SlideShare uma empresa Scribd logo
A herança pré-helénica
Cultura minóica
Palácio de Minos, Cnossos, c. 1500 a.c.
Utilização de colunas de forma
troncocónica, inspirada na
arquitetura egípcia.
+
Colunas associadas a poder,
autoridade e soberania
Cultura micénica
Porta dos Leões é um grande
relevo trabalhado em pedra,
ornado por duas feras
afrontadas (leoas), que estão
a ladear uma coluna cretense
e funcionam como guardiões
do Palácio de Micenas.
É notória uma forte influência do
Próximo Oriente Antigo, pela função
que desempenham, pelo formato dos
corpos em tensão muito musculados
(representando o poder e a soberania)
e pela simetria de toda a composição.
Cultura micénica Coluna de fuste troncocónico
Simetria Força e soberania
Esta estrutura básica tornou-se, a
pouco e pouco, mais complexa, de
maiores dimensões e rodeada de
colunas.
O Mégaron micénico
A forma e estruturas básicas
dos templos gregos evoluíram
a partir do mégaron micénico,
que era formado por uma sala
quadrangular, um vestíbulo ou
pórtico suportado por duas
colunas e com telhado de duas
águas).
O Mégaron micénico
Era provavelmente usado para declamação de poesia, festas, rituais religiosos,
sacrifícios e conselhos de guerra.
Originalmente era muito colorida. Feitos com a ordem arquitetónica minóica, os
interiores de tijolo queimado e enormes vigas de madeira moldavam o edifício.
O telhado era de telhas de cerâmica e ladrilhos de terracota.
O Mégaron micénico
Domos (grande sala): quatro colunas em
volta de uma lareira central
Prothyron (pórtico de entrada)
Prodomos (sala de antecâmara)
Períodos da Arquitetura grega
Período
arcaico Séc. VIII a.c. a
V a.c.
Desenvolvem-se os princípios da arte
grega.
Aparecem os elementos básicos das
construções gregas, assim como das ordens
arquitetónicas
Período
clássico
2ª metade do
séc. V a.c. e
séc. IV
É o período de maior esplendor, chamado
Século de Péricles.
 Assistiu a um grande desenvolvimento da
literatura, direito, filosofia, astronomia,
comércio e táticas militares
Período
helenístico
Séc. III a.c. ao
início da era
cristã
Período de decadência.
Fusão de ideias e culturas de outras
civilizações da Antiguidade.
O TEMPLO COMO EXPRESSÃO MÁXIMA DA
ARQUITETURA GREGA
Harmonia entre o
Homem e a Natureza
Equilíbrio entre a
sociedade e o Universo
União entre o Homem e
os Deuses
Os arquitetos gregos elaboraram projetos nos quais constavam o estudo
topográfico do terreno, a adaptação do edifício ao relevo e a escolha
criteriosa da ordem, de acordo com o tipo de edifício.
Depois elaboravam cálculos onde as medidas e as proporções eram
rigorosamente estabelecidas.
Criavam ainda maquetas, em
madeira ou terracota, que
eram submetidas
posteriormente a aprovação
final.
O templo foi o edifício de maior expressão da arquitetura grega.
Era a morada e abrigo da
divindade, local onde se colocava
a sua imagem, à qual os fiéis não
tinham acesso, pois os rituais
eram realizados ao ar livre, ao
redor do templo (os fiéis apenas
subiam ao templo para
entregarem oferendas e
realizarem sacrifícios).
Também por esse motivo havia uma
maior preocupação com a decoração
exterior do que com a interior.
Também por esse motivo
havia uma maior preocupação
com a decoração exterior do
que com a interior.
Assume um caráter
fortemente estético, tal como
uma escultura
“Morada dos deuses”
Ideais de proporção, harmonia e perfeição
Proporção = acordo de dimensões entre as
partes de um objeto ou do seu todo
Harmonia = acordo perfeito entre as partes
de um todo, contemplando a simetria,
regularidade, equilíbrio, conformidade,
coerência, proporção, ordem ou concordância
Ideais de proporção, harmonia e perfeição
Pesquisas racionais e morfológicas tomam como
referência o corpo humano
Antropocentrismo
Os cânones
Conjunto de regras e princípios
fundamentais de proporções e
estrutura das obras, correspondente
a um padrão ideal normativo que
deve ser seguido com rigor e
disciplina na sua execução
O sistema trilítico
 Trilítico vem de três (tri) pedras (lithos)
 Este sistema já era usado na Mesopotâmia e Egipto antigos
1 2
3
2 elementos de suporte vertical: colunas
1 elemento horizontal de cobertura:
arquitrave e vigas de telhado
Utilizava o sistema de construção trilítico definido por pilares verticais
unidos por lintéis (arquitrave) horizontais
Não existiam praticamente nem curvas nem arcos
Os primeiros templos foram
construídos de madeira e tijolos
de barro, mas no fim do séc VI
a.C., passaram a ser construídos
de pedra calcária.
O mármore, que podia ser
polido e trabalhado até à
perfeição, tornou-se cada vez
mais utilizado.
Os primeiros templos
Estrutura planimétrica do templo (planta)
•a pronaos (espécie de pórtico);
•a naos ou cella (local onde se
encontrava a estátua da divindade)
•opistódomos (câmara do tesouro onde
eram guardados os bens preciosos da
cidade, assim com as oferendas ao Deus).
Esta estrutura tripartida era rodeada por
um peristilo, uma espécie de corredor
coberto e circundante, por onde
circulavam os fiéis
Segundo a distribuição de colunas:
Períptero Pseudoperíptero Prostilo Anfiprostilo
Tipo de templos gregos
Períptero
O templo é completamente rodeado de colunas.
Pseudoperíptero
Quando uma fila ou mais de colunas está
embebida nas paredes do naos.
Prostilo
O templo só tem colunas na fachada.
Anfiprostilo
O templo apresenta colunas nas fachadas
principal e posterior.
Segundo número de filas de colunas:
Monóptero Díptero Pseudodíptero Pseudodíptero
Tipo de templos gregos
Segundo número de colunas na fachada
Tetrástilo: 4 colunas na fachada;
Pentastilo: 5 colunas na fachada;
Hexástilo: 6 colunas na fachada;
Octastilo ou octostilo: 8 colunas na fachada;
Decástilo: 10 colunas na fachada;
Dodecástilo:12 colunas na fachada.
Tipo de templos gregos
Esquema de um templo grego
Esquema de um templo grego
AS ORDENS ARQUITETÓNICAS
Cobertura
Coluna
Frontão
Arquitrave
Cornija
Telhado
Fuste
dórico com
canelado de
arestas
vivas
ORDENS
ARQUITECTÓNICAS
DÓRICO
Ordem dórica
Ordem dórica - Nasceu na Grécia Continental por volta de em 600 a.C.;
•possui formas geométricas e a sua decoração é quase inexistente;
•não tem qualquer tipo de base, assenta directamente no estilóbato (último
degrau, superior, onde assenta o edifício);
•apresenta um aspecto sóbrio, pesado e maciço, traduzindo assim a forma do
homem;
• o fuste é robusto e com caneluras em aresta viva e capitel formado pelo
ábaco e equino ou coxim, extremamente simples e geométrico, com forma de
almofada.
•Simboliza a imponência e a solidez.
Dórico
FICHA:
Partenon, construído na acrópole de Atenas
por ordem de Péricles. Arquitectos: Ictinos e
Calícrates. Escultor principal: Fídias. Data: séc.
V a.C. (447-438 a.C.)
JÓNICO
CoberturaColuna
Frontão
Arquitrave
Cornija
Telhado
Fuste
jónico com
canelado de
arestas
aparadas
Ordem jónica
Ordem jónica - Nasceu na Jónia no séc. VI a.C.;
difere da ordem anterior nas proporções de todos os elementos e na decoração
mais abundante da coluna e do entablamento e pela coluna assentar numa base;
•pelas suas dimensões e formas mais esbeltas, traduz a forma da mulher;
• possui um fuste mais longo e delgado, com caneluras semicilíndricas, sem arestas
vivas, e em maior número que na ordem dórica;
•o capitel possuía um ábaco simples e o equino em forma de volutas enroladas em
espiral.
Jónico
Ficha:
Templo de Atena Niké,
construído na acrópole
de Atenas por ordem
de Péricles. Data: séc.
V a.C.
Nalguns casos, as colunas jónicas
podem ser substituídas por
cariátides, como no Erecteion (421-
406 a.C.), na acrópole de Atenas.
CORINTIO
Ordem coríntia - Apenas apareceu no final do séc. V a.C. e é uma derivação da
ordem jónica, resultado do seu enriquecimento decorativo;
•possuía um capitel com forma de sino invertido, decorado com folhas de
acanto, coroadas por volutas jónicas;
•a sua base era mais trabalhada e o fuste mais adelgado; simboliza a ambição,
a riqueza, o poder, o luxo e a ostentação.
Coríntio
Templo de Zeus, em Atenas, sécs.VI – IV.
A.C.
Comparar as ordens
CoberturaColuna
Frontão
Arquitrave
Cornija
Telhado
Fuste
dórico
com
canela
do de
aresta
s
vivas
CoberturaColuna
Frontão
Arquitrave
Cornija
Telhado
Fuste
jónico
com
canela
do de
arestas
aparad
as
Ordem jónicaOrdem dórica
Tholos
Tholos de Atena, em Delfos,
séc. IV (380-360 a.C.), com
colunas coríntias.
A simetria era uma das característica das construções gregas e foi
em parte atingida através de um processo conhecido como entasis
destinado a eliminar as ilusões de óptica.
Os gregos aplicaram as correcções ópticas: as linhas rectas eram substituídas por linhas
curvas. As arquitraves côncavas, paredes internas e colunas eram inclinadas para dentro,
ábacos e cornijas sobressaiam das paredes, o fuste das colunas reduzia com a altura e as
estrias menos pronunciadas na parte superior diminuíam a sensação de tortuosidade.
As correções de ótica
Ligeiramente
inclinadas para
o interior
O espaço entre colunas é
ligeiramente mais pequeno no
centro que nas colunas laterais
Características gerais
 Sistema trilítico
 Métrica e decoração fixas - uso das ordens arquitectónicas:
dórica, jónica e coríntia
 Valores estéticos: proporção, harmonia e simetria
 Obediência aos cânones
 Dominância da horizontalidade
 Prevalência do exterior e do valor urbanístico sobre o espaço
interior
 Arquitetura ao serviço da vida pública e da vida religiosa
Ordens Dórica Jónica Coríntia
Data
Local
Características
gerais
Envasamento
Coluna
Exemplos
Trabalho para casa
TPC: Escolher um templo grego e
caracterizá-lo de acordo com a ordem
arquitectónica que apresenta.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Partenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa NikéPartenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa Niké
Ana Barreiros
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.
Guilherme Calixto Vicente
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
Ana Barreiros
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
TLopes
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
Ana Barreiros
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
Ana Barreiros
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
Carla Freitas
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
Hca Faro
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
Carla Freitas
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
Flávia Marques
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
nadyne leite
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
Ana Barreiros
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
Ana Barreiros
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
Ana Barreiros
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
Duarte Súcia
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
glauci coelho
 

Mais procurados (20)

Partenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa NikéPartenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa Niké
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
 

Destaque

Templos Gregos
Templos GregosTemplos Gregos
Templos Gregos
Sílvia Mendonça
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
Ana Barreiros
 
Resumo final av2 historia da arte (2)
Resumo final av2   historia da arte (2)Resumo final av2   historia da arte (2)
Resumo final av2 historia da arte (2)
Tania Maria Araujo
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
beljinaldo
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
Lojinha da Flor
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
Escoladocs
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 
A historia da_arte
A historia da_arteA historia da_arte
A historia da_arte
Ana Barreiros
 
Soutode moura
Soutode mouraSoutode moura
Soutode moura
Ana Barreiros
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 
A batalha de salamina
A batalha de salaminaA batalha de salamina
A batalha de salamina
Ana Barreiros
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
Helena almeida
Helena almeidaHelena almeida
Helena almeida
Ana Barreiros
 
Paula rego
Paula regoPaula rego
Paula rego
Ana Barreiros
 
Songhai
SonghaiSonghai
Império Songhai
Império SonghaiImpério Songhai
Império Songhai
2dot4
 
O Reino de Cartago
O Reino de CartagoO Reino de Cartago
O Reino de Cartago
2dot4
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
Vanessa Frugoli
 

Destaque (20)

Templos Gregos
Templos GregosTemplos Gregos
Templos Gregos
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Resumo final av2 historia da arte (2)
Resumo final av2   historia da arte (2)Resumo final av2   historia da arte (2)
Resumo final av2 historia da arte (2)
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 
A historia da_arte
A historia da_arteA historia da_arte
A historia da_arte
 
Soutode moura
Soutode mouraSoutode moura
Soutode moura
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 
A batalha de salamina
A batalha de salaminaA batalha de salamina
A batalha de salamina
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Helena almeida
Helena almeidaHelena almeida
Helena almeida
 
Paula rego
Paula regoPaula rego
Paula rego
 
Songhai
SonghaiSonghai
Songhai
 
Império Songhai
Império SonghaiImpério Songhai
Império Songhai
 
O Reino de Cartago
O Reino de CartagoO Reino de Cartago
O Reino de Cartago
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 

Semelhante a Arquitetura grega

A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicioA arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
Pkena Keila
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
NunoOliveira413523
 
Arquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia AntigaArquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia Antiga
Lyzaa Martha
 
Arquitectura grega
Arquitectura gregaArquitectura grega
Arquitectura grega
Cátia Morgado
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
HCA_10I
 
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B ArtesJorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
jorgeeflavio
 
332699.ppt
332699.ppt332699.ppt
332699.ppt
GustavoRolim11
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
GabrielaSanita
 
GréCia Arte Resumos
GréCia Arte ResumosGréCia Arte Resumos
GréCia Arte Resumos
Isidro Santos
 
A ARTE NO EGITO arquitetura.pdf
A ARTE NO EGITO arquitetura.pdfA ARTE NO EGITO arquitetura.pdf
A ARTE NO EGITO arquitetura.pdf
ssuserb5a19b
 
Arquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega AntigaArquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega Antiga
duartcr
 
Ordem arquitectónica
Ordem arquitectónicaOrdem arquitectónica
Ordem arquitectónica
forte10pm1
 
Os Templos Gregos
Os Templos GregosOs Templos Gregos
Os Templos Gregos
Mariana1112
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
rhachel
 
U_ARQ- Arquitetura Clássica
U_ARQ- Arquitetura ClássicaU_ARQ- Arquitetura Clássica
U_ARQ- Arquitetura Clássica
ale2405
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
Rita Cavalheiro
 
Arquitetura
ArquiteturaArquitetura
Arquitetura
Rhaissa Coutinho
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
VIVIAN TROMBINI
 
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Susana Simões
 
Arquitectura grega clássica - O Partenon
Arquitectura grega clássica - O PartenonArquitectura grega clássica - O Partenon
Arquitectura grega clássica - O Partenon
Maria Barroso
 

Semelhante a Arquitetura grega (20)

A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicioA arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
 
Arquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia AntigaArquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia Antiga
 
Arquitectura grega
Arquitectura gregaArquitectura grega
Arquitectura grega
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B ArtesJorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
 
332699.ppt
332699.ppt332699.ppt
332699.ppt
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
 
GréCia Arte Resumos
GréCia Arte ResumosGréCia Arte Resumos
GréCia Arte Resumos
 
A ARTE NO EGITO arquitetura.pdf
A ARTE NO EGITO arquitetura.pdfA ARTE NO EGITO arquitetura.pdf
A ARTE NO EGITO arquitetura.pdf
 
Arquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega AntigaArquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega Antiga
 
Ordem arquitectónica
Ordem arquitectónicaOrdem arquitectónica
Ordem arquitectónica
 
Os Templos Gregos
Os Templos GregosOs Templos Gregos
Os Templos Gregos
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
 
U_ARQ- Arquitetura Clássica
U_ARQ- Arquitetura ClássicaU_ARQ- Arquitetura Clássica
U_ARQ- Arquitetura Clássica
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
 
Arquitetura
ArquiteturaArquitetura
Arquitetura
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
 
Arquitectura grega clássica - O Partenon
Arquitectura grega clássica - O PartenonArquitectura grega clássica - O Partenon
Arquitectura grega clássica - O Partenon
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
Ana Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
Ana Barreiros
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Ana Barreiros
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
Ana Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 

Último

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Arquitetura grega

  • 1.
  • 3. Cultura minóica Palácio de Minos, Cnossos, c. 1500 a.c. Utilização de colunas de forma troncocónica, inspirada na arquitetura egípcia. + Colunas associadas a poder, autoridade e soberania
  • 4. Cultura micénica Porta dos Leões é um grande relevo trabalhado em pedra, ornado por duas feras afrontadas (leoas), que estão a ladear uma coluna cretense e funcionam como guardiões do Palácio de Micenas. É notória uma forte influência do Próximo Oriente Antigo, pela função que desempenham, pelo formato dos corpos em tensão muito musculados (representando o poder e a soberania) e pela simetria de toda a composição.
  • 5. Cultura micénica Coluna de fuste troncocónico Simetria Força e soberania
  • 6. Esta estrutura básica tornou-se, a pouco e pouco, mais complexa, de maiores dimensões e rodeada de colunas. O Mégaron micénico A forma e estruturas básicas dos templos gregos evoluíram a partir do mégaron micénico, que era formado por uma sala quadrangular, um vestíbulo ou pórtico suportado por duas colunas e com telhado de duas águas).
  • 7. O Mégaron micénico Era provavelmente usado para declamação de poesia, festas, rituais religiosos, sacrifícios e conselhos de guerra. Originalmente era muito colorida. Feitos com a ordem arquitetónica minóica, os interiores de tijolo queimado e enormes vigas de madeira moldavam o edifício. O telhado era de telhas de cerâmica e ladrilhos de terracota.
  • 8. O Mégaron micénico Domos (grande sala): quatro colunas em volta de uma lareira central Prothyron (pórtico de entrada) Prodomos (sala de antecâmara)
  • 9. Períodos da Arquitetura grega Período arcaico Séc. VIII a.c. a V a.c. Desenvolvem-se os princípios da arte grega. Aparecem os elementos básicos das construções gregas, assim como das ordens arquitetónicas Período clássico 2ª metade do séc. V a.c. e séc. IV É o período de maior esplendor, chamado Século de Péricles.  Assistiu a um grande desenvolvimento da literatura, direito, filosofia, astronomia, comércio e táticas militares Período helenístico Séc. III a.c. ao início da era cristã Período de decadência. Fusão de ideias e culturas de outras civilizações da Antiguidade.
  • 10. O TEMPLO COMO EXPRESSÃO MÁXIMA DA ARQUITETURA GREGA Harmonia entre o Homem e a Natureza Equilíbrio entre a sociedade e o Universo União entre o Homem e os Deuses
  • 11. Os arquitetos gregos elaboraram projetos nos quais constavam o estudo topográfico do terreno, a adaptação do edifício ao relevo e a escolha criteriosa da ordem, de acordo com o tipo de edifício. Depois elaboravam cálculos onde as medidas e as proporções eram rigorosamente estabelecidas. Criavam ainda maquetas, em madeira ou terracota, que eram submetidas posteriormente a aprovação final.
  • 12. O templo foi o edifício de maior expressão da arquitetura grega. Era a morada e abrigo da divindade, local onde se colocava a sua imagem, à qual os fiéis não tinham acesso, pois os rituais eram realizados ao ar livre, ao redor do templo (os fiéis apenas subiam ao templo para entregarem oferendas e realizarem sacrifícios). Também por esse motivo havia uma maior preocupação com a decoração exterior do que com a interior.
  • 13. Também por esse motivo havia uma maior preocupação com a decoração exterior do que com a interior. Assume um caráter fortemente estético, tal como uma escultura
  • 14. “Morada dos deuses” Ideais de proporção, harmonia e perfeição
  • 15. Proporção = acordo de dimensões entre as partes de um objeto ou do seu todo
  • 16. Harmonia = acordo perfeito entre as partes de um todo, contemplando a simetria, regularidade, equilíbrio, conformidade, coerência, proporção, ordem ou concordância
  • 17. Ideais de proporção, harmonia e perfeição Pesquisas racionais e morfológicas tomam como referência o corpo humano Antropocentrismo
  • 18. Os cânones Conjunto de regras e princípios fundamentais de proporções e estrutura das obras, correspondente a um padrão ideal normativo que deve ser seguido com rigor e disciplina na sua execução
  • 19. O sistema trilítico  Trilítico vem de três (tri) pedras (lithos)  Este sistema já era usado na Mesopotâmia e Egipto antigos 1 2 3 2 elementos de suporte vertical: colunas 1 elemento horizontal de cobertura: arquitrave e vigas de telhado Utilizava o sistema de construção trilítico definido por pilares verticais unidos por lintéis (arquitrave) horizontais Não existiam praticamente nem curvas nem arcos
  • 20. Os primeiros templos foram construídos de madeira e tijolos de barro, mas no fim do séc VI a.C., passaram a ser construídos de pedra calcária. O mármore, que podia ser polido e trabalhado até à perfeição, tornou-se cada vez mais utilizado. Os primeiros templos
  • 21. Estrutura planimétrica do templo (planta) •a pronaos (espécie de pórtico); •a naos ou cella (local onde se encontrava a estátua da divindade) •opistódomos (câmara do tesouro onde eram guardados os bens preciosos da cidade, assim com as oferendas ao Deus). Esta estrutura tripartida era rodeada por um peristilo, uma espécie de corredor coberto e circundante, por onde circulavam os fiéis
  • 22. Segundo a distribuição de colunas: Períptero Pseudoperíptero Prostilo Anfiprostilo Tipo de templos gregos
  • 23. Períptero O templo é completamente rodeado de colunas.
  • 24. Pseudoperíptero Quando uma fila ou mais de colunas está embebida nas paredes do naos.
  • 25. Prostilo O templo só tem colunas na fachada.
  • 26. Anfiprostilo O templo apresenta colunas nas fachadas principal e posterior.
  • 27. Segundo número de filas de colunas: Monóptero Díptero Pseudodíptero Pseudodíptero Tipo de templos gregos
  • 28. Segundo número de colunas na fachada Tetrástilo: 4 colunas na fachada; Pentastilo: 5 colunas na fachada; Hexástilo: 6 colunas na fachada; Octastilo ou octostilo: 8 colunas na fachada; Decástilo: 10 colunas na fachada; Dodecástilo:12 colunas na fachada. Tipo de templos gregos
  • 29. Esquema de um templo grego
  • 30. Esquema de um templo grego
  • 33. Ordem dórica - Nasceu na Grécia Continental por volta de em 600 a.C.; •possui formas geométricas e a sua decoração é quase inexistente; •não tem qualquer tipo de base, assenta directamente no estilóbato (último degrau, superior, onde assenta o edifício); •apresenta um aspecto sóbrio, pesado e maciço, traduzindo assim a forma do homem; • o fuste é robusto e com caneluras em aresta viva e capitel formado pelo ábaco e equino ou coxim, extremamente simples e geométrico, com forma de almofada. •Simboliza a imponência e a solidez.
  • 34. Dórico FICHA: Partenon, construído na acrópole de Atenas por ordem de Péricles. Arquitectos: Ictinos e Calícrates. Escultor principal: Fídias. Data: séc. V a.C. (447-438 a.C.)
  • 36. Ordem jónica - Nasceu na Jónia no séc. VI a.C.; difere da ordem anterior nas proporções de todos os elementos e na decoração mais abundante da coluna e do entablamento e pela coluna assentar numa base; •pelas suas dimensões e formas mais esbeltas, traduz a forma da mulher; • possui um fuste mais longo e delgado, com caneluras semicilíndricas, sem arestas vivas, e em maior número que na ordem dórica; •o capitel possuía um ábaco simples e o equino em forma de volutas enroladas em espiral.
  • 37. Jónico Ficha: Templo de Atena Niké, construído na acrópole de Atenas por ordem de Péricles. Data: séc. V a.C. Nalguns casos, as colunas jónicas podem ser substituídas por cariátides, como no Erecteion (421- 406 a.C.), na acrópole de Atenas.
  • 39. Ordem coríntia - Apenas apareceu no final do séc. V a.C. e é uma derivação da ordem jónica, resultado do seu enriquecimento decorativo; •possuía um capitel com forma de sino invertido, decorado com folhas de acanto, coroadas por volutas jónicas; •a sua base era mais trabalhada e o fuste mais adelgado; simboliza a ambição, a riqueza, o poder, o luxo e a ostentação.
  • 40. Coríntio Templo de Zeus, em Atenas, sécs.VI – IV. A.C.
  • 41. Comparar as ordens CoberturaColuna Frontão Arquitrave Cornija Telhado Fuste dórico com canela do de aresta s vivas CoberturaColuna Frontão Arquitrave Cornija Telhado Fuste jónico com canela do de arestas aparad as Ordem jónicaOrdem dórica
  • 42. Tholos Tholos de Atena, em Delfos, séc. IV (380-360 a.C.), com colunas coríntias.
  • 43. A simetria era uma das característica das construções gregas e foi em parte atingida através de um processo conhecido como entasis destinado a eliminar as ilusões de óptica. Os gregos aplicaram as correcções ópticas: as linhas rectas eram substituídas por linhas curvas. As arquitraves côncavas, paredes internas e colunas eram inclinadas para dentro, ábacos e cornijas sobressaiam das paredes, o fuste das colunas reduzia com a altura e as estrias menos pronunciadas na parte superior diminuíam a sensação de tortuosidade. As correções de ótica
  • 44. Ligeiramente inclinadas para o interior O espaço entre colunas é ligeiramente mais pequeno no centro que nas colunas laterais
  • 45. Características gerais  Sistema trilítico  Métrica e decoração fixas - uso das ordens arquitectónicas: dórica, jónica e coríntia  Valores estéticos: proporção, harmonia e simetria  Obediência aos cânones  Dominância da horizontalidade  Prevalência do exterior e do valor urbanístico sobre o espaço interior  Arquitetura ao serviço da vida pública e da vida religiosa
  • 46. Ordens Dórica Jónica Coríntia Data Local Características gerais Envasamento Coluna Exemplos
  • 47. Trabalho para casa TPC: Escolher um templo grego e caracterizá-lo de acordo com a ordem arquitectónica que apresenta. FIM

Notas do Editor

  1. 5. Orden Dórico: Es el orden más sencillo de todos. La columna no tiene base, el fuste tiene estrías de cantos vivos, y al pie del fuste encontramos el collarino, imitación al que hacían en los troncos de madera en los inicios. Su capitel está compuesto por dos partes: ábaco y equino. Se trata de una arquitectura arquitrabada, siendo el arquitrabe liso y sin decoración. El friso se une al arquitrabe por las gotas. El friso se divide en triglifos y metopas. Estas últimas con relieves. Se encuentran encimas de la cornisa, saliente para el agua. Más arriba encontramos el frontón, y dentro del mismo, el tímpano (zona triangular para realizar relieves). El frontón es triangular para dar lugar al techo a dos aguas.
  2. 6. Orden Jónico Es el orden con las columnas más estilizadas. El fuste tiene cantos planos. El capitel representa el peinado de una mujer, representado por las volutas en el ábaco y sobre el equino. Este capitel está formado por tres partes: el ábaco, el equino y las volutas. Encontramos un arquitrabe dividido en tres franjas. El friso es corrido, sobre el cual está el dentículo, que a su vez está debajo de la cornisa.
  3. 7. Orden Corintio: Se trata de un orden muy parecido al jónico. Únicamente se diferencian en el capitel de la columna. Este orden no fue muy utilizado por los griegos, puesto que surge en la época helenística.