SlideShare uma empresa Scribd logo
Nome do professor 
“disciplina” 
Argos Campos Ribeiro Simões
BENEFÍCIOS FISCAIS – GUERRA 
Nome do professor 
FISCAL – Decreto 58.918/2013
Nome do professor 
GUERRA FISCAL – ICMS 
 CONFLITO ENTRE OS ENTES FEDERATIVOS 
ORIGINADO DA CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS E DE 
INCENTIVOS FISCAIS AO ARREPIO DO PREVISTO 
NO ORDENAMENTO, COM A FINALIDADE DE 
ATRAIR EMPRESAS PARA O TERRITÓRIO DO ENTE 
FEDERATIVO CONCEDENTE. 

Nome do professor 
GUERRA FISCAL - ICMS 
 BENEFÍCIOS OU INCENTIVOS FISCAIS 
 FACILIDADES FISCAIS (PARCELAMENTO DE 
DÉBITOS, CRÉDITOS PRESUMIDOS) 
 INCENTIVOS UTILIZANDO O APARATO 
NORMATIVO FISCAL
Nome do professor 
GLOSA DE CRÉDITO NA 
GUERRA FISCAL
Nome do professor 
CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL 
 GOIÁS CONCEDE REGIME ESPECIAL A 
DETERMINADAS EMPRESAS, OUTORGANDO 
CRÉDITOS DE 2% TODA VEZ QUE HOUVER 
OPERAÇÕES INTERESTADUAIS DE CIRCULAÇÃO DE 
DETERMINADAS ESPÉCIES DE MERCADORIAS. 
 O DESTAQUE NA NOTA FISCAL CORRESPONDENTE À 
REMESSA DE MERCADORIAS PARA SÃO PAULO 
(EXEMPLO) É DE 12% 
 SÃO PAULO ACEITA SOMENTE 10% (12% - 2%) – LAVRA 
AIIM (CRÉDITO INDEVIDO DE 2%)
Nome do professor 
ALGUNS ARGUMENTOS DOS 
CONTRIBUINTES 
 O Administrado (DE GOIÁS) não tem o dever de 
impugnar legislação que lhe conceda o benefício e que 
seja desfavorável a São Paulo. 
 O Administrado (PAULISTA) não tem o dever de 
impugnar legislação de outro Estado em face de 
benefício fiscal unilateral concedido ao remetente das 
mercadorias.
Nome do professor 
ALGUNS ARGUMENTOS DOS 
CONTRIBUINTES 
 Se houve lesão aos cofres públicos paulistas em face do 
benefício unilateral, então quem deve indenizar o 
Estado de São Paulo é o ente federativo que concedera 
indevidamente tal benefício (GOIÁS) e não o 
estabelecimento paulista destinatário.
Nome do professor 
ALGUNS ARGUMENTOS DOS 
CONTRIBUINTES 
 Administração judicante não tem competência para 
declarar ilegal ou inconstitucional norma válida, 
vigente e eficaz de outro Estado (art. 28 da Lei 13.457- 
09)
Nome do professor 
ALGUNS ARGUMENTOS DOS 
CONTRIBUINTES 
 O Estado de São Paulo também concede isenções e 
benefícios sem a deliberação do CONFAZ, o que 
convalidaria o comportamento do estabelecimento 
destinatário paulista.
Nome do professor 
ALGUNS ARGUMENTOS DOS 
CONTRIBUINTES 
 O Comunicado CAT 36/2004 teria inovado o 
ordenamento do Estado de São Paulo, sem que 
houvesse lei a emprestar-lhe fundamento de validade.
Nome do professor 
ALGUNS ARGUMENTOS DOS 
CONTRIBUINTES 
 O Art. 8º, I da LC 24/75 não fora recepcionado pela 
CF/88, pois teria criado obstáculo ao creditamento em 
hipótese não prevista pela própria CF/88 (não se 
trataria de isenção ou não incidência). 
 Se o Art. 8º, I da LC 24/75 tiver sido recepcionado, 
haveria a necessidade de manifestação do judiciário 
sobre a inconstitucionalidade das normas do 
TARE do outro Estado para a sua aplicação em São 
Paulo.
Nome do professor 
CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL 
LC 24/75 
 Art. 8º - A inobservância dos dispositivos desta Lei acarretará, 
cumulativamente: 
 I - a nulidade do ato e a ineficácia do crédito fiscal atribuído ao 
estabelecimento recebedor da mercadoria; 
 Il - a exigibilidade do imposto não pago ou devolvido e a ineficácia da lei 
ou ato que conceda remissão do débito correspondente. 
 Parágrafo único - As sanções previstas neste artigo poder-se-ão acrescer 
a presunção de irregularidade das contas correspondentes ao exercício, a 
juízo do Tribunal de Contas da União, e a suspensão do pagamento das 
quotas referentes ao Fundo de Participação, ao Fundo Especial e aos 
impostos referidos nos 
Argos Campos Ribeiro Simões 
IBET - ICMS Teoria e Prática - proibida a reprodução
Nome do professor 
ALGUNS ARGUMENTOS DOS 
CONTRIBUINTES 
 Não tive culpa, pois tomei todas as providências 
possíveis para verificar a situação fiscal do remetente 
de outro Estado. Ele estava regular e eu de boa-fé. 
 Relevância para desconstituir a boa-fé: 
 TARE disponível no site? 
 NNFF com carimbo? 
 Na ausência de provas => art. 199 do CTN (permuta 
de informações entre os fiscos) 
 TARE não específico (4%, 7% ou 11%) => autua???
CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL 
 Art. 155 CF/88, § 2º O ICMS atenderá ao seguinte:" 
 XII - cabe à lei complementar: 
 g) regular a forma como, mediante deliberação dos 
Estados e do Distrito Federal, isenções, incentivos 
e benefícios fiscais serão concedidos e revogados. 
Nome do professor
Nome do professor 
CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL 
É BENEFÍCIO FISCAL? 
A SITUAÇÃO ENQUADRA-SE NA 
HIPÓTESE CONTEMPLADA NA 
CONSTITUIÇÃO FEDERAL?
Nome do professor 
CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL (LC 24/75) 
 Art. 1º - As isenções do imposto sobre operações relativas à 
circulação de mercadorias serão concedidas ou revogadas nos 
termos de convênios celebrados e ratificados pelos Estados 
e pelo Distrito Federal, segundo esta Lei. (CONFAZ) 
 Parágrafo único - O disposto neste artigo também se aplica: 
 I - à redução da base de cálculo; 
 II - à devolução total ou parcial, direta ou indireta, condicionada 
ou não, do tributo, ao contribuinte, a responsável ou a terceiros; 
 III - à concessão de créditos presumidos; 
 IV – a quaisquer outros incentivos ou favores fiscais ou 
financeiro-fiscais, concedidos com base no Imposto de 
Circulação de Mercadorias, dos quais resulte redução ou 
eliminação, direta ou indireta, do respectivo ônus; [g.n.] 
 V - às prorrogações e às extensões das isenções vigentes nesta 
data
Nome do professor 
CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL 
LC 24/75 
 Art. 8º - A inobservância dos dispositivos desta Lei acarretará, 
cumulativamente: 
 I - a nulidade do ato e a ineficácia do crédito fiscal atribuído ao 
estabelecimento recebedor da mercadoria; 
 Il - a exigibilidade do imposto não pago ou devolvido e a ineficácia da lei 
ou ato que conceda remissão do débito correspondente. 
 Parágrafo único - As sanções previstas neste artigo poder-se-ão acrescer 
a presunção de irregularidade das contas correspondentes ao exercício, a 
juízo do Tribunal de Contas da União, e a suspensão do pagamento das 
quotas referentes ao Fundo de Participação, ao Fundo Especial e aos 
impostos referidos nos
Nome do professor 
ICMS – ASPECTOS GERAIS 
 Princípio Constitucional -não-cumulatividade 
Art. 155,§ 2°, CF/88: O ICMS será não cumulativo, 
compensando-se o que for devido em cada 
operação relativa à circulação de mercadorias ou 
prestação de serviços com o montante cobrado 
nas anteriores pelo mesmo ou outro Estado, ou pelo 
DF. 
o
NÃO CUMULATIVIDADE 
 Artigo 155, §2º, II – CF/88 - A isenção ou a não 
incidência, salvo determinação em contrário da 
legislação: 
 a) - não implicará crédito para compensação 
com o montante devido nas operações ou 
prestações seguintes; 
 b) - acarretará a anulação do crédito relativo às 
operações ou prestações anteriores. 
Nome do professor
ISENÇÃO & NÃO INCIDÊNCIA 
 Este rol é exaustivo ou exemplificativo? 
 Como entender esta não incidência? É só imunidade? 
 A legislação pode estabelecer outras restrições? 
 Importância do tema (FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL DE 
VALIDADE): 
 INIDÔNEO 
 GUERRA FISCAL 
Nome do professor
ISENÇÃO & NÃO INCIDÊNCIA 
 Isenção (Mutilação parcial/Isenção parcial do STF) 
 Não incidência 
Nome do professor 
 Ausência de norma a ser incidida 
 Ausência de fato (como articulação lingüística) a 
fazer a incidência (sem linguagem não há incidência 
como coincidência) 
 Não há imposto devido no USO E CONSUMO ou na 
saída de ATIVO 
 Obstáculo à incidência (Ineficácia Técnica) 
 Imunidade
Conceitos 
 Visão normativa do Crédito => direito subjetivo do contribuinte ou 
dever do Estado 
 Estado tem o Dever de reconhecer o Direito de Crédito do 
Contribuinte 
 Critério Financeiro de Creditamento 
 Raiz da não cumulatividade => CRÉDITO 
 Isenção e não incidência seriam situações exaustivas 
de obstáculo ao crédito (outras situações de vedação 
=> VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA NÃO 
CUMULATIVIDADE 
Nome do professor
Conceitos 
 Critério “Físico” de Creditamento 
 Raiz da não cumulatividade => COMPENSAÇÃO 
 Conceito de COBRADO => Incidente (Linguagem) 
 COBRADO = PAGO ??? 
 VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA NÃO 
CUMULATIVIDADE => OBSTAR UMA 
COMPENSAÇÃO DE FORMA ILEGAL, 
INCONSTITUCIONAL 
Nome do professor
 Art. 146 da CF/88 
 Papéis das normas gerais veiculadas por lei complementar 
(visão dicotômica) 
 Dispor sobre conflitos de competência 
 Limitar o poder de tributar (respeito à não 
cumulatividade) 
 
 Limitação às normas gerais: materialidades 
tributárias (já CONCEITUALMENTE previstas na 
CF/88) 
Nome do professor
Crédito 
 Qual a natureza jurídica do crédito? 
Nome do professor 
 Moeda escritural (justifica AIIM Saldo Credor) 
 De valor idêntico ao imposto devido daquele que remete 
a mercadoria ou presta serviço 
 Não tem a mesma natureza de montante a ser restituído 
a título de imposto 
Professor: Argos Campos Ribeiro Simões IBET - ICMS Teoria e Prática proibida a 
reprodução
Crédito 
 Qual o momento de nascimento do crédito? Quem 
cria a norma? 
Nome do professor 
 Momento da escrituração em que o contribuinte se 
coloca como sujeito ativo em face do Estado que deve 
reconhecer seu direito àquele montante, cujo destino é a 
compensação. 
Prazo para exercer o direito ao crédito 
Art. 23, Parágrafo único da LC 87/96 - O direito de utilizar o crédito 
extingue-se depois de decorridos cinco anos contados da data de emissão 
do documento.
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA DE DIREITO AO 
CRÉDITO 
- Material => Adquirir MERCADORIA (E NÃO BENS NÃO 
Nome do professor 
MERCADORIAS) cujo montante de ICMS tenha sido cobrado em anterior 
operação 
- Temporal => A partir da aquisição jurídica (física ou simbólica) da mercadoria 
(por um período decadencial de 5 anos a partir da emissão da NF => parágrafo 
único, art. 20 da LC 87/96) 
- Espacial => No Estado/DF onde localizado o estabelecimento recebedor 
- Quantitativo => Montante COBRADO em anterior operação (Valor da 
operação X alíquota => imposto devido para o remetente) 
- Subjetivo Ativo => CONTRIBUINTE 
- Subjetivo Passivo => ESTADO DO ESTABELECIMENTO ADQUIRENTE
GUERRA FISCAL 
 Art. 155, §2º, XII, “c” – O ICMS atenderá ao 
seguinte: cabe à lei complementar: 
 disciplinar o regime de compensação. 
Nome do professor
GUERRA FISCAL 
 Art. 19 LC 87/96 (art. 155, §2º, I, CF/88) – O imposto 
é não-cumulativo, compensando-se o que for devido 
em cada operação relativa à circulação de mercadorias 
ou prestação de serviços de transporte interestadual e 
intermunicipal e de comunicação com o montante 
cobrado nas anteriores pelo mesmo ou outro Estado. 
Nome do professor
GUERRA FISCAL 
 Art. 20 LC 87/96 – Para a compensação a que se refere 
o artigo anterior, é assegurado ao sujeito passivo o 
direito de creditar-se do imposto anteriormente 
cobrado em operações de que tenha resultado a 
entrada de mercadoria, real ou simbólica, no 
estabelecimento, inclusive a destinada ao seu uso ou 
consumo ou ao ativo permanente, ou o recebimento de 
serviços de transporte interestadual e intermunicipal 
ou de comunicação. 
Nome do professor
GUERRA FISCAL 
 Art. 23 LC 87/96 – O direito de crédito para efeito de 
compensação com débito do imposto, reconhecido ao 
estabelecimento que tenha recebido as mercadorias ou 
para o qual tenham sido prestados os serviços, está 
condicionado à idoneidade da documentação e, se for 
o caso, à escrituração nos prazos e condições 
estabelecidos na legislação. 
Nome do professor
GUERRA FISCAL 
 Artigo 36, Lei 6374/89 (PAULISTA)- O ICMS é não-cumulativo, 
Nome do professor 
compensando-se o imposto que seja 
devido em cada operação ou prestação com o 
anteriormente cobrado por este, outro Estado ou 
pelo Distrito Federal, relativamente a mercadoria 
entrada ou a prestação de serviço recebida, 
acompanhada de documento fiscal hábil, emitido 
por contribuinte em situação regular perante o 
fisco.
Nome do professor 
GUERRA FISCAL - ICMS – NÃO CUMULATIVIDADE 
Art. 36 – Lei 6374/89 (PAULISTA) 
 § 1º - Para efeitos deste artigo, considera-se: 
 1 - imposto devido, o resultante da aplicação 
da alíquota sobre a base de cálculo de cada 
operação ou prestação sujeita a cobrança de 
tributo; 
 2 - imposto anteriormente cobrado, a 
importância calculada nos termos do item 
precedente e destacada em documento fiscal 
hábil;
Nome do professor 
GUERRA FISCAL - ICMS – NÃO CUMULATIVIDADE 
Art. 36 – Lei 6374/89 (PAULISTA) 
 § 1º - Para efeitos deste artigo, considera-se: 
 3 - documento fiscal hábil, o que atenda a todas as 
exigências da legislação pertinente, seja emitido por 
contribuinte em situação regular perante o fisco e 
esteja acompanhado, quando exigido, de comprovante 
do recolhimento do imposto; 
 4 - situação regular perante o fisco, a do contribuinte 
que, à data da operação ou prestação, esteja inscrito 
no cadastro de contribuintes, se encontre em 
atividade no local indicado, possibilite a comprovação 
da autenticidade dos demais dados cadastrais 
apontados ao fisco e não esteja enquadrado nas 
hipóteses previstas nos artigos 20 e 21 (inscrição 
cassada, suspensa ou nula)
ICMS – GUERRA FISCAL 
Art. 36 – Lei 6374/89 (PAULISTA) 
 § 3°- Não se considera cobrado, ainda que 
destacado em documento fiscal, o montante do 
imposto que corresponder a vantagem econômica 
decorrente da concessão de qualquer subsídio, redução 
da base de cálculo, crédito presumido ou outro 
incentivo ou benefício fiscal em desacordo com o 
disposto no artigo 155, § 2º, inciso XII, alínea "g", 
da Constituição Federal. 
Nome do professor
COMUNICADO CAT Nº 36, de 29-07-2004 
 O Coordenador da Administração Tributária, tendo em vista o disposto 
Nome do professor 
nos artigos 155, § 2o, I, e XII, "g" e 170, IV, da Constituição Federal, bem 
como o disposto nos artigos 1o e 8o, I da Lei Complementar 24,de 7 de 
janeiro de 1975, e no artigo 36, § 3o, da Lei Estadual 6.374, de 1o de 
março de 1989; 
 Considerando a necessidade de esclarecer o contribuinte paulista e de 
orientar a fiscalização quanto a operações realizadas ao abrigo de atos 
normativos concessivos de benefício fiscal que não observaram a 
legislação de regência do ICMS para serem emanados, esclarece que: 
 1 - o crédito do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de 
Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual 
e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, correspondente à entrada 
de mercadoria remetida ou de serviço prestado a estabelecimento 
localizado em território paulista, por estabelecimento localizado em 
outra unidade federada que se beneficie com incentivos fiscais 
indicados nos Anexos I e II deste comunicado, somente será 
admitido até o montante em que o imposto tenha sido 
efetivamente cobrado pela unidade federada de origem;
Nome do professor 
DECRETO 58.918/2013 
 Artigo 1° - Passa a vigorar com a seguinte redação o artigo 426-C do 
Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de 
Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e 
Intermunicipal e de Comunicação - RICMS, aprovado pelo Decreto 45.490, 
de 30 de novembro de 2000: 
 "Artigo 426-C - Nas operações interestaduais destinadas a contribuinte 
paulista, beneficiadas ou incentivadas em desacordo com o disposto 
na alínea "g" do inciso XII do § 2º do artigo 155 da Constituição 
Federal, o imposto correspondente ao valor do benefício ou incentivo 
deverá ser recolhido ao Estado de São Paulo pelo adquirente da 
mercadoria, observando-se o seguinte: 
 I - O imposto correspondente ao valor do benefício ou incentivo deverá ser 
recolhido até o momento da entrada da mercadoria no território deste 
Estado, por meio de guia de recolhimentos especiais, conforme disciplina 
estabelecida pela Secretaria da Fazenda; 
 II - A Secretaria da Fazenda divulgará os benefícios ou incentivos 
concedidos por outras Unidades da Federação, para fins de cálculo do valor 
a ser recolhido; 
 III - Relativamente aos benefícios ou incentivos divulgados na forma do 
inciso II, presume-se que estes foram utilizados pelo remetente da 
mercadoria, acarretando ao adquirente paulista a obrigação do 
recolhimento de que trata este artigo.
Nome do professor 
DECRETO 58.918/2013 
 § 1º - O disposto neste artigo aplica-se também às operações interestaduais 
sujeitas ao regime de substituição tributária, hipótese em que o adquirente 
paulista deverá recolher o imposto correspondente ao valor do benefício ou 
incentivo utilizado na operação própria do remetente. 
 § 2º - Desde que efetuados antes da entrada da mercadoria neste Estado, 
admitir-se-á que os recolhimentos de que tratam o "caput" e § 1º sejam 
realizados pelo remetente da mercadoria, a favor deste Estado, por meio de 
Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais - GNRE, conforme 
disciplina estabelecida pela Secretaria da Fazenda. 
 § 3º - Uma via do documento de arrecadação a que se referem o inciso I e 
§§ 1º e 2º deverá acompanhar a mercadoria durante o seu transporte. 
 § 4º - Os recolhimentos previstos neste artigo poderão ser dispensados nos 
casos em que o remetente comprovar, antecipadamente, conforme 
disciplina estabelecida pela Secretaria da Fazenda, que não utilizou os 
benefícios ou incentivos divulgados na forma do inciso II. 
 § 5º - O crédito integral do imposto destacado no documento fiscal 
correspondente às operações de que trata o "caput" e o § 1º fica 
condicionado ao atendimento do disposto neste artigo, além das 
demais normas estabelecidas na legislação" (NR).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila direitotributáriooab
Apostila direitotributáriooabApostila direitotributáriooab
Apostila direitotributáriooab
Keziah Silva Pinto
 
Aula 9 dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Aula 9   dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla priaAula 9   dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Aula 9 dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Fernanda Moreira
 
Teoria e prática do processo tributário ações antiexacionais preventiva...
Teoria e prática do processo tributário   ações antiexacionais preventiva...Teoria e prática do processo tributário   ações antiexacionais preventiva...
Teoria e prática do processo tributário ações antiexacionais preventiva...
Fernanda Moreira
 
Klaus rodrigues marques ect - aula 4
Klaus rodrigues marques   ect - aula 4Klaus rodrigues marques   ect - aula 4
Klaus rodrigues marques ect - aula 4
Priscila Souza
 
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
camilavergueirocatunda
 
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massudAula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Fernanda Moreira
 
Fesdt guerra fiscal e a glosa unilateral de créditos.gramado 2012
Fesdt   guerra fiscal e a glosa unilateral de créditos.gramado 2012Fesdt   guerra fiscal e a glosa unilateral de créditos.gramado 2012
Fesdt guerra fiscal e a glosa unilateral de créditos.gramado 2012
Tacio Lacerda Gama
 
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora   aula extincao do-credito_tributario-damasioAurora   aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Julia De Menezes Nogueira
 
Aula dra. juliana furtado costa 27-09-14
Aula dra. juliana furtado costa   27-09-14Aula dra. juliana furtado costa   27-09-14
Aula dra. juliana furtado costa 27-09-14
Fernanda Moreira
 
2012 aula inidoneo
2012 aula inidoneo2012 aula inidoneo
2012 aula inidoneo
Fernanda Moreira
 
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
Fernanda Moreira
 
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos RosaExecucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Fernando Favacho
 
Infrações e Sanções Fiscais (24.09.2008)
Infrações e Sanções Fiscais (24.09.2008)Infrações e Sanções Fiscais (24.09.2008)
Infrações e Sanções Fiscais (24.09.2008)
Cláudio Colnago
 
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributáriaAção declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
PrLinaldo Junior
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Fernanda Moreira
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Fabiana Del Padre Tomé
 
Infrações e Sanções Fiscais
Infrações e Sanções FiscaisInfrações e Sanções Fiscais
Infrações e Sanções Fiscais
Cláudio Colnago
 
63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg
Kamilla Borges
 
Rev tributário av2 pdf
Rev tributário av2 pdfRev tributário av2 pdf
Rev tributário av2 pdf
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Fernanda Moreira
 

Mais procurados (20)

Apostila direitotributáriooab
Apostila direitotributáriooabApostila direitotributáriooab
Apostila direitotributáriooab
 
Aula 9 dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Aula 9   dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla priaAula 9   dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
Aula 9 dia 28-09-13 - dr. rodrigo dalla pria
 
Teoria e prática do processo tributário ações antiexacionais preventiva...
Teoria e prática do processo tributário   ações antiexacionais preventiva...Teoria e prática do processo tributário   ações antiexacionais preventiva...
Teoria e prática do processo tributário ações antiexacionais preventiva...
 
Klaus rodrigues marques ect - aula 4
Klaus rodrigues marques   ect - aula 4Klaus rodrigues marques   ect - aula 4
Klaus rodrigues marques ect - aula 4
 
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
Aula IBET-Salvador-ADECL_AA_ACONSIG_EEF_Exceção 07.05.2011
 
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massudAula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
Aula dia 13 09-14 - dr. rodrigo massud
 
Fesdt guerra fiscal e a glosa unilateral de créditos.gramado 2012
Fesdt   guerra fiscal e a glosa unilateral de créditos.gramado 2012Fesdt   guerra fiscal e a glosa unilateral de créditos.gramado 2012
Fesdt guerra fiscal e a glosa unilateral de créditos.gramado 2012
 
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora   aula extincao do-credito_tributario-damasioAurora   aula extincao do-credito_tributario-damasio
Aurora aula extincao do-credito_tributario-damasio
 
Aula dra. juliana furtado costa 27-09-14
Aula dra. juliana furtado costa   27-09-14Aula dra. juliana furtado costa   27-09-14
Aula dra. juliana furtado costa 27-09-14
 
2012 aula inidoneo
2012 aula inidoneo2012 aula inidoneo
2012 aula inidoneo
 
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
 
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos RosaExecucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
Execucao Fiscal - Iris Vania dos Santos Rosa
 
Infrações e Sanções Fiscais (24.09.2008)
Infrações e Sanções Fiscais (24.09.2008)Infrações e Sanções Fiscais (24.09.2008)
Infrações e Sanções Fiscais (24.09.2008)
 
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributáriaAção declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
Ação declaratoria de inexistência de relação juridico tributária
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
 
Infrações e Sanções Fiscais
Infrações e Sanções FiscaisInfrações e Sanções Fiscais
Infrações e Sanções Fiscais
 
63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg63050280 direito-tributario-lfg
63050280 direito-tributario-lfg
 
Rev tributário av2 pdf
Rev tributário av2 pdfRev tributário av2 pdf
Rev tributário av2 pdf
 
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
 

Destaque

Um coração-como-o-seu
Um coração-como-o-seuUm coração-como-o-seu
Um coração-como-o-seu
GospeldaCovilha Portugal
 
Aula 11 11 - argos campos simões 2
Aula 11 11 - argos campos simões 2Aula 11 11 - argos campos simões 2
Aula 11 11 - argos campos simões 2
Fernanda Moreira
 
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Tathiane Piscitelli
 
12.11 dr. fernando salaberry
12.11   dr. fernando salaberry12.11   dr. fernando salaberry
12.11 dr. fernando salaberry
Fernanda Moreira
 
13 - Principios del procedimiento administrativo tributario
13 - Principios del procedimiento administrativo tributario13 - Principios del procedimiento administrativo tributario
13 - Principios del procedimiento administrativo tributario
QuantumConsultores
 
Aula dr. marcos neder 13-10-14
Aula dr. marcos neder   13-10-14Aula dr. marcos neder   13-10-14
Aula dr. marcos neder 13-10-14
Fernanda Moreira
 
Gustavo da silva amaral cit - aula 2
Gustavo da silva amaral   cit - aula 2Gustavo da silva amaral   cit - aula 2
Gustavo da silva amaral cit - aula 2
Betânia Costa
 
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas GeraisIBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
aldodepaulajr
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Fernanda Moreira
 
Aula dra. célia murphy 22-11
Aula dra. célia murphy   22-11Aula dra. célia murphy   22-11
Aula dra. célia murphy 22-11
Fernanda Moreira
 
IBET Controle de Constitucionalidade
IBET Controle de ConstitucionalidadeIBET Controle de Constitucionalidade
IBET Controle de Constitucionalidade
aldodepaulajr
 
Mandado de Segurança em matéria tributária - Cogeae abr_2011
Mandado de Segurança em matéria tributária - Cogeae abr_2011Mandado de Segurança em matéria tributária - Cogeae abr_2011
Mandado de Segurança em matéria tributária - Cogeae abr_2011
Tathiane Piscitelli
 
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVAREGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
Fernanda Moreira
 
Aula 11 - Controle De Constitucionalidade
Aula 11 - Controle De ConstitucionalidadeAula 11 - Controle De Constitucionalidade
Aula 11 - Controle De Constitucionalidade
Tércio De Santana
 

Destaque (14)

Um coração-como-o-seu
Um coração-como-o-seuUm coração-como-o-seu
Um coração-como-o-seu
 
Aula 11 11 - argos campos simões 2
Aula 11 11 - argos campos simões 2Aula 11 11 - argos campos simões 2
Aula 11 11 - argos campos simões 2
 
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
Planejamento tributário e seus limites - Cogeae abr_2011
 
12.11 dr. fernando salaberry
12.11   dr. fernando salaberry12.11   dr. fernando salaberry
12.11 dr. fernando salaberry
 
13 - Principios del procedimiento administrativo tributario
13 - Principios del procedimiento administrativo tributario13 - Principios del procedimiento administrativo tributario
13 - Principios del procedimiento administrativo tributario
 
Aula dr. marcos neder 13-10-14
Aula dr. marcos neder   13-10-14Aula dr. marcos neder   13-10-14
Aula dr. marcos neder 13-10-14
 
Gustavo da silva amaral cit - aula 2
Gustavo da silva amaral   cit - aula 2Gustavo da silva amaral   cit - aula 2
Gustavo da silva amaral cit - aula 2
 
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas GeraisIBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
IBET Ribeirão Preto - Imunidades e Normas Gerais
 
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
 
Aula dra. célia murphy 22-11
Aula dra. célia murphy   22-11Aula dra. célia murphy   22-11
Aula dra. célia murphy 22-11
 
IBET Controle de Constitucionalidade
IBET Controle de ConstitucionalidadeIBET Controle de Constitucionalidade
IBET Controle de Constitucionalidade
 
Mandado de Segurança em matéria tributária - Cogeae abr_2011
Mandado de Segurança em matéria tributária - Cogeae abr_2011Mandado de Segurança em matéria tributária - Cogeae abr_2011
Mandado de Segurança em matéria tributária - Cogeae abr_2011
 
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVAREGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
 
Aula 11 - Controle De Constitucionalidade
Aula 11 - Controle De ConstitucionalidadeAula 11 - Controle De Constitucionalidade
Aula 11 - Controle De Constitucionalidade
 

Semelhante a Aula dr. argos campos simões 10-11-14

2012 aula guerra fiscal
2012 aula guerra fiscal2012 aula guerra fiscal
2012 aula guerra fiscal
Fernanda Moreira
 
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões camposAula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Fernanda Moreira
 
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões camposAula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Fernanda Moreira
 
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões camposAula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Fernanda Moreira
 
Normas de crédito I - restrições
Normas de crédito I - restriçõesNormas de crédito I - restrições
Normas de crédito I - restrições
Betânia Costa
 
2012 aula 3 credito i materialidades e restricoes
2012 aula 3 credito i materialidades e restricoes2012 aula 3 credito i materialidades e restricoes
2012 aula 3 credito i materialidades e restricoes
Rosangela Garcia
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Fabiana Del Padre Tomé
 
Epd palestra guerra fiscal
Epd   palestra guerra fiscalEpd   palestra guerra fiscal
Epd palestra guerra fiscal
Tacio Lacerda Gama
 
Aula 11 11 - argos campos simões
Aula 11 11 - argos campos simõesAula 11 11 - argos campos simões
Aula 11 11 - argos campos simões
Fernanda Moreira
 
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
luciapaoliello
 
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Fernanda Moreira
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Tacio Lacerda Gama
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Tacio Lacerda Gama
 
Ietre competências e (in)segurança - curitiba 2012
Ietre   competências e (in)segurança - curitiba 2012Ietre   competências e (in)segurança - curitiba 2012
Ietre competências e (in)segurança - curitiba 2012
Tacio Lacerda Gama
 
Aula - FSBC - Suspensão da Exigibilidade da OT- 04.05.2011
Aula - FSBC - Suspensão da Exigibilidade da OT- 04.05.2011Aula - FSBC - Suspensão da Exigibilidade da OT- 04.05.2011
Aula - FSBC - Suspensão da Exigibilidade da OT- 04.05.2011
camilavergueirocatunda
 
Aula do dia 25 05-13 - dra. camila vergueiro catunda
Aula do dia 25 05-13 - dra. camila vergueiro catundaAula do dia 25 05-13 - dra. camila vergueiro catunda
Aula do dia 25 05-13 - dra. camila vergueiro catunda
Fernanda Moreira
 
Aula imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Aula   imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barretoAula   imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Aula imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Fernanda Moreira
 
Aula dra. roberta prado bordini landi 29-09-14
Aula dra. roberta prado bordini landi   29-09-14Aula dra. roberta prado bordini landi   29-09-14
Aula dra. roberta prado bordini landi 29-09-14
Fernanda Moreira
 
Andrea darzé ect - aula 3
Andrea darzé   ect - aula 3Andrea darzé   ect - aula 3
Andrea darzé ect - aula 3
Priscila Souza
 
Abradt 2009
Abradt 2009Abradt 2009

Semelhante a Aula dr. argos campos simões 10-11-14 (20)

2012 aula guerra fiscal
2012 aula guerra fiscal2012 aula guerra fiscal
2012 aula guerra fiscal
 
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões camposAula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
 
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões camposAula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
 
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões camposAula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
Aula dia 18 09-13 - professor argos simões campos
 
Normas de crédito I - restrições
Normas de crédito I - restriçõesNormas de crédito I - restrições
Normas de crédito I - restrições
 
2012 aula 3 credito i materialidades e restricoes
2012 aula 3 credito i materialidades e restricoes2012 aula 3 credito i materialidades e restricoes
2012 aula 3 credito i materialidades e restricoes
 
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - írisCogeae   execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
Cogeae execução fiscal - 25-04 e 26-04 - íris
 
Epd palestra guerra fiscal
Epd   palestra guerra fiscalEpd   palestra guerra fiscal
Epd palestra guerra fiscal
 
Aula 11 11 - argos campos simões
Aula 11 11 - argos campos simõesAula 11 11 - argos campos simões
Aula 11 11 - argos campos simões
 
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
Vi congresso direito_tributario - paraná - abril 2012
 
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14Aula dra. camila vergueiro catunda   20-09-14
Aula dra. camila vergueiro catunda 20-09-14
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 
Ietre competências e (in)segurança - curitiba 2012
Ietre   competências e (in)segurança - curitiba 2012Ietre   competências e (in)segurança - curitiba 2012
Ietre competências e (in)segurança - curitiba 2012
 
Aula - FSBC - Suspensão da Exigibilidade da OT- 04.05.2011
Aula - FSBC - Suspensão da Exigibilidade da OT- 04.05.2011Aula - FSBC - Suspensão da Exigibilidade da OT- 04.05.2011
Aula - FSBC - Suspensão da Exigibilidade da OT- 04.05.2011
 
Aula do dia 25 05-13 - dra. camila vergueiro catunda
Aula do dia 25 05-13 - dra. camila vergueiro catundaAula do dia 25 05-13 - dra. camila vergueiro catunda
Aula do dia 25 05-13 - dra. camila vergueiro catunda
 
Aula imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Aula   imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barretoAula   imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
Aula imposto sobre a renda - pessoa jurídica 2013 -paulo ayres barreto
 
Aula dra. roberta prado bordini landi 29-09-14
Aula dra. roberta prado bordini landi   29-09-14Aula dra. roberta prado bordini landi   29-09-14
Aula dra. roberta prado bordini landi 29-09-14
 
Andrea darzé ect - aula 3
Andrea darzé   ect - aula 3Andrea darzé   ect - aula 3
Andrea darzé ect - aula 3
 
Abradt 2009
Abradt 2009Abradt 2009
Abradt 2009
 

Mais de Fernanda Moreira

Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
Fernanda Moreira
 
12.11 dr. fernando salaberry
12.11   dr. fernando salaberry12.11   dr. fernando salaberry
12.11 dr. fernando salaberry
Fernanda Moreira
 
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo iiAula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Fernanda Moreira
 
Aula dra. elídie palma bifano 18-10-14
Aula dra. elídie palma bifano   18-10-14Aula dra. elídie palma bifano   18-10-14
Aula dra. elídie palma bifano 18-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Aula dr. argos simões 10 11 (1)Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Fernanda Moreira
 
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processoAula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Fernanda Moreira
 
Aula dr. thiago catunda 03-11
Aula dr. thiago catunda   03-11Aula dr. thiago catunda   03-11
Aula dr. thiago catunda 03-11
Fernanda Moreira
 
Aula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vâniaAula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vânia
Fernanda Moreira
 
Ordenamento e sistema tgd 2014
Ordenamento e sistema tgd   2014Ordenamento e sistema tgd   2014
Ordenamento e sistema tgd 2014
Fernanda Moreira
 
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Fernanda Moreira
 
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Aula dr. josé henrique longo   27-10-14Aula dr. josé henrique longo   27-10-14
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Fernanda Moreira
 
Aula 29 10-14 - josé roberto rosa
Aula 29 10-14 - josé roberto rosaAula 29 10-14 - josé roberto rosa
Aula 29 10-14 - josé roberto rosa
Fernanda Moreira
 
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Fernanda Moreira
 
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Aula dr. josé henrique longo   27-10-14Aula dr. josé henrique longo   27-10-14
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dra. betina treiger grupenmacher 25-10-14
Aula dra. betina treiger grupenmacher   25-10-14Aula dra. betina treiger grupenmacher   25-10-14
Aula dra. betina treiger grupenmacher 25-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dra. fabiana del padre tomé 14-10-14
Aula dra. fabiana del padre tomé   14-10-14Aula dra. fabiana del padre tomé   14-10-14
Aula dra. fabiana del padre tomé 14-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dra. elídie palma bifano 20-10-14
Aula dra. elídie palma bifano   20-10-14Aula dra. elídie palma bifano   20-10-14
Aula dra. elídie palma bifano 20-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede 18-10-2014
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede   18-10-2014Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede   18-10-2014
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede 18-10-2014
Fernanda Moreira
 

Mais de Fernanda Moreira (20)

Aula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidadeAula do dia 13 11 -contabilidade
Aula do dia 13 11 -contabilidade
 
12.11 dr. fernando salaberry
12.11   dr. fernando salaberry12.11   dr. fernando salaberry
12.11 dr. fernando salaberry
 
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo iiAula dr. paulo ayres barreto   11- 10 - módulo ii
Aula dr. paulo ayres barreto 11- 10 - módulo ii
 
Aula dra. elídie palma bifano 18-10-14
Aula dra. elídie palma bifano   18-10-14Aula dra. elídie palma bifano   18-10-14
Aula dra. elídie palma bifano 18-10-14
 
Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Aula dr. argos simões 10 11 (1)Aula dr. argos simões 10 11 (1)
Aula dr. argos simões 10 11 (1)
 
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processoAula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
Aula do dia 11 10 - dr. rodrigo dalla pria - processo
 
Aula dr. thiago catunda 03-11
Aula dr. thiago catunda   03-11Aula dr. thiago catunda   03-11
Aula dr. thiago catunda 03-11
 
Aula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vâniaAula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vânia
 
Ordenamento e sistema tgd 2014
Ordenamento e sistema tgd   2014Ordenamento e sistema tgd   2014
Ordenamento e sistema tgd 2014
 
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
 
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Aula dr. josé henrique longo   27-10-14Aula dr. josé henrique longo   27-10-14
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
 
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
 
Aula 29 10-14 - josé roberto rosa
Aula 29 10-14 - josé roberto rosaAula 29 10-14 - josé roberto rosa
Aula 29 10-14 - josé roberto rosa
 
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014Aula dra. maria rita ferragut   04-10-2014
Aula dra. maria rita ferragut 04-10-2014
 
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
Aula dr. josé henrique longo   27-10-14Aula dr. josé henrique longo   27-10-14
Aula dr. josé henrique longo 27-10-14
 
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
Aula dr. clelio chiesa 08 10-14
 
Aula dra. betina treiger grupenmacher 25-10-14
Aula dra. betina treiger grupenmacher   25-10-14Aula dra. betina treiger grupenmacher   25-10-14
Aula dra. betina treiger grupenmacher 25-10-14
 
Aula dra. fabiana del padre tomé 14-10-14
Aula dra. fabiana del padre tomé   14-10-14Aula dra. fabiana del padre tomé   14-10-14
Aula dra. fabiana del padre tomé 14-10-14
 
Aula dra. elídie palma bifano 20-10-14
Aula dra. elídie palma bifano   20-10-14Aula dra. elídie palma bifano   20-10-14
Aula dra. elídie palma bifano 20-10-14
 
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede 18-10-2014
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede   18-10-2014Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede   18-10-2014
Aula dr. luís claudio ferreira cantanhede 18-10-2014
 

Aula dr. argos campos simões 10-11-14

  • 1. Nome do professor “disciplina” Argos Campos Ribeiro Simões
  • 2. BENEFÍCIOS FISCAIS – GUERRA Nome do professor FISCAL – Decreto 58.918/2013
  • 3. Nome do professor GUERRA FISCAL – ICMS  CONFLITO ENTRE OS ENTES FEDERATIVOS ORIGINADO DA CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS E DE INCENTIVOS FISCAIS AO ARREPIO DO PREVISTO NO ORDENAMENTO, COM A FINALIDADE DE ATRAIR EMPRESAS PARA O TERRITÓRIO DO ENTE FEDERATIVO CONCEDENTE. 
  • 4. Nome do professor GUERRA FISCAL - ICMS  BENEFÍCIOS OU INCENTIVOS FISCAIS  FACILIDADES FISCAIS (PARCELAMENTO DE DÉBITOS, CRÉDITOS PRESUMIDOS)  INCENTIVOS UTILIZANDO O APARATO NORMATIVO FISCAL
  • 5. Nome do professor GLOSA DE CRÉDITO NA GUERRA FISCAL
  • 6. Nome do professor CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL  GOIÁS CONCEDE REGIME ESPECIAL A DETERMINADAS EMPRESAS, OUTORGANDO CRÉDITOS DE 2% TODA VEZ QUE HOUVER OPERAÇÕES INTERESTADUAIS DE CIRCULAÇÃO DE DETERMINADAS ESPÉCIES DE MERCADORIAS.  O DESTAQUE NA NOTA FISCAL CORRESPONDENTE À REMESSA DE MERCADORIAS PARA SÃO PAULO (EXEMPLO) É DE 12%  SÃO PAULO ACEITA SOMENTE 10% (12% - 2%) – LAVRA AIIM (CRÉDITO INDEVIDO DE 2%)
  • 7. Nome do professor ALGUNS ARGUMENTOS DOS CONTRIBUINTES  O Administrado (DE GOIÁS) não tem o dever de impugnar legislação que lhe conceda o benefício e que seja desfavorável a São Paulo.  O Administrado (PAULISTA) não tem o dever de impugnar legislação de outro Estado em face de benefício fiscal unilateral concedido ao remetente das mercadorias.
  • 8. Nome do professor ALGUNS ARGUMENTOS DOS CONTRIBUINTES  Se houve lesão aos cofres públicos paulistas em face do benefício unilateral, então quem deve indenizar o Estado de São Paulo é o ente federativo que concedera indevidamente tal benefício (GOIÁS) e não o estabelecimento paulista destinatário.
  • 9. Nome do professor ALGUNS ARGUMENTOS DOS CONTRIBUINTES  Administração judicante não tem competência para declarar ilegal ou inconstitucional norma válida, vigente e eficaz de outro Estado (art. 28 da Lei 13.457- 09)
  • 10. Nome do professor ALGUNS ARGUMENTOS DOS CONTRIBUINTES  O Estado de São Paulo também concede isenções e benefícios sem a deliberação do CONFAZ, o que convalidaria o comportamento do estabelecimento destinatário paulista.
  • 11. Nome do professor ALGUNS ARGUMENTOS DOS CONTRIBUINTES  O Comunicado CAT 36/2004 teria inovado o ordenamento do Estado de São Paulo, sem que houvesse lei a emprestar-lhe fundamento de validade.
  • 12. Nome do professor ALGUNS ARGUMENTOS DOS CONTRIBUINTES  O Art. 8º, I da LC 24/75 não fora recepcionado pela CF/88, pois teria criado obstáculo ao creditamento em hipótese não prevista pela própria CF/88 (não se trataria de isenção ou não incidência).  Se o Art. 8º, I da LC 24/75 tiver sido recepcionado, haveria a necessidade de manifestação do judiciário sobre a inconstitucionalidade das normas do TARE do outro Estado para a sua aplicação em São Paulo.
  • 13. Nome do professor CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL LC 24/75  Art. 8º - A inobservância dos dispositivos desta Lei acarretará, cumulativamente:  I - a nulidade do ato e a ineficácia do crédito fiscal atribuído ao estabelecimento recebedor da mercadoria;  Il - a exigibilidade do imposto não pago ou devolvido e a ineficácia da lei ou ato que conceda remissão do débito correspondente.  Parágrafo único - As sanções previstas neste artigo poder-se-ão acrescer a presunção de irregularidade das contas correspondentes ao exercício, a juízo do Tribunal de Contas da União, e a suspensão do pagamento das quotas referentes ao Fundo de Participação, ao Fundo Especial e aos impostos referidos nos Argos Campos Ribeiro Simões IBET - ICMS Teoria e Prática - proibida a reprodução
  • 14. Nome do professor ALGUNS ARGUMENTOS DOS CONTRIBUINTES  Não tive culpa, pois tomei todas as providências possíveis para verificar a situação fiscal do remetente de outro Estado. Ele estava regular e eu de boa-fé.  Relevância para desconstituir a boa-fé:  TARE disponível no site?  NNFF com carimbo?  Na ausência de provas => art. 199 do CTN (permuta de informações entre os fiscos)  TARE não específico (4%, 7% ou 11%) => autua???
  • 15. CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL  Art. 155 CF/88, § 2º O ICMS atenderá ao seguinte:"  XII - cabe à lei complementar:  g) regular a forma como, mediante deliberação dos Estados e do Distrito Federal, isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados. Nome do professor
  • 16. Nome do professor CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL É BENEFÍCIO FISCAL? A SITUAÇÃO ENQUADRA-SE NA HIPÓTESE CONTEMPLADA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL?
  • 17. Nome do professor CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL (LC 24/75)  Art. 1º - As isenções do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias serão concedidas ou revogadas nos termos de convênios celebrados e ratificados pelos Estados e pelo Distrito Federal, segundo esta Lei. (CONFAZ)  Parágrafo único - O disposto neste artigo também se aplica:  I - à redução da base de cálculo;  II - à devolução total ou parcial, direta ou indireta, condicionada ou não, do tributo, ao contribuinte, a responsável ou a terceiros;  III - à concessão de créditos presumidos;  IV – a quaisquer outros incentivos ou favores fiscais ou financeiro-fiscais, concedidos com base no Imposto de Circulação de Mercadorias, dos quais resulte redução ou eliminação, direta ou indireta, do respectivo ônus; [g.n.]  V - às prorrogações e às extensões das isenções vigentes nesta data
  • 18. Nome do professor CASO PRÁTICO – GUERRA FISCAL LC 24/75  Art. 8º - A inobservância dos dispositivos desta Lei acarretará, cumulativamente:  I - a nulidade do ato e a ineficácia do crédito fiscal atribuído ao estabelecimento recebedor da mercadoria;  Il - a exigibilidade do imposto não pago ou devolvido e a ineficácia da lei ou ato que conceda remissão do débito correspondente.  Parágrafo único - As sanções previstas neste artigo poder-se-ão acrescer a presunção de irregularidade das contas correspondentes ao exercício, a juízo do Tribunal de Contas da União, e a suspensão do pagamento das quotas referentes ao Fundo de Participação, ao Fundo Especial e aos impostos referidos nos
  • 19. Nome do professor ICMS – ASPECTOS GERAIS  Princípio Constitucional -não-cumulatividade Art. 155,§ 2°, CF/88: O ICMS será não cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação relativa à circulação de mercadorias ou prestação de serviços com o montante cobrado nas anteriores pelo mesmo ou outro Estado, ou pelo DF. o
  • 20. NÃO CUMULATIVIDADE  Artigo 155, §2º, II – CF/88 - A isenção ou a não incidência, salvo determinação em contrário da legislação:  a) - não implicará crédito para compensação com o montante devido nas operações ou prestações seguintes;  b) - acarretará a anulação do crédito relativo às operações ou prestações anteriores. Nome do professor
  • 21. ISENÇÃO & NÃO INCIDÊNCIA  Este rol é exaustivo ou exemplificativo?  Como entender esta não incidência? É só imunidade?  A legislação pode estabelecer outras restrições?  Importância do tema (FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL DE VALIDADE):  INIDÔNEO  GUERRA FISCAL Nome do professor
  • 22. ISENÇÃO & NÃO INCIDÊNCIA  Isenção (Mutilação parcial/Isenção parcial do STF)  Não incidência Nome do professor  Ausência de norma a ser incidida  Ausência de fato (como articulação lingüística) a fazer a incidência (sem linguagem não há incidência como coincidência)  Não há imposto devido no USO E CONSUMO ou na saída de ATIVO  Obstáculo à incidência (Ineficácia Técnica)  Imunidade
  • 23. Conceitos  Visão normativa do Crédito => direito subjetivo do contribuinte ou dever do Estado  Estado tem o Dever de reconhecer o Direito de Crédito do Contribuinte  Critério Financeiro de Creditamento  Raiz da não cumulatividade => CRÉDITO  Isenção e não incidência seriam situações exaustivas de obstáculo ao crédito (outras situações de vedação => VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA NÃO CUMULATIVIDADE Nome do professor
  • 24. Conceitos  Critério “Físico” de Creditamento  Raiz da não cumulatividade => COMPENSAÇÃO  Conceito de COBRADO => Incidente (Linguagem)  COBRADO = PAGO ???  VIOLAÇÃO AO PRINCÍPIO DA NÃO CUMULATIVIDADE => OBSTAR UMA COMPENSAÇÃO DE FORMA ILEGAL, INCONSTITUCIONAL Nome do professor
  • 25.  Art. 146 da CF/88  Papéis das normas gerais veiculadas por lei complementar (visão dicotômica)  Dispor sobre conflitos de competência  Limitar o poder de tributar (respeito à não cumulatividade)   Limitação às normas gerais: materialidades tributárias (já CONCEITUALMENTE previstas na CF/88) Nome do professor
  • 26. Crédito  Qual a natureza jurídica do crédito? Nome do professor  Moeda escritural (justifica AIIM Saldo Credor)  De valor idêntico ao imposto devido daquele que remete a mercadoria ou presta serviço  Não tem a mesma natureza de montante a ser restituído a título de imposto Professor: Argos Campos Ribeiro Simões IBET - ICMS Teoria e Prática proibida a reprodução
  • 27. Crédito  Qual o momento de nascimento do crédito? Quem cria a norma? Nome do professor  Momento da escrituração em que o contribuinte se coloca como sujeito ativo em face do Estado que deve reconhecer seu direito àquele montante, cujo destino é a compensação. Prazo para exercer o direito ao crédito Art. 23, Parágrafo único da LC 87/96 - O direito de utilizar o crédito extingue-se depois de decorridos cinco anos contados da data de emissão do documento.
  • 28. REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA DE DIREITO AO CRÉDITO - Material => Adquirir MERCADORIA (E NÃO BENS NÃO Nome do professor MERCADORIAS) cujo montante de ICMS tenha sido cobrado em anterior operação - Temporal => A partir da aquisição jurídica (física ou simbólica) da mercadoria (por um período decadencial de 5 anos a partir da emissão da NF => parágrafo único, art. 20 da LC 87/96) - Espacial => No Estado/DF onde localizado o estabelecimento recebedor - Quantitativo => Montante COBRADO em anterior operação (Valor da operação X alíquota => imposto devido para o remetente) - Subjetivo Ativo => CONTRIBUINTE - Subjetivo Passivo => ESTADO DO ESTABELECIMENTO ADQUIRENTE
  • 29. GUERRA FISCAL  Art. 155, §2º, XII, “c” – O ICMS atenderá ao seguinte: cabe à lei complementar:  disciplinar o regime de compensação. Nome do professor
  • 30. GUERRA FISCAL  Art. 19 LC 87/96 (art. 155, §2º, I, CF/88) – O imposto é não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação relativa à circulação de mercadorias ou prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação com o montante cobrado nas anteriores pelo mesmo ou outro Estado. Nome do professor
  • 31. GUERRA FISCAL  Art. 20 LC 87/96 – Para a compensação a que se refere o artigo anterior, é assegurado ao sujeito passivo o direito de creditar-se do imposto anteriormente cobrado em operações de que tenha resultado a entrada de mercadoria, real ou simbólica, no estabelecimento, inclusive a destinada ao seu uso ou consumo ou ao ativo permanente, ou o recebimento de serviços de transporte interestadual e intermunicipal ou de comunicação. Nome do professor
  • 32. GUERRA FISCAL  Art. 23 LC 87/96 – O direito de crédito para efeito de compensação com débito do imposto, reconhecido ao estabelecimento que tenha recebido as mercadorias ou para o qual tenham sido prestados os serviços, está condicionado à idoneidade da documentação e, se for o caso, à escrituração nos prazos e condições estabelecidos na legislação. Nome do professor
  • 33. GUERRA FISCAL  Artigo 36, Lei 6374/89 (PAULISTA)- O ICMS é não-cumulativo, Nome do professor compensando-se o imposto que seja devido em cada operação ou prestação com o anteriormente cobrado por este, outro Estado ou pelo Distrito Federal, relativamente a mercadoria entrada ou a prestação de serviço recebida, acompanhada de documento fiscal hábil, emitido por contribuinte em situação regular perante o fisco.
  • 34. Nome do professor GUERRA FISCAL - ICMS – NÃO CUMULATIVIDADE Art. 36 – Lei 6374/89 (PAULISTA)  § 1º - Para efeitos deste artigo, considera-se:  1 - imposto devido, o resultante da aplicação da alíquota sobre a base de cálculo de cada operação ou prestação sujeita a cobrança de tributo;  2 - imposto anteriormente cobrado, a importância calculada nos termos do item precedente e destacada em documento fiscal hábil;
  • 35. Nome do professor GUERRA FISCAL - ICMS – NÃO CUMULATIVIDADE Art. 36 – Lei 6374/89 (PAULISTA)  § 1º - Para efeitos deste artigo, considera-se:  3 - documento fiscal hábil, o que atenda a todas as exigências da legislação pertinente, seja emitido por contribuinte em situação regular perante o fisco e esteja acompanhado, quando exigido, de comprovante do recolhimento do imposto;  4 - situação regular perante o fisco, a do contribuinte que, à data da operação ou prestação, esteja inscrito no cadastro de contribuintes, se encontre em atividade no local indicado, possibilite a comprovação da autenticidade dos demais dados cadastrais apontados ao fisco e não esteja enquadrado nas hipóteses previstas nos artigos 20 e 21 (inscrição cassada, suspensa ou nula)
  • 36. ICMS – GUERRA FISCAL Art. 36 – Lei 6374/89 (PAULISTA)  § 3°- Não se considera cobrado, ainda que destacado em documento fiscal, o montante do imposto que corresponder a vantagem econômica decorrente da concessão de qualquer subsídio, redução da base de cálculo, crédito presumido ou outro incentivo ou benefício fiscal em desacordo com o disposto no artigo 155, § 2º, inciso XII, alínea "g", da Constituição Federal. Nome do professor
  • 37. COMUNICADO CAT Nº 36, de 29-07-2004  O Coordenador da Administração Tributária, tendo em vista o disposto Nome do professor nos artigos 155, § 2o, I, e XII, "g" e 170, IV, da Constituição Federal, bem como o disposto nos artigos 1o e 8o, I da Lei Complementar 24,de 7 de janeiro de 1975, e no artigo 36, § 3o, da Lei Estadual 6.374, de 1o de março de 1989;  Considerando a necessidade de esclarecer o contribuinte paulista e de orientar a fiscalização quanto a operações realizadas ao abrigo de atos normativos concessivos de benefício fiscal que não observaram a legislação de regência do ICMS para serem emanados, esclarece que:  1 - o crédito do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, correspondente à entrada de mercadoria remetida ou de serviço prestado a estabelecimento localizado em território paulista, por estabelecimento localizado em outra unidade federada que se beneficie com incentivos fiscais indicados nos Anexos I e II deste comunicado, somente será admitido até o montante em que o imposto tenha sido efetivamente cobrado pela unidade federada de origem;
  • 38. Nome do professor DECRETO 58.918/2013  Artigo 1° - Passa a vigorar com a seguinte redação o artigo 426-C do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - RICMS, aprovado pelo Decreto 45.490, de 30 de novembro de 2000:  "Artigo 426-C - Nas operações interestaduais destinadas a contribuinte paulista, beneficiadas ou incentivadas em desacordo com o disposto na alínea "g" do inciso XII do § 2º do artigo 155 da Constituição Federal, o imposto correspondente ao valor do benefício ou incentivo deverá ser recolhido ao Estado de São Paulo pelo adquirente da mercadoria, observando-se o seguinte:  I - O imposto correspondente ao valor do benefício ou incentivo deverá ser recolhido até o momento da entrada da mercadoria no território deste Estado, por meio de guia de recolhimentos especiais, conforme disciplina estabelecida pela Secretaria da Fazenda;  II - A Secretaria da Fazenda divulgará os benefícios ou incentivos concedidos por outras Unidades da Federação, para fins de cálculo do valor a ser recolhido;  III - Relativamente aos benefícios ou incentivos divulgados na forma do inciso II, presume-se que estes foram utilizados pelo remetente da mercadoria, acarretando ao adquirente paulista a obrigação do recolhimento de que trata este artigo.
  • 39. Nome do professor DECRETO 58.918/2013  § 1º - O disposto neste artigo aplica-se também às operações interestaduais sujeitas ao regime de substituição tributária, hipótese em que o adquirente paulista deverá recolher o imposto correspondente ao valor do benefício ou incentivo utilizado na operação própria do remetente.  § 2º - Desde que efetuados antes da entrada da mercadoria neste Estado, admitir-se-á que os recolhimentos de que tratam o "caput" e § 1º sejam realizados pelo remetente da mercadoria, a favor deste Estado, por meio de Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais - GNRE, conforme disciplina estabelecida pela Secretaria da Fazenda.  § 3º - Uma via do documento de arrecadação a que se referem o inciso I e §§ 1º e 2º deverá acompanhar a mercadoria durante o seu transporte.  § 4º - Os recolhimentos previstos neste artigo poderão ser dispensados nos casos em que o remetente comprovar, antecipadamente, conforme disciplina estabelecida pela Secretaria da Fazenda, que não utilizou os benefícios ou incentivos divulgados na forma do inciso II.  § 5º - O crédito integral do imposto destacado no documento fiscal correspondente às operações de que trata o "caput" e o § 1º fica condicionado ao atendimento do disposto neste artigo, além das demais normas estabelecidas na legislação" (NR).