fernando salaberry
Fernanda Moreira
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Fernanda Moreira
 
12.11 dr. fernando salaberry
12.11   dr. fernando salaberry12.11   dr. fernando salaberry
12.11 dr. fernando salaberry
Fernanda Moreira
 
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo iiAula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Fernanda Moreira
 
Aula dra. elídie palma bifano 18-10-14
Aula dra. elídie palma bifano   18-10-14Aula dra. elídie palma bifano   18-10-14
Aula dra. elídie palma bifano 18-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Aula dr. argos campos simões   10-11-14Aula dr. argos campos simões   10-11-14
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Fernanda Moreira
 
Aula dr. argos 10-11-14
Aula dr. argos   10-11-14Aula dr. argos   10-11-14
Aula dr. argos 10-11-14
Fernanda Moreira
 
Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Aula dr. argos simões 10 11 (1)Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Fernanda Moreira
 
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processoAula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Fernanda Moreira
 
Aula dr. thiago catunda 03-11
Aula dr. thiago catunda   03-11Aula dr. thiago catunda   03-11
Aula dr. thiago catunda 03-11
Fernanda Moreira
 
Aula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vâniaAula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vânia
Fernanda Moreira
 
Ordenamento e sistema tgd 2014
Ordenamento e sistema tgd   2014Ordenamento e sistema tgd   2014
Ordenamento e sistema tgd 2014
Fernanda Moreira
 
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Fernanda Moreira
 
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Aula dr. josé henrique longo   27-10-14Aula dr. josé henrique longo   27-10-14
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Fernanda Moreira
 

Mais de Fernanda Moreira (20)

Aula dr. marcos neder 13-10-14
Aula dr. marcos neder   13-10-14Aula dr. marcos neder   13-10-14
Aula dr. marcos neder 13-10-14
 
Aula dra. simone costa barreto 24-11-14
Aula dra. simone costa barreto   24-11-14Aula dra. simone costa barreto   24-11-14
Aula dra. simone costa barreto 24-11-14
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
 
Aula dra. célia murphy 22-11
Aula dra. célia murphy   22-11Aula dra. célia murphy   22-11
Aula dra. célia murphy 22-11
 
12.11 dr. fernando salaberry
12.11   dr. fernando salaberry12.11   dr. fernando salaberry
12.11 dr. fernando salaberry
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
 
12.11 dr. fernando salaberry
12.11   dr. fernando salaberry12.11   dr. fernando salaberry
12.11 dr. fernando salaberry
 
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo iiAula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
 
Aula dra. elídie palma bifano 18-10-14
Aula dra. elídie palma bifano   18-10-14Aula dra. elídie palma bifano   18-10-14
Aula dra. elídie palma bifano 18-10-14
 
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
 
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Aula dr. argos campos simões   10-11-14Aula dr. argos campos simões   10-11-14
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
 
Aula dr. argos 10-11-14
Aula dr. argos   10-11-14Aula dr. argos   10-11-14
Aula dr. argos 10-11-14
 
Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Aula dr. argos simões 10 11 (1)Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Aula dr. argos simões 10 11 (1)
 
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processoAula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
 
Aula dr. thiago catunda 03-11
Aula dr. thiago catunda   03-11Aula dr. thiago catunda   03-11
Aula dr. thiago catunda 03-11
 
Aula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vâniaAula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vânia
 
Ordenamento e sistema tgd 2014
Ordenamento e sistema tgd   2014Ordenamento e sistema tgd   2014
Ordenamento e sistema tgd 2014
 
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
 
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Aula dr. josé henrique longo   27-10-14Aula dr. josé henrique longo   27-10-14
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
 
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
 

Aula dra. juliana furtado costa 04-10-14

  • 1. Repetição do Indébito tributário e Execução contra a Fazenda em matéria tributária Juliana Furtado Costa Araujo Doutora PUC/SP e Procuradora-Chefe da Divisão de Defesa em 2º grau da PRFN-SP
  • 2. Pagamento indevido e repetiçao do indébito  Norma jurídica:  Hipótese: Realizar o pagamento indevido de tributo ou penalidade  Consequente: Obrigação do ente tributante de devolver os valores indevidamente recolhidos  Nascimento da relação de débito do fisco  Objetivo: evitar o enriquecimento ilícito  Necessária produção da norma individual e concreta
  • 3. Pagamento indevido e repetição do indébito  Necessária produção da norma individual e concreta  Instrumentos de constituição:  Ato administrativo que reforma, anula ou revoga um certo lançamento  Decisão Administrativa que reconhece indevido um certo crédito tributário  Decisão Judicial com os mesmos efeitos da mencionada decisão administrativa  Ato do contribuinte, quando autorizado por lei.
  • 4. CTN Art. 165. O sujeito passivo tem direito, independentemente de prévio protesto, à restituição total ou parcial do tributo, seja qual for a modalidade do seu pagamento, ressalvado o disposto no § 4º do artigo 162, nos seguintes casos: I - cobrança ou pagamento espontâneo de tributo indevido ou maior que o devido em face da legislação tributária aplicável, ou da natureza ou circunstâncias materiais do fato gerador efetivamente ocorrido; II - erro na edificação do sujeito passivo, na determinação da alíquota aplicável, no cálculo do montante do débito ou na elaboração ou conferência de qualquer documento relativo ao pagamento; III - reforma, anulação, revogação ou rescisão de decisão condenatória.
  • 5. Formas de Restituição Judicial – Ação de Repetição de Indébito Administrativa – Pedido de Restituição, Ressarcimento ou Reembolso e Declaração de Compensação (PER/DCOMP)
  • 6. AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO E LEGITIMIDADE Art. 166. A restituição de tributos que comportem, por sua natureza, transferência do respectivo encargo financeiro somente será feita a quem prove haver assumido o referido encargo, ou, no caso de tê-lo transferido a terceiro, estar por este expressamente autorizado a recebê-la. SÚMULA STF Nº 546: “Cabe a restituição do tributo pago indevidamente, quando reconhecido por decisão, que o contribuinte "de jure" não recuperou do contribuinte "de facto" o "quantum" respectivo.”
  • 7. AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO E LEGITIMIDADE • REsp 903.394/AL, Rel. Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 24/03/2010, DJe 26/04/2010 • 1. O "contribuinte de fato" (in casu, distribuidora de bebida) não detém legitimidade ativa ad causam para pleitear a restituição do indébito relativo ao IPI incidente sobre os descontos incondicionais, recolhido pelo "contribuinte de direito" (fabricante de bebida), por não integrar a relação jurídica tributária pertinente. • 2. (...) • 3. Conseqüentemente, é certo que o recolhimento indevido de tributo implica na obrigação do Fisco de devolução do indébito ao contribuinte detentor do direito subjetivo de exigi-lo. • 4. Em se tratando dos denominados "tributos indiretos" (aqueles que comportam, por sua natureza, transferência do respectivo encargo financeiro), a norma tributária (artigo 166, do CTN) impõe que a restituição do indébito somente se faça ao contribuinte que comprovar haver arcado com o referido encargo ou, caso contrário, que tenha sido autorizado expressamente pelo terceiro a quem o ônus foi transferido.
  • 8. AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO E LEGITIMIDADE • 5. A exegese do referido dispositivo indica que: "...o art. 166, do CTN, embora contido no corpo de um típico veículo introdutório de norma tributária, veicula, nesta parte, norma específica de direito privado, que atribui ao terceiro o direito de retomar do contribuinte tributário, apenas nas hipóteses em que a transferência for autorizada normativamente, as parcelas correspondentes ao tributo indevidamente recolhido: Trata-se de norma privada autônoma, que não se confunde com a norma construída da interpretação literal do art. 166, do CTN. É desnecessária qualquer autorização do contribuinte de fato ao de direito, ou deste àquele. Por sua própria conta, poderá o contribuinte de fato postular o indébito, desde que já recuperado pelo contribuinte de direito junto ao Fisco. No entanto, note-se que o contribuinte de fato não poderá acionar diretamente o Estado, por não ter com este nenhuma relação jurídica. Em suma: o direito subjetivo à repetição do indébito pertence exclusivamente ao denominado contribuinte de direito. Porém, uma vez recuperado o indébito por este junto ao Fisco, pode o contribuinte de fato, com base em norma de direito privado, pleitear junto ao contribuinte tributário a restituição daqueles valores.
  • 9. • RECURSO ESPECIAL. REPRESENTATIVO DA CONTROVÉRSIA. ART. 543-C CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. CONCESSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO. ENERGIA ELÉTRICA.INCIDÊNCIA DO ICMS SOBRE A DEMANDA "CONTRATADA E NÃO UTILIZADA".LEGITIMIDADE DO CONSUMIDOR PARA PROPOR AÇÃO DECLARATÓRIA C/C REPETIÇÃO DE INDÉBITO.- Diante do que dispõe a legislação que disciplina as concessões de serviço público e da peculiar relação envolvendo o Estado-concedente, a concessionária e o consumidor, esse último tem legitimidade para propor ação declaratória c/c repetição de indébito na qual se busca afastar, no tocante ao fornecimento de energia elétrica, a incidência do ICMS sobre a demanda contratada e não utilizada.- O acórdão proferido no REsp 903.394/AL (repetitivo), da Primeira Seção, Ministro Luiz Fux, DJe de 26.4.2010, dizendo respeito a distribuidores de bebidas, não se aplica ao casos de fornecimento de energia elétrica.Recurso especial improvido. Acórdão proferido sob o rito do art.543-C do Código de Processo Civil.(REsp 1299303/SC, Rel. Ministro CESAR ASFOR ROCHA, PRIMEIRA SEÇÃO, julgado em 08/08/2012, DJe 14/08/2012) 9
  • 10. PRAZO PARA REPETICÃO Art. 168. O direito de pleitear a restituição extingue-se com o decurso do prazo de 5 (cinco) anos, contados: I - nas hipótese dos incisos I e II do artigo 165, da data da extinção do crédito tributário; II - na hipótese do inciso III do artigo 165, da data em que se tornar definitiva a decisão administrativa ou passar em julgado a decisão judicial que tenha reformado, anulado, revogado ou rescindido a decisão condenatória.
  • 11. PRAZO PARA REPETICÃO Lançamento por homologação e LC 118/05. Art. 3º e 4º da Lei 118/2005 – Art. 3º - Para efeito de interpretação do inciso I do art. 168 do CTN, a extinção do crédito tributário ocorre, no caso de tributos sujeitos ao lançamento por homologação, no momento do pagamento antecipado de que trata o § 1º do art. 150 da referida lei. Art. 4o Esta Lei entra em vigor 120 (cento e vinte) dias após sua publicação, observado, quanto ao art. 3o, o disposto no art. 106, inciso I, da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966 – Código Tributário Nacional.
  • 12. PRAZO PARA REPETICÃO -Lei interpretativa? -STF: RE 566 621 – Julgado inconstitucional pelo STF.
  • 13. COMPENSAÇÃO Conceito: extinção de obrigações entre dois sujeitos devedores uns dos outros, até o limite de seus valores.
  • 14. Compensação Tributária Compensação Legal CTN • Art. 156, inciso II • Art. 170 • Art. 170 A 14
  • 15. Norma geral de compensação no CTN  Art. 170. A lei pode, nas condições e sob as garantias que estipular, ou cuja estipulacão em cada caso atribuir à autoridade administrativa, autorizar a compensação de créditos tributários com créditos líquidos e certos, vencidos ou vincendos, do sujeito passivo contra a Fazenda pública.
  • 16. Norma geral de compensação no CTN Hipótese de extinção do crédito tributário Compensação vinculada à previsão legal Créditos decorrentes de pagamento a maior, líquidos e certos (determinadas)  Créditos vencidos ou vincendos 16
  • 17. LEGISLAÇÃO SOBRE COMPENSAÇÃO  Lei 8383/91 – compensação por parte do contribuinte  Art.66 - Nos casos de pagamento indevido ou a maior de tributos e contribuições federais, inclusive previdenciárias, … o contribuinte poderá efetuar a compensação desse valor no recolhimento de importância correspondente a períodos subseqüentes  § 1° A compensação só poderá ser efetuada entre tributos e contribuições da mesma espécie.
  • 18. LEI nº 8.383/91 Requisitos para a compensação: Pagamento indevido ou a maior de tributos e contribuições, inclusive previdenciárias, e receitas patrimoniais. Compensação entre tributos da mesma espécie (destinação constitucional) Compensação com valores vincendos.
  • 19. Lei nº 9.430/96 – art. 74  Compensação a pedido do contribuinte  Art. 74. Observado o disposto no artigo anterior, a Secretaria da Receita Federal, atendendo a requerimento do contribuinte, poderá autorizar a utilização de créditos a serem a ele restituídos ou ressarcidos para a quitação de quaisquer tributos e contribuições sob sua administração.
  • 20. Lei nº 9.430/96 – art. 74 Requisitos: Compensação a requerimento do contribuinte  Quaisquer tributos sob administração da SRF
  • 21. Dois Regimes de Compensação vigentes até 2002 1) Tributos da mesma espécie Realizada pelo contribuinte em sua escrita fiscal 2) Tributos espécies diferentes Obrigatório requerimento a Receita Federal
  • 22. NOVO REGIME DE COMPENSAÇÃO A PARTIR DE 2002  LEGISLAÇÃO APLICÁVEL:  MP nº 66/02 convertida na Lei nº 10.637/02 (nova redação ao art. 74 da Lei nº 9.430/96).  Lei nº 10.833/03  Lei nº 11.051/04  Lei nº 11.196/05  Lei nº 11.488/07  MP 449/08 convertida na Lei nº 11.941/09.  Lei n 12249/10.
  • 23. Lei nº 10.637/02  ”Art. 74. O sujeito passivo que apurar crédito, inclusive os judiciais com trânsito em julgado, relativo a tributo ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita Federal, passível de restituição ou de ressarcimento, poderá utilizá-lo na compensação de débitos próprios relativos a quaisquer tributos e contribuições administrados por aquele Órgão”.
  • 24. Requisitos  Crédito tributário não permite título público, crédito-prêmio  Passível de restituição ou de ressarcimento Afasta as hipóteses em que a lei expressamente veda a restituição  Débito próprio veda crédito de terceiro
  • 25. REGIME ÚNICO DE COMPENSAÇÃO  Tributos sob administração da Receita Federal  Derrogação do art. 66 da Lei n° 8.383/01 Passa a ser obrigatória a formalização da compensação, ainda que o débito e o crédito se refiram a um mesmo tributo ou contribuição.
  • 26. Pedidos de compensação anteriores a DCOMP  Possibilidade de conversão em DCOMP para beneficiar o contribuinte. Cinco anos para o fisco homologar a compensação a contar da data do protocolo do pedido. Não conversão dos pedidos que não atendem os requisitos do novo regime de compensação. 26
  • 27. Espécies de Compensação • Não Homologada • Não Declarada
  • 28. Regime único de compensação Lei 10637/02  Compensação formalizada por entrega de declaração (DCOMP).  Quantum do indébito apurado pelo contribuinte.  A compensação extinguirá o crédito tributário sob condição resolutória de ulterior homologação.  Os pedidos de compensação pendentes de apreciação pela autoridade administrativa serão considerados declaração de compensação, desde o seu protocolo. 28
  • 29. Lei nº 10.833/03 Prazo de 5 anos para homologar.  DCOMP - confissão de dívida (somente a partir de 11/2003).  Manifestação de inconformidade.  Suspensão da exigibilidade.  Multa isolada por fraude.
  • 30. COMPENSAÇÃO NÃO HOMOLOGADA Reflexos da não homologação: • Declaração de compensação é documento hábil a exigência do crédito tributário irregularmente compensado (constitui confissão de dívida). • Possibilidade de apresentação da manifestação de inconformidade.
  • 31. Legislação  Lei nº 11.051/04 • compensação não declarada
  • 32. Compensação não declarada: hipóteses Hipóteses em que a compensação é vedada ( §12 do art. 74 da Lei nº 9.430/96): Débito do contribuinte: • Saldo a restituir apurado na DIRPF; • Débitos devidos no registro da DI; • Débitos encaminhados para inscrição em DAU; • Débito parcelado; • Débito objeto de compensação não homologada; • Valor objeto de pedido de restituição ou ressarcimento indeferido pela autoridade competente;
  • 33. Compensação não declarada: hipóteses Crédito do contribuinte: • De terceiros; • Crédito-prêmio; • Título público; • De decisão judicial não transitada; • Que não se refira a tributo ou contribuição;
  • 34. Compensação não declarada: hipóteses • Tiver como fundamento a alegação de inconstitucionalidade de lei, exceto nos casos em que a lei: (Lei 11491/09) 1 – tenha sido declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal em ação direta de inconstitucionalidade ou em ação declaratória de constitucionalidade; 2 – tenha tido sua execução suspensa pelo Senado Federal; 3 – tenha sido julgada inconstitucional em sentença judicial transitada em julgado a favor do contribuinte; ou 4 – seja objeto de súmula vinculante aprovada pelo Supremo Tribunal Federal nos termos do art. 103-A da Constituição Federal.
  • 35. Compensação não declarada: efeitos  Não há previsão do rito do Decreto 70.235/72. (Aplica-se o rito da Lei nº 9.784/99)  Não extingue o crédito tributário.  Não suspende a exigibilidade do débito.  Aplicação de multa isolada (art. 18 da lei nº 10833/03 - 150%, podendo ser metade)
  • 36. Compensação não declarada: efeitos REsp 1066503/AL, Rel. Ministro CASTRO MEIRA, SEGUNDA TURMA, julgado em 05/03/2009, DJe 31/03/2009 2. Considera-se não declarada a compensação na hipótese em que o crédito seja de terceiro ou decorrente de decisão judicial não transitada em julgado (Lei 9.430/96, art. 74, § 12, alíneas "a" e "d"), ficando afastada a possibilidade de apresentação de "manifestação de inconformidade" e, em consequência, de suspensão da exigibilidade do crédito (§ 13 do referido dispositivo legal). 3. A "manifestação de inconformidade" passou a ter eficácia suspensiva da exigibilidade do crédito tributário com a edição da Lei 10.833/03, que introduziu os §§ 9º a 11 ao art. 74 da Lei 9.430/96 4. Recurso especial conhecido em parte e não provido.
  • 37. Compensação com contribuições previdenciárias  Lei 11457/2007 – Criou a Super Receita  Art. 26 - ...  Parágrafo único. O disposto no art 74 da Lei nº 9430, de 27 de dezembro de 1996, não se aplica às contribuições sociais a que se refere o art. 2o desta Lei.  MP 449/08 convertida na Lei 11941/09 – Nova redação ao art. 89 da Lei 8212/91  Art. 89 - As contribuições sociais previstas nas alíneas “a”, “b” e “c” do parágrafo único do art. 11, as contribuições instituídas a título de substituição e as contribuições devidas a terceiros somente poderão ser restituídas ou compensadas nas hipóteses de pagamento ou recolhimento indevido ou maior que o devido, nos termos e condições estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal do Brasil.  IN 900/08 – compensação somente com contribuições previdenciárias relativa a períodos subsequentes. 37
  • 38. Legislação • Lei 12.249/10 – Alterou o art. 74 da 9430/96 • § 15. Será aplicada multa isolada de 50% (cinquenta por cento) sobre o valor do crédito objeto de pedido de ressarcimento indeferido ou indevido. • § 16. O percentual da multa de que trata o § 15 será de 100% (cem por cento) na hipótese de ressarcimento obtido com falsidade no pedido apresentado pelo sujeito passivo. • § 17. Aplica-se a multa prevista no § 15, também, sobre o valor do crédito objeto de declaração de compensação não homologada, salvo no caso de falsidade da declaração apresentada pelo sujeito passivo.“
  • 39. Compensação no Processo Judicial  Ação declaratória  Mandado de Segurança  Repetição de indébito
  • 40. Súmulas do STJ Súmula 212 “a compensação de créditos tributários não pode ser deferida em ação cautelar ou por medida liminar cautelar ou antecipatória Súmula 213 “o mandado de segurança constitui ação adequada para a declaração do direito à compensação” Súmula 460 “É incabível o mandado de segurança para convalidar a compensação tributária realizada pelo contribuinte”.
  • 41. Limitação Legal Art. 170-A do CTN “É vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva judicial”
  • 42. • Lei 10522/2002 • Art. 19. .... • § 5º As unidades da Secretaria da Receita Federal do Brasil deverão reproduzir, em suas decisões sobre as matérias a que se refere o caput, o entendimento adotado nas decisões definitivas de mérito, que versem sobre essas matérias, após manifestação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional nos casos dos incisos IV e V do caput.
  • 43. Compensação e Execução Fiscal • É possível que compensação seja alegada como matéria de defesa em execução fiscal?
  • 44. Compensação e Execução Fiscal Art. 16 - O executado oferecerá embargos, no prazo de 30 (trinta) dias, contados: I - do depósito; II - da juntada da prova da fiança bancária; III - da intimação da penhora. § 3º - Não será admitida reconvenção, nem compensação, e as exceções, salvo as de suspeição, incompetência e impedimentos, serão argüidas como matéria preliminar e serão processadas e julgadas com os embargos.
  • 45. Compensação e Execução Fiscal • 1. "O art. 16, §3º, da LEF deve ser lido com tempero. O que não é permitido é, em defesa na execução fiscal, o executado apresentar créditos que possui (indébitos tributários, créditos presumidos ou premiais ou outros créditos contra o ente público exequente tais como: precatórios a receber e ações diversas ajuizadas) a fim de abater os créditos tributários em execução. No entanto, nada impede que alegue a existência de compensações efetivamente já realizadas, efetivadas e reconhecidas, em processo administrativo ou judicial, com os créditos que são objeto da CDA, e que, por esse motivo, não poderiam ali estar (compensações tributárias pretéritas). Hipótese em que o crédito tributário veiculado na CDA foi incorretamente inscrito" (REsp. n. 1.252.333-PE, Segunda Turma, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 28.6.2011). • (REsp 1305881/PR, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, SEGUNDA TURMA, julgado em 07/08/2012, DJe 14/08/2012)
  • 46. Compensação e Execução Fiscal • É possível alegar compensação em exceção de pré-executividade?
  • 47. Compensação e Execução Fiscal • 1. Não obstante serem os embargos à execução o meio de defesa próprio da execução fiscal, a orientação desta Corte firmou-se no sentido de admitir a exceção de pré-executividade naquelas situações em que não se fazem necessárias dilações probatórias, e em que as questões possam ser conhecidas de ofício pelo magistrado, como: as condições da ação, os pressupostos processuais, a decadência, a prescrição, a compensação pretérita, entre outras. Precedentes: REsp. n. 1.252.333- PE, Segunda Turma, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 28.6.2011; e AgRg no REsp. n. 1085914 / RS, Primeira Turma, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 20.05.2010. • 2. Recurso especial não provido. • (REsp 1318418/RJ, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, SEGUNDA TURMA, julgado em 07/08/2012, DJe 14/08/2012)