SlideShare uma empresa Scribd logo
AA
TT
LL
EE
TT
II
SS
MM
OO
Os saltos em Atletismo
ATLETISMO: SALTOS
SALTO em COMPRIMENTO
SALTO em ALTURA
TRIPLO SALTO em COMPRIMENTO
Índice.
• Capa…………………………………………………………………..………..1
• Índice……………………………...............................................................2
• Introdução………………………………………………………….………....3
• Salto de altura……………………………………………………….……….4
• Fases do salto de altura………………………………………….….........5
• Esquema de como se deve realizar um salto de altura…….………...6
• Salto em comprimento…………………………………………….………..7
• Fases do salto em comprimento………………………………….………8
• Continuação: Fases do salto em altura………………………..………...9
• Triplo Salto em Comprimento…………………………………….………10
• Fases do Triplo Salto em Comprimento…………………………..........11
• Esquema do Triple Salto e do Salto em Comprimento……….………12
• Conclusão……………………………………………………….……………13
• Bibliografia…………………………………………………………….……..14
Com a seguinte apresen-
tação pretende-se:
A) Compreender em que
consistem os 3 saltos:
B) Comprimento, Altura e
Triplo S. Comprimento.
C) Explicar as diferentes
etapas e algumas técnicas
para cada uno destas
modalidades.
Escola
Secundária
de Moura
ATLETISMO: SALTOS
História do Salto em Altura
Segundo se pode saber através de legendas e
tradições a sua origem pode-se situar nos JogosJogos
TailteannTailteann irlandeses do século XVIII antes de Cristo,
uma espécie de Jogos Olímpicos célticos .
Estas primeiras competições de salto de altura
mantiveram-se ativas na Grã-Bretanha, até que as
exportaram para os Estados Unidos.
Inicialmente existiam duas modalidades de salto de
altura, com balanço e sem balanço.
ATLETISMO – SALTO em ALTURA
O Salto de Altura é uma
prova do actual Atletismo
que tem por objetivo
transpor uma barratranspor uma barra
horizontalhorizontal denominada
fasquia colocada a uma
altura determinada sobre
dois postes verticaisdois postes verticais
separadosseparados por 4 metros4 metros
de largurade largura.
História do Salto em Altura
Inicialmente existiam duas modalidades de salto de altura, com
balanço e sem balanço.
Nos Jogos Olímpicos de Paris - 1900, San Luís - 1904, Londres
-1908 e Estocolmo - 1912 realizou-se na sua dupla forma.
Os primeiros saltadores sobrepunham a fasquia com o
denominado estilo de “tesoura”, técnica que consistia em,
depois de uma curta corrida de balanço, afrontar a fasquia com
um movimento de tesoura com as pernas, passando primeiro uma
e depois a outra.
Com esta técnica chegou-se a superar a altura de 1.97 metros.
Técnicas do Salto em Altura
Tesoura
A TESOURA: é o salto que
normalmente se aprende primeiro
na escola.
É o mais fácil e o menos eficaz.
Técnicas do Salto em Altura
Rolamento
Ventral
Rolamento
Ventral
• Esta técnica:
• Foi durante muito tempo o estilo utilizado
pelos campeões.
• É um salto bonito mas muito difícil de
aprender e que exige imensa força.
ROLAMENTO VENTRAL
Técnicas do
Salto em Altura
Fosbary-Flop
Fosbary-Flop
O Fosbury-flop (salto de costas): é este o salto
que todos os campeões utilizam atualmente.
É um salto muito espetacular e foi inventado por
um norte-americano, Dick Fosbury que ganhou
as provas dos Jogos Olímpicos do México 68
Salto em Altura
Fosbary-Flop
Para executar o salto, os atletas aproximam-se da
fasquia quase de frente, fazem uma meia rotação
à saída do solo, elevam-se na direção da fasquia
com a cabeça pela frente, superando-a de costas
e caiem no colchão com os ombros.
O Salto de Altura é constituído por 4 fases4 fases
que se descrevem a seguir:
A) A Corrida de Balanço;
B) Elevação / Impulso;
C) Voo;
D) Queda;
Salto em Altura
A corrida de balanço: É constituído por 2 partes:
• a 1.ª é retilinta, o que permite uma velocidade elevada;
• a 2.ª parte é curvilínea, com uma curva decrescente.
• A velocidade aumenta progressivamente para chegar de 7 a 8,50
m/seg. nas primeiras passadas. O saltador busca uma velocidade
ótima, quer dizer, a maior velocidade possível segundo as suas
características físicas.
Salto em Altura
1.ª Fase: Corrida de Balanço
A velocidade depende, com efeito, da força de extensão
da perna de impulso: quanto maior for a velocidade, mais
necessária é a força de reação da perna de impulsão/ balanço para
transformar a velocidade horizontal em elevação vertical na saída
do solo.
• O que caracteriza a corrida de balanço são os apoios (passadas)
sobre o solo, que são enérgicos e dinâmicos.
• A preparação da saída do solo diz respeito aos 3 últimos apoios,
melhor dizendo, às duas últimas passadas.
Salto em Altura
Continuação: Fases do Salto em Altura
É a fase chave do salto, e da qual depende
o seu êxito ou fracasso.
A elevação não depende somente da força
da perna de impulsão/ braços, mas
também da velocidade da corrida de
balanço.
A subida deve ser o mais leve possível,
mas é fundamental que a força de
impulsão seja a maior possível.
A corrida de balanço depende do estilo do
salto, assim como da altura a que está a
fasquia. Quanto mais alta estiver a
fasquia, mais longe devemos efetuar
a corrida de balanço.Técnica: Fosbary-flopFosbary-flop
2.ª Fase: Elevação/ Impulso
Continuação: Fases do Salto em Altura
Começa no preciso momento em que
o pé de impulsão deixa o solo e
termina no momento em que a cabeça
e os ombros estão por cima da
fasquia.
É uma fase mais ou menos passiva:
o saltador deixa-se ir até cima
“comandado pelos ombros”.
Técnica: Fosbary-flopFosbary-flop
3.ª Fase: O Voo
Continuação: Fases do Salto em Altura
D) A Queda / Receção:
O saltador cai sobre os ombros ecai sobre os ombros e
a parte superior do dorso.a parte superior do dorso.
A receção varia segundo o ângulo,
a velocidade do voo e ainda o
lugar de saída do solo/ impulsão.
Técnica: Fosbary-flopFosbary-flop4.ª Fase: Receção
4.ª Fase: Receção
1.ª Fase: Corrida de Balanço
3.ª Fase: O Voo
2.ª Fase: Elevação/ Impulso
Como se deve realizar o Salto em Altura (Esquema).
Centro de Gravidade
Regras do Salto em Altura
Salto em Altura:
• No início da prova a ordem de competição dos atletas será sorteada e o juiz
anuncia a altura das tentativas a realizar pelos atletas.
• A subida da fasquia deve ser pelo menos 2 cm por tentativa e deverá ser
sempre pela mesma altura.
•O atleta deve sempre fazer a impulsão para o salto com apenas um pé.
Regras do Salto em Altura
Salto em Altura:
•Uma tentativa é considerada falhada se a fasquia cair durante a realização
do salto ou se o atleta tocar no chão para além das dimensões de largura e
comprimento do equipamento.
•Três saltos falhados seguidos significam a exclusão do atleta da competi-
ção.
Recordes do Salto em Altura
Fonte: wikipedia.com
Altura Atleta Nacionalidade Lugar Data
2,45 Javier Sotomayor Cuba Salamanca 27 Julho 1993
2,42 Patrik Sjöberg Suécia Estocolmo 30 Junho 1987
2,41 Igor Paklin União Soviética / Quirguistão Kobe 4 Setembro 1985
2,41 Bohdan Bondarenko Ucrânia Lausana 4 Julho 2013
2,40 Rudolf Povarnitsyn União Soviética / Ucrânia Donetsk 11 Agosto 1985
2,40 Sorin Matei Roménia Bratislava 20 Junho 1990
2,40 Charles Austin Estados Unidos Zurique 7 Agosto 1991
2,40 Vyacheslav Voronin Rússia Londres 5 Agosto 2000
2,39 Zhu Jianhua China Eberstadt 19 Junho 1984
2,39 Hollis Conway Estados Unidos Norman 30 Julho 1989
2,39 Ivan Ukhov Rússia Cheboksary 5 Julho 2012
2,39 Mutaz Barshim Catar Lausana 23 Agosto 2012
Record: 2,45 m.Javier Sotomayor
Altura Atleta Nacionalidade Lugar Data
2,09 Stefka Kostadinova Bulgária Roma 30 Agosto 1987
2,08 Blanka Vlašić Croácia Zagreb 31 Agosto 2009
2,07 Lyudmila Andonova Bulgária Berlim 20 Julho 1984
2,07 Anna Chicherova Rússia Cheboksary 22 Julho 2011
2,06 Kajsa Bergqvist Suécia Eberstadt 26 Julho 2003
2,06 Hestrie Cloete África do Sul Paris 31 Agosto 2003
2,06 Yelena Slesarenko Rússia Atenas 28 Agosto 2004
2,06 Ariane Friedrich Alemanha Berlim 14 Junho 2009
Recordes
Record: 2,09 m.
Stefka Kostadinova
Salto
em
Compriment
o
Atletismo – Salto em Comprimento
O Salto em Comprimento é um dos desportos mais
antigos do mundo ao ser praticado na Antiga
Grécia, há muitos anos atrás.
Não obstante, sabe-se que esta prova já se
realizava nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, pelo
menos desde o ano 708 a.C., incluída dentro das
provas do Pentatlo.
É prova olímpica, na categoria masculina, desde a
sua primeira edição celebrada em Atenas em 1896.
A categoria feminina da prova debutou nos Jogos
celebrados em Londres em 1948.
Um pouco de História….
Salto em Comprimento
O Salto em comprimento
é uma prova do actual
Atletismo e consiste em
percorrer a máxima
distância possível num
plano horizontal, a partir
de um salto (tábua de
chamada) depois de uma
corrida de balanço.
As Técnicas do Salto em Comprimento
TECNICA TESOURA
TECNICA EXTENSÃOTECNICA NA PASSADA
Fases do Salto em Comprimento
Fase 1. - Corrida de BalançoFase 1. - Corrida de Balanço
Fase 2. – A ChamadaFase 2. – A Chamada
Fase 3. – Fase Aérea/SuspensãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão
Fase 4. – Fase Receção / QuedaFase 4. – Fase Receção / Queda
Análise das Fases do
Salto em Comprimento
Fase 1. - Corrida de BalançoFase 1. - Corrida de Balanço
Fase 2. – A ChamadaFase 2. – A Chamada
Fase 3. – Fase Aérea/SuspensãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão
Fase 4. – Fase Receção / QuedaFase 4. – Fase Receção / Queda
Fases do Salto em Comprimento
A corrida de balanço deve ser progressivamente acelerada e com ritmo crescente.
É uma variante do sprint…..!
A corrida de balanço deve realizar-se dentro de uma área específica para o efeito, que
finaliza numa tábua de chamada que indica o ponto limite para realizar o impulso.
Outras condições importantes:
- Manter uma posição "elevada" a partir do centro de gravidade durante a
corrida.
-Durante a corrida, fazer as passadas largas e com elevação dos joelhos.
-Fazer uma boa tomada de contacto com o chão.
- Uma corrida só é bem sucedida se, para além da velocidade máxima possível, se
fizermos a chamada na hora exata.
Fase 1. - Corrida de BalançoFase 1. - Corrida de Balanço:
O final da corrida de balanço coincide com a
preparação do salto durante os 3 últimos
apoios.
 Nesta fase à que ter em atenção o seguinte:
- Que a diminuição da velocidade seja mínima.
- Que o ritmo permita um bom final de corrida.
Fase 1. - Corrida de BalançoFase 1. - Corrida de Balanço:
Fases do Salto em Comprimento
Fases do Salto em Comprimento
É fundamental ser realizada com precisão e na continuidade das ações
anteriormente efetuadas.
- Bacia deve estar alta...
- A seguir à chamada segue-se a elevação da perna hábil com os
braços, de baixo para cima...
- Coordenar a elevação braços/ perna...
Fase 2. – A ChamadaFase 2. – A Chamada
Fases do Salto em Comprimento
Esta fase é aquela que exige
melhor execução no salto
sendo fundamental….
As regras mais importantes
são as seguintes:
- O atleta deve perder o mínimo
de velocidade ao tocar a tábua
de chamada;
- A força de impulsão do pé
deve ser empregue num
espaço de tempo muito breve.
Fase 3. – Fase Aérea/SuspensãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão
Fases do Salto em Comprimento
Embora as características dependam da técnica
utilizada (Passada; Extensão ou Tesoura) devemos:
A) Olhar para a frente,
B) Tronco direito;
Depois de ter atingido o ponto mais alto da Fase de
Suspensão/ Aérea:
C) Realizar a elevação dos joelhos e a extensão dos
membros inferiores (m.i.) à frente;
D) Fechar o tronco sobre os m.i., movimentando os
m. s. em extensão de cima para a frente e para baixo.
Fase 3. – Fase Aérea/SuspensãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão
Fases do Salto em Comprimento
Fase 3. – Fase Aérea/Suspensão – VisualizaçãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão – Visualização
Fase L1: ChamadaFase L1: Chamada Fase L2: Fase aéreaFase L2: Fase aérea Fase L3: ReceçãoFase L3: Receção
Fases do Salto em Comprimento
A Queda/ Receção, tem
lugar sobre um fosso/
caixa de areia.
- Depois de ter projetado as pernas e o tronco
para a frente.... o atleta deve:
- Colocar os pés na areia pelos calcanhares e
ao mesmo nível.
- Ao fazer a receção na areia, o saltador deve
cair para a frente ou para um dos lados.
Nunca para trás!
- Amortecer a queda, através da flexão dos joe-
lhos após o toque dos calcanhares, permitindo
o avançar sobre o local de contacto.
Fase 4. – Fase Receção / QuedaFase 4. – Fase Receção / Queda
Fases do Salto em Comprimento
Corrida 50% + chamada 40%
do valor do saltoto
Voo 5% + Receção/queda 5%
do valor do saltoto
Fases do Salto em Comprimento
SALTO EM COMPRIMENTO
Regras do Salto em Comprimento
Regras do Salto em Comprimento
Regras do Salto em Comprimento
A MEDIÇÃO DO SALTO EM COMPRIMENTO:
..desde o ponto de contacto – (na caixa de areia) – mais anterior
até à tábua de chamada.
A medição....faz-se
Regras do Salto em Comprimento
A Qualificação para as provas de salto em comprimento devem
resultar na escolha de 8 atletas.
Para o fazer, cada atleta tem direito a três tentativas de salto,
sendo a sua ordem sorteada.
Para determinar a ordem em que irão competir durante a prova,
cada atleta terá direito a mais três saltos, que serão executados
pela ordem inversa.
Quando o número de competidores for 8 ou menos, cada atleta
tem direito a 6 tentativas.
CONCURSO DE SALTO EM COMPRIMENTO:
História – Salto em Comprimento
Os competidores realizam três saltos cada um e os oito
melhores passam à ronda seguinte com direito a mais
três saltos.
Tem-se sempre em conta o salto mais longo.
Em caso de empate ganhará, entre os atletas, aquele que
tenha realizado o segundo salto mais comprido.
NAS COMPETIÇÕES DE SALTO EM COMPRIMENTO
Regras do Salto em Comprimento
UMA TENTATIVA É FALHADA SE O ATLETA :
a) Toca no solo para além da área permitida para o salto;
b) Pisa para além da linha de salto;
c) Cai fora da caixa de areia;
d) Depois do salto volta para trás pela caixa de areia;
Ou ainda……….
e) Se utiliza algum artifício para aumentar o comprimento do seu salto.
Salto NULO ou VALIDO:
Recordes
Fuente: es.wikipedia.com
Triplo Salto
em
Compriment
o
História do Triplo Salto
em Comprimento
O Triplo Salto em Comprimento nasceu, sem qualquer dúvida, de
uma incorreta interpretação das provas atléticas praticadas pelos
Gregos. Este consideravam, os resultados dos três melhores saltos no
salto da competição, o que levou a pensar que se praticava um salto
triplo encadeado.
Em qualquer caso, foi necessário muito tempo para que o triplo
salto, fosse aceite como mais uma disciplina do Atletismo.
Ainda assim, inicialmente não foi aceito na sua forma actual (pé(pé
coxinho, passada e salto)coxinho, passada e salto), até cerca de 1904. Mesmo sem o “pé
coxinho” foi praticada nos primeiros Jogos Olímpicos modernos.
Triplo Salto em Comprimento
Atletismo - Triplo Salto em
Comprimento
O Triplo Salto é uma prova de Atletismo que se engloba
dentro do grupo de saltos, composto por salto em
comprimento, salto em altura, salto à vara e triplo salto.
Para realizar um Triplo salto é necessário realizar um
primeiro, um segundo e um terceiro salto.
O primeiro salto é um “coxinho”, o segundo faz-se uma
mudança de perna e no terceiro cai-se na caixa de areia.
O salto segue uma das duas SEQUÊNCIAS RITMICA de
pernas:
 esquerda, direita e queda/receçãoesquerda, direita e queda/receção
ou
 direita, esquerda e queda/ receçãodireita, esquerda e queda/ receção
Fases do Triplo Salto em Comprimento
4.º Apoio - Receção
Fases do Triplo Salto em Comprimento
Chamada
Pé Coxinho
Passada
Queda
Fases do Triplo Salto em Comprimento
•Fases do salto:
•1.º salto (Hop – “Pé coxinho”):
A sua finalidade é transformar a corrida de balanço em
salto;
- Criar as condições de velocidade e o ângulo de saída
do solo mais adequado ao salto;
- Gastar neste salto o mínimo velocidade horizontal;
- Colocar o corpo do atleta em condições de poder
prosseguir o salto;
As fases do 2.º salto (Step – “Passada”) são:
• Receção ao “coxinho”: Não deve existir uma grande
flexão da perna de apoio e pretende-se, com a ajuda
dos braços de baixo para cima projetar muito
rapidamente o centro de gravidade à frente para não
perder velocidade.
• Saída do chão: A perna livre (de balanço) vai de trás
para a frente em flexão para se bloquear mais ou
menos à altura da corrida (do quadril).
Fases do Triplo Salto em Comprimento
• 3.º salto (Jump - Salto):
• Nesta fase o objetivo é explorar a velocidade
horizontal, criando uma velocidade de componente
vertical para terminar o salto; e…
• alcançar uma posição global e segmentaria que
permita uma receção em equilíbrio.
Fases do Triplo Salto em Comprimento
- Depois de ter projetado as pernas e o tronco para a frente.... o atleta deve:
- Colocar os pés na areia pelos calcanhares e
ao mesmo nível.
- Ao fazer a receção na areia, o saltador deve cair para a frente ou para um dos
lados. Nunca para trás!
- Amortecer a queda, através da flexão dos joelhos após o toque dos
calcanhares, permitindo o avançar sobre o local de contacto.
Fase 4. – Fase Receção / QuedaFase 4. – Fase Receção / Queda
Fases do Triplo Salto em Comprimento
A Queda/ Receção, tem
lugar sobre um fosso/
caixa de areia.
Fase 4. – FaseFase 4. – Fase
ReceçãoReceção
/ Queda/ Queda
Fases do Triplo Salto em Comprimento
Regras do Triplo Salto em Comprimento
Regras
Regras do Triplo Salto em Comprimento
O salto triplo deve consistir num pequeno pulo, uma passada e por fim
um salto, sendo os três movimentos executados por esta ordem
necessariamente.
A receção do pulo deve ser feita no mesmo pé que lhe serviu de
impulsão, a passada deve ser terminada no outro pé, que é aquele que
dá a impulsão para o salto.
Não é considerada falta se o atleta tocar no solo com a outra perna
durante qualquer um destes movimentos.
As regras do salto em comprimento aplicam-se ao salto triplo para as
restantes situações que possam ocorrer.
Triplo Salto em Comprimento – DESCRIÇÃO
Regras do Triplo Salto em Comprimento
A qualificação para as provas de salto em comprimento devem resultar na
escolha de 8 atletas.
Para o fazer, cada um tem direito a três tentativas de salto, sendo a sua
ordem sorteada.
Para determinar a ordem em que irão competir durante a prova, cada atleta
terá direito a mais três saltos, que serão executados pela ordem inversa.
Quando o número de competidores for 8 ou menos, cada atleta tem direito a
6 tentativas.
Triplo Salto e/ou Salto em comprimento:
Regras do Triplo Salto em Comprimento
Uma tentativa é falhada se o atleta :
a) Toca no solo para além da área permitida para o salto;
b) Pisa para além da linha de salto;
c) Cai fora da caixa de areia;
d) Depois do salto volta para trás pela caixa de areia;
Ou ainda…
e) Se utiliza algum artifício para aumentar o comprimento do seu salto.
REGRAS:
Regras do Triplo Salto em Comprimento
Um concurso tipo, está composto por seis
tentativas, os três primeiros saltos para todos
os atletas e os três últimos saltos para os oito
melhores classificados, denominados saltos
de melhoria.
No caso de serem 8 ou menos atletas, todos
passam à fase seguinte. Vencerá o atleta que
melhor marca tenha realizado. Em caso de
empate verificar-se-á a segunda melhor marca
de cada um dos atleta se assim
sucessivamente.
Regras do Triplo Salto em Comprimento
A tábua de chamada situa-se a 13 m. do início
da caixa de salto para os homens e a 11 m.
para as mulheres, ainda que exista sempre a
possibilidade de colocar a tábua de chamada mais
próxima.
Regras do Triplo Salto em Comprimento
• A medição realiza-se desde a marca
mais próxima deixada pelo atleta na
areia até à tábua de chamada,
• Se o saltador realiza a primeira
passada depois da tábua de chamada,
o salto será declarado nulo e não se
mede.
Esquema de execuçãoEsquema de execução
dodo
Triplo Salto e do Salto em ComprimentoTriplo Salto e do Salto em Comprimento
Triplo Salto em Comprimento
Salto em Comprimento
Recorde
do
Triplo Salto
Comprimento: 18,29 m
Atleta: Jonathan Edwards
Data do acontecimento: J.O.-Sídney 07/08/1995
Recordista
Olímpico
do
Triplo Salto
Comprimento: 17,67 m 18.09 metros.
Atleta: Nelson Évora
Data do acontecimento: 21/Ago.2008
J.O. Pequim 2008
Nélson Évora
Recorde do
Triplo Salto
Salto (m) Vento Atleta Nacionalidade Local Data
18.29 1.3 Jonathan Edwards Reino Unido Gotemburgo 1995
18.09 -0.4 Kenny Harrison Estados Unidos Atlanta 1996
17.97 1.5 Wie Banks Estados Unidos Indianapolis 1985
17.92 1.6 Khristo Markov Bulgária Roma 1987
17.92 1.9 James Beckford Jamaica Odessa 1995
17.90 1.0 Vladimir Inozemtsev União Soviética Bratislava 1990
17.87 1.7 Mike Conley Estados Unidos San Jose 1987
17.86 1.3 Charles Simpkins Estados Unidos Kobe 1985
17.83 0.0 Christian Olsson Suécia Budapest 2004
17.74 0.1 Nelson Évora Portugal Osaka 2007
Masculino
Feminino
Salto (m) Vento Atleta Nacionalidade Local Data
15.50 1.9
Inessa
Kravets
 Ucrânia Gotemburgo 1995
15.34 -0.5
Tatyana
Lebedeva
 Rússia Heraklion 2004
15.32 0.9
Hrysopiyi
Devetzi
 Grécia Atenas 2004
15.30 0.6
Françoise
Mbango Etone
Camarões Atenas 2004
Conclusão
• Para praticar uma modalidade que pertença ao atletismo, é
fundamental praticar-se muito e, como em todo o desporto,
desenvolver/ aperfeiçoar a técnica de execução. Só assim será
possível melhorar os desempenhos na modalidade que pratiques.
• Cada uma das três modalidades anteriormente apresentadas
requerem a execução das suas técnicas especificas sendo muito
importante o ensino das mesmas antes de as praticar
• Estas três modalidades de Saltos requerem a existência de fortes
músculos nos membros interiores.
• Para a prática regular deste tipo de exercícios é necessário muita
dedicação, e manter uma dieta equilibrada muito treino.
FIM
Bibliografía
• El rincón del vago.
• Imagens do Google.
• Wikipedia.
• Preparaciónfisica.com.ar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Triplo salto
Triplo saltoTriplo salto
Triplo salto
Escola
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
Joana Lima
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
gltrindade
 
Ginástica de aparelhos
Ginástica de aparelhosGinástica de aparelhos
Ginástica de aparelhos
Rui Lemos
 
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Margarida Ferreira
 
História do Atletismo
História do AtletismoHistória do Atletismo
História do Atletismo
Alessandragf
 
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática   e.f. - 12ºcGinástica acrobática   e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
luis reis
 
Ginástica de Solo
Ginástica de SoloGinástica de Solo
Ginástica de Solo
Tony Abreu
 
Capacidades Motoras
Capacidades MotorasCapacidades Motoras
Capacidades Motoras
Rita Moreira
 
Trabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Trabalho de ginástica e aparelhos - AconsaTrabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Trabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Ana Carolina
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Patrícia Morais
 
7º aula atletismo salto em altura
7º aula atletismo salto em altura7º aula atletismo salto em altura
7º aula atletismo salto em altura
Prof. Dr. Tadeu Cardoso de Almeida
 
Ginástica
GinásticaGinástica
Ginástica
AnaGomes40
 
Sebenta.ginastica.solo.profissional
Sebenta.ginastica.solo.profissionalSebenta.ginastica.solo.profissional
Sebenta.ginastica.solo.profissional
Maria João Vasconcelos
 
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativasCapacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
JoanaMartins7
 
Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
evandrolhp
 
Arremesso de peso
Arremesso de pesoArremesso de peso
Arremesso de peso
Ismael Chaves
 
Step
StepStep
Step
Saturno
 
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de AparelhosTrave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Maria João Vasconcelos
 
Testes Aptidao Fisica
Testes Aptidao FisicaTestes Aptidao Fisica
Testes Aptidao Fisica
Silvana Pinheiro
 

Mais procurados (20)

Triplo salto
Triplo saltoTriplo salto
Triplo salto
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
 
Ginástica de aparelhos
Ginástica de aparelhosGinástica de aparelhos
Ginástica de aparelhos
 
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
 
História do Atletismo
História do AtletismoHistória do Atletismo
História do Atletismo
 
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática   e.f. - 12ºcGinástica acrobática   e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
 
Ginástica de Solo
Ginástica de SoloGinástica de Solo
Ginástica de Solo
 
Capacidades Motoras
Capacidades MotorasCapacidades Motoras
Capacidades Motoras
 
Trabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Trabalho de ginástica e aparelhos - AconsaTrabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Trabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
7º aula atletismo salto em altura
7º aula atletismo salto em altura7º aula atletismo salto em altura
7º aula atletismo salto em altura
 
Ginástica
GinásticaGinástica
Ginástica
 
Sebenta.ginastica.solo.profissional
Sebenta.ginastica.solo.profissionalSebenta.ginastica.solo.profissional
Sebenta.ginastica.solo.profissional
 
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativasCapacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
 
Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
 
Arremesso de peso
Arremesso de pesoArremesso de peso
Arremesso de peso
 
Step
StepStep
Step
 
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de AparelhosTrave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
 
Testes Aptidao Fisica
Testes Aptidao FisicaTestes Aptidao Fisica
Testes Aptidao Fisica
 

Semelhante a Atletismo saltos comprimento_altura_triplo

Atletismo saltos
Atletismo saltosAtletismo saltos
Atletismo saltos
Ana Carolina
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
Aldrin Eldrin
 
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
workshare1814
 
Atletismo Saltos_secundário.ppt
Atletismo Saltos_secundário.pptAtletismo Saltos_secundário.ppt
Atletismo Saltos_secundário.ppt
LeandroPereira922646
 
Concurso do salto em altura
Concurso do salto em alturaConcurso do salto em altura
Concurso do salto em altura
Em Dormir
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
AnaGomes40
 
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptxAtletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
mgmfernandes
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Neusa Soares
 
salto com vara
salto com varasalto com vara
salto com vara
Laerson Psico
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
SALTO EM Altura
SALTO EM AlturaSALTO EM Altura
Atletismo 110 m_barreiras
Atletismo 110 m_barreirasAtletismo 110 m_barreiras
Atletismo 110 m_barreiras
Escola Secundaria Moura
 
Trabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - AconsaTrabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - Aconsa
Ana Carolina
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
André Campos
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Ana Rita Barbosa
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Helena Caboclo
 
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º anoGinástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ana Gomes
 
Atletismo
Atletismo Atletismo
Atletismo
cristina costa
 
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
marcelosilveirazero1
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Prof. Saulo Bezerra
 

Semelhante a Atletismo saltos comprimento_altura_triplo (20)

Atletismo saltos
Atletismo saltosAtletismo saltos
Atletismo saltos
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
 
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)Educação física   1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
Educação física 1ºperiodo (atletismo - 4 exercícios)
 
Atletismo Saltos_secundário.ppt
Atletismo Saltos_secundário.pptAtletismo Saltos_secundário.ppt
Atletismo Saltos_secundário.ppt
 
Concurso do salto em altura
Concurso do salto em alturaConcurso do salto em altura
Concurso do salto em altura
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptxAtletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
salto com vara
salto com varasalto com vara
salto com vara
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
SALTO EM Altura
SALTO EM AlturaSALTO EM Altura
SALTO EM Altura
 
Atletismo 110 m_barreiras
Atletismo 110 m_barreirasAtletismo 110 m_barreiras
Atletismo 110 m_barreiras
 
Trabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - AconsaTrabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - Aconsa
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º anoGinástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º ano
 
Atletismo
Atletismo Atletismo
Atletismo
 
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
 

Mais de Escola Secundaria Moura

Rappel
RappelRappel
Escalada esmoura
Escalada esmouraEscalada esmoura
Escalada esmoura
Escola Secundaria Moura
 
Caminhada beneficios
Caminhada beneficiosCaminhada beneficios
Caminhada beneficios
Escola Secundaria Moura
 
Badminton
Badminton Badminton
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Atletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetasAtletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetas
Escola Secundaria Moura
 
Atletismo classificacao corridas
Atletismo classificacao corridasAtletismo classificacao corridas
Atletismo classificacao corridas
Escola Secundaria Moura
 
Aquecimento e a sua importancia
Aquecimento e a sua importanciaAquecimento e a sua importancia
Aquecimento e a sua importancia
Escola Secundaria Moura
 
Andebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogoAndebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogo
Escola Secundaria Moura
 
Andebol a 32_slides
Andebol a 32_slidesAndebol a 32_slides
Andebol a 32_slides
Escola Secundaria Moura
 
Principios de jogo
Principios de jogoPrincipios de jogo
Principios de jogo
Escola Secundaria Moura
 
Orientação es moura
Orientação es mouraOrientação es moura
Orientação es moura
Escola Secundaria Moura
 
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Escola Secundaria Moura
 
Caminhada beneficios
Caminhada beneficiosCaminhada beneficios
Caminhada beneficios
Escola Secundaria Moura
 
Escalada esmoura
Escalada esmouraEscalada esmoura
Escalada esmoura
Escola Secundaria Moura
 

Mais de Escola Secundaria Moura (15)

Rappel
RappelRappel
Rappel
 
Escalada esmoura
Escalada esmouraEscalada esmoura
Escalada esmoura
 
Caminhada beneficios
Caminhada beneficiosCaminhada beneficios
Caminhada beneficios
 
Badminton
Badminton Badminton
Badminton
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Atletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetasAtletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetas
 
Atletismo classificacao corridas
Atletismo classificacao corridasAtletismo classificacao corridas
Atletismo classificacao corridas
 
Aquecimento e a sua importancia
Aquecimento e a sua importanciaAquecimento e a sua importancia
Aquecimento e a sua importancia
 
Andebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogoAndebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogo
 
Andebol a 32_slides
Andebol a 32_slidesAndebol a 32_slides
Andebol a 32_slides
 
Principios de jogo
Principios de jogoPrincipios de jogo
Principios de jogo
 
Orientação es moura
Orientação es mouraOrientação es moura
Orientação es moura
 
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
 
Caminhada beneficios
Caminhada beneficiosCaminhada beneficios
Caminhada beneficios
 
Escalada esmoura
Escalada esmouraEscalada esmoura
Escalada esmoura
 

Último

iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 

Último (20)

iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 

Atletismo saltos comprimento_altura_triplo

  • 2. Os saltos em Atletismo
  • 3. ATLETISMO: SALTOS SALTO em COMPRIMENTO SALTO em ALTURA TRIPLO SALTO em COMPRIMENTO
  • 4. Índice. • Capa…………………………………………………………………..………..1 • Índice……………………………...............................................................2 • Introdução………………………………………………………….………....3 • Salto de altura……………………………………………………….……….4 • Fases do salto de altura………………………………………….….........5 • Esquema de como se deve realizar um salto de altura…….………...6 • Salto em comprimento…………………………………………….………..7 • Fases do salto em comprimento………………………………….………8 • Continuação: Fases do salto em altura………………………..………...9 • Triplo Salto em Comprimento…………………………………….………10 • Fases do Triplo Salto em Comprimento…………………………..........11 • Esquema do Triple Salto e do Salto em Comprimento……….………12 • Conclusão……………………………………………………….……………13 • Bibliografia…………………………………………………………….……..14
  • 5. Com a seguinte apresen- tação pretende-se: A) Compreender em que consistem os 3 saltos: B) Comprimento, Altura e Triplo S. Comprimento. C) Explicar as diferentes etapas e algumas técnicas para cada uno destas modalidades. Escola Secundária de Moura ATLETISMO: SALTOS
  • 6.
  • 7. História do Salto em Altura Segundo se pode saber através de legendas e tradições a sua origem pode-se situar nos JogosJogos TailteannTailteann irlandeses do século XVIII antes de Cristo, uma espécie de Jogos Olímpicos célticos . Estas primeiras competições de salto de altura mantiveram-se ativas na Grã-Bretanha, até que as exportaram para os Estados Unidos. Inicialmente existiam duas modalidades de salto de altura, com balanço e sem balanço.
  • 8. ATLETISMO – SALTO em ALTURA O Salto de Altura é uma prova do actual Atletismo que tem por objetivo transpor uma barratranspor uma barra horizontalhorizontal denominada fasquia colocada a uma altura determinada sobre dois postes verticaisdois postes verticais separadosseparados por 4 metros4 metros de largurade largura.
  • 9. História do Salto em Altura Inicialmente existiam duas modalidades de salto de altura, com balanço e sem balanço. Nos Jogos Olímpicos de Paris - 1900, San Luís - 1904, Londres -1908 e Estocolmo - 1912 realizou-se na sua dupla forma. Os primeiros saltadores sobrepunham a fasquia com o denominado estilo de “tesoura”, técnica que consistia em, depois de uma curta corrida de balanço, afrontar a fasquia com um movimento de tesoura com as pernas, passando primeiro uma e depois a outra. Com esta técnica chegou-se a superar a altura de 1.97 metros.
  • 10. Técnicas do Salto em Altura Tesoura A TESOURA: é o salto que normalmente se aprende primeiro na escola. É o mais fácil e o menos eficaz.
  • 11. Técnicas do Salto em Altura Rolamento Ventral
  • 13. • Esta técnica: • Foi durante muito tempo o estilo utilizado pelos campeões. • É um salto bonito mas muito difícil de aprender e que exige imensa força. ROLAMENTO VENTRAL
  • 14. Técnicas do Salto em Altura Fosbary-Flop
  • 15. Fosbary-Flop O Fosbury-flop (salto de costas): é este o salto que todos os campeões utilizam atualmente. É um salto muito espetacular e foi inventado por um norte-americano, Dick Fosbury que ganhou as provas dos Jogos Olímpicos do México 68
  • 16. Salto em Altura Fosbary-Flop Para executar o salto, os atletas aproximam-se da fasquia quase de frente, fazem uma meia rotação à saída do solo, elevam-se na direção da fasquia com a cabeça pela frente, superando-a de costas e caiem no colchão com os ombros.
  • 17. O Salto de Altura é constituído por 4 fases4 fases que se descrevem a seguir: A) A Corrida de Balanço; B) Elevação / Impulso; C) Voo; D) Queda; Salto em Altura
  • 18. A corrida de balanço: É constituído por 2 partes: • a 1.ª é retilinta, o que permite uma velocidade elevada; • a 2.ª parte é curvilínea, com uma curva decrescente. • A velocidade aumenta progressivamente para chegar de 7 a 8,50 m/seg. nas primeiras passadas. O saltador busca uma velocidade ótima, quer dizer, a maior velocidade possível segundo as suas características físicas. Salto em Altura 1.ª Fase: Corrida de Balanço
  • 19. A velocidade depende, com efeito, da força de extensão da perna de impulso: quanto maior for a velocidade, mais necessária é a força de reação da perna de impulsão/ balanço para transformar a velocidade horizontal em elevação vertical na saída do solo. • O que caracteriza a corrida de balanço são os apoios (passadas) sobre o solo, que são enérgicos e dinâmicos. • A preparação da saída do solo diz respeito aos 3 últimos apoios, melhor dizendo, às duas últimas passadas. Salto em Altura
  • 20. Continuação: Fases do Salto em Altura É a fase chave do salto, e da qual depende o seu êxito ou fracasso. A elevação não depende somente da força da perna de impulsão/ braços, mas também da velocidade da corrida de balanço. A subida deve ser o mais leve possível, mas é fundamental que a força de impulsão seja a maior possível. A corrida de balanço depende do estilo do salto, assim como da altura a que está a fasquia. Quanto mais alta estiver a fasquia, mais longe devemos efetuar a corrida de balanço.Técnica: Fosbary-flopFosbary-flop 2.ª Fase: Elevação/ Impulso
  • 21. Continuação: Fases do Salto em Altura Começa no preciso momento em que o pé de impulsão deixa o solo e termina no momento em que a cabeça e os ombros estão por cima da fasquia. É uma fase mais ou menos passiva: o saltador deixa-se ir até cima “comandado pelos ombros”. Técnica: Fosbary-flopFosbary-flop 3.ª Fase: O Voo
  • 22. Continuação: Fases do Salto em Altura D) A Queda / Receção: O saltador cai sobre os ombros ecai sobre os ombros e a parte superior do dorso.a parte superior do dorso. A receção varia segundo o ângulo, a velocidade do voo e ainda o lugar de saída do solo/ impulsão. Técnica: Fosbary-flopFosbary-flop4.ª Fase: Receção
  • 23. 4.ª Fase: Receção 1.ª Fase: Corrida de Balanço 3.ª Fase: O Voo 2.ª Fase: Elevação/ Impulso
  • 24. Como se deve realizar o Salto em Altura (Esquema). Centro de Gravidade
  • 25.
  • 26. Regras do Salto em Altura Salto em Altura: • No início da prova a ordem de competição dos atletas será sorteada e o juiz anuncia a altura das tentativas a realizar pelos atletas. • A subida da fasquia deve ser pelo menos 2 cm por tentativa e deverá ser sempre pela mesma altura. •O atleta deve sempre fazer a impulsão para o salto com apenas um pé.
  • 27. Regras do Salto em Altura Salto em Altura: •Uma tentativa é considerada falhada se a fasquia cair durante a realização do salto ou se o atleta tocar no chão para além das dimensões de largura e comprimento do equipamento. •Três saltos falhados seguidos significam a exclusão do atleta da competi- ção.
  • 28. Recordes do Salto em Altura Fonte: wikipedia.com Altura Atleta Nacionalidade Lugar Data 2,45 Javier Sotomayor Cuba Salamanca 27 Julho 1993 2,42 Patrik Sjöberg Suécia Estocolmo 30 Junho 1987 2,41 Igor Paklin União Soviética / Quirguistão Kobe 4 Setembro 1985 2,41 Bohdan Bondarenko Ucrânia Lausana 4 Julho 2013 2,40 Rudolf Povarnitsyn União Soviética / Ucrânia Donetsk 11 Agosto 1985 2,40 Sorin Matei Roménia Bratislava 20 Junho 1990 2,40 Charles Austin Estados Unidos Zurique 7 Agosto 1991 2,40 Vyacheslav Voronin Rússia Londres 5 Agosto 2000 2,39 Zhu Jianhua China Eberstadt 19 Junho 1984 2,39 Hollis Conway Estados Unidos Norman 30 Julho 1989 2,39 Ivan Ukhov Rússia Cheboksary 5 Julho 2012 2,39 Mutaz Barshim Catar Lausana 23 Agosto 2012
  • 30. Altura Atleta Nacionalidade Lugar Data 2,09 Stefka Kostadinova Bulgária Roma 30 Agosto 1987 2,08 Blanka Vlašić Croácia Zagreb 31 Agosto 2009 2,07 Lyudmila Andonova Bulgária Berlim 20 Julho 1984 2,07 Anna Chicherova Rússia Cheboksary 22 Julho 2011 2,06 Kajsa Bergqvist Suécia Eberstadt 26 Julho 2003 2,06 Hestrie Cloete África do Sul Paris 31 Agosto 2003 2,06 Yelena Slesarenko Rússia Atenas 28 Agosto 2004 2,06 Ariane Friedrich Alemanha Berlim 14 Junho 2009 Recordes
  • 31. Record: 2,09 m. Stefka Kostadinova
  • 33. Atletismo – Salto em Comprimento O Salto em Comprimento é um dos desportos mais antigos do mundo ao ser praticado na Antiga Grécia, há muitos anos atrás. Não obstante, sabe-se que esta prova já se realizava nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, pelo menos desde o ano 708 a.C., incluída dentro das provas do Pentatlo. É prova olímpica, na categoria masculina, desde a sua primeira edição celebrada em Atenas em 1896. A categoria feminina da prova debutou nos Jogos celebrados em Londres em 1948. Um pouco de História….
  • 34. Salto em Comprimento O Salto em comprimento é uma prova do actual Atletismo e consiste em percorrer a máxima distância possível num plano horizontal, a partir de um salto (tábua de chamada) depois de uma corrida de balanço.
  • 35. As Técnicas do Salto em Comprimento
  • 37. Fases do Salto em Comprimento Fase 1. - Corrida de BalançoFase 1. - Corrida de Balanço Fase 2. – A ChamadaFase 2. – A Chamada Fase 3. – Fase Aérea/SuspensãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão Fase 4. – Fase Receção / QuedaFase 4. – Fase Receção / Queda
  • 38. Análise das Fases do Salto em Comprimento Fase 1. - Corrida de BalançoFase 1. - Corrida de Balanço Fase 2. – A ChamadaFase 2. – A Chamada Fase 3. – Fase Aérea/SuspensãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão Fase 4. – Fase Receção / QuedaFase 4. – Fase Receção / Queda
  • 39. Fases do Salto em Comprimento A corrida de balanço deve ser progressivamente acelerada e com ritmo crescente. É uma variante do sprint…..! A corrida de balanço deve realizar-se dentro de uma área específica para o efeito, que finaliza numa tábua de chamada que indica o ponto limite para realizar o impulso. Outras condições importantes: - Manter uma posição "elevada" a partir do centro de gravidade durante a corrida. -Durante a corrida, fazer as passadas largas e com elevação dos joelhos. -Fazer uma boa tomada de contacto com o chão. - Uma corrida só é bem sucedida se, para além da velocidade máxima possível, se fizermos a chamada na hora exata. Fase 1. - Corrida de BalançoFase 1. - Corrida de Balanço:
  • 40. O final da corrida de balanço coincide com a preparação do salto durante os 3 últimos apoios.  Nesta fase à que ter em atenção o seguinte: - Que a diminuição da velocidade seja mínima. - Que o ritmo permita um bom final de corrida. Fase 1. - Corrida de BalançoFase 1. - Corrida de Balanço: Fases do Salto em Comprimento
  • 41. Fases do Salto em Comprimento É fundamental ser realizada com precisão e na continuidade das ações anteriormente efetuadas. - Bacia deve estar alta... - A seguir à chamada segue-se a elevação da perna hábil com os braços, de baixo para cima... - Coordenar a elevação braços/ perna... Fase 2. – A ChamadaFase 2. – A Chamada
  • 42. Fases do Salto em Comprimento Esta fase é aquela que exige melhor execução no salto sendo fundamental…. As regras mais importantes são as seguintes: - O atleta deve perder o mínimo de velocidade ao tocar a tábua de chamada; - A força de impulsão do pé deve ser empregue num espaço de tempo muito breve. Fase 3. – Fase Aérea/SuspensãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão
  • 43. Fases do Salto em Comprimento Embora as características dependam da técnica utilizada (Passada; Extensão ou Tesoura) devemos: A) Olhar para a frente, B) Tronco direito; Depois de ter atingido o ponto mais alto da Fase de Suspensão/ Aérea: C) Realizar a elevação dos joelhos e a extensão dos membros inferiores (m.i.) à frente; D) Fechar o tronco sobre os m.i., movimentando os m. s. em extensão de cima para a frente e para baixo. Fase 3. – Fase Aérea/SuspensãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão
  • 44. Fases do Salto em Comprimento Fase 3. – Fase Aérea/Suspensão – VisualizaçãoFase 3. – Fase Aérea/Suspensão – Visualização Fase L1: ChamadaFase L1: Chamada Fase L2: Fase aéreaFase L2: Fase aérea Fase L3: ReceçãoFase L3: Receção
  • 45. Fases do Salto em Comprimento A Queda/ Receção, tem lugar sobre um fosso/ caixa de areia. - Depois de ter projetado as pernas e o tronco para a frente.... o atleta deve: - Colocar os pés na areia pelos calcanhares e ao mesmo nível. - Ao fazer a receção na areia, o saltador deve cair para a frente ou para um dos lados. Nunca para trás! - Amortecer a queda, através da flexão dos joe- lhos após o toque dos calcanhares, permitindo o avançar sobre o local de contacto. Fase 4. – Fase Receção / QuedaFase 4. – Fase Receção / Queda
  • 46. Fases do Salto em Comprimento Corrida 50% + chamada 40% do valor do saltoto Voo 5% + Receção/queda 5% do valor do saltoto
  • 47. Fases do Salto em Comprimento SALTO EM COMPRIMENTO
  • 48. Regras do Salto em Comprimento
  • 49. Regras do Salto em Comprimento
  • 50. Regras do Salto em Comprimento A MEDIÇÃO DO SALTO EM COMPRIMENTO: ..desde o ponto de contacto – (na caixa de areia) – mais anterior até à tábua de chamada. A medição....faz-se
  • 51. Regras do Salto em Comprimento A Qualificação para as provas de salto em comprimento devem resultar na escolha de 8 atletas. Para o fazer, cada atleta tem direito a três tentativas de salto, sendo a sua ordem sorteada. Para determinar a ordem em que irão competir durante a prova, cada atleta terá direito a mais três saltos, que serão executados pela ordem inversa. Quando o número de competidores for 8 ou menos, cada atleta tem direito a 6 tentativas. CONCURSO DE SALTO EM COMPRIMENTO:
  • 52. História – Salto em Comprimento Os competidores realizam três saltos cada um e os oito melhores passam à ronda seguinte com direito a mais três saltos. Tem-se sempre em conta o salto mais longo. Em caso de empate ganhará, entre os atletas, aquele que tenha realizado o segundo salto mais comprido. NAS COMPETIÇÕES DE SALTO EM COMPRIMENTO
  • 53. Regras do Salto em Comprimento UMA TENTATIVA É FALHADA SE O ATLETA : a) Toca no solo para além da área permitida para o salto; b) Pisa para além da linha de salto; c) Cai fora da caixa de areia; d) Depois do salto volta para trás pela caixa de areia; Ou ainda………. e) Se utiliza algum artifício para aumentar o comprimento do seu salto. Salto NULO ou VALIDO:
  • 56. História do Triplo Salto em Comprimento O Triplo Salto em Comprimento nasceu, sem qualquer dúvida, de uma incorreta interpretação das provas atléticas praticadas pelos Gregos. Este consideravam, os resultados dos três melhores saltos no salto da competição, o que levou a pensar que se praticava um salto triplo encadeado. Em qualquer caso, foi necessário muito tempo para que o triplo salto, fosse aceite como mais uma disciplina do Atletismo. Ainda assim, inicialmente não foi aceito na sua forma actual (pé(pé coxinho, passada e salto)coxinho, passada e salto), até cerca de 1904. Mesmo sem o “pé coxinho” foi praticada nos primeiros Jogos Olímpicos modernos.
  • 57. Triplo Salto em Comprimento
  • 58. Atletismo - Triplo Salto em Comprimento O Triplo Salto é uma prova de Atletismo que se engloba dentro do grupo de saltos, composto por salto em comprimento, salto em altura, salto à vara e triplo salto. Para realizar um Triplo salto é necessário realizar um primeiro, um segundo e um terceiro salto. O primeiro salto é um “coxinho”, o segundo faz-se uma mudança de perna e no terceiro cai-se na caixa de areia. O salto segue uma das duas SEQUÊNCIAS RITMICA de pernas:  esquerda, direita e queda/receçãoesquerda, direita e queda/receção ou  direita, esquerda e queda/ receçãodireita, esquerda e queda/ receção
  • 59. Fases do Triplo Salto em Comprimento 4.º Apoio - Receção
  • 60. Fases do Triplo Salto em Comprimento Chamada Pé Coxinho Passada Queda
  • 61. Fases do Triplo Salto em Comprimento •Fases do salto: •1.º salto (Hop – “Pé coxinho”): A sua finalidade é transformar a corrida de balanço em salto; - Criar as condições de velocidade e o ângulo de saída do solo mais adequado ao salto; - Gastar neste salto o mínimo velocidade horizontal; - Colocar o corpo do atleta em condições de poder prosseguir o salto;
  • 62. As fases do 2.º salto (Step – “Passada”) são: • Receção ao “coxinho”: Não deve existir uma grande flexão da perna de apoio e pretende-se, com a ajuda dos braços de baixo para cima projetar muito rapidamente o centro de gravidade à frente para não perder velocidade. • Saída do chão: A perna livre (de balanço) vai de trás para a frente em flexão para se bloquear mais ou menos à altura da corrida (do quadril). Fases do Triplo Salto em Comprimento
  • 63. • 3.º salto (Jump - Salto): • Nesta fase o objetivo é explorar a velocidade horizontal, criando uma velocidade de componente vertical para terminar o salto; e… • alcançar uma posição global e segmentaria que permita uma receção em equilíbrio. Fases do Triplo Salto em Comprimento
  • 64. - Depois de ter projetado as pernas e o tronco para a frente.... o atleta deve: - Colocar os pés na areia pelos calcanhares e ao mesmo nível. - Ao fazer a receção na areia, o saltador deve cair para a frente ou para um dos lados. Nunca para trás! - Amortecer a queda, através da flexão dos joelhos após o toque dos calcanhares, permitindo o avançar sobre o local de contacto. Fase 4. – Fase Receção / QuedaFase 4. – Fase Receção / Queda Fases do Triplo Salto em Comprimento
  • 65. A Queda/ Receção, tem lugar sobre um fosso/ caixa de areia. Fase 4. – FaseFase 4. – Fase ReceçãoReceção / Queda/ Queda Fases do Triplo Salto em Comprimento
  • 66. Regras do Triplo Salto em Comprimento
  • 68. Regras do Triplo Salto em Comprimento O salto triplo deve consistir num pequeno pulo, uma passada e por fim um salto, sendo os três movimentos executados por esta ordem necessariamente. A receção do pulo deve ser feita no mesmo pé que lhe serviu de impulsão, a passada deve ser terminada no outro pé, que é aquele que dá a impulsão para o salto. Não é considerada falta se o atleta tocar no solo com a outra perna durante qualquer um destes movimentos. As regras do salto em comprimento aplicam-se ao salto triplo para as restantes situações que possam ocorrer. Triplo Salto em Comprimento – DESCRIÇÃO
  • 69. Regras do Triplo Salto em Comprimento A qualificação para as provas de salto em comprimento devem resultar na escolha de 8 atletas. Para o fazer, cada um tem direito a três tentativas de salto, sendo a sua ordem sorteada. Para determinar a ordem em que irão competir durante a prova, cada atleta terá direito a mais três saltos, que serão executados pela ordem inversa. Quando o número de competidores for 8 ou menos, cada atleta tem direito a 6 tentativas. Triplo Salto e/ou Salto em comprimento:
  • 70. Regras do Triplo Salto em Comprimento Uma tentativa é falhada se o atleta : a) Toca no solo para além da área permitida para o salto; b) Pisa para além da linha de salto; c) Cai fora da caixa de areia; d) Depois do salto volta para trás pela caixa de areia; Ou ainda… e) Se utiliza algum artifício para aumentar o comprimento do seu salto. REGRAS:
  • 71. Regras do Triplo Salto em Comprimento Um concurso tipo, está composto por seis tentativas, os três primeiros saltos para todos os atletas e os três últimos saltos para os oito melhores classificados, denominados saltos de melhoria. No caso de serem 8 ou menos atletas, todos passam à fase seguinte. Vencerá o atleta que melhor marca tenha realizado. Em caso de empate verificar-se-á a segunda melhor marca de cada um dos atleta se assim sucessivamente.
  • 72. Regras do Triplo Salto em Comprimento A tábua de chamada situa-se a 13 m. do início da caixa de salto para os homens e a 11 m. para as mulheres, ainda que exista sempre a possibilidade de colocar a tábua de chamada mais próxima.
  • 73. Regras do Triplo Salto em Comprimento • A medição realiza-se desde a marca mais próxima deixada pelo atleta na areia até à tábua de chamada, • Se o saltador realiza a primeira passada depois da tábua de chamada, o salto será declarado nulo e não se mede.
  • 74. Esquema de execuçãoEsquema de execução dodo Triplo Salto e do Salto em ComprimentoTriplo Salto e do Salto em Comprimento Triplo Salto em Comprimento Salto em Comprimento
  • 75. Recorde do Triplo Salto Comprimento: 18,29 m Atleta: Jonathan Edwards Data do acontecimento: J.O.-Sídney 07/08/1995
  • 76. Recordista Olímpico do Triplo Salto Comprimento: 17,67 m 18.09 metros. Atleta: Nelson Évora Data do acontecimento: 21/Ago.2008 J.O. Pequim 2008 Nélson Évora
  • 77. Recorde do Triplo Salto Salto (m) Vento Atleta Nacionalidade Local Data 18.29 1.3 Jonathan Edwards Reino Unido Gotemburgo 1995 18.09 -0.4 Kenny Harrison Estados Unidos Atlanta 1996 17.97 1.5 Wie Banks Estados Unidos Indianapolis 1985 17.92 1.6 Khristo Markov Bulgária Roma 1987 17.92 1.9 James Beckford Jamaica Odessa 1995 17.90 1.0 Vladimir Inozemtsev União Soviética Bratislava 1990 17.87 1.7 Mike Conley Estados Unidos San Jose 1987 17.86 1.3 Charles Simpkins Estados Unidos Kobe 1985 17.83 0.0 Christian Olsson Suécia Budapest 2004 17.74 0.1 Nelson Évora Portugal Osaka 2007 Masculino Feminino Salto (m) Vento Atleta Nacionalidade Local Data 15.50 1.9 Inessa Kravets  Ucrânia Gotemburgo 1995 15.34 -0.5 Tatyana Lebedeva  Rússia Heraklion 2004 15.32 0.9 Hrysopiyi Devetzi  Grécia Atenas 2004 15.30 0.6 Françoise Mbango Etone Camarões Atenas 2004
  • 78. Conclusão • Para praticar uma modalidade que pertença ao atletismo, é fundamental praticar-se muito e, como em todo o desporto, desenvolver/ aperfeiçoar a técnica de execução. Só assim será possível melhorar os desempenhos na modalidade que pratiques. • Cada uma das três modalidades anteriormente apresentadas requerem a execução das suas técnicas especificas sendo muito importante o ensino das mesmas antes de as praticar
  • 79. • Estas três modalidades de Saltos requerem a existência de fortes músculos nos membros interiores. • Para a prática regular deste tipo de exercícios é necessário muita dedicação, e manter uma dieta equilibrada muito treino. FIM
  • 80. Bibliografía • El rincón del vago. • Imagens do Google. • Wikipedia. • Preparaciónfisica.com.ar