SlideShare uma empresa Scribd logo
Clique para adicionar texto
ARTROSE DE JOELHO
www.traumatologiaeortopedia.com.br
ARTROSE DE JOELHO
• Processo degenerativo articular,causado por
envelhecimento fisiológico, sequelas de:
traumas;infecções;desvios axiais;
instabilidades ligamentares
• Ao RX: presença de osteófito ou
remodelação em um dos compartimentos
• Lesão em espelho das duas superfícies
articulares com abrasão da cartilagem e em
pelo menos um ponto há exposição do osso
subcondral nas duas superfícies articulares
ARTROSE DE JOELHO
EVOLUÇÃO ANATÔMICA DA ARTROSE
• A artrose é lesão em espelho das superfícies articulares,
com abrasão da cartilagem e desgaste progressivo do
osso subcondral
• Lesão primariamente localizada no ponto de
hiperpressão máxima. Na marcha , em fase de apoio
monopodal,esse ponto ocorre com joelho em 30-450 de
flexão
• A lesão tibial permanece localizada por longo tempo,
enquanto a femoral estende-se rápido pelo côndilo,no
setor angular correspondente da marcha(10-70o), por
isso as partes ant e post do côndilo parecem normais
ARTROSE DE JOELHO
EVOLUÇÃO ANATÔMICA DA ARTROSE
• A partir desse momento, a evolução é ligada ao
desgaste tibial, formando cúpula. Nesse
momento o pinçamento torna-se visível
• a presença da cúpula tibial na qual o côndilo
mergulha no apoio monopodal, vai levar a
desequilíbrio do joelhoperda do apoio do
côndilo contralateral (ao EF:báscula em varo ou
valgo)
ARTROSE DE JOELHO
FATORES ETIOLÓGICOS
• IDADE:
– início das manifestações clínicas aos 50-60 anos
– sintomas tem correspondência c/ nível de atividade
do indivíduo
– em indivíduos mais idosos a evolução é mais rápida
• SEXO:
– predomina no sexo feminino
– osteoporose pós menopausa pode favorecer
– a musculatura na faixa ativa é menos desenvolvida
que nos homens
ARTROSE DE JOELHO
FATORES ETIOLÓGICOS
• MORFOTIPO:
– morfotipo varo e eixo nl tem tendência a artrose
femorotibial interna(70%), morfotipo valgo tende
sofrer artrose femorotibial externa (30%)
• BIOTIPO:
– peso é um fator importante na artrose
femorotibialexcesso de peso pressão sobre
articulação
– obesos tem menos massa muscular e  atividade
física
www.traumatologiaeortopedia.com.br
ARTROSE DE JOELHO
ESTUDO RADIOLÓGICO
• Deve ser feito com 10-20o de flexão
• AP apoio monopodal: desvios de eixo e mede
eixo femorotibial
• Perfil monopodal: define e localiza cúpula tibial
• Axial a 30o: mostra degenerações da articulação
femoro patelar
• Túnel intercondiliano:osteófitos no espaço
intercondiliano
ARTROSE DE JOELHO
CLASSIFICAÇÃO DE AHLBACH
Baseia-se na mensuração do atrito entre cartilagem e osso, em RX AP
em apoio monopodal
GRAU RX AP RX PERFIL
I redução do espaço articular -
II obliteração do espaço articular -
III atrito tibial porção post platô intacta
< 5mm
IV atrito 5-10 mm atrito estende-se p/
posterior no platô
V subluxação grave tíbia subluxação anterior da
tíbia> 10mm
ARTROSE DE JOELHO
CLASSIFICAÇÃO DE DEJOUR
• ESTÁGIO I
– pré artrose
– não há lesão do osso subcondral, apenas
abrasão da cartilagem
– sintomas pouco significativos, rx normal
– Às vezes pode haver lesão
meniscal,hidrartrose, sinovite
– em média levará 10 anos p/ evoluir ao estágio
II
ARTROSE DE JOELHO
CLASSIFICAÇÃO DE DEJOUR
• ESTÁGIO II
– artrose inicial
– Pouco sintomático ou assintomático
– Estágio pouco evolutivo, leva 8 anos p/ estágio III
– Artrose FT medial: no AP mostra pinçamento parcial,
no P mostra pinçamento efetivo do platô tibial
– Artrose FT lateral: no AP mostra interlinha nl, com
sinais indiretos de artrose como osteófitos e
condensação subcondral. No P mostra pinçamento
pouco significativo
ARTROSE DE JOELHO
CLASSIFICAÇÃO DE DEJOUR
• ESTÁGIO III
– fase da artrose com desequilíbrio, o desgaste ósseo
causa báscula do joelho em apoio monopodal
– Artrose FT medial: varo c/ RI da tíbia, no
APpinçamento total da interlinha e báscula do côndilo
dentro da cúpula
– Artrose FT lateral:valgo c/ RE tíbia. O AP demonstra
valgo que acentua-se com apoio monopodal
– fase de evolução rápida, dura em média 2 anos
ARTROSE DE JOELHO
CLASSIFICAÇÃO DE DEJOUR
• ESTÁGIO IV
– artrose severa
– Artrose FT medial: grande varismo, lesão
degenerativa do LCA
– Patela c/ lesões importantes, fora do eixo nl
– Artrose FT lateral:LCA é distendido pelo valgo
progressivo e pelo afrouxamento medial
– É a fase final da artrose
www.traumatologiaeortopedia.com.br
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL
• É a mais frequente
• queixa frequente:dor na região da “pata de
ganso”
• dor medial relacionada à atividade e c/ evolução
passa ocorrer no repouso
• Ao exame: varo associado a pequeno flexo e RI
• Etiologia: processo degenerativo por
envelhecimento; maioria bilateral
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL
• MENSURAÇÃO DO VARISMO
– Medida de inclinação tibial em relação ao solo
em RX de apoio monopodálico
– Medida da angulação do joelho em relação ao
eixo do corpo
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL
• Um maior comprometimento ocorre nas zonas de contato
articular quando joelho entre 30-60o de flexão
• Se LCA íntegro : desgaste articular mais importante nos 2/3
anteriores do platô tibial
• Com progressão: LCA é afetado e atrito pode acometer
toda extensão dos platôs medial e lateral
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL
• TRATAMENTO
– Baseia-se no QC, grau de varismo e grau de
comprometimento articular
– A dor é o sintoma mais importante
– Quadros iniciais: medidas conservadoras como redução
de peso, exercícios de alongamento, AINH e crioterapia
– Dor aos pequenos esforços e repousocritério p/ tto
cirúrgico
– Grau de varismo com dor:2o critério ( angulação nl é 5o
valgo), > 5 O
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL
• TRATAMENTO
– Procedimentos intra-articulares: dor+varismo<5o+
degeneração articular graus I e II
– Procedimentos extra-articulares: dor+ varismo> 5o e
degeneração articular grau III ou +osteotomias e
artroplastia
– O limite de 15o é o divisor entre osteotomiaX artroplastia
– Artroplastia: graus III e IV de Ahlback, c/ falência do LCA
evidente
ARTROSE DE JOELHO
• TRATAMENTO
– Para indicação de osteotomias devem ser considerados
os índices de Ahlback e avaliação do desvio rotacional
medial
– Para correção do varo indica-se osteotomia valgizante,
realizada na tíbia proximal. A escolha da osteotomia
segue os itens;
– a) deformidade moderada sem necessidade de
movimentação precoce: Osteotomia em “V” ou cúpula
– b) deformidade moderada com necessidade de
movimentação precoce: Osteotomia com ressecção de
cunha fixada
– c) deformidades acentuadas: Correção progressiva com
fixador externowww.traumatologiaeortopedia.com.brwww.traumatologiaeortopedia.com.br
ARTROSE DE JOELHO
OSTEOTOMIAS
ARTROSE DE JOELHO
OSTEOTOMIAS
• Seleção do paciente:
– 1)Deformidade em valgo: indicada em pacientes com
deformidade em valgo até 10-15o, sem instabilidade
– 2)Deformidade em varo: se angulação<10o o joelho é
estável; quando > 10o começa ocorrer instabilidade. O
varo de 10o deve ser o limite superior p/ indicação de
osteotomia, com correção lateral de partes moles,
alguns autores consideram o limite em 15o
ARTROSE DE JOELHO
OSTEOTOMIAS
• Seleção do paciente:
-3) Artrose femoropatelar: conra-indica osteotomia, sendo
uma das principais causas de insucesso
– 4) Contratura em flexão:se houver flexão rígida < 20o
pode ser realizada, se >20o é contra-indicado. A
osteotomia não melhora a amplitude de movimento,
inclusive diminui; portanto amplitude movimento < 70o é
contra-indicação para osteotomia
– 5) Idade: < 60 anos
ARTROSE DE JOELHO
OSTEOTOMIAS
• Complicações:
– Em geral apresenta poucas complicações
– infecções
– paralisia do n. fibular
– fratura intra-articular
– TVP
– embolia pulmonar
– Pseudoartroses
– Hipocorreções
– Hipercorreções
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE DO COMPARTIMENTO LATERAL
• É menos frequente, em geral por sequelas
traumáticas ou doenças metabólicas
• dor menos importante que na artrose medial, mas
continua sendo um fator de indicação cirúrgica
• A deformidade e os distúrbios mecânicos são os
principais indicadores de tto
• Se comprometimento lateral isolado: osteotomia
• Artroplastia é excepcional
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE DO COMPARTIMENTO LATERAL
• A deformidade em valgo deve ser corrigida com
osteotomia no fêmur, supracondiliana
• Deformidades angulares em valgo >12o podem ser
corrigidas tanto no fêmur qto na tíbia
• tipos: em “V” invertido; em “V” frontal ( tipo
Agglietti);com ressecção de cunha medial e
fixação via medial
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE FEMORO-PATELAR
• Muito frequente,em mulheres, por distúrbios do
aparelho extensor associado ao valgismo do
joelho
• o aumento da pressão na faceta externa determina
progressiva destruiçaõ articular, comprometendo a
faceta medial por falta de apoio
• Sintomas: dor p/ usar aparelho extensor, potência
muscular, dificuldade descer escadas, falseios
• Rx: AP, P, AXIAL ( 30, 60 E 90o)
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE FEMORO-PATELAR
• TRATAMENTO
– Fases iniciais : alongamento da aleta+ alongamento
isométrico e fortalecimento do quadríceps+
alongamento isquio-tibiais+perda peso+ AINH
– Se osteófito lateral ultrapassando côndilo femora lateral:
facectomia lateral
– Se ocorre aumento do tamanho da patela: facectomia
medial e lateral
– Patelectomia deve ser evitada, pois junto com LCP é um
estabilizador do aparelho extensor, formando
mecanismo desacelerador o desquilíbrio inviabiliza
artroplastia total
ARTROSE DE JOELHO
ARTROSE BI OU TRI- COMPARTIMENTAL
• Comprometimento de 2 ou 3 compartimentos, ou
comprometimento além dos limites descritos de 1 deles,
fazem indicação de artroplastia parcial ou total
• Tipos de próteses;
– prótese de implantação de superfície: unicondilar ou
bicondilar ( com conservação dos cruzados; com
retirada dos cruzados e com substituição dos cruzados)
– próteses restringidas;rígidas ou soltas
ARTROSE DE JOELHO
ARTROPLASTIA TOTAL
• INDICAÇÕES
– osteoartrose idiopática
– artrite reumatóide
– outras artropatias
– osteoartrose pós trauma
– após recidivas em osteotomias
• CONTRA-INDICAÇÕES
– infecção ativa
– joelho recurvato e fraqueza grave em quadríceps
– artrodese em boa posição
ARTROSE DE JOELHO
ARTROPLASTIA PARCIAL
• INDICAÇÕES
– pacientes > 60 anos
– peso < 80 kg
– paciente pouco ativo
– dor mínima em repouso
– arco de movimento mínimo de 90o, máximo de flexo=5o
– deformidade angular de no máximo 15o
– LCA íntegro
– patologia restrita a 1 compartimento
ARTROSE DE JOELHO
ARTROPLASTIA -complicações
• infecções
• embolia
• AVC
• paralisia n. fibular
• afrouxamento da prótese
• subluxação/luxação de joelho
www.traumatologiaeortopedia.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Hospital Universitario da Universidade Federal de Juiz de Fora -MG Brasil
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
Pes_semdor
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
Gilmar Roberto Batista
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Artrose
ArtroseArtrose
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Mauricio Fabiani
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
Raquel Pizol
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Coluna Lombar
Coluna LombarColuna Lombar
Coluna Lombar
Professor Robson
 
Osteoartrose ac basico
Osteoartrose   ac basicoOsteoartrose   ac basico
Osteoartrose ac basico
André Cipriano
 
Coxartrose
CoxartroseCoxartrose
Coxartrose
Kleber Rangel
 
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAMPrótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Clube do Joelho
 
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTMMobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Universidade Norte do Paraná
 
Distensão
DistensãoDistensão
Distensão
Raphael Luna
 
Doença de Osgood Schlatter
Doença de Osgood SchlatterDoença de Osgood Schlatter
Doença de Osgood Schlatter
blogped1
 
Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]
Claudevir Tunussi
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Thalita Tassiani
 
Fraturas
FraturasFraturas
Complexo articular do ombro
Complexo articular do ombroComplexo articular do ombro
Complexo articular do ombro
Natha Fisioterapia
 
Aula sobre Reabilitação - Ft Msdo Marcos Zanchet
Aula sobre Reabilitação - Ft Msdo Marcos Zanchet   Aula sobre Reabilitação - Ft Msdo Marcos Zanchet
Aula sobre Reabilitação - Ft Msdo Marcos Zanchet
fabricioboscolo
 

Mais procurados (20)

Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
 
Artrose
ArtroseArtrose
Artrose
 
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotadorAula sindrome impacto e lesão manguito rotador
Aula sindrome impacto e lesão manguito rotador
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Cinesioterapia
 
Coluna Lombar
Coluna LombarColuna Lombar
Coluna Lombar
 
Osteoartrose ac basico
Osteoartrose   ac basicoOsteoartrose   ac basico
Osteoartrose ac basico
 
Coxartrose
CoxartroseCoxartrose
Coxartrose
 
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAMPrótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
 
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTMMobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
 
Distensão
DistensãoDistensão
Distensão
 
Doença de Osgood Schlatter
Doença de Osgood SchlatterDoença de Osgood Schlatter
Doença de Osgood Schlatter
 
Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]Fraturas dos membros_superiores[1]
Fraturas dos membros_superiores[1]
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Fraturas
FraturasFraturas
Fraturas
 
Complexo articular do ombro
Complexo articular do ombroComplexo articular do ombro
Complexo articular do ombro
 
Aula sobre Reabilitação - Ft Msdo Marcos Zanchet
Aula sobre Reabilitação - Ft Msdo Marcos Zanchet   Aula sobre Reabilitação - Ft Msdo Marcos Zanchet
Aula sobre Reabilitação - Ft Msdo Marcos Zanchet
 

Semelhante a Artrose de joelho

Artrose e osteotomias
Artrose e osteotomiasArtrose e osteotomias
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
GustavoMiarelliCampo
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
SemioOrto
 
Avaliaoradiologicadotrauma
AvaliaoradiologicadotraumaAvaliaoradiologicadotrauma
Avaliaoradiologicadotrauma
leandrodocarmo6
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
Vanessa Rabuske Araujo
 
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. AbdallahPé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Marcelo Madureira Montroni
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
Joaquim Henrique Lorenzetti Branco
 
Aula 1 - Avaliação Radiológica do Trauma
Aula 1 - Avaliação Radiológica do TraumaAula 1 - Avaliação Radiológica do Trauma
Aula 1 - Avaliação Radiológica do Trauma
Gustavo Andreis
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
TRAUMATISMOS OSSEOS
TRAUMATISMOS OSSEOSTRAUMATISMOS OSSEOS
TRAUMATISMOS OSSEOS
joelbm
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Fabio Mazzola
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
Caio Gonçalves de Souza
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Jorge Acosta Noriega
 
Osteocondrite dissecante do joelho
Osteocondrite dissecante do joelhoOsteocondrite dissecante do joelho
Osteocondrite dissecante do joelho
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas
FraturasFraturas
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Semelhante a Artrose de joelho (20)

Artrose e osteotomias
Artrose e osteotomiasArtrose e osteotomias
Artrose e osteotomias
 
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
 
Avaliaoradiologicadotrauma
AvaliaoradiologicadotraumaAvaliaoradiologicadotrauma
Avaliaoradiologicadotrauma
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
 
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. AbdallahPé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
 
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Fratura de Plâto Tibial Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
02 - Técnicas cirúrgicas de amputação.pdf
 
Aula 1 - Avaliação Radiológica do Trauma
Aula 1 - Avaliação Radiológica do TraumaAula 1 - Avaliação Radiológica do Trauma
Aula 1 - Avaliação Radiológica do Trauma
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
TRAUMATISMOS OSSEOS
TRAUMATISMOS OSSEOSTRAUMATISMOS OSSEOS
TRAUMATISMOS OSSEOS
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
Fratura luxação da coluna cervical (alta e baixa)
 
Osteocondrite dissecante do joelho
Osteocondrite dissecante do joelhoOsteocondrite dissecante do joelho
Osteocondrite dissecante do joelho
 
Fraturas
FraturasFraturas
Fraturas
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Halux valgo
Halux valgoHalux valgo
Halux valgo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Fratura de patela
Fratura de patelaFratura de patela
Fratura de patela
 

Artrose de joelho

  • 1. Clique para adicionar texto ARTROSE DE JOELHO www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 2. ARTROSE DE JOELHO • Processo degenerativo articular,causado por envelhecimento fisiológico, sequelas de: traumas;infecções;desvios axiais; instabilidades ligamentares • Ao RX: presença de osteófito ou remodelação em um dos compartimentos • Lesão em espelho das duas superfícies articulares com abrasão da cartilagem e em pelo menos um ponto há exposição do osso subcondral nas duas superfícies articulares
  • 3. ARTROSE DE JOELHO EVOLUÇÃO ANATÔMICA DA ARTROSE • A artrose é lesão em espelho das superfícies articulares, com abrasão da cartilagem e desgaste progressivo do osso subcondral • Lesão primariamente localizada no ponto de hiperpressão máxima. Na marcha , em fase de apoio monopodal,esse ponto ocorre com joelho em 30-450 de flexão • A lesão tibial permanece localizada por longo tempo, enquanto a femoral estende-se rápido pelo côndilo,no setor angular correspondente da marcha(10-70o), por isso as partes ant e post do côndilo parecem normais
  • 4. ARTROSE DE JOELHO EVOLUÇÃO ANATÔMICA DA ARTROSE • A partir desse momento, a evolução é ligada ao desgaste tibial, formando cúpula. Nesse momento o pinçamento torna-se visível • a presença da cúpula tibial na qual o côndilo mergulha no apoio monopodal, vai levar a desequilíbrio do joelhoperda do apoio do côndilo contralateral (ao EF:báscula em varo ou valgo)
  • 5. ARTROSE DE JOELHO FATORES ETIOLÓGICOS • IDADE: – início das manifestações clínicas aos 50-60 anos – sintomas tem correspondência c/ nível de atividade do indivíduo – em indivíduos mais idosos a evolução é mais rápida • SEXO: – predomina no sexo feminino – osteoporose pós menopausa pode favorecer – a musculatura na faixa ativa é menos desenvolvida que nos homens
  • 6. ARTROSE DE JOELHO FATORES ETIOLÓGICOS • MORFOTIPO: – morfotipo varo e eixo nl tem tendência a artrose femorotibial interna(70%), morfotipo valgo tende sofrer artrose femorotibial externa (30%) • BIOTIPO: – peso é um fator importante na artrose femorotibialexcesso de peso pressão sobre articulação – obesos tem menos massa muscular e  atividade física www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 7. ARTROSE DE JOELHO ESTUDO RADIOLÓGICO • Deve ser feito com 10-20o de flexão • AP apoio monopodal: desvios de eixo e mede eixo femorotibial • Perfil monopodal: define e localiza cúpula tibial • Axial a 30o: mostra degenerações da articulação femoro patelar • Túnel intercondiliano:osteófitos no espaço intercondiliano
  • 8. ARTROSE DE JOELHO CLASSIFICAÇÃO DE AHLBACH Baseia-se na mensuração do atrito entre cartilagem e osso, em RX AP em apoio monopodal GRAU RX AP RX PERFIL I redução do espaço articular - II obliteração do espaço articular - III atrito tibial porção post platô intacta < 5mm IV atrito 5-10 mm atrito estende-se p/ posterior no platô V subluxação grave tíbia subluxação anterior da tíbia> 10mm
  • 9. ARTROSE DE JOELHO CLASSIFICAÇÃO DE DEJOUR • ESTÁGIO I – pré artrose – não há lesão do osso subcondral, apenas abrasão da cartilagem – sintomas pouco significativos, rx normal – Às vezes pode haver lesão meniscal,hidrartrose, sinovite – em média levará 10 anos p/ evoluir ao estágio II
  • 10. ARTROSE DE JOELHO CLASSIFICAÇÃO DE DEJOUR • ESTÁGIO II – artrose inicial – Pouco sintomático ou assintomático – Estágio pouco evolutivo, leva 8 anos p/ estágio III – Artrose FT medial: no AP mostra pinçamento parcial, no P mostra pinçamento efetivo do platô tibial – Artrose FT lateral: no AP mostra interlinha nl, com sinais indiretos de artrose como osteófitos e condensação subcondral. No P mostra pinçamento pouco significativo
  • 11. ARTROSE DE JOELHO CLASSIFICAÇÃO DE DEJOUR • ESTÁGIO III – fase da artrose com desequilíbrio, o desgaste ósseo causa báscula do joelho em apoio monopodal – Artrose FT medial: varo c/ RI da tíbia, no APpinçamento total da interlinha e báscula do côndilo dentro da cúpula – Artrose FT lateral:valgo c/ RE tíbia. O AP demonstra valgo que acentua-se com apoio monopodal – fase de evolução rápida, dura em média 2 anos
  • 12. ARTROSE DE JOELHO CLASSIFICAÇÃO DE DEJOUR • ESTÁGIO IV – artrose severa – Artrose FT medial: grande varismo, lesão degenerativa do LCA – Patela c/ lesões importantes, fora do eixo nl – Artrose FT lateral:LCA é distendido pelo valgo progressivo e pelo afrouxamento medial – É a fase final da artrose www.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 13. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL • É a mais frequente • queixa frequente:dor na região da “pata de ganso” • dor medial relacionada à atividade e c/ evolução passa ocorrer no repouso • Ao exame: varo associado a pequeno flexo e RI • Etiologia: processo degenerativo por envelhecimento; maioria bilateral
  • 14. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL • MENSURAÇÃO DO VARISMO – Medida de inclinação tibial em relação ao solo em RX de apoio monopodálico – Medida da angulação do joelho em relação ao eixo do corpo
  • 16. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL • Um maior comprometimento ocorre nas zonas de contato articular quando joelho entre 30-60o de flexão • Se LCA íntegro : desgaste articular mais importante nos 2/3 anteriores do platô tibial • Com progressão: LCA é afetado e atrito pode acometer toda extensão dos platôs medial e lateral
  • 17. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL • TRATAMENTO – Baseia-se no QC, grau de varismo e grau de comprometimento articular – A dor é o sintoma mais importante – Quadros iniciais: medidas conservadoras como redução de peso, exercícios de alongamento, AINH e crioterapia – Dor aos pequenos esforços e repousocritério p/ tto cirúrgico – Grau de varismo com dor:2o critério ( angulação nl é 5o valgo), > 5 O
  • 18. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE DO COMPARTIMENTO MEDIAL • TRATAMENTO – Procedimentos intra-articulares: dor+varismo<5o+ degeneração articular graus I e II – Procedimentos extra-articulares: dor+ varismo> 5o e degeneração articular grau III ou +osteotomias e artroplastia – O limite de 15o é o divisor entre osteotomiaX artroplastia – Artroplastia: graus III e IV de Ahlback, c/ falência do LCA evidente
  • 19. ARTROSE DE JOELHO • TRATAMENTO – Para indicação de osteotomias devem ser considerados os índices de Ahlback e avaliação do desvio rotacional medial – Para correção do varo indica-se osteotomia valgizante, realizada na tíbia proximal. A escolha da osteotomia segue os itens; – a) deformidade moderada sem necessidade de movimentação precoce: Osteotomia em “V” ou cúpula – b) deformidade moderada com necessidade de movimentação precoce: Osteotomia com ressecção de cunha fixada – c) deformidades acentuadas: Correção progressiva com fixador externowww.traumatologiaeortopedia.com.brwww.traumatologiaeortopedia.com.br
  • 21. ARTROSE DE JOELHO OSTEOTOMIAS • Seleção do paciente: – 1)Deformidade em valgo: indicada em pacientes com deformidade em valgo até 10-15o, sem instabilidade – 2)Deformidade em varo: se angulação<10o o joelho é estável; quando > 10o começa ocorrer instabilidade. O varo de 10o deve ser o limite superior p/ indicação de osteotomia, com correção lateral de partes moles, alguns autores consideram o limite em 15o
  • 22. ARTROSE DE JOELHO OSTEOTOMIAS • Seleção do paciente: -3) Artrose femoropatelar: conra-indica osteotomia, sendo uma das principais causas de insucesso – 4) Contratura em flexão:se houver flexão rígida < 20o pode ser realizada, se >20o é contra-indicado. A osteotomia não melhora a amplitude de movimento, inclusive diminui; portanto amplitude movimento < 70o é contra-indicação para osteotomia – 5) Idade: < 60 anos
  • 23. ARTROSE DE JOELHO OSTEOTOMIAS • Complicações: – Em geral apresenta poucas complicações – infecções – paralisia do n. fibular – fratura intra-articular – TVP – embolia pulmonar – Pseudoartroses – Hipocorreções – Hipercorreções
  • 24. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE DO COMPARTIMENTO LATERAL • É menos frequente, em geral por sequelas traumáticas ou doenças metabólicas • dor menos importante que na artrose medial, mas continua sendo um fator de indicação cirúrgica • A deformidade e os distúrbios mecânicos são os principais indicadores de tto • Se comprometimento lateral isolado: osteotomia • Artroplastia é excepcional
  • 25. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE DO COMPARTIMENTO LATERAL • A deformidade em valgo deve ser corrigida com osteotomia no fêmur, supracondiliana • Deformidades angulares em valgo >12o podem ser corrigidas tanto no fêmur qto na tíbia • tipos: em “V” invertido; em “V” frontal ( tipo Agglietti);com ressecção de cunha medial e fixação via medial
  • 26. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE FEMORO-PATELAR • Muito frequente,em mulheres, por distúrbios do aparelho extensor associado ao valgismo do joelho • o aumento da pressão na faceta externa determina progressiva destruiçaõ articular, comprometendo a faceta medial por falta de apoio • Sintomas: dor p/ usar aparelho extensor, potência muscular, dificuldade descer escadas, falseios • Rx: AP, P, AXIAL ( 30, 60 E 90o)
  • 27. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE FEMORO-PATELAR • TRATAMENTO – Fases iniciais : alongamento da aleta+ alongamento isométrico e fortalecimento do quadríceps+ alongamento isquio-tibiais+perda peso+ AINH – Se osteófito lateral ultrapassando côndilo femora lateral: facectomia lateral – Se ocorre aumento do tamanho da patela: facectomia medial e lateral – Patelectomia deve ser evitada, pois junto com LCP é um estabilizador do aparelho extensor, formando mecanismo desacelerador o desquilíbrio inviabiliza artroplastia total
  • 28. ARTROSE DE JOELHO ARTROSE BI OU TRI- COMPARTIMENTAL • Comprometimento de 2 ou 3 compartimentos, ou comprometimento além dos limites descritos de 1 deles, fazem indicação de artroplastia parcial ou total • Tipos de próteses; – prótese de implantação de superfície: unicondilar ou bicondilar ( com conservação dos cruzados; com retirada dos cruzados e com substituição dos cruzados) – próteses restringidas;rígidas ou soltas
  • 29. ARTROSE DE JOELHO ARTROPLASTIA TOTAL • INDICAÇÕES – osteoartrose idiopática – artrite reumatóide – outras artropatias – osteoartrose pós trauma – após recidivas em osteotomias • CONTRA-INDICAÇÕES – infecção ativa – joelho recurvato e fraqueza grave em quadríceps – artrodese em boa posição
  • 30. ARTROSE DE JOELHO ARTROPLASTIA PARCIAL • INDICAÇÕES – pacientes > 60 anos – peso < 80 kg – paciente pouco ativo – dor mínima em repouso – arco de movimento mínimo de 90o, máximo de flexo=5o – deformidade angular de no máximo 15o – LCA íntegro – patologia restrita a 1 compartimento
  • 31. ARTROSE DE JOELHO ARTROPLASTIA -complicações • infecções • embolia • AVC • paralisia n. fibular • afrouxamento da prótese • subluxação/luxação de joelho www.traumatologiaeortopedia.com.br