SlideShare uma empresa Scribd logo

Treinamento no Joelho Patológico
Fabio Mazzola
Organograma
Organograma
Organograma

Estrutura e Função do Joelho
Articulações e Movimentos

Estrutura e Função do Joelho
Ângulos
Colunas com Carga Excêntrica
- 30o
+ 25o
+ 5o
Colunas com Carga Excêntrica
- 30o
+ 25o
+ 5o

Estrutura e Função do Joelho
Patela

Meniscos
Estrutura e Função do Joelho

Estrutura e Função do Joelho

Ligamentos
Estrutura e Função do Joelho

Estrutura e Função do Joelho
Bursas

Estrutura e Função do Joelho
Membrana Sinovial / Cápsula Fibrosa / Cartilagem Articular

Estrutura e Função do Joelho
Músculos

Estrutura e Função do Joelho
Músculos

Estrutura e Função do Joelho
Músculos
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training

Anamnse
Avaliação
1. Queixa Principal:
1. Dor;
2. Diminuição da Amplitude de Movimento;
3. Crepitação;
4. Falseio;
5. Incapacidade Funcional.
2. História do Trauma;
3. Atividades com efeito na queixa principal.
4. ”

Anamnse
Avaliação
1. Queixa Principal
2. 2. História de Trauma:
1. A quanto tempo;
2. Qual o mecanismo do trauma;
3. Houve Edema / Hemartrose;
4. Houve som audível;
3. Atividades com efeito na queixa principal.
4. ”
Tipo de trauma
 Força em Valgo – Lesão LCM,
Cápsula Póstero-Medial,
Menisco Medial e LCA;
 Hiperextensão – Lesão LCA
e Lacerações Meniscais;
 Flexão com Translação
Posterior – LCP;
 Força em Varo – Lesão L.
Colateral Lateral.
 Os traumas axiais e
angulares produzem fraturas
com maior frequência,
enquanto os traumas
rotacionais provocam lesões
meniscoligamentares, em
especial do LCA. A lesão do
LCP costuma ser causada
por queda de joelho ou por
trauma direto anterior com
o joelho fletido.
Aumento de volume
 A hemartrose, ou seja, o derrame imediato
por sangramento, acontece em 75% dos
casos em consequência de lesão do LCA e
associa-se a lesões meniscais ou
osteocondrais em 50% das ocorrências. Nas
luxações agudas, a hemartrose é muito
frequente e, em geral, volumosa.
Dor
A dor de início imediato precedida de
estalido é comum nas lesões
ligamentares. Se estas forem graves, em
geral, doem pouco após o trauma
inicial.
Atitude após o trauma
A atitude em flexão é muito comum em
lesões intrínsecas, ocorrendo, em geral,
por espasmo muscular. Os desvios
angulares são frequentes após fraturas.
Avaliação
1. Queixa Principal:
2. História do Trauma;
3. Atividades com efeito na queixa principal.
( FR. Noyes, GH McGinniss & lA Mooar, Sports Med.
para pessoas ativas;
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Inspeção Estática e Dinâmica
 Vista Anterior;
 Vista Posterior;
 Vista Lateral.
Palpação
 A palpação demonstra os pontos dolorosos e a
presença ou não de derrame articular. Os pontos
dolorosos podem evidenciar geograficamente o
local da lesão, porém são pouco específicos quanto
ao diagnóstico etiológico da dor.
Amplitude de Movimentos
Testes Especiais
 Testam os ligamentos e meniscos diretamente e
indiretamente a superfície articular. A pesquisa é
mais sensível no momento imediato do trauma
inicial ou 2 a 3 dias após, pois o espasmo muscular
dificulta a avaliação nas primeiras horas após a
lesão.
Teste de Lachman anterior e posterior
 Com o joelho em flexão de
20 a 30 graus, é realizada
tentativa de anteriorização
ou posteriorização da tíbia
em relação ao fêmur.
Teste da gaveta anterior e posterior
 Com o joelho em flexão
de 70 graus, é feita a
análise da anteriorização
ou da posteriorização da
tíbia em relação ao
fêmur.
Teste da gaveta anterior e posterior
 Com o joelho em flexão
de 70 graus, é feita a
análise da anteriorização
ou da posteriorização da
tíbia em relação ao
fêmur.
Teste de estresse em varo ou valgo
 Realizada em extensão e flexão de 30°.
 A abertura em valgo/varo em 30° sem
abertura em extensão demonstra lesão
moderada do compartimento
examinado.
 A ocorrência de positividade do teste
em extensão indica lesão grave de todo
o complexo analisado, com provável
lesão do LCP.
 A presença de dor no ângulo da
articulação (compartimento oposto ao
testado) pode indicar fratura ou lesão
meniscal.
Testes rotacionais
 Realizados por meio da rotação
da tíbia em relação ao fêmur,
associada à flexão-extensão.
 Tais manobras sugerem presença
de lesões meniscais ou
osteocondrais no compartimento
contrário ao sentido de rotação da
tíbia.
 Fixando-se, com a mão do
examinador, o pé do paciente na
posição de rotação da tíbia em
relação ao fêmur, a flexão e a
extensão são realizadas.
Testes da integridade das aletas patelares
 O estresse da aleta patelar medial,
feito por meio da lateralização da
patela com o joelho em 5 a 10 graus
de flexão, é fundamental como
rotina de exame, pois a luxação
aguda da patela comporta-se
clinicamente como a maioria dos
traumas do joelho no que se refere
às informações da história clínica.
 A pesquisa de lesão da aleta medial
e de eventual desinserção do vasto
medial demonstra a luxação da
patela, que é sempre no sentido
lateral.
Testes de Força
LesõesTraumáticas
 As lesões traumáticas e suas
consequências representam
80% das patologias do
joelho. Os acidentes
automotivos e esportivos
são os principais
responsáveis pelas variadas
lesões que a articulação do
joelho sofre.
Linhas Gerais
 Proteção das estruturas lesadas;
 Manutenção do condicionamento cardiorrespiratório;
 Ganho completo da amplitude de movimentos;
 Prevenção da atrofia muscular;
 Manutenção da função proprioceptiva;
 Melhora da força muscular e do endurance;
 Retorno à agilidade para diferentes atividades;
 Retorno às atividades laborárias e ao esporte.
Protocolo Prego
 Proteção: uso de muletas.
 Repouso: ausência de esforço sobre a articulação.
 Exercícios: iniciados imediatamente após o trauma,
para a manutenção do tônus muscular.
 Gelo: em 3 a 4 sessões de 20 minutos, por 3 a 4 dias. O gelo, usado assim, tem a função de agir
como analgésico e anti-inflamatório.
 Observação: é o acompanhamento do paciente. Os sinais clínicos podem se tornar positivos
durante a evolução, após cessar o espasmo da musculatura.
Os pacientes devem ser acompanhados, já que aproximadamente metade das lesões agudas do LCA não
produz hemartrose.
PREGO
 Entorse de joelho, sem hemartrose e sem sinal clínico de instabilidade;
 PREGO 16 a 21 dias;
 Entorse de joelho com hemartrose e sem sinais clínicos de instabilidade;
 PREGO 16 a 21 dias;
 Os pacientes em atividade esportiva evoluem duas vezes mais para instabilidade
anterior do que aqueles que praticavam esportes de forma esporádica.
 Portadores de lesão do LCA e varismo evoluem com maior frequência para
instabilidade anterior.
 Entorse do joelho com sinais clínicos de instabilidade medial ou lateral, sem
hemartrose;
 Prego 21 dias
 Entorse do joelho com sinais clínicos de instabilidade em varo ou valgo, com
hemartrose;
PREGO
 Entorse do joelho com hemartrose e sinal clínico de instabilidade
anterior;
 PREGO 21 Dias
 Entorse do joelho com ou sem hemartrose e com sinais de
instabilidade posterior;
 PREGO 21 dias
 Lesões Meniscais;
 PREGO 21 dias
 Lesões do aparelho extensor;
 Lesões complexas do joelho.
Organograma
Síndrome Patelofemoral
 É definida como uma dor difusa retro ou peripatelar
tipicamente desencadeada ou agravada pela subida e descida
de escadas, agachamentos ou períodos prolongados na posição
sentada. A etiologia da dor femoro-patelar é multifatorial,
englobando uma combinação de variáveis como:
 anomalias ósseas e/ou alterações biomecânicas do membro
inferior;
 disfunção muscular e de tecidos moles;
 sobresolicitação.
Síndrome Patelofemoral
 O diagnóstico correcto requer um conhecimento aprofundado
da anatomia, biomecânica e comportamento funcional da
articulação femoro-patelar. O tratamento conservador é o
tratamento de eleição, na maioria dos casos, com bons
resultados, apenas com uma pequena proporção de doentes
requerendo tratamento cirúrgico.
Síndrome Patelofemoral
 Causa mais frequente de
dor no joelho afetando 25%
população;
 Sexo feminino - 2 x 1;
Síndrome Patelofemoral
 Instabilidade Patelar;
 Desalinhamento;
 Síndrome da Plica;
 Tendinite Patelar;
 Bursite;
 Condromalácia.
Síndrome da Plica
 Plica é uma banda sinovial
derivada de restos
embrionários do septo
intrasinovial que persiste até
a idade adulta.
São conhecidos 3 tipos de
plica sinovial: suprapatelar,
inferior e medial.
Síndrome da Plica
 Certos fatores como estresse mecânico, uso excessivo, trauma
e inflamação intra-articular alterão as características destas
estruturas móveis e dobráveis em espessas e fibrosas.​​
 Os efeitos destas alterações, causam dor ao redor do lado
medial, o que é corroborado pelo exame físico através do
deslocamento da patela para o lado medial.
Tendinite Patelar
 A Tendinite Patelar, também
conhecida como “joelho do
saltador”, é uma patologia do
tendão patelar normalmente
relacionada às atividades
esportivas que demandam saltos
e desacelerações bruscas.
 Se não tratada adequadamente
pode se tornar crônica e diminuir
consideravelmente o
rendimento. Em casos extremos
pode até ser completamente
rompido.
Tendinite Patelar
 Fatores predisponentes
incluem maior peso
corporal, joelho varo ou
valgo, um ângulo Q do
joelho aumentado, patela
alta, diferença no
comprimento do membro,
encurtamento das cadeias
musculares, principalmente
da posterior (isquiotibiais),
desequilíbrio muscular e
alteração do tipo de pisada.
Tendinite Patelar
 Fase 1 – dor apenas após a atividade,
sem prejuízo funcional.
 Fase 2 – dor durante e após a
atividade, embora o paciente ainda é
capaz de executar satisfatoriamente
em seu esporte.
 Fase 3 – prolongada durante e após a
atividade, com a dificuldade
crescente na realização de um nível
satisfatório.
 Fase 4 – Ruptura completa do
tendão exigindo reparação cirúrgica.
Bursite
 A bursite do do joelho pode
ser causada por uma
pressão contínua, por um
trauma direto, por
microtrauma repetitivo ou
por a repetição prolongada
de certos gestos e
movimentos.
Bursite
 Dor;
 Edema;
 Limitação de movimentos
 O paciente se queixa de
pontadas intensas.
 Se a inflamação também é
acompanhada por uma
infecção, o joelho tem a pele
vermelha e quente.
Condromalácia
 O termo condromalácia significa
"amolecimento da cartilagem".
 Ela ocorre por um excesso de
pressão entre a cartilagem da
tróclea femoral e a cartilagem da
patela.
 É uma doença de evolução lenta.
Muitas vezes o joelho incha sem a
pessoa sentir dores, ocorre devido a
uma hiperpressão entre a patela e o
fêmur durante o movimento de
flexo extensão do joelho.
Sinovite
 Caracterizada por um aumento na
produção associada a alterações
bioquímicas do líquido sinovial.
 Os sintomas decorrentes da sinovite
são dor, edema de pequenas a
grandes proporções, aumento da
temperatura, limitação de
movimentos (extensão e flexão
máxima limitadas), dificuldades para
caminhar e correr.
 O edema pode aparecer após a
realização de exercícios ou mesmo
no repouso, dependendo da
condição causadora da sinovite.
Cisto de Backer
 É geralmente o resultado de
uma patologia intrarticular
do joelho, como artrite,
artrose, lesão na cartilagem,
lesoes meniscais ou
ligamentares. Essas doenças
podem levar o joelho a uma
maior produção de líquido
sinovial (sinovite), essa
sinovite leva a formação do
Cisto de Baker.
Cisto de Backer
 O cisto é repleto de líquido
articular, o que provoca uma
saliência e uma sensação de
desconforto atrás do joelho.
A dor pode piorar durante a
flexo-extensão do joelho ou
em momentos de maior
atividade.
Artrite / Atrose
 Fase inicial;
 Fase de dor diária;
 Fase com edema
permanente;
 Fase com deformidade e dor
incapacitante.
Capsulite Adesiva
 Trata-se de uma inflamação
na cápsula que envolve e
protege o joelho, tornando-a
mais espessa e fibrosa;
 Sua origem é autoimune,
assim como ocorre com a
artrite reumatoide
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Desequilíbrios Biomecânicos
 Largura da pelve;
 Joelho Valgo;
 Rotação externa do fêmur;
 Pé pronado;
 Desequilíbrio muscular
VMO/VML, Core, Rotadores
Externos do Quadril, Abdutores
e Adutores;
 Retração da banda Iliotibial,
músculo bíceps femoral ou
retináculo lateral da patela;
 Frouxidão ligamentar;
The relationship of foot and ankle mobility to the frontal plane
projection angle in asymptomatic adults.
J Foot Ankle Res. 2016
Foot and ankle mobility was significantly
related to the FPPA (frontal plane
projection angle) during the single leg
squat in healthy individuals. Specifically,
higher midfoot width mobility, or lower
ankle joint dorsiflexion range and
midfoot height mobility, were associated
with a greater FPPA. These foot mobility
factors should be considered in the
clinical management of knee-related
disorders that are associated with a high
FPPA.
Is hip strength a risk factor for patellofemoral pain? A
systematic review and meta-analysis.
Br J Sports Med. 2014
This review highlights a possible
discrepancy between prospective and
cross-sectional research. Cross-sectional
studies indicate that adult men and
women with PFP appear to have lower hip
strength compared to pain-free
individuals. Contrary to this, a limited
number of prospective studies indicate
that there may be no association between
isometric hip strength and risk of
developing PFP. Therefore, reduced hip
strength may be a result of PFP rather
than the cause.
Performance on the single-leg squat task indicates hip
abductor muscle function.
Am J Sports Med. 2011
The clinical assessment of single-leg squat
performance will have acceptable inter-
and intrarater reliability. Furthermore,
people with good performance on the
single-leg squat will have better hip muscle
function (earlier onset of gluteus medius
activity and greater lateral trunk, hip
abduction, and external rotation strength)
than people with poor performance.
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
Correção Biomecânica
 Mobilização;
 Liberação Miofascial;
 Taping;
 Eletroestimulação;
 Exercícios Neuromusculares;
 Reequilíbrio Muscular;
The effects of exercise for the prevention of overuse anterior
knee pain: a randomized controlled trial.
Am J Sports Med. 2011
A simple set of lower limb stretching and
strengthening exercises resulted in a
substantial and safe reduction in the
incidence of AKP in a young military
population undertaking a physical
conditioning program. Such exercises
could also be beneficial for preventing
this common injury among nonmilitary
participants in recreational physical
activity.
Do isometric and isotonic exercise programs reduce pain in athletes with patellar
tendinopathy in-season? A randomised clinical trial.
Br J Sports Med. 2015
This is the first study to show a decrease
in patellar tendon pain without a
modification of training and competition
load and the first study to investigate
isometric exercises in a clinical setting.
Both isometric and isotonic exercise
programs are easy-to-use exercises that
can reduce pain from patellar
tendinopathy for athletes in-season.
Patellar taping for patellofemoral pain: a systematic review and meta-analysis to
evaluate clinical outcomes and biomechanical mechanisms.
Br J Sports Med. 2014
Tailoring patellar taping application (ie, to
control lateral tilt, glide and spin) to
optimise pain reduction is important for
efficacy. Evaluation of tailored patellar
taping beyond the immediate term is
limited and should be a research priority.
Possible mechanisms behind patellar
taping efficacy include earlier VMO onset
and improved knee function capacity (ie,
ability to tolerate greater internal knee
extension moments).
Improvements in kinematics, muscle activity and pain during functional tasks in females with
patellofemoral pain following a single patterned electrical stimulation treatment.
Clin Biomech (Bristol, Avon). 2016
A single treatment of
patterned electrical
neuromuscular stimulation
improved muscle activation,
lower extremity kinematics
during functional tasks.
Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training
mazzolafabio@yahoo.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
Isabela Luana
 
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloCinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Claudio Pereira
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
paraiba1974
 
Aula Marcha humana normal.ppt
Aula Marcha humana normal.pptAula Marcha humana normal.ppt
Aula Marcha humana normal.ppt
IzabelVieira8
 
Complexo articular do ombro
Complexo articular do ombroComplexo articular do ombro
Complexo articular do ombro
Natha Fisioterapia
 
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
Isabel Amarante
 
Punho e mao
Punho e maoPunho e mao
Punho e mao
Natha Fisioterapia
 
Anatomia Palpatória da coxa e joelho
Anatomia Palpatória da coxa e joelhoAnatomia Palpatória da coxa e joelho
Anatomia Palpatória da coxa e joelho
Guerno Yoshio
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
Brasil Telecom/OI
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
Raquel Pizol
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
AmericanFisio
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
FUAD HAZIME
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
SemioOrto
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
Ricardo Sartorato
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Caio Gonçalves de Souza
 
Fascite Plantar e Esporao
Fascite Plantar e EsporaoFascite Plantar e Esporao
Fascite Plantar e Esporao
Autómono
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
André Cipriano
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
Paulo Bueno
 

Mais procurados (20)

Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
 
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotoveloCinesiologia e biomecanica do cotovelo
Cinesiologia e biomecanica do cotovelo
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
 
Aula Marcha humana normal.ppt
Aula Marcha humana normal.pptAula Marcha humana normal.ppt
Aula Marcha humana normal.ppt
 
Complexo articular do ombro
Complexo articular do ombroComplexo articular do ombro
Complexo articular do ombro
 
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
 
Punho e mao
Punho e maoPunho e mao
Punho e mao
 
Anatomia Palpatória da coxa e joelho
Anatomia Palpatória da coxa e joelhoAnatomia Palpatória da coxa e joelho
Anatomia Palpatória da coxa e joelho
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
 
Síndrome do impacto
Síndrome do impactoSíndrome do impacto
Síndrome do impacto
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Lesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozeloLesões de pé e tornozelo
Lesões de pé e tornozelo
 
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das FraturasPrincípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
Princípios de Consolidação e Tratamento das Fraturas
 
Fascite Plantar e Esporao
Fascite Plantar e EsporaoFascite Plantar e Esporao
Fascite Plantar e Esporao
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
 
Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
 

Semelhante a Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training

Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
Thais Benicio
 
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
GustavoMiarelliCampo
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
Nay Ribeiro
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
SemioOrto
 
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
Giselda morais rodrigues do
 
Complexo articular do quadril
Complexo articular do quadrilComplexo articular do quadril
Complexo articular do quadril
RogrioRodriguesdeMen
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
Rosana
 
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdfFISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
MisslenyHaruna
 
Ginástica rítmica 2. parte
Ginástica rítmica 2. parteGinástica rítmica 2. parte
Ginástica rítmica 2. parte
Universidade Norte do Paraná
 
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdfAvaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
GustavoArouche1
 
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a PodologiaBiomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Cíntia Luna
 
Pé equino
Pé equinoPé equino
Pé equino
Mariacris37
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactado
Jiga Jose
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
Natha Fisioterapia
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
Bruno Franco
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
Natha Fisioterapia
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
Welisson Porto
 
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
mennahen sylver
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Kn Expedições
 

Semelhante a Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training (20)

Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Modulo 18
Modulo 18Modulo 18
Modulo 18
 
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
 
Complexo articular do quadril
Complexo articular do quadrilComplexo articular do quadril
Complexo articular do quadril
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
 
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdfFISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
 
Ginástica rítmica 2. parte
Ginástica rítmica 2. parteGinástica rítmica 2. parte
Ginástica rítmica 2. parte
 
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdfAvaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
 
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a PodologiaBiomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
Biomecânica e Cinesiologia Aplicados a Podologia
 
Pé equino
Pé equinoPé equino
Pé equino
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactado
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
Fraturas do tornozelo
Fraturas do tornozeloFraturas do tornozelo
Fraturas do tornozelo
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
 
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 

Mais de Fabio Mazzola

Escoliose e RPG / GPR and Scoliosis
Escoliose e RPG / GPR and ScoliosisEscoliose e RPG / GPR and Scoliosis
Escoliose e RPG / GPR and Scoliosis
Fabio Mazzola
 
Rpg mazzola & zaparoli 3ª edição
Rpg mazzola & zaparoli 3ª ediçãoRpg mazzola & zaparoli 3ª edição
Rpg mazzola & zaparoli 3ª edição
Fabio Mazzola
 
V Congresso Alagoana de eduação física e Fisioterapia - 2013
V Congresso Alagoana de eduação física e Fisioterapia - 2013V Congresso Alagoana de eduação física e Fisioterapia - 2013
V Congresso Alagoana de eduação física e Fisioterapia - 2013
Fabio Mazzola
 
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar ativid...
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar ativid...Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar ativid...
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar ativid...
Fabio Mazzola
 
Balance fascial funcional
Balance fascial funcionalBalance fascial funcional
Balance fascial funcional
Fabio Mazzola
 
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
Fabio Mazzola
 
Avaliação cinesiológica funcional
Avaliação cinesiológica funcionalAvaliação cinesiológica funcional
Avaliação cinesiológica funcional
Fabio Mazzola
 
Reeducação postural nas lombalgias
Reeducação postural nas lombalgiasReeducação postural nas lombalgias
Reeducação postural nas lombalgias
Fabio Mazzola
 
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas EscoliosesAula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Fabio Mazzola
 
Proposta z4
Proposta z4Proposta z4
Proposta z4
Fabio Mazzola
 
Atualiadades em Escoliose
Atualiadades em EscolioseAtualiadades em Escoliose
Atualiadades em Escoliose
Fabio Mazzola
 
Slideshre cinesioterapia fisioterapia do trabalho e ergonomia fevereiro 2013
 Slideshre cinesioterapia   fisioterapia do trabalho e ergonomia fevereiro 2013 Slideshre cinesioterapia   fisioterapia do trabalho e ergonomia fevereiro 2013
Slideshre cinesioterapia fisioterapia do trabalho e ergonomia fevereiro 2013
Fabio Mazzola
 
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica LaboralEstabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
Fabio Mazzola
 
Terapias Integradas - RPG e Pilates
Terapias Integradas - RPG e PilatesTerapias Integradas - RPG e Pilates
Terapias Integradas - RPG e Pilates
Fabio Mazzola
 
Lombalgia por Fabio Mazzola
Lombalgia por Fabio MazzolaLombalgia por Fabio Mazzola
Lombalgia por Fabio Mazzola
Fabio Mazzola
 
RPG nas Escolioses
RPG nas Escolioses RPG nas Escolioses
RPG nas Escolioses
Fabio Mazzola
 
Work shop liberty
Work shop libertyWork shop liberty
Work shop liberty
Fabio Mazzola
 
Controle Motor
Controle MotorControle Motor
Controle Motor
Fabio Mazzola
 
Controle motor
Controle motorControle motor
Controle motor
Fabio Mazzola
 

Mais de Fabio Mazzola (19)

Escoliose e RPG / GPR and Scoliosis
Escoliose e RPG / GPR and ScoliosisEscoliose e RPG / GPR and Scoliosis
Escoliose e RPG / GPR and Scoliosis
 
Rpg mazzola & zaparoli 3ª edição
Rpg mazzola & zaparoli 3ª ediçãoRpg mazzola & zaparoli 3ª edição
Rpg mazzola & zaparoli 3ª edição
 
V Congresso Alagoana de eduação física e Fisioterapia - 2013
V Congresso Alagoana de eduação física e Fisioterapia - 2013V Congresso Alagoana de eduação física e Fisioterapia - 2013
V Congresso Alagoana de eduação física e Fisioterapia - 2013
 
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar ativid...
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar ativid...Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar ativid...
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar ativid...
 
Balance fascial funcional
Balance fascial funcionalBalance fascial funcional
Balance fascial funcional
 
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
ELetromiografia como instrumento de avaliação e o Biofeedback como readequaçã...
 
Avaliação cinesiológica funcional
Avaliação cinesiológica funcionalAvaliação cinesiológica funcional
Avaliação cinesiológica funcional
 
Reeducação postural nas lombalgias
Reeducação postural nas lombalgiasReeducação postural nas lombalgias
Reeducação postural nas lombalgias
 
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas EscoliosesAula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
Aula Ministrada no Cintep com o tema RPG Avançado nas Escolioses
 
Proposta z4
Proposta z4Proposta z4
Proposta z4
 
Atualiadades em Escoliose
Atualiadades em EscolioseAtualiadades em Escoliose
Atualiadades em Escoliose
 
Slideshre cinesioterapia fisioterapia do trabalho e ergonomia fevereiro 2013
 Slideshre cinesioterapia   fisioterapia do trabalho e ergonomia fevereiro 2013 Slideshre cinesioterapia   fisioterapia do trabalho e ergonomia fevereiro 2013
Slideshre cinesioterapia fisioterapia do trabalho e ergonomia fevereiro 2013
 
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica LaboralEstabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
 
Terapias Integradas - RPG e Pilates
Terapias Integradas - RPG e PilatesTerapias Integradas - RPG e Pilates
Terapias Integradas - RPG e Pilates
 
Lombalgia por Fabio Mazzola
Lombalgia por Fabio MazzolaLombalgia por Fabio Mazzola
Lombalgia por Fabio Mazzola
 
RPG nas Escolioses
RPG nas Escolioses RPG nas Escolioses
RPG nas Escolioses
 
Work shop liberty
Work shop libertyWork shop liberty
Work shop liberty
 
Controle Motor
Controle MotorControle Motor
Controle Motor
 
Controle motor
Controle motorControle motor
Controle motor
 

Treinamento no joelho patológico / Pathological knee training

  • 1.  Treinamento no Joelho Patológico Fabio Mazzola
  • 5.  Estrutura e Função do Joelho Articulações e Movimentos
  • 6.  Estrutura e Função do Joelho Ângulos Colunas com Carga Excêntrica - 30o + 25o + 5o Colunas com Carga Excêntrica - 30o + 25o + 5o
  • 7.  Estrutura e Função do Joelho Patela
  • 11.  Estrutura e Função do Joelho Bursas
  • 12.  Estrutura e Função do Joelho Membrana Sinovial / Cápsula Fibrosa / Cartilagem Articular
  • 13.  Estrutura e Função do Joelho Músculos
  • 14.  Estrutura e Função do Joelho Músculos
  • 15.  Estrutura e Função do Joelho Músculos
  • 17.  Anamnse Avaliação 1. Queixa Principal: 1. Dor; 2. Diminuição da Amplitude de Movimento; 3. Crepitação; 4. Falseio; 5. Incapacidade Funcional. 2. História do Trauma; 3. Atividades com efeito na queixa principal. 4. ”
  • 18.  Anamnse Avaliação 1. Queixa Principal 2. 2. História de Trauma: 1. A quanto tempo; 2. Qual o mecanismo do trauma; 3. Houve Edema / Hemartrose; 4. Houve som audível; 3. Atividades com efeito na queixa principal. 4. ”
  • 19. Tipo de trauma  Força em Valgo – Lesão LCM, Cápsula Póstero-Medial, Menisco Medial e LCA;  Hiperextensão – Lesão LCA e Lacerações Meniscais;  Flexão com Translação Posterior – LCP;  Força em Varo – Lesão L. Colateral Lateral.  Os traumas axiais e angulares produzem fraturas com maior frequência, enquanto os traumas rotacionais provocam lesões meniscoligamentares, em especial do LCA. A lesão do LCP costuma ser causada por queda de joelho ou por trauma direto anterior com o joelho fletido.
  • 20. Aumento de volume  A hemartrose, ou seja, o derrame imediato por sangramento, acontece em 75% dos casos em consequência de lesão do LCA e associa-se a lesões meniscais ou osteocondrais em 50% das ocorrências. Nas luxações agudas, a hemartrose é muito frequente e, em geral, volumosa.
  • 21. Dor A dor de início imediato precedida de estalido é comum nas lesões ligamentares. Se estas forem graves, em geral, doem pouco após o trauma inicial.
  • 22. Atitude após o trauma A atitude em flexão é muito comum em lesões intrínsecas, ocorrendo, em geral, por espasmo muscular. Os desvios angulares são frequentes após fraturas.
  • 23. Avaliação 1. Queixa Principal: 2. História do Trauma; 3. Atividades com efeito na queixa principal. ( FR. Noyes, GH McGinniss & lA Mooar, Sports Med. para pessoas ativas;
  • 25. Inspeção Estática e Dinâmica  Vista Anterior;  Vista Posterior;  Vista Lateral.
  • 26. Palpação  A palpação demonstra os pontos dolorosos e a presença ou não de derrame articular. Os pontos dolorosos podem evidenciar geograficamente o local da lesão, porém são pouco específicos quanto ao diagnóstico etiológico da dor.
  • 28. Testes Especiais  Testam os ligamentos e meniscos diretamente e indiretamente a superfície articular. A pesquisa é mais sensível no momento imediato do trauma inicial ou 2 a 3 dias após, pois o espasmo muscular dificulta a avaliação nas primeiras horas após a lesão.
  • 29. Teste de Lachman anterior e posterior  Com o joelho em flexão de 20 a 30 graus, é realizada tentativa de anteriorização ou posteriorização da tíbia em relação ao fêmur.
  • 30. Teste da gaveta anterior e posterior  Com o joelho em flexão de 70 graus, é feita a análise da anteriorização ou da posteriorização da tíbia em relação ao fêmur.
  • 31. Teste da gaveta anterior e posterior  Com o joelho em flexão de 70 graus, é feita a análise da anteriorização ou da posteriorização da tíbia em relação ao fêmur.
  • 32. Teste de estresse em varo ou valgo  Realizada em extensão e flexão de 30°.  A abertura em valgo/varo em 30° sem abertura em extensão demonstra lesão moderada do compartimento examinado.  A ocorrência de positividade do teste em extensão indica lesão grave de todo o complexo analisado, com provável lesão do LCP.  A presença de dor no ângulo da articulação (compartimento oposto ao testado) pode indicar fratura ou lesão meniscal.
  • 33. Testes rotacionais  Realizados por meio da rotação da tíbia em relação ao fêmur, associada à flexão-extensão.  Tais manobras sugerem presença de lesões meniscais ou osteocondrais no compartimento contrário ao sentido de rotação da tíbia.  Fixando-se, com a mão do examinador, o pé do paciente na posição de rotação da tíbia em relação ao fêmur, a flexão e a extensão são realizadas.
  • 34. Testes da integridade das aletas patelares  O estresse da aleta patelar medial, feito por meio da lateralização da patela com o joelho em 5 a 10 graus de flexão, é fundamental como rotina de exame, pois a luxação aguda da patela comporta-se clinicamente como a maioria dos traumas do joelho no que se refere às informações da história clínica.  A pesquisa de lesão da aleta medial e de eventual desinserção do vasto medial demonstra a luxação da patela, que é sempre no sentido lateral.
  • 36. LesõesTraumáticas  As lesões traumáticas e suas consequências representam 80% das patologias do joelho. Os acidentes automotivos e esportivos são os principais responsáveis pelas variadas lesões que a articulação do joelho sofre.
  • 37. Linhas Gerais  Proteção das estruturas lesadas;  Manutenção do condicionamento cardiorrespiratório;  Ganho completo da amplitude de movimentos;  Prevenção da atrofia muscular;  Manutenção da função proprioceptiva;  Melhora da força muscular e do endurance;  Retorno à agilidade para diferentes atividades;  Retorno às atividades laborárias e ao esporte.
  • 38. Protocolo Prego  Proteção: uso de muletas.  Repouso: ausência de esforço sobre a articulação.  Exercícios: iniciados imediatamente após o trauma, para a manutenção do tônus muscular.  Gelo: em 3 a 4 sessões de 20 minutos, por 3 a 4 dias. O gelo, usado assim, tem a função de agir como analgésico e anti-inflamatório.  Observação: é o acompanhamento do paciente. Os sinais clínicos podem se tornar positivos durante a evolução, após cessar o espasmo da musculatura. Os pacientes devem ser acompanhados, já que aproximadamente metade das lesões agudas do LCA não produz hemartrose.
  • 39. PREGO  Entorse de joelho, sem hemartrose e sem sinal clínico de instabilidade;  PREGO 16 a 21 dias;  Entorse de joelho com hemartrose e sem sinais clínicos de instabilidade;  PREGO 16 a 21 dias;  Os pacientes em atividade esportiva evoluem duas vezes mais para instabilidade anterior do que aqueles que praticavam esportes de forma esporádica.  Portadores de lesão do LCA e varismo evoluem com maior frequência para instabilidade anterior.  Entorse do joelho com sinais clínicos de instabilidade medial ou lateral, sem hemartrose;  Prego 21 dias  Entorse do joelho com sinais clínicos de instabilidade em varo ou valgo, com hemartrose;
  • 40. PREGO  Entorse do joelho com hemartrose e sinal clínico de instabilidade anterior;  PREGO 21 Dias  Entorse do joelho com ou sem hemartrose e com sinais de instabilidade posterior;  PREGO 21 dias  Lesões Meniscais;  PREGO 21 dias  Lesões do aparelho extensor;  Lesões complexas do joelho.
  • 42. Síndrome Patelofemoral  É definida como uma dor difusa retro ou peripatelar tipicamente desencadeada ou agravada pela subida e descida de escadas, agachamentos ou períodos prolongados na posição sentada. A etiologia da dor femoro-patelar é multifatorial, englobando uma combinação de variáveis como:  anomalias ósseas e/ou alterações biomecânicas do membro inferior;  disfunção muscular e de tecidos moles;  sobresolicitação.
  • 43. Síndrome Patelofemoral  O diagnóstico correcto requer um conhecimento aprofundado da anatomia, biomecânica e comportamento funcional da articulação femoro-patelar. O tratamento conservador é o tratamento de eleição, na maioria dos casos, com bons resultados, apenas com uma pequena proporção de doentes requerendo tratamento cirúrgico.
  • 44. Síndrome Patelofemoral  Causa mais frequente de dor no joelho afetando 25% população;  Sexo feminino - 2 x 1;
  • 45. Síndrome Patelofemoral  Instabilidade Patelar;  Desalinhamento;  Síndrome da Plica;  Tendinite Patelar;  Bursite;  Condromalácia.
  • 46. Síndrome da Plica  Plica é uma banda sinovial derivada de restos embrionários do septo intrasinovial que persiste até a idade adulta. São conhecidos 3 tipos de plica sinovial: suprapatelar, inferior e medial.
  • 47. Síndrome da Plica  Certos fatores como estresse mecânico, uso excessivo, trauma e inflamação intra-articular alterão as características destas estruturas móveis e dobráveis em espessas e fibrosas.​​  Os efeitos destas alterações, causam dor ao redor do lado medial, o que é corroborado pelo exame físico através do deslocamento da patela para o lado medial.
  • 48. Tendinite Patelar  A Tendinite Patelar, também conhecida como “joelho do saltador”, é uma patologia do tendão patelar normalmente relacionada às atividades esportivas que demandam saltos e desacelerações bruscas.  Se não tratada adequadamente pode se tornar crônica e diminuir consideravelmente o rendimento. Em casos extremos pode até ser completamente rompido.
  • 49. Tendinite Patelar  Fatores predisponentes incluem maior peso corporal, joelho varo ou valgo, um ângulo Q do joelho aumentado, patela alta, diferença no comprimento do membro, encurtamento das cadeias musculares, principalmente da posterior (isquiotibiais), desequilíbrio muscular e alteração do tipo de pisada.
  • 50. Tendinite Patelar  Fase 1 – dor apenas após a atividade, sem prejuízo funcional.  Fase 2 – dor durante e após a atividade, embora o paciente ainda é capaz de executar satisfatoriamente em seu esporte.  Fase 3 – prolongada durante e após a atividade, com a dificuldade crescente na realização de um nível satisfatório.  Fase 4 – Ruptura completa do tendão exigindo reparação cirúrgica.
  • 51. Bursite  A bursite do do joelho pode ser causada por uma pressão contínua, por um trauma direto, por microtrauma repetitivo ou por a repetição prolongada de certos gestos e movimentos.
  • 52. Bursite  Dor;  Edema;  Limitação de movimentos  O paciente se queixa de pontadas intensas.  Se a inflamação também é acompanhada por uma infecção, o joelho tem a pele vermelha e quente.
  • 53. Condromalácia  O termo condromalácia significa "amolecimento da cartilagem".  Ela ocorre por um excesso de pressão entre a cartilagem da tróclea femoral e a cartilagem da patela.  É uma doença de evolução lenta. Muitas vezes o joelho incha sem a pessoa sentir dores, ocorre devido a uma hiperpressão entre a patela e o fêmur durante o movimento de flexo extensão do joelho.
  • 54. Sinovite  Caracterizada por um aumento na produção associada a alterações bioquímicas do líquido sinovial.  Os sintomas decorrentes da sinovite são dor, edema de pequenas a grandes proporções, aumento da temperatura, limitação de movimentos (extensão e flexão máxima limitadas), dificuldades para caminhar e correr.  O edema pode aparecer após a realização de exercícios ou mesmo no repouso, dependendo da condição causadora da sinovite.
  • 55. Cisto de Backer  É geralmente o resultado de uma patologia intrarticular do joelho, como artrite, artrose, lesão na cartilagem, lesoes meniscais ou ligamentares. Essas doenças podem levar o joelho a uma maior produção de líquido sinovial (sinovite), essa sinovite leva a formação do Cisto de Baker.
  • 56. Cisto de Backer  O cisto é repleto de líquido articular, o que provoca uma saliência e uma sensação de desconforto atrás do joelho. A dor pode piorar durante a flexo-extensão do joelho ou em momentos de maior atividade.
  • 57. Artrite / Atrose  Fase inicial;  Fase de dor diária;  Fase com edema permanente;  Fase com deformidade e dor incapacitante.
  • 58. Capsulite Adesiva  Trata-se de uma inflamação na cápsula que envolve e protege o joelho, tornando-a mais espessa e fibrosa;  Sua origem é autoimune, assim como ocorre com a artrite reumatoide
  • 60. Desequilíbrios Biomecânicos  Largura da pelve;  Joelho Valgo;  Rotação externa do fêmur;  Pé pronado;  Desequilíbrio muscular VMO/VML, Core, Rotadores Externos do Quadril, Abdutores e Adutores;  Retração da banda Iliotibial, músculo bíceps femoral ou retináculo lateral da patela;  Frouxidão ligamentar;
  • 61. The relationship of foot and ankle mobility to the frontal plane projection angle in asymptomatic adults. J Foot Ankle Res. 2016 Foot and ankle mobility was significantly related to the FPPA (frontal plane projection angle) during the single leg squat in healthy individuals. Specifically, higher midfoot width mobility, or lower ankle joint dorsiflexion range and midfoot height mobility, were associated with a greater FPPA. These foot mobility factors should be considered in the clinical management of knee-related disorders that are associated with a high FPPA.
  • 62. Is hip strength a risk factor for patellofemoral pain? A systematic review and meta-analysis. Br J Sports Med. 2014 This review highlights a possible discrepancy between prospective and cross-sectional research. Cross-sectional studies indicate that adult men and women with PFP appear to have lower hip strength compared to pain-free individuals. Contrary to this, a limited number of prospective studies indicate that there may be no association between isometric hip strength and risk of developing PFP. Therefore, reduced hip strength may be a result of PFP rather than the cause.
  • 63. Performance on the single-leg squat task indicates hip abductor muscle function. Am J Sports Med. 2011 The clinical assessment of single-leg squat performance will have acceptable inter- and intrarater reliability. Furthermore, people with good performance on the single-leg squat will have better hip muscle function (earlier onset of gluteus medius activity and greater lateral trunk, hip abduction, and external rotation strength) than people with poor performance.
  • 65. Correção Biomecânica  Mobilização;  Liberação Miofascial;  Taping;  Eletroestimulação;  Exercícios Neuromusculares;  Reequilíbrio Muscular;
  • 66. The effects of exercise for the prevention of overuse anterior knee pain: a randomized controlled trial. Am J Sports Med. 2011 A simple set of lower limb stretching and strengthening exercises resulted in a substantial and safe reduction in the incidence of AKP in a young military population undertaking a physical conditioning program. Such exercises could also be beneficial for preventing this common injury among nonmilitary participants in recreational physical activity.
  • 67. Do isometric and isotonic exercise programs reduce pain in athletes with patellar tendinopathy in-season? A randomised clinical trial. Br J Sports Med. 2015 This is the first study to show a decrease in patellar tendon pain without a modification of training and competition load and the first study to investigate isometric exercises in a clinical setting. Both isometric and isotonic exercise programs are easy-to-use exercises that can reduce pain from patellar tendinopathy for athletes in-season.
  • 68. Patellar taping for patellofemoral pain: a systematic review and meta-analysis to evaluate clinical outcomes and biomechanical mechanisms. Br J Sports Med. 2014 Tailoring patellar taping application (ie, to control lateral tilt, glide and spin) to optimise pain reduction is important for efficacy. Evaluation of tailored patellar taping beyond the immediate term is limited and should be a research priority. Possible mechanisms behind patellar taping efficacy include earlier VMO onset and improved knee function capacity (ie, ability to tolerate greater internal knee extension moments).
  • 69. Improvements in kinematics, muscle activity and pain during functional tasks in females with patellofemoral pain following a single patterned electrical stimulation treatment. Clin Biomech (Bristol, Avon). 2016 A single treatment of patterned electrical neuromuscular stimulation improved muscle activation, lower extremity kinematics during functional tasks.

Notas do Editor

  1. Força em Valgo – Lesão L. Colateral Medial, Cápsula Póstero-Medial, Menisco Medial e LCA; Hiperextensão – Lesão LCA e Lacerações Meniscais; Flexão com Translação Posterior – LCP; Força em Varo – Lesão L. Colaral Lateral.
  2. Força em Valgo – Lesão L. Colateral Medial, Cápsula Póstero-Medial, Menisco Medial e LCA; Hiperextensão – Lesão LCA e Lacerações Meniscais; Flexão com Translação Posterior – LCP; Força em Varo – Lesão L. Colaral Lateral.
  3. Força em Valgo – Lesão L. Colateral Medial, Cápsula Póstero-Medial, Menisco Medial e LCA; Hiperextensão – Lesão LCA e Lacerações Meniscais; Flexão com Translação Posterior – LCP; Força em Varo – Lesão L. Colaral Lateral.
  4. Força em Valgo – Lesão L. Colateral Medial, Cápsula Póstero-Medial, Menisco Medial e LCA; Hiperextensão – Lesão LCA e Lacerações Meniscais; Flexão com Translação Posterior – LCP; Força em Varo – Lesão L. Colaral Lateral.
  5. http://www.actafisiatrica.org.br/detalhe_artigo.asp?id=429
  6. http://www.scielo.br/pdf/%0D/aob/v13n4/a02v13n4.pdf http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-78522008000300012
  7. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26816531
  8. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24687010
  9. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21212307
  10. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24311602
  11. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24311602 https://youtu.be/N8lWTQsMKJo
  12. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26775230