SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA IBN MUCANA
História da Cultura e das Artes – 11ºF – 2012/2013
Ficha formativa 2
________________________________________________________________________
Módulo 7 – A Cultura do Salão
1. Caracteriza o século XVIII nos seus aspetos económicos, sociais, políticos e culturais.
- Crescimento demográfico
- Revolução Industrial
- ascensão da burguesia
- Iluminismo + críticas à sociedade de ordens e ao absolutismo.
2. Descreve o salão como o novo espaço de conforto, intimidade e sociabilidade.
Após a morte de Luís XIV, sucedeu-lhe o seu neto, Luís XV, com apenas 5 anos. Até à sua maioridade,
seguem-se as regências do Duque de Orleães e Duque de Bourbon. Sem rei, as cerimónias e os rituais na corte
tornam-se monótonas e perdem fascínio. Como consequência, a nobreza passa mais tempo nos seus palácios,
onde investe no conforto dos seus palácios. A decoração torna-se requintada, elegante, luxuosa e exuberante.
O ambiente torna-se alegre, otimista e despreocupado. Nas casas nobres, o salão é a dependência nobre, de
amplas dimensões, faustosamente decorada e mobilada. É o verdadeiro centro da vida social: o local de
reunião familiar; o local onde se recebem as visitas mais solenes; onde se fazem os banquetes e bailes e onde
se fazem tertúlias com uma personalidade em voga (músicos, cantores de ópera, escritores, filósofos e
cientistas). Nestas festas, defendia-se a civilidade, as boas maneiras, a galanteria e as virtudes sociais: Ser
educado, galante, vestir bem, falar rebuscado, usar gestos delicados, cheios de floreados e gentilezas.
Deste modo, os salões, espaços íntimos e privados, tornam-se importantes centros da vida social, cultural e
artística, exercendo uma grande importância na divulgação das novas ideias filosóficas e políticas. Pessoas
como Madame Pompadour, Madame de Tecin ou Madame Geoffrin foram algumas das personalidades que
incentivaram e apoiaram estas verdadeiras tertúlias, organizando e dinamizando sessões culturais no campo
das artes e das letras.
3. Identifica o Iluminismo como um movimento de rutura cultural, científica, social e política.
Este movimento filosófico tem raízes no Renascimento e no Humanismo do século XVI (que valorizava o
indivíduo e o espírito crítico) e na Revolução Científica do século XVII (que aplica o método científico com
base numa atitude racionalista e empirista).
O Iluminismo foi uma corrente de renovação intelectual e cultural do século XVIII que acreditava no valor
absoluto da razão. Os Iluminstas consideram que é a partir do exercício da Razão que o Homem se liberta da
ignorância e das forças opressoras e consegue construir o conhecimento sobre a Natureza, o homem e a
sociedade. É deste modo que o homem consegue construir o progresso e o bem-estar das pessoas,
comduzindo-as à felicidade, um direito natural de todos os homens. Tinham, portanto, uma visão otimista do
futuro.
Refletindo sobre a condição humana, formularam os direitos naturais, nos quais se incluíam o direito à
liberdade e à igualdade entre todos os homens, princípios que encontravam grande identidade com a
mentalidade burguesa e os valores por ela defendidos ( a dignificação pessoal pelo trabalho e pela instrução e
não pelo nascimento). Como consequência, surgem uma série de críticas ao regime absolutista e à sociedade
de ordens, porque impediam o respeito pelos direitos naturais.
Uma das obras de maior repercussão foi a Enciclopédia, uma compilação dos mais modernos e atualizados
conhecimentos da época, onde estavam representados todos os valores da ciência e do progresso social,
constituindo um poderoso instrumento ao serviço das doutrinas filosóficas iluministas.
As ideias iluministas tiveram ampla aceitação, sobretudo pela burguesia. Os meios que permitiram a
divulgação dessas ideias foram os salões (espaços de encontro social das elites intelectuais), os cafés e os
clubes (como novos espaços, menos elitistas, de divulgação do Iluminismo), a Enciclopédia (obra que reunia
os conhecimentos atualizados sobre as ciências e as artes) e as lojas maçónicas.
4. Justifica a importância do pensamento de Rousseau para a sua época e para a posteridade.
Rousseau foi uma figura importante da cultura europeia do século XVIII. Na obra “O Contrato Social”,
defende a teoria da soberania nacional e do contrato social, um acordo tácito ou explícito celebrado entre os
indivíduos (naturalmente iguais e livres) e a sociedade, pelo qual se legitima a transferência de poder destes
para a comunidade e desta para o governante, com a condição deste o exercer no interesse da comunidade de
governados. Segundo Rousseau, o contrato legitima a resistência à opressão quando os governantes não
governam no interesse da comunidade. Desta forma, Rousseau acaba por legitimar a Revolução Francesa e
todas as revoluções liberais que se lhe seguiram.
Rousseau defendeu também a “teoria do bom selvagem” (crença de que todo o homem é, por condição de
nascimento, naturalmente bom e que é a sociedade que o corrompe, levando à barbárie do presente.
críticas à educação teórica e livresca do seu tempo). Em “Emílio”, propõe uma educação negativa,
progressiva e de experimentação direta, procurando preservar a liberdade natural da criança, promover a sua
liberdade moral e o gosto por aprender.
5. Explica a importância da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão.
A Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada nod ia 26 de agosto de 1789, surge
na sequência do movimento revolucionário que se iniciou na Tomada da Bastilha no dia 14 de Julho de 1789
em Paris, tendo-se seguido uma série de medidas legislativas no sentido de terminar com o Antigo Regime. As
ideas-base são a liberdade individual (um direito natural inviolável e imprescritível) e a igualdade (ideário
radical e revolucionário), significando o fim da sociedade de ordens do Antigo Regime. Declara ainda outros
direitos naturais: a propriedade, a segurança e a resistência à opressão. Defende ainda a soberania nacional, a
existência de limites ao exercício da liberdade, a lei é a expressão da vontade geral, a defesa da liberdade de
expressão e o pagamento de impostos por todos.
6. Identifica o Rococó como um movimento de rutura e de continuidade do Barroco.
O Rococó surge como revolta contra as regras seiscentistas, inserindo-se no novo espírito de liberdade cortesã,
sem vínculo ao “gosto oficial” de Versalhes, e na procura de intimidade, requinte e de elegância nas festas
galantes. À imponência barroca, o Rococó impõe um estilo leve, elegante e refinado, com cores suaves, linhas
delicadas, sinuosas, caprichosas e informais. Era, portanto, um estilo próprio de uma elite aristocrática e
intelectual, amante da alegria, do natural e do convívio. À arte é retirada toda a função política e religiosa,
deixando de ter como objetivo a transmissão do poder absoluto do rei ou a doutrina católica como forma de
impôr a autoridade das duas instituições. Apesar desta rutura, o Rococó mantém do Barroco a procura de
efeitos fantasiosos, expressivos e puramente visuais, exaltando o prazer dos sentidos.
7. Localiza esse movimento artístico no tempo e no espaço.
O Rococó nasceu em França, por volta de 1715-20, atingiu o apogeu em 1730 e entrou em declínio com o fim
do reinado de Luís XV. Ligada à palavra francesa rocaille, expandiu-se por toda a Europa e chegou aos
impérios coloniais.
8. Identifica o aparecimento do Rococó como um estilo decorativo, relacionando-o com o desenvolvimento
das artes decorativas.
O Rococó manifestou-se, inicialmente, como um novo tipo de ornamentação, próprio para a decoração de
interiores. Por conseguinte, foram valorizadas as artes menores, como o mobiliário (o estilo Luis XV), a
cerâmica (nomeadamente a porcelana, com a produção de objetos decorativos), a ourivesaria, a ferraria e a
tapeçaria (com cenas campestres, caçadas, festas, etc).
9. Descreve os princípios da arquitetura rococó.
-

Diferenciação dos edifícios, de acordo com a sua função

-

traçado exterior simples

-

conceito de interior, que deve proporcionar conforto, comodidade e intimidade

-

utilização de elementos decorativos barrocos, mas de um modo mais liberto, mais sensual

-

novos elementos decorativos (conchas, algas marinhas, rocalhos e chinoiseries)

-

uso de materiais fingidos: falsos mármores, madeiras e estuques pintados

10. Descreve as características da arquitetura rococó, identificando o “hôtel particulier” e o “château”
como os principais tipos de edifícios construídos.
A aplicação destes princípios fizeram-se sentir, sobretudo, na arquitetura civil, sobretudo no hôtel particulier
(palacete citadino) e no château (palácio campestre).
As suas características exteriores são:
- Fachadas mais alinhadas:
-

banidos os elementos decorativos clássicos (colunas, frontões e esculturas)

-

manutenção dos entablamentos e das balaustradas

-

ângulos retos suavizados por curvas

- Tetos de duas águas
-Portas-janelas:
-

alinhadas na vertical e na horizontal, ritmando as fchadas

-

de maiores dimensões
recortadas e emoluradas com arcos de volta perfeita ou abatidos

Decoração exterior concentrada nas portas e nas janelas, nas consolas, nas arcadas, no aparelho de
alvenaria, nas ferragens e batentes

-

ferro forjado muito abundante (grades para jardins, lagos e portas)

-

Jardins (locais de festas faustosas):
-

Grandes relvados com arvoredos

-

esculturas, rampas, lagos, pavilhões de caça, pequenos apartamentos, pagodes chineses

As suas características interiores são:
-

Plano central das habitações: salão principal

-

em torno deste estão as salas secundárias e a biblioteca

-

2º piso: divisões privadas

-

divisões baixas, pequenas, independentes, arredondadas e pavimento em parquet

-

interior iluminado: portas-janelas, espelhos, candeeiros e lustres
-

paredes com decoração exuberante com cores claras(molduras douradas, telas, tapeçarias, frescos, relevos
policromados)

11. Descreve os aspetos que caracterizam a arquitetura religiosa rococó.
- Plantas longitudinais complexas
- exteriores simples mas cheios de janelas
- principal elemento decorativo: a concha
- interiores: mistura escultura, pintura e arquitetura, com vários pontos de fuga, criando um cenário fictício
12. Diz quais são os novos cânones estéticos da escultura rococó.
Os novos cânones estéticos são:
-

manutenção das linhas curvas e contra-curvas

-

linhas mais delicadas e diluidas, organizadas em:
-

expressivos ces (C)

-

estilizados esses (S),
em contracurvados duplos

adoção do cânone maneirista da figura humana:
-

-

corpos alongados e silhuetas caprichosas;
leveza e graciosidade nos gestos, nas aitudes e nas posições (esculturas galantes)

grupos escultóricos: composições com movimento e ritmo, com elevado sentido cénico e enquadradas no
cenário onde se destinam

13. Refere os dois tipos de escultura preferidos na época, relacionando-os com a sua função.
Existia uma preferência por:
-

Escultura decorativa que complementa a arquitetura, de forma a cobrir todas as estruturas e superfícies

-

estatuária de pequeno porte que complementa a decoração de interiores (bibelots), com pequenos objetos
sem função utilitária (bustos, estatuetas religiosas ou mitológicas)

14. Descreve os materiais e os temas da escultura rococó.
Materiais:
-

nas grandes obras escultóricas do exterior: pedra e bronze

-

escultura de pequena dimensão e objetos ornamentais: bronze, ouro, prata, porcelana (a porcelana biscuit)

-

decoração mural de interiores: madeira, argila, estuque e gesso

Novos temas:
-

sobretudo na pequena escultura, preferência por temas “menores”: irónicos, jocosos, sensuais e até
eróticos e galantes

-

Estatuária monumental: temas tradicionais (comemorativos, alegóricos e/ou honoríficos)

Havia uma maior frivolidade:
-

mitologia - preferência por deuses “menores”

-

temas profanos – preferência por aspetos pitorescos ou frívolos do quotidiano

-

temas religiosos (Alemanha) – contraste tema sagrado / roupagens luxuosas e maneirismos galantes

15. Identifica a pintura rococó como uma nova maneira de viver e sentir a arte.
A pintura rococó foi um reflexo da sociedade aristocrática e festiva. A nova maneira de sentir e viver a arte
refletiu-se nomeadamente nos temas retratados: abundaram as cenas pastoris e as “festas galantes”, onde estão
patentes o amor, a sedução, o erotismo e o hedonismo (doutrina filosófica que faz do prazer o objeto de vida). Os
temas são tratados de forma mais ligeira e superficial e as composições são exuberantes, com tendência
decorativa, transmitindo o objetivo de apelar aos sentidos.
16. Caracteriza a pintura rococó.
- Composições rítmicas, exuberantes, com tendência decorativa
- Ornamentos mais ricos, relacionados com o mundo marinho (conchas, ondas)
- Cromatismo: brancos, azuis e rosas
17. Identifica alguns dos mais importantes artistas do Rococó.
Arquitetos : Delamair, Boffrand, ,Baltasar Neumann, Zimmermann, Fischer von Erlach
Escultores: Edmé Bouchardon, Claude Michel, Ignaz Gunther
Pintores:
- Jean Antoine Watteau: festas galantes, cenas de género, cenas mitológicas, teatralidade próprias do estilo
Rococó, aliada à ansiedade e tristeza do Barroco
- François Boucher: pintura mais robusta e sólida; decorativismo e frivolidade
- Honoré Fragonard: pincelada rápida e espontânea; temas: amor e alegria de viver; sensibilidade apurada
- Jean-Baptiste-Siméon Chardin: cenas de género (vida quotidiana); naturezas-mortas (linha flamenga e
holandesa)
18. Descreve a forma como o Rococó se implantou em Itália, nos países germânicos e em Espanha.
Itália: o Barroco dominou ao longo do século XVIII pelo que o Rococó se limitou à decoração de interior e à
pintura decorativa mural a fresco, em igrejas e palácios. Na pintura mural destacou-se GianBattista Tiepolo, com a
utilização de cores claras e límpidas e composições alegres e exuberantes. Na pintura sobre tela surge a Vedute
(pintura que descreve a panorâmica de uma cidade), na qual se destacou Canaletto, com panorâmicas grandiosas,
rigor construtivo, pureza e sobriedade, destacando-se o tratamento subtil da luminosidade. Francesco Guardi
pintou paisagens imaginárias, apresentando uma arquitetura fantasista, com cor e luz quase impressionistas.
Na escultura, destacaram-se, nomeadamente no trabalho do relevo, Giacomo Serpotta e Fillipo Valle.
Países germânicos:

arquitetura caracteriza-se pelos exteriores sóbrios e elegantes e pelos interiores com

decoração em branco/dourado, repletos de pinturas murais, criando um conjunto exuberante, alegre, com ambiente
festivo.
Inglaterra e Suécia: o Rococó reflete-se apenas na decoração de interiores e nas artes decorativas. Em Inglaterra,
a pintura teve um desenvolvimento próprio no retrato, na representação de animais e crianças, na caricatura, na
pintura social e na paisagem. Destacaram-se os pintores William Hogart e Thomas Gainsborough
Espanha: o Rococó resultou da influência do Churrigueirismo (Alberto Churriguera) e de artistas franceses e
italianos emigrados (como por exemplo F. Juvara, G. Sacchetti e Tiepolo). O Rococó refletiu-se sobretudo na
decoração de interiores dos salões dos palácios, nomeadamente no Palácio Real de Madrid e no Palácio Real de
Aranjuez. Na pintura, fizeram-se sentir as mesmas influências, destacando-se Lauís Paret Y Alcázar. Os espanhóis
exportaram o Rococó para a América Latina, onde sofreu influências da arte dos povos pré-colombianos.
19. Identifica edifícios, elementos decorativos e influências sofridas em Portugal.
- Arquitetura (influência alemã, sobretudo devido à divulgação de múltiplas gravuras:
- André Ribeiro Soares da Silva: edicício da Câmara de Braga, Casa do Raio em Braga, Capela de Santa
Maria Madalena (Falperra) – preferência pela ornamentação excessiva e flamejante, com a utilização de
conchas e vegetação fantásticas
- Palácio de Queluz (estrutura barroca, decoração rococó e fachada poente neoclássica), de Mateus
Vicente de Oliveira e Robillion – decoração interior exuberante, com recurso a todas as artes: pintura,
escultura, talha dourada; predominio dos tons claros, com grande luminosidade
-

Escultura: movimento Rococó representado pelos escultores da “Escola de Mafra”, sobretudo Machado de
Castro, o maior escultor português deste período, nomeadamente na construção dos presépios, com a
realização de um retrato colorido do quotidiano popular, repleto de pormenores etnográficos. A estátua de D.
José I tem já influência clássica, nomeadamente o tema (estátua equestre), a solenidade, a leveza e o
movimento.

-

A talha dividiu-se em duas tendências: no Norte, comformas dinâmicas, e volumosas, decoração aparatosa e
fantasista; no Sul, mais austera e simples, assente em formas arquitetónicas que prenunciam o Neoclássico.

-

A pintura de retábulos, tetos e retratos refletiu sintomas esmorecidos do Barroco, acrescidos de algumas
influêncis do Rococó francês (apesar de menos galante). Destaca-se a movimentação ágil das figuras, os
gestos delicados, as cenas dinâmicas e o cromatismo suave e esmaecido.

-

Azulejaria: como no Barroco, o azulejo foi utilizado no revestimento de grandes paredes, quer no exterior
(jardins palacianos), quer no interior dos edifícios religiosos e civis (altares, salas, escadarias). Foi retomada a
policromia, com predominância do amarelo suave; eram retratadas cenas galantes e os motivos de inspiração
naturalista (grinaldas, aves, conchas). As fábricas mais conhecidas foram a Real Fábrica de Faianças do Rato,
em Lisboa, as fábricas de Coimbra, Alcobaça e Porto.

20. Situa o Neoclassicismo no tempo e no espaço.
O Neoclassicismo originou-se na França e Inglaterra em 1750 e em 1830 teve seu apogeu em toda a Europa.
Foi um movimento que se desenvolveu principalmente na arquitetura e nas artes decorativas.
21. Descreve as influências que o Iluminismo exerceu sobre a estética neoclássica.
O Iluminismo, que defendia a Razão, a Liberdade, o Progresso e a procura da Felicidade, também criou uma
estética própria que tinha por base o estudo e a escolha do mais útil e belo na Natureza e nas obras dos
Antigos, valorizando a

simplicidade nas linhas, nas

formas, nas cores e nos temas, a harmonia das

proporções, o equilíbrio e a sobriedade decorativa.. O Neoclassicismo surge, portanto, como uma reação ao
Barroco e ao Rococó (acusando este último de futilidade), defendendo o aprofundamento de ideias e
sentimentos. O Neoclassicismo surge na sequência de uma nova ideologia revolucionária, tornando-a uma
arte mais intelectualizada, onde o o belo se confunde com o útil e a Estética se aproxima da Ética. Para os
neoclássicos, a arte deveria instruir e o artista deveria tornar-se num educador do público. Por influências do
Iluminismo, o Neoclassicismo torna-se uma arte ao serviço da ideologia política, um instrumento de
transmissão e expressão dos novos valores cívicos e morais da nova sociedade.
22. Indica as razões que permitiram a inspiração dos artistas nos modelos clássicos.
- descoberta das ruinas de Pompeia e Herculano(1719)
- campanhas napoleónicas do Egipto(1798-99), durante as quais recolheu espolio artístico e arqueológico que se
encontram atualmente em museus de Paris, Londres e Berlim.
- desenvolvimento das ciências – historia e arqueologia
- Artistas, eruditos, colecionadores e viajantes (desde o seculo XVII)
- ação de WINCKELMANN, MENGS e PIRANESI, que estudaram in loco as ruinas de Roma entre outras
cidades, assim como as coleções do Vaticano. A partir dos estudos destas coleções, Winckelmann elaborou uma
Historia da Arte da Antiguidade (1764), contribuindo para a inauguração da Historia da Arte. Mengs e Piransei
contribuiram para o estudo das civilizações, ao realizarem gravuras e pinturas dos mais importantes monumentos
de Roma. Estes documentos foram importantes centros de informação e elementos de estudo para o ensino nas
Academias.
23. Indica o contributo de Durand e das academias para a difusão da arquitetura neoclássica.
Os arquitetos neoclássicos realizaram uma série de pesquisas e experimentações de forma a conciliar a estética
estrutural e formal clássica com os novos sistemas de construção (nova maquinaria e materiais). Este trabalho é
reflexo de uma maior preparação escolar dos arquitetos, formados no rigor imposto pelas academias de artes,
algumas das quais se tranformaram em Escolas Politécnicas). Jean-Nicolas Louis Durand, na Escola Politécnica de
Paris, foi o fundador do método moderno, racional e científico para o ensino da arquitetura. Os seus estudos foram
publicados na obra “Recolha e comparação dos Edifícios de Todos os Géneros Antigos e Modernos. As suas aulas
foram publicadas ao longo de todo o século XIX, influenciando a preparação de inúmeros arquitetos.
24. Caracteriza os aspetos formais e estéticos da arquitetura neoclássica.
A arquitetura neoclássica inspirou-se nos cânones estruturais, formais e estéticos da arte clássica mas também
soube adaptar os edifícios às exigências da época.
Características gerais:
- ideário neoclásico: robustez, nobreza, sobriedade e monumentalidade
- utilização de materiais nobres tradicionais (mármore, granito, madeira) e modernos (ladrilho cerâmico e ferro
fundido), de baixo custo e maior funcionalidade
-

sistemas construtivos simples (trilítico) ou complexos, estruturados a partir do arco redondo de inspiração
romana e adoptados aos modernos processos técnicos

- plantas: retangulares, geométricas e simétricas, com base no quadrado, no círculo e no triângulo
-

cobertura: abóbadas de berço ou de aresta , artesoadas e cúpulas nas zonas centrais das construções e
assentes em tambores rodeados de colunas son entablamentos circulares

-

aplicação da gramática formal clássica:
-

pórticos colunados

-

frontões triangulares com tímpanos esculpido

-

entablamentos direitos, de frisos lisos ou decorados

-

obediência formal e estrutural às ordens clássicas mas maior liberdade na utilização dos cânones
métricos

-

organização geométrica e formal dos espaços interiores, aliada à preocupaçao funcional do espaço:
-

elementos estruturais com formas clássicas

-

pintura mural

-

relevo em estuque

Como consequência, a decoração é

contida e austera, limitada aos suportes estáticos a ela destinados

(decoração estrutural)
- Dois tipos de edifícios:
-

inspiração clássica, com base na basílica romana ou paleocristã, no Panteão e no templo grego
novas tipologias, para fazer face às novas necessidades da vida social, política e cultural, sobretudo
em espaços urbanos (hospitais, museus, bibliotecas, escolas, cafés, salas de teatro, bancos, etc)

25. Laugier e Soufflot foram personalidades importantes na definição da nova estética neoclássica.
Explique que papel desempenharam na sua afirmação.
Marc-Antoine Laugier, no “Ensaio sobre a Arquitetura”, defnde que a origem da arquitetura está na cabana
primitiva. Numa gravura do livro apresenta uma mulher (musa da arquitetura) que mostra à criança (o futuro) a
construção de troncos de árvores, cada um representando a coluna, o entablamento e o frontão.
Em França, a construção do Panteão de Paris (também conhecido por Igreja de Sainte Geneviève), projetado por
Jacques Germain Soufflot (1713-1780) para o rei Luís XV, representa o momento de imposição da estética
racionalista clássica sobre o Barroco decadente. Soufflot desenvolveu outros trabalhos importantes como a coluna
de Austerlitz, a Place Vendôme e o Arco do Carroussel, todos em Paris.
26. Caracterize os aspetos formais e técnicos da arquitetura neoclássica, tendo por base a Igreja de Santa
Genoveva, em Paris.
A igreja de Santa Genoveva, de Jacques-Germain Soufflot, tem planta de cruz grega, utilizando uma linguagem
decorativa clássica, com um

pórtico ao estilo dos templos romanos (coríntio), gigantescas colunas, um

entablamento contínuo, resultando num edifício com harmonia, simetria, sobriedade e austeridade.
27. Identifica alguns edifícios neoclássicos franceses, descrevendo os seus aspetos formais.
O Neoclassicismo francês foi de inspiração clássica direta, adotando o ideário estético da Roma Imperial.
- Arco do Triunfo, Jean François Chalgrin, Paris, 1805-1837 - inspiração nos arcos de triunfo romanos, construído
para comemorar vitória de Napoleão em Austerlitz (1805); grupos escultóricos de índole romântica nos pilares
(François Rude)
- Igreja da Madeleine, Pierre Vignon, 1806-1842, Paris - inicialmente, “Templo da Glória”; monumento às vitórias
militares de Napoleão; repositório para os seus troféus; modelo: Pártenon, Atenas; em 1842 convertido para
Igreja de La Madeleine
- Palácio Bagatelle, François-Joseph Bélanger, Paris – exemplificativo do rigor clássico: harmonia, simetria,
simplicidade decorativa
- Teatro de Bordéus, Victor Louis ,1777 – o exemplo para os teatros que serão construídos pela Europa; longo
pórtico colunado (ordem jónica), arco de volta redonda, resultando num edifício com simetria e harmonia
28. Diz em que consiste a arquitetura falante.
A “arquitetura falante” insere-se numa arquitetura criativa e original que pretendia uma “Arquitetura de verdade”
ou “arquitetura falante”, ou seja, a construção de edifícios que transmitem a sua função. Claude-Nicolas Ledoux e
Étienne-Loius Boullé projetaram formas puramente geométricas (hemisférios, cilindros e cubos), com total
ausência de decoração.
29. Descreve a implantação do neopalladismo em Inglaterra.
Em Inglaterra, o Barroco foi encarado como expressão dos regimes absolutistas pelo que, no século XVII, a arte
será contida e sóbria como por exemplo, na Catedral de S. Paulo, em Londres (Cristhopher Wren, 1675-1710).
Neste contexto, o Neoclassicismo aparece como uma evolução natural da arte que já era aplicada.
Os Diletantti eram um grupo responsável pela promoção da arte clássica e pela defesa da aplicação da arte
clássica, nomeadamente pela organização de expedições à Grécia e ao Médio Oriente. Este gosto pelos Cãnones
clássicos levou ao Neopalladismo, ou seja, a inspiração nos cânones renascentistas e maneiristas de Andrea
Palladio (século XVI), cujo livro Os Quatro Livros de Arquitetura foi traduzido para inglês em 1715.
As construções palladianas caracterizavam-se por plantas simétricas, pela sobriedade decorativa e pela aplicação
de elementos da gramática formal clássica como pórticos colunados, frontões triangulares, cúpulas, entablamentos
direitos, frisos lisos ou decorados. Na decoração interior são usadas as pinturas murais a frescos (com inspiração
em Pompeia), os elementos arquitetónicos clássicos e as estatuetas. Um dos exemplos das construções palladianas
é a Chiswick House, de Richard Boyle,Lord Burlington, 1727, casa inspirada na Villa Rotonda, com simetria
absoluta, ordem racional e proporções rigorosas. Outras construções exeplificativas do neopalladismo são o
Museu Britânico (Robert Smirke), o Banco de Inglaterra ( John Soane), Kenwood House (Robert Adam), e
Somerset House (William Chambers).
30. Descreve a implantação da arquitetura neoclássica na Alemanha, em Itália e nos EUA.
Na Alemanha, a arquitetura neoclássica caracterizou-se pelo rigor científico e formal e pela influência grega
(dórica). Destaca-se, em Berlim, a Porta de Brandenburgo, de Karl Gottfried Langhans, com 12 colunas dóricas,
inspirada nos arcos de triunfo, estando sobre o arco a estátua da deusa grega Eirene ou Irene - deusa da paz, numa
quadriga puxada por cavalos . A Gliptoteca de Munique, de Leon von Klenze, foi mandado construir por Luís II
da Baviera para guardar a sua coleção de escultura antiga. A fachada central evoca o pórtico do Erectéion grego e
o interior assemelha-se a uma basílica romana (jogo de volumes da cobertura).
Em Itália, os principais centros forarm Milão (onde se destaca o Teatro La Scala, de Giuseppe Piermaríni) e
Nápoles.
Em Espanha, o Neoclassicismo marcou presença em Madri, onde se realizaram diversas obras públicas, como a
Porta de Alcalá, de Francesco Sabatini.
Nos EUA, o Neoclassicismo foi influenciado pelo neopalladismo inglês e pela arte grega, sendo o primeiro estilo
artístico do país pois foi identificado com as virtudes republicanas. Destacaram-se como arquitetos Thomas
Jefferson (Biblioteca da Univ. de Virginia), Benjamin Latrobe e William Thorton (Capitólio de Washington, de
enormes proporções, que serviu de modelo para os capitólios dos restantes estados).
31. Refere os fatores que permitiram o aparecimento da linguagem neoclássica na pintura.
A pintura neoclássica tem as suas raízes no Iluminismo, no Humanismo, no Cientismo, no Individualismo e nos
valores estéticos clássicos, tendo surgido como reação contra o Barroco e o Rococó.
32. Descreve as características técnico-formais da pintura clássica.
- Temas: históricos, alegóricos, mitológicos, heroicos e retrato
- Pinturas em t elas de grandes dimensões de forma a mostrar a grandiosidade e monumentallidade dos conteúdos
ideológicos das obras
- carcaterísticas:
-

Predominância da linha, do contorno e do volume: composição geométrica, desenho rigoroso e linear,
perfeccionismo técnico, tratamento elaborado da luz e do claro-escuro

-

Paleta: cores sóbrias, não existe grande variação cromática (apelo à razão e não à emoção)

-

Naturalismo: idealização da realidade (modelos absolutos perfeitos)

33. Justifica o contributo de Jacques-Louis David para a pintura neoclássica através da leitura de algumas
das suas obras.
Jacques-Louis David foi o fundador da escola académica da pintura neoclássica, cujo lema era “saber
desenhar”, tratando a figura humana com grande clareza de expressão e despojada de qualquer
sentimentalismo. As suas obras destacam-se:
- pelo efeito teatral da composição, em que as personagens distribuem-se pelo espaço da tela como se fossem
estátuas animadas, com gestos paralelos e justapostos
- a perpetiva, linear ou atmosférica, quase desaparece e os fundos surgem uniformes, lisos e abstratos
- as figuras, vestidas e tratadas de forma cassica, são colocadas em primeiro plano, sobressaindo o desenho e a
volumetria.
- temática preferencial: assuntos históricos, contemporâneos e da propaganda ideológica e, ainda, os retratos.
Obras:
-

O Juramento dos Horácios, 1784: disposição teatral: esquerda: três jovens lutadores; direita: grupo de
mulheres; ponto central: mão que agarra as espadas; figuras vestidas ao modo clássico. Significado: os
filhos de Horácio juram dar a vida por Roma, simbolizando o juramento coletivo como ato simbólico da
revolução

-

O Rapto das Sabinas, 1799: cena tumultuosa: soldados, mulheres e crinaças numa batalha; composição
clássica: dois combatentes preparados para o embate são detidos por uma mulher que se interpõe.
Significado: alegoria ao estado da Revolução: convite para a paz entre os agressores internos e os
defensores internos

-

Retrato de Madame Récamier: representação da dama como se fosse uma romana(vestuário e pose); a
perspetiva quase desaparece e os fundos parecem uniformes, lisos e abstratos;

olhar direto para o

espectador
-

A morte de Marat, 1793: fundo inteiramente liso, composição austera e estática; cromatismo sóbrio e
modulado, como uma estátua. Significado: Marat como herói da revolução: a banheira como elemento que
incapacita a vítima; caixote que servia de mesa; a arma caída no chão contrasta com a pena suspensa da
mão (a sua verdadeira arma)

-

O general Bonaparte, 1797: David foi o principal retratista de Napoleão
o jovem general é apresentado como o herói da Revolução, com sobriedade e altivez; o olhar forte e
enérgico prenuncia o futuro imperador

-

A Sagração de Napoleão e a Coroação de Josefina, 1806-7: retrata a coroação de Napoleão como
imperador de França numa cerimónia na Catedral de Notre-Dame de Paris, presenciada pelo Papa Pio VII;
Napoleão, com as suas próprias mãos retira a coroa das mãos do papa e colocou-a, ele próprio, na sua
cabeça; de seguida, coroou a sua própria esposa, Josefina, proclamando-a imperatriz. Significado: não
submissão do Estado à Igreja e enaltecimento do novo regime político

34. Identifica Ingres e Gros como pintores neoclássicos.
Ingres foi um discípulo de David, um notável desenhador e retratista de figuras públicas e da sociedade. Das suas
obras ressalta a mestria no tratamento do nu feminino, em composições inspiradas nas pinturas e nos baixo-relevos
antigos. As formas, os contornos nítidos e concisos transmitem beleza e serenidade. Predomina a suavidade
cromática com cores claras e muminosas. O negro foi empregue puro com o objetivo de conseguir contrastes e
reforçar a modelação. Na fase final, transparece já um gosto pelo exótico.
Gros foi um seguidor de David.Executou obras ao serviço de Napoleão, destacando-se a composição tipicamente
clássica mas com um tema atuall e demonstrando um certo gosto pelo dramático, apanágio do Romantismo.
35. Caracteriza a escultura neoclássica.
A inspiração da escultura foi a arte clássica. Os escultores neoclássicos dedeicaram-se aos temas históricos,
literários, mitológicos e alegóricos, representado as figuras com roupagens e poses semelhantes às dos deuses
gregos e romanos, sendo estátuas belas mas pouco pessoais. Teve como objetivo a glorificação e publicidade de
políticos e de pessoas públicas, tendo sido colocadas estátuas nas praças das cidades, casas de nobres e burgueses
e cemitérios.
Os escultores neoclássicos copiaram os modelos clássicos com fidelidade, minúcia, perfeição e sentido estético; os
corpos eram nús ou seminús, serenos em composições simples e inexpressivos e impessoais
36. Apresente as características da obra de Canova, Jean-Antoine Houdon e Thorvaldsen.
António Canova atingiu o seu auge com obras de temas mitológicos, em que as figuras públicas aparecem
transfiguradas em autênticos deuses romanos. Exemplo disso é a obra “Paulina Borghese ou Bonaparte”, na qual a
irmã de Napoleão é apresentada seminua, apresentada como uma Vénus vitoriosa, com uma tranquilidade clássica
e uma sensualidade moderada. Na obra Psiché reanimada pelo Beijo do Amor, Canova representa o movimento da
escultura grega helenística e o sentido de beleza ideal, a simplicidade e a sensualidade subtil.
Jean-Antoine Houdon recebeu influência de Canova e foi um dos melhores retratistas, tendo representado figuras
públicas com Voltaire, Diderot, rousseau e Washington.
Thorvaldsen, dinamarquês, transparece uam fria elegância neoclássica.
37. Analisa o contexto histórico de introdução do Neoclassicicsmo em Portugal.
Portugal reuniu uma série de situações adversas ao desenvolvimento da cultura e das artes: o absolutismo régio
que conduziu a uma difícil penetração das ideias iluministas; o Terramoto de 1755; as invasões francesas e
consequente fuga da família real para o Brasil e a dominação inglesa; a Revolução Liberal; a Independência
do Brasil e, por fim, a Guerra Civil.
38. Identifica as influências que se fizeram sentir na arquitectura nacional.
Em Portugal, fizeram-se sentir duas influências: italiana, predominante na região lisboeta (bolseiros e artistas
italianos); inglesa (neopalladiana), predominante no Porto (colónia britânica), que se tornou no 1º centro da
arquitetura neoclássica
39. Refere edifícios e autores que refletem estas influências.
Porto:
- John Carr, Hospital de Santo António: aparelho rusticado na bela arcaria do rés do chão; zona central e
cantos ressaltados, parecendo-se com pequenos torreões
- John Whitehead, Feitoria Inglesa, sede comercial dos ingleses no Porto: Neopalladismo, pedra rusticada no
rés do chão, pórtico de arcadas, profundo
- António Pinto de Miranda, Igreja da Ordem Terceira de S. Francisco: edifício pequeno e harmonioso,
fachada distribuída por dois pisos:1 º - colunas dóricas; 2º - colunas jónicas; espaços para estátuas,
representando as virtudes cristãs.
- Joaquim da Costa Lima, Palácio das Carrancas,
- Carlos Amarante, Igreja da Ordem da Trindade,
Lisboa:
-

José da Costa e Silva, Teatro de S. Carlos: inspirado no La Scala, foi encomendado por uma associação de
ricos burgueses de Lisboa; volumes bem definidos, aspecto compacto e maciço; pórtico romano; aparelho
rusticado do rés do chão
- Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri, Palácio da Ajuda
- Fortunato Lodi, Teatro Nacional de D. Maria II,
- Ventura Terra e outros, Assembleia da República

40. Mostra como a escultura e a pintura portuguesa da época reflete o novo gosto neoclássico, identificando
autores e obras.
A escultura neoclássica em Portugal ficou marcada por Machado de Castro e João José de Aguiar. As duas
oficinas de formação foram o Palácio de Mafra e, depois, o Palácio da Ajuda. Machado de Castro foi formado
nas oficinas de Mafra (ainda ao gosto barroco/rococó) e depois na Ajuda. A estátua de D. José I

, uma estátua

equestre à maneira romana, demonstra a influência clássica, transmitindo solenidade, leveza e movimento.
João José de Aguiar foi com siderado o melhor escultor do seu tempo. Produziu nove esculturas para o Palácio
da Ajuda, representndo virtudes: são figuras hirtas, de rosto intemporal e sereno, com vestes de pregueado
simples. Na estátua de D. joão VI revela profundos conhecimentos sobre a figura humana, transmitindo um
corpo idealizado, numa pose altiva (tipo imperador romano), com uma coroa de louros na cabeça e um relevo
muito cuidado.
Na pintura, Vieira Portuense (Francisco Vieira, o Portuense) revela influência da pintura italiana (composição
e execução do desenho, tonalidades claras e pouco contrastantes) mas também pintura inglesa (visão colorista
da paisagem). Foi um retratista atento ao pormenor e dedicou-se igualmente à representação de figuras
religiosas (em composições nitidamente neoclássicas, com um envolvimento luminoso e místico, sem nitidez
de contornos nem corporeidade).
Domingos Sequeira teve vários percursos, terminando como impressionista. Dedicou-se a obras religiosas
mas também a temas alegóricos e aos retratos. As suas obras-primas são numerosos esboços, onde a luz e a
cor se aproximam do impressionismo, demonstrando o seu espírito liberto e otimista.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
Carlos Pinheiro
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
Carla Freitas
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Ana Barreiros
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
Módulo 7 contexto histórico
Módulo 7   contexto históricoMódulo 7   contexto histórico
Módulo 7 contexto histórico
Carla Freitas
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
Ana Barreiros
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
Ana Barreiros
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
Carla Freitas
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
Ana Barreiros
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
Ana Barreiros
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
Ana Barreiros
 
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalinaMódulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
Carla Freitas
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
Ana Barreiros
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
Carlos Pinheiro
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
Ana Barreiros
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
kyzinha
 
Modulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCAModulo 9 de HCA

Mais procurados (20)

A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 7 contexto histórico
Módulo 7   contexto históricoMódulo 7   contexto histórico
Módulo 7 contexto histórico
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
 
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalinaMódulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
 
Modulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCAModulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCA
 

Destaque

Context a cultura do salão o rococó
Context a cultura do salão   o rococóContext a cultura do salão   o rococó
Context a cultura do salão o rococó
cattonia
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
Mluzsantos
 
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
João Couto
 
A Cultura do Salão
A Cultura do SalãoA Cultura do Salão
A Cultura do Salão
Dylan Bonnet
 
Modulo 7 a cultura do salão
Modulo 7 a cultura do salãoModulo 7 a cultura do salão
Modulo 7 a cultura do salão
bruno oliveira
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássico
cattonia
 
A Cultura do Salão
A Cultura do SalãoA Cultura do Salão
A Cultura do Salão
Tânia Domingos
 
O maneirismo
O maneirismoO maneirismo
O maneirismo
Ana Barreiros
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
Ana Barreiros
 
Casamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico IIICasamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico III
Ana Barreiros
 
Linha conceptual 7º ano 2012-13
Linha conceptual   7º ano 2012-13Linha conceptual   7º ano 2012-13
Linha conceptual 7º ano 2012-13
Ana Barreiros
 
A revolução russa
A revolução russaA revolução russa
A revolução russa
cattonia
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
Ana Barreiros
 
O estadio e o teatro
O estadio e o teatroO estadio e o teatro
O estadio e o teatro
Ana Barreiros
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
Ana Barreiros
 
Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
Ana Barreiros
 

Destaque (20)

Context a cultura do salão o rococó
Context a cultura do salão   o rococóContext a cultura do salão   o rococó
Context a cultura do salão o rococó
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
 
A Cultura do Salão
A Cultura do SalãoA Cultura do Salão
A Cultura do Salão
 
Modulo 7 a cultura do salão
Modulo 7 a cultura do salãoModulo 7 a cultura do salão
Modulo 7 a cultura do salão
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássico
 
A Cultura do Salão
A Cultura do SalãoA Cultura do Salão
A Cultura do Salão
 
O maneirismo
O maneirismoO maneirismo
O maneirismo
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Casamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico IIICasamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico III
 
Linha conceptual 7º ano 2012-13
Linha conceptual   7º ano 2012-13Linha conceptual   7º ano 2012-13
Linha conceptual 7º ano 2012-13
 
A revolução russa
A revolução russaA revolução russa
A revolução russa
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
 
O estadio e o teatro
O estadio e o teatroO estadio e o teatro
O estadio e o teatro
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
 
Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...Uma aventura no palácio...
Uma aventura no palácio...
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
 

Semelhante a Ficha "A Cultura do Salão"

Fichaculturadopalacio
FichaculturadopalacioFichaculturadopalacio
Fichaculturadopalacio
Associação de Pais C appalmesc
 
Ficha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioFicha cultura do palacio
Ficha cultura do palacio
Ana Barreiros
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
João Lima
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
Professores História
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
Professores História
 
História 8º ano aula 2
História 8º ano   aula 2História 8º ano   aula 2
História 8º ano aula 2
Eloy Souza
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
HCA_10I
 
História do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
História do Direito - Idade Moderna - Professora LuizaHistória do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
História do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
Nathália Camargo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
crie_historia8
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
stcnsaidjv
 
01 das revoluções à revolução blogue
01 das revoluções à revolução blogue01 das revoluções à revolução blogue
01 das revoluções à revolução blogue
Vítor Santos
 
Capitulo 9
Capitulo 9Capitulo 9
Capitulo 9
Marcelo Pontes
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Bruno Marques
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
O Iluminismo
O Iluminismo  O Iluminismo
O Iluminismo
Thamires Liima
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Thamires Liima
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
Alexandre Protásio
 
Hca aculturadosaloenquadramento historico
Hca aculturadosaloenquadramento historicoHca aculturadosaloenquadramento historico
Hca aculturadosaloenquadramento historico
paulocapelo
 
Guia de estudo Humanismo
Guia de estudo HumanismoGuia de estudo Humanismo
Guia de estudo Humanismo
Escoladocs
 
A volta ao Mundo
A volta ao MundoA volta ao Mundo
A volta ao Mundo
vaniasilvaaa
 

Semelhante a Ficha "A Cultura do Salão" (20)

Fichaculturadopalacio
FichaculturadopalacioFichaculturadopalacio
Fichaculturadopalacio
 
Ficha cultura do palacio
Ficha cultura do palacioFicha cultura do palacio
Ficha cultura do palacio
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
 
História 8º ano aula 2
História 8º ano   aula 2História 8º ano   aula 2
História 8º ano aula 2
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
História do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
História do Direito - Idade Moderna - Professora LuizaHistória do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
História do Direito - Idade Moderna - Professora Luiza
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
 
01 das revoluções à revolução blogue
01 das revoluções à revolução blogue01 das revoluções à revolução blogue
01 das revoluções à revolução blogue
 
Capitulo 9
Capitulo 9Capitulo 9
Capitulo 9
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
O Iluminismo
O Iluminismo  O Iluminismo
O Iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
 
Hca aculturadosaloenquadramento historico
Hca aculturadosaloenquadramento historicoHca aculturadosaloenquadramento historico
Hca aculturadosaloenquadramento historico
 
Guia de estudo Humanismo
Guia de estudo HumanismoGuia de estudo Humanismo
Guia de estudo Humanismo
 
A volta ao Mundo
A volta ao MundoA volta ao Mundo
A volta ao Mundo
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
Ana Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
Ana Barreiros
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Ana Barreiros
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
Ana Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
Ana Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
Ana Barreiros
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
Ana Barreiros
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
Ana Barreiros
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
Ana Barreiros
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
Ana Barreiros
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 

Ficha "A Cultura do Salão"

  • 1. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA IBN MUCANA História da Cultura e das Artes – 11ºF – 2012/2013 Ficha formativa 2 ________________________________________________________________________ Módulo 7 – A Cultura do Salão 1. Caracteriza o século XVIII nos seus aspetos económicos, sociais, políticos e culturais. - Crescimento demográfico - Revolução Industrial - ascensão da burguesia - Iluminismo + críticas à sociedade de ordens e ao absolutismo. 2. Descreve o salão como o novo espaço de conforto, intimidade e sociabilidade. Após a morte de Luís XIV, sucedeu-lhe o seu neto, Luís XV, com apenas 5 anos. Até à sua maioridade, seguem-se as regências do Duque de Orleães e Duque de Bourbon. Sem rei, as cerimónias e os rituais na corte tornam-se monótonas e perdem fascínio. Como consequência, a nobreza passa mais tempo nos seus palácios, onde investe no conforto dos seus palácios. A decoração torna-se requintada, elegante, luxuosa e exuberante. O ambiente torna-se alegre, otimista e despreocupado. Nas casas nobres, o salão é a dependência nobre, de amplas dimensões, faustosamente decorada e mobilada. É o verdadeiro centro da vida social: o local de reunião familiar; o local onde se recebem as visitas mais solenes; onde se fazem os banquetes e bailes e onde se fazem tertúlias com uma personalidade em voga (músicos, cantores de ópera, escritores, filósofos e cientistas). Nestas festas, defendia-se a civilidade, as boas maneiras, a galanteria e as virtudes sociais: Ser educado, galante, vestir bem, falar rebuscado, usar gestos delicados, cheios de floreados e gentilezas. Deste modo, os salões, espaços íntimos e privados, tornam-se importantes centros da vida social, cultural e artística, exercendo uma grande importância na divulgação das novas ideias filosóficas e políticas. Pessoas como Madame Pompadour, Madame de Tecin ou Madame Geoffrin foram algumas das personalidades que incentivaram e apoiaram estas verdadeiras tertúlias, organizando e dinamizando sessões culturais no campo das artes e das letras. 3. Identifica o Iluminismo como um movimento de rutura cultural, científica, social e política. Este movimento filosófico tem raízes no Renascimento e no Humanismo do século XVI (que valorizava o indivíduo e o espírito crítico) e na Revolução Científica do século XVII (que aplica o método científico com base numa atitude racionalista e empirista). O Iluminismo foi uma corrente de renovação intelectual e cultural do século XVIII que acreditava no valor absoluto da razão. Os Iluminstas consideram que é a partir do exercício da Razão que o Homem se liberta da ignorância e das forças opressoras e consegue construir o conhecimento sobre a Natureza, o homem e a sociedade. É deste modo que o homem consegue construir o progresso e o bem-estar das pessoas, comduzindo-as à felicidade, um direito natural de todos os homens. Tinham, portanto, uma visão otimista do futuro. Refletindo sobre a condição humana, formularam os direitos naturais, nos quais se incluíam o direito à liberdade e à igualdade entre todos os homens, princípios que encontravam grande identidade com a mentalidade burguesa e os valores por ela defendidos ( a dignificação pessoal pelo trabalho e pela instrução e
  • 2. não pelo nascimento). Como consequência, surgem uma série de críticas ao regime absolutista e à sociedade de ordens, porque impediam o respeito pelos direitos naturais. Uma das obras de maior repercussão foi a Enciclopédia, uma compilação dos mais modernos e atualizados conhecimentos da época, onde estavam representados todos os valores da ciência e do progresso social, constituindo um poderoso instrumento ao serviço das doutrinas filosóficas iluministas. As ideias iluministas tiveram ampla aceitação, sobretudo pela burguesia. Os meios que permitiram a divulgação dessas ideias foram os salões (espaços de encontro social das elites intelectuais), os cafés e os clubes (como novos espaços, menos elitistas, de divulgação do Iluminismo), a Enciclopédia (obra que reunia os conhecimentos atualizados sobre as ciências e as artes) e as lojas maçónicas. 4. Justifica a importância do pensamento de Rousseau para a sua época e para a posteridade. Rousseau foi uma figura importante da cultura europeia do século XVIII. Na obra “O Contrato Social”, defende a teoria da soberania nacional e do contrato social, um acordo tácito ou explícito celebrado entre os indivíduos (naturalmente iguais e livres) e a sociedade, pelo qual se legitima a transferência de poder destes para a comunidade e desta para o governante, com a condição deste o exercer no interesse da comunidade de governados. Segundo Rousseau, o contrato legitima a resistência à opressão quando os governantes não governam no interesse da comunidade. Desta forma, Rousseau acaba por legitimar a Revolução Francesa e todas as revoluções liberais que se lhe seguiram. Rousseau defendeu também a “teoria do bom selvagem” (crença de que todo o homem é, por condição de nascimento, naturalmente bom e que é a sociedade que o corrompe, levando à barbárie do presente. críticas à educação teórica e livresca do seu tempo). Em “Emílio”, propõe uma educação negativa, progressiva e de experimentação direta, procurando preservar a liberdade natural da criança, promover a sua liberdade moral e o gosto por aprender. 5. Explica a importância da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão. A Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada nod ia 26 de agosto de 1789, surge na sequência do movimento revolucionário que se iniciou na Tomada da Bastilha no dia 14 de Julho de 1789 em Paris, tendo-se seguido uma série de medidas legislativas no sentido de terminar com o Antigo Regime. As ideas-base são a liberdade individual (um direito natural inviolável e imprescritível) e a igualdade (ideário radical e revolucionário), significando o fim da sociedade de ordens do Antigo Regime. Declara ainda outros direitos naturais: a propriedade, a segurança e a resistência à opressão. Defende ainda a soberania nacional, a existência de limites ao exercício da liberdade, a lei é a expressão da vontade geral, a defesa da liberdade de expressão e o pagamento de impostos por todos. 6. Identifica o Rococó como um movimento de rutura e de continuidade do Barroco. O Rococó surge como revolta contra as regras seiscentistas, inserindo-se no novo espírito de liberdade cortesã, sem vínculo ao “gosto oficial” de Versalhes, e na procura de intimidade, requinte e de elegância nas festas galantes. À imponência barroca, o Rococó impõe um estilo leve, elegante e refinado, com cores suaves, linhas delicadas, sinuosas, caprichosas e informais. Era, portanto, um estilo próprio de uma elite aristocrática e intelectual, amante da alegria, do natural e do convívio. À arte é retirada toda a função política e religiosa, deixando de ter como objetivo a transmissão do poder absoluto do rei ou a doutrina católica como forma de impôr a autoridade das duas instituições. Apesar desta rutura, o Rococó mantém do Barroco a procura de efeitos fantasiosos, expressivos e puramente visuais, exaltando o prazer dos sentidos. 7. Localiza esse movimento artístico no tempo e no espaço.
  • 3. O Rococó nasceu em França, por volta de 1715-20, atingiu o apogeu em 1730 e entrou em declínio com o fim do reinado de Luís XV. Ligada à palavra francesa rocaille, expandiu-se por toda a Europa e chegou aos impérios coloniais. 8. Identifica o aparecimento do Rococó como um estilo decorativo, relacionando-o com o desenvolvimento das artes decorativas. O Rococó manifestou-se, inicialmente, como um novo tipo de ornamentação, próprio para a decoração de interiores. Por conseguinte, foram valorizadas as artes menores, como o mobiliário (o estilo Luis XV), a cerâmica (nomeadamente a porcelana, com a produção de objetos decorativos), a ourivesaria, a ferraria e a tapeçaria (com cenas campestres, caçadas, festas, etc). 9. Descreve os princípios da arquitetura rococó. - Diferenciação dos edifícios, de acordo com a sua função - traçado exterior simples - conceito de interior, que deve proporcionar conforto, comodidade e intimidade - utilização de elementos decorativos barrocos, mas de um modo mais liberto, mais sensual - novos elementos decorativos (conchas, algas marinhas, rocalhos e chinoiseries) - uso de materiais fingidos: falsos mármores, madeiras e estuques pintados 10. Descreve as características da arquitetura rococó, identificando o “hôtel particulier” e o “château” como os principais tipos de edifícios construídos. A aplicação destes princípios fizeram-se sentir, sobretudo, na arquitetura civil, sobretudo no hôtel particulier (palacete citadino) e no château (palácio campestre). As suas características exteriores são: - Fachadas mais alinhadas: - banidos os elementos decorativos clássicos (colunas, frontões e esculturas) - manutenção dos entablamentos e das balaustradas - ângulos retos suavizados por curvas - Tetos de duas águas -Portas-janelas: - alinhadas na vertical e na horizontal, ritmando as fchadas - de maiores dimensões recortadas e emoluradas com arcos de volta perfeita ou abatidos Decoração exterior concentrada nas portas e nas janelas, nas consolas, nas arcadas, no aparelho de alvenaria, nas ferragens e batentes - ferro forjado muito abundante (grades para jardins, lagos e portas) - Jardins (locais de festas faustosas): - Grandes relvados com arvoredos - esculturas, rampas, lagos, pavilhões de caça, pequenos apartamentos, pagodes chineses As suas características interiores são: - Plano central das habitações: salão principal - em torno deste estão as salas secundárias e a biblioteca - 2º piso: divisões privadas - divisões baixas, pequenas, independentes, arredondadas e pavimento em parquet - interior iluminado: portas-janelas, espelhos, candeeiros e lustres
  • 4. - paredes com decoração exuberante com cores claras(molduras douradas, telas, tapeçarias, frescos, relevos policromados) 11. Descreve os aspetos que caracterizam a arquitetura religiosa rococó. - Plantas longitudinais complexas - exteriores simples mas cheios de janelas - principal elemento decorativo: a concha - interiores: mistura escultura, pintura e arquitetura, com vários pontos de fuga, criando um cenário fictício 12. Diz quais são os novos cânones estéticos da escultura rococó. Os novos cânones estéticos são: - manutenção das linhas curvas e contra-curvas - linhas mais delicadas e diluidas, organizadas em: - expressivos ces (C) - estilizados esses (S), em contracurvados duplos adoção do cânone maneirista da figura humana: - - corpos alongados e silhuetas caprichosas; leveza e graciosidade nos gestos, nas aitudes e nas posições (esculturas galantes) grupos escultóricos: composições com movimento e ritmo, com elevado sentido cénico e enquadradas no cenário onde se destinam 13. Refere os dois tipos de escultura preferidos na época, relacionando-os com a sua função. Existia uma preferência por: - Escultura decorativa que complementa a arquitetura, de forma a cobrir todas as estruturas e superfícies - estatuária de pequeno porte que complementa a decoração de interiores (bibelots), com pequenos objetos sem função utilitária (bustos, estatuetas religiosas ou mitológicas) 14. Descreve os materiais e os temas da escultura rococó. Materiais: - nas grandes obras escultóricas do exterior: pedra e bronze - escultura de pequena dimensão e objetos ornamentais: bronze, ouro, prata, porcelana (a porcelana biscuit) - decoração mural de interiores: madeira, argila, estuque e gesso Novos temas: - sobretudo na pequena escultura, preferência por temas “menores”: irónicos, jocosos, sensuais e até eróticos e galantes - Estatuária monumental: temas tradicionais (comemorativos, alegóricos e/ou honoríficos) Havia uma maior frivolidade: - mitologia - preferência por deuses “menores” - temas profanos – preferência por aspetos pitorescos ou frívolos do quotidiano - temas religiosos (Alemanha) – contraste tema sagrado / roupagens luxuosas e maneirismos galantes 15. Identifica a pintura rococó como uma nova maneira de viver e sentir a arte. A pintura rococó foi um reflexo da sociedade aristocrática e festiva. A nova maneira de sentir e viver a arte refletiu-se nomeadamente nos temas retratados: abundaram as cenas pastoris e as “festas galantes”, onde estão patentes o amor, a sedução, o erotismo e o hedonismo (doutrina filosófica que faz do prazer o objeto de vida). Os
  • 5. temas são tratados de forma mais ligeira e superficial e as composições são exuberantes, com tendência decorativa, transmitindo o objetivo de apelar aos sentidos. 16. Caracteriza a pintura rococó. - Composições rítmicas, exuberantes, com tendência decorativa - Ornamentos mais ricos, relacionados com o mundo marinho (conchas, ondas) - Cromatismo: brancos, azuis e rosas 17. Identifica alguns dos mais importantes artistas do Rococó. Arquitetos : Delamair, Boffrand, ,Baltasar Neumann, Zimmermann, Fischer von Erlach Escultores: Edmé Bouchardon, Claude Michel, Ignaz Gunther Pintores: - Jean Antoine Watteau: festas galantes, cenas de género, cenas mitológicas, teatralidade próprias do estilo Rococó, aliada à ansiedade e tristeza do Barroco - François Boucher: pintura mais robusta e sólida; decorativismo e frivolidade - Honoré Fragonard: pincelada rápida e espontânea; temas: amor e alegria de viver; sensibilidade apurada - Jean-Baptiste-Siméon Chardin: cenas de género (vida quotidiana); naturezas-mortas (linha flamenga e holandesa) 18. Descreve a forma como o Rococó se implantou em Itália, nos países germânicos e em Espanha. Itália: o Barroco dominou ao longo do século XVIII pelo que o Rococó se limitou à decoração de interior e à pintura decorativa mural a fresco, em igrejas e palácios. Na pintura mural destacou-se GianBattista Tiepolo, com a utilização de cores claras e límpidas e composições alegres e exuberantes. Na pintura sobre tela surge a Vedute (pintura que descreve a panorâmica de uma cidade), na qual se destacou Canaletto, com panorâmicas grandiosas, rigor construtivo, pureza e sobriedade, destacando-se o tratamento subtil da luminosidade. Francesco Guardi pintou paisagens imaginárias, apresentando uma arquitetura fantasista, com cor e luz quase impressionistas. Na escultura, destacaram-se, nomeadamente no trabalho do relevo, Giacomo Serpotta e Fillipo Valle. Países germânicos: arquitetura caracteriza-se pelos exteriores sóbrios e elegantes e pelos interiores com decoração em branco/dourado, repletos de pinturas murais, criando um conjunto exuberante, alegre, com ambiente festivo. Inglaterra e Suécia: o Rococó reflete-se apenas na decoração de interiores e nas artes decorativas. Em Inglaterra, a pintura teve um desenvolvimento próprio no retrato, na representação de animais e crianças, na caricatura, na pintura social e na paisagem. Destacaram-se os pintores William Hogart e Thomas Gainsborough Espanha: o Rococó resultou da influência do Churrigueirismo (Alberto Churriguera) e de artistas franceses e italianos emigrados (como por exemplo F. Juvara, G. Sacchetti e Tiepolo). O Rococó refletiu-se sobretudo na decoração de interiores dos salões dos palácios, nomeadamente no Palácio Real de Madrid e no Palácio Real de Aranjuez. Na pintura, fizeram-se sentir as mesmas influências, destacando-se Lauís Paret Y Alcázar. Os espanhóis exportaram o Rococó para a América Latina, onde sofreu influências da arte dos povos pré-colombianos. 19. Identifica edifícios, elementos decorativos e influências sofridas em Portugal. - Arquitetura (influência alemã, sobretudo devido à divulgação de múltiplas gravuras: - André Ribeiro Soares da Silva: edicício da Câmara de Braga, Casa do Raio em Braga, Capela de Santa Maria Madalena (Falperra) – preferência pela ornamentação excessiva e flamejante, com a utilização de conchas e vegetação fantásticas
  • 6. - Palácio de Queluz (estrutura barroca, decoração rococó e fachada poente neoclássica), de Mateus Vicente de Oliveira e Robillion – decoração interior exuberante, com recurso a todas as artes: pintura, escultura, talha dourada; predominio dos tons claros, com grande luminosidade - Escultura: movimento Rococó representado pelos escultores da “Escola de Mafra”, sobretudo Machado de Castro, o maior escultor português deste período, nomeadamente na construção dos presépios, com a realização de um retrato colorido do quotidiano popular, repleto de pormenores etnográficos. A estátua de D. José I tem já influência clássica, nomeadamente o tema (estátua equestre), a solenidade, a leveza e o movimento. - A talha dividiu-se em duas tendências: no Norte, comformas dinâmicas, e volumosas, decoração aparatosa e fantasista; no Sul, mais austera e simples, assente em formas arquitetónicas que prenunciam o Neoclássico. - A pintura de retábulos, tetos e retratos refletiu sintomas esmorecidos do Barroco, acrescidos de algumas influêncis do Rococó francês (apesar de menos galante). Destaca-se a movimentação ágil das figuras, os gestos delicados, as cenas dinâmicas e o cromatismo suave e esmaecido. - Azulejaria: como no Barroco, o azulejo foi utilizado no revestimento de grandes paredes, quer no exterior (jardins palacianos), quer no interior dos edifícios religiosos e civis (altares, salas, escadarias). Foi retomada a policromia, com predominância do amarelo suave; eram retratadas cenas galantes e os motivos de inspiração naturalista (grinaldas, aves, conchas). As fábricas mais conhecidas foram a Real Fábrica de Faianças do Rato, em Lisboa, as fábricas de Coimbra, Alcobaça e Porto. 20. Situa o Neoclassicismo no tempo e no espaço. O Neoclassicismo originou-se na França e Inglaterra em 1750 e em 1830 teve seu apogeu em toda a Europa. Foi um movimento que se desenvolveu principalmente na arquitetura e nas artes decorativas. 21. Descreve as influências que o Iluminismo exerceu sobre a estética neoclássica. O Iluminismo, que defendia a Razão, a Liberdade, o Progresso e a procura da Felicidade, também criou uma estética própria que tinha por base o estudo e a escolha do mais útil e belo na Natureza e nas obras dos Antigos, valorizando a simplicidade nas linhas, nas formas, nas cores e nos temas, a harmonia das proporções, o equilíbrio e a sobriedade decorativa.. O Neoclassicismo surge, portanto, como uma reação ao Barroco e ao Rococó (acusando este último de futilidade), defendendo o aprofundamento de ideias e sentimentos. O Neoclassicismo surge na sequência de uma nova ideologia revolucionária, tornando-a uma arte mais intelectualizada, onde o o belo se confunde com o útil e a Estética se aproxima da Ética. Para os neoclássicos, a arte deveria instruir e o artista deveria tornar-se num educador do público. Por influências do Iluminismo, o Neoclassicismo torna-se uma arte ao serviço da ideologia política, um instrumento de transmissão e expressão dos novos valores cívicos e morais da nova sociedade. 22. Indica as razões que permitiram a inspiração dos artistas nos modelos clássicos. - descoberta das ruinas de Pompeia e Herculano(1719) - campanhas napoleónicas do Egipto(1798-99), durante as quais recolheu espolio artístico e arqueológico que se encontram atualmente em museus de Paris, Londres e Berlim. - desenvolvimento das ciências – historia e arqueologia - Artistas, eruditos, colecionadores e viajantes (desde o seculo XVII) - ação de WINCKELMANN, MENGS e PIRANESI, que estudaram in loco as ruinas de Roma entre outras cidades, assim como as coleções do Vaticano. A partir dos estudos destas coleções, Winckelmann elaborou uma Historia da Arte da Antiguidade (1764), contribuindo para a inauguração da Historia da Arte. Mengs e Piransei contribuiram para o estudo das civilizações, ao realizarem gravuras e pinturas dos mais importantes monumentos
  • 7. de Roma. Estes documentos foram importantes centros de informação e elementos de estudo para o ensino nas Academias. 23. Indica o contributo de Durand e das academias para a difusão da arquitetura neoclássica. Os arquitetos neoclássicos realizaram uma série de pesquisas e experimentações de forma a conciliar a estética estrutural e formal clássica com os novos sistemas de construção (nova maquinaria e materiais). Este trabalho é reflexo de uma maior preparação escolar dos arquitetos, formados no rigor imposto pelas academias de artes, algumas das quais se tranformaram em Escolas Politécnicas). Jean-Nicolas Louis Durand, na Escola Politécnica de Paris, foi o fundador do método moderno, racional e científico para o ensino da arquitetura. Os seus estudos foram publicados na obra “Recolha e comparação dos Edifícios de Todos os Géneros Antigos e Modernos. As suas aulas foram publicadas ao longo de todo o século XIX, influenciando a preparação de inúmeros arquitetos. 24. Caracteriza os aspetos formais e estéticos da arquitetura neoclássica. A arquitetura neoclássica inspirou-se nos cânones estruturais, formais e estéticos da arte clássica mas também soube adaptar os edifícios às exigências da época. Características gerais: - ideário neoclásico: robustez, nobreza, sobriedade e monumentalidade - utilização de materiais nobres tradicionais (mármore, granito, madeira) e modernos (ladrilho cerâmico e ferro fundido), de baixo custo e maior funcionalidade - sistemas construtivos simples (trilítico) ou complexos, estruturados a partir do arco redondo de inspiração romana e adoptados aos modernos processos técnicos - plantas: retangulares, geométricas e simétricas, com base no quadrado, no círculo e no triângulo - cobertura: abóbadas de berço ou de aresta , artesoadas e cúpulas nas zonas centrais das construções e assentes em tambores rodeados de colunas son entablamentos circulares - aplicação da gramática formal clássica: - pórticos colunados - frontões triangulares com tímpanos esculpido - entablamentos direitos, de frisos lisos ou decorados - obediência formal e estrutural às ordens clássicas mas maior liberdade na utilização dos cânones métricos - organização geométrica e formal dos espaços interiores, aliada à preocupaçao funcional do espaço: - elementos estruturais com formas clássicas - pintura mural - relevo em estuque Como consequência, a decoração é contida e austera, limitada aos suportes estáticos a ela destinados (decoração estrutural) - Dois tipos de edifícios: - inspiração clássica, com base na basílica romana ou paleocristã, no Panteão e no templo grego novas tipologias, para fazer face às novas necessidades da vida social, política e cultural, sobretudo em espaços urbanos (hospitais, museus, bibliotecas, escolas, cafés, salas de teatro, bancos, etc) 25. Laugier e Soufflot foram personalidades importantes na definição da nova estética neoclássica. Explique que papel desempenharam na sua afirmação.
  • 8. Marc-Antoine Laugier, no “Ensaio sobre a Arquitetura”, defnde que a origem da arquitetura está na cabana primitiva. Numa gravura do livro apresenta uma mulher (musa da arquitetura) que mostra à criança (o futuro) a construção de troncos de árvores, cada um representando a coluna, o entablamento e o frontão. Em França, a construção do Panteão de Paris (também conhecido por Igreja de Sainte Geneviève), projetado por Jacques Germain Soufflot (1713-1780) para o rei Luís XV, representa o momento de imposição da estética racionalista clássica sobre o Barroco decadente. Soufflot desenvolveu outros trabalhos importantes como a coluna de Austerlitz, a Place Vendôme e o Arco do Carroussel, todos em Paris. 26. Caracterize os aspetos formais e técnicos da arquitetura neoclássica, tendo por base a Igreja de Santa Genoveva, em Paris. A igreja de Santa Genoveva, de Jacques-Germain Soufflot, tem planta de cruz grega, utilizando uma linguagem decorativa clássica, com um pórtico ao estilo dos templos romanos (coríntio), gigantescas colunas, um entablamento contínuo, resultando num edifício com harmonia, simetria, sobriedade e austeridade. 27. Identifica alguns edifícios neoclássicos franceses, descrevendo os seus aspetos formais. O Neoclassicismo francês foi de inspiração clássica direta, adotando o ideário estético da Roma Imperial. - Arco do Triunfo, Jean François Chalgrin, Paris, 1805-1837 - inspiração nos arcos de triunfo romanos, construído para comemorar vitória de Napoleão em Austerlitz (1805); grupos escultóricos de índole romântica nos pilares (François Rude) - Igreja da Madeleine, Pierre Vignon, 1806-1842, Paris - inicialmente, “Templo da Glória”; monumento às vitórias militares de Napoleão; repositório para os seus troféus; modelo: Pártenon, Atenas; em 1842 convertido para Igreja de La Madeleine - Palácio Bagatelle, François-Joseph Bélanger, Paris – exemplificativo do rigor clássico: harmonia, simetria, simplicidade decorativa - Teatro de Bordéus, Victor Louis ,1777 – o exemplo para os teatros que serão construídos pela Europa; longo pórtico colunado (ordem jónica), arco de volta redonda, resultando num edifício com simetria e harmonia 28. Diz em que consiste a arquitetura falante. A “arquitetura falante” insere-se numa arquitetura criativa e original que pretendia uma “Arquitetura de verdade” ou “arquitetura falante”, ou seja, a construção de edifícios que transmitem a sua função. Claude-Nicolas Ledoux e Étienne-Loius Boullé projetaram formas puramente geométricas (hemisférios, cilindros e cubos), com total ausência de decoração. 29. Descreve a implantação do neopalladismo em Inglaterra. Em Inglaterra, o Barroco foi encarado como expressão dos regimes absolutistas pelo que, no século XVII, a arte será contida e sóbria como por exemplo, na Catedral de S. Paulo, em Londres (Cristhopher Wren, 1675-1710). Neste contexto, o Neoclassicismo aparece como uma evolução natural da arte que já era aplicada. Os Diletantti eram um grupo responsável pela promoção da arte clássica e pela defesa da aplicação da arte clássica, nomeadamente pela organização de expedições à Grécia e ao Médio Oriente. Este gosto pelos Cãnones clássicos levou ao Neopalladismo, ou seja, a inspiração nos cânones renascentistas e maneiristas de Andrea Palladio (século XVI), cujo livro Os Quatro Livros de Arquitetura foi traduzido para inglês em 1715. As construções palladianas caracterizavam-se por plantas simétricas, pela sobriedade decorativa e pela aplicação de elementos da gramática formal clássica como pórticos colunados, frontões triangulares, cúpulas, entablamentos direitos, frisos lisos ou decorados. Na decoração interior são usadas as pinturas murais a frescos (com inspiração em Pompeia), os elementos arquitetónicos clássicos e as estatuetas. Um dos exemplos das construções palladianas é a Chiswick House, de Richard Boyle,Lord Burlington, 1727, casa inspirada na Villa Rotonda, com simetria
  • 9. absoluta, ordem racional e proporções rigorosas. Outras construções exeplificativas do neopalladismo são o Museu Britânico (Robert Smirke), o Banco de Inglaterra ( John Soane), Kenwood House (Robert Adam), e Somerset House (William Chambers). 30. Descreve a implantação da arquitetura neoclássica na Alemanha, em Itália e nos EUA. Na Alemanha, a arquitetura neoclássica caracterizou-se pelo rigor científico e formal e pela influência grega (dórica). Destaca-se, em Berlim, a Porta de Brandenburgo, de Karl Gottfried Langhans, com 12 colunas dóricas, inspirada nos arcos de triunfo, estando sobre o arco a estátua da deusa grega Eirene ou Irene - deusa da paz, numa quadriga puxada por cavalos . A Gliptoteca de Munique, de Leon von Klenze, foi mandado construir por Luís II da Baviera para guardar a sua coleção de escultura antiga. A fachada central evoca o pórtico do Erectéion grego e o interior assemelha-se a uma basílica romana (jogo de volumes da cobertura). Em Itália, os principais centros forarm Milão (onde se destaca o Teatro La Scala, de Giuseppe Piermaríni) e Nápoles. Em Espanha, o Neoclassicismo marcou presença em Madri, onde se realizaram diversas obras públicas, como a Porta de Alcalá, de Francesco Sabatini. Nos EUA, o Neoclassicismo foi influenciado pelo neopalladismo inglês e pela arte grega, sendo o primeiro estilo artístico do país pois foi identificado com as virtudes republicanas. Destacaram-se como arquitetos Thomas Jefferson (Biblioteca da Univ. de Virginia), Benjamin Latrobe e William Thorton (Capitólio de Washington, de enormes proporções, que serviu de modelo para os capitólios dos restantes estados). 31. Refere os fatores que permitiram o aparecimento da linguagem neoclássica na pintura. A pintura neoclássica tem as suas raízes no Iluminismo, no Humanismo, no Cientismo, no Individualismo e nos valores estéticos clássicos, tendo surgido como reação contra o Barroco e o Rococó. 32. Descreve as características técnico-formais da pintura clássica. - Temas: históricos, alegóricos, mitológicos, heroicos e retrato - Pinturas em t elas de grandes dimensões de forma a mostrar a grandiosidade e monumentallidade dos conteúdos ideológicos das obras - carcaterísticas: - Predominância da linha, do contorno e do volume: composição geométrica, desenho rigoroso e linear, perfeccionismo técnico, tratamento elaborado da luz e do claro-escuro - Paleta: cores sóbrias, não existe grande variação cromática (apelo à razão e não à emoção) - Naturalismo: idealização da realidade (modelos absolutos perfeitos) 33. Justifica o contributo de Jacques-Louis David para a pintura neoclássica através da leitura de algumas das suas obras. Jacques-Louis David foi o fundador da escola académica da pintura neoclássica, cujo lema era “saber desenhar”, tratando a figura humana com grande clareza de expressão e despojada de qualquer sentimentalismo. As suas obras destacam-se: - pelo efeito teatral da composição, em que as personagens distribuem-se pelo espaço da tela como se fossem estátuas animadas, com gestos paralelos e justapostos - a perpetiva, linear ou atmosférica, quase desaparece e os fundos surgem uniformes, lisos e abstratos - as figuras, vestidas e tratadas de forma cassica, são colocadas em primeiro plano, sobressaindo o desenho e a volumetria. - temática preferencial: assuntos históricos, contemporâneos e da propaganda ideológica e, ainda, os retratos. Obras:
  • 10. - O Juramento dos Horácios, 1784: disposição teatral: esquerda: três jovens lutadores; direita: grupo de mulheres; ponto central: mão que agarra as espadas; figuras vestidas ao modo clássico. Significado: os filhos de Horácio juram dar a vida por Roma, simbolizando o juramento coletivo como ato simbólico da revolução - O Rapto das Sabinas, 1799: cena tumultuosa: soldados, mulheres e crinaças numa batalha; composição clássica: dois combatentes preparados para o embate são detidos por uma mulher que se interpõe. Significado: alegoria ao estado da Revolução: convite para a paz entre os agressores internos e os defensores internos - Retrato de Madame Récamier: representação da dama como se fosse uma romana(vestuário e pose); a perspetiva quase desaparece e os fundos parecem uniformes, lisos e abstratos; olhar direto para o espectador - A morte de Marat, 1793: fundo inteiramente liso, composição austera e estática; cromatismo sóbrio e modulado, como uma estátua. Significado: Marat como herói da revolução: a banheira como elemento que incapacita a vítima; caixote que servia de mesa; a arma caída no chão contrasta com a pena suspensa da mão (a sua verdadeira arma) - O general Bonaparte, 1797: David foi o principal retratista de Napoleão o jovem general é apresentado como o herói da Revolução, com sobriedade e altivez; o olhar forte e enérgico prenuncia o futuro imperador - A Sagração de Napoleão e a Coroação de Josefina, 1806-7: retrata a coroação de Napoleão como imperador de França numa cerimónia na Catedral de Notre-Dame de Paris, presenciada pelo Papa Pio VII; Napoleão, com as suas próprias mãos retira a coroa das mãos do papa e colocou-a, ele próprio, na sua cabeça; de seguida, coroou a sua própria esposa, Josefina, proclamando-a imperatriz. Significado: não submissão do Estado à Igreja e enaltecimento do novo regime político 34. Identifica Ingres e Gros como pintores neoclássicos. Ingres foi um discípulo de David, um notável desenhador e retratista de figuras públicas e da sociedade. Das suas obras ressalta a mestria no tratamento do nu feminino, em composições inspiradas nas pinturas e nos baixo-relevos antigos. As formas, os contornos nítidos e concisos transmitem beleza e serenidade. Predomina a suavidade cromática com cores claras e muminosas. O negro foi empregue puro com o objetivo de conseguir contrastes e reforçar a modelação. Na fase final, transparece já um gosto pelo exótico. Gros foi um seguidor de David.Executou obras ao serviço de Napoleão, destacando-se a composição tipicamente clássica mas com um tema atuall e demonstrando um certo gosto pelo dramático, apanágio do Romantismo. 35. Caracteriza a escultura neoclássica. A inspiração da escultura foi a arte clássica. Os escultores neoclássicos dedeicaram-se aos temas históricos, literários, mitológicos e alegóricos, representado as figuras com roupagens e poses semelhantes às dos deuses gregos e romanos, sendo estátuas belas mas pouco pessoais. Teve como objetivo a glorificação e publicidade de políticos e de pessoas públicas, tendo sido colocadas estátuas nas praças das cidades, casas de nobres e burgueses e cemitérios. Os escultores neoclássicos copiaram os modelos clássicos com fidelidade, minúcia, perfeição e sentido estético; os corpos eram nús ou seminús, serenos em composições simples e inexpressivos e impessoais 36. Apresente as características da obra de Canova, Jean-Antoine Houdon e Thorvaldsen. António Canova atingiu o seu auge com obras de temas mitológicos, em que as figuras públicas aparecem transfiguradas em autênticos deuses romanos. Exemplo disso é a obra “Paulina Borghese ou Bonaparte”, na qual a
  • 11. irmã de Napoleão é apresentada seminua, apresentada como uma Vénus vitoriosa, com uma tranquilidade clássica e uma sensualidade moderada. Na obra Psiché reanimada pelo Beijo do Amor, Canova representa o movimento da escultura grega helenística e o sentido de beleza ideal, a simplicidade e a sensualidade subtil. Jean-Antoine Houdon recebeu influência de Canova e foi um dos melhores retratistas, tendo representado figuras públicas com Voltaire, Diderot, rousseau e Washington. Thorvaldsen, dinamarquês, transparece uam fria elegância neoclássica. 37. Analisa o contexto histórico de introdução do Neoclassicicsmo em Portugal. Portugal reuniu uma série de situações adversas ao desenvolvimento da cultura e das artes: o absolutismo régio que conduziu a uma difícil penetração das ideias iluministas; o Terramoto de 1755; as invasões francesas e consequente fuga da família real para o Brasil e a dominação inglesa; a Revolução Liberal; a Independência do Brasil e, por fim, a Guerra Civil. 38. Identifica as influências que se fizeram sentir na arquitectura nacional. Em Portugal, fizeram-se sentir duas influências: italiana, predominante na região lisboeta (bolseiros e artistas italianos); inglesa (neopalladiana), predominante no Porto (colónia britânica), que se tornou no 1º centro da arquitetura neoclássica 39. Refere edifícios e autores que refletem estas influências. Porto: - John Carr, Hospital de Santo António: aparelho rusticado na bela arcaria do rés do chão; zona central e cantos ressaltados, parecendo-se com pequenos torreões - John Whitehead, Feitoria Inglesa, sede comercial dos ingleses no Porto: Neopalladismo, pedra rusticada no rés do chão, pórtico de arcadas, profundo - António Pinto de Miranda, Igreja da Ordem Terceira de S. Francisco: edifício pequeno e harmonioso, fachada distribuída por dois pisos:1 º - colunas dóricas; 2º - colunas jónicas; espaços para estátuas, representando as virtudes cristãs. - Joaquim da Costa Lima, Palácio das Carrancas, - Carlos Amarante, Igreja da Ordem da Trindade, Lisboa: - José da Costa e Silva, Teatro de S. Carlos: inspirado no La Scala, foi encomendado por uma associação de ricos burgueses de Lisboa; volumes bem definidos, aspecto compacto e maciço; pórtico romano; aparelho rusticado do rés do chão - Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri, Palácio da Ajuda - Fortunato Lodi, Teatro Nacional de D. Maria II, - Ventura Terra e outros, Assembleia da República 40. Mostra como a escultura e a pintura portuguesa da época reflete o novo gosto neoclássico, identificando autores e obras. A escultura neoclássica em Portugal ficou marcada por Machado de Castro e João José de Aguiar. As duas oficinas de formação foram o Palácio de Mafra e, depois, o Palácio da Ajuda. Machado de Castro foi formado nas oficinas de Mafra (ainda ao gosto barroco/rococó) e depois na Ajuda. A estátua de D. José I , uma estátua equestre à maneira romana, demonstra a influência clássica, transmitindo solenidade, leveza e movimento. João José de Aguiar foi com siderado o melhor escultor do seu tempo. Produziu nove esculturas para o Palácio da Ajuda, representndo virtudes: são figuras hirtas, de rosto intemporal e sereno, com vestes de pregueado
  • 12. simples. Na estátua de D. joão VI revela profundos conhecimentos sobre a figura humana, transmitindo um corpo idealizado, numa pose altiva (tipo imperador romano), com uma coroa de louros na cabeça e um relevo muito cuidado. Na pintura, Vieira Portuense (Francisco Vieira, o Portuense) revela influência da pintura italiana (composição e execução do desenho, tonalidades claras e pouco contrastantes) mas também pintura inglesa (visão colorista da paisagem). Foi um retratista atento ao pormenor e dedicou-se igualmente à representação de figuras religiosas (em composições nitidamente neoclássicas, com um envolvimento luminoso e místico, sem nitidez de contornos nem corporeidade). Domingos Sequeira teve vários percursos, terminando como impressionista. Dedicou-se a obras religiosas mas também a temas alegóricos e aos retratos. As suas obras-primas são numerosos esboços, onde a luz e a cor se aproximam do impressionismo, demonstrando o seu espírito liberto e otimista.