SlideShare uma empresa Scribd logo
O APARECIMENTO DA ARTE GÓTICA
 O termo “gótico” surgiu no
Renascimento italiano para
designar, pejorativamente, a
arte medieval entre os sécs. XII
e XIV.
 Referia-se à arte com origem
nos Godos (povo bárbaro),
associando assim estas obras
à barbárie.
 O gótico foi uma revolução
artística de magnitude
impressionante, coincidindo
com revoluções a nível social,
económico e religioso.
O termo “Gótico”
Catedral de St. Vitus,
Praga, República Checa
Origem e difusão da arte
das catedrais, mais tarde
definida como estilo
gótico, pela Europa
ocidental
( mapa retirado de Ana Lídia Pinto,
Cadernos de História da Arte 5, Porto,
Porto Editora, 2000, p. 9)
A difusão do Gótico
Origem da arte gótica
 O gótico nasceu na Île-de-
France pelas mãos do abade
Suger, com a edificação da
Abadia de Saint-Denis, a
partir de 1122.
 Suger traçou o modelo da
arquitectura gótica fundando
os seus planos nos escritos
místicos de Saint-Denis.
 Segundo o abade, “a casa de
deus devia ser um local em
que pudéssemos ser
transportados misticamente
deste mundo inferior àquele
mundo superior”..
 Este pensamento serviu de
base à arquitectura gótica.
Abadia St. Dennis - França
Abadia St. Dennis - França
Abade Suger, considerado o criador do
estilo gótico, com o seu projeto da
abadia de St. Dennis
- Abadia como “reino de Deus sobre
a Terra”
- verticalidade
- decoração dos pórticos
- vitrais
“Teoria da iluminação” (Deus é
Luz!”): representação do divino no
espaço espiritual e físico da
catedral
"A catedral é a igreja matriz da diocese, o templo de uma
comunidade cujo reitor é o bispo. Magnífica porque é a morada de
Deus, que reina sobre a sociedade ordenada dos homens, maciça e
alta porque é o símbolo do poder espiritual e temporal do bispo e
do seu capítulo. A catedral gótica nasceu porque a Igreja do
Ocidente, no termo de uma reforma que fez correr o sangue e as
lágrimas, quer que a igreja do bispo seja o coração da cidade e já
não uma cidadela fechada e exclusivamente reservada aos clérigos.
(…) Os esforços exigidos são tais que só sociedades em plena
expansão económica e politicamente estabilizadas puderam
erguer, a partir de meados do século XII, a floresta de catedrais
góticas, com a consciência nova de que a Humanidade do Ocidente
tinha entrado numa época de progresso irreversível.“
G. Duby e M. Laclotte, (dir. de),
História Artística da Europa, A Idade Média, Quetzal Editores
A catedral
O gótico foi essencialmente
formado pela intervenção de
duas ordens religiosas:

a de Cister, que negava as
curvas, as formas
escultóricas, a cor, em prol da
pureza da forma (linha recta)
 e a de Cluny, que via a igreja
como uma forma do homem
transcender a sua existência
terrena materializando-a sob
a forma de um edifício
sublime, magnânimo e
resplandecente.
As ordens religiosas
Catedral de Santa Croce, Florença,
séc. XIII
Link “O enigma das catedrais góticas”
Vista de Évora numa
iluminura de 1501 (Arquivo
Municipal de Évora), sendo
bem visível o domínio da
catedral sobre toda a
cidade, em termos de
estrutura física mas
também religiosa, cultural e
mesmo económica.
Uma arte urbana
 A partir do séc. XII, o Gótico
manifestou-se, inicial e
essencialmente, através da
construção de catedrais.
 Este estilo foi influenciado pela
tendência da sociedade para a
laicização, que se revela, por
exemplo, na representação do
divino — o Cristo-Rei e
Pantocrator é substituído pelo
Cristo-Salvador do homem — e
numa nova concepção do
homem, do mundo e de Deus.
Uma arte urbana
Catedral de Notre-Dame, Paris, França
As catedrais caracterizam-se
pelo espírito urbano e
autonomia relativamente ao
poder do rei, o que resultou
numa acentuada alteração
formal.
 O estilo gótico foi dinamizado
principalmente por dois
aspectos: o crescimento do
comércio e o ressurgimento
das cidades.
 Com o declínio do sistema
feudal, a vida comercial e
urbana começou a ganhar
protagonismo, dando origem a
uma nova classe social: a
burguesia.
Uma arte urbana
Catedral de Saint-Urbain,
Troyes, França
Esta classe social foi uma grande impulsionadora da arte, visto que
rapidamente ganhou importância económica podendo subsidiar os
artistas.
 Paralelamente ao crescimento das cidades, os mosteiros
perderam o seu papel no desenvolvimento económico e cultural.
 As urbes tomaram o protagonismo no primeiro aspecto, enquanto
as universidades o fizeram no segundo.
 Estes factores indiciam o aspecto mais fundamental da arte gótica:
o seu carácter urbano.
A laicização cultural
Catedral de Notre-Dame, Paris, França
 Devido à perda de influência dos
mosteiros, uma nova
concepção do homem, do
mundo e de Deus e a
convergência para a cidade
levaram a sociedade a conhecer
outras formas de viver que não a
ditada pela igreja.
 O ensino deixa de ser exclusivo
dos mosteiros, ganhando um
carácter laico.
 Introduzem-se novas temáticas
de estudo desligadas da religião,
como, por exemplo, o
pensamento aristotélico, e as
universidades começam a
ganhar a influência.
A laicização cultural
Catedral de Sainte-Croix d'Orléans, França
 Estes factores de afastamento da Igreja
vão fazer com que esta tente acompanhar
o ritmo da época, introduzindo a
escolástica como redinamizador da
religião.
 Surgida como resposta da igreja, a
escolástica consistia na especulação
teológica e filosófica guiada pelo
pensamento aristotélico que conduzia à
indagação e à sistematização das
verdades reveladas.
 O seu princípio consistia em conciliar a fé
e a razão.
Uma arte urbana
 Este esforço teve o seu expoente máximo em S. Tomás de
Aquino, na obra Summa Theologica, que consiste na sistematização
de todo o pensamento cristão desde as suas origens para tentar criar
uma doutrina lógica e coerente que suportasse o pensamento
religioso.
 Este novo guia de estudo
introduzido pela igreja vai ter um
enorme impacto formal na
constituição da arte gótica.
 A catedral, resultado de uma
organização hierárquica de partes
relacionadas entre si e num
equilíbrio de forças, corresponde à
materialização da obra de S. Tomás.
 Nota-se, portanto, uma aproximação
entre o racionalismo clássico e a fé
cristã.
Uma arte urbana
1. Caracteriza a conjuntura económica e social dos séculos XII e XIII (p.
208).
2. Descreve o declínio da importância económica e cultural dos mosteiros
(p. 208 e 212).
3. Explica a origem da palavra gótico (p. 210).
4. Descreve o papel do abade Suger no aparecimento do Gótico (p. 210).
5. Relaciona o aparecimento das Universidades com a implementação da
escolástica (p. 212).
6. Descreve a importância de S. Tomás de Aquino na concepção da
catedral gótica (p. 212).
Tarefas
Catedral de Léon
http://www.youtube.com/watch?v=o6JY7G
Catedral de Chartres
http://www.youtube.com/watch?v=SQ_fqK
As novidades da arte gótica:
http://www.youtube.com/watch?v=H08zbeGbSq8&feature=channel
A cidade medieval:
http://www.youtube.com/watch?
v=0l3TnxKs_C8&feature=related
http://www.youtube.com/watch?
v=JPSv3ybgYO8&NR=1
As catedrais góticas:
http://www.youtube.com/watch?
v=gv6GcEa477A&feature=related
http://www.youtube.com/watch?
v=ognfM0jy_wo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Andrea Dressler
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
cattonia
 
Arte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaArte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - Pintura
Carlos Vieira
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
Carla Freitas
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
Ana Barreiros
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
Ana Barreiros
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Andrea Dressler
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
Ana Barreiros
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
Ana Barreiros
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
Arte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptxArte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptx
JuditeBarbosa1
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
Carlos Pinheiro
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
cattonia
 
Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - Escultura
Carlos Vieira
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
TLopes
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
Ana Barreiros
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
Ana Barreiros
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Alessandro Deretti
 

Mais procurados (20)

Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
 
Arte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaArte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - Pintura
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Arte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptxArte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptx
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
 
Arte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - EsculturaArte do Renascimento - Escultura
Arte do Renascimento - Escultura
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 

Semelhante a O aparecimento da arte gotica

2C26 Arte Gótica e British Museum 2012
2C26 Arte Gótica e British Museum 20122C26 Arte Gótica e British Museum 2012
2C26 Arte Gótica e British Museum 2012
www.historiadasartes.com
 
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Rúben Soares
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
Arte cristã
Arte cristãArte cristã
Arte cristã
moralalva
 
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das ArtesResumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Dylan Bonnet
 
A Cultura do Palácio: Renascimento
A Cultura do Palácio: RenascimentoA Cultura do Palácio: Renascimento
A Cultura do Palácio: Renascimento
Dylan Bonnet
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Sheila Soarte
 
O renascimento
O renascimentoO renascimento
O renascimento
Fátima da História
 
O Surgimento Do Capitalismo Comercial
O Surgimento Do Capitalismo ComercialO Surgimento Do Capitalismo Comercial
O Surgimento Do Capitalismo Comercial
Giselly Afonso
 
ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA
crisseibt
 
ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICAARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA
crisseibt
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
IFMT - Campus Juína
 
Cap
CapCap
Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1
CarlosNazar1
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por  Maísa da Silva FernandesArte Gótica - por  Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Maísa Fernandes
 
Mikelu leibe leibe
Mikelu leibe leibeMikelu leibe leibe
Mikelu leibe leibe
MiKeLu Da LuKeMi
 
Catedral de Chartres
Catedral de ChartresCatedral de Chartres
Catedral de Chartres
angeldenis21
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
Danilson Silva
 

Semelhante a O aparecimento da arte gotica (20)

2C26 Arte Gótica e British Museum 2012
2C26 Arte Gótica e British Museum 20122C26 Arte Gótica e British Museum 2012
2C26 Arte Gótica e British Museum 2012
 
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
Arte cristã
Arte cristãArte cristã
Arte cristã
 
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das ArtesResumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
Resumo Cultura do Gótico - Hisatória da Cultura e das Artes
 
A Cultura do Palácio: Renascimento
A Cultura do Palácio: RenascimentoA Cultura do Palácio: Renascimento
A Cultura do Palácio: Renascimento
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
O renascimento
O renascimentoO renascimento
O renascimento
 
O Surgimento Do Capitalismo Comercial
O Surgimento Do Capitalismo ComercialO Surgimento Do Capitalismo Comercial
O Surgimento Do Capitalismo Comercial
 
ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA
 
ARTE GÓTICA
ARTE GÓTICAARTE GÓTICA
ARTE GÓTICA
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
 
Cap
CapCap
Cap
 
Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por  Maísa da Silva FernandesArte Gótica - por  Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
 
Mikelu leibe leibe
Mikelu leibe leibeMikelu leibe leibe
Mikelu leibe leibe
 
Catedral de Chartres
Catedral de ChartresCatedral de Chartres
Catedral de Chartres
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
Ana Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
Ana Barreiros
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Ana Barreiros
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
Ana Barreiros
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
Ana Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 

Último

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

O aparecimento da arte gotica

  • 1. O APARECIMENTO DA ARTE GÓTICA
  • 2.  O termo “gótico” surgiu no Renascimento italiano para designar, pejorativamente, a arte medieval entre os sécs. XII e XIV.  Referia-se à arte com origem nos Godos (povo bárbaro), associando assim estas obras à barbárie.  O gótico foi uma revolução artística de magnitude impressionante, coincidindo com revoluções a nível social, económico e religioso. O termo “Gótico” Catedral de St. Vitus, Praga, República Checa
  • 3. Origem e difusão da arte das catedrais, mais tarde definida como estilo gótico, pela Europa ocidental ( mapa retirado de Ana Lídia Pinto, Cadernos de História da Arte 5, Porto, Porto Editora, 2000, p. 9) A difusão do Gótico
  • 4. Origem da arte gótica  O gótico nasceu na Île-de- France pelas mãos do abade Suger, com a edificação da Abadia de Saint-Denis, a partir de 1122.  Suger traçou o modelo da arquitectura gótica fundando os seus planos nos escritos místicos de Saint-Denis.  Segundo o abade, “a casa de deus devia ser um local em que pudéssemos ser transportados misticamente deste mundo inferior àquele mundo superior”..  Este pensamento serviu de base à arquitectura gótica. Abadia St. Dennis - França
  • 5. Abadia St. Dennis - França Abade Suger, considerado o criador do estilo gótico, com o seu projeto da abadia de St. Dennis - Abadia como “reino de Deus sobre a Terra” - verticalidade - decoração dos pórticos - vitrais “Teoria da iluminação” (Deus é Luz!”): representação do divino no espaço espiritual e físico da catedral
  • 6. "A catedral é a igreja matriz da diocese, o templo de uma comunidade cujo reitor é o bispo. Magnífica porque é a morada de Deus, que reina sobre a sociedade ordenada dos homens, maciça e alta porque é o símbolo do poder espiritual e temporal do bispo e do seu capítulo. A catedral gótica nasceu porque a Igreja do Ocidente, no termo de uma reforma que fez correr o sangue e as lágrimas, quer que a igreja do bispo seja o coração da cidade e já não uma cidadela fechada e exclusivamente reservada aos clérigos. (…) Os esforços exigidos são tais que só sociedades em plena expansão económica e politicamente estabilizadas puderam erguer, a partir de meados do século XII, a floresta de catedrais góticas, com a consciência nova de que a Humanidade do Ocidente tinha entrado numa época de progresso irreversível.“ G. Duby e M. Laclotte, (dir. de), História Artística da Europa, A Idade Média, Quetzal Editores A catedral
  • 7. O gótico foi essencialmente formado pela intervenção de duas ordens religiosas:  a de Cister, que negava as curvas, as formas escultóricas, a cor, em prol da pureza da forma (linha recta)  e a de Cluny, que via a igreja como uma forma do homem transcender a sua existência terrena materializando-a sob a forma de um edifício sublime, magnânimo e resplandecente. As ordens religiosas Catedral de Santa Croce, Florença, séc. XIII Link “O enigma das catedrais góticas”
  • 8. Vista de Évora numa iluminura de 1501 (Arquivo Municipal de Évora), sendo bem visível o domínio da catedral sobre toda a cidade, em termos de estrutura física mas também religiosa, cultural e mesmo económica. Uma arte urbana
  • 9.  A partir do séc. XII, o Gótico manifestou-se, inicial e essencialmente, através da construção de catedrais.  Este estilo foi influenciado pela tendência da sociedade para a laicização, que se revela, por exemplo, na representação do divino — o Cristo-Rei e Pantocrator é substituído pelo Cristo-Salvador do homem — e numa nova concepção do homem, do mundo e de Deus. Uma arte urbana Catedral de Notre-Dame, Paris, França As catedrais caracterizam-se pelo espírito urbano e autonomia relativamente ao poder do rei, o que resultou numa acentuada alteração formal.
  • 10.  O estilo gótico foi dinamizado principalmente por dois aspectos: o crescimento do comércio e o ressurgimento das cidades.  Com o declínio do sistema feudal, a vida comercial e urbana começou a ganhar protagonismo, dando origem a uma nova classe social: a burguesia. Uma arte urbana Catedral de Saint-Urbain, Troyes, França Esta classe social foi uma grande impulsionadora da arte, visto que rapidamente ganhou importância económica podendo subsidiar os artistas.
  • 11.  Paralelamente ao crescimento das cidades, os mosteiros perderam o seu papel no desenvolvimento económico e cultural.  As urbes tomaram o protagonismo no primeiro aspecto, enquanto as universidades o fizeram no segundo.  Estes factores indiciam o aspecto mais fundamental da arte gótica: o seu carácter urbano. A laicização cultural Catedral de Notre-Dame, Paris, França
  • 12.  Devido à perda de influência dos mosteiros, uma nova concepção do homem, do mundo e de Deus e a convergência para a cidade levaram a sociedade a conhecer outras formas de viver que não a ditada pela igreja.  O ensino deixa de ser exclusivo dos mosteiros, ganhando um carácter laico.  Introduzem-se novas temáticas de estudo desligadas da religião, como, por exemplo, o pensamento aristotélico, e as universidades começam a ganhar a influência. A laicização cultural Catedral de Sainte-Croix d'Orléans, França
  • 13.  Estes factores de afastamento da Igreja vão fazer com que esta tente acompanhar o ritmo da época, introduzindo a escolástica como redinamizador da religião.  Surgida como resposta da igreja, a escolástica consistia na especulação teológica e filosófica guiada pelo pensamento aristotélico que conduzia à indagação e à sistematização das verdades reveladas.  O seu princípio consistia em conciliar a fé e a razão. Uma arte urbana  Este esforço teve o seu expoente máximo em S. Tomás de Aquino, na obra Summa Theologica, que consiste na sistematização de todo o pensamento cristão desde as suas origens para tentar criar uma doutrina lógica e coerente que suportasse o pensamento religioso.
  • 14.  Este novo guia de estudo introduzido pela igreja vai ter um enorme impacto formal na constituição da arte gótica.  A catedral, resultado de uma organização hierárquica de partes relacionadas entre si e num equilíbrio de forças, corresponde à materialização da obra de S. Tomás.  Nota-se, portanto, uma aproximação entre o racionalismo clássico e a fé cristã. Uma arte urbana
  • 15. 1. Caracteriza a conjuntura económica e social dos séculos XII e XIII (p. 208). 2. Descreve o declínio da importância económica e cultural dos mosteiros (p. 208 e 212). 3. Explica a origem da palavra gótico (p. 210). 4. Descreve o papel do abade Suger no aparecimento do Gótico (p. 210). 5. Relaciona o aparecimento das Universidades com a implementação da escolástica (p. 212). 6. Descreve a importância de S. Tomás de Aquino na concepção da catedral gótica (p. 212). Tarefas
  • 16. Catedral de Léon http://www.youtube.com/watch?v=o6JY7G Catedral de Chartres http://www.youtube.com/watch?v=SQ_fqK As novidades da arte gótica: http://www.youtube.com/watch?v=H08zbeGbSq8&feature=channel A cidade medieval: http://www.youtube.com/watch? v=0l3TnxKs_C8&feature=related http://www.youtube.com/watch? v=JPSv3ybgYO8&NR=1 As catedrais góticas: http://www.youtube.com/watch? v=gv6GcEa477A&feature=related http://www.youtube.com/watch? v=ognfM0jy_wo