SlideShare uma empresa Scribd logo
PRINCIPIOS CIENTÍFICOS DO
 TREINAMENTO DESPORTIVO




            Prof.Esp.
            Prof.Esp. Moisés Mendes
O que é
                          Princípios do
                          Treinamento
                          Desportivo?
Prof.Esp. Moisés Mendes
Princípios do Treinamento Desportivo



                          São os aspectos cuja observância irá
Prof.Esp. Moisés Mendes




                          diferenciar o trabalho feito à base de
                          ensaios-e-erros,do científico.
                                                      (Dantas,2003)
Princípios do Treinamento Desportivo


                          1.Princípio   da   Individualidade Biológica;
                          2.Princípio   da   Adaptação;
Prof.Esp. Moisés Mendes




                          3.Princípio   da   Sobrecarga;
                          4.Princípio   da   interdependência Volume/Intensidade;
                          5.Princípio   da   Continuidade;
                          6.Princípio   da   Especificidade;
                          7.Princípio   da   Reversibilidade;
                          8.Princípio   da   Treinabilidade.
Importante:

                          Os PCTD, formam juntos com a PERIODIZAÇÃO
                          os dois pilares de sustentação do Treinamento
Prof.Esp. Moisés Mendes




                          eficaz.
Princípio da Individualidade
                                     Biológica

                          GENÓTIPO + FENÓTIPO       INDIVÍDUO
Prof.Esp. Moisés Mendes




                           GENÓTIPO:Carga genética transmitida à
                           pessoa,que determina diversos fatores
                           como:
                           •Somatotipo;
                           •Altura máxima esperada;
                           •Força máxima possível;
                           •Aptidões Físicas e intelectuais.
Princípio da Individualidade
                                       Biológica

                          FENÓTIPO:Tudo que é acrescentado ou somado ao
                          indivíduo a partir da geração,formando,assim,
Prof.Esp. Moisés Mendes




                          diversas características como:

                          •Consumo Máx de O2(V.O2máximo)
                          •Habilidades desportivas;
                          •Demais potencialidades expressas;
Importante:

                          1. Determinação dos pontos fracos e pontos
                             fortes do atleta (Avaliação).
                          2. Divisão em grupos homogêneos
Prof.Esp. Moisés Mendes
Fatores Condicionantes da
                          Performance de Alto Nível
                                                  HEREDITARIEDADE




                                                                                      TREINAMENTO TOTAL
                                                                                      TREINAMENTO TOTAL
                                                               Motivação
                           MEIO AMBIENTE
Prof.Esp. Moisés Mendes




                                              Personalidade




                                                                            Biotipo
                                                              Habilidades


                                           REALIZAÇÕES DESPORTIVAS
Princípio da Adaptação

                          Baseia-se na permanente busca da homeostase pelo
                          organismo.
                          Homeostase:É o estado de equilíbrio estável mantido
Prof.Esp. Moisés Mendes




                          entre os sistemas constituintes do organismo, e o
                          existente entre este e o meio ambiente.


                               Estimulo      Organismo      Resposta
Princípio da Adaptação

                          Os estímulos podem ser:

                           Débeis          Não acarretam conseqüência
Prof.Esp. Moisés Mendes




                           Médios          Apenas excitam
                           Fortes          Provocam adaptações
                           Muitos Fortes   Provocam danos
                                                        (Dantas,2003)
Princípio da Adaptação

                          OBSERVAÇÃO:


                            Os estímulos fortes e muitos fortes foram
Prof.Esp. Moisés Mendes




                                       estudados por Hans
                             Seyle(1956),denominando-os stress;e os
                              efeitos causados no organismo,que ele
                            denominou de Síndrome de Adaptação Geral
                                             (SAG).
Princípio da Adaptação

                          Os stress podem ser:
                          Físico:Exercícios......Noradrenalina
Prof.Esp. Moisés Mendes




                                 Bioquímico:Substâncias
                           químicas,fumo,etc.....Adrenalina.



                            Mental:Ansiedade,angústia,
                               etc.....adrenalina.
Princípio da Adaptação

                           Os estímulos fortes,capazes de causar stress e
Síndrome de Adaptação




                         adaptação ao organismo,são os que tornam possível o
                                       treinamento desportivo
     Geral (SAG)




                          É importante,no entanto,não exceder os limites de
                                      segurança. Não cinfundir:

                        Cansaço:         Fadiga:                Exaustão:
                        Sensação         Depleção de            Profundo
                        subjetiva        reservas +             desgaste do
                        de               acúmulo de             organismo com
                                         catábolicos=           características
                        desgaste
                                         incapacidade           progressivas.
                                         temporária.
Princípio da Adaptação

                                                                  1.   Aumento da FC basal
Síndrome de Adaptação




                                                                  2.   Irritabilidade;
                                    Diagnóstico do Strain:        3.   Inapetência;
                                                                  4.   Lesões Musculares;
                                                                  5.   Perda de Peso;
     Geral (SAG)




                                                                  6.   Insônia.

                                       Ação sobre o Organismo
                                    Leve            Não Possui
                        Carga de
                        Trabalho




                                    Média   Reação de Alarme/Excitação
                                    Forte      Adaptação/Efeito do
                                                  Treinamento
                                    Muito             Strain
                                    Forte
Princípio da Sobrecarga


                          Basea-se em, após a aplicação de uma carga de
                            trabalho há uma recuperação do organismo
Prof.Esp. Moisés Mendes




                               visando restabelecer a homeostase.
                                          Dantas(2003)



                               O tempo necessário à recuperação é
                          proporcional ao tipo e a intensidade da carga.
                                           Dantas(2003)
Princípio da Sobrecarga

                          Para um novo estímulo provocar stress ele deverá ser
                          maior que o anterior.
Prof.Esp. Moisés Mendes
Princípio da Sobrecarga

                                 Supercompensação: Produto do equilíbrio entre a
1. Aplicação de uma nova carga




                                 carga aplicada e o tempo de recuperação.
Princípio da Sobrecarga


                            Inferior a Inicial   Diminui o nível de
2.Valor da carga aplicada




                                                 Treinamento
                              Igual a Inicial    Diminui o nível de
                                                 treinamento após
                                                 a assimilação

                            Maior que a inicial Nova
                                                Supercompensação
Princípio da Interdependência
                               volume - intensidade


                                   Volume               Intensidade
Prof.Esp. Moisés Mendes




                          Volume(quantidade):Expressa a quantidade total de carga
                          de trabalho
                          EX:Quilometros,repetições

                          Intensidade(qualidade):Expressa o tipo de carga
                          aplicada.
                          EX:Quilogramas,velocidade
Princípio da Interdependência
           volume - intensidade

                    Aumenta a importância da volume




RML     Flexibili                      Ritmo          Força     Velocidade
                       Resistência
         dade          Anaeróbica




          Aumenta a importância da intensidade

                                               Prof.Esp. Moisés Mendes
Princípio da Continuidade
Prof.Esp. Moisés Mendes
Princípio da Continuidade
Prof.Esp. Moisés Mendes
Princípio da Especificidade
Prof.Esp. Moisés Mendes




                                           Dantas,(2003).
Princípio da Especificidade

                          Deve-se considerar 03 aspectos:

                                1.Aspectos Metabólicos:
Prof.Esp. Moisés Mendes




                                • Necessidade de treinamento das
                                  características da prova;
                                • Sistema cardiopulmonar;
                                • Sistema de transporte de energia;
                                • Mesmo tipo de atividade da performance.
Princípio da Especificidade

                          Cont.Deve-se considerar 03 aspectos:

                                2.Aspectos Neuromusculares:
Prof.Esp. Moisés Mendes




                                • Tipo de fibra muscular;
                                • Padrão de recrutamento da unidade
                                  motora;                               Coordenação
                                                                        motora
                                • Sinergias musculares assessórios ao   especifica
                                  movimento;
                                • Apoio e sustentação do movimento.
Princípio da Especificidade

                          Cont.Deve-se considerar 03 aspectos:
                          3.Treinamento:
                                               Especificidade
Prof.Esp. Moisés Mendes




                                  Diminui                          Cresce




                                                                   Fase
                               Fase Básica                       Específica
Princípio da Reversibilidade
Prof.Esp. Moisés Mendes
Princípio da Reversibilidade


                            •As adaptações e benefícios são transitórios
Prof.Esp. Moisés Mendes




                              •As adaptações orgânicas provocadas pela
                             atividade física tendem a voltar aos estados
                          iniciais após a paralisação, ou longas interrupções
                                            nos treinamentos

                           •Os benefícios para a saúde dos programas de
                          atividade física permanecem somente enquanto a
                           pessoa permanece ativa. “estilo de vida ativo”
Princípio da Treinabilidade
Prof.Esp. Moisés Mendes




                          Diz que:O indivíduo quanto mais treinado,mais
                          difícil de obter lograr êxito, e mais propenso a
                          lesões.

                                                   Tubino,(2002)
Prof.Esp. Moisés Mendes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
Nuno Amaro
 
Aprendizagem Motora - PST
Aprendizagem Motora - PSTAprendizagem Motora - PST
Aprendizagem Motora - PST
Leonardo Melo
 
Flexibilidade 01
Flexibilidade 01Flexibilidade 01
Flexibilidade 01
washington carlos vieira
 
Periodização
PeriodizaçãoPeriodização
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
marcelosilveirazero1
 
Materia de treinamento parte 2[1]
Materia de treinamento parte 2[1]Materia de treinamento parte 2[1]
Materia de treinamento parte 2[1]
Tiago Pereiras
 
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle internoAula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Slides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercíciosSlides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercícios
Ana Lucia Costa
 
Medidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisicaMedidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisica
Milena Silva
 
conceito fisiologia do exercício aplicado a clinica
 conceito fisiologia do exercício aplicado a clinica conceito fisiologia do exercício aplicado a clinica
conceito fisiologia do exercício aplicado a clinica
Bruno Mendes
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
NatanaelMoreiraAmori
 
Prescrição de Exercicios e Atividade Física para crianças e adolescentes - CR...
Prescrição de Exercicios e Atividade Física para crianças e adolescentes - CR...Prescrição de Exercicios e Atividade Física para crianças e adolescentes - CR...
Prescrição de Exercicios e Atividade Física para crianças e adolescentes - CR...
marcelosilveirazero1
 
Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
felipethoaldo
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
Lucio Flavio Personal
 
Avaliacao de força
Avaliacao  de forçaAvaliacao  de força
Avaliacao de força
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
Fernando Farias
 
Treinamento desportivo 2004
Treinamento desportivo   2004Treinamento desportivo   2004
Treinamento desportivo 2004
washington carlos vieira
 
Treinamento funcional
Treinamento funcionalTreinamento funcional
Treinamento funcional
Bruna Reis
 
Ginástica localizada
Ginástica localizadaGinástica localizada
Ginástica localizada
anabeatrizsa
 
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralIntrodução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Paulo Costa Amaral
 

Mais procurados (20)

Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
 
Aprendizagem Motora - PST
Aprendizagem Motora - PSTAprendizagem Motora - PST
Aprendizagem Motora - PST
 
Flexibilidade 01
Flexibilidade 01Flexibilidade 01
Flexibilidade 01
 
Periodização
PeriodizaçãoPeriodização
Periodização
 
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
 
Materia de treinamento parte 2[1]
Materia de treinamento parte 2[1]Materia de treinamento parte 2[1]
Materia de treinamento parte 2[1]
 
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle internoAula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
 
Slides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercíciosSlides prescrição de exercícios
Slides prescrição de exercícios
 
Medidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisicaMedidas e avaliação fisica
Medidas e avaliação fisica
 
conceito fisiologia do exercício aplicado a clinica
 conceito fisiologia do exercício aplicado a clinica conceito fisiologia do exercício aplicado a clinica
conceito fisiologia do exercício aplicado a clinica
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
 
Prescrição de Exercicios e Atividade Física para crianças e adolescentes - CR...
Prescrição de Exercicios e Atividade Física para crianças e adolescentes - CR...Prescrição de Exercicios e Atividade Física para crianças e adolescentes - CR...
Prescrição de Exercicios e Atividade Física para crianças e adolescentes - CR...
 
Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
 
Avaliacao de força
Avaliacao  de forçaAvaliacao  de força
Avaliacao de força
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
Treinamento desportivo 2004
Treinamento desportivo   2004Treinamento desportivo   2004
Treinamento desportivo 2004
 
Treinamento funcional
Treinamento funcionalTreinamento funcional
Treinamento funcional
 
Ginástica localizada
Ginástica localizadaGinástica localizada
Ginástica localizada
 
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralIntrodução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Introdução ao treinamento aeróbio - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
 

Destaque

Aula princípios do treinamento 3a série - e. m.
Aula   princípios do treinamento 3a série - e. m.Aula   princípios do treinamento 3a série - e. m.
Aula princípios do treinamento 3a série - e. m.
Junior Oliveira
 
Questionario Pré-Atividade Para Academias
Questionario Pré-Atividade Para AcademiasQuestionario Pré-Atividade Para Academias
Questionario Pré-Atividade Para Academias
Diego Crespo Drago
 
Palestra sobre Exercício Intermitente
Palestra sobre Exercício IntermitentePalestra sobre Exercício Intermitente
Palestra sobre Exercício Intermitente
fabricioboscolo
 
Crossfit
CrossfitCrossfit
Crossfit
Laura Soraya
 
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Bruno Comelli
 
Bases científicas do treinamento
Bases científicas do treinamentoBases científicas do treinamento
Bases científicas do treinamento
washington carlos vieira
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Fundação Real Madrid
 
Aumentar a Eficácia do Treino de Musculação
Aumentar a Eficácia do Treino de MusculaçãoAumentar a Eficácia do Treino de Musculação
Aumentar a Eficácia do Treino de Musculação
Paulo Sena
 
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
fabricioboscolo
 
Conceitos básicos de treinamento
Conceitos básicos de treinamentoConceitos básicos de treinamento
Conceitos básicos de treinamento
washington carlos vieira
 
Formas de treinamento
Formas de treinamentoFormas de treinamento
Formas de treinamento
washington carlos vieira
 
Diretrizes ACSM para Prescrição de Exercícios
Diretrizes ACSM para Prescrição de ExercíciosDiretrizes ACSM para Prescrição de Exercícios
Diretrizes ACSM para Prescrição de Exercícios
marcelosilveirazero1
 
224989 por
224989 por224989 por
224989 por
Lajucy Lobo
 
Como calcular sua frequência cardíaca de treino?
Como calcular sua frequência cardíaca de treino?Como calcular sua frequência cardíaca de treino?
Como calcular sua frequência cardíaca de treino?
ATIVITAL - Assessoria Esportiva
 

Destaque (14)

Aula princípios do treinamento 3a série - e. m.
Aula   princípios do treinamento 3a série - e. m.Aula   princípios do treinamento 3a série - e. m.
Aula princípios do treinamento 3a série - e. m.
 
Questionario Pré-Atividade Para Academias
Questionario Pré-Atividade Para AcademiasQuestionario Pré-Atividade Para Academias
Questionario Pré-Atividade Para Academias
 
Palestra sobre Exercício Intermitente
Palestra sobre Exercício IntermitentePalestra sobre Exercício Intermitente
Palestra sobre Exercício Intermitente
 
Crossfit
CrossfitCrossfit
Crossfit
 
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveiraPeriodizacao tactica um modelo de treino   jose gu ilherme oliveira
Periodizacao tactica um modelo de treino jose gu ilherme oliveira
 
Bases científicas do treinamento
Bases científicas do treinamentoBases científicas do treinamento
Bases científicas do treinamento
 
Periodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de formaPeriodização - Prolongamento do estado de forma
Periodização - Prolongamento do estado de forma
 
Aumentar a Eficácia do Treino de Musculação
Aumentar a Eficácia do Treino de MusculaçãoAumentar a Eficácia do Treino de Musculação
Aumentar a Eficácia do Treino de Musculação
 
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
Treinamento intervalado de alta intensidade nos componentes da Síndrome Metab...
 
Conceitos básicos de treinamento
Conceitos básicos de treinamentoConceitos básicos de treinamento
Conceitos básicos de treinamento
 
Formas de treinamento
Formas de treinamentoFormas de treinamento
Formas de treinamento
 
Diretrizes ACSM para Prescrição de Exercícios
Diretrizes ACSM para Prescrição de ExercíciosDiretrizes ACSM para Prescrição de Exercícios
Diretrizes ACSM para Prescrição de Exercícios
 
224989 por
224989 por224989 por
224989 por
 
Como calcular sua frequência cardíaca de treino?
Como calcular sua frequência cardíaca de treino?Como calcular sua frequência cardíaca de treino?
Como calcular sua frequência cardíaca de treino?
 

Semelhante a Principios do-treinamento-desportivo1

Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptxAula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
CARLOSAUGUSTOFERNAND10
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Boletim ef.org os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-e-definicoes
Boletim ef.org os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-e-definicoesBoletim ef.org os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-e-definicoes
Boletim ef.org os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-e-definicoes
leopinda
 
Sobre ed. fisica e musculaçao
Sobre ed. fisica e musculaçaoSobre ed. fisica e musculaçao
Sobre ed. fisica e musculaçao
pagodes
 
Divulgação eneft 2013
Divulgação eneft 2013Divulgação eneft 2013
Divulgação eneft 2013
Peroneo Centro Terapêutico
 
ExpoGestão 2020 - Marcelo Demarzo - Mindfulness Liderança
ExpoGestão 2020 - Marcelo Demarzo - Mindfulness LiderançaExpoGestão 2020 - Marcelo Demarzo - Mindfulness Liderança
ExpoGestão 2020 - Marcelo Demarzo - Mindfulness Liderança
ExpoGestão
 
STRESS e Treino Personalizado: – Ferramentas e Intervenções
STRESS e Treino Personalizado: – Ferramentas e IntervençõesSTRESS e Treino Personalizado: – Ferramentas e Intervenções
STRESS e Treino Personalizado: – Ferramentas e Intervenções
Paulo Sena
 

Semelhante a Principios do-treinamento-desportivo1 (7)

Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptxAula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Boletim ef.org os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-e-definicoes
Boletim ef.org os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-e-definicoesBoletim ef.org os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-e-definicoes
Boletim ef.org os-principios-do-treinamento-esportivo-conceitos-e-definicoes
 
Sobre ed. fisica e musculaçao
Sobre ed. fisica e musculaçaoSobre ed. fisica e musculaçao
Sobre ed. fisica e musculaçao
 
Divulgação eneft 2013
Divulgação eneft 2013Divulgação eneft 2013
Divulgação eneft 2013
 
ExpoGestão 2020 - Marcelo Demarzo - Mindfulness Liderança
ExpoGestão 2020 - Marcelo Demarzo - Mindfulness LiderançaExpoGestão 2020 - Marcelo Demarzo - Mindfulness Liderança
ExpoGestão 2020 - Marcelo Demarzo - Mindfulness Liderança
 
STRESS e Treino Personalizado: – Ferramentas e Intervenções
STRESS e Treino Personalizado: – Ferramentas e IntervençõesSTRESS e Treino Personalizado: – Ferramentas e Intervenções
STRESS e Treino Personalizado: – Ferramentas e Intervenções
 

Principios do-treinamento-desportivo1

  • 1. PRINCIPIOS CIENTÍFICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO Prof.Esp. Prof.Esp. Moisés Mendes
  • 2. O que é Princípios do Treinamento Desportivo? Prof.Esp. Moisés Mendes
  • 3. Princípios do Treinamento Desportivo São os aspectos cuja observância irá Prof.Esp. Moisés Mendes diferenciar o trabalho feito à base de ensaios-e-erros,do científico. (Dantas,2003)
  • 4. Princípios do Treinamento Desportivo 1.Princípio da Individualidade Biológica; 2.Princípio da Adaptação; Prof.Esp. Moisés Mendes 3.Princípio da Sobrecarga; 4.Princípio da interdependência Volume/Intensidade; 5.Princípio da Continuidade; 6.Princípio da Especificidade; 7.Princípio da Reversibilidade; 8.Princípio da Treinabilidade.
  • 5. Importante: Os PCTD, formam juntos com a PERIODIZAÇÃO os dois pilares de sustentação do Treinamento Prof.Esp. Moisés Mendes eficaz.
  • 6. Princípio da Individualidade Biológica GENÓTIPO + FENÓTIPO INDIVÍDUO Prof.Esp. Moisés Mendes GENÓTIPO:Carga genética transmitida à pessoa,que determina diversos fatores como: •Somatotipo; •Altura máxima esperada; •Força máxima possível; •Aptidões Físicas e intelectuais.
  • 7. Princípio da Individualidade Biológica FENÓTIPO:Tudo que é acrescentado ou somado ao indivíduo a partir da geração,formando,assim, Prof.Esp. Moisés Mendes diversas características como: •Consumo Máx de O2(V.O2máximo) •Habilidades desportivas; •Demais potencialidades expressas;
  • 8. Importante: 1. Determinação dos pontos fracos e pontos fortes do atleta (Avaliação). 2. Divisão em grupos homogêneos Prof.Esp. Moisés Mendes
  • 9. Fatores Condicionantes da Performance de Alto Nível HEREDITARIEDADE TREINAMENTO TOTAL TREINAMENTO TOTAL Motivação MEIO AMBIENTE Prof.Esp. Moisés Mendes Personalidade Biotipo Habilidades REALIZAÇÕES DESPORTIVAS
  • 10. Princípio da Adaptação Baseia-se na permanente busca da homeostase pelo organismo. Homeostase:É o estado de equilíbrio estável mantido Prof.Esp. Moisés Mendes entre os sistemas constituintes do organismo, e o existente entre este e o meio ambiente. Estimulo Organismo Resposta
  • 11. Princípio da Adaptação Os estímulos podem ser: Débeis Não acarretam conseqüência Prof.Esp. Moisés Mendes Médios Apenas excitam Fortes Provocam adaptações Muitos Fortes Provocam danos (Dantas,2003)
  • 12. Princípio da Adaptação OBSERVAÇÃO: Os estímulos fortes e muitos fortes foram Prof.Esp. Moisés Mendes estudados por Hans Seyle(1956),denominando-os stress;e os efeitos causados no organismo,que ele denominou de Síndrome de Adaptação Geral (SAG).
  • 13. Princípio da Adaptação Os stress podem ser: Físico:Exercícios......Noradrenalina Prof.Esp. Moisés Mendes Bioquímico:Substâncias químicas,fumo,etc.....Adrenalina. Mental:Ansiedade,angústia, etc.....adrenalina.
  • 14. Princípio da Adaptação Os estímulos fortes,capazes de causar stress e Síndrome de Adaptação adaptação ao organismo,são os que tornam possível o treinamento desportivo Geral (SAG) É importante,no entanto,não exceder os limites de segurança. Não cinfundir: Cansaço: Fadiga: Exaustão: Sensação Depleção de Profundo subjetiva reservas + desgaste do de acúmulo de organismo com catábolicos= características desgaste incapacidade progressivas. temporária.
  • 15. Princípio da Adaptação 1. Aumento da FC basal Síndrome de Adaptação 2. Irritabilidade; Diagnóstico do Strain: 3. Inapetência; 4. Lesões Musculares; 5. Perda de Peso; Geral (SAG) 6. Insônia. Ação sobre o Organismo Leve Não Possui Carga de Trabalho Média Reação de Alarme/Excitação Forte Adaptação/Efeito do Treinamento Muito Strain Forte
  • 16. Princípio da Sobrecarga Basea-se em, após a aplicação de uma carga de trabalho há uma recuperação do organismo Prof.Esp. Moisés Mendes visando restabelecer a homeostase. Dantas(2003) O tempo necessário à recuperação é proporcional ao tipo e a intensidade da carga. Dantas(2003)
  • 17. Princípio da Sobrecarga Para um novo estímulo provocar stress ele deverá ser maior que o anterior. Prof.Esp. Moisés Mendes
  • 18. Princípio da Sobrecarga Supercompensação: Produto do equilíbrio entre a 1. Aplicação de uma nova carga carga aplicada e o tempo de recuperação.
  • 19. Princípio da Sobrecarga Inferior a Inicial Diminui o nível de 2.Valor da carga aplicada Treinamento Igual a Inicial Diminui o nível de treinamento após a assimilação Maior que a inicial Nova Supercompensação
  • 20. Princípio da Interdependência volume - intensidade Volume Intensidade Prof.Esp. Moisés Mendes Volume(quantidade):Expressa a quantidade total de carga de trabalho EX:Quilometros,repetições Intensidade(qualidade):Expressa o tipo de carga aplicada. EX:Quilogramas,velocidade
  • 21. Princípio da Interdependência volume - intensidade Aumenta a importância da volume RML Flexibili Ritmo Força Velocidade Resistência dade Anaeróbica Aumenta a importância da intensidade Prof.Esp. Moisés Mendes
  • 24. Princípio da Especificidade Prof.Esp. Moisés Mendes Dantas,(2003).
  • 25. Princípio da Especificidade Deve-se considerar 03 aspectos: 1.Aspectos Metabólicos: Prof.Esp. Moisés Mendes • Necessidade de treinamento das características da prova; • Sistema cardiopulmonar; • Sistema de transporte de energia; • Mesmo tipo de atividade da performance.
  • 26. Princípio da Especificidade Cont.Deve-se considerar 03 aspectos: 2.Aspectos Neuromusculares: Prof.Esp. Moisés Mendes • Tipo de fibra muscular; • Padrão de recrutamento da unidade motora; Coordenação motora • Sinergias musculares assessórios ao especifica movimento; • Apoio e sustentação do movimento.
  • 27. Princípio da Especificidade Cont.Deve-se considerar 03 aspectos: 3.Treinamento: Especificidade Prof.Esp. Moisés Mendes Diminui Cresce Fase Fase Básica Específica
  • 29. Princípio da Reversibilidade •As adaptações e benefícios são transitórios Prof.Esp. Moisés Mendes •As adaptações orgânicas provocadas pela atividade física tendem a voltar aos estados iniciais após a paralisação, ou longas interrupções nos treinamentos •Os benefícios para a saúde dos programas de atividade física permanecem somente enquanto a pessoa permanece ativa. “estilo de vida ativo”
  • 30. Princípio da Treinabilidade Prof.Esp. Moisés Mendes Diz que:O indivíduo quanto mais treinado,mais difícil de obter lograr êxito, e mais propenso a lesões. Tubino,(2002)