SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho realizado por:
- Paulo Gomes
- Nº18 5º C
 Os Muçulmanos ou Mouros
chegaram à Península Ibérica
no século VIII d.C. (ano de 711),
provocando, juntamente com
outros povos bárbaros, o
declínio Império Romano.
 Quando os muçulmanos
conquistaram a Península
Ibérica, os monarcas dos reinos
cristãos que conseguiram
resistir à invasão, a norte,
organizaram-se a fim de os
expulsarem para o Norte de
África. E começou a
reconquista.

• A Reconquista Cristã foi feita a
partir das Astúrias com o
objectivo de recuperar e
reconquistar as terras perdidas
para os Muçulmanos. Esta
região por ser muito montanhosa
era de difícil acesso.
• Foi a partir das Astúrias que se
iniciou a Reconquista Cristã . Em
718, Pelágio torna-se rei das
Astúrias e inicia uma guerra que
durará até 1492.
• A Reconquista foi lenta, com
muitos avanços e recuos, com
muitos períodos de guerra mas
também de paz.
• O avanço dos cristãos para sul
levou à criação de vários reinos
cristãos na Península Ibérica.
• Os cruzados, cavaleiros
cristãos vindos do norte e
centro da Europa, foram
importantes aliados, dos reis
cristãos, na guerra contra os
muçulmanos.
• Os monarcas encontravam-se
fracos, militarmente. Pediram
auxílio aos outros monarcas
europeus, os quais lhes
enviaram homens que os
ajudassem no combate aos
mouros até à sua expulsão total.
• Entre os guerreiros que mais se
distinguiram na luta contra os
muçulmanos, há a salientar dois:
D. Raimundo e D. Henrique, aos
quais foram dadas as filhas do
rei em casamento. O primeiro
casa com Dona Urraca, e o
segundo casa com Dona Teresa,
ficando este a governar o
Condado Portucalense.
D. Afonso VI
• Durante vários anos, D. Henrique
governou o Condado Portucalense
mas sempre subjugado ao rei de
Castela D. Afonso VI. Tentou tornar-
se independente, mas morreu sem o
conseguir (1112), e quem ficou a
governar o Condado Portucalense
foi D. Teresa, uma vez que o filho de
ambos, Afonso Henriques, ainda era
muito novo para governar (tinha
apenas 4 anos).
• No início, todos aceitaram que D.
Teresa ficasse a governar. Mas as
suas decisões não agradavam a
todos, uma vez que D. Teresa
pretendia formar uma aliança com a
Galiza, o que provocou o
descontentamento de muitos nobres
portucalenses. Assim, D. Afonso
Henriques organizou um pequeno
exército e derrotou o exército de sua
mãe na Batalha de S. Mamede
(1128), perto de Guimarães.
• Após derrotar o exército de sua
mãe, D. Afonso Henriques
passou a governar o Condado
Portucalense. Tinha como
principais objectivos:
• A Independência do Condado
Portucalense em relação ao Reino
de Leão e Castela - tinha para isso
de lutar contra seu primo D.
Afonso VII.
• O alargamento do território do
Condado Portucalense para sul,
conquistando terras aos Mouros.
• Obter do papa, autoridade
suprema de então, o
reconhecimento da independência
de Portugal.
• Depois de algumas batalhas
(Cerneja e Arcos de Valdevez ), é
assinado o tratado de Zamora, em
1143. Neste tratado D. Afonso VII
reconhece a independência do
condado que passa a chamar-se
Reino de Portugal, tendo D.
Afonso Henriques como rei.
• Quando se formava um reino, era
necessário que o Papa
reconhecesse a sua
independência e confirmasse o
título de rei ao primeiro monarca.
O reconhecimento papal só
aconteceu em 1179, com o Papa
Alexandre III, através do
documento Bula Manifestis
Probatum.
• Tendo atingido um dos
objectivos, o reconhecimento de
Portugal como um reino por seu
primo D. Afonso VII, era altura
de D. Afonso Henriques atingir
outro dos seus objectivos - o
alargamento do território do
reino para sul.
• No reinado de D. Afonso
Henriques ocorreram várias
conquistas, como (Figura 3):
• 1145 – Conquista de Leiria;
• 1147 – Conquista de
Santarém e de Lisboa;
• 1158 – Conquista de Alcácer
do Sal;
• 1162 – Conquista de Beja;
• 1165 – Conquista de Évora.
• A preocupação de D. Afonso
Henriques em alargar o
território do Reino de
Portugal obrigou-o a passar a
maior parte da sua vida em
guerra com os Muçulmanos.
• Quando morreu, em 1185,
apesar de ter perdido
algumas das praças
conquistadas devido aos
reforços que os Muçulmanos
receberam, o território do
reino tinha duplicado de
tamanho.
• Quando D. Afonso Henriques morreu, em 1185, grande parte do
território a sul do Tejo voltou a ser ocupado pelos Muçulmanos. Os
seus sucessores continuaram a luta pelo alargamento do território.
Este alargamento foi feito de avanços e recuos.
A conquista definitiva do Algarve
• 1217: Conquista de Alcácer
do Sal por D. Afonso II
• 1239: Conquista de Tavira,
no reinado de D. Sancho II
• 1249: O exército de D.
Afonso III conquista Faro. O
Algarve passa a fazer,
definitivamente, parte do
Reino de Portugal.
• As ordens religioso-militares
• Os monges cavaleiros,
pertencentes a várias ordens
religioso-militares, deram um
importante contributo na
conquista das terras a sul do
Tejo.
• Principais ordens religioso-
militares:
• Templários
• Hospitalários
• Santiago de Espada
• As ordens religioso-militares
• Como recompensa pela ajuda militar, os reis doaram-lhes terras
para as defenderem, povoarem e cultivarem.
• O Tratado de Alcanises
• Em 1297, o rei de Portugal,
D. Dinis, e o rei de Leão e
Castela assinaram o
Tratado de Alcanises.
• A partir desta data ficaram
praticamente definidas as
fronteiras do território
português.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
Isa Alves
 
1.ª Dinastia
1.ª Dinastia1.ª Dinastia
1.ª Dinastia
Helena Rocha
 
Formação de portugal 4º ano
Formação de portugal   4º anoFormação de portugal   4º ano
Formação de portugal 4º ano
telmascapelo
 
Exploração da costa africana
Exploração da costa africanaExploração da costa africana
Exploração da costa africana
Maria Gomes
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
ricardorodrigues23091988
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
HistN
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
cattonia
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
cruchinho
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
ana2643232
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
mari_punk
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
cattonia
 
Castelo de Guimarães
Castelo de GuimarãesCastelo de Guimarães
Castelo de Guimarães
BibEscolar Ninho Dos Livros
 
Reconquista Cristã e o Condado Portucalense
Reconquista Cristã e o Condado PortucalenseReconquista Cristã e o Condado Portucalense
Reconquista Cristã e o Condado Portucalense
Ministério da Educação
 
Dom sancho I
Dom sancho IDom sancho I
Dom sancho I
clubedehistoriajms
 
As crises do século xiv
As crises do século xivAs crises do século xiv
As crises do século xiv
Domingas Valentim
 
Infante D. Henrique
Infante D. HenriqueInfante D. Henrique
Infante D. Henrique
Ana Vieira
 
Almocreve
AlmocreveAlmocreve
Almocreve
Ana Pereira
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
rvanessarebelo
 
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
becastanheiradepera
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentos
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
 
1.ª Dinastia
1.ª Dinastia1.ª Dinastia
1.ª Dinastia
 
Formação de portugal 4º ano
Formação de portugal   4º anoFormação de portugal   4º ano
Formação de portugal 4º ano
 
Exploração da costa africana
Exploração da costa africanaExploração da costa africana
Exploração da costa africana
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
Castelo de Guimarães
Castelo de GuimarãesCastelo de Guimarães
Castelo de Guimarães
 
Reconquista Cristã e o Condado Portucalense
Reconquista Cristã e o Condado PortucalenseReconquista Cristã e o Condado Portucalense
Reconquista Cristã e o Condado Portucalense
 
Dom sancho I
Dom sancho IDom sancho I
Dom sancho I
 
As crises do século xiv
As crises do século xivAs crises do século xiv
As crises do século xiv
 
Infante D. Henrique
Infante D. HenriqueInfante D. Henrique
Infante D. Henrique
 
Almocreve
AlmocreveAlmocreve
Almocreve
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
Dauniaoibericaarestauracaodaindependenciaem1 110114143013-phpapp01
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentos
 

Destaque

Formação de Portugal
Formação de PortugalFormação de Portugal
Formação de Portugal
Isabel Alves
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
cruchinho
 
Em busca da autonomia - Diogo, Catarina, Andreia, Jéssica
Em busca da autonomia - Diogo, Catarina, Andreia, JéssicaEm busca da autonomia - Diogo, Catarina, Andreia, Jéssica
Em busca da autonomia - Diogo, Catarina, Andreia, Jéssica
guestea24b2
 
Símbolos nacionais e das foraçs armadas
Símbolos nacionais e das foraçs armadasSímbolos nacionais e das foraçs armadas
Símbolos nacionais e das foraçs armadas
Elsa Fernandes
 
o Povoamento do Reino - 2
o Povoamento do Reino - 2o Povoamento do Reino - 2
o Povoamento do Reino - 2
guestc968e9
 
Contextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrotaContextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrota
Antónia Mancha
 
Hgp5 20092916 tema_b
Hgp5 20092916 tema_bHgp5 20092916 tema_b
Hgp5 20092916 tema_b
Maria José Oliveira
 
1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa
1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa
1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa
Pelo Siro
 
Hgp trabalho - Portugal no século XIII
Hgp   trabalho - Portugal no século XIIIHgp   trabalho - Portugal no século XIII
Hgp trabalho - Portugal no século XIII
Ana Paiva
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
Carla Freitas
 
Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Correção da ficha de trabalho formação de portugal  Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Dora Alexandra Batista de Sousa Rocha
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
Escola Luis de Freitas Branco
 
A Reconquista
A ReconquistaA Reconquista
A Reconquista
Professores História
 
A Revolução de 1383 / 85
A Revolução de 1383 / 85A Revolução de 1383 / 85
A Revolução de 1383 / 85
guesta5baa8
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
Carla Teixeira
 

Destaque (18)

Formação de Portugal
Formação de PortugalFormação de Portugal
Formação de Portugal
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
 
Em busca da autonomia - Diogo, Catarina, Andreia, Jéssica
Em busca da autonomia - Diogo, Catarina, Andreia, JéssicaEm busca da autonomia - Diogo, Catarina, Andreia, Jéssica
Em busca da autonomia - Diogo, Catarina, Andreia, Jéssica
 
Símbolos nacionais e das foraçs armadas
Símbolos nacionais e das foraçs armadasSímbolos nacionais e das foraçs armadas
Símbolos nacionais e das foraçs armadas
 
o Povoamento do Reino - 2
o Povoamento do Reino - 2o Povoamento do Reino - 2
o Povoamento do Reino - 2
 
Contextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrotaContextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrota
 
Hgp5 20092916 tema_b
Hgp5 20092916 tema_bHgp5 20092916 tema_b
Hgp5 20092916 tema_b
 
1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa
1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa
1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa
 
Hgp trabalho - Portugal no século XIII
Hgp   trabalho - Portugal no século XIIIHgp   trabalho - Portugal no século XIII
Hgp trabalho - Portugal no século XIII
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Correção da ficha de trabalho formação de portugal  Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Correção da ficha de trabalho formação de portugal
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
A Reconquista
A ReconquistaA Reconquista
A Reconquista
 
A Revolução de 1383 / 85
A Revolução de 1383 / 85A Revolução de 1383 / 85
A Revolução de 1383 / 85
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
 

Semelhante a Formação do reino de Portugal

A reconquista
A reconquistaA reconquista
A península ibérica
A península ibéricaA península ibérica
A península ibérica
ceufaias
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
Sílvia Mendonça
 
formação de portugal
formação de portugalformação de portugal
formação de portugal
Carla Gonçalves
 
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de PortugalReconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
celiaricardo234
 
Peninsula ibericadois mundos em presença
Peninsula ibericadois mundos em presençaPeninsula ibericadois mundos em presença
Peninsula ibericadois mundos em presença
lazaro12r
 
formaode-131217154915-phpapp02.pdf
formaode-131217154915-phpapp02.pdfformaode-131217154915-phpapp02.pdf
formaode-131217154915-phpapp02.pdf
Belmiramolar
 
Reconquista cristã
Reconquista cristãReconquista cristã
Reconquista cristã
vitor hugo
 
Historia de portugal
Historia de portugalHistoria de portugal
Historia de portugal
Gabriel Pereira
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Cabiamar
 
Formaodeportugal 4ano-101129175302-phpapp02
Formaodeportugal 4ano-101129175302-phpapp02Formaodeportugal 4ano-101129175302-phpapp02
Formaodeportugal 4ano-101129175302-phpapp02
Maria Ferreira
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
EB Foros de Amora
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
patriciacanico
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
lmmj
 
FormaçAo De Portugal Nelson
FormaçAo De Portugal NelsonFormaçAo De Portugal Nelson
FormaçAo De Portugal Nelson
Sílvia Mendonça
 
Formação do reino de portugal
Formação do reino de portugalFormação do reino de portugal
Formação do reino de portugal
Joel Ferreira
 
hp_6_7.pdf
hp_6_7.pdfhp_6_7.pdf
hp_6_7.pdf
Daniel Pires
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Maria Ferreira
 

Semelhante a Formação do reino de Portugal (20)

A reconquista
A reconquistaA reconquista
A reconquista
 
A península ibérica
A península ibéricaA península ibérica
A península ibérica
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
 
formação de portugal
formação de portugalformação de portugal
formação de portugal
 
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de PortugalReconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
 
Peninsula ibericadois mundos em presença
Peninsula ibericadois mundos em presençaPeninsula ibericadois mundos em presença
Peninsula ibericadois mundos em presença
 
formaode-131217154915-phpapp02.pdf
formaode-131217154915-phpapp02.pdfformaode-131217154915-phpapp02.pdf
formaode-131217154915-phpapp02.pdf
 
Reconquista cristã
Reconquista cristãReconquista cristã
Reconquista cristã
 
Historia de portugal
Historia de portugalHistoria de portugal
Historia de portugal
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
 
Formaodeportugal 4ano-101129175302-phpapp02
Formaodeportugal 4ano-101129175302-phpapp02Formaodeportugal 4ano-101129175302-phpapp02
Formaodeportugal 4ano-101129175302-phpapp02
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
FormaçAo De Portugal Nelson
FormaçAo De Portugal NelsonFormaçAo De Portugal Nelson
FormaçAo De Portugal Nelson
 
Formação do reino de portugal
Formação do reino de portugalFormação do reino de portugal
Formação do reino de portugal
 
hp_6_7.pdf
hp_6_7.pdfhp_6_7.pdf
hp_6_7.pdf
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 

Mais de AnaGomes40

Al 3.1
Al 3.1Al 3.1
Al 3.1
AnaGomes40
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de Marfan
AnaGomes40
 
O Cancro
O CancroO Cancro
O Cancro
AnaGomes40
 
O rastreio dos transgénicos
O rastreio dos transgénicosO rastreio dos transgénicos
O rastreio dos transgénicos
AnaGomes40
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
AnaGomes40
 
Afonso da maia
Afonso da maiaAfonso da maia
Afonso da maia
AnaGomes40
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
AnaGomes40
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
AnaGomes40
 
Estilos de vida
Estilos de vidaEstilos de vida
Estilos de vida
AnaGomes40
 
O casamento - opinião
O casamento - opiniãoO casamento - opinião
O casamento - opinião
AnaGomes40
 
Termorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e OsmorregulaçãoTermorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e Osmorregulação
AnaGomes40
 
Alimentação do estudante
Alimentação do estudanteAlimentação do estudante
Alimentação do estudante
AnaGomes40
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
AnaGomes40
 
O tabaco
O tabaco O tabaco
O tabaco
AnaGomes40
 
"Minha Querida Inês"
"Minha Querida Inês""Minha Querida Inês"
"Minha Querida Inês"
AnaGomes40
 
parque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadianaparque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadiana
AnaGomes40
 
3096 dias de cativeiro
3096 dias de cativeiro3096 dias de cativeiro
3096 dias de cativeiro
AnaGomes40
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
AnaGomes40
 
Desportos
DesportosDesportos
Desportos
AnaGomes40
 
Fome
FomeFome

Mais de AnaGomes40 (20)

Al 3.1
Al 3.1Al 3.1
Al 3.1
 
Síndrome de Marfan
Síndrome de MarfanSíndrome de Marfan
Síndrome de Marfan
 
O Cancro
O CancroO Cancro
O Cancro
 
O rastreio dos transgénicos
O rastreio dos transgénicosO rastreio dos transgénicos
O rastreio dos transgénicos
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
Afonso da maia
Afonso da maiaAfonso da maia
Afonso da maia
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Estilos de vida
Estilos de vidaEstilos de vida
Estilos de vida
 
O casamento - opinião
O casamento - opiniãoO casamento - opinião
O casamento - opinião
 
Termorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e OsmorregulaçãoTermorregulação e Osmorregulação
Termorregulação e Osmorregulação
 
Alimentação do estudante
Alimentação do estudanteAlimentação do estudante
Alimentação do estudante
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
O tabaco
O tabaco O tabaco
O tabaco
 
"Minha Querida Inês"
"Minha Querida Inês""Minha Querida Inês"
"Minha Querida Inês"
 
parque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadianaparque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadiana
 
3096 dias de cativeiro
3096 dias de cativeiro3096 dias de cativeiro
3096 dias de cativeiro
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
 
Desportos
DesportosDesportos
Desportos
 
Fome
FomeFome
Fome
 

Último

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 

Formação do reino de Portugal

  • 1. Trabalho realizado por: - Paulo Gomes - Nº18 5º C
  • 2.  Os Muçulmanos ou Mouros chegaram à Península Ibérica no século VIII d.C. (ano de 711), provocando, juntamente com outros povos bárbaros, o declínio Império Romano.  Quando os muçulmanos conquistaram a Península Ibérica, os monarcas dos reinos cristãos que conseguiram resistir à invasão, a norte, organizaram-se a fim de os expulsarem para o Norte de África. E começou a reconquista. 
  • 3. • A Reconquista Cristã foi feita a partir das Astúrias com o objectivo de recuperar e reconquistar as terras perdidas para os Muçulmanos. Esta região por ser muito montanhosa era de difícil acesso. • Foi a partir das Astúrias que se iniciou a Reconquista Cristã . Em 718, Pelágio torna-se rei das Astúrias e inicia uma guerra que durará até 1492. • A Reconquista foi lenta, com muitos avanços e recuos, com muitos períodos de guerra mas também de paz.
  • 4. • O avanço dos cristãos para sul levou à criação de vários reinos cristãos na Península Ibérica. • Os cruzados, cavaleiros cristãos vindos do norte e centro da Europa, foram importantes aliados, dos reis cristãos, na guerra contra os muçulmanos.
  • 5. • Os monarcas encontravam-se fracos, militarmente. Pediram auxílio aos outros monarcas europeus, os quais lhes enviaram homens que os ajudassem no combate aos mouros até à sua expulsão total. • Entre os guerreiros que mais se distinguiram na luta contra os muçulmanos, há a salientar dois: D. Raimundo e D. Henrique, aos quais foram dadas as filhas do rei em casamento. O primeiro casa com Dona Urraca, e o segundo casa com Dona Teresa, ficando este a governar o Condado Portucalense. D. Afonso VI
  • 6. • Durante vários anos, D. Henrique governou o Condado Portucalense mas sempre subjugado ao rei de Castela D. Afonso VI. Tentou tornar- se independente, mas morreu sem o conseguir (1112), e quem ficou a governar o Condado Portucalense foi D. Teresa, uma vez que o filho de ambos, Afonso Henriques, ainda era muito novo para governar (tinha apenas 4 anos). • No início, todos aceitaram que D. Teresa ficasse a governar. Mas as suas decisões não agradavam a todos, uma vez que D. Teresa pretendia formar uma aliança com a Galiza, o que provocou o descontentamento de muitos nobres portucalenses. Assim, D. Afonso Henriques organizou um pequeno exército e derrotou o exército de sua mãe na Batalha de S. Mamede (1128), perto de Guimarães.
  • 7. • Após derrotar o exército de sua mãe, D. Afonso Henriques passou a governar o Condado Portucalense. Tinha como principais objectivos: • A Independência do Condado Portucalense em relação ao Reino de Leão e Castela - tinha para isso de lutar contra seu primo D. Afonso VII. • O alargamento do território do Condado Portucalense para sul, conquistando terras aos Mouros. • Obter do papa, autoridade suprema de então, o reconhecimento da independência de Portugal.
  • 8. • Depois de algumas batalhas (Cerneja e Arcos de Valdevez ), é assinado o tratado de Zamora, em 1143. Neste tratado D. Afonso VII reconhece a independência do condado que passa a chamar-se Reino de Portugal, tendo D. Afonso Henriques como rei. • Quando se formava um reino, era necessário que o Papa reconhecesse a sua independência e confirmasse o título de rei ao primeiro monarca. O reconhecimento papal só aconteceu em 1179, com o Papa Alexandre III, através do documento Bula Manifestis Probatum.
  • 9. • Tendo atingido um dos objectivos, o reconhecimento de Portugal como um reino por seu primo D. Afonso VII, era altura de D. Afonso Henriques atingir outro dos seus objectivos - o alargamento do território do reino para sul. • No reinado de D. Afonso Henriques ocorreram várias conquistas, como (Figura 3): • 1145 – Conquista de Leiria; • 1147 – Conquista de Santarém e de Lisboa; • 1158 – Conquista de Alcácer do Sal; • 1162 – Conquista de Beja; • 1165 – Conquista de Évora.
  • 10. • A preocupação de D. Afonso Henriques em alargar o território do Reino de Portugal obrigou-o a passar a maior parte da sua vida em guerra com os Muçulmanos. • Quando morreu, em 1185, apesar de ter perdido algumas das praças conquistadas devido aos reforços que os Muçulmanos receberam, o território do reino tinha duplicado de tamanho.
  • 11. • Quando D. Afonso Henriques morreu, em 1185, grande parte do território a sul do Tejo voltou a ser ocupado pelos Muçulmanos. Os seus sucessores continuaram a luta pelo alargamento do território. Este alargamento foi feito de avanços e recuos.
  • 12. A conquista definitiva do Algarve • 1217: Conquista de Alcácer do Sal por D. Afonso II • 1239: Conquista de Tavira, no reinado de D. Sancho II • 1249: O exército de D. Afonso III conquista Faro. O Algarve passa a fazer, definitivamente, parte do Reino de Portugal.
  • 13. • As ordens religioso-militares • Os monges cavaleiros, pertencentes a várias ordens religioso-militares, deram um importante contributo na conquista das terras a sul do Tejo. • Principais ordens religioso- militares: • Templários • Hospitalários • Santiago de Espada
  • 14. • As ordens religioso-militares • Como recompensa pela ajuda militar, os reis doaram-lhes terras para as defenderem, povoarem e cultivarem.
  • 15. • O Tratado de Alcanises • Em 1297, o rei de Portugal, D. Dinis, e o rei de Leão e Castela assinaram o Tratado de Alcanises. • A partir desta data ficaram praticamente definidas as fronteiras do território português.
  • 16. FIM