SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTROSE E OSTEOTOMIAS
www.traumatologiaeortopedia.com.b
r
GONOARTROSE
• As lesões cartilaginosas constituem sem dúvida
o primeiro estágio de uma artrose,porém sua
evolução não é obrigatória
• Radiograficamente, fala-se de artrose quando
se constata um osteófito ou uma remodelação
de um dos compartimentos.
• Do ponto de vista ortopédico,diz-se que existe
uma artrose quando há uma lesão em espelho
das duas superf. Articulares c/ abrasão da
cartilagem e, ao menos em um ponto, o osso
subcondral está exposto nas duas superf. De
contato
ARTROSE FEMOROTIBIAL
• Para entender a sua evolução é preciso ter em
mente três conceitos de biomecânica: 1-a
marcha leva a compensação em varo
obrigatoriamente.
• 2-as posições de estabilidade do joelho são
duas:em varo e em rotação interna proximas da
extensão e em valgo e rotação externa na
flexão.
• 3-durante a marcha o joelho está sempre entre
10 e 70º de flexão. O apoio é feito entre 20 e
50º.
EVOLUÇÃO ANATÔMICA DA
ARTROSE
• DESGASTE ÓSSO:essa lesão é primeiramente
bem localizada no ponto de hiperpressão
máxima.Durante a marcha,na fase de apoio
monopodal, o joelho está sempre em ligeira
flexão, e o ponto máximo de hiperpressão situa-
se entre 30 e 45º de flexão.
• Quando há uma artrose , pode-se dizer q em
um ponto da superf. Articular existe um
pinçamento total da interlinha c/
desaparecimento do espaço cartilaginoso.
DESGASTE ÓSSEO
• A lesão tibial permanece localizada por um
longo período, enquanto a femoral se extende
rapidamente sobre o côndilo,no setor angular
correspondente da marcha(10 a 70º).
• A partir desse momento, a evoluçao é ligada
essencialmente ligada ao desgaste tibial.Forma-
se uma cúpula que se estende lateralmente e
da frente p/ trás.Nessa ocasião, o pinçamento
torna-se visível.
DESEQUILÍBRIO
• A existência de uma cúpula tibial em que o
côndilo femoral mergulha durante o apoio
monopodal vai,aos poucos,levando a um
desequilíbrio do joelho.Esse estado revela a
perda de apoio do côndilo contralateral.Quando
em presença de uma instabilidade ligamentar
anterior crônica, o desequilibrio é ainda mais
evidente.Apresentará umdeslizamento
progressivo do maciço das espinhas tibiais em
relação ao côndilo externo, entrando em
conflito.
www.traumatologiaeortopedia.com.b
r
FATORES ETIOLÓGICOS
• 1-Idade: é uma afecção degenerativa do
idoso.O ínício das manifestações clínicas
dá-se entre os 50 e 60 anos.Os sintomas
têm correlação c/ o nível de atividade do
indivíduo.Nos sedentários o início chega a
passar desapercebido.Nos sujeitos mais
velhos, a evolução é mais rápida.
FATORES ETIOLÓGICOS
• 2-SEXO-predominância no sexo feminino.Para
isso há duas explicações possíveis:1-
osteoporose pós-menopausa, que pode
favorecer o desgaste ósseo.
• 2-nível de atividade física durante a
vida.Mulheres nessa faixa etária tem musc.
Menos desenvolvida.
• 3-Morfotipos:varo e de eixo normal tem
tendência a apresentar artrse femotibial
interna(70%),morfotipo valgo tende a sofrer de
artrose femorotibialo externa.
FATORES ETIOLÓGICOS
• 4-BIOTIPO:o peso corporal é sem dúvida
um fator muito importante p/ o
desenvolvimento de gonoartrose.Aumenta
a pressão sobre a articulação;obesos tem
musculatura menos desenvolvida.
ESTUDO RADIOGRÁFICO
• Deve ser feito em 10 e 30º de flexão:
• AP monopodal(evidencia os desvios de eixo e
permite medir o eixo femotibial)
• Perfil monopodal(define e localiza a cúpula
tibial)
• Axial em 30º(mostra degenerações femorotibial)
• Túnel intercondilar(mostra osteófitos do espaço
intercondilar,responsáveis por bloqueios da
extensão)
CLASSIFICAÇÕES DAS
ARTROSES FEMOROTIBIAIS
• Classificação de Dejour.
• Estágio I-pré-artrose.Não há lesão de osso
subcondral apenas abrasão da cartilagem.Às
vezes se apresenta como uma lesão meniscal
degenerativa,hidrartrose,sinovite e cisto
poplíteo.As radiografias são normais.Estima-se
que em média,leva 10 anos(média de 5 anos) p/
chegar ao estágio II.
CLASSIFICAÇÃO
• Estágio II-artrose inicial.Pouco sintomático e até
assintomático.Nas artroses femorotibiais
internas (AFTI), o raio X mostra um pinçamento
parcial na incidência AP e, de perfil, mostra um
pinçamento efetivo na parte central do platô
tibial.Nas artroses femorotibial externas(AFTE),
o AP monopodal mostra uma interlinha normal,c/
sinais indiretos de artrose, como condensação
sbcondral e osteófitos.O perfil mostra
pinçamento pouco significativo.Duração de 8
anos (média 5 anos).
www.traumatologiaeortopedia.com.b
r
CLASSIFICAÇÃO
• Estágio III-é uma fase de artrose c/
desequilíbrio, em que o desgaste ósseo
propicia uma báscula do joelho em apoio
monopodal.A AFTI apresenta varo c/
rotação interna da tibía.O raio X em AP
mostra um pinçamento total da interlinha e
uma báscula do côndilo dentro da cúpula,
sendo a incidência mais eloqüente.
CLASSIFICAÇÃO
• A AFTE apresenta valgo c/ rotação
externa da tíbia.O raio X AP mostra bem o
valgo, que se acentua c/ apoio
monopodal, cúpula externa sempre bem
condesada, e uma decoaptação do
compartimento medial.Fase de evolção
rápida, durando de 1 a 2 anos.
CLASSIFICAÇÃO
• Estágio IV-artrose grave.
• Na AFTI, pelo grande varismo, o côndilo externo
entra em conflito c/ as espinhas tibiais, o que
leva a uma lesão degenerativa do LCA.A patela
apresenta tb lesões importantes, por estar
trabalhando fora de seu eixo normal.
• Na AFTE, o LCA é distendido pelo valgo
progressivo e pelo afrouxamento medial.
• É a fase final da artrose, c/ suprema indicação
cirúrgica.
TRATAMENTO
• Deve-se levar em conta diversos fatores:
• Nível de limitação funcional
• A atividade e a motivação do paciente.
• Os fatores de origem da artrose quando
existentes.
• O estágio da artrose.
• A importância do desvio ósseo no eixo
axial.
www.traumatologiaeortopedia.com.b
r
CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS
• Avaliação do nível de limitação funcional:a dor é
o fator mais importante, mas é o menos
mensurável,sobretudo porque não evolui em
caráter contínuo, tendo períodos de acalmia.A
ação e tolerância de AINES deve ser bem
avaliada.
• O perímetro de marcha é fundamental.Por
vezes é contraditório à cotação da dor.
• A limitação aos planos inclinados e escadas,dá
uma conotação femoropatelar que não pode ser
negligenciada.
CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS
• A ATIVIDADE DO PAC. É UMA apreciação
objetiva que deve influir na indicação, seja
ela esportiva ou do cotidiano.
• Os sinais acessórios têm sua
importância(sensação de
instabilidade,edema).
EXAME FÍSICO
• Deve ser feito c/ o pac. De pé e durante a
marcha.O desvio axial é mais ou menos
evidente ,sobretudo nos obesos.
• A báscula do joelho na marcha é um sinal
importante.Demonstra a aceleração do
desgaste, notando varismo ou valgismo.A não
utilização da flexão na marcha é um sinal de
comprometimento femoropatelar.A existência de
flexo tb é um sinal importante , pricimpalmente
nos estágios iniciais.
• Frouxidão interna ,em ligeira extensão, é sinal
de desgaste do compartimento medial
EXAME FISICO
• Pesquisar sinais de lesão do LCA.
• Hidrartrose e cisto poplíteo podem estar
presente nos estágios iniciais.
TRATAMENTO
• Resume-se à resposta de três questões:fazer
osteotomia, fazer uma prótese, ou trat.
Conservador.
• 1-OSTEOTOMIAS:MISTURAM-SE DOIS
CONCEITOS—osteotomias corretiva de um
desvio ósseo e osteotomia paliativa p/
restabelecimento de um eixo mecânico
femorotibial correto.
• A primeira oferece resultados bons e duráveis e
facilita uma eventual prótese posterior.
www.traumatologiaeortopedia.com.b
r
TRATAMENTO
• As osteotomias paliativas têm resultados
aleatórios e temporários, e seu calo ósseo pode
dificultar a colocação posterior de uma prótese.
• PRÓTESE:são intervenções confiáveis,mas
apresentam restrições.Sua duração ainda é
desconhecida.Pode-se afirmar que ao fim de 15
a 20 anos,apresentarão desgaste ou
afrouxamento.
• É excelente p/ pac. Sedentários, mas discutível
p/ os ativos.Não é compatível p/ aqueles que
querem correr,agachar-se ou praticar qualquer
esporte, mesmo que moderados.
TRAT. CONSERVADOR
• Reeducação muscular e funcional pode
ser de grande utilidade como paliativo da
dor, assim como o uso dos AINES nas
fases dolorosas em qualquer estágio, e
viscossuplementação nos estágios I e II.
TRAT. EM FUNÇÃO DO ESTÁGIO
• I- praticamente não há indicação cirúrgica,c/
exceção de casos c/ lesão meniscal
degenerativa, c/ hidrartrose e dor
constante.Meniscectomia artroscópica é correta.
• II-Nas AFTIs , quando houver um desvio do eixo
femorotibial mecânico superior a 185º e um varo
constitucional da tíbia de 5º,têm indicação de
osteotomia tibial de valgização.Preferem-se as
de subtração externa, fixadas por grampos de
Blount ou c/ placas e parafusos.
TRATAMENTO
• II-Quando o desvio for menor que 185º,s/
varo da tíbia, sugere-se o trat.
Conservador.Para tanto indica-se AINES,
perda de peso corporal e reeducação
muscular.Incentiva-se pratica do ciclismo
e natação.Nas AFTEs , quando existe
uma deformidade óssea, há indicação p/
correção do eixo c/ placa condilar, visando
chegar a 180º de eixo
TRATAMENTO
• III-quando houver degeneração de 2
compartimentos(femorotibial interno ou externo
e femoropatelar) em pessoas acimas de 60
anos, a indicação é de prótese total.
• Havendo apenas um compartimento afetado, a
indicação recai sobre uma prótese
monocompartimental, ou osteotomia, quando
houver defeito ósseo constitucional.
TRATAMENTO
• Estágio IV: prótese total é a única
indicação possível
www.traumatologiaeortopedia.com.b
r

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
Tatiana Lage
 
Modulo 04
Modulo 04Modulo 04
Modulo 04
SemioOrto
 
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Patrícia Oliver
 
Modulo 03
Modulo 03Modulo 03
Modulo 03
SemioOrto
 
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAMPrótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Clube do Joelho
 
Modulo 10
Modulo 10Modulo 10
Modulo 10
SemioOrto
 
Modulo 07
Modulo 07Modulo 07
Modulo 07
SemioOrto
 
Modulo 09
Modulo 09Modulo 09
Modulo 09
SemioOrto
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
Thais Benicio
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
SemioOrto
 
Articulação de quadril
Articulação de quadrilArticulação de quadril
Articulação de quadril
Adriane Cunha
 
Complexo articular do quadril
Complexo articular do quadrilComplexo articular do quadril
Complexo articular do quadril
RogrioRodriguesdeMen
 
Epicondilite lateral
Epicondilite lateralEpicondilite lateral
Epicondilite lateral
Ana Carolina Sousa
 
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. AbdallahPé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
SemioOrto
 
Modulo 19
Modulo 19Modulo 19
Modulo 19
SemioOrto
 
Quadril
QuadrilQuadril
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani
 
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah  Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Joelho
JoelhoJoelho

Mais procurados (20)

Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Modulo 04
Modulo 04Modulo 04
Modulo 04
 
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
Fratura do boxeador.bursite e condromalácia patelar
 
Modulo 03
Modulo 03Modulo 03
Modulo 03
 
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAMPrótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
Prótese do Joelho - Marcos George S Leão - SBCJAM
 
Modulo 10
Modulo 10Modulo 10
Modulo 10
 
Modulo 07
Modulo 07Modulo 07
Modulo 07
 
Modulo 09
Modulo 09Modulo 09
Modulo 09
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
 
Articulação de quadril
Articulação de quadrilArticulação de quadril
Articulação de quadril
 
Complexo articular do quadril
Complexo articular do quadrilComplexo articular do quadril
Complexo articular do quadril
 
Epicondilite lateral
Epicondilite lateralEpicondilite lateral
Epicondilite lateral
 
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. AbdallahPé Cavo  Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
Pé Cavo Dr. Omar Mohamad M. Abdallah
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
 
Modulo 19
Modulo 19Modulo 19
Modulo 19
 
Quadril
QuadrilQuadril
Quadril
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah  Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Instabilidade do Carpo Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 

Semelhante a Artrose e osteotomias

Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
GustavoMiarelliCampo
 
Pé equino
Pé equinoPé equino
Pé equino
Mariacris37
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
Vanessa Rabuske Araujo
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
Nay Ribeiro
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
Rosana
 
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Noara Thomaz
 
Osteoartrite 20
Osteoartrite 20Osteoartrite 20
Osteoartrite 20
pauloalambert
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Kn Expedições
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Luiz Otavio Quintino
 
Luxação de tornozelo e pé
Luxação de tornozelo e péLuxação de tornozelo e pé
Luxação de tornozelo e pé
Danyllo Lucas
 
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelarOsgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
nikkisilva
 
Pé, tornozelo e joelho 2014
Pé, tornozelo e joelho   2014Pé, tornozelo e joelho   2014
Pé, tornozelo e joelho 2014
Claudia Maxwell
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactado
Jiga Jose
 
08 - Tipos de órteses.pdf
08 - Tipos de órteses.pdf08 - Tipos de órteses.pdf
08 - Tipos de órteses.pdf
Joaquim Henrique Lorenzetti Branco
 
Manual estudomovimento 2parte
Manual estudomovimento 2parteManual estudomovimento 2parte
Manual estudomovimento 2parte
ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Fracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptxFracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptx
BernabManuelTepa
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
Potencial Empresário
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
Giselda morais rodrigues do
 

Semelhante a Artrose e osteotomias (20)

Modulo_18.pdf
Modulo_18.pdfModulo_18.pdf
Modulo_18.pdf
 
Pé equino
Pé equinoPé equino
Pé equino
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
 
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
Artefatos e armadilhas na ressonância magnética do ombro1
 
Osteoartrite 20
Osteoartrite 20Osteoartrite 20
Osteoartrite 20
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pgAula de anatomia ossea e lesoes  slides 285 pg
Aula de anatomia ossea e lesoes slides 285 pg
 
Luxação de tornozelo e pé
Luxação de tornozelo e péLuxação de tornozelo e pé
Luxação de tornozelo e pé
 
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelarOsgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
 
Pé, tornozelo e joelho 2014
Pé, tornozelo e joelho   2014Pé, tornozelo e joelho   2014
Pé, tornozelo e joelho 2014
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactado
 
08 - Tipos de órteses.pdf
08 - Tipos de órteses.pdf08 - Tipos de órteses.pdf
08 - Tipos de órteses.pdf
 
Manual estudomovimento 2parte
Manual estudomovimento 2parteManual estudomovimento 2parte
Manual estudomovimento 2parte
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Fracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptxFracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptx
 
Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)Pé torto congenito (clubfoot)
Pé torto congenito (clubfoot)
 
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebralEspondilite anquilosante da coluna vertebral
Espondilite anquilosante da coluna vertebral
 
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docxDISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
DISCIPLINA FRATYRA FEMUR.docx
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
Dr. Márcio Rogério Borges Silveira
 

Mais de Dr. Márcio Rogério Borges Silveira (20)

Osteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozeloOsteocondrite de tornozelo
Osteocondrite de tornozelo
 
Fascite plantar
Fascite plantarFascite plantar
Fascite plantar
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Fratura transtrocanterica
Fratura transtrocantericaFratura transtrocanterica
Fratura transtrocanterica
 
Artroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadrilArtroplastia pri ma ria do quadril
Artroplastia pri ma ria do quadril
 
Tendinite calcaria
Tendinite calcariaTendinite calcaria
Tendinite calcaria
 
Lesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do bicepsLesoes proximais do biceps
Lesoes proximais do biceps
 
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveteradaLuxacao gleno umeral aguda e inveterada
Luxacao gleno umeral aguda e inveterada
 
Lux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicularLux aca o acromioclavicular
Lux aca o acromioclavicular
 
Lesao manguito e impacto
Lesao manguito e impactoLesao manguito e impacto
Lesao manguito e impacto
 
Fratura umero proximal
Fratura umero proximalFratura umero proximal
Fratura umero proximal
 
Fratura de clavicula
Fratura de claviculaFratura de clavicula
Fratura de clavicula
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Fratura radio distal
Fratura radio distalFratura radio distal
Fratura radio distal
 
Fratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femurFratura de diafise de femur
Fratura de diafise de femur
 
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da pernaFraturas diafisarias dos ossos da perna
Fraturas diafisarias dos ossos da perna
 
Fratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umeroFratura diafisaria do umero
Fratura diafisaria do umero
 
Tendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotoveloTendinopatias do cotovelo
Tendinopatias do cotovelo
 
Fratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radioFratura da cabeca do radio
Fratura da cabeca do radio
 
Ruptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do bicepsRuptura distal do tendao do biceps
Ruptura distal do tendao do biceps
 

Último

CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
bentosst
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
SmeladeOliveira1
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
DentiKi
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Misael Rabelo de Martins Custódio
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
RAILANELIMAGOMES
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Werberth Ladislau Rodrigues da Silveira
 

Último (6)

CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
 

Artrose e osteotomias

  • 2. GONOARTROSE • As lesões cartilaginosas constituem sem dúvida o primeiro estágio de uma artrose,porém sua evolução não é obrigatória • Radiograficamente, fala-se de artrose quando se constata um osteófito ou uma remodelação de um dos compartimentos. • Do ponto de vista ortopédico,diz-se que existe uma artrose quando há uma lesão em espelho das duas superf. Articulares c/ abrasão da cartilagem e, ao menos em um ponto, o osso subcondral está exposto nas duas superf. De contato
  • 3. ARTROSE FEMOROTIBIAL • Para entender a sua evolução é preciso ter em mente três conceitos de biomecânica: 1-a marcha leva a compensação em varo obrigatoriamente. • 2-as posições de estabilidade do joelho são duas:em varo e em rotação interna proximas da extensão e em valgo e rotação externa na flexão. • 3-durante a marcha o joelho está sempre entre 10 e 70º de flexão. O apoio é feito entre 20 e 50º.
  • 4. EVOLUÇÃO ANATÔMICA DA ARTROSE • DESGASTE ÓSSO:essa lesão é primeiramente bem localizada no ponto de hiperpressão máxima.Durante a marcha,na fase de apoio monopodal, o joelho está sempre em ligeira flexão, e o ponto máximo de hiperpressão situa- se entre 30 e 45º de flexão. • Quando há uma artrose , pode-se dizer q em um ponto da superf. Articular existe um pinçamento total da interlinha c/ desaparecimento do espaço cartilaginoso.
  • 5. DESGASTE ÓSSEO • A lesão tibial permanece localizada por um longo período, enquanto a femoral se extende rapidamente sobre o côndilo,no setor angular correspondente da marcha(10 a 70º). • A partir desse momento, a evoluçao é ligada essencialmente ligada ao desgaste tibial.Forma- se uma cúpula que se estende lateralmente e da frente p/ trás.Nessa ocasião, o pinçamento torna-se visível.
  • 6.
  • 7. DESEQUILÍBRIO • A existência de uma cúpula tibial em que o côndilo femoral mergulha durante o apoio monopodal vai,aos poucos,levando a um desequilíbrio do joelho.Esse estado revela a perda de apoio do côndilo contralateral.Quando em presença de uma instabilidade ligamentar anterior crônica, o desequilibrio é ainda mais evidente.Apresentará umdeslizamento progressivo do maciço das espinhas tibiais em relação ao côndilo externo, entrando em conflito. www.traumatologiaeortopedia.com.b r
  • 8. FATORES ETIOLÓGICOS • 1-Idade: é uma afecção degenerativa do idoso.O ínício das manifestações clínicas dá-se entre os 50 e 60 anos.Os sintomas têm correlação c/ o nível de atividade do indivíduo.Nos sedentários o início chega a passar desapercebido.Nos sujeitos mais velhos, a evolução é mais rápida.
  • 9. FATORES ETIOLÓGICOS • 2-SEXO-predominância no sexo feminino.Para isso há duas explicações possíveis:1- osteoporose pós-menopausa, que pode favorecer o desgaste ósseo. • 2-nível de atividade física durante a vida.Mulheres nessa faixa etária tem musc. Menos desenvolvida. • 3-Morfotipos:varo e de eixo normal tem tendência a apresentar artrse femotibial interna(70%),morfotipo valgo tende a sofrer de artrose femorotibialo externa.
  • 10. FATORES ETIOLÓGICOS • 4-BIOTIPO:o peso corporal é sem dúvida um fator muito importante p/ o desenvolvimento de gonoartrose.Aumenta a pressão sobre a articulação;obesos tem musculatura menos desenvolvida.
  • 11. ESTUDO RADIOGRÁFICO • Deve ser feito em 10 e 30º de flexão: • AP monopodal(evidencia os desvios de eixo e permite medir o eixo femotibial) • Perfil monopodal(define e localiza a cúpula tibial) • Axial em 30º(mostra degenerações femorotibial) • Túnel intercondilar(mostra osteófitos do espaço intercondilar,responsáveis por bloqueios da extensão)
  • 12. CLASSIFICAÇÕES DAS ARTROSES FEMOROTIBIAIS • Classificação de Dejour. • Estágio I-pré-artrose.Não há lesão de osso subcondral apenas abrasão da cartilagem.Às vezes se apresenta como uma lesão meniscal degenerativa,hidrartrose,sinovite e cisto poplíteo.As radiografias são normais.Estima-se que em média,leva 10 anos(média de 5 anos) p/ chegar ao estágio II.
  • 13.
  • 14. CLASSIFICAÇÃO • Estágio II-artrose inicial.Pouco sintomático e até assintomático.Nas artroses femorotibiais internas (AFTI), o raio X mostra um pinçamento parcial na incidência AP e, de perfil, mostra um pinçamento efetivo na parte central do platô tibial.Nas artroses femorotibial externas(AFTE), o AP monopodal mostra uma interlinha normal,c/ sinais indiretos de artrose, como condensação sbcondral e osteófitos.O perfil mostra pinçamento pouco significativo.Duração de 8 anos (média 5 anos). www.traumatologiaeortopedia.com.b r
  • 15.
  • 16. CLASSIFICAÇÃO • Estágio III-é uma fase de artrose c/ desequilíbrio, em que o desgaste ósseo propicia uma báscula do joelho em apoio monopodal.A AFTI apresenta varo c/ rotação interna da tibía.O raio X em AP mostra um pinçamento total da interlinha e uma báscula do côndilo dentro da cúpula, sendo a incidência mais eloqüente.
  • 17.
  • 18. CLASSIFICAÇÃO • A AFTE apresenta valgo c/ rotação externa da tíbia.O raio X AP mostra bem o valgo, que se acentua c/ apoio monopodal, cúpula externa sempre bem condesada, e uma decoaptação do compartimento medial.Fase de evolção rápida, durando de 1 a 2 anos.
  • 19.
  • 20. CLASSIFICAÇÃO • Estágio IV-artrose grave. • Na AFTI, pelo grande varismo, o côndilo externo entra em conflito c/ as espinhas tibiais, o que leva a uma lesão degenerativa do LCA.A patela apresenta tb lesões importantes, por estar trabalhando fora de seu eixo normal. • Na AFTE, o LCA é distendido pelo valgo progressivo e pelo afrouxamento medial. • É a fase final da artrose, c/ suprema indicação cirúrgica.
  • 21.
  • 22. TRATAMENTO • Deve-se levar em conta diversos fatores: • Nível de limitação funcional • A atividade e a motivação do paciente. • Os fatores de origem da artrose quando existentes. • O estágio da artrose. • A importância do desvio ósseo no eixo axial. www.traumatologiaeortopedia.com.b r
  • 23. CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS • Avaliação do nível de limitação funcional:a dor é o fator mais importante, mas é o menos mensurável,sobretudo porque não evolui em caráter contínuo, tendo períodos de acalmia.A ação e tolerância de AINES deve ser bem avaliada. • O perímetro de marcha é fundamental.Por vezes é contraditório à cotação da dor. • A limitação aos planos inclinados e escadas,dá uma conotação femoropatelar que não pode ser negligenciada.
  • 24. CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS • A ATIVIDADE DO PAC. É UMA apreciação objetiva que deve influir na indicação, seja ela esportiva ou do cotidiano. • Os sinais acessórios têm sua importância(sensação de instabilidade,edema).
  • 25. EXAME FÍSICO • Deve ser feito c/ o pac. De pé e durante a marcha.O desvio axial é mais ou menos evidente ,sobretudo nos obesos. • A báscula do joelho na marcha é um sinal importante.Demonstra a aceleração do desgaste, notando varismo ou valgismo.A não utilização da flexão na marcha é um sinal de comprometimento femoropatelar.A existência de flexo tb é um sinal importante , pricimpalmente nos estágios iniciais. • Frouxidão interna ,em ligeira extensão, é sinal de desgaste do compartimento medial
  • 26. EXAME FISICO • Pesquisar sinais de lesão do LCA. • Hidrartrose e cisto poplíteo podem estar presente nos estágios iniciais.
  • 27. TRATAMENTO • Resume-se à resposta de três questões:fazer osteotomia, fazer uma prótese, ou trat. Conservador. • 1-OSTEOTOMIAS:MISTURAM-SE DOIS CONCEITOS—osteotomias corretiva de um desvio ósseo e osteotomia paliativa p/ restabelecimento de um eixo mecânico femorotibial correto. • A primeira oferece resultados bons e duráveis e facilita uma eventual prótese posterior. www.traumatologiaeortopedia.com.b r
  • 28. TRATAMENTO • As osteotomias paliativas têm resultados aleatórios e temporários, e seu calo ósseo pode dificultar a colocação posterior de uma prótese. • PRÓTESE:são intervenções confiáveis,mas apresentam restrições.Sua duração ainda é desconhecida.Pode-se afirmar que ao fim de 15 a 20 anos,apresentarão desgaste ou afrouxamento. • É excelente p/ pac. Sedentários, mas discutível p/ os ativos.Não é compatível p/ aqueles que querem correr,agachar-se ou praticar qualquer esporte, mesmo que moderados.
  • 29. TRAT. CONSERVADOR • Reeducação muscular e funcional pode ser de grande utilidade como paliativo da dor, assim como o uso dos AINES nas fases dolorosas em qualquer estágio, e viscossuplementação nos estágios I e II.
  • 30. TRAT. EM FUNÇÃO DO ESTÁGIO • I- praticamente não há indicação cirúrgica,c/ exceção de casos c/ lesão meniscal degenerativa, c/ hidrartrose e dor constante.Meniscectomia artroscópica é correta. • II-Nas AFTIs , quando houver um desvio do eixo femorotibial mecânico superior a 185º e um varo constitucional da tíbia de 5º,têm indicação de osteotomia tibial de valgização.Preferem-se as de subtração externa, fixadas por grampos de Blount ou c/ placas e parafusos.
  • 31.
  • 32. TRATAMENTO • II-Quando o desvio for menor que 185º,s/ varo da tíbia, sugere-se o trat. Conservador.Para tanto indica-se AINES, perda de peso corporal e reeducação muscular.Incentiva-se pratica do ciclismo e natação.Nas AFTEs , quando existe uma deformidade óssea, há indicação p/ correção do eixo c/ placa condilar, visando chegar a 180º de eixo
  • 33.
  • 34. TRATAMENTO • III-quando houver degeneração de 2 compartimentos(femorotibial interno ou externo e femoropatelar) em pessoas acimas de 60 anos, a indicação é de prótese total. • Havendo apenas um compartimento afetado, a indicação recai sobre uma prótese monocompartimental, ou osteotomia, quando houver defeito ósseo constitucional.
  • 35. TRATAMENTO • Estágio IV: prótese total é a única indicação possível www.traumatologiaeortopedia.com.b r