SlideShare uma empresa Scribd logo
O Gótico em Portugal
A introdução do Gótico em
Portugal




                                     Gótico
                                   simples e
                                    austero




                  Mosteiro de Alcobaça
Características gerais
Exemplos mais antigos




Mosteiro de Alcobaça (finais   Claustro da Sé Velha de Coimbra
século XII), Ordem de Cister           (finais século XII)
Reinado de D. Dinis




                     Igreja do Convento de Santa Clara

   O início das obras deste monumento religioso de características góticas,
manuelinas, barrocas e rococó, verificou-se em 1318. Apresenta planta de cruz
   latina de nave única, com transepto de grandes dimensões. No exterior,
 destaque para a cabeceira poligonal, bem como uma grande rosácea de tipo
                                  radiante.
Reinado de D. Dinis
                                     A igreja, renovada a partir do início do
Igreja-fortaleza de Leça do Bailio   século XIV, de matriz românica mas
                                     transacionado para o gótico, reflete um
                                     misto de espírito religioso e militar:
                                     - interior votado a Deus,
                                     - no exterior exibe sólidos muros
                                     coroados por ameias e sustentados por
                                     contrafortes,      destacando-se       uma
                                     varanda também ameada e com
                                     matacães defendendo, como o adarve de
                                     um castelo, a porta principal.
                                     Externamente uma sólida torre ameada
                                     ladeia a fachada principal, pelo lado Sul.
                                     A imponente torre tem 28 metros de
                                     altura e é provida na parte superior de
                                     matacães (nos ângulos), e de janelas e
                                     seteiras.
Reinado de D. Afonso IV e D.
  Fernando

               Reformas góticas




Sé de Lisboa    Igreja de S. Francisco, Santarém
Outras características
O Mosteiro da Batalha

Monumento
heterogéneo

Intervenção de
  mestres de
    diversas
   gerações
O Mosteiro da Batalha

- Planta convencional
- as naves do corpo central e do
transepto     são     abóbadadas,
divididas por arcadas ogivais,
apoiadas em grossos pilares, de
colunelos ininterruptos da base ao
capitel
- uso de arcobotantes laterais,
construídos sobre os telhados da
cabeceira
O Mosteiro da Batalha

-Planta convencional
- as naves do corpo central e do
transepto     são     abóbadadas,
divididas por arcadas ogivais,
apoiadas em grossos pilares, de
colunelos ininterruptos da base ao
capitel
- uso de arcobotantes laterais,
construídos sobre os telhados da
cabeceira
O Mosteiro da Batalha

- Planta convencional
- as naves do corpo central e do
transepto     são     abóbadadas,
divididas por arcadas ogivais,
apoiadas em grossos pilares, de
colunelos ininterruptos da base ao
capitel
- uso de arcobotantes laterais,
construídos sobre os telhados da
cabeceira
Construções posteriores




  Igreja da Colegiada de
                             Igreja do Convento do Carmo, Lisboa
Nossa Senhora da Oliveira,
        Guimarães
Construções posteriores




Restauro da Sé da Guarda   Restauro da Sé de Silves
A pintura gótica em Portugal
       Século XV – aumenta o interesse pela pintura



Importação de obras de              Artistas portugueses
 pintores estrangeiros                 no estrangeiro



         Recetividade em relação às influências externas,
             assimilando-as de modo próprio e original
A pintura gótica em Portugal

• maior influência da escola flamenga
• preferência por pintura sobre madeira
• temas religiosos
• composições ingénuas
• dificuldades técnicas: erros de
representação, figuras esquematizadas,
cores duras


   S. Vicente atado à coluna, Nuno
   Gonçalves, 2ª metade século XV
A pintura gótica em Portugal




Painéis de S. Vicente, de Nuno Gonçalves, c. 1470-1480
A pintura gótica em Portugal




Painel dos Frades   Painel dos
                                 Painel do infante
                    Pescadores
A pintura gótica em Portugal
                                                             S. Vicente


Rainha Leonor                                              D. Duarte (?)
de Aragão
                                                             D. João II
Livro sagrado
                                                             (criança)
(Evangelho Segundo
S. João)

Rainha Isabel de
Coimbra                                                      D. Afonso V)




                   Painel do infante (coroação de D. Afonso V)
A pintura gótica em Portugal




 Painel do Arcebispo   Painel dos Cavaleiros Painel das Relíquias
A pintura gótica em Portugal


S. Vicente com
o bastão da
justiça


D. Afonso V                             D. João II




                                        corda

                  Painel do Arcebispo
A pintura gótica em Portugal
                                                     O Cavaleiro Negro (Infante
                                                     D. Fernando)

O Cavaleiro Vermelho
(Infante D. João, irmão de
D. Pedro)                                            O Cavaleiro Verde (Infante
                                                     D. Pedro)




O Cavaleiro Roxo
(Infante D. Henrique)




                             Painel dos Cavaleiros
A pintura gótica em Portugal



• Homenagem de toda a sociedade
portuguesa ao padroeiro de Lisboa, S.
Vicente                                      Obra de rutura com ao
• Retrato de todos os grupos sociais       padrões góticos tradicionais

• Individualização de cada figura humana                +

• rigoroso sentido de composição             Obra prenunciadora do
                                                 renascimento
• intensidade expressiva das figuras
• valorização da figura humana
A escultura gótica em Portugal

                                        • Portais
                                        • Capitéis
Escultura de suporte aos templos
                                        • rosáceas



                                         • sarcófagos
                                         • arcas tumulares
           Tumulária
                                         • Estátuas jacentes



                                   Naturalismo expressionista
A escultura gótica em Portugal
Monumentos manuelinos




  MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS
Monumentos manuelinos




CONVENTO DE CRISTO
                     IGREJA DE
                       JESUS
O que é o Manuelino?
   Foi utilizado nos finais do século XV e nos inícios do
    século XVI
   Corresponde aos reinados de D. Manuel I e de D. João
    III
O que é o Manuelino?
   Estilo arquitectónico, tipicamente
    português,       associado      às
    Descobertas e à Expansão
    Marítima portuguesa.

   Integra-se no Gótico Final,
    distinguindo-se pelos elementos
    decorativos         exuberantes
    (nacionalistas,   marítimos   e
    naturalistas)

   Mantém      o    essencial    das
    estruturas góticas
Características do
                    Manuelino
                                      Cruz de Cristo
  Escudo de D.
    Manuel
                                  Esfera armilar




 Elementos
nacionalistas
Características do Manuelino

                                  Elementos
 Elementos
Naturalistas:                      Marítimos:
                                      Redes
    Troncos                          Conchas
 Cachos de uvas                       Cordas
Folhas de Loureiro                 Nós Nós
                                       Algas




                                   Algas

  Cordas
Principais responsáveis
                           Igreja de Jesus, Setúbal

Diogo Botaica              Mosteiros dos Jerónimos
                           Mosteiro da Batalha

    politica de protecção às artes, seguida por D. Manuel I
Mateus Fernandes            Mosteiro da Batalha




 Diogo Arruda              Convento de Cristo


                            Sé de Elvas
Francisco Arruda
                            Torre de Belém
Pintura
Politica de protecção às artes, seguida por D. Manuel I

                              Factores que contribuíram para a
                              evolução da pintura no inicio de
                              Quinhentos:
                              -importação     de   obras     da
                              Flandres;
                              - fixação em Portugal de pintores
                              flamengos
                              -     experiência   de    alguns
                              portugueses       em     oficinas
                              estrangeiras


                             Escolas regionais: Viseu, Coimbra, Évora

                                Aparição de Cristo a Nossa Senhora,
                                        Jorge Afonso, 1515
Pintura
As obras eram realizadas de forma
colectiva entre mestres, artífices e
aprendizes (parcerias).

Cada um especializava-se         no
tratamento       especifico      de
determinados      elementos      do
quadro:
-a figura humana,
-as roupagens,
- os ambientes interiores,
- as formas arquitectónicas      ou
paisagens



                                       Anunciação, Jorge Afonso, c. 1510
Características da pintura




Descida da Cruz, Vasco Fernandes
     e Francisco Henriques,
     Sé de Viseu, 1501-1506
Pintura
Características da pintura:

-tratamento realista do retrato e das
paisagens

-aplicação de coloridos intensos

-representação minuciosa dos tecidos,
tapetes, peças de ourivesaria (todo o tipo
de acessórios que reflectiam o requinte e
cosmopolitismo/elegância da sociedade
cortesã da época)

- apuramento do olhar, interesse pelo
sensível e observável
                                             Descida da Cruz, Vasco Fernandes e
                                                    Francisco Henriques,
                                                   Sé de Viseu, 1501-1506
Pintura

            - contexto cultural: emergiu
            um renovado interesse no
            homem e na sua relação
            com o mundo

            - influência flamenga




          S. Pedro, Grão Vasco, 1530-35)
Escultura

●     papel predominante que   a
ornamentação desempenhou na arte
manuelina  diversidade formal e
plástica no domínio da escultura

●      favoráveis   condições  de
trabalho/aumento da encomenda que
aqui se verifica




                                    Nossa Senhora com o Menino,
                                    Diogo Pires-o-Velho, Igreja
                                    Matriz Leça da Palmeira, c.
                                    1478
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
Ana Barreiros
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Carlos Vieira
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
Ana Barreiros
 
A arte gótica I
A arte gótica IA arte gótica I
A arte gótica I
cattonia
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
Ana Barreiros
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
Carlos Vieira
 
Estilo românico e gótico
Estilo românico e góticoEstilo românico e gótico
Estilo românico e gótico
Guilherme Drumond
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
Carla Freitas
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
Cátia Botelho
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
kyzinha
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
João Lima
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
teresagoncalves
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica
Vítor Santos
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
Ana Barreiros
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
becresforte
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
Carlos Vieira
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
Ana Barreiros
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
berenvaz
 

Mais procurados (20)

Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
A arte gótica I
A arte gótica IA arte gótica I
A arte gótica I
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
 
Estilo românico e gótico
Estilo românico e góticoEstilo românico e gótico
Estilo românico e gótico
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
 

Destaque

A Arte Manuelina
A Arte ManuelinaA Arte Manuelina
A Arte Manuelina
bravobastos
 
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em PortugalEstilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Rui Nobre
 
A pintura gótica ii
A pintura gótica iiA pintura gótica ii
A pintura gótica ii
Ana Barreiros
 
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma CatólicaA Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
Maria Gomes
 
A arte em portugal e o manuelino
A arte em portugal e o manuelinoA arte em portugal e o manuelino
A arte em portugal e o manuelino
nanasimao
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
vr1a2011
 
O Manuelino
O ManuelinoO Manuelino
O Manuelino
Ana Batista
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
Ana Barreiros
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
Vítor Santos
 

Destaque (9)

A Arte Manuelina
A Arte ManuelinaA Arte Manuelina
A Arte Manuelina
 
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em PortugalEstilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
 
A pintura gótica ii
A pintura gótica iiA pintura gótica ii
A pintura gótica ii
 
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma CatólicaA Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
 
A arte em portugal e o manuelino
A arte em portugal e o manuelinoA arte em portugal e o manuelino
A arte em portugal e o manuelino
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
O Manuelino
O ManuelinoO Manuelino
O Manuelino
 
A pintura gótica iii
A pintura gótica iiiA pintura gótica iii
A pintura gótica iii
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
 

Semelhante a O gótico em portugal

Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Januário Esteves
 
Arte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptArte em portugal curso pt
Arte em portugal curso pt
Cristina Alves
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
RosaNardaci1
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
Joana Tavares
 
A arte gótica
A arte góticaA arte gótica
A arte gótica
ma.no.el.ne.ves
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
cattonia
 
Gotico introducao
Gotico introducaoGotico introducao
Gotico introducao
HCA_10I
 
Mosteiro dos Jeronimos
Mosteiro dos JeronimosMosteiro dos Jeronimos
Mosteiro dos Jeronimos
Carlos Vieira
 
Portal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimosPortal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimos
Sara Oliveira
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Alessandro Deretti
 
Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica   Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica
Filipa Silva
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
Maria Gomes
 
Mosteirodos Jeronimos
Mosteirodos JeronimosMosteirodos Jeronimos
Mosteirodos Jeronimos
lanapaiva
 
Mh7 ppt arte_medieval
Mh7 ppt arte_medievalMh7 ppt arte_medieval
Mh7 ppt arte_medieval
Mariana Mota
 
2c26 Arte Românica e National Gallery of London 2012
2c26 Arte Românica e National Gallery of London 20122c26 Arte Românica e National Gallery of London 2012
2c26 Arte Românica e National Gallery of London 2012
www.historiadasartes.com
 
5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva
Luciana Estivalet
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
TathianaBarbosa
 
RomâNico
RomâNicoRomâNico
RomâNico
Hist8
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Hca Faro
 
arte renascentista - Historia 8º ano 2024
arte renascentista - Historia  8º ano  2024arte renascentista - Historia  8º ano  2024
arte renascentista - Historia 8º ano 2024
Cludia899915
 

Semelhante a O gótico em portugal (20)

Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
Arq portuguesa manuelino_barroco (1)
 
Arte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptArte em portugal curso pt
Arte em portugal curso pt
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
A arte gótica
A arte góticaA arte gótica
A arte gótica
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
 
Gotico introducao
Gotico introducaoGotico introducao
Gotico introducao
 
Mosteiro dos Jeronimos
Mosteiro dos JeronimosMosteiro dos Jeronimos
Mosteiro dos Jeronimos
 
Portal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimosPortal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimos
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 
Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica   Arte Gótica e Arte Românica
Arte Gótica e Arte Românica
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
 
Mosteirodos Jeronimos
Mosteirodos JeronimosMosteirodos Jeronimos
Mosteirodos Jeronimos
 
Mh7 ppt arte_medieval
Mh7 ppt arte_medievalMh7 ppt arte_medieval
Mh7 ppt arte_medieval
 
2c26 Arte Românica e National Gallery of London 2012
2c26 Arte Românica e National Gallery of London 20122c26 Arte Românica e National Gallery of London 2012
2c26 Arte Românica e National Gallery of London 2012
 
5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva5 arte cristã primitiva
5 arte cristã primitiva
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
 
RomâNico
RomâNicoRomâNico
RomâNico
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
arte renascentista - Historia 8º ano 2024
arte renascentista - Historia  8º ano  2024arte renascentista - Historia  8º ano  2024
arte renascentista - Historia 8º ano 2024
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
Ana Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
Ana Barreiros
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Ana Barreiros
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
Ana Barreiros
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
Ana Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

O gótico em portugal

  • 1. O Gótico em Portugal
  • 2. A introdução do Gótico em Portugal Gótico simples e austero Mosteiro de Alcobaça
  • 4. Exemplos mais antigos Mosteiro de Alcobaça (finais Claustro da Sé Velha de Coimbra século XII), Ordem de Cister (finais século XII)
  • 5. Reinado de D. Dinis Igreja do Convento de Santa Clara O início das obras deste monumento religioso de características góticas, manuelinas, barrocas e rococó, verificou-se em 1318. Apresenta planta de cruz latina de nave única, com transepto de grandes dimensões. No exterior, destaque para a cabeceira poligonal, bem como uma grande rosácea de tipo radiante.
  • 6. Reinado de D. Dinis A igreja, renovada a partir do início do Igreja-fortaleza de Leça do Bailio século XIV, de matriz românica mas transacionado para o gótico, reflete um misto de espírito religioso e militar: - interior votado a Deus, - no exterior exibe sólidos muros coroados por ameias e sustentados por contrafortes, destacando-se uma varanda também ameada e com matacães defendendo, como o adarve de um castelo, a porta principal. Externamente uma sólida torre ameada ladeia a fachada principal, pelo lado Sul. A imponente torre tem 28 metros de altura e é provida na parte superior de matacães (nos ângulos), e de janelas e seteiras.
  • 7. Reinado de D. Afonso IV e D. Fernando Reformas góticas Sé de Lisboa Igreja de S. Francisco, Santarém
  • 9. O Mosteiro da Batalha Monumento heterogéneo Intervenção de mestres de diversas gerações
  • 10. O Mosteiro da Batalha - Planta convencional - as naves do corpo central e do transepto são abóbadadas, divididas por arcadas ogivais, apoiadas em grossos pilares, de colunelos ininterruptos da base ao capitel - uso de arcobotantes laterais, construídos sobre os telhados da cabeceira
  • 11. O Mosteiro da Batalha -Planta convencional - as naves do corpo central e do transepto são abóbadadas, divididas por arcadas ogivais, apoiadas em grossos pilares, de colunelos ininterruptos da base ao capitel - uso de arcobotantes laterais, construídos sobre os telhados da cabeceira
  • 12. O Mosteiro da Batalha - Planta convencional - as naves do corpo central e do transepto são abóbadadas, divididas por arcadas ogivais, apoiadas em grossos pilares, de colunelos ininterruptos da base ao capitel - uso de arcobotantes laterais, construídos sobre os telhados da cabeceira
  • 13. Construções posteriores Igreja da Colegiada de Igreja do Convento do Carmo, Lisboa Nossa Senhora da Oliveira, Guimarães
  • 14. Construções posteriores Restauro da Sé da Guarda Restauro da Sé de Silves
  • 15. A pintura gótica em Portugal Século XV – aumenta o interesse pela pintura Importação de obras de Artistas portugueses pintores estrangeiros no estrangeiro Recetividade em relação às influências externas, assimilando-as de modo próprio e original
  • 16. A pintura gótica em Portugal • maior influência da escola flamenga • preferência por pintura sobre madeira • temas religiosos • composições ingénuas • dificuldades técnicas: erros de representação, figuras esquematizadas, cores duras S. Vicente atado à coluna, Nuno Gonçalves, 2ª metade século XV
  • 17. A pintura gótica em Portugal Painéis de S. Vicente, de Nuno Gonçalves, c. 1470-1480
  • 18. A pintura gótica em Portugal Painel dos Frades Painel dos Painel do infante Pescadores
  • 19. A pintura gótica em Portugal S. Vicente Rainha Leonor D. Duarte (?) de Aragão D. João II Livro sagrado (criança) (Evangelho Segundo S. João) Rainha Isabel de Coimbra D. Afonso V) Painel do infante (coroação de D. Afonso V)
  • 20. A pintura gótica em Portugal Painel do Arcebispo Painel dos Cavaleiros Painel das Relíquias
  • 21. A pintura gótica em Portugal S. Vicente com o bastão da justiça D. Afonso V D. João II corda Painel do Arcebispo
  • 22. A pintura gótica em Portugal O Cavaleiro Negro (Infante D. Fernando) O Cavaleiro Vermelho (Infante D. João, irmão de D. Pedro) O Cavaleiro Verde (Infante D. Pedro) O Cavaleiro Roxo (Infante D. Henrique) Painel dos Cavaleiros
  • 23. A pintura gótica em Portugal • Homenagem de toda a sociedade portuguesa ao padroeiro de Lisboa, S. Vicente Obra de rutura com ao • Retrato de todos os grupos sociais padrões góticos tradicionais • Individualização de cada figura humana + • rigoroso sentido de composição Obra prenunciadora do renascimento • intensidade expressiva das figuras • valorização da figura humana
  • 24. A escultura gótica em Portugal • Portais • Capitéis Escultura de suporte aos templos • rosáceas • sarcófagos • arcas tumulares Tumulária • Estátuas jacentes Naturalismo expressionista
  • 25. A escultura gótica em Portugal
  • 26. Monumentos manuelinos MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS
  • 27. Monumentos manuelinos CONVENTO DE CRISTO IGREJA DE JESUS
  • 28. O que é o Manuelino?  Foi utilizado nos finais do século XV e nos inícios do século XVI  Corresponde aos reinados de D. Manuel I e de D. João III
  • 29. O que é o Manuelino?  Estilo arquitectónico, tipicamente português, associado às Descobertas e à Expansão Marítima portuguesa.  Integra-se no Gótico Final, distinguindo-se pelos elementos decorativos exuberantes (nacionalistas, marítimos e naturalistas)  Mantém o essencial das estruturas góticas
  • 30. Características do Manuelino Cruz de Cristo Escudo de D. Manuel Esfera armilar Elementos nacionalistas
  • 31. Características do Manuelino Elementos Elementos Naturalistas: Marítimos: Redes Troncos Conchas Cachos de uvas Cordas Folhas de Loureiro Nós Nós Algas Algas Cordas
  • 32. Principais responsáveis Igreja de Jesus, Setúbal Diogo Botaica Mosteiros dos Jerónimos Mosteiro da Batalha politica de protecção às artes, seguida por D. Manuel I Mateus Fernandes Mosteiro da Batalha Diogo Arruda Convento de Cristo Sé de Elvas Francisco Arruda Torre de Belém
  • 33. Pintura Politica de protecção às artes, seguida por D. Manuel I Factores que contribuíram para a evolução da pintura no inicio de Quinhentos: -importação de obras da Flandres; - fixação em Portugal de pintores flamengos - experiência de alguns portugueses em oficinas estrangeiras Escolas regionais: Viseu, Coimbra, Évora Aparição de Cristo a Nossa Senhora, Jorge Afonso, 1515
  • 34. Pintura As obras eram realizadas de forma colectiva entre mestres, artífices e aprendizes (parcerias). Cada um especializava-se no tratamento especifico de determinados elementos do quadro: -a figura humana, -as roupagens, - os ambientes interiores, - as formas arquitectónicas ou paisagens Anunciação, Jorge Afonso, c. 1510
  • 35. Características da pintura Descida da Cruz, Vasco Fernandes e Francisco Henriques, Sé de Viseu, 1501-1506
  • 36. Pintura Características da pintura: -tratamento realista do retrato e das paisagens -aplicação de coloridos intensos -representação minuciosa dos tecidos, tapetes, peças de ourivesaria (todo o tipo de acessórios que reflectiam o requinte e cosmopolitismo/elegância da sociedade cortesã da época) - apuramento do olhar, interesse pelo sensível e observável Descida da Cruz, Vasco Fernandes e Francisco Henriques, Sé de Viseu, 1501-1506
  • 37. Pintura - contexto cultural: emergiu um renovado interesse no homem e na sua relação com o mundo - influência flamenga S. Pedro, Grão Vasco, 1530-35)
  • 38. Escultura ● papel predominante que a ornamentação desempenhou na arte manuelina  diversidade formal e plástica no domínio da escultura ● favoráveis condições de trabalho/aumento da encomenda que aqui se verifica Nossa Senhora com o Menino, Diogo Pires-o-Velho, Igreja Matriz Leça da Palmeira, c. 1478
  • 39. FIM