SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
As origens de Roma
753 a.c
Fundação de Roma
509 a.c.
Proclamação da
República
27 a.c.
Proclamação do
regime imperial.
A República
509 a.c.
Proclamação da República

O Senado controlava as finanças e a administração, além de decidir em
questões de guerra. Os seus membros (os patrícios) eram vitalícios e além de
legislar, decidiam todas as questões políticas internas e externas.
O Império
27 a.c.
Proclamação do regime imperial
Octávio César Augusto
concentração de poderes individuais e de
cargos já existentes na República Romana
Poder autocrático, centralizado e
divino dos imperadores
O tempo: o “século de ouro” ou o
“século de Augusto”
(meados séc. I a.c. a meados séc. I d.c.)
O tempo: o “século de ouro” ou o
“século de Augusto”
(meados séc. I a.c. a meados séc. I d.c.)
O papel das legiões romanas
O tempo: o “século de ouro” ou o
“século de Augusto”
(meados séc. I a.c. a meados séc. I d.c.)
Romanização
A economia romana
A economia romana
A superioridade material
A arquitetura urbana era funcional e sólida.
Realização de grandes obras de
engenharia

Utilização de dois elementos inovadores: o
arco de volta perfeita e a abóbada.
A superioridade material
A arquitetura urbana era funcional e sólida.
Realização de grandes obras de
engenharia

Utilização de dois elementos inovadores: o
arco de volta perfeita e a abóbada.

Aperfeiçoamento de técnicas de construção para impor o pode sobre
todo o império
A sociedade romana
“A sociedade romana existiam numerosas barreiras. À
partida, os homens que nasciam livres estavam separados
da multidão de escravos.
No grau inferior situavam-se os membros da plebe formada
por todos aqueles que não possuíam bens próprios. (…)
Vinha depois a ordem equestre, cujos membros possuíam
pelo menos 400 000 sestércios e recebiam do Imperador,
desde que obtivessem a sua confiança, o comando das suas
tropas auxiliares e um certo número de cargos
administrativos. Finalmente, no topo, a ordem senatorial,
cujos membros, possuidores de um milhão de sestércios,
pelo menos, podiam ser escolhidos pelo Imperador para
generais das suas legiões, ou para os cargos de legados
(governadores das províncias imperiais), administradores dos
principais serviços da cidade de Roma, grandes sacerdotes,
etc.”
Jérôme Carcopino, A vida quotidiana em Roma
no apogeu do Império (adaptado)
A ordem senatorial
Possuidores de uma
fortuna superior a um
milhão de sestércios
•

Proprietários de
latifúndios
•

Exerciam as mais altas
funções: membro do
Senado, magistrado ou
governador das
províncias
•
A ordem equestre







Detentores de uma
fortuna superior a
400 mil sestércios
Grupo constituído
por plebeus ricos
Escolhidos para
importantes cargos
administrativos
Obrigados a prestar
serviço militar a
cavalo
A plebe


Os plebeus pobres viviam na
dependência dos ricos,
tornando-se seus “clientes” ou
da distribuição frequente de
trigo por parte do Estado

Política de “Pão e Circo”
para evitar revoltas

Grupo constituído por
rendeiros, artesãos e
pequenos

proprietários
agrícolas
Os escravos





Provenientes das conquistas
Trabalhavam nas minas, na
agricultura e no serviço
doméstico
Alguns eram utilizados como
gladiadores

Alguns escravos podiam
obter a liberdade, tornandose assim, libertos
Uma das revoltas dos
escravos foi liderada por
Spartacus
A sociedade romana
GRUPOS

CONSTITUIÇÃO

PRINCIPAIS
ACTIVIDADES

Ordem
senatorial

Aristocracia de
nascimento e fortuna
(grandes proprietários)

Senado, altas funções públicas e
religiosas (governadores ou
sacerdotes)

Ordem
equestre

Cavaleiros enriquecidos Exército
pelo comércio
Comércio
Funções administrativas

Plebe

Homens livres, não
pertencentes às ordens

Agricultores, pequenos
comerciantes e artífices

Escravos

Prisioneiros de guerra

Mão-de-obra
Mestres e pedagogos
O tempo: o “século de ouro” ou o
“século de Augusto”
(meados séc. I a.c. a meados séc. I d.c.)







Vastidão do Império (“Mare Nostrum”)
Prosperidade económica
Romanização
Ecletismo da sua cultura
Organização disciplinada das legiões

Poder autocrático, centralizado e
divino dos imperadores
•

•

Modernidade do sistema jurídico

•

Superioridade material
O espaço: Roma
O espaço: Roma
Capital do
Império

Centro das rotas marítimas e
terrestres

A extensa rede
viária ligava a
capital a todas as
partes do Império
O espaço: Roma


Paradigma para as restantes cidades ( a nível administrativo e
urbanístico)
• Na época imperial tinha
cerca de 1 milhão de
habitantes

Preocupações urbanísticas: construção de
aquedutos, sistema de
esgotos, regras para
edifícios,
embelezamento com estátuas e
monumentos, fóruns e
teatros
•
O espaço: Roma
Augusto conferiu a Roma a sua
gradiosidade, monumentalidade e prestígio

Obras de reorganização, reestruturação e
restauração

Instrumento de afirmação e
de consolidação do poder
Desenvolvimento urbanístico
O espaço: Roma
O Fórum:

Praça pública

Forma retangular

Funções políticas, religiosas e mercantis

Edifícios: templos, mercados, cúria, basílica


Estatuária
O espaço: Roma
Novas cidades




Origem: acampamentos
militares;
pequenos
aglomerados urbanos
Organização:
Malha
ortogonal
(Hipódamo de Mileto)
Vias principais: cardo
(N-S) e decumano
(nascente-poente)
Construção do fórum
(grande praça) no
cruzamento dos dois
eixos
Local: Senado






A mais velha instituição do Estado
Romano
República= res publica (coisa
pública):
governo
de
representação popular
Durante a República foi o órgão
político mais importante
Tinha como funções:
Poder legislativo
A política externa
Decisão de guerra e paz
Gestão das festas religiosas
Administração das finanças
Regular a ordem pública
Local: Senado



Durante o Império, o seu número diminuiu e foram-lhe retirados
poderes
Local: Senado
Os Senadores
Os senadores pertenciam às
famílias mais ricas; o seu número
foi aumentando até à época de
Júlio César.
As
magistraturas
estavam
integradas no cursus honorum
(“carreira das honras”), às quais só
os patrícios podiam aceder.
Local: Senado
Os Senadores
Hierarquias do Cursus Honorum:
-Cônsules – funções militares e políticas
-Pretores – funções judiciárias
-Censores – recenseamento e fiscalização
da conduta dos cidadãos
-Questores – finanças
-Senadores – magistrados no Senado
Local: Senado
A retórica
A arte de bem comunicar de forma eficaz e
persuasiva foi determinante para o
exercício da política no Senado.
Foi o principal recurso utilizado pelos
senadores para defenderem as suas
opiniões
Local: Senado
O Direito
Romano
Local: Senado
O Direito
Romano
(

Conjunto de leis aplicadas uniformemente a todo
o Império:

Estabelecimento de princípios gerais

pragmatismo

Aplicação centralizadora da justiça

Imperador como supremo legislador e supremo juiz
Síntese 1: o Latim
Instrumento de Romanização


Origem: latinos (povo de
origem indo-europeia), que
se fixam na Península Itálica
Central e Meridional



Influência de outras línguas
mediterrânicas
(etrusco,
gaulês,
cartaginês
e,
sobretudo, grego).



Século II a.c. - Primeiras
obras completas
Síntese 1: o Latim




A partir do século I a.c. –
apogeu do latim: latim tornase língua oficial de todo o
Império,
sendo
então
elemento de coesão e de
referência nas obras literárias
de Cícero, Virgílio, Horácio ou
Tito Lívio entre outros.

Virgílio

Cícero

Horácio

Tito Lívio

A sua aplicação manifestouse no âmbito da Poesia, do
Direito, Retórica e Filosofia.
Síntese 1: o Latim

Mutação do latim:
O latim refina-se e apura-se entre a elite ( o latim culto)
O “latim do povo” deixou-se contaminar pelos falares locais,
deturpando-se (latim do limes)

-

Cisão entre o latim escrito e o latim falado, este dando origem às
línguas novilatinas, derivadas da vulgata do latim
Síntese 2: o ócio
O século de Augusto trouxe
paz e prosperidade económica
proporcionada pelas conquistas
e
pelo
bom
governo,
possibilitando aos romanos o
usufruto do ócio.
Os hábitos de luxo
instalaram-se nos lares, o
interesse pela filosofia, pela
música
e
pelas
artes
dominaram
os
meios
intelectuais.
Síntese 2: o ócio
Entre os ricos, o luxo
invadiu as residências, os
banquetes e os salões
privados eram frequentes e
a ida às termas um hábito
indispensável e cada vez
praticado como ritual social.

O ócio
Síntese 2: o ócio
As termas
Funções:
-Sociais (convívio)
-Lúdicas (lojas,
teatro, música,
poesia, jogos)
-Higiénicas
-terapêuticas
Síntese 2: o ócio
Outros hábitos

Os teatros

Os templos
Síntese 2: o ócio
Outros hábitos

O Fórum

A Basílica
Síntese 2: o ócio
Os jogos
Como divertimentos
públicos popularizaramse os jogos:
- Circo Máximo:
corridas de cavalos, para
selecionar
o
melhor
animal, cujo vencedor era
sacrificado solenemente
para purificação do solo.
Síntese 2: o ócio
Os Jogos
Como divertimentos
públicos popularizaram-se
os jogos:
- as Grandes Procissões
que
se
tratavam
de
representações teatrais, na
via pública, tratando-se de
uma espécie de mascarada
que tinha como objectivo a
prestação do culto aos
deuses que para tal eram
retirados dos seus templos.
Síntese 2: o ócio
Coliseu

Os jogos mais famosos eram os combates entre
Gladiadores, que tinham como cenário os anfiteatros, nos
quais os combatentes entre condenados à morte, prisioneiros
ou escravos revoltados, cujo sacrifício humano era oferecido
aos deuses.
Síntese 2: o ócio

Os combates entre feras, referenciados para II aC. , entre
animais e entre animais e homens desde o tempo do
Imperador Nero, tornaram-se uma prática corrente.
Síntese 2: o ócio

A violência e o carácter sanguinário destes jogos,
funcionavam
como
uma
forma
de
canalizar
o
descontentamento da plebe urbana, apesar da crítica das
classes mais cultas e mais ricas preferirem o conforto das
suas villas campestres onde o gosto pela arte, pela leitura,
filosofia e literatura ocupava os seus tempos de lazer.
Síntese 2: o ócio

Espetáculo inserido na política da “Pão e Circo”
Biografia: Octávio César Augusto





27 a.c. – título de Augusto
23 a.c. – poder tribunício (convocar
Comícios e Senado; vetar leis e
outras decisões destes orgãos)
12 a.c. - título de Pontífex Maximus

Poder pessoal, absoluto e divino
Biografia: Octávio César Augusto
Importância da sua ação:
-

-

-

-

Estabeleceu a Pax Romana
Apaziguou as lutas sociais (igualdade de todos
os cidadãos perante a lei; eleição para cargos
políticos passa a depender do censo pago)
Reformou o aparelho administrativo central,
reduzindo os poderes do Senado e dos
Comícios
Protegeu as letras e as artes, atraíndo
escritores e artistas à sua corte, subsidiando as
suas obras (mecenato) e realizando inúmeras
obras públicas
Estabeleceu a ligação entre religião e culto ao
imperador
O acontecimento:
o incêndio de Roma
O acontecimento:
o incêndio de Roma








Julho de 64 (Nero)
Devastou Roma durante 7 dias
Desapareceram 10 dos 14 bairros
Nero deu abrigo nos jardins do seu
palácio
Escravos imperiais foram vistos a atear
fogo e Nero foi visto a tocar lira e
declamar odes ao belo espetáculo,
causando indignação popular
Nero aproveitou a ocasião para culpar
os cristãos e iniciar uma série de
perseguições que conduziram ao
martírio de, por exemplo, São Pedro e
São Paulo.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romanaCarla Freitas
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regularCarla Freitas
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regularCarla Freitas
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacioAna Barreiros
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraHca Faro
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regularCarla Freitas
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaAna Barreiros
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoCarla Freitas
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualizaçãoCarla Freitas
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedralVítor Santos
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a artecattonia
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contextocattonia
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualizaçãocattonia
 

Mais procurados (20)

Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
 
Exame módulo 1 de HCA
Exame módulo 1 de HCAExame módulo 1 de HCA
Exame módulo 1 de HCA
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a arte
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
 

Destaque

Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana iiAna Barreiros
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCarlos Vieira
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império RomanoHCA_10I
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senadoVítor Santos
 
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiaisCultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiaisCarlos Vieira
 
Cultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senadoCultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senadoCarlos Vieira
 
Cultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCarlos Vieira
 
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correçãoExame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correçãoteresagoncalves
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romanajojotyu
 
Pintura de Roma
Pintura de RomaPintura de Roma
Pintura de RomaJoana
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCarlos Vieira
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualizaçãocattonia
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaçoAna Barreiros
 
Cultura do senado
Cultura do senadoCultura do senado
Cultura do senadoKaryn XP
 

Destaque (20)

Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
 
Cultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romanaCultura do Senado - Arquitectura romana
Cultura do Senado - Arquitectura romana
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
 
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiaisCultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
Cultura do Senado - Arquitectura origens e materiais
 
Cultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senadoCultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senado
 
Cultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - UrbanismoCultura do Senado - Urbanismo
Cultura do Senado - Urbanismo
 
Exame mod 3 2 taar
Exame mod 3  2 taarExame mod 3  2 taar
Exame mod 3 2 taar
 
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correçãoExame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
 
Pintura de Roma
Pintura de RomaPintura de Roma
Pintura de Roma
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romana
 
Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Hca M3
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
 
Cultura do senado
Cultura do senadoCultura do senado
Cultura do senado
 
Escultura Romana
Escultura RomanaEscultura Romana
Escultura Romana
 

Semelhante a A origem e evolução da civilização romana

Semelhante a A origem e evolução da civilização romana (20)

A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
A cultura do belo ii
A cultura do belo iiA cultura do belo ii
A cultura do belo ii
 
O mundo romano no apogeu do império
O mundo romano no apogeu do impérioO mundo romano no apogeu do império
O mundo romano no apogeu do império
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romano
 
resumos historia.
resumos historia.resumos historia.
resumos historia.
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
PPT - Civilização Romana
PPT - Civilização RomanaPPT - Civilização Romana
PPT - Civilização Romana
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01Roma1 120103075852-phpapp01
Roma1 120103075852-phpapp01
 
Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11
 
A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)A civilização romana (continuação)
A civilização romana (continuação)
 
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
 
Roma Aspecto Culturais
Roma Aspecto CulturaisRoma Aspecto Culturais
Roma Aspecto Culturais
 
Império romano blogue
Império romano blogueImpério romano blogue
Império romano blogue
 
O mundo romano no apogeu do império - 1.ª parte
O mundo romano  no apogeu do império - 1.ª parteO mundo romano  no apogeu do império - 1.ª parte
O mundo romano no apogeu do império - 1.ª parte
 
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de RomaCapítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
Capítulo 10 e 11 - O Imperio e a decadência de Roma
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaAna Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaAna Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoAna Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaAna Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesAna Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidadeAna Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 

Último

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 

A origem e evolução da civilização romana

  • 1.
  • 2. As origens de Roma 753 a.c Fundação de Roma 509 a.c. Proclamação da República 27 a.c. Proclamação do regime imperial.
  • 3. A República 509 a.c. Proclamação da República O Senado controlava as finanças e a administração, além de decidir em questões de guerra. Os seus membros (os patrícios) eram vitalícios e além de legislar, decidiam todas as questões políticas internas e externas.
  • 4. O Império 27 a.c. Proclamação do regime imperial Octávio César Augusto concentração de poderes individuais e de cargos já existentes na República Romana Poder autocrático, centralizado e divino dos imperadores
  • 5. O tempo: o “século de ouro” ou o “século de Augusto” (meados séc. I a.c. a meados séc. I d.c.)
  • 6. O tempo: o “século de ouro” ou o “século de Augusto” (meados séc. I a.c. a meados séc. I d.c.) O papel das legiões romanas
  • 7. O tempo: o “século de ouro” ou o “século de Augusto” (meados séc. I a.c. a meados séc. I d.c.) Romanização
  • 10. A superioridade material A arquitetura urbana era funcional e sólida. Realização de grandes obras de engenharia Utilização de dois elementos inovadores: o arco de volta perfeita e a abóbada.
  • 11. A superioridade material A arquitetura urbana era funcional e sólida. Realização de grandes obras de engenharia Utilização de dois elementos inovadores: o arco de volta perfeita e a abóbada. Aperfeiçoamento de técnicas de construção para impor o pode sobre todo o império
  • 12. A sociedade romana “A sociedade romana existiam numerosas barreiras. À partida, os homens que nasciam livres estavam separados da multidão de escravos. No grau inferior situavam-se os membros da plebe formada por todos aqueles que não possuíam bens próprios. (…) Vinha depois a ordem equestre, cujos membros possuíam pelo menos 400 000 sestércios e recebiam do Imperador, desde que obtivessem a sua confiança, o comando das suas tropas auxiliares e um certo número de cargos administrativos. Finalmente, no topo, a ordem senatorial, cujos membros, possuidores de um milhão de sestércios, pelo menos, podiam ser escolhidos pelo Imperador para generais das suas legiões, ou para os cargos de legados (governadores das províncias imperiais), administradores dos principais serviços da cidade de Roma, grandes sacerdotes, etc.” Jérôme Carcopino, A vida quotidiana em Roma no apogeu do Império (adaptado)
  • 13. A ordem senatorial Possuidores de uma fortuna superior a um milhão de sestércios • Proprietários de latifúndios • Exerciam as mais altas funções: membro do Senado, magistrado ou governador das províncias •
  • 14. A ordem equestre     Detentores de uma fortuna superior a 400 mil sestércios Grupo constituído por plebeus ricos Escolhidos para importantes cargos administrativos Obrigados a prestar serviço militar a cavalo
  • 15. A plebe  Os plebeus pobres viviam na dependência dos ricos, tornando-se seus “clientes” ou da distribuição frequente de trigo por parte do Estado Política de “Pão e Circo” para evitar revoltas Grupo constituído por rendeiros, artesãos e pequenos proprietários agrícolas
  • 16. Os escravos    Provenientes das conquistas Trabalhavam nas minas, na agricultura e no serviço doméstico Alguns eram utilizados como gladiadores Alguns escravos podiam obter a liberdade, tornandose assim, libertos Uma das revoltas dos escravos foi liderada por Spartacus
  • 17. A sociedade romana GRUPOS CONSTITUIÇÃO PRINCIPAIS ACTIVIDADES Ordem senatorial Aristocracia de nascimento e fortuna (grandes proprietários) Senado, altas funções públicas e religiosas (governadores ou sacerdotes) Ordem equestre Cavaleiros enriquecidos Exército pelo comércio Comércio Funções administrativas Plebe Homens livres, não pertencentes às ordens Agricultores, pequenos comerciantes e artífices Escravos Prisioneiros de guerra Mão-de-obra Mestres e pedagogos
  • 18.
  • 19. O tempo: o “século de ouro” ou o “século de Augusto” (meados séc. I a.c. a meados séc. I d.c.)      Vastidão do Império (“Mare Nostrum”) Prosperidade económica Romanização Ecletismo da sua cultura Organização disciplinada das legiões Poder autocrático, centralizado e divino dos imperadores • • Modernidade do sistema jurídico • Superioridade material
  • 21. O espaço: Roma Capital do Império Centro das rotas marítimas e terrestres A extensa rede viária ligava a capital a todas as partes do Império
  • 22. O espaço: Roma  Paradigma para as restantes cidades ( a nível administrativo e urbanístico) • Na época imperial tinha cerca de 1 milhão de habitantes Preocupações urbanísticas: construção de aquedutos, sistema de esgotos, regras para edifícios, embelezamento com estátuas e monumentos, fóruns e teatros •
  • 23. O espaço: Roma Augusto conferiu a Roma a sua gradiosidade, monumentalidade e prestígio Obras de reorganização, reestruturação e restauração Instrumento de afirmação e de consolidação do poder Desenvolvimento urbanístico
  • 24. O espaço: Roma O Fórum:  Praça pública  Forma retangular  Funções políticas, religiosas e mercantis  Edifícios: templos, mercados, cúria, basílica  Estatuária
  • 25. O espaço: Roma Novas cidades   Origem: acampamentos militares; pequenos aglomerados urbanos Organização: Malha ortogonal (Hipódamo de Mileto) Vias principais: cardo (N-S) e decumano (nascente-poente) Construção do fórum (grande praça) no cruzamento dos dois eixos
  • 26. Local: Senado     A mais velha instituição do Estado Romano República= res publica (coisa pública): governo de representação popular Durante a República foi o órgão político mais importante Tinha como funções: Poder legislativo A política externa Decisão de guerra e paz Gestão das festas religiosas Administração das finanças Regular a ordem pública
  • 27. Local: Senado  Durante o Império, o seu número diminuiu e foram-lhe retirados poderes
  • 28. Local: Senado Os Senadores Os senadores pertenciam às famílias mais ricas; o seu número foi aumentando até à época de Júlio César. As magistraturas estavam integradas no cursus honorum (“carreira das honras”), às quais só os patrícios podiam aceder.
  • 29. Local: Senado Os Senadores Hierarquias do Cursus Honorum: -Cônsules – funções militares e políticas -Pretores – funções judiciárias -Censores – recenseamento e fiscalização da conduta dos cidadãos -Questores – finanças -Senadores – magistrados no Senado
  • 30. Local: Senado A retórica A arte de bem comunicar de forma eficaz e persuasiva foi determinante para o exercício da política no Senado. Foi o principal recurso utilizado pelos senadores para defenderem as suas opiniões
  • 32. Local: Senado O Direito Romano ( Conjunto de leis aplicadas uniformemente a todo o Império:  Estabelecimento de princípios gerais  pragmatismo Aplicação centralizadora da justiça Imperador como supremo legislador e supremo juiz
  • 33. Síntese 1: o Latim Instrumento de Romanização  Origem: latinos (povo de origem indo-europeia), que se fixam na Península Itálica Central e Meridional  Influência de outras línguas mediterrânicas (etrusco, gaulês, cartaginês e, sobretudo, grego).  Século II a.c. - Primeiras obras completas
  • 34. Síntese 1: o Latim   A partir do século I a.c. – apogeu do latim: latim tornase língua oficial de todo o Império, sendo então elemento de coesão e de referência nas obras literárias de Cícero, Virgílio, Horácio ou Tito Lívio entre outros. Virgílio Cícero Horácio Tito Lívio A sua aplicação manifestouse no âmbito da Poesia, do Direito, Retórica e Filosofia.
  • 35. Síntese 1: o Latim Mutação do latim: O latim refina-se e apura-se entre a elite ( o latim culto) O “latim do povo” deixou-se contaminar pelos falares locais, deturpando-se (latim do limes) - Cisão entre o latim escrito e o latim falado, este dando origem às línguas novilatinas, derivadas da vulgata do latim
  • 36. Síntese 2: o ócio O século de Augusto trouxe paz e prosperidade económica proporcionada pelas conquistas e pelo bom governo, possibilitando aos romanos o usufruto do ócio. Os hábitos de luxo instalaram-se nos lares, o interesse pela filosofia, pela música e pelas artes dominaram os meios intelectuais.
  • 37. Síntese 2: o ócio Entre os ricos, o luxo invadiu as residências, os banquetes e os salões privados eram frequentes e a ida às termas um hábito indispensável e cada vez praticado como ritual social. O ócio
  • 38. Síntese 2: o ócio As termas Funções: -Sociais (convívio) -Lúdicas (lojas, teatro, música, poesia, jogos) -Higiénicas -terapêuticas
  • 39. Síntese 2: o ócio Outros hábitos Os teatros Os templos
  • 40. Síntese 2: o ócio Outros hábitos O Fórum A Basílica
  • 41. Síntese 2: o ócio Os jogos Como divertimentos públicos popularizaramse os jogos: - Circo Máximo: corridas de cavalos, para selecionar o melhor animal, cujo vencedor era sacrificado solenemente para purificação do solo.
  • 42. Síntese 2: o ócio Os Jogos Como divertimentos públicos popularizaram-se os jogos: - as Grandes Procissões que se tratavam de representações teatrais, na via pública, tratando-se de uma espécie de mascarada que tinha como objectivo a prestação do culto aos deuses que para tal eram retirados dos seus templos.
  • 43. Síntese 2: o ócio Coliseu Os jogos mais famosos eram os combates entre Gladiadores, que tinham como cenário os anfiteatros, nos quais os combatentes entre condenados à morte, prisioneiros ou escravos revoltados, cujo sacrifício humano era oferecido aos deuses.
  • 44. Síntese 2: o ócio Os combates entre feras, referenciados para II aC. , entre animais e entre animais e homens desde o tempo do Imperador Nero, tornaram-se uma prática corrente.
  • 45. Síntese 2: o ócio A violência e o carácter sanguinário destes jogos, funcionavam como uma forma de canalizar o descontentamento da plebe urbana, apesar da crítica das classes mais cultas e mais ricas preferirem o conforto das suas villas campestres onde o gosto pela arte, pela leitura, filosofia e literatura ocupava os seus tempos de lazer.
  • 46. Síntese 2: o ócio Espetáculo inserido na política da “Pão e Circo”
  • 47. Biografia: Octávio César Augusto    27 a.c. – título de Augusto 23 a.c. – poder tribunício (convocar Comícios e Senado; vetar leis e outras decisões destes orgãos) 12 a.c. - título de Pontífex Maximus Poder pessoal, absoluto e divino
  • 48. Biografia: Octávio César Augusto Importância da sua ação: - - - - Estabeleceu a Pax Romana Apaziguou as lutas sociais (igualdade de todos os cidadãos perante a lei; eleição para cargos políticos passa a depender do censo pago) Reformou o aparelho administrativo central, reduzindo os poderes do Senado e dos Comícios Protegeu as letras e as artes, atraíndo escritores e artistas à sua corte, subsidiando as suas obras (mecenato) e realizando inúmeras obras públicas Estabeleceu a ligação entre religião e culto ao imperador
  • 50. O acontecimento: o incêndio de Roma       Julho de 64 (Nero) Devastou Roma durante 7 dias Desapareceram 10 dos 14 bairros Nero deu abrigo nos jardins do seu palácio Escravos imperiais foram vistos a atear fogo e Nero foi visto a tocar lira e declamar odes ao belo espetáculo, causando indignação popular Nero aproveitou a ocasião para culpar os cristãos e iniciar uma série de perseguições que conduziram ao martírio de, por exemplo, São Pedro e São Paulo.
  • 51. FIM