SlideShare uma empresa Scribd logo
ATLETISMO

VELOCIDADE
Definição: Capacidade de um indivíduo realizar acções motoras de corrida num
mínimo tempo.
Objectivo: percorrer uma curta distância no mínimo tempo.
Fases das corridas de velocidade: partida, corrida propriamente dita e chegada
à meta.
PARTIDA (SUBFASES)
“AOS SEUS LUGARES”
a) e b)
•
•

•
•

Pés nos blocos;
Colocar o joelho da
perna mais recuada no
solo;
Braços à largura dos
ombros;
Apoiar os dedos das
mãos no solo atrás da
linha de partida.

“PRONTOS”
c)
•
•
•

•

TIRO/APITO
d)

Retirar o joelho do solo;
Elevar a bacia;
Inclinar tronco à frente
(sensação
de
desequilíbrio);
Olhar dirigido para um
ponto alguns metros à
frente.

•

•
•
•

Perna
mais
adiantada
pressiona fortemente o
bloco;
Avanço
do
joelho
contrário;
As mãos devem abandonar
o solo;
Acção vigorosa dos braços
e coordenada com as
pernas.

CORRIDA PROPRIAMENTE DITA (Aceleração até à velocidade máxima)
FASE INICIAL
d) e e)
•
•
•

FASE PRINCIPAL OU FASE DE
VELOCIDADE MÁXIMA - f)

Corpo inclinado à frente;
Passadas iniciais curtas e rápidas;
Aproveitamento da oscilação dos
braços para entrar mais rapidamente
na velocidade adequada.

•
•
•
•
•
•
•

Tronco próximo da vertical;
Contacto dos pés com o solo é feito pelo
terço anterior;
Joelhos bem elevados;
Frequência de passada elevada;
Amplitude de passada máxima;
Oscilação forte dos braços;
Olhar sempre dirigido para a frente.

CHEGADA À META – g)
•
•
•

Inclinação do tronco à frente nos dois últimas passadas;
Não diminuir a velocidade de corrida;
Depois de passar a meta reduzir gradualmente a velocidade.

C)

D)

E)
F)

REGULAMENTO:

1. Nas provas oficiais é obrigatória a partida agachada com blocos;
2. É falsa partida sempre que um corredor sai do seu lugar antes de ser dado o
sinal de partida;
3. Quando ocorre uma falsa partida, o juiz deve interromper a prova e a partida
deve ser repetida;
4. O atleta que fizer duas falsas partidas é eliminado e, por isso, não realiza a
prova;
5. As corridas de velocidade disputam-se em corredores individuais, os quais são
delimitados por linhas;
6. O concorrente que sair do corredor que lhe foi destinado, e deste facto tirar
vantagem ou prejudicar outros concorrentes, é desclassificado.
CORRIDA DE BARREIRAS
Definição: corrida de velocidade em que o corredor tem de ultrapassar um
conjunto de 10 obstáculos – barreiras – em sucessão para se atingir a meta.
Objectivo: ultrapassar um conjunto de 10 obstáculos em sucessão no mínimo
tempo possível.
DA PARTIDA À PRIMEIRA BARREIRA
Ritmo de 8 apoios permite entrar facilmente no ritmo entre barreiras;
Quando o número de apoios é:
* ímpar(7 apoios): deve colocar-se o pé da perna de ataque no primeiro “bloco” de
partida em relação à linha de partida.
* par (8 apoios): deve colocar-se o pé da perna de ataque no segundo “bloco” de
partida em relação à linha de partida.
Após a partida, o atleta deverá adquirir uma postura vertical de modo a que chegue à
primeira barreira com a maior velocidade possível.
•

TRANSPOSIÇÃO DAS BARREIRAS
a) ATAQUE
• Perna de ataque em extensão
• Inclinar o tronco em frente
• Avanço da mão contrária à perna de ataque
b) TRANSPOSIÇÃO DA BARREIRA
• Após a passagem da perna de ataque, a coxa da perna de impulsão passa
paralelamente à barreira, mantendo a inclinação do tronco à frente.
c) RECEPÇÃO
• Contactar o solo com a parte anterior do pé;
O apoio deve ser activo e breve.
a)

b)

c)

CORRIDA ENTRE BARREIRAS
Corrida contínua sem quebra acentuada da velocidade;
Deve usar-se sempre o mesmo número de passadas para transpor as barreiras com a
mesma perna de ataque;
Ritmo de passada mais utilizado à a de 4 apoios (3 passadas).
•
•

APÓS PASSAGEM DA ÚLTIMA BARREIRA
• Corrida terminal até à meta
REGULAMENTO:
1. Nas provas oficiais é obrigatório a partida agachada com blocos.
2. As corridas de barreiras disputam-se em corredores individuais, delimitados
por linhas.
3. O atleta que fizer duas falsas partidas é eliminado. Considera-se falsa
partida sempre que um concorrente sair do seu lugar antes de ter sido dado o
sinal de partida.
4. O atleta que sair do seu corredor e deste facto tirar vantagem ou prejudicar
outro atleta é desclassificado.
5. Um atleta é desclassificado quando derruba intencionalmente um barreira.
6. Não se pode passar nem a perna nem o pé pelo exterior da barreira.
SALTO EM COMPRIMENTO
Definição: auto-projecção do corpo no espaço. Após a corrida de balanço com a
finalidade de transpor uma distância no plano horizontal.
Objectivo: saltar a maior distância horizontal possível.
Fases do salto em comprimento: corrida de aproximação ou balanço, chamada ou
impulsão, vôo e recepção ou queda.
CORRIDA DE APROXIMAÇÃO OU BALANÇO – a)
•
•
•

Atingir velocidade máxima com 8 a 10 passadas;
Tronco direito;
Olhar em frente.
CHAMADA OU IMPULSÃO – b)

•
•
•

Chamada a um pé (pé de impulsão ou chamada) na tábua de chamada;
Elevar o joelho da perna livre;
Extensão completa e explosiva da perna de impulsão.
VÔO – c)

•

Juntar à perna de impulsão a perna livre.
RECEPÇÃO OU QUEDA – d)

•
•

Cair A és juntos e com inclinação do tronco à frente e flexão das pernas;
Avançar os braços para evitar queda à retaguarda.

a)

b)

c)

d)
REGULAMENTO:

1. O salto será considerado nulo quando o atleta pisar o solo para além da tábua
de chamada.
2. O salto será medido perpendicularmente desde a marca mais recuada, por
qualquer parte do corpo na caixa de areia até à tábua de chamada.
3. O salto será considerado nulo se o atleta abandonar a caixa de saltos pela
parte posterior (zona mais perto da tábua de chamada).
4. Para efeitos de classificação, considera-se o melhor salto de cada atleta.
5. Cada atleta tem direito a seis tentativas.
LANÇAMENTO DO PESO
Definição: Consiste na projecção à maior distância possível de um engenho, para
o interior de uma zona de queda, com as marcações próprias, tendo os lançadores
que respeitar as regras específicas, bem como utilizar os gestos técnicos
adequados.
Objectivo: Lançar o engenho à maior distância possível.
Fases do Lançamento
recuperação.

do

Peso: preparação, deslizamento, arremesso e

PREPARAÇÃO
• Apoiar o peso na base dos dedos.
• Colocar o peso junto à mandíbula, por baixo
do queixo, pressionando contra este, estando
o braço flectido pelo cotovelo, em tensão.
• Colocar-se na parte posterior do circulo, de
costas para o local de queda.
• Colocar os pés em linha, um atrás do outro,
concentrando o peso do corpo sobre a perna
(do braço que lança), que se encontra
flectida pelo joelho.
• Colocar o cotovelo (do braço que lança) alto
e o outro estendido à frente, em
descontracção.

DESLIZAMENTO
• Elevar a perna de balanço, flectindo a de
impulsão.
• Efectuar um movimento rápido de extensão
à retaguarda da perna apoiada.
• Procurar um deslocamento rápido e rasante.
• Manter os olhos virados para o ponto de
partida.
• Efectuar o deslizamento pelo calcanhar.
• Rodar os pés na direcção do arremesso.

ARREMESSO
• O peso do corpo é suportado pela perna de
impulsão.
• Passa pela posição de força.
• A bacia roda para a frente, através da
extensão da perna de extensão.
• Arremessar o peso com o cotovelo levantado.
• Efectuar a extensão das articulações do
braço, de forma explosiva.

A RECUPERAÇÃO após o arremesso, deve ser realizada através da troca rápida
e saltada dos apoios, serve para recuperar o equilíbrio, e o lançamento não ser
nulo.
REGULAMENTO:

1 – O peso deve lançar-se desde um circulo com diâmetro inferior de 2,135m,
para um sector de queda.
2 – Na zona anterior do circulo existe uma antepara, que pode ser tocada no seu
bordo interno durante a execução do lançamento.
3 – Cada concorrente tem direito a um máximo de 3 ensaios, mais 3 se for
finalista (8 primeiros).
4 – No final do concurso os lançadores são classificados de acordo com o seu
melhor lançamento.
5 – O lançador deverá iniciar o seu lançamento a partir de uma posição
estacionária dentro do circulo.
6 – O peso deverá ser lançado desde o pescoço e apenas com uma mão, não
podendo nunca ser colocado atrás da linha dos ombros.
7 – Para que o ensaio seja considerado válido, o peso deverá cair completamente
na zona de recepção.
8 – A medição de cada lançamento será efectuada imediatamente à conclusão do
mesmo, determinando-se a distância que vai do primeiro ponto de contacto
deixado pelo peso, até ao interior da circunferência do circulo.
9 – O lançador só pode sair do circulo após o engenho ter contactado o solo, e
pela parte posterior do circulo.
10 – O lançamento será considerado nulo:
• sempre que não sejam respeitadas as regras precedentes;
• se o lançador, depois de ter entrado no circulo e iniciado o seu
lançamento, tocar com qualquer parte do corpo no exterior do circulo;
• largar incorrectamente o peso no decurso do lançamento;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Corrida de estafetas
Corrida de estafetasCorrida de estafetas
Corrida de estafetas
Em Dormir
 
Atletismo saltos comprimento_altura_triplo
Atletismo saltos comprimento_altura_triploAtletismo saltos comprimento_altura_triplo
Atletismo saltos comprimento_altura_triplo
Escola Secundaria Moura
 
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
workshare1814
 
Ginastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhosGinastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhos
jose_santinha
 
Modelo de estrutura do conhecimento de badminton
Modelo de estrutura do conhecimento de badmintonModelo de estrutura do conhecimento de badminton
Modelo de estrutura do conhecimento de badminton
Lúcio Aguiar
 
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de AparelhosTrave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Maria João Vasconcelos
 
11º ano
11º ano11º ano
11º ano
António amorim
 
Triplo salto
Triplo saltoTriplo salto
Triplo salto
Escola
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Neusa Soares
 
Exercicios de badminton.
Exercicios de badminton.Exercicios de badminton.
Exercicios de badminton.
ameliasilva
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Badminton
BadmintonBadminton
Badminton
dnebsm
 
Ginástica de Solo
Ginástica de SoloGinástica de Solo
Ginástica de Solo
Tony Abreu
 
Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
evandrolhp
 
Canoagem
CanoagemCanoagem
Canoagem
fabianfradinho
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Fundação Real Madrid
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
gltrindade
 
Ginástica de aparelhos
Ginástica de aparelhosGinástica de aparelhos
Ginástica de aparelhos
Rui Lemos
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Carla Domingos
 

Mais procurados (20)

Corrida de estafetas
Corrida de estafetasCorrida de estafetas
Corrida de estafetas
 
Atletismo saltos comprimento_altura_triplo
Atletismo saltos comprimento_altura_triploAtletismo saltos comprimento_altura_triplo
Atletismo saltos comprimento_altura_triplo
 
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
 
Ginastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhosGinastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhos
 
Modelo de estrutura do conhecimento de badminton
Modelo de estrutura do conhecimento de badmintonModelo de estrutura do conhecimento de badminton
Modelo de estrutura do conhecimento de badminton
 
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de AparelhosTrave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
 
11º ano
11º ano11º ano
11º ano
 
Triplo salto
Triplo saltoTriplo salto
Triplo salto
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Exercicios de badminton.
Exercicios de badminton.Exercicios de badminton.
Exercicios de badminton.
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Badminton
BadmintonBadminton
Badminton
 
Ginástica de Solo
Ginástica de SoloGinástica de Solo
Ginástica de Solo
 
Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
 
Canoagem
CanoagemCanoagem
Canoagem
 
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do JogoSimplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo - Fases do Jogo
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
 
Ginástica de aparelhos
Ginástica de aparelhosGinástica de aparelhos
Ginástica de aparelhos
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 

Destaque

Planilha De Treinos - 100 Metros
Planilha De Treinos - 100 MetrosPlanilha De Treinos - 100 Metros
Planilha De Treinos - 100 Metros
Flavio Clesio
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Ana Clara San
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Patrícia Morais
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Ana Rita Barbosa
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
Margarida Rodrigues
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Andréa Almeida
 
Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)
VanessaGPita16
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Helena Caboclo
 
Arremesso de peso
Arremesso de pesoArremesso de peso
Arremesso de peso
Ismael Chaves
 
Salto de altura
Salto de alturaSalto de altura
Salto de altura
GILHDESANTIAGO
 
SALTO EM Altura
SALTO EM AlturaSALTO EM Altura
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
crishmuler
 
Ficha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclistaFicha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclista
Amarildo César
 
Ciclismo e musculação
Ciclismo e musculaçãoCiclismo e musculação
Ciclismo e musculação
Paulo Sena
 
salto com vara
salto com varasalto com vara
salto com vara
Laerson Psico
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
Aldrin Eldrin
 
Slides para estudo
Slides para estudoSlides para estudo
Slides para estudo
Henrique Galvao
 
Slide corrida velocidade
Slide corrida velocidadeSlide corrida velocidade
Slide corrida velocidade
007145
 
Iniciação do atletismo
Iniciação do atletismoIniciação do atletismo
Iniciação do atletismo
Hiderson Marciano
 
Arremessos
ArremessosArremessos
Arremessos
kairoMLB
 

Destaque (20)

Planilha De Treinos - 100 Metros
Planilha De Treinos - 100 MetrosPlanilha De Treinos - 100 Metros
Planilha De Treinos - 100 Metros
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Arremesso de peso
Arremesso de pesoArremesso de peso
Arremesso de peso
 
Salto de altura
Salto de alturaSalto de altura
Salto de altura
 
SALTO EM Altura
SALTO EM AlturaSALTO EM Altura
SALTO EM Altura
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Ficha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclistaFicha de musculação para ciclista
Ficha de musculação para ciclista
 
Ciclismo e musculação
Ciclismo e musculaçãoCiclismo e musculação
Ciclismo e musculação
 
salto com vara
salto com varasalto com vara
salto com vara
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
 
Slides para estudo
Slides para estudoSlides para estudo
Slides para estudo
 
Slide corrida velocidade
Slide corrida velocidadeSlide corrida velocidade
Slide corrida velocidade
 
Iniciação do atletismo
Iniciação do atletismoIniciação do atletismo
Iniciação do atletismo
 
Arremessos
ArremessosArremessos
Arremessos
 

Semelhante a Atletismo

Atletismo saltos
Atletismo saltosAtletismo saltos
Atletismo saltos
Ana Carolina
 
Atletismo Saltos_secundário.ppt
Atletismo Saltos_secundário.pptAtletismo Saltos_secundário.ppt
Atletismo Saltos_secundário.ppt
LeandroPereira922646
 
Concurso do salto em altura
Concurso do salto em alturaConcurso do salto em altura
Concurso do salto em altura
Em Dormir
 
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptxAtletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
mgmfernandes
 
The brazilian strength insanity decathlon
The brazilian strength insanity decathlonThe brazilian strength insanity decathlon
The brazilian strength insanity decathlon
Claudio Pereira
 
Atletismo Saltos - cópia.ppt
Atletismo Saltos - cópia.pptAtletismo Saltos - cópia.ppt
Atletismo Saltos - cópia.ppt
LeandroPereira922646
 
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º anoGinástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ana Gomes
 
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
marcelosilveirazero1
 
Atletismo
Atletismo Atletismo
Atletismo
cristina costa
 
SEMINÁRIO ATLETISMO.pptx
SEMINÁRIO ATLETISMO.pptxSEMINÁRIO ATLETISMO.pptx
SEMINÁRIO ATLETISMO.pptx
BrunoKzan2
 
Trabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - AconsaTrabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - Aconsa
Ana Carolina
 
Regras para o campeonato de supino para reps "Força para o Bem"
Regras para o campeonato de supino para reps "Força para o Bem"Regras para o campeonato de supino para reps "Força para o Bem"
Regras para o campeonato de supino para reps "Força para o Bem"
Claudio Pereira
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
André Campos
 
Cart escolar mec1
Cart escolar mec1Cart escolar mec1
Cart escolar mec1
Desterro Barros
 
CFWL+Manual+Portugues.pdf
CFWL+Manual+Portugues.pdfCFWL+Manual+Portugues.pdf
CFWL+Manual+Portugues.pdf
JosLuizNunes5
 
Ginastica Acrobática e de Trampolim
Ginastica Acrobática e de TrampolimGinastica Acrobática e de Trampolim
Ginastica Acrobática e de Trampolim
teratici
 
Aptidao fisica em idoso
Aptidao fisica em idosoAptidao fisica em idoso
Aptidao fisica em idoso
Cleu Santos
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Trabalho atletismo
Trabalho atletismoTrabalho atletismo
Trabalho atletismo
antonio lopes
 
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homemO atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
misterknight
 

Semelhante a Atletismo (20)

Atletismo saltos
Atletismo saltosAtletismo saltos
Atletismo saltos
 
Atletismo Saltos_secundário.ppt
Atletismo Saltos_secundário.pptAtletismo Saltos_secundário.ppt
Atletismo Saltos_secundário.ppt
 
Concurso do salto em altura
Concurso do salto em alturaConcurso do salto em altura
Concurso do salto em altura
 
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptxAtletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
 
The brazilian strength insanity decathlon
The brazilian strength insanity decathlonThe brazilian strength insanity decathlon
The brazilian strength insanity decathlon
 
Atletismo Saltos - cópia.ppt
Atletismo Saltos - cópia.pptAtletismo Saltos - cópia.ppt
Atletismo Saltos - cópia.ppt
 
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º anoGinástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º ano
 
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
 
Atletismo
Atletismo Atletismo
Atletismo
 
SEMINÁRIO ATLETISMO.pptx
SEMINÁRIO ATLETISMO.pptxSEMINÁRIO ATLETISMO.pptx
SEMINÁRIO ATLETISMO.pptx
 
Trabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - AconsaTrabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - Aconsa
 
Regras para o campeonato de supino para reps "Força para o Bem"
Regras para o campeonato de supino para reps "Força para o Bem"Regras para o campeonato de supino para reps "Força para o Bem"
Regras para o campeonato de supino para reps "Força para o Bem"
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Cart escolar mec1
Cart escolar mec1Cart escolar mec1
Cart escolar mec1
 
CFWL+Manual+Portugues.pdf
CFWL+Manual+Portugues.pdfCFWL+Manual+Portugues.pdf
CFWL+Manual+Portugues.pdf
 
Ginastica Acrobática e de Trampolim
Ginastica Acrobática e de TrampolimGinastica Acrobática e de Trampolim
Ginastica Acrobática e de Trampolim
 
Aptidao fisica em idoso
Aptidao fisica em idosoAptidao fisica em idoso
Aptidao fisica em idoso
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Trabalho atletismo
Trabalho atletismoTrabalho atletismo
Trabalho atletismo
 
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homemO atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
 

Mais de AnaGomes40

Al 3.1
Al 3.1Al 3.1
Al 3.1
AnaGomes40
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de Marfan
AnaGomes40
 
O Cancro
O CancroO Cancro
O Cancro
AnaGomes40
 
O rastreio dos transgénicos
O rastreio dos transgénicosO rastreio dos transgénicos
O rastreio dos transgénicos
AnaGomes40
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
AnaGomes40
 
Afonso da maia
Afonso da maiaAfonso da maia
Afonso da maia
AnaGomes40
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
AnaGomes40
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
AnaGomes40
 
Estilos de vida
Estilos de vidaEstilos de vida
Estilos de vida
AnaGomes40
 
O casamento - opinião
O casamento - opiniãoO casamento - opinião
O casamento - opinião
AnaGomes40
 
Termorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e OsmorregulaçãoTermorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e Osmorregulação
AnaGomes40
 
Alimentação do estudante
Alimentação do estudanteAlimentação do estudante
Alimentação do estudante
AnaGomes40
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
AnaGomes40
 
O tabaco
O tabaco O tabaco
O tabaco
AnaGomes40
 
Formação do reino de Portugal
Formação do reino de PortugalFormação do reino de Portugal
Formação do reino de Portugal
AnaGomes40
 
"Minha Querida Inês"
"Minha Querida Inês""Minha Querida Inês"
"Minha Querida Inês"
AnaGomes40
 
parque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadianaparque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadiana
AnaGomes40
 
3096 dias de cativeiro
3096 dias de cativeiro3096 dias de cativeiro
3096 dias de cativeiro
AnaGomes40
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
AnaGomes40
 
Desportos
DesportosDesportos
Desportos
AnaGomes40
 

Mais de AnaGomes40 (20)

Al 3.1
Al 3.1Al 3.1
Al 3.1
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de Marfan
 
O Cancro
O CancroO Cancro
O Cancro
 
O rastreio dos transgénicos
O rastreio dos transgénicosO rastreio dos transgénicos
O rastreio dos transgénicos
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
Afonso da maia
Afonso da maiaAfonso da maia
Afonso da maia
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Estilos de vida
Estilos de vidaEstilos de vida
Estilos de vida
 
O casamento - opinião
O casamento - opiniãoO casamento - opinião
O casamento - opinião
 
Termorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e OsmorregulaçãoTermorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e Osmorregulação
 
Alimentação do estudante
Alimentação do estudanteAlimentação do estudante
Alimentação do estudante
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
O tabaco
O tabaco O tabaco
O tabaco
 
Formação do reino de Portugal
Formação do reino de PortugalFormação do reino de Portugal
Formação do reino de Portugal
 
"Minha Querida Inês"
"Minha Querida Inês""Minha Querida Inês"
"Minha Querida Inês"
 
parque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadianaparque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadiana
 
3096 dias de cativeiro
3096 dias de cativeiro3096 dias de cativeiro
3096 dias de cativeiro
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
 
Desportos
DesportosDesportos
Desportos
 

Atletismo

  • 1. ATLETISMO VELOCIDADE Definição: Capacidade de um indivíduo realizar acções motoras de corrida num mínimo tempo. Objectivo: percorrer uma curta distância no mínimo tempo. Fases das corridas de velocidade: partida, corrida propriamente dita e chegada à meta. PARTIDA (SUBFASES) “AOS SEUS LUGARES” a) e b) • • • • Pés nos blocos; Colocar o joelho da perna mais recuada no solo; Braços à largura dos ombros; Apoiar os dedos das mãos no solo atrás da linha de partida. “PRONTOS” c) • • • • TIRO/APITO d) Retirar o joelho do solo; Elevar a bacia; Inclinar tronco à frente (sensação de desequilíbrio); Olhar dirigido para um ponto alguns metros à frente. • • • • Perna mais adiantada pressiona fortemente o bloco; Avanço do joelho contrário; As mãos devem abandonar o solo; Acção vigorosa dos braços e coordenada com as pernas. CORRIDA PROPRIAMENTE DITA (Aceleração até à velocidade máxima) FASE INICIAL d) e e) • • • FASE PRINCIPAL OU FASE DE VELOCIDADE MÁXIMA - f) Corpo inclinado à frente; Passadas iniciais curtas e rápidas; Aproveitamento da oscilação dos braços para entrar mais rapidamente na velocidade adequada. • • • • • • • Tronco próximo da vertical; Contacto dos pés com o solo é feito pelo terço anterior; Joelhos bem elevados; Frequência de passada elevada; Amplitude de passada máxima; Oscilação forte dos braços; Olhar sempre dirigido para a frente. CHEGADA À META – g) • • • Inclinação do tronco à frente nos dois últimas passadas; Não diminuir a velocidade de corrida; Depois de passar a meta reduzir gradualmente a velocidade. C) D) E)
  • 2. F) REGULAMENTO: 1. Nas provas oficiais é obrigatória a partida agachada com blocos; 2. É falsa partida sempre que um corredor sai do seu lugar antes de ser dado o sinal de partida; 3. Quando ocorre uma falsa partida, o juiz deve interromper a prova e a partida deve ser repetida; 4. O atleta que fizer duas falsas partidas é eliminado e, por isso, não realiza a prova; 5. As corridas de velocidade disputam-se em corredores individuais, os quais são delimitados por linhas; 6. O concorrente que sair do corredor que lhe foi destinado, e deste facto tirar vantagem ou prejudicar outros concorrentes, é desclassificado.
  • 3. CORRIDA DE BARREIRAS Definição: corrida de velocidade em que o corredor tem de ultrapassar um conjunto de 10 obstáculos – barreiras – em sucessão para se atingir a meta. Objectivo: ultrapassar um conjunto de 10 obstáculos em sucessão no mínimo tempo possível. DA PARTIDA À PRIMEIRA BARREIRA Ritmo de 8 apoios permite entrar facilmente no ritmo entre barreiras; Quando o número de apoios é: * ímpar(7 apoios): deve colocar-se o pé da perna de ataque no primeiro “bloco” de partida em relação à linha de partida. * par (8 apoios): deve colocar-se o pé da perna de ataque no segundo “bloco” de partida em relação à linha de partida. Após a partida, o atleta deverá adquirir uma postura vertical de modo a que chegue à primeira barreira com a maior velocidade possível. • TRANSPOSIÇÃO DAS BARREIRAS a) ATAQUE • Perna de ataque em extensão • Inclinar o tronco em frente • Avanço da mão contrária à perna de ataque b) TRANSPOSIÇÃO DA BARREIRA • Após a passagem da perna de ataque, a coxa da perna de impulsão passa paralelamente à barreira, mantendo a inclinação do tronco à frente. c) RECEPÇÃO • Contactar o solo com a parte anterior do pé; O apoio deve ser activo e breve. a) b) c) CORRIDA ENTRE BARREIRAS Corrida contínua sem quebra acentuada da velocidade; Deve usar-se sempre o mesmo número de passadas para transpor as barreiras com a mesma perna de ataque; Ritmo de passada mais utilizado à a de 4 apoios (3 passadas). • • APÓS PASSAGEM DA ÚLTIMA BARREIRA • Corrida terminal até à meta
  • 4. REGULAMENTO: 1. Nas provas oficiais é obrigatório a partida agachada com blocos. 2. As corridas de barreiras disputam-se em corredores individuais, delimitados por linhas. 3. O atleta que fizer duas falsas partidas é eliminado. Considera-se falsa partida sempre que um concorrente sair do seu lugar antes de ter sido dado o sinal de partida. 4. O atleta que sair do seu corredor e deste facto tirar vantagem ou prejudicar outro atleta é desclassificado. 5. Um atleta é desclassificado quando derruba intencionalmente um barreira. 6. Não se pode passar nem a perna nem o pé pelo exterior da barreira.
  • 5. SALTO EM COMPRIMENTO Definição: auto-projecção do corpo no espaço. Após a corrida de balanço com a finalidade de transpor uma distância no plano horizontal. Objectivo: saltar a maior distância horizontal possível. Fases do salto em comprimento: corrida de aproximação ou balanço, chamada ou impulsão, vôo e recepção ou queda. CORRIDA DE APROXIMAÇÃO OU BALANÇO – a) • • • Atingir velocidade máxima com 8 a 10 passadas; Tronco direito; Olhar em frente. CHAMADA OU IMPULSÃO – b) • • • Chamada a um pé (pé de impulsão ou chamada) na tábua de chamada; Elevar o joelho da perna livre; Extensão completa e explosiva da perna de impulsão. VÔO – c) • Juntar à perna de impulsão a perna livre. RECEPÇÃO OU QUEDA – d) • • Cair A és juntos e com inclinação do tronco à frente e flexão das pernas; Avançar os braços para evitar queda à retaguarda. a) b) c) d)
  • 6. REGULAMENTO: 1. O salto será considerado nulo quando o atleta pisar o solo para além da tábua de chamada. 2. O salto será medido perpendicularmente desde a marca mais recuada, por qualquer parte do corpo na caixa de areia até à tábua de chamada. 3. O salto será considerado nulo se o atleta abandonar a caixa de saltos pela parte posterior (zona mais perto da tábua de chamada). 4. Para efeitos de classificação, considera-se o melhor salto de cada atleta. 5. Cada atleta tem direito a seis tentativas.
  • 7. LANÇAMENTO DO PESO Definição: Consiste na projecção à maior distância possível de um engenho, para o interior de uma zona de queda, com as marcações próprias, tendo os lançadores que respeitar as regras específicas, bem como utilizar os gestos técnicos adequados. Objectivo: Lançar o engenho à maior distância possível. Fases do Lançamento recuperação. do Peso: preparação, deslizamento, arremesso e PREPARAÇÃO • Apoiar o peso na base dos dedos. • Colocar o peso junto à mandíbula, por baixo do queixo, pressionando contra este, estando o braço flectido pelo cotovelo, em tensão. • Colocar-se na parte posterior do circulo, de costas para o local de queda. • Colocar os pés em linha, um atrás do outro, concentrando o peso do corpo sobre a perna (do braço que lança), que se encontra flectida pelo joelho. • Colocar o cotovelo (do braço que lança) alto e o outro estendido à frente, em descontracção. DESLIZAMENTO • Elevar a perna de balanço, flectindo a de impulsão. • Efectuar um movimento rápido de extensão à retaguarda da perna apoiada. • Procurar um deslocamento rápido e rasante. • Manter os olhos virados para o ponto de partida. • Efectuar o deslizamento pelo calcanhar. • Rodar os pés na direcção do arremesso. ARREMESSO • O peso do corpo é suportado pela perna de impulsão. • Passa pela posição de força. • A bacia roda para a frente, através da extensão da perna de extensão. • Arremessar o peso com o cotovelo levantado. • Efectuar a extensão das articulações do braço, de forma explosiva. A RECUPERAÇÃO após o arremesso, deve ser realizada através da troca rápida e saltada dos apoios, serve para recuperar o equilíbrio, e o lançamento não ser nulo.
  • 8. REGULAMENTO: 1 – O peso deve lançar-se desde um circulo com diâmetro inferior de 2,135m, para um sector de queda. 2 – Na zona anterior do circulo existe uma antepara, que pode ser tocada no seu bordo interno durante a execução do lançamento. 3 – Cada concorrente tem direito a um máximo de 3 ensaios, mais 3 se for finalista (8 primeiros). 4 – No final do concurso os lançadores são classificados de acordo com o seu melhor lançamento. 5 – O lançador deverá iniciar o seu lançamento a partir de uma posição estacionária dentro do circulo. 6 – O peso deverá ser lançado desde o pescoço e apenas com uma mão, não podendo nunca ser colocado atrás da linha dos ombros. 7 – Para que o ensaio seja considerado válido, o peso deverá cair completamente na zona de recepção. 8 – A medição de cada lançamento será efectuada imediatamente à conclusão do mesmo, determinando-se a distância que vai do primeiro ponto de contacto deixado pelo peso, até ao interior da circunferência do circulo. 9 – O lançador só pode sair do circulo após o engenho ter contactado o solo, e pela parte posterior do circulo. 10 – O lançamento será considerado nulo: • sempre que não sejam respeitadas as regras precedentes; • se o lançador, depois de ter entrado no circulo e iniciado o seu lançamento, tocar com qualquer parte do corpo no exterior do circulo; • largar incorrectamente o peso no decurso do lançamento;