SlideShare uma empresa Scribd logo
0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO
SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL
Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL
Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033
DECISÃO 2014 – A
PROCESSO Nº 24643-51.2014.4.01.3400
AUTORA: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANTENEDORAS DE ENSINO SUPERIOR
– AMBES
RÉ: UNIÃO FEDERAL
DECISÃO
A Autora pretende obter a antecipação dos efeitos da tutela para:
a) suspender os efeitos da Instrução Normativa RFB nº 1.394, de 12.09.2013,
em relação às suas associadas que firmaram termo de adesão ao Programa Universidade
para Todos – PROUNI antes da vigência da Lei nº 12.431/2011, mantendo-se a isenção
fiscal conferida pela Lei nº 11.096/2005 e pela Instrução Normativa RFB nº 456/2004 até o
decurso do prazo de 10 (dez) anos, estabelecido nos respectivos termos de adesão;
b) determinar que a Ré abstenha-se de impor qualquer limitação à isenção
prevista na Lei nº 11.096/2005 às suas associadas que assinaram ou venham a assinar
os termos de adesão após a edição da Lei nº 12.431/2011 e da Instrução Normativa RFB
nº 1.394, de 12.09.2013;
c) declarar o direito de suas associadas, independentemente de quando
assinaram o respectivo termo de adesão, a renová-los após expirado o prazo de 10 (dez)
anos, assegurando-se a isenção fiscal conferida pela Lei nº 11.096/2005 e pela Instrução
Normativa RFB nº 456/2004.
Informa que as instituições de ensino que lhe são associadas celebraram
termos de adesão ao PROUNI com prazo de validade de dez anos.
Narra que a Lei nº 11.096/2005, em sua redação original, previa a isenção
________________________________________________________________________________________________________________________
Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006.
A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287.
Pág. 1/5
0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO
SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL
Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL
Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033
quanto ao pagamento de alguns tributos federais (contribuição para o financiamento da
seguridade social – COFINS, contribuição para o PIS/Pasep, contribuição social sobre o
lucro líquido – CSLL e imposto de renda da pessoa jurídica – IRPJ) para as instituições
que aderissem ao Programa.
A base de cálculo utilizada para o cômputo da isenção correspondia,
inicialmente, à totalidade do lucro de exploração, consistente na receita total obtida com
as mensalidades escolares recebidas pelas instituições.
Afirma que a regra da isenção foi alterada pela Lei nº 12.431/2011 –
regulamentada pela Instrução Normativa RFB nº 1.394, de 12.09.2013 – para limitá-la à
proporção da ocupação efetiva das bolsas devidas, reduzindo, consideravelmente, o
montante utilizado para o cálculo da isenção.
Sustenta a ilegalidade da alteração legislativa aos seguintes argumentos: como
os termos de adesão foram firmados por prazo determinado (de dez anos) e sob condição
onerosa, a alteração da isenção não tem validade, a teor do art. 175 do Código Tributário
Nacional; houve violação ao direito adquirido; inconstitucionalidade material e formal do
§3º do art. 8º da Lei nº 11.096/2005, com a redação dada pela Lei nº 12.431/2011, visto
que a isenção anteriormente concedida jamais poderia ser modificada ou revogada, as
alterações promoveram a diminuição dos investimentos feitos pelas instituições.
A antecipação dos efeitos da tutela exige a presença de prova inequívoca do
fato que confira verossimilhança à alegação e de fundado receio de dando irreparável ou
de difícil reparação, nos termos do art. 273 do Código de Processo Civil.
Em juízo de cognição sumária, vislumbro a presença de ambos os requisitos
para o deferimento parcial da medida.
Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a isenção tributária
________________________________________________________________________________________________________________________
Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006.
A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287.
Pág. 2/5
0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO
SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL
Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL
Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033
corresponde a uma dispensa legal de determinado tributo devido. Embora o fato gerador
haja ocorrido, impede-se a constituição e cobrança do crédito tributário.
Em linhas gerais, a isenção tributária pode ser concedida com prazo certo –
isenção transitória – ou com prazo indeterminado – isenções permanentes, de modo
condicionado – bilateral ou onerosa – e incondicionado – unilateral ou gratuita.
Em regra, a isenção, por constituir-se em benefício instituído exclusivamente
pelo poder tributante, pode ser revogada a qualquer tempo. A exceção fica por conta da
isenção condicional ou da concedida a prazo certo.
A propósito, o art. 178 do Código Tributário Nacional dispõe que a isenção,
salvo se concedida por prazo certo e em função de determinadas condições, pode ser
revogada ou modificada por lei, a qualquer tempo, observando-se as restrições temporais
previstas no art. 104, III.
O Supremo Tribunal Federal possui jurisprudência pacificada a esse respeito,
segundo a qual isenções tributárias concedidas sob condição onerosa não podem ser
livremente suprimidas (Súmula 544).
No caso em exame, a Lei nº 11.096/2005 – que instituiu o PROUNI – instituiu
isenção de determinados tributos federais às instituições de ensino que celebrassem
termos de adesão ao Programa pelo período de vigência dos respectivos termos, que foi
estipulado em dez anos, senão confira-se a redação original dos arts. 5 e 8º:
Art. 5o
A instituição privada de ensino superior, com fins lucrativos ou sem
fins lucrativos não beneficente, poderá aderir ao Prouni mediante assinatura de
termo de adesão, cumprindo-lhe oferecer, no mínimo, 1 (uma) bolsa integral
para o equivalente a 10,7 (dez inteiros e sete décimos) estudantes
regularmente pagantes e devidamente matriculados ao final do correspondente
período letivo anterior, conforme regulamento a ser estabelecido pelo Ministério
da Educação, excluído o número correspondente a bolsas integrais concedidas
________________________________________________________________________________________________________________________
Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006.
A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287.
Pág. 3/5
0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO
SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL
Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL
Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033
pelo Prouni ou pela própria instituição, em cursos efetivamente nela instalados.
§ 1o
O termo de adesão terá prazo de vigência de 10 (dez) anos, contado
da data de sua assinatura, renovável por iguais períodos e observado o
disposto nesta Lei.
Art. 8o
A instituição que aderir ao Prouni ficará isenta dos seguintes
impostos e contribuições no período de vigência do termo de adesão:
I - Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas;
II - Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, instituída pela Lei no 7.689, de 15 de
dezembro de 1988;
III - Contribuição Social para Financiamento da Seguridade Social,
instituída pela Lei Complementar no 70, de 30 de dezembro de 1991
; e
IV - Contribuição para o Programa de Integração Social, instituída pela Lei
Complementar no 7, de 7 de setembro de 1970.
§ 1o
A isenção de que trata o caput deste artigo recairá sobre o lucro nas
hipóteses dos incisos I e II do caput deste artigo, e sobre a receita auferida,
nas hipóteses dos incisos III e IV do caput deste artigo, decorrentes da
realização de atividades de ensino superior, proveniente de cursos de
graduação ou cursos seqüenciais de formação específica.
§ 2o
A Secretaria da Receita Federal do Ministério da Fazenda disciplinará
o disposto neste artigo no prazo de 30 (trinta) dias.
A Lei nº 12.431/2011 incluiu o §3º ao art. 8º da Lei nº 11.096/2005 para
restringir a isenção à ocupação efetiva das bolsas devidas:
§ 3o
A isenção de que trata este artigo será calculada na proporção da
ocupação efetiva das bolsas devidas. (Incluído pela Lei nº 12.431, de 2011).
A alteração legislativa, por reduzir o alcance de isenção onerosa anteriormente
concedida, não pode prevalecer em relação aos contratos firmados antes de sua lei,
tendo por base os fundamentos anteriormente expostos.
No entanto, nada impede que se estenda aos contratos firmados após sua
vigência, não advindo daí nenhuma ilegalidade, tendo em vista que as isenções podem
ser suprimidas pelo poder tributante, observadas as balizadas impostas pelo Código
________________________________________________________________________________________________________________________
Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006.
A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287.
Pág. 4/5
0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO
SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL
Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL
Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033
Tributário Nacional.
A alegação de inconstitucionalidade da alteração promovida pela Lei nº
12.431/2011 será examinada na sentença.
O risco de perecimento de direito existe porque, caso a medida não seja
imediatamente concedida, as associadas da Autora se sujeitarão ao recolhimento a maior
de tributos, o que impactará fortemente suas finanças, na medida em que a Instrução
Normativa RFB nº 1.394/2013 passou a produzir efeitos desde janeiro deste ano.
Com essas considerações, defiro parcialmente o pedido de antecipação
dos efeitos da tutela para suspender os efeitos da Instrução Normativa RFB nº 1.394, de
12.09.2013, em relação às suas associadas que firmaram termo de adesão ao Programa
Universidade para Todos – PROUNI antes da vigência da Lei nº 12.431/2011, mantendo-
se a isenção fiscal conferida pela Lei nº 11.096/2005 e pela Instrução Normativa RFB nº
456/2004 até o decurso do prazo de 10 (dez) anos, estabelecido nos respectivos termos
de adesão.
Retifique-se a autuação para que a União (Fazenda Nacional) figure no polo
passivo.
Publique-se. Intime-se para cumprimento e cite-se.
Apresentada a contestação, intime-se a Autora para apresentar réplica e para
especificar e indicar as provas que pretende realizar em juízo. Prazo: 10 (dez) dias.
Brasília, 14 de abril de 2014.
(assinatura digital)
IVANI SILVA DA LUZ
Juíza Federal Titular da 6ª Vara/DF
________________________________________________________________________________________________________________________
Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006.
A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287.
Pág. 5/5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Fabio Motta
 
Acórdão reconhecimento vínculo na justiça trabalhista para aposentadoria
Acórdão   reconhecimento vínculo na justiça trabalhista para aposentadoriaAcórdão   reconhecimento vínculo na justiça trabalhista para aposentadoria
Acórdão reconhecimento vínculo na justiça trabalhista para aposentadoria
Waldemar Ramos Junior
 
Acórdão recente julgado favorável para desaposentação
Acórdão   recente julgado favorável para desaposentaçãoAcórdão   recente julgado favorável para desaposentação
Acórdão recente julgado favorável para desaposentação
Waldemar Ramos Junior
 
527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882
527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882
527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882
Fabio Motta
 
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Fabio Motta
 
Acórdão acréscimo 25% aposentado idade incapacitado que depende de ajuda de...
Acórdão   acréscimo 25% aposentado idade incapacitado que depende de ajuda de...Acórdão   acréscimo 25% aposentado idade incapacitado que depende de ajuda de...
Acórdão acréscimo 25% aposentado idade incapacitado que depende de ajuda de...
Waldemar Ramos Junior
 
Stj professor agravo regimental
Stj professor agravo regimentalStj professor agravo regimental
Stj professor agravo regimental
Fabio Motta
 
Sentença revisão 4.07 2014
Sentença revisão 4.07 2014Sentença revisão 4.07 2014
Sentença revisão 4.07 2014
Fabio Motta
 
Sentença com resolução de mérito 29II
Sentença com resolução de mérito 29IISentença com resolução de mérito 29II
Sentença com resolução de mérito 29II
Fabio Motta
 

Mais procurados (20)

Desaposentação incidente de uniformização
Desaposentação incidente de uniformizaçãoDesaposentação incidente de uniformização
Desaposentação incidente de uniformização
 
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
STJ - Não incidência do Fator previdenciário em aposentadoria para professor.
 
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
948515c69809e48e6645a7b80681576c (1)
 
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
Senten+âºa f prev_jef_floripa_-_paggiarin[1]
 
TRF2 - Liminar - Contribuições Previdenciárias
TRF2 - Liminar - Contribuições PrevidenciáriasTRF2 - Liminar - Contribuições Previdenciárias
TRF2 - Liminar - Contribuições Previdenciárias
 
Acórdão reconhecimento vínculo na justiça trabalhista para aposentadoria
Acórdão   reconhecimento vínculo na justiça trabalhista para aposentadoriaAcórdão   reconhecimento vínculo na justiça trabalhista para aposentadoria
Acórdão reconhecimento vínculo na justiça trabalhista para aposentadoria
 
Acórdão recente julgado favorável para desaposentação
Acórdão   recente julgado favorável para desaposentaçãoAcórdão   recente julgado favorável para desaposentação
Acórdão recente julgado favorável para desaposentação
 
527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882
527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882
527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882
 
STJ confirma direito à desaposentadoria sem devolução de valores
STJ confirma direito à desaposentadoria sem devolução de valoresSTJ confirma direito à desaposentadoria sem devolução de valores
STJ confirma direito à desaposentadoria sem devolução de valores
 
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
Aposentadoria Professor sem Fator Previdenciário - Sentença com Antecipação d...
 
Informativo STF 869 - Informativo Estratégico
Informativo STF 869 -  Informativo EstratégicoInformativo STF 869 -  Informativo Estratégico
Informativo STF 869 - Informativo Estratégico
 
Acórdão acréscimo 25% aposentado idade incapacitado que depende de ajuda de...
Acórdão   acréscimo 25% aposentado idade incapacitado que depende de ajuda de...Acórdão   acréscimo 25% aposentado idade incapacitado que depende de ajuda de...
Acórdão acréscimo 25% aposentado idade incapacitado que depende de ajuda de...
 
Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo EstratégicoInformativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
 
Stj professor agravo regimental
Stj professor agravo regimentalStj professor agravo regimental
Stj professor agravo regimental
 
Sentença revisão 4.07 2014
Sentença revisão 4.07 2014Sentença revisão 4.07 2014
Sentença revisão 4.07 2014
 
Sentença procedente fgts
Sentença procedente fgtsSentença procedente fgts
Sentença procedente fgts
 
Sentenã‡a
Sentenã‡aSentenã‡a
Sentenã‡a
 
Sentença com resolução de mérito 29II
Sentença com resolução de mérito 29IISentença com resolução de mérito 29II
Sentença com resolução de mérito 29II
 
Informativo stf 843
Informativo stf 843Informativo stf 843
Informativo stf 843
 
Informativo STF 855
Informativo STF 855Informativo STF 855
Informativo STF 855
 

Semelhante a DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES

Aula dra. juliana furtado costa 04-10-14
Aula dra. juliana furtado costa   04-10-14Aula dra. juliana furtado costa   04-10-14
Aula dra. juliana furtado costa 04-10-14
Fernanda Moreira
 
Aula do dia 11 05-13 - dra. juliana furtado
Aula do dia 11 05-13 - dra. juliana furtadoAula do dia 11 05-13 - dra. juliana furtado
Aula do dia 11 05-13 - dra. juliana furtado
Fernanda Moreira
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Rosangela Garcia
 
TRF1 - Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
TRF1 - Sentença Desaposentação com Tutela AntecipadaTRF1 - Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
TRF1 - Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
Fabio Motta
 
38df2560889c703d8f71f861cc5ef37c (1)
38df2560889c703d8f71f861cc5ef37c (1)38df2560889c703d8f71f861cc5ef37c (1)
38df2560889c703d8f71f861cc5ef37c (1)
Fabio Motta
 
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
Droit ZeitGeist
 

Semelhante a DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES (20)

2032 - Mandado de Segurança Cc Liminar - Exclusão ICMS, PIS e COFINS
2032 - Mandado de Segurança Cc Liminar - Exclusão ICMS, PIS e COFINS2032 - Mandado de Segurança Cc Liminar - Exclusão ICMS, PIS e COFINS
2032 - Mandado de Segurança Cc Liminar - Exclusão ICMS, PIS e COFINS
 
Aula dra. juliana furtado costa 04-10-14
Aula dra. juliana furtado costa   04-10-14Aula dra. juliana furtado costa   04-10-14
Aula dra. juliana furtado costa 04-10-14
 
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
1308ec22b2e54b21a8fc592157d4f9a0 (1)
 
Mandado de Segurança Cc Liminar
Mandado de Segurança Cc LiminarMandado de Segurança Cc Liminar
Mandado de Segurança Cc Liminar
 
Aula do dia 11 05-13 - dra. juliana furtado
Aula do dia 11 05-13 - dra. juliana furtadoAula do dia 11 05-13 - dra. juliana furtado
Aula do dia 11 05-13 - dra. juliana furtado
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
 
O Decreto nº 8853 2016
O Decreto nº 8853 2016O Decreto nº 8853 2016
O Decreto nº 8853 2016
 
PRINCIPAIS MEIOS PROCESSUAIS PARA OBTER O DIREITO AO CRÉDITO DECORRENTE DA EX...
PRINCIPAIS MEIOS PROCESSUAIS PARA OBTER O DIREITO AO CRÉDITO DECORRENTE DA EX...PRINCIPAIS MEIOS PROCESSUAIS PARA OBTER O DIREITO AO CRÉDITO DECORRENTE DA EX...
PRINCIPAIS MEIOS PROCESSUAIS PARA OBTER O DIREITO AO CRÉDITO DECORRENTE DA EX...
 
Aula 15
Aula 15Aula 15
Aula 15
 
Aula 23 03-13 - mód. iii
Aula 23 03-13 - mód. iiiAula 23 03-13 - mód. iii
Aula 23 03-13 - mód. iii
 
Justiça barra aumento de imposto sobre combustíveis na Paraíba
Justiça barra aumento de imposto sobre combustíveis na ParaíbaJustiça barra aumento de imposto sobre combustíveis na Paraíba
Justiça barra aumento de imposto sobre combustíveis na Paraíba
 
TRF1 - Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
TRF1 - Sentença Desaposentação com Tutela AntecipadaTRF1 - Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
TRF1 - Sentença Desaposentação com Tutela Antecipada
 
Desaposentação tutela antecipada
Desaposentação tutela antecipadaDesaposentação tutela antecipada
Desaposentação tutela antecipada
 
ANTT Prorroga Prazo para renovação do RNTRC que vencem em 2014
ANTT Prorroga Prazo para renovação do RNTRC que vencem em 2014ANTT Prorroga Prazo para renovação do RNTRC que vencem em 2014
ANTT Prorroga Prazo para renovação do RNTRC que vencem em 2014
 
38df2560889c703d8f71f861cc5ef37c (1)
38df2560889c703d8f71f861cc5ef37c (1)38df2560889c703d8f71f861cc5ef37c (1)
38df2560889c703d8f71f861cc5ef37c (1)
 
190328061318 dir tributario_aula_02
190328061318 dir tributario_aula_02190328061318 dir tributario_aula_02
190328061318 dir tributario_aula_02
 
Sentença
SentençaSentença
Sentença
 
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
188904603 apostila-execucao-fiscal-mauro-luis-rocha-lopes-1
 
Liminar SINDICATO DAS EMPRESAS DE VIGILÂNCIA DO RIO DE JANEIRO
Liminar SINDICATO DAS EMPRESAS DE VIGILÂNCIA DO RIO DE JANEIROLiminar SINDICATO DAS EMPRESAS DE VIGILÂNCIA DO RIO DE JANEIRO
Liminar SINDICATO DAS EMPRESAS DE VIGILÂNCIA DO RIO DE JANEIRO
 
Andrea darzé ect - aula 3
Andrea darzé   ect - aula 3Andrea darzé   ect - aula 3
Andrea darzé ect - aula 3
 

Mais de Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior

Mais de Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (20)

Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (IV)
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (IV)Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (IV)
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (IV)
 
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
Censo 2014 x realidade 2015 – tendências e rumos para o ensino superior (I)
 
Avaliação da Educação Superior – SINAES e Indicadores de Qualidade
Avaliação da Educação Superior – SINAES e Indicadores de QualidadeAvaliação da Educação Superior – SINAES e Indicadores de Qualidade
Avaliação da Educação Superior – SINAES e Indicadores de Qualidade
 
Fundo de Financiamento Estudantil - Fies
Fundo de Financiamento Estudantil  - FiesFundo de Financiamento Estudantil  - Fies
Fundo de Financiamento Estudantil - Fies
 
Avaliação da Educação Superior - Ryon Braga
Avaliação da Educação Superior - Ryon BragaAvaliação da Educação Superior - Ryon Braga
Avaliação da Educação Superior - Ryon Braga
 
Avaliação da Educação Superior: o que dizem os novos indicadores
Avaliação da Educação Superior: o  que dizem os novos indicadoresAvaliação da Educação Superior: o  que dizem os novos indicadores
Avaliação da Educação Superior: o que dizem os novos indicadores
 
WORKSHOP ABMES: Processos regulatórios das IES na Seres/MEC – limites e avanç...
WORKSHOP ABMES: Processos regulatórios das IES na Seres/MEC – limites e avanç...WORKSHOP ABMES: Processos regulatórios das IES na Seres/MEC – limites e avanç...
WORKSHOP ABMES: Processos regulatórios das IES na Seres/MEC – limites e avanç...
 
Regulação da Educação Superior: limites e avanços
Regulação da Educação Superior: limites e avançosRegulação da Educação Superior: limites e avanços
Regulação da Educação Superior: limites e avanços
 
INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: POR ONDE E COMO COMEÇAR?
INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: POR ONDE E COMO COMEÇAR?INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: POR ONDE E COMO COMEÇAR?
INTERNACIONALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: POR ONDE E COMO COMEÇAR?
 
Internacionalização da Educação sob a ótica da avaliação da qualidade
Internacionalização da Educação sob a ótica da avaliação da qualidadeInternacionalização da Educação sob a ótica da avaliação da qualidade
Internacionalização da Educação sob a ótica da avaliação da qualidade
 
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
 
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
 
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
 
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
 
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
 
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
 
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
SEMINÁRIO ABMES - Avaliação dos cursos de Direito no Brasil: atual conjuntura...
 
Séminário ABMES - 10 anos de ProUni (I)
Séminário ABMES - 10 anos de ProUni (I)Séminário ABMES - 10 anos de ProUni (I)
Séminário ABMES - 10 anos de ProUni (I)
 
Cenarios do mercado_educacional_src_estacio_final (2)
Cenarios do mercado_educacional_src_estacio_final (2)Cenarios do mercado_educacional_src_estacio_final (2)
Cenarios do mercado_educacional_src_estacio_final (2)
 
Propostas dos candidatos a presidência 2014
Propostas dos candidatos a presidência 2014Propostas dos candidatos a presidência 2014
Propostas dos candidatos a presidência 2014
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 

Último (20)

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

DECISÃO JUDICIAL A FAVOR DOS ASSOCIADOS DA ABMES

  • 1. 0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033 DECISÃO 2014 – A PROCESSO Nº 24643-51.2014.4.01.3400 AUTORA: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANTENEDORAS DE ENSINO SUPERIOR – AMBES RÉ: UNIÃO FEDERAL DECISÃO A Autora pretende obter a antecipação dos efeitos da tutela para: a) suspender os efeitos da Instrução Normativa RFB nº 1.394, de 12.09.2013, em relação às suas associadas que firmaram termo de adesão ao Programa Universidade para Todos – PROUNI antes da vigência da Lei nº 12.431/2011, mantendo-se a isenção fiscal conferida pela Lei nº 11.096/2005 e pela Instrução Normativa RFB nº 456/2004 até o decurso do prazo de 10 (dez) anos, estabelecido nos respectivos termos de adesão; b) determinar que a Ré abstenha-se de impor qualquer limitação à isenção prevista na Lei nº 11.096/2005 às suas associadas que assinaram ou venham a assinar os termos de adesão após a edição da Lei nº 12.431/2011 e da Instrução Normativa RFB nº 1.394, de 12.09.2013; c) declarar o direito de suas associadas, independentemente de quando assinaram o respectivo termo de adesão, a renová-los após expirado o prazo de 10 (dez) anos, assegurando-se a isenção fiscal conferida pela Lei nº 11.096/2005 e pela Instrução Normativa RFB nº 456/2004. Informa que as instituições de ensino que lhe são associadas celebraram termos de adesão ao PROUNI com prazo de validade de dez anos. Narra que a Lei nº 11.096/2005, em sua redação original, previa a isenção ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287. Pág. 1/5
  • 2. 0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033 quanto ao pagamento de alguns tributos federais (contribuição para o financiamento da seguridade social – COFINS, contribuição para o PIS/Pasep, contribuição social sobre o lucro líquido – CSLL e imposto de renda da pessoa jurídica – IRPJ) para as instituições que aderissem ao Programa. A base de cálculo utilizada para o cômputo da isenção correspondia, inicialmente, à totalidade do lucro de exploração, consistente na receita total obtida com as mensalidades escolares recebidas pelas instituições. Afirma que a regra da isenção foi alterada pela Lei nº 12.431/2011 – regulamentada pela Instrução Normativa RFB nº 1.394, de 12.09.2013 – para limitá-la à proporção da ocupação efetiva das bolsas devidas, reduzindo, consideravelmente, o montante utilizado para o cálculo da isenção. Sustenta a ilegalidade da alteração legislativa aos seguintes argumentos: como os termos de adesão foram firmados por prazo determinado (de dez anos) e sob condição onerosa, a alteração da isenção não tem validade, a teor do art. 175 do Código Tributário Nacional; houve violação ao direito adquirido; inconstitucionalidade material e formal do §3º do art. 8º da Lei nº 11.096/2005, com a redação dada pela Lei nº 12.431/2011, visto que a isenção anteriormente concedida jamais poderia ser modificada ou revogada, as alterações promoveram a diminuição dos investimentos feitos pelas instituições. A antecipação dos efeitos da tutela exige a presença de prova inequívoca do fato que confira verossimilhança à alegação e de fundado receio de dando irreparável ou de difícil reparação, nos termos do art. 273 do Código de Processo Civil. Em juízo de cognição sumária, vislumbro a presença de ambos os requisitos para o deferimento parcial da medida. Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a isenção tributária ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287. Pág. 2/5
  • 3. 0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033 corresponde a uma dispensa legal de determinado tributo devido. Embora o fato gerador haja ocorrido, impede-se a constituição e cobrança do crédito tributário. Em linhas gerais, a isenção tributária pode ser concedida com prazo certo – isenção transitória – ou com prazo indeterminado – isenções permanentes, de modo condicionado – bilateral ou onerosa – e incondicionado – unilateral ou gratuita. Em regra, a isenção, por constituir-se em benefício instituído exclusivamente pelo poder tributante, pode ser revogada a qualquer tempo. A exceção fica por conta da isenção condicional ou da concedida a prazo certo. A propósito, o art. 178 do Código Tributário Nacional dispõe que a isenção, salvo se concedida por prazo certo e em função de determinadas condições, pode ser revogada ou modificada por lei, a qualquer tempo, observando-se as restrições temporais previstas no art. 104, III. O Supremo Tribunal Federal possui jurisprudência pacificada a esse respeito, segundo a qual isenções tributárias concedidas sob condição onerosa não podem ser livremente suprimidas (Súmula 544). No caso em exame, a Lei nº 11.096/2005 – que instituiu o PROUNI – instituiu isenção de determinados tributos federais às instituições de ensino que celebrassem termos de adesão ao Programa pelo período de vigência dos respectivos termos, que foi estipulado em dez anos, senão confira-se a redação original dos arts. 5 e 8º: Art. 5o A instituição privada de ensino superior, com fins lucrativos ou sem fins lucrativos não beneficente, poderá aderir ao Prouni mediante assinatura de termo de adesão, cumprindo-lhe oferecer, no mínimo, 1 (uma) bolsa integral para o equivalente a 10,7 (dez inteiros e sete décimos) estudantes regularmente pagantes e devidamente matriculados ao final do correspondente período letivo anterior, conforme regulamento a ser estabelecido pelo Ministério da Educação, excluído o número correspondente a bolsas integrais concedidas ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287. Pág. 3/5
  • 4. 0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033 pelo Prouni ou pela própria instituição, em cursos efetivamente nela instalados. § 1o O termo de adesão terá prazo de vigência de 10 (dez) anos, contado da data de sua assinatura, renovável por iguais períodos e observado o disposto nesta Lei. Art. 8o A instituição que aderir ao Prouni ficará isenta dos seguintes impostos e contribuições no período de vigência do termo de adesão: I - Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas; II - Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, instituída pela Lei no 7.689, de 15 de dezembro de 1988; III - Contribuição Social para Financiamento da Seguridade Social, instituída pela Lei Complementar no 70, de 30 de dezembro de 1991 ; e IV - Contribuição para o Programa de Integração Social, instituída pela Lei Complementar no 7, de 7 de setembro de 1970. § 1o A isenção de que trata o caput deste artigo recairá sobre o lucro nas hipóteses dos incisos I e II do caput deste artigo, e sobre a receita auferida, nas hipóteses dos incisos III e IV do caput deste artigo, decorrentes da realização de atividades de ensino superior, proveniente de cursos de graduação ou cursos seqüenciais de formação específica. § 2o A Secretaria da Receita Federal do Ministério da Fazenda disciplinará o disposto neste artigo no prazo de 30 (trinta) dias. A Lei nº 12.431/2011 incluiu o §3º ao art. 8º da Lei nº 11.096/2005 para restringir a isenção à ocupação efetiva das bolsas devidas: § 3o A isenção de que trata este artigo será calculada na proporção da ocupação efetiva das bolsas devidas. (Incluído pela Lei nº 12.431, de 2011). A alteração legislativa, por reduzir o alcance de isenção onerosa anteriormente concedida, não pode prevalecer em relação aos contratos firmados antes de sua lei, tendo por base os fundamentos anteriormente expostos. No entanto, nada impede que se estenda aos contratos firmados após sua vigência, não advindo daí nenhuma ilegalidade, tendo em vista que as isenções podem ser suprimidas pelo poder tributante, observadas as balizadas impostas pelo Código ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287. Pág. 4/5
  • 5. 0 0 2 4 6 4 3 5 1 2 0 1 4 4 0 1 3 4 0 0 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Processo N° 0024643-51.2014.4.01.3400 - 6ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00084.2014.00063400.1.00104/00033 Tributário Nacional. A alegação de inconstitucionalidade da alteração promovida pela Lei nº 12.431/2011 será examinada na sentença. O risco de perecimento de direito existe porque, caso a medida não seja imediatamente concedida, as associadas da Autora se sujeitarão ao recolhimento a maior de tributos, o que impactará fortemente suas finanças, na medida em que a Instrução Normativa RFB nº 1.394/2013 passou a produzir efeitos desde janeiro deste ano. Com essas considerações, defiro parcialmente o pedido de antecipação dos efeitos da tutela para suspender os efeitos da Instrução Normativa RFB nº 1.394, de 12.09.2013, em relação às suas associadas que firmaram termo de adesão ao Programa Universidade para Todos – PROUNI antes da vigência da Lei nº 12.431/2011, mantendo- se a isenção fiscal conferida pela Lei nº 11.096/2005 e pela Instrução Normativa RFB nº 456/2004 até o decurso do prazo de 10 (dez) anos, estabelecido nos respectivos termos de adesão. Retifique-se a autuação para que a União (Fazenda Nacional) figure no polo passivo. Publique-se. Intime-se para cumprimento e cite-se. Apresentada a contestação, intime-se a Autora para apresentar réplica e para especificar e indicar as provas que pretende realizar em juízo. Prazo: 10 (dez) dias. Brasília, 14 de abril de 2014. (assinatura digital) IVANI SILVA DA LUZ Juíza Federal Titular da 6ª Vara/DF ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL IVANI SILVA DA LUZ em 14/04/2014, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 37810663400287. Pág. 5/5