SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Biografia I
• Paula Rego nasceu a 26 de
Janeiro de 1935, em Lisboa,
oriunda de uma família
republicana .
• Incentivada pelo pai a
prosseguir o seu
desenvolvimento artístico fora
do Portugal salazarista dos
anos 50, Paula Rego ingressa
na prestigiada Slade School of
Fine Art, em Londres, com
apenas 17 anos.
Biografia II
• Será aí que conhecerá vários
artistas, entre os quais o seu futuro
marido, Victor Willing, com quem vem a
casar em 1959 e de quem vem a ter três
filhos.
• Dividindo o seu tempo entre Portugal e
Londres ao longo dos anos 60, Paula
Rego instala-se definitivamente nesta
cidade a partir de 1976, não obstante
visitas e regressos a Portugal
e, sobretudo, à sua casa de família na
Ericeira.
• Actualmente, trabalha e reside em
Londres, sendo representada pela
Marlborough Fine Arts.
Reconhecimento internacional
• O reconhecimento de Paula Rego acontece desde
bastante cedo, mas será sobretudo a partir dos anos
90, aos 50 anos de idade, que se tornará um nome
incontornável, não só no panorama artístico
português ou inglês, mas também no plano
internacional.
• A artista foi inúmeras vezes convidada a produzir
obras para galerias e exposições específicas, não
raramente em diálogo com as suas colecções,
tornando-se, em 1990, Primeira Artista Associada da
National Gallery, em Londres.
• Paula Rego conta com inúmeras exposições
individuais e retrospectivas em museus e galerias de
renome, e com inúmeros prémios e distinções.
Prémios
• 1971 - Prémio dos Críticos, Sóquil
• 1984 - Premiada, TWSA Touring
Exhibition, Newlyn Arts
Centre, Penzance
• 1987 - Prémio Benetton/Amadeo de
Souza-Cardoso, Casa de
Serralves, Porto
• 1989 - Prémio Turner 89, Londres
• 1998 - Prémio Bordalo da Casa da
Imprensa 1997, Lisboa
• 1998 - Prémio AICA’97, Lisboa
• 2001 - Prémio Celpa/Vieira da Silva
Em2010, Paula Rego
recebeu a Ordem do
Império Britânico com
o grau Dama Oficial
pela sua contribuição
para as artes.
Paula Rego é considerada uma das quatro melhores
pintoras vivas de Inglaterra, sendo uma das mais
aclamadas figuras portuguesas internacionalmente.
Em 2011 recebeu o
Doutoramento Honoris
Causa da Universidade
de Lisboa.
Jean Dubuffet, Les commentaires, 1978
Influências e obra
Paula Rego, Guerra, 2003
Surrealismo
Influências e obra
Paula Rego, Mulher Cão, 1994
Expressionismo
Influências e obra
Paula Rego, Noiva, 1994
Aproximação à representação
naturalista nos anos 80
Influências e obra
Influências e obra
Quadros de
grandes dimensões
O desenho é o ponto
de partida
Paula Rego. “Inundação”. 2002
Paula Rego. “A Sofreguidão dos Peixes”. 1985
Influências e obra
Recordações de
infância
Paula Rego, Tríptico (Série “Aborto”). 1997-1999
Influências e obra
Retrato crítico
da realidade
Paula Rego, “As Lições de Betrothal” (Série
Hogarth). 1999
Influências e obra
As cenas retratam cenas de
uma história, com teor
dramático
Paula Rego, “Casa de
Celestina”. 2001
Influências e obra
Figuras grotescas, saídas
de contos de fadas,
tratadas de forma irónica
e, por vezes, cruel
Influências e obra
O tema principal são as
mulheres
troncudas, ossudas, cabeludas
, libidinosas
Paula Rego, Mulher Cão, 1994
Caso prático:
“O Celeiro”
Data: 1994
Acrílico sobre tela
Tema: rapariga a ser espancada
por duas adolescentes
Linguagem técnico-formal:
- Influências
- Planos
- Composição
- cores
Caso prático: “O Celeiro”
Linguagem técnico-formal:
– Realismo/neoexpressionismo
– Obra com vários planos
– Composição é dominada por
uma figura central
– Composição com diversos
enquadramentos (BD)
– Cores variadas
A rapariga que
voa com os
morcegos
A “estante” das
galinhas
O rato que mama
da vaca
Duas fustigadoras
A figura principal: uma
mulher prostada em cima
de um manto preto
Morcegos, símbolo dos
medos tradicionais
Caso prático: “O Celeiro”
Inspiração:
• Arte popular
• Conto de Joyce Carol Oates:
“ A história conta a amizade entre duas adolescentes de fraco carácter que tinham por
hábito faltar à escola. A certa altura, uma arranja um namorado, o que torna a outra
ciumenta, e as duas separam-se. A jovem com ciúmes descobre, no meio do
campo, um celeiro deserto e quando está a explorá-lo aparece uma velha que a
espanca selvaticamente. A velha é um fantasma. Desaparece depois de a ter feito jurar
guardar segredo. O tempo passa e um dia a outra rapariga é encontrada morta no
celeiro. O namorado é preso, mas nenhuma prova incriminatória vem a ser
encontrada.”
John McEwen, Paula Rego, Galeria III, Quetzal Editores
Significado da pintura
• Estão representados um conjunto de medos, desde os receios ancestrais dos
morcegos/vampiros, aos floridos trabalhos do dia-a-dia do estábulo ou à imagem
da própria mulher que, mais que tratadora de animais, se apresenta eroticamente
prostada sobre palhas recobertas de pano negro.
• Outras mulheres (ou a mesma?) fustigam com vergastas não a passiva e fértil
vaca, mas a sua própria imagem enquanto mulheres (marginais assumidas).
• Pintura no feminino e sobre o feminino adensado de fantasmas de masculinidade
e de raízes sentidas nas formas fortes e nas cores soturnas/sombrias, ainda que
marcadas pelo girassol amarelo, ou animadas pelo elemento animal – a vaca -, que
se coloca no centro do olhar entre estruturas de cenografia de um
estábulo, procurando uma aproximação ao real pelo irracional.
• As formas femininas, em plano frontal, expressam força física, impondo-se a um
mundo que ainda as lê delicadas e impotentes.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
Vasco L
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Lurdes Augusto
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Os Maias - educação de Pedro da Maia
Os Maias - educação de Pedro da MaiaOs Maias - educação de Pedro da Maia
Os Maias - educação de Pedro da Maia
António Fernandes
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 

Mais procurados (20)

Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
 
Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Os Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIIIOs Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIII
 
Almeida Garrett Biografia
Almeida Garrett BiografiaAlmeida Garrett Biografia
Almeida Garrett Biografia
 
Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
8o Ano- A Arte Barroca na Europa
8o Ano- A Arte Barroca na Europa8o Ano- A Arte Barroca na Europa
8o Ano- A Arte Barroca na Europa
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
A Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana NacionalA Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana Nacional
 
Os Maias - educação de Pedro da Maia
Os Maias - educação de Pedro da MaiaOs Maias - educação de Pedro da Maia
Os Maias - educação de Pedro da Maia
 
Salvador Dali
Salvador DaliSalvador Dali
Salvador Dali
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 

Destaque

Guião de análise de uma obra de arte
Guião de análise de uma obra de arteGuião de análise de uma obra de arte
Guião de análise de uma obra de arte
Marquês de Pombal
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 
A batalha de salamina
A batalha de salaminaA batalha de salamina
A batalha de salamina
Ana Barreiros
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
Ana Barreiros
 
O estadio e o teatro
O estadio e o teatroO estadio e o teatro
O estadio e o teatro
Ana Barreiros
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
Ana Barreiros
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
Ana Barreiros
 

Destaque (19)

Helena almeida
Helena almeidaHelena almeida
Helena almeida
 
Análise formal de obras
Análise formal de obrasAnálise formal de obras
Análise formal de obras
 
Como analisar obras de arte
Como analisar obras de arteComo analisar obras de arte
Como analisar obras de arte
 
Guião de análise de uma obra de arte
Guião de análise de uma obra de arteGuião de análise de uma obra de arte
Guião de análise de uma obra de arte
 
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
 
A historia da_arte
A historia da_arteA historia da_arte
A historia da_arte
 
Soutode moura
Soutode mouraSoutode moura
Soutode moura
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 
A batalha de salamina
A batalha de salaminaA batalha de salamina
A batalha de salamina
 
Leitura obra "O Grito"
Leitura obra "O Grito"Leitura obra "O Grito"
Leitura obra "O Grito"
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
 
O estadio e o teatro
O estadio e o teatroO estadio e o teatro
O estadio e o teatro
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 

Semelhante a Paula rego (20)

Cartaz Paula Rego
Cartaz Paula RegoCartaz Paula Rego
Cartaz Paula Rego
 
Casa das historias - Paula Rêgo
Casa das historias - Paula RêgoCasa das historias - Paula Rêgo
Casa das historias - Paula Rêgo
 
Paula rego
Paula regoPaula rego
Paula rego
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Trabalho 7 ExposiçãO Pintura
Trabalho 7  ExposiçãO PinturaTrabalho 7  ExposiçãO Pintura
Trabalho 7 ExposiçãO Pintura
 
Picasso..
Picasso..Picasso..
Picasso..
 
Picassooooo (2)
Picassooooo (2)Picassooooo (2)
Picassooooo (2)
 
Tissot
TissotTissot
Tissot
 
Tarsila do Amaral
Tarsila do AmaralTarsila do Amaral
Tarsila do Amaral
 
Biografias
BiografiasBiografias
Biografias
 
Salvador dali
Salvador daliSalvador dali
Salvador dali
 
Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picasso
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulherDia internacional da mulher
Dia internacional da mulher
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Di calvacante
Di calvacanteDi calvacante
Di calvacante
 
Agenda Agosto 2010
Agenda Agosto 2010Agenda Agosto 2010
Agenda Agosto 2010
 
Picasso
Picasso Picasso
Picasso
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Salvador Dali - Surrealismo
Salvador Dali - SurrealismoSalvador Dali - Surrealismo
Salvador Dali - Surrealismo
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 

Paula rego

  • 1.
  • 2. Biografia I • Paula Rego nasceu a 26 de Janeiro de 1935, em Lisboa, oriunda de uma família republicana . • Incentivada pelo pai a prosseguir o seu desenvolvimento artístico fora do Portugal salazarista dos anos 50, Paula Rego ingressa na prestigiada Slade School of Fine Art, em Londres, com apenas 17 anos.
  • 3. Biografia II • Será aí que conhecerá vários artistas, entre os quais o seu futuro marido, Victor Willing, com quem vem a casar em 1959 e de quem vem a ter três filhos. • Dividindo o seu tempo entre Portugal e Londres ao longo dos anos 60, Paula Rego instala-se definitivamente nesta cidade a partir de 1976, não obstante visitas e regressos a Portugal e, sobretudo, à sua casa de família na Ericeira. • Actualmente, trabalha e reside em Londres, sendo representada pela Marlborough Fine Arts.
  • 4. Reconhecimento internacional • O reconhecimento de Paula Rego acontece desde bastante cedo, mas será sobretudo a partir dos anos 90, aos 50 anos de idade, que se tornará um nome incontornável, não só no panorama artístico português ou inglês, mas também no plano internacional. • A artista foi inúmeras vezes convidada a produzir obras para galerias e exposições específicas, não raramente em diálogo com as suas colecções, tornando-se, em 1990, Primeira Artista Associada da National Gallery, em Londres. • Paula Rego conta com inúmeras exposições individuais e retrospectivas em museus e galerias de renome, e com inúmeros prémios e distinções.
  • 5. Prémios • 1971 - Prémio dos Críticos, Sóquil • 1984 - Premiada, TWSA Touring Exhibition, Newlyn Arts Centre, Penzance • 1987 - Prémio Benetton/Amadeo de Souza-Cardoso, Casa de Serralves, Porto • 1989 - Prémio Turner 89, Londres • 1998 - Prémio Bordalo da Casa da Imprensa 1997, Lisboa • 1998 - Prémio AICA’97, Lisboa • 2001 - Prémio Celpa/Vieira da Silva
  • 6. Em2010, Paula Rego recebeu a Ordem do Império Britânico com o grau Dama Oficial pela sua contribuição para as artes. Paula Rego é considerada uma das quatro melhores pintoras vivas de Inglaterra, sendo uma das mais aclamadas figuras portuguesas internacionalmente. Em 2011 recebeu o Doutoramento Honoris Causa da Universidade de Lisboa.
  • 7. Jean Dubuffet, Les commentaires, 1978 Influências e obra
  • 8. Paula Rego, Guerra, 2003 Surrealismo Influências e obra
  • 9. Paula Rego, Mulher Cão, 1994 Expressionismo Influências e obra
  • 10. Paula Rego, Noiva, 1994 Aproximação à representação naturalista nos anos 80 Influências e obra
  • 11. Influências e obra Quadros de grandes dimensões O desenho é o ponto de partida Paula Rego. “Inundação”. 2002
  • 12. Paula Rego. “A Sofreguidão dos Peixes”. 1985 Influências e obra Recordações de infância
  • 13. Paula Rego, Tríptico (Série “Aborto”). 1997-1999 Influências e obra Retrato crítico da realidade
  • 14. Paula Rego, “As Lições de Betrothal” (Série Hogarth). 1999 Influências e obra As cenas retratam cenas de uma história, com teor dramático
  • 15. Paula Rego, “Casa de Celestina”. 2001 Influências e obra Figuras grotescas, saídas de contos de fadas, tratadas de forma irónica e, por vezes, cruel
  • 16. Influências e obra O tema principal são as mulheres troncudas, ossudas, cabeludas , libidinosas Paula Rego, Mulher Cão, 1994
  • 17. Caso prático: “O Celeiro” Data: 1994 Acrílico sobre tela Tema: rapariga a ser espancada por duas adolescentes Linguagem técnico-formal: - Influências - Planos - Composição - cores
  • 18. Caso prático: “O Celeiro” Linguagem técnico-formal: – Realismo/neoexpressionismo – Obra com vários planos – Composição é dominada por uma figura central – Composição com diversos enquadramentos (BD) – Cores variadas
  • 19. A rapariga que voa com os morcegos A “estante” das galinhas O rato que mama da vaca Duas fustigadoras A figura principal: uma mulher prostada em cima de um manto preto Morcegos, símbolo dos medos tradicionais
  • 20. Caso prático: “O Celeiro” Inspiração: • Arte popular • Conto de Joyce Carol Oates: “ A história conta a amizade entre duas adolescentes de fraco carácter que tinham por hábito faltar à escola. A certa altura, uma arranja um namorado, o que torna a outra ciumenta, e as duas separam-se. A jovem com ciúmes descobre, no meio do campo, um celeiro deserto e quando está a explorá-lo aparece uma velha que a espanca selvaticamente. A velha é um fantasma. Desaparece depois de a ter feito jurar guardar segredo. O tempo passa e um dia a outra rapariga é encontrada morta no celeiro. O namorado é preso, mas nenhuma prova incriminatória vem a ser encontrada.” John McEwen, Paula Rego, Galeria III, Quetzal Editores
  • 21. Significado da pintura • Estão representados um conjunto de medos, desde os receios ancestrais dos morcegos/vampiros, aos floridos trabalhos do dia-a-dia do estábulo ou à imagem da própria mulher que, mais que tratadora de animais, se apresenta eroticamente prostada sobre palhas recobertas de pano negro. • Outras mulheres (ou a mesma?) fustigam com vergastas não a passiva e fértil vaca, mas a sua própria imagem enquanto mulheres (marginais assumidas). • Pintura no feminino e sobre o feminino adensado de fantasmas de masculinidade e de raízes sentidas nas formas fortes e nas cores soturnas/sombrias, ainda que marcadas pelo girassol amarelo, ou animadas pelo elemento animal – a vaca -, que se coloca no centro do olhar entre estruturas de cenografia de um estábulo, procurando uma aproximação ao real pelo irracional. • As formas femininas, em plano frontal, expressam força física, impondo-se a um mundo que ainda as lê delicadas e impotentes.
  • 22. FIM