SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Salgado de Oliveira
Curso: Fisioterapia
Estágio Supervisionado

Gonartrose: uma revisão
bibliográfica
Introdução
O joelho é considerado uma articulação sinovial podendo ser
acometido por várias doenças, entre elas a osteoartrite, também
denominada
osteoartrose,
artrite
hipertrófica,
artrite
degenerativa ou gonartrose.
A gonartrose é uma doença degenerativa que afeta as
articulações sinoviais, podendo ocorrer microfraturas, cistos e
esclerose no osso subcondral e presença de osteófitos nas
bordas articulares.
Pode causar incapacidade funcional devido à presença da
dor, da diminuição no espaço articular, redução de amplitude de
movimento, e também demonstra uma diminuição da força
muscular, interferindo nas atividades da vida diária.
Etiologia – Desconhecida.

Porém, podem estar associados com alguns fatores
como:
Sobrecarga, sobrepeso, fatores hormonais,
nutricionais, metabólicos, biomecânicos.
Grupo mais acometido: Idosos e mulheres.

*No Brasil, ocupa o terceiro lugar na lista dos segurados
da Previdência Social.
Com demanda de 65% das causas de incapacidade.
Classificação
• Primária ou idiopática: Quando não é possível
determinar sua causa.
•
•
•
•

Secundária por : trauma após lesão grave,
Pode resultar em fratura das superfícies articulares;
microtrauma de repetição;
sobrecarga; luxação; Obesidade, entre outros.

*Ocorre principalmente no sexo feminino, durante a
idade adulta: entre a quarta e quinta décadas, no
período da menopausa.
Fatores Sistêmicos
• Idade: após os 40 anos de idade nas mulheres e 50 anos nos
homens. E após 85 anos, praticamente todos (85 a 100%) têm
sinais da doença.
• Fatores Hormonais: Uma densidade mineral óssea elevada
estaria associada ao aumento da prevalência da gonartrose.
•

Postulando-se que a osteoporose teria um efeito protetor
contra o início da osteoartrose.

• Fatores Nutricionais: Estar relacionado à baixa ingestão de
vitaminas C e D.
Fatores Metabólicos: Distúrbios endócrinos e
metabólicos estão associados à ocorrência da
doença, como: Hiperglicemia e hipercolesterolemia.
*Parecem estar associadas ao aumento da frequência
e gravidade da manifestação da gonartrose.
Fatores Biomecânicos Locais:

O sobrepeso e obesidade, estão associados à maior
prevalência de osteoartrose de joelhos.
De 4 a 5 vezes em relação a indivíduos com peso
normal.
• Lesões e Deformidades Adquiridas :
Lesões de meniscos e ligamentos, particularmente do
ligamento cruzado anterior.
Podem ser fatores agravantes para o desenvolvimento da
gonartrose.
• Força Muscular : A força do quadríceps, ajustada para o
peso corpóreo sexo e idade, é um fator do
desenvolvimento da doença.
•

A atrofia do quadríceps observada nesses pacientes
tanto pode ser fator de risco.

Mas também como consequência do dano estrutural
articular.
Sinais e sintomas
A dor é o principal sintoma.
• Piora com o movimento e ao final do dia;

No estágio mais avançado da doença, pode desenvolver-se
dor ao repouso e durante a noite.
• Crepitação;
• Marcha antálgica ou dolorosa.
• Edema pela sinovite (é a inflamação da membrana sinovial)
• Também pode ocorrer o travamento do joelho.
Onde as superfícies ósseas atritam uma contra a
outra, causando dor intensa, podendo ser palpados os
• Deformidades, com marcha modificada.
• Apresentando geno varo ou geno valgo.
Alguns fatores predisponentes para o geno valgo são:
a pronação excessiva da articulação subtalar.
Com alteração biomecânica, responsável por 77%
das lesões no joelho.

• Já a minha paciente de 67 anos, apresenta geno
valgo, crepitação, e dor durante o repouso, e ela
relatou que sua dor melhora quando ela se
movimenta.
Deformidades
O alargamento da pelve, com ângulo de anteversão femoral
acima de 15 .
Provoca a rotação interna do fêmur.
Uma frouxidão dos ligamentos colaterais mediais do joelho e
a torção tibial externa.

• Esses fatores aumentam a compressão lateral
da articulação tibiofemural.
Levando a compensações biomecânicas
e sobrecarga da articulação patelofemural.
Dor intensa, localizada na face anterior do joelho.
*A carga compressiva
anormal ocasiona
aumento do estresse de
contato no platô tibial
lateral.

O desequilíbrio de forças
acarreta sobrecarga nos
ligamentos.
Alongamento da cápsula, do
ligamento colateral lateral e
da banda iliotibial
“ Kapandji afirma que “os desvios laterais do joelho não
são insignificantes.
Com o tempo, são causadores de artrose”.
Ocorre então desgaste prematuro do compartimento
interno (artrose fêmurotibial interna).

No geno varo ou artrose fêmurotibial externa no geno
valgo.’’
No valgismo exagerado acarreta
encurtamento
das
estruturas
musculoligamentares.

A banda iliotibial e o retinaculo
lateral, assim como alongamento e
fraqueza dos musculo vasto
medial.
Intervenção fisioterapêutica
A evolução da gonartrose pode levar a substituição total da
articulação.
O tratamento conservador é a alternativa inicial.

A fisioterapia tem um papel importante,
na melhora dos sintomas e na restauração da função.
Primeiramente é necessário que seja feito uma anamnese
completa.
•

Goniometria, que irá verificar o grau de amplitude de
movimento.

• Avaliar força muscular;
Com o intuito de verificar o impacto na realização das AVD’s.
objetivos:

• Melhorar os sinais e sintomas dolorosos.
• Prevenir atrofias;
• Prevenir perdas de ADM.
• Informar ao paciente sobre posturas nas AVD’S.
• Inclusão de atividade física específica.
*A maior parte das limitações nos idosos está relacionada
ao sedentarismo.
• Fatore este que pode ser tratado com estratégias.
Envolvendo atividade física em diferentes modalidades.

• A atividade funcional da articulação é essencial.
Mantendo-se saudável e nutrida,dentro dos limites
fisiológicos.
• A reabilitação :
Deve incluir exercícios adequados.
Com e sem uso de carga.
• Com pouca carga e muita repetição.
Para diminuir a tensão nas articulações.
• Exercícios realizados em casa:
Deve ser planejados e monitorados.

Diagnostico
Baseado na história do paciente .
Exames complementares.

• A história está associada a dados clínicos.
O paciente está na quinta ou sexta década.
Apresenta uma queixa mono ou oligoarticular.
•

Sua dor articular se inicia após um esforço
físico, sendo no início de leve intensidade e responde
bem a AINE e analgésicos comuns.

•

Já em fases avançadas a dor permanece por
praticamente todo o tempo, dessa forma reduzindo o
nível de qualidade de vida.

• Portanto, a própria história natural da doença nos
possibilita graduar a osteoartrose em leve, moderada
e severa, de acordo com critérios clínicos.
Gonartrose - revisão bibliográfica
Raio X : utilizado para classificar a doença.
Graduar a severidade do dano estrutural.
Lesões vão desde: ausência de alterações,
visíveis à radiografia e até
estágios avançados como:
•

A presença de cistos ósseos.

•

Osteófitos exuberantes.

•

Redução do espaço articular.

•

Esclerose do osso subcondral.
Métodos
A indicação das artroplastias totais do joelho
baseia-se nos desvios de eixo.
Comprometimento dos compartimentos articulares
e na idade dos pacientes.
Deformidades determinantes :
1) Desvio em varo acima de15º;
2) Desvio em valgo acima 10º;
3) Subluxação femorotibial no plano frontal
4) Anteriorização da tíbia em relação ao fêmur,
na radiografia de perfil;
• Com a evolução ocorre uma
degeneração articular.
• Leva à desestruturação de todo
o aparelho osteoligamentar.
• Agravamento da deformidade.

*Situações
como
essas, artroplastia total têm sido
de muito auxílio na melhoria da
qualidade de vida dos pacientes.
Outro método seriam :
• As atividades hídricas otimizando o
funcionamento articular, diminuindo a
necessidade do uso de medicamentos.
*Com o calor da água durante toda a terapia diminui a
sensibilidade das fibras nervosas rápidas (tato) e lenta (dor).
1.
2.
3.
4.

Promovem diminuição da dor;
O relaxamento muscular;
Melhorando a circulação sanguínea;
Aumentando ADM durante o tratamento.
Gonartrose - revisão bibliográfica
Termoterapia profunda
O ultrassom - contínuo
Um Recurso com vibrações mecânicas por meio de ondas
sonoras de alta frequência.
Gera calor dentro dos tecidos .
Esse processo tem alguns efeitos fisiológicos
(como por exemplo, o reparo de lesões).

•
•
•
•

Diminui processos inflamatórios
Auxiliando na formação de tecido de granulação
Agindo no reparo do tecido ósseo
Promover alívio de dor crônica.
Já a utilização da diatermia por ondas curtas
Ele é capaz de promover melhora do quadro álgico.
Porém ele apresenta um resultado semelhante ao Ultrassom.

Cinesioterapia
Cada tipos de exercícios :
Favorecer o fortalecimento;
Aceleram os benefícios que proporciona
frente à gonartrose.
Exercícios isométricos: Trabalham de forma eficiente.
Os músculos através de contração gera tensão
sem provocar a alteração do comprimento do músculo.
Não provoca hipertrofia, mas desenvolve
força em uma escala moderada.
Método Kabat: É o uso de padrões funcionais
de movimento para aceleração das respostas neuromusculares.
• A (FNP) de fortalecimentos, são os que destacam
a rotação tibial manualmente resistido.
Essencial para o treino da função normal.

Movimentos são em cadeia cinética aberta.
Incluindo apenas contração ativa,
utilizando o padrão de movimento funcional.
• Padrões resistidos: Realizado em períodos
que músculo já está mais fortalecido.
Realizados diagonais, seguindo os movimentos funcionais.
Em todos os ângulos que a articulação permite.
Vantagem do FNP:
1. A parte mais forte da musculatura
2. fortalece as debilitadas.
3. Fadiga, demora para ocorrer
4. A contração gera o movimento
5. Trabalha função, gerando atividade.

Criocinética
Frio + movimento = Recuperação rápida no processo
da doença degenerativa.
Ajuda alcançar movimento ativo iniciais.
Embora seja usado mais
para Fisioterapia Esportiva.
Essa aplicação proporcionará maior
Funcionalidade dependendo do grau de evolução
da lesão e da presença de crises dolorosas
O procedimento consiste em:
Uma dormência fria na cápsula articular
e poplítea acima.

Massagem com gelo :
Conseguindo um efeito de analgesia local.
Produzindo efeito vasodilatador
maior do que a própria termoterapia

Exercício:
Deve ser progressivo e globalmente.
No caso de flexão do joelho e extensão
devem estar dentro dos limites da dor.
Sempre evoluindo para se tornar ativo
e integrar as AVD’s :
caminhar, sentar, etc...
Deve ser feito um intervalo para o alongamento passivo
melhorando o encurtamento dos músculos
Como grupo isquiotibiais, e em seguida,
ele continua com uma contração isotônica.

Terapia manual
Envolve muitas técnicas das quais
a mais comum é a mobilização
articular e manipulação.
Sua eficácia e dos exercícios
É para aliviar a dor e reduzir
a incapacidade física.
Gonartrose - revisão bibliográfica
Conclusão
A gonartrose é uma patologia evolutiva e deve ser tratado o
mais precocemente possível não só com a fisioterapia, mas
com uma equipe multidisciplinar.
A fisioterapia apresenta vários métodos que podem ajudar a
aliviar os sintomas, principalmente as atividades aquáticas
são benéficas ao tratamento de doenças reumáticas, com
objetivo de aliviar a dor, que é a principal sintomatologia da
doença.

Uma boa qualidade óssea + boa postura + atividade física=
são fatores importantes para prevenção da gonartrose.
Referência bibliográfica
ARTIGOS:

1 - Cinesioterapia como tratamento para osteoartrite no joelho [11/09/13 Revista online http://www.fai.com.br/portal/]
2 - A fisioterapia na funcionalidade do idoso com osteartrose: um estudo retrospectivo em uma
instituição de longa permanência – [14/09/13 Revista online Unipê]
3 - Osteoartrose: uma revisão de literatura. [17/09/13 http://www.efdeportes.com]
4 ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA OSTEOARTROSE DE JOELHO: UMA REVISÃO
LITERÁRIA [ 17/09/13 http://www.fm.usp.br/]
5 – BENEFÍCIOS DOS EXERCÍCIOS CONTRA-RESISTIDOS PARA IDOSOS
OSTEOARTROSE DE JOELHO [20/09/13 http://www.portalsaudebrasil.com]
6 – Tratamento fisioterápico na osteoartrose : uma
http://www.inicepg.univap.br]

COM

revisão bibliográfica [26/09/13

7 – A fisioterapia na osteoartrose : uma revisão literária [28/09/13http://bases.bireme.br ]
8 – Abordagem fisioterapêutica em pacientes com osteoporose e osteoartrose associadas: uma
revisão literária. [ 28/09/13 http://seer.uscs.edu.br ]
9 – Osteoartrose de joelho : uma revisao bibliografica sobre conceito e
tratamento [05/10/13 revista fisioBrasil- biblioteca-UNIVERSO]
10 – AVALIAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSAS COM OSTEOARTROSE DE JOELHO SUBMETIDAS
A TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO
[05/10/13 http://inseer.ibict.br]
11 – Osteoartrose : Uma revisão literária [05/10/13 http://www.medicinanet.com.br]
12 – Tratamento da osteoartrose do joelho [08/10/13 http://www.sncsalvador.com.br/]

13 – Exercicios físicos e osteoartrose : uma revisão sistemática – [08/10/13
www.scielo.br]
14 – UTILIZAÇÃO DA CINESIOTERAPIA
GONARTROSE
[08/10/13
Revista
www.faculdadesaomiguel.com.br/presciencia3.pdf]

NO TRATAMENTO
Presciência
nº

DA
03

15 – Cartilagem Articular e Osteoartrose [12/10/13 http://www.scielo.br]
16 – Considerações sobre sistema articular, artrose
estudo de revisão.
[15/10/13 http://www.efdeportes.com/ ]

e exercício físico: um
17 – deformidades em valgo e varo de joelho alteram a cinesiologia de membros
inferiores. [15/10/13 www.prac.ufpb.br]
18 – Efeitos da utilização do videogame Nintendo Wii como instrumento
terapêutico. [15/10/13 www.efdeportes.com]

19 – Terrmoterapia profunda como tratamento fisioterapêutico na osteartrose
[18/10/13 http://periodicos.puc-campinas.edu.br/]
20 – Physiotherapy management
http://onlinelibrary.wiley.com/]

of

knee

osteoarthritis.

[20/10/13

21 - Gonartrose Criocinética na incipiente [25/10/13 www.elsevier.es/ ]
22 – Benefícios da pratica de atividades aquáticas na melhoria da qualidade de
vida em idosos portadores da osteoartrose [ 28/10/13 http://www.inicepg.univap.br]
23 – OS BENEFICIOS DO REFORÇO MUSCULAR NO PORTADOR DE
GONARTROSE.
[10/11/13
REVISTA
ONLINE
http://www.iesanet.com.br/biblioteca-virtual/revistaSaude3-4.pdf ]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
Welisson Porto
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
David Sadigursky
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
adrianomedico
 
Modulo 17
Modulo 17Modulo 17
Modulo 17
SemioOrto
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
Gilmar Roberto Batista
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Thalita Tassiani
 
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
José Alexandre Pires de Almeida
 
Osteopatia estrutural - CBO
Osteopatia estrutural - CBOOsteopatia estrutural - CBO
Osteopatia estrutural - CBO
Colégio Brasileiro de Osteopatia
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
Autómono
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
Brasil Telecom/OI
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
Junio Alves
 
Atuação da fisioterapia na entorse - ballet
Atuação da fisioterapia na entorse - balletAtuação da fisioterapia na entorse - ballet
Atuação da fisioterapia na entorse - ballet
Mayara Rodrigues
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
Nay Ribeiro
 
Atividade na gestação
Atividade na gestaçãoAtividade na gestação
Atividade na gestação
Ana Castro
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
adrianomedico
 
TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE EM 2018
TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE EM 2018TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE EM 2018
TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE EM 2018
Rubens Junior
 
Bobath
BobathBobath
Joelho
JoelhoJoelho

Mais procurados (20)

Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
 
Modulo 17
Modulo 17Modulo 17
Modulo 17
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
 
Osteopatia estrutural - CBO
Osteopatia estrutural - CBOOsteopatia estrutural - CBO
Osteopatia estrutural - CBO
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
 
Atuação da fisioterapia na entorse - ballet
Atuação da fisioterapia na entorse - balletAtuação da fisioterapia na entorse - ballet
Atuação da fisioterapia na entorse - ballet
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
 
Atividade na gestação
Atividade na gestaçãoAtividade na gestação
Atividade na gestação
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
 
TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE EM 2018
TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE EM 2018TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE EM 2018
TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE EM 2018
 
Bobath
BobathBobath
Bobath
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 

Destaque

Fisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na GonartroseFisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na Gonartrose
Francisco Vilaça Lopes
 
Osteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira IdadeOsteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira Idade
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Reabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de JoelhoReabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de Joelho
Daniel Xavier
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
Thais Benicio
 
Osteoartrose
Osteoartrose Osteoartrose
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Hospital Universitario da Universidade Federal de Juiz de Fora -MG Brasil
 
Artose
ArtoseArtose
Artose
Leila nny
 
Oficina Gratuita de Pesquisa Bibliográfica - Curso Prática de revisão bibliog...
Oficina Gratuita de Pesquisa Bibliográfica - Curso Prática de revisão bibliog...Oficina Gratuita de Pesquisa Bibliográfica - Curso Prática de revisão bibliog...
Oficina Gratuita de Pesquisa Bibliográfica - Curso Prática de revisão bibliog...
Essevalter de Sousa
 
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Archivo del Agua [DIIS]
 
Dor em membros inferiores
Dor em membros inferioresDor em membros inferiores
Dor em membros inferiores
Paulo Alambert
 
Osteoartrite
OsteoartriteOsteoartrite
Osteoartrite
Junio Alves
 
Desvios posturais
Desvios posturaisDesvios posturais
Artrose max
Artrose maxArtrose max
Artrose max
lcinfo
 
Relato de caso oa
Relato de caso oaRelato de caso oa
Relato de caso oa
pauloalambert
 
Osteoartrite 2016
Osteoartrite 2016Osteoartrite 2016
Osteoartrite 2016
pauloalambert
 
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica IIISeminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Universidade Federal de Uberlândia
 
Terapia ocupacional com games
Terapia ocupacional com gamesTerapia ocupacional com games
Terapia ocupacional com games
Campus Party Brasil
 
Reabilitação hospitalar – da uti a alta
Reabilitação hospitalar – da uti a altaReabilitação hospitalar – da uti a alta
Reabilitação hospitalar – da uti a alta
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
Nay Ribeiro
 
Joelho anatomia e radiologia
Joelho   anatomia e radiologiaJoelho   anatomia e radiologia
Joelho anatomia e radiologia
Marcelo Madureira Montroni
 

Destaque (20)

Fisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na GonartroseFisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na Gonartrose
 
Osteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira IdadeOsteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira Idade
 
Reabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de JoelhoReabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de Joelho
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
Osteoartrose
Osteoartrose Osteoartrose
Osteoartrose
 
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
 
Artose
ArtoseArtose
Artose
 
Oficina Gratuita de Pesquisa Bibliográfica - Curso Prática de revisão bibliog...
Oficina Gratuita de Pesquisa Bibliográfica - Curso Prática de revisão bibliog...Oficina Gratuita de Pesquisa Bibliográfica - Curso Prática de revisão bibliog...
Oficina Gratuita de Pesquisa Bibliográfica - Curso Prática de revisão bibliog...
 
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
 
Dor em membros inferiores
Dor em membros inferioresDor em membros inferiores
Dor em membros inferiores
 
Osteoartrite
OsteoartriteOsteoartrite
Osteoartrite
 
Desvios posturais
Desvios posturaisDesvios posturais
Desvios posturais
 
Artrose max
Artrose maxArtrose max
Artrose max
 
Relato de caso oa
Relato de caso oaRelato de caso oa
Relato de caso oa
 
Osteoartrite 2016
Osteoartrite 2016Osteoartrite 2016
Osteoartrite 2016
 
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica IIISeminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
Seminário sobre caso clínico de paciente na cirúrgica III
 
Terapia ocupacional com games
Terapia ocupacional com gamesTerapia ocupacional com games
Terapia ocupacional com games
 
Reabilitação hospitalar – da uti a alta
Reabilitação hospitalar – da uti a altaReabilitação hospitalar – da uti a alta
Reabilitação hospitalar – da uti a alta
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
 
Joelho anatomia e radiologia
Joelho   anatomia e radiologiaJoelho   anatomia e radiologia
Joelho anatomia e radiologia
 

Semelhante a Gonartrose - revisão bibliográfica

Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020
pauloalambert
 
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelarOsgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
nikkisilva
 
Oa ipemed parte i junho 2019
Oa  ipemed parte i   junho 2019Oa  ipemed parte i   junho 2019
Oa ipemed parte i junho 2019
Maria Pippa
 
Tecido cartilaginoso
Tecido cartilaginosoTecido cartilaginoso
Tecido cartilaginoso
samuelalves
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Fabio Mazzola
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
Cinthia Salto
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
Cinthia Salto
 
Osteoartrite 20
Osteoartrite 20Osteoartrite 20
Osteoartrite 20
pauloalambert
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
Bruno Franco
 
Obesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e AdolescenteObesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e Adolescente
hudsonjunior
 
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
mennahen sylver
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
Marcella Reis Goulart
 
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
GustavoMiarelliCampo
 
trabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptxtrabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptx
ThalitaRosalen2
 
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e  Tratamento Terapêutico OcupacionalOsteoporose e  Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Marciane Missio
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
Natha Fisioterapia
 
traumato.pptx
traumato.pptxtraumato.pptx
traumato.pptx
ssuserd89426
 
Osteporose revisão
Osteporose revisãoOsteporose revisão
Osteporose revisão
Natan Pires
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
Soraia Mateus
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 

Semelhante a Gonartrose - revisão bibliográfica (20)

Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020
 
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelarOsgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
 
Oa ipemed parte i junho 2019
Oa  ipemed parte i   junho 2019Oa  ipemed parte i   junho 2019
Oa ipemed parte i junho 2019
 
Tecido cartilaginoso
Tecido cartilaginosoTecido cartilaginoso
Tecido cartilaginoso
 
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee trainingTreinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
 
Osteoartrite 20
Osteoartrite 20Osteoartrite 20
Osteoartrite 20
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
Obesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e AdolescenteObesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e Adolescente
 
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
 
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
 
trabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptxtrabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptx
 
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e  Tratamento Terapêutico OcupacionalOsteoporose e  Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
 
traumato.pptx
traumato.pptxtraumato.pptx
traumato.pptx
 
Osteporose revisão
Osteporose revisãoOsteporose revisão
Osteporose revisão
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 

Mais de Nay Ribeiro

Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboralTrabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Nay Ribeiro
 
Análise ergonômica
Análise ergonômicaAnálise ergonômica
Análise ergonômica
Nay Ribeiro
 
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)200611 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
Nay Ribeiro
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
Nay Ribeiro
 
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Lidando com a  famìlia do bebê prematuroLidando com a  famìlia do bebê prematuro
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Nay Ribeiro
 
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIAFisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Nay Ribeiro
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Nay Ribeiro
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Nay Ribeiro
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
Nay Ribeiro
 
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerdaInsuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Nay Ribeiro
 
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimadosFisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Nay Ribeiro
 
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
Nay Ribeiro
 
Fisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimadosFisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimados
Nay Ribeiro
 
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxAbordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Nay Ribeiro
 
Biomecanica do osso
Biomecanica do ossoBiomecanica do osso
Biomecanica do osso
Nay Ribeiro
 
Dança Sênior
Dança SêniorDança Sênior
Dança Sênior
Nay Ribeiro
 
Cinesioterapia II
Cinesioterapia IICinesioterapia II
Cinesioterapia II
Nay Ribeiro
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
Nay Ribeiro
 
lesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostaslesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostas
Nay Ribeiro
 
forno de bier
forno de bierforno de bier
forno de bier
Nay Ribeiro
 

Mais de Nay Ribeiro (20)

Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboralTrabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
Trabalho de conclusão de curso - Ginastica laboral
 
Análise ergonômica
Análise ergonômicaAnálise ergonômica
Análise ergonômica
 
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)200611 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
11 artigo análise_das_tendências_8(1)2006
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
 
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
Lidando com a  famìlia do bebê prematuroLidando com a  famìlia do bebê prematuro
Lidando com a famìlia do bebê prematuro
 
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIAFisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
 
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerdaInsuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
Insuficiência cardíaca congestiva da câmara esquerda
 
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimadosFisioterapia dermatofuncional em queimados
Fisioterapia dermatofuncional em queimados
 
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
atuação da Fisioterapia nas ulceras de pressão
 
Fisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimadosFisioterapia em individuos queimados
Fisioterapia em individuos queimados
 
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotoraxAbordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
Abordagem fisioterápica de um paciente com pneumonia e pneumotorax
 
Biomecanica do osso
Biomecanica do ossoBiomecanica do osso
Biomecanica do osso
 
Dança Sênior
Dança SêniorDança Sênior
Dança Sênior
 
Cinesioterapia II
Cinesioterapia IICinesioterapia II
Cinesioterapia II
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
 
lesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostaslesao.mecanismos e respostas
lesao.mecanismos e respostas
 
forno de bier
forno de bierforno de bier
forno de bier
 

Último

Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 

Último (9)

Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 

Gonartrose - revisão bibliográfica

  • 1. Universidade Salgado de Oliveira Curso: Fisioterapia Estágio Supervisionado Gonartrose: uma revisão bibliográfica
  • 2. Introdução O joelho é considerado uma articulação sinovial podendo ser acometido por várias doenças, entre elas a osteoartrite, também denominada osteoartrose, artrite hipertrófica, artrite degenerativa ou gonartrose. A gonartrose é uma doença degenerativa que afeta as articulações sinoviais, podendo ocorrer microfraturas, cistos e esclerose no osso subcondral e presença de osteófitos nas bordas articulares. Pode causar incapacidade funcional devido à presença da dor, da diminuição no espaço articular, redução de amplitude de movimento, e também demonstra uma diminuição da força muscular, interferindo nas atividades da vida diária.
  • 3. Etiologia – Desconhecida. Porém, podem estar associados com alguns fatores como: Sobrecarga, sobrepeso, fatores hormonais, nutricionais, metabólicos, biomecânicos. Grupo mais acometido: Idosos e mulheres. *No Brasil, ocupa o terceiro lugar na lista dos segurados da Previdência Social. Com demanda de 65% das causas de incapacidade.
  • 4. Classificação • Primária ou idiopática: Quando não é possível determinar sua causa. • • • • Secundária por : trauma após lesão grave, Pode resultar em fratura das superfícies articulares; microtrauma de repetição; sobrecarga; luxação; Obesidade, entre outros. *Ocorre principalmente no sexo feminino, durante a idade adulta: entre a quarta e quinta décadas, no período da menopausa.
  • 5. Fatores Sistêmicos • Idade: após os 40 anos de idade nas mulheres e 50 anos nos homens. E após 85 anos, praticamente todos (85 a 100%) têm sinais da doença. • Fatores Hormonais: Uma densidade mineral óssea elevada estaria associada ao aumento da prevalência da gonartrose. • Postulando-se que a osteoporose teria um efeito protetor contra o início da osteoartrose. • Fatores Nutricionais: Estar relacionado à baixa ingestão de vitaminas C e D.
  • 6. Fatores Metabólicos: Distúrbios endócrinos e metabólicos estão associados à ocorrência da doença, como: Hiperglicemia e hipercolesterolemia. *Parecem estar associadas ao aumento da frequência e gravidade da manifestação da gonartrose. Fatores Biomecânicos Locais: O sobrepeso e obesidade, estão associados à maior prevalência de osteoartrose de joelhos. De 4 a 5 vezes em relação a indivíduos com peso normal.
  • 7. • Lesões e Deformidades Adquiridas : Lesões de meniscos e ligamentos, particularmente do ligamento cruzado anterior. Podem ser fatores agravantes para o desenvolvimento da gonartrose. • Força Muscular : A força do quadríceps, ajustada para o peso corpóreo sexo e idade, é um fator do desenvolvimento da doença. • A atrofia do quadríceps observada nesses pacientes tanto pode ser fator de risco. Mas também como consequência do dano estrutural articular.
  • 8. Sinais e sintomas A dor é o principal sintoma. • Piora com o movimento e ao final do dia; No estágio mais avançado da doença, pode desenvolver-se dor ao repouso e durante a noite. • Crepitação; • Marcha antálgica ou dolorosa. • Edema pela sinovite (é a inflamação da membrana sinovial) • Também pode ocorrer o travamento do joelho. Onde as superfícies ósseas atritam uma contra a outra, causando dor intensa, podendo ser palpados os
  • 9. • Deformidades, com marcha modificada. • Apresentando geno varo ou geno valgo. Alguns fatores predisponentes para o geno valgo são: a pronação excessiva da articulação subtalar. Com alteração biomecânica, responsável por 77% das lesões no joelho. • Já a minha paciente de 67 anos, apresenta geno valgo, crepitação, e dor durante o repouso, e ela relatou que sua dor melhora quando ela se movimenta.
  • 10. Deformidades O alargamento da pelve, com ângulo de anteversão femoral acima de 15 . Provoca a rotação interna do fêmur. Uma frouxidão dos ligamentos colaterais mediais do joelho e a torção tibial externa. • Esses fatores aumentam a compressão lateral da articulação tibiofemural. Levando a compensações biomecânicas e sobrecarga da articulação patelofemural. Dor intensa, localizada na face anterior do joelho.
  • 11. *A carga compressiva anormal ocasiona aumento do estresse de contato no platô tibial lateral. O desequilíbrio de forças acarreta sobrecarga nos ligamentos. Alongamento da cápsula, do ligamento colateral lateral e da banda iliotibial
  • 12. “ Kapandji afirma que “os desvios laterais do joelho não são insignificantes. Com o tempo, são causadores de artrose”. Ocorre então desgaste prematuro do compartimento interno (artrose fêmurotibial interna). No geno varo ou artrose fêmurotibial externa no geno valgo.’’
  • 13. No valgismo exagerado acarreta encurtamento das estruturas musculoligamentares. A banda iliotibial e o retinaculo lateral, assim como alongamento e fraqueza dos musculo vasto medial.
  • 14. Intervenção fisioterapêutica A evolução da gonartrose pode levar a substituição total da articulação. O tratamento conservador é a alternativa inicial. A fisioterapia tem um papel importante, na melhora dos sintomas e na restauração da função. Primeiramente é necessário que seja feito uma anamnese completa. • Goniometria, que irá verificar o grau de amplitude de movimento. • Avaliar força muscular; Com o intuito de verificar o impacto na realização das AVD’s.
  • 15. objetivos: • Melhorar os sinais e sintomas dolorosos. • Prevenir atrofias; • Prevenir perdas de ADM. • Informar ao paciente sobre posturas nas AVD’S. • Inclusão de atividade física específica.
  • 16. *A maior parte das limitações nos idosos está relacionada ao sedentarismo. • Fatore este que pode ser tratado com estratégias. Envolvendo atividade física em diferentes modalidades. • A atividade funcional da articulação é essencial. Mantendo-se saudável e nutrida,dentro dos limites fisiológicos. • A reabilitação : Deve incluir exercícios adequados. Com e sem uso de carga.
  • 17. • Com pouca carga e muita repetição. Para diminuir a tensão nas articulações. • Exercícios realizados em casa: Deve ser planejados e monitorados. Diagnostico Baseado na história do paciente . Exames complementares. • A história está associada a dados clínicos. O paciente está na quinta ou sexta década. Apresenta uma queixa mono ou oligoarticular.
  • 18. • Sua dor articular se inicia após um esforço físico, sendo no início de leve intensidade e responde bem a AINE e analgésicos comuns. • Já em fases avançadas a dor permanece por praticamente todo o tempo, dessa forma reduzindo o nível de qualidade de vida. • Portanto, a própria história natural da doença nos possibilita graduar a osteoartrose em leve, moderada e severa, de acordo com critérios clínicos.
  • 20. Raio X : utilizado para classificar a doença. Graduar a severidade do dano estrutural. Lesões vão desde: ausência de alterações, visíveis à radiografia e até estágios avançados como: • A presença de cistos ósseos. • Osteófitos exuberantes. • Redução do espaço articular. • Esclerose do osso subcondral.
  • 21. Métodos A indicação das artroplastias totais do joelho baseia-se nos desvios de eixo. Comprometimento dos compartimentos articulares e na idade dos pacientes. Deformidades determinantes : 1) Desvio em varo acima de15º; 2) Desvio em valgo acima 10º; 3) Subluxação femorotibial no plano frontal 4) Anteriorização da tíbia em relação ao fêmur, na radiografia de perfil;
  • 22. • Com a evolução ocorre uma degeneração articular. • Leva à desestruturação de todo o aparelho osteoligamentar. • Agravamento da deformidade. *Situações como essas, artroplastia total têm sido de muito auxílio na melhoria da qualidade de vida dos pacientes.
  • 23. Outro método seriam : • As atividades hídricas otimizando o funcionamento articular, diminuindo a necessidade do uso de medicamentos. *Com o calor da água durante toda a terapia diminui a sensibilidade das fibras nervosas rápidas (tato) e lenta (dor). 1. 2. 3. 4. Promovem diminuição da dor; O relaxamento muscular; Melhorando a circulação sanguínea; Aumentando ADM durante o tratamento.
  • 25. Termoterapia profunda O ultrassom - contínuo Um Recurso com vibrações mecânicas por meio de ondas sonoras de alta frequência. Gera calor dentro dos tecidos . Esse processo tem alguns efeitos fisiológicos (como por exemplo, o reparo de lesões). • • • • Diminui processos inflamatórios Auxiliando na formação de tecido de granulação Agindo no reparo do tecido ósseo Promover alívio de dor crônica.
  • 26. Já a utilização da diatermia por ondas curtas Ele é capaz de promover melhora do quadro álgico. Porém ele apresenta um resultado semelhante ao Ultrassom. Cinesioterapia Cada tipos de exercícios : Favorecer o fortalecimento; Aceleram os benefícios que proporciona frente à gonartrose. Exercícios isométricos: Trabalham de forma eficiente. Os músculos através de contração gera tensão sem provocar a alteração do comprimento do músculo. Não provoca hipertrofia, mas desenvolve força em uma escala moderada.
  • 27. Método Kabat: É o uso de padrões funcionais de movimento para aceleração das respostas neuromusculares. • A (FNP) de fortalecimentos, são os que destacam a rotação tibial manualmente resistido. Essencial para o treino da função normal. Movimentos são em cadeia cinética aberta. Incluindo apenas contração ativa, utilizando o padrão de movimento funcional. • Padrões resistidos: Realizado em períodos que músculo já está mais fortalecido. Realizados diagonais, seguindo os movimentos funcionais. Em todos os ângulos que a articulação permite.
  • 28. Vantagem do FNP: 1. A parte mais forte da musculatura 2. fortalece as debilitadas. 3. Fadiga, demora para ocorrer 4. A contração gera o movimento 5. Trabalha função, gerando atividade. Criocinética Frio + movimento = Recuperação rápida no processo da doença degenerativa. Ajuda alcançar movimento ativo iniciais. Embora seja usado mais para Fisioterapia Esportiva.
  • 29. Essa aplicação proporcionará maior Funcionalidade dependendo do grau de evolução da lesão e da presença de crises dolorosas O procedimento consiste em: Uma dormência fria na cápsula articular e poplítea acima. Massagem com gelo : Conseguindo um efeito de analgesia local. Produzindo efeito vasodilatador maior do que a própria termoterapia Exercício: Deve ser progressivo e globalmente. No caso de flexão do joelho e extensão devem estar dentro dos limites da dor.
  • 30. Sempre evoluindo para se tornar ativo e integrar as AVD’s : caminhar, sentar, etc... Deve ser feito um intervalo para o alongamento passivo melhorando o encurtamento dos músculos Como grupo isquiotibiais, e em seguida, ele continua com uma contração isotônica. Terapia manual Envolve muitas técnicas das quais a mais comum é a mobilização articular e manipulação. Sua eficácia e dos exercícios É para aliviar a dor e reduzir a incapacidade física.
  • 32. Conclusão A gonartrose é uma patologia evolutiva e deve ser tratado o mais precocemente possível não só com a fisioterapia, mas com uma equipe multidisciplinar. A fisioterapia apresenta vários métodos que podem ajudar a aliviar os sintomas, principalmente as atividades aquáticas são benéficas ao tratamento de doenças reumáticas, com objetivo de aliviar a dor, que é a principal sintomatologia da doença. Uma boa qualidade óssea + boa postura + atividade física= são fatores importantes para prevenção da gonartrose.
  • 33. Referência bibliográfica ARTIGOS: 1 - Cinesioterapia como tratamento para osteoartrite no joelho [11/09/13 Revista online http://www.fai.com.br/portal/] 2 - A fisioterapia na funcionalidade do idoso com osteartrose: um estudo retrospectivo em uma instituição de longa permanência – [14/09/13 Revista online Unipê] 3 - Osteoartrose: uma revisão de literatura. [17/09/13 http://www.efdeportes.com] 4 ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA OSTEOARTROSE DE JOELHO: UMA REVISÃO LITERÁRIA [ 17/09/13 http://www.fm.usp.br/] 5 – BENEFÍCIOS DOS EXERCÍCIOS CONTRA-RESISTIDOS PARA IDOSOS OSTEOARTROSE DE JOELHO [20/09/13 http://www.portalsaudebrasil.com] 6 – Tratamento fisioterápico na osteoartrose : uma http://www.inicepg.univap.br] COM revisão bibliográfica [26/09/13 7 – A fisioterapia na osteoartrose : uma revisão literária [28/09/13http://bases.bireme.br ] 8 – Abordagem fisioterapêutica em pacientes com osteoporose e osteoartrose associadas: uma revisão literária. [ 28/09/13 http://seer.uscs.edu.br ]
  • 34. 9 – Osteoartrose de joelho : uma revisao bibliografica sobre conceito e tratamento [05/10/13 revista fisioBrasil- biblioteca-UNIVERSO] 10 – AVALIAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSAS COM OSTEOARTROSE DE JOELHO SUBMETIDAS A TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO [05/10/13 http://inseer.ibict.br] 11 – Osteoartrose : Uma revisão literária [05/10/13 http://www.medicinanet.com.br] 12 – Tratamento da osteoartrose do joelho [08/10/13 http://www.sncsalvador.com.br/] 13 – Exercicios físicos e osteoartrose : uma revisão sistemática – [08/10/13 www.scielo.br] 14 – UTILIZAÇÃO DA CINESIOTERAPIA GONARTROSE [08/10/13 Revista www.faculdadesaomiguel.com.br/presciencia3.pdf] NO TRATAMENTO Presciência nº DA 03 15 – Cartilagem Articular e Osteoartrose [12/10/13 http://www.scielo.br] 16 – Considerações sobre sistema articular, artrose estudo de revisão. [15/10/13 http://www.efdeportes.com/ ] e exercício físico: um
  • 35. 17 – deformidades em valgo e varo de joelho alteram a cinesiologia de membros inferiores. [15/10/13 www.prac.ufpb.br] 18 – Efeitos da utilização do videogame Nintendo Wii como instrumento terapêutico. [15/10/13 www.efdeportes.com] 19 – Terrmoterapia profunda como tratamento fisioterapêutico na osteartrose [18/10/13 http://periodicos.puc-campinas.edu.br/] 20 – Physiotherapy management http://onlinelibrary.wiley.com/] of knee osteoarthritis. [20/10/13 21 - Gonartrose Criocinética na incipiente [25/10/13 www.elsevier.es/ ] 22 – Benefícios da pratica de atividades aquáticas na melhoria da qualidade de vida em idosos portadores da osteoartrose [ 28/10/13 http://www.inicepg.univap.br] 23 – OS BENEFICIOS DO REFORÇO MUSCULAR NO PORTADOR DE GONARTROSE. [10/11/13 REVISTA ONLINE http://www.iesanet.com.br/biblioteca-virtual/revistaSaude3-4.pdf ]