SlideShare uma empresa Scribd logo
A arte grega é feita à medida do
homem. A sua arquitetura e escultura
não têm qualquer semelhança com a
das civilizações anteriores. As obras
de arte são feitas à escala humana. A
sua execução atinge uma perfeição,
proporção, equilíbrio e harmonia
que servirá de modelo a outras
civilizações, ao longo dos tempos.
É uma arte antropocêntrica, pois os
artistas preocupavam-se com o
realismo e procuravam exaltar a
beleza humana, destacando a
perfeição das suas formas.
É racionalista, pois reflete nas
obras as observações concretas dos
elementos que envolvem o Homem.
A arte grega da época clássica resulta de um conjunto de
inspirações das civilizações que a precederam:
• A cultura minoica (Cnossos);
• A cultura micénica (e as influências orientais);
• Os povos invasores como os Dórios…
 Inicialmente, a arquitetura grega usou materiais como a madeira,
depois substituída pela pedra calcária (sobretudo o mármore) a
partir de finais do séc. VII a.C.;
 Períodos evolutivos:
 período arcaico (séc. VIII a inícios do séc. V a.C.);
 período clássico (segunda metade do séc. V ao séc. IV a.C.);
 período helenístico (séc. III a.C. ao início da era cristã).
 A arquitetura grega possui desde sempre uma forte ligação à
matemática e à geometria, o que conduz às primeiras noções de
medida, proporção e ritmo. Estabelece-se o “número de ouro”.
 Criaram normas e regras construtivas, cânones (conjuntos de
regras de proporção métrica) para a realização artística, valores
estéticos e modelos, em quais todos os detalhes, pormenores e
aspetos decorativos eram sujeitos ao ritmo do conjunto.
 Criaram ainda maquetas, em madeira ou terracota, posteriormente
submetidas a aprovação final, para depois executar a obra.
Características:
 Racionalismo (concordância entre a estrutura e a forma);
 Atenção aos pormenores;
 Harmonia e proporção;
 Simplicidade e elegância;
 Aliança da escultura à arquitetura;
 Obediência a uma das três ordens arquitetónicas (conjunto de
regras que definiam as medidas e as relações de proporção entre
todos os elementos de uma construção. Normalmente, são melhor
distinguidas a partir da execução da coluna).
 Nasceu na Grécia Continental por volta de em 600 a.C.;
 Formas geométricas com decoração quase inexistente;
 A coluna não possui base, assenta diretamente no estilóbato (último
degrau, superior, onde assenta o edifício);
 Apresenta um aspeto sóbrio, pesado e maciço, traduzindo assim a
forma do homem; o fuste é robusto e com caneluras em aresta viva;
 O capitel é formado pelo ábaco e equino ou coxim, simples e
geométrico, com forma de almofada. Simboliza a imponência e a
solidez.
 O friso está decorado com tríglifos e métopas.
Friso dividido em triglifos
e métopas
Arquitrave ou lintel liso
Fuste estriado e com arestas
vivas
(não é um bloco monolítico,está
dividido em peças, chamadas
de “tambor”.
Sem base
(fuste sobre o estilóbato)
Capitel composto por ábaco
e equino)
cornija
Frontão
Tímpano
Ictino e Calícrates. 447-432 a. C. Atenas.
A obra foi dirigida por Fidias.
 Nasceu na Jónia no séc. VI a.C.;
 difere da ordem dórica nas proporções de todos os elementos e na
decoração mais abundante da coluna e do entablamento e pela
coluna assentar numa base;
 possui fuste mais longo e delgado, com caneluras semicilíndricas,
sem arestas vivas e em maior número que na ordem dórica;
 o capitel possuí ábaco simples e o equino em forma de volutas
enroladas em espiral.
Base ática
Fuste cilíndrico
estriado
(monolítico, de uma
peça)
Capitel com 2 volutas,
(Decorado com uma linha
de ovas e um cordão de
Pérolas)
Arquitrave
(dividida em 3 franjas
horizontais escalonadas)
Friso, decorado
com relevo
Atena Niké
ERECTEION
Templo dedicado a 3 deuses:
Poseidón, Krekrops e Athena.
Jónico, destaca-se aqui o uso
das Cariátides como colunas.
Quando as figuras eram masculinas, eram chamadas de Atlantes.
O seu construtor foi Mnesicles.
 Apareceu no final do séc. V a.C. e deriva da ordem jónica,
resultado do seu enriquecimento decorativo;
 possuí capitel com forma de sino invertido, decorado com folhas de
acanto, coroadas por volutas jónicas;
 a base era mais trabalhada e o fuste mais adelgado;
 simboliza a ambição, a riqueza, o poder, o luxo e a ostentação.
Com Base
Fuste cilíndrico
estriado e
muito trabalhado
Capitel com volutas e
folhas de acanto
Arquitrave
(dividida)
Friso, muito decorado
com relevo
 O templo foi a expressão máxima da arquitetura grega;
 Morada e abrigo do Deus, local onde se colocava a sua imagem,
à qual os fiéis não tinham acesso, pois os rituais eram realizados
ao ar livre, ao redor do templo (Os fiéis apenas subiam ao templo
para entregarem oferendas e realizarem sacrifícios).
 Destinados a ser admirados de fora, havia uma maior
preocupação com a decoração exterior do que com a interior;
 Embora dedicados aos deuses, refletem a mentalidade
antropocêntrica e racional do homem.
 A sua forma e
estruturas básicas
evoluíram a partir do
mégaron micénico, o
palácio do rei;
 Este era formado por
uma sala quadrangular,
um vestíbulo ou pórtico
suportado por duas
colunas e com telhado
de duas águas.
Megarón de Pilos
 Exteriormente, o templo era decorado com majestosas esculturas
e pintado com azuis, vermelhos e dourados;
 - Utilizava o sistema de construção trilítico definido por pilares
verticais unidos por lintéis (arquitrave) horizontais.
 Possui uma aximetria axial, criando fachadas simétricas, duas a
duas;
 A planta do templo compreendia três espaços: o pronaos (espécie
de pórtico); naos ou cella (local onde se encontrava a estátua da
divindade) e o opistódomos (câmara do tesouro onde eram
guardados os bens preciosos da cidade, assim com as oferendas
ao Deus).
 Esta estrutura tripartida era rodeada por um peristilo, uma
espécie de corredor coberto e circundante, por onde circulavam os
fiéis.
 As colunas e o entablamento eram construídos segundo os
diferentes estilos ou ordens arquitetónicas.
 Distribuição das colunas:
 Filas de colunas:
 Verificam-se em templos dóricos determinadas deformações óticas
corrigidas matematicamente.
• os elementos horizontais do templo
são ligeiramente encurvados para
cima e para fora;
• os elementos verticais, inclinados
para dentro e para cima; toda a
colunata é construída ligeiramente
inclinada para dentro do templo;
• a distância entre as colunas, que aparecem ligeiramente distorcidas ao olho
humano;
• o fuste das colunas era ligeiramente engrossado no primeiro terço da sua
altura (êntase) e o intercolúnio era maior entre as colunas das pontas do que
nas do meio.
 Inicialmente, as cidades gregas cresceram desordenadas. Todavia,
com o desenvolvimento da Democracia , no período clássico,
surgem em torno da ágora, para além dos templos e das stoa
(pórticos), edifícios dedicados às novas funções: o ecclesiasterion;
o bouleuterion ou o pritaneion (sala de reuniões).
 Surgem ainda edifícios ligados ao lazer, como os teatros e os
estádios.
 O espaço urbano dividia-se em três grandes zonas: a zona
privada; a zona pública e a área sagrada.
 Área das casas de habitação: todas elas do mesmo tipo;
 Distribuíam-se por ruas labirínticas e não pavimentadas;
 Não existiam bairros para ricos e pobres.
 A casa grega era construída virada para dentro, em redor de um
pátio interno e constituída por duas zonas distintas:
 O androceu (espaço público masculino);
 O gineceu (espaço privado feminino).
 Espaço para:
 As reuniões políticas;
 As manifestações de
desporto;
 O comércio;
 O teatro e lazer.
 Espaço dos santuários e templos, administrado pelos magistrados
do Estado.
 Hipodamus de Mileto, filósofo e urbanista, elaborou pela primeira
vez um plano para tornar a cidade funcional.
 Este viria a ser aplicado em Mileto e outras cidades como Atenas.
 Este plano consistia na elaboração de avenidas longas, cortadas
por ruas transversais, em ângulos retos, criando assim um sistema
ortogonal (ou de reticula).
 Formavam-se assim quarteirões regulares.
Pág. 53
 Marcado pelos festivais em honra
de Dionísio, estes acontecimentos
tornam-se muito comuns.
 Surge um espaço, dedicado ao
lazer teatral, construído em
espaços abertos, aproveitando as
montanhas, para aí escavar a
bancada para os espetadores.
 É composto por: Orquestra, uma área circular em torno da qual se
organiza o teatro e onde atua o coro; Proscénio ou palco, plataforma
onde estavam os atores; Cenário ou Escena (estrutura arquitetónica
fingida). Existiam ainda as bancadas e os párodos (acessos laterais).
Características:
 Beleza ideal;
 Racionalismo;
 Harmonia e proporção;
 Simplicidade e elegância;
 Aliança à arquitetura.
 Tal como a arquitetura, também existem grandes períodos na
evolução da escultura da Grécia Antiga:
 Arcaico (séc. VIII a VI a.C.);
 Clássico (séc. V a.C.);
 Pós-clássico (séc. IV a.C.)
 Helenístico (séc. III a.C.).
 A escultura abarca duas características distintas, mas ambas
importantes:
 As peças em vulto redondo (a estatuária, propriamente dita);
 Os relevos. Estes enquadravam-se na arquitetura: na ordem
dórica, nas métopas e tímpanos dos frontões; na Jónica, nos
frisos contínuos. Os mais antigos eram de terracota e pintados
com cores vibrantes. Estilisticamente, no entanto, aproximam-
-se da rigidez da estatuária.
 Inspirados na mitologia, os temas
mais comuns da escultura grega
eram as narrativas dos feitos dos
grandes deuses e dos
semideuses.
 Inspiravam-se ainda nas guerras
de Troia.
 A partir do séc. V a.C.,
representam-se também os
atletas e os heróis.
Niké ajustando a
sandália, Fídias
A - arcaica - primitiva (figuras
estilizadas de corpo triangular e
longo pescoço) e matura ou tardia
(séc. VII/VI a.C.). Caracteriza-se:
 pelo sentido de volume e
desenho;
 figuras de influência egípcia e
suméria;
 simetria rigorosa, rigidez e falta de naturalidade;
 utilização de corpos cilíndricos, rosto triangular ovoidal, braços
ligados ao longo do corpo. Cabelos em caracóis agarrados à cabeça,
sem leveza. São características as Kóre (femininas) e os Kouros
(masculinos).
B - fase de transição - fins do séc. VI à segunda metade do séc. V a.C.
 A escultura mantém características
simples, mas já com novo realismo.
É o período severo.
 Sobriedade no tratamento dos
corpos e rostos (a ação parece
congelada num momento);
 Abandono da rigidez e da estática
do corpo, que agora é representado
com um pequeno torção de cabeça.
C - clássica - da segunda metade do séc. V e séc. IV a.C.
Caracteriza-se:
 pela representação de uma beleza idealizada e perfeita. É a
perfeição dos deuses humanizados. As vestes são suaves,
delicadas e transparentes, dando a ideia de movimento, vida e
volume por debaixo delas;
 a anatomia do corpo é atentamente
estudada de modo a ser representada
de forma realista.
 Durante o século IV a.C, as figuras
tornam-se mais delicadas e graciosas.
O artista consegue fazer do material
aquilo que quer, criando obras de uma
graça natural e coesão perfeita.
 A lei da frontalidade é finalmente
quebrada, dando lugar ao contrapostto.
O Discobolo de Miron, um dos
grandes escultores da época.
 Procura-se imitar a natureza
através da seleção do ideal.
Estabelecem-se então cânones
para assim obter um todo
harmonioso e belo.
O Cânone de Policleto
Pág. 58
 Com a chegada do classicismo,
surgem novos autores, como
Escopas, Praxisteles – o
primeiro a representar o nu
feminino e criador do eixo
praxisteliano (contrapostto mais
acentuado) – ou Lisipo (pág.
62). Este cria também um novo
cânone de beleza.
D - helenística - dos fins do séc. IV ao séc. II a.C.
 Tem como características, a expressividade, a emoção, ação,
sentimento, dor, angústia, alegria... Por outro lado, movimento,
teatralidade, realismo, são o comum deste período.
 O séc. III é um século racionalista, onde os deuses olímpicos já não
têm razão de existir. Criou-se uma arte à medida do homem e
virada para a realidade da vida. Agora, os temas são o homem e a
vida na terra, desde o seu nascimento à sua morte, retratando o
sofrimento e a alegria.
Gal moribundo
Pág. 63
 Restam muito poucos vestígios da pintura mural grega.
 Serviria para decorar as paredes internas das casas,
templos e túmulos.
 Os temas seriam ligados ao quotidiano.
Da pintura grega só já nos restam os desenhos
que decoram as peças cerâmicas. Estas peças eram
decoradas com temas inspirados na mitologia e no
quotidiano. Até ao séc. VI a.C., o fundo dos vasos era
pintado a vermelho e as figuras a negro. A partir do
séc. V a.C., esta tendência inverteu-se. Agora, as
figuras apresentam-se a vermelho sobre
um fundo negro.
A palavra cerâmica vem do termo grego kéramos, que
significa "argila".
O uso da cerâmica entre os Gregos foi introduzido desde
o Oriente, a partir do Neolítico (c. 6000 a. C.).
Os recipientes de cerâmica mais antigos eram cobertos a
negro ou tons muito escuros, evoluindo depois para cores
mais claras. Algum tempo depois, na Tessália, começaram a
aparecer as primeiras pinturas a vermelho com decoração
linear (já com espirais e encurvamentos).
No início, apenas os vasos utilizados como oferendas
fúnebres eram pintados. Com o tempo, os vasos de uso do
dia a dia passaram a ser também decorados em quase toda
a sua superfície com motivos geométricos, figuras de
animais, cenas mitológicas e cenas do dia-a-dia.
São estas cenas tão elaboradas que distinguem
a decoração dos vasos gregos em relação aos
vasos produzidos pelas demais civilizações
antigas.
Podem considerar-se cinco fases distintas na cerâmica
grega:
• Proto Geométrico,
• Geométrico,
• Arcaico (figuras negras sob fundo vermelho),
• Clássico (figuras vermelhas sob fundo preto / branco),
• Helenístico (até ao inicio da era cristã).
Todavia, neste módulo apenas iremos considerar as três
mais características.
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
Retirado de http://www.slideshare.net/abaj/ceramica-grega
A forma e tipo de vaso gregos foram muitas ao longo do
tempo:
 A ânfora era um jarro de armazenagem de tamanho médio,
com alças dos dois lados.
 A hídria tinha três alças e servia para carregar água; uma
das alças, a vertical, ajudava a verter o líquido.
 A cratera caracterizava-se pela boca muito larga e servia
para misturar o vinho e a água.
Retirado de http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0023
 A enócoa era uma espécie de jarra e, assim como o cálice,
uma espécie de prato fundo com pé e alças, servia para
beber vinho.
 O skýphos era uma taça um tanto funda, semelhante a
uma caneca com duas alças, e era também usado para
beber.
Retirado de http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0023
 O alabastro, alongado, de fundo ovalado e sem alças;
 o lécito era também alongado, mas com pé, alças e
gargalo estreito; ambos serviam para guardar perfumes e
essências e era em geral usado por mulheres.
 Um tipo especial, o lécito de fundo branco, era usado para
guardar o óleo oferecido aos mortos.
Retirado de http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0023
 O aríbalo, pequeno e redondo, era utilizado pelos homens
para carregar o óleo usado para a limpeza após
exercícios.
 O enorme lutróforo, de forma semelhante
a uma ânfora de pescoço fino e alongado,
servia para levar a água utilizada no
banho ritual das noivas. Ocasionalmente,
servia para marcar o túmulo de moças
que morriam solteiras.
Retirado de http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0023
Os vasos eram feitos da seguinte forma:
• primeiro, a argila era preparada e o pote moldado, em
partes separadas, numa roda simples de oleiro, posta a girar
pelo próprio ceramista ou um ajudante.
• Depois a peça era deixada a secar ao ar.
• Após secar algum tempo, eram novamente levadas à roda,
para dar a forma final.
• As peças eram então unidas com argila líquida, as alças
eram colocadas e as superfícies alisadas. Só dpois disso
vinha a pintura, efetuada com diversas técnicas.
• Na última etapa, o vaso era levado ao fogo.
Durante os períodos Protogeométrico e Geométrico a
cerâmica grega foi decorada com projetos abstratos. Exemplos
de obras deste período podem ser encontradas no sítio
arqueológico de Lefcandi e no cemitério de Dypilon, em
Atenas.
Com as mudanças ao nível estético os temas mudaram,
passando a ser figuras humanas. A batalha e cenas de caçada
também eram populares. Em períodos posteriores, temas
eróticos, tanto homossexual quanto heterossexual, tornaram-
se comuns.
Tal como na escultura, no Período Arcaico a pintura grega
era muito semelhante à egípcia, com todos os símbolos e
detalhes usados de forma a simplificar o desenho:
- Uso da lei da frontalidade (os pés sempre de lado - são
mais difíceis de serem desenhados vistos de frente - e os
rostos de perfil com o olho virado para a frente.
As pinturas representavam o quotidiano das pessoas e
cenas mitológicas, como deuses e semideuses.
A pintura grega de vasos servia assim para contar as
histórias.
• deposição das cinzas dos defuntos;
• armazenamento de produtos alimentares;
• transporte comercial de produtos;
• conservação e armazenamento de óleos, de perfumes e de
cosméticos;
• utilização em rituais religiosos;
• utilização como recipiente para beber.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
cattonia
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Andrea Dressler
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
Ana Barreiros
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
TLopes
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
Carla Freitas
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
Ana Barreiros
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
Carla Freitas
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
TLopes
 
Pintura renascentista
Pintura renascentistaPintura renascentista
Pintura renascentista
Filipe Moreira
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
Carla Freitas
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
Ana Barreiros
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
Ana Barreiros
 
Arte paleocristã
Arte paleocristãArte paleocristã
Arte paleocristã
Sandro Bottene
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
home
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
teresagoncalves
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
Flávia Marques
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
Susana Simões
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
Carla Freitas
 
11 cultura grega
11   cultura grega11   cultura grega
11 cultura grega
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
 
Pintura renascentista
Pintura renascentistaPintura renascentista
Pintura renascentista
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
 
Arte paleocristã
Arte paleocristãArte paleocristã
Arte paleocristã
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correçãoExame do Módulo 5  de HCA - Proposta de correção
Exame do Módulo 5 de HCA - Proposta de correção
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
11 cultura grega
11   cultura grega11   cultura grega
11 cultura grega
 

Semelhante a Arte grega

GréCia Arte Resumos
GréCia Arte ResumosGréCia Arte Resumos
GréCia Arte Resumos
Isidro Santos
 
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicioA arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
Pkena Keila
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
HCA_10I
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
rhachel
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
Endelion
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
NunoOliveira413523
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
VIVIAN TROMBINI
 
Arquitectura grega
Arquitectura gregaArquitectura grega
Arquitectura grega
Cátia Morgado
 
Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2
cattonia
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
Ricardo Staiger
 
Arquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia AntigaArquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia Antiga
Lyzaa Martha
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
GabrielaSanita
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
Cinthya Nascimento
 
Arte greco romana
Arte greco romanaArte greco romana
Arte greco romana
cattonia
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Claudio Soares
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
khistoria
 
Prehistoria grécia roma egito
Prehistoria grécia roma egitoPrehistoria grécia roma egito
Prehistoria grécia roma egito
Barbara Sabino
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
Carla Teixeira
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega

Semelhante a Arte grega (20)

GréCia Arte Resumos
GréCia Arte ResumosGréCia Arte Resumos
GréCia Arte Resumos
 
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicioA arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
Arquitectura grega
Arquitectura gregaArquitectura grega
Arquitectura grega
 
Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
 
Arquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia AntigaArquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia Antiga
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
Arte greco romana
Arte greco romanaArte greco romana
Arte greco romana
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
Mundo Helénico - A arte: a arquitetura, a escultura e a pintura.
 
Prehistoria grécia roma egito
Prehistoria grécia roma egitoPrehistoria grécia roma egito
Prehistoria grécia roma egito
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Arte grega
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 

Arte grega

  • 1.
  • 2.
  • 3. A arte grega é feita à medida do homem. A sua arquitetura e escultura não têm qualquer semelhança com a das civilizações anteriores. As obras de arte são feitas à escala humana. A sua execução atinge uma perfeição, proporção, equilíbrio e harmonia que servirá de modelo a outras civilizações, ao longo dos tempos.
  • 4. É uma arte antropocêntrica, pois os artistas preocupavam-se com o realismo e procuravam exaltar a beleza humana, destacando a perfeição das suas formas. É racionalista, pois reflete nas obras as observações concretas dos elementos que envolvem o Homem.
  • 5. A arte grega da época clássica resulta de um conjunto de inspirações das civilizações que a precederam: • A cultura minoica (Cnossos); • A cultura micénica (e as influências orientais); • Os povos invasores como os Dórios…
  • 6.  Inicialmente, a arquitetura grega usou materiais como a madeira, depois substituída pela pedra calcária (sobretudo o mármore) a partir de finais do séc. VII a.C.;  Períodos evolutivos:  período arcaico (séc. VIII a inícios do séc. V a.C.);  período clássico (segunda metade do séc. V ao séc. IV a.C.);  período helenístico (séc. III a.C. ao início da era cristã).  A arquitetura grega possui desde sempre uma forte ligação à matemática e à geometria, o que conduz às primeiras noções de medida, proporção e ritmo. Estabelece-se o “número de ouro”.
  • 7.  Criaram normas e regras construtivas, cânones (conjuntos de regras de proporção métrica) para a realização artística, valores estéticos e modelos, em quais todos os detalhes, pormenores e aspetos decorativos eram sujeitos ao ritmo do conjunto.  Criaram ainda maquetas, em madeira ou terracota, posteriormente submetidas a aprovação final, para depois executar a obra.
  • 8. Características:  Racionalismo (concordância entre a estrutura e a forma);  Atenção aos pormenores;  Harmonia e proporção;  Simplicidade e elegância;  Aliança da escultura à arquitetura;  Obediência a uma das três ordens arquitetónicas (conjunto de regras que definiam as medidas e as relações de proporção entre todos os elementos de uma construção. Normalmente, são melhor distinguidas a partir da execução da coluna).
  • 9.
  • 10.  Nasceu na Grécia Continental por volta de em 600 a.C.;  Formas geométricas com decoração quase inexistente;  A coluna não possui base, assenta diretamente no estilóbato (último degrau, superior, onde assenta o edifício);  Apresenta um aspeto sóbrio, pesado e maciço, traduzindo assim a forma do homem; o fuste é robusto e com caneluras em aresta viva;  O capitel é formado pelo ábaco e equino ou coxim, simples e geométrico, com forma de almofada. Simboliza a imponência e a solidez.  O friso está decorado com tríglifos e métopas.
  • 11. Friso dividido em triglifos e métopas Arquitrave ou lintel liso Fuste estriado e com arestas vivas (não é um bloco monolítico,está dividido em peças, chamadas de “tambor”. Sem base (fuste sobre o estilóbato) Capitel composto por ábaco e equino) cornija Frontão Tímpano
  • 12.
  • 13. Ictino e Calícrates. 447-432 a. C. Atenas. A obra foi dirigida por Fidias.
  • 14.
  • 15.  Nasceu na Jónia no séc. VI a.C.;  difere da ordem dórica nas proporções de todos os elementos e na decoração mais abundante da coluna e do entablamento e pela coluna assentar numa base;  possui fuste mais longo e delgado, com caneluras semicilíndricas, sem arestas vivas e em maior número que na ordem dórica;  o capitel possuí ábaco simples e o equino em forma de volutas enroladas em espiral.
  • 16. Base ática Fuste cilíndrico estriado (monolítico, de uma peça) Capitel com 2 volutas, (Decorado com uma linha de ovas e um cordão de Pérolas) Arquitrave (dividida em 3 franjas horizontais escalonadas) Friso, decorado com relevo
  • 18. ERECTEION Templo dedicado a 3 deuses: Poseidón, Krekrops e Athena. Jónico, destaca-se aqui o uso das Cariátides como colunas. Quando as figuras eram masculinas, eram chamadas de Atlantes. O seu construtor foi Mnesicles.
  • 19.
  • 20.  Apareceu no final do séc. V a.C. e deriva da ordem jónica, resultado do seu enriquecimento decorativo;  possuí capitel com forma de sino invertido, decorado com folhas de acanto, coroadas por volutas jónicas;  a base era mais trabalhada e o fuste mais adelgado;  simboliza a ambição, a riqueza, o poder, o luxo e a ostentação.
  • 21. Com Base Fuste cilíndrico estriado e muito trabalhado Capitel com volutas e folhas de acanto Arquitrave (dividida) Friso, muito decorado com relevo
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.  O templo foi a expressão máxima da arquitetura grega;  Morada e abrigo do Deus, local onde se colocava a sua imagem, à qual os fiéis não tinham acesso, pois os rituais eram realizados ao ar livre, ao redor do templo (Os fiéis apenas subiam ao templo para entregarem oferendas e realizarem sacrifícios).  Destinados a ser admirados de fora, havia uma maior preocupação com a decoração exterior do que com a interior;  Embora dedicados aos deuses, refletem a mentalidade antropocêntrica e racional do homem.
  • 26.  A sua forma e estruturas básicas evoluíram a partir do mégaron micénico, o palácio do rei;  Este era formado por uma sala quadrangular, um vestíbulo ou pórtico suportado por duas colunas e com telhado de duas águas. Megarón de Pilos
  • 27.  Exteriormente, o templo era decorado com majestosas esculturas e pintado com azuis, vermelhos e dourados;  - Utilizava o sistema de construção trilítico definido por pilares verticais unidos por lintéis (arquitrave) horizontais.
  • 28.  Possui uma aximetria axial, criando fachadas simétricas, duas a duas;  A planta do templo compreendia três espaços: o pronaos (espécie de pórtico); naos ou cella (local onde se encontrava a estátua da divindade) e o opistódomos (câmara do tesouro onde eram guardados os bens preciosos da cidade, assim com as oferendas ao Deus).  Esta estrutura tripartida era rodeada por um peristilo, uma espécie de corredor coberto e circundante, por onde circulavam os fiéis.  As colunas e o entablamento eram construídos segundo os diferentes estilos ou ordens arquitetónicas.
  • 29.
  • 30.  Distribuição das colunas:  Filas de colunas:
  • 31.
  • 32.  Verificam-se em templos dóricos determinadas deformações óticas corrigidas matematicamente. • os elementos horizontais do templo são ligeiramente encurvados para cima e para fora; • os elementos verticais, inclinados para dentro e para cima; toda a colunata é construída ligeiramente inclinada para dentro do templo;
  • 33. • a distância entre as colunas, que aparecem ligeiramente distorcidas ao olho humano; • o fuste das colunas era ligeiramente engrossado no primeiro terço da sua altura (êntase) e o intercolúnio era maior entre as colunas das pontas do que nas do meio.
  • 34.  Inicialmente, as cidades gregas cresceram desordenadas. Todavia, com o desenvolvimento da Democracia , no período clássico, surgem em torno da ágora, para além dos templos e das stoa (pórticos), edifícios dedicados às novas funções: o ecclesiasterion; o bouleuterion ou o pritaneion (sala de reuniões).  Surgem ainda edifícios ligados ao lazer, como os teatros e os estádios.  O espaço urbano dividia-se em três grandes zonas: a zona privada; a zona pública e a área sagrada.
  • 35.  Área das casas de habitação: todas elas do mesmo tipo;  Distribuíam-se por ruas labirínticas e não pavimentadas;  Não existiam bairros para ricos e pobres.  A casa grega era construída virada para dentro, em redor de um pátio interno e constituída por duas zonas distintas:  O androceu (espaço público masculino);  O gineceu (espaço privado feminino).
  • 36.  Espaço para:  As reuniões políticas;  As manifestações de desporto;  O comércio;  O teatro e lazer.
  • 37.  Espaço dos santuários e templos, administrado pelos magistrados do Estado.
  • 38.  Hipodamus de Mileto, filósofo e urbanista, elaborou pela primeira vez um plano para tornar a cidade funcional.  Este viria a ser aplicado em Mileto e outras cidades como Atenas.  Este plano consistia na elaboração de avenidas longas, cortadas por ruas transversais, em ângulos retos, criando assim um sistema ortogonal (ou de reticula).  Formavam-se assim quarteirões regulares. Pág. 53
  • 39.  Marcado pelos festivais em honra de Dionísio, estes acontecimentos tornam-se muito comuns.  Surge um espaço, dedicado ao lazer teatral, construído em espaços abertos, aproveitando as montanhas, para aí escavar a bancada para os espetadores.
  • 40.  É composto por: Orquestra, uma área circular em torno da qual se organiza o teatro e onde atua o coro; Proscénio ou palco, plataforma onde estavam os atores; Cenário ou Escena (estrutura arquitetónica fingida). Existiam ainda as bancadas e os párodos (acessos laterais).
  • 41.
  • 42. Características:  Beleza ideal;  Racionalismo;  Harmonia e proporção;  Simplicidade e elegância;  Aliança à arquitetura.
  • 43.  Tal como a arquitetura, também existem grandes períodos na evolução da escultura da Grécia Antiga:  Arcaico (séc. VIII a VI a.C.);  Clássico (séc. V a.C.);  Pós-clássico (séc. IV a.C.)  Helenístico (séc. III a.C.).
  • 44.  A escultura abarca duas características distintas, mas ambas importantes:  As peças em vulto redondo (a estatuária, propriamente dita);  Os relevos. Estes enquadravam-se na arquitetura: na ordem dórica, nas métopas e tímpanos dos frontões; na Jónica, nos frisos contínuos. Os mais antigos eram de terracota e pintados com cores vibrantes. Estilisticamente, no entanto, aproximam- -se da rigidez da estatuária.
  • 45.  Inspirados na mitologia, os temas mais comuns da escultura grega eram as narrativas dos feitos dos grandes deuses e dos semideuses.  Inspiravam-se ainda nas guerras de Troia.  A partir do séc. V a.C., representam-se também os atletas e os heróis. Niké ajustando a sandália, Fídias
  • 46. A - arcaica - primitiva (figuras estilizadas de corpo triangular e longo pescoço) e matura ou tardia (séc. VII/VI a.C.). Caracteriza-se:  pelo sentido de volume e desenho;  figuras de influência egípcia e suméria;  simetria rigorosa, rigidez e falta de naturalidade;  utilização de corpos cilíndricos, rosto triangular ovoidal, braços ligados ao longo do corpo. Cabelos em caracóis agarrados à cabeça, sem leveza. São características as Kóre (femininas) e os Kouros (masculinos).
  • 47. B - fase de transição - fins do séc. VI à segunda metade do séc. V a.C.  A escultura mantém características simples, mas já com novo realismo. É o período severo.  Sobriedade no tratamento dos corpos e rostos (a ação parece congelada num momento);  Abandono da rigidez e da estática do corpo, que agora é representado com um pequeno torção de cabeça.
  • 48.
  • 49. C - clássica - da segunda metade do séc. V e séc. IV a.C. Caracteriza-se:  pela representação de uma beleza idealizada e perfeita. É a perfeição dos deuses humanizados. As vestes são suaves, delicadas e transparentes, dando a ideia de movimento, vida e volume por debaixo delas;
  • 50.  a anatomia do corpo é atentamente estudada de modo a ser representada de forma realista.  Durante o século IV a.C, as figuras tornam-se mais delicadas e graciosas. O artista consegue fazer do material aquilo que quer, criando obras de uma graça natural e coesão perfeita.  A lei da frontalidade é finalmente quebrada, dando lugar ao contrapostto. O Discobolo de Miron, um dos grandes escultores da época.
  • 51.  Procura-se imitar a natureza através da seleção do ideal. Estabelecem-se então cânones para assim obter um todo harmonioso e belo. O Cânone de Policleto Pág. 58
  • 52.  Com a chegada do classicismo, surgem novos autores, como Escopas, Praxisteles – o primeiro a representar o nu feminino e criador do eixo praxisteliano (contrapostto mais acentuado) – ou Lisipo (pág. 62). Este cria também um novo cânone de beleza.
  • 53. D - helenística - dos fins do séc. IV ao séc. II a.C.  Tem como características, a expressividade, a emoção, ação, sentimento, dor, angústia, alegria... Por outro lado, movimento, teatralidade, realismo, são o comum deste período.  O séc. III é um século racionalista, onde os deuses olímpicos já não têm razão de existir. Criou-se uma arte à medida do homem e virada para a realidade da vida. Agora, os temas são o homem e a vida na terra, desde o seu nascimento à sua morte, retratando o sofrimento e a alegria. Gal moribundo
  • 55.  Restam muito poucos vestígios da pintura mural grega.  Serviria para decorar as paredes internas das casas, templos e túmulos.  Os temas seriam ligados ao quotidiano.
  • 56. Da pintura grega só já nos restam os desenhos que decoram as peças cerâmicas. Estas peças eram decoradas com temas inspirados na mitologia e no quotidiano. Até ao séc. VI a.C., o fundo dos vasos era pintado a vermelho e as figuras a negro. A partir do séc. V a.C., esta tendência inverteu-se. Agora, as figuras apresentam-se a vermelho sobre um fundo negro.
  • 57. A palavra cerâmica vem do termo grego kéramos, que significa "argila". O uso da cerâmica entre os Gregos foi introduzido desde o Oriente, a partir do Neolítico (c. 6000 a. C.). Os recipientes de cerâmica mais antigos eram cobertos a negro ou tons muito escuros, evoluindo depois para cores mais claras. Algum tempo depois, na Tessália, começaram a aparecer as primeiras pinturas a vermelho com decoração linear (já com espirais e encurvamentos).
  • 58. No início, apenas os vasos utilizados como oferendas fúnebres eram pintados. Com o tempo, os vasos de uso do dia a dia passaram a ser também decorados em quase toda a sua superfície com motivos geométricos, figuras de animais, cenas mitológicas e cenas do dia-a-dia. São estas cenas tão elaboradas que distinguem a decoração dos vasos gregos em relação aos vasos produzidos pelas demais civilizações antigas.
  • 59. Podem considerar-se cinco fases distintas na cerâmica grega: • Proto Geométrico, • Geométrico, • Arcaico (figuras negras sob fundo vermelho), • Clássico (figuras vermelhas sob fundo preto / branco), • Helenístico (até ao inicio da era cristã). Todavia, neste módulo apenas iremos considerar as três mais características.
  • 60.
  • 72. A forma e tipo de vaso gregos foram muitas ao longo do tempo:
  • 73.  A ânfora era um jarro de armazenagem de tamanho médio, com alças dos dois lados.  A hídria tinha três alças e servia para carregar água; uma das alças, a vertical, ajudava a verter o líquido.  A cratera caracterizava-se pela boca muito larga e servia para misturar o vinho e a água. Retirado de http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0023
  • 74.  A enócoa era uma espécie de jarra e, assim como o cálice, uma espécie de prato fundo com pé e alças, servia para beber vinho.  O skýphos era uma taça um tanto funda, semelhante a uma caneca com duas alças, e era também usado para beber. Retirado de http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0023
  • 75.  O alabastro, alongado, de fundo ovalado e sem alças;  o lécito era também alongado, mas com pé, alças e gargalo estreito; ambos serviam para guardar perfumes e essências e era em geral usado por mulheres.  Um tipo especial, o lécito de fundo branco, era usado para guardar o óleo oferecido aos mortos. Retirado de http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0023
  • 76.  O aríbalo, pequeno e redondo, era utilizado pelos homens para carregar o óleo usado para a limpeza após exercícios.  O enorme lutróforo, de forma semelhante a uma ânfora de pescoço fino e alongado, servia para levar a água utilizada no banho ritual das noivas. Ocasionalmente, servia para marcar o túmulo de moças que morriam solteiras. Retirado de http://greciantiga.org/img/index.asp?num=0023
  • 77. Os vasos eram feitos da seguinte forma: • primeiro, a argila era preparada e o pote moldado, em partes separadas, numa roda simples de oleiro, posta a girar pelo próprio ceramista ou um ajudante. • Depois a peça era deixada a secar ao ar. • Após secar algum tempo, eram novamente levadas à roda, para dar a forma final. • As peças eram então unidas com argila líquida, as alças eram colocadas e as superfícies alisadas. Só dpois disso vinha a pintura, efetuada com diversas técnicas. • Na última etapa, o vaso era levado ao fogo.
  • 78. Durante os períodos Protogeométrico e Geométrico a cerâmica grega foi decorada com projetos abstratos. Exemplos de obras deste período podem ser encontradas no sítio arqueológico de Lefcandi e no cemitério de Dypilon, em Atenas. Com as mudanças ao nível estético os temas mudaram, passando a ser figuras humanas. A batalha e cenas de caçada também eram populares. Em períodos posteriores, temas eróticos, tanto homossexual quanto heterossexual, tornaram- se comuns.
  • 79.
  • 80.
  • 81. Tal como na escultura, no Período Arcaico a pintura grega era muito semelhante à egípcia, com todos os símbolos e detalhes usados de forma a simplificar o desenho: - Uso da lei da frontalidade (os pés sempre de lado - são mais difíceis de serem desenhados vistos de frente - e os rostos de perfil com o olho virado para a frente. As pinturas representavam o quotidiano das pessoas e cenas mitológicas, como deuses e semideuses. A pintura grega de vasos servia assim para contar as histórias.
  • 82.
  • 83. • deposição das cinzas dos defuntos; • armazenamento de produtos alimentares; • transporte comercial de produtos; • conservação e armazenamento de óleos, de perfumes e de cosméticos; • utilização em rituais religiosos; • utilização como recipiente para beber.