SlideShare uma empresa Scribd logo
Colunas e Capiteis 
- 
Grécia
Pré-História IdIdaaddee A Annttigigaa Idade Média 
Paleolítico Egito 
 Grécia 
Roma 
Bizantina 
Românica 
Gótica 
Enquanto a arte egípcia é uma arte ligada ao espírito, a arte grega liga-se à 
inteligência, pois os seus reis não eram vistos como deuses, mas seres inteligentes e 
justos que se dedicavam ao bem-estar do povo. 
•A arte grega volta-se para o gozo da vida presente. 
•Contemplando a natureza, o artista se empolga pela vida e tenta, através da arte, 
exprimir suas manifestações. 
•Na sua constante busca da perfeição, o artista grego cria uma arte de elaboração 
intelectual em que predominam o ritmo, o equilíbrio, a harmonia ideal. 
•Eles tem como características: o racionalismo; amor pela beleza; interesse pelo 
Iníciom, essa pequena criatura que é “a medida de todas as coisas”; e a 
democracia.
ARQUITETUR 
As edificações que despertaram maioAr interesse são os templos. 
A característica mais evidente dos templos gregos é a simetria entre o pórtico de 
entrada e o dos fundos. 
O templo era construído sobre uma base de três degraus; o degrau mais elevado 
chamava-se estilóbata e sobre ele eram erguidas as colunas.
Colunas 
Coluna inclui: 
base 
fuste 
capitel A coluna sofre um quase 
A sua construção é segmentada 
A sua construção é segmentada 
em blocos de pedra, 
chamados tambores, 
em blocos de pedra, 
chamados tambores, 
sobrepostos uns aos outros 
sobrepostos uns aos outros 
A coluna sofre um quase 
imperceptível estreitamento da base 
imperceptível estreitamento da base 
até ao topo, acentuando a 
monumentalidade do edifício. 
até ao topo, acentuando a 
monumentalidade do edifício. 
O fuste apresenta ainda um ligeiro 
O fuste apresenta ainda um ligeiro 
encurvamento a meio, entasis, que dota a 
encurvamento a meio, entasis, que dota a 
coluna de uma qualidade elástica 
coluna de uma qualidade elástica 
O capitel oferece uma ligação decorativa entre a 
O capitel oferece uma ligação decorativa entre a 
coluna e o entablamento, suavizando a 
coluna e o entablamento, suavizando a 
verticalidade da coluna. 
verticalidade da coluna.
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.
Ordem Arquitetônica 
Uma ordem arquitetônica, dentro do contexto 
da arquitetura clássica, é um ssiisstteemmaa aarrqquuiitteettôônniiccoo que 
afeta o projeto de um edifício dotando-o de ccaarraacctteerrííssttiiccaass 
pprróópprriiaass e associando-o a uma ddeetteerrmmiinnaaddaa lliinngguuaaggeemm ee aa 
uumm ddeetteerrmmiinnaaddoo eessttiilloo hhiissttóórriiccoo.. 
Compreende o ccoonnjjuunnttoo ddee eelleemmeennttooss pprreevviiaammeennttee 
ddeeffiinniiddooss ee ppaaddrroonniizzaaddooss que, relacionando-se entre si e 
com o todo de um modo coerente, 
ccoonnffeerreemm hhaarrmmoonniiaa,, uunniiddaaddee ee pprrooppoorrççããoo aa uumm eeddiiffíícciioo 
sseegguunnddoo ooss pprreecceeiittooss cclláássssiiccooss ddee bbeelleezzaa.. 
AAss ddiiffeerreenntteess oorrddeennss aarrqquuiitteettôônniiccaass ffoorraamm ccrriiaaddaass 
nnaa AAnnttiigguuiiddaaddee CClláássssiiccaa,, embora elas tenham 
eventualmente sido alteradas quando de sua 
reinterpretação em períodos como o do Renascimento
Hmm... Mas, quais 
são as diferenças 
entre elas ?
Ordem Dórica 
 era simples e maciça. 
 não possui base. 
 As colunas dóricas geralmente tinham estátuas de deuses ou heróis no 
topo 
 O capitel era uma almofada de pedra 
Ordem Jônica 
 representava a graça e o feminino 
 As colunas jônicas são mais altas que as dóricas e sua superfície tem 
linhas esculpidas de cima para baixo 
 A coluna apresentava fuste mais delgado 
 se firmava sobre uma base decorada 
 A base de uma coluna jônica se parece com uma pilha de anéis 
 O capitel era formado por duas espirais unidas por duas curvas 
 o capitel no topo da coluna parece ser um pergaminho gigante. 
Ordem Coríntia 
 Sugere luxo e ostentação 
 possuem linhas esculpidas por toda sua superfície 
 sua base também se parece com uma pilha de anéis 
 o capitel era formado com folhas de acanto e quatro espirais simétricas 
 fazendo delas as colunas mais decorativas de todos os tipos de 
colunas gregas.
As colunas dóricas são as mais baixas 
entre as colunas gregas. 
A altura de uma coluna dórica é cinco 
vezes e meia a sua largura. 
A altura de uma coluna jônica é nove 
vezes sua largura. 
Já a altura das colunas coríntias é 10 
vezes sua largura, fazendo com que ela 
seja a mais alta das colunas gregas.
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.
Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
Ana Barreiros
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 
A arte romana
A arte romanaA arte romana
A arte romana
Edenilson Morais
 
Arquitectura privada romana
Arquitectura privada romanaArquitectura privada romana
Arquitectura privada romana
nita2000
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
Carla Freitas
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena NikéCaso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Hca Faro
 
Templo de atena niké
Templo de atena nikéTemplo de atena niké
Templo de atena niké
Carla Freitas
 
Partenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa NikéPartenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa Niké
Ana Barreiros
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
Duarte Súcia
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
Ana Barreiros
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
Ana Barreiros
 
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
cattonia
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
Ana Barreiros
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
Flávia Marques
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
becresforte
 

Mais procurados (20)

Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
A arte romana
A arte romanaA arte romana
A arte romana
 
Arquitectura privada romana
Arquitectura privada romanaArquitectura privada romana
Arquitectura privada romana
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
Ceramica grega
Ceramica gregaCeramica grega
Ceramica grega
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena NikéCaso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
 
Templo de atena niké
Templo de atena nikéTemplo de atena niké
Templo de atena niké
 
Partenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa NikéPartenon e Templo Deusa Niké
Partenon e Templo Deusa Niké
 
Arquitetura Romana
Arquitetura RomanaArquitetura Romana
Arquitetura Romana
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 

Semelhante a Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.

Grecia antiga Arte e Cultura
Grecia antiga Arte e CulturaGrecia antiga Arte e Cultura
Grecia antiga Arte e Cultura
Rita de Cássia Freitas
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Claudio Bastos
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
ArtesElisa
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
rhachel
 
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicioA arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
Pkena Keila
 
2 arte grega - arquitetura e pintura
2  arte grega - arquitetura e pintura2  arte grega - arquitetura e pintura
2 arte grega - arquitetura e pintura
ArtesElisa
 
Arquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia AntigaArquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia Antiga
Lyzaa Martha
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
VIVIAN TROMBINI
 
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
O  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte gregaO  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte grega
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
Carlos Pinheiro
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
HCA_10I
 
Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2
cattonia
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
GabrielaSanita
 
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Susana Simões
 
Arquitectura grega
Arquitectura gregaArquitectura grega
Arquitectura grega
Cátia Morgado
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
Cinthya Nascimento
 
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B ArtesJorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
jorgeeflavio
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Claudio Soares
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Kauan Brito
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega

Semelhante a Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga. (20)

Grecia antiga Arte e Cultura
Grecia antiga Arte e CulturaGrecia antiga Arte e Cultura
Grecia antiga Arte e Cultura
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
 
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicioA arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
 
2 arte grega - arquitetura e pintura
2  arte grega - arquitetura e pintura2  arte grega - arquitetura e pintura
2 arte grega - arquitetura e pintura
 
Arquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia AntigaArquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia Antiga
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
O  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte gregaO  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte grega
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
 
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
 
Arquitectura grega
Arquitectura gregaArquitectura grega
Arquitectura grega
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B ArtesJorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Arte grega
 

Mais de Guilherme Calixto Vicente

Brasil: Clima e Hidrografia (resumo)
Brasil: Clima e Hidrografia (resumo)Brasil: Clima e Hidrografia (resumo)
Brasil: Clima e Hidrografia (resumo)
Guilherme Calixto Vicente
 
História da Guerra contra o Terrorismo - Bush e Obama
História da Guerra contra o Terrorismo - Bush e ObamaHistória da Guerra contra o Terrorismo - Bush e Obama
História da Guerra contra o Terrorismo - Bush e Obama
Guilherme Calixto Vicente
 
Apartheid - Bantustões e Townships
Apartheid - Bantustões e TownshipsApartheid - Bantustões e Townships
Apartheid - Bantustões e Townships
Guilherme Calixto Vicente
 
Max weber
Max weberMax weber
O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
Guilherme Calixto Vicente
 
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo HistóricoIndustrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
Guilherme Calixto Vicente
 

Mais de Guilherme Calixto Vicente (6)

Brasil: Clima e Hidrografia (resumo)
Brasil: Clima e Hidrografia (resumo)Brasil: Clima e Hidrografia (resumo)
Brasil: Clima e Hidrografia (resumo)
 
História da Guerra contra o Terrorismo - Bush e Obama
História da Guerra contra o Terrorismo - Bush e ObamaHistória da Guerra contra o Terrorismo - Bush e Obama
História da Guerra contra o Terrorismo - Bush e Obama
 
Apartheid - Bantustões e Townships
Apartheid - Bantustões e TownshipsApartheid - Bantustões e Townships
Apartheid - Bantustões e Townships
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
O primo basilio
O primo basilioO primo basilio
O primo basilio
 
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo HistóricoIndustrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
 

Último

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 

Ordens Arquitetônicas - Colunas e Capiteis da Grécia Antiga.

  • 1. Colunas e Capiteis - Grécia
  • 2. Pré-História IdIdaaddee A Annttigigaa Idade Média Paleolítico Egito  Grécia Roma Bizantina Românica Gótica Enquanto a arte egípcia é uma arte ligada ao espírito, a arte grega liga-se à inteligência, pois os seus reis não eram vistos como deuses, mas seres inteligentes e justos que se dedicavam ao bem-estar do povo. •A arte grega volta-se para o gozo da vida presente. •Contemplando a natureza, o artista se empolga pela vida e tenta, através da arte, exprimir suas manifestações. •Na sua constante busca da perfeição, o artista grego cria uma arte de elaboração intelectual em que predominam o ritmo, o equilíbrio, a harmonia ideal. •Eles tem como características: o racionalismo; amor pela beleza; interesse pelo Iníciom, essa pequena criatura que é “a medida de todas as coisas”; e a democracia.
  • 3. ARQUITETUR As edificações que despertaram maioAr interesse são os templos. A característica mais evidente dos templos gregos é a simetria entre o pórtico de entrada e o dos fundos. O templo era construído sobre uma base de três degraus; o degrau mais elevado chamava-se estilóbata e sobre ele eram erguidas as colunas.
  • 4. Colunas Coluna inclui: base fuste capitel A coluna sofre um quase A sua construção é segmentada A sua construção é segmentada em blocos de pedra, chamados tambores, em blocos de pedra, chamados tambores, sobrepostos uns aos outros sobrepostos uns aos outros A coluna sofre um quase imperceptível estreitamento da base imperceptível estreitamento da base até ao topo, acentuando a monumentalidade do edifício. até ao topo, acentuando a monumentalidade do edifício. O fuste apresenta ainda um ligeiro O fuste apresenta ainda um ligeiro encurvamento a meio, entasis, que dota a encurvamento a meio, entasis, que dota a coluna de uma qualidade elástica coluna de uma qualidade elástica O capitel oferece uma ligação decorativa entre a O capitel oferece uma ligação decorativa entre a coluna e o entablamento, suavizando a coluna e o entablamento, suavizando a verticalidade da coluna. verticalidade da coluna.
  • 6. Ordem Arquitetônica Uma ordem arquitetônica, dentro do contexto da arquitetura clássica, é um ssiisstteemmaa aarrqquuiitteettôônniiccoo que afeta o projeto de um edifício dotando-o de ccaarraacctteerrííssttiiccaass pprróópprriiaass e associando-o a uma ddeetteerrmmiinnaaddaa lliinngguuaaggeemm ee aa uumm ddeetteerrmmiinnaaddoo eessttiilloo hhiissttóórriiccoo.. Compreende o ccoonnjjuunnttoo ddee eelleemmeennttooss pprreevviiaammeennttee ddeeffiinniiddooss ee ppaaddrroonniizzaaddooss que, relacionando-se entre si e com o todo de um modo coerente, ccoonnffeerreemm hhaarrmmoonniiaa,, uunniiddaaddee ee pprrooppoorrççããoo aa uumm eeddiiffíícciioo sseegguunnddoo ooss pprreecceeiittooss cclláássssiiccooss ddee bbeelleezzaa.. AAss ddiiffeerreenntteess oorrddeennss aarrqquuiitteettôônniiccaass ffoorraamm ccrriiaaddaass nnaa AAnnttiigguuiiddaaddee CClláássssiiccaa,, embora elas tenham eventualmente sido alteradas quando de sua reinterpretação em períodos como o do Renascimento
  • 7. Hmm... Mas, quais são as diferenças entre elas ?
  • 8. Ordem Dórica  era simples e maciça.  não possui base.  As colunas dóricas geralmente tinham estátuas de deuses ou heróis no topo  O capitel era uma almofada de pedra Ordem Jônica  representava a graça e o feminino  As colunas jônicas são mais altas que as dóricas e sua superfície tem linhas esculpidas de cima para baixo  A coluna apresentava fuste mais delgado  se firmava sobre uma base decorada  A base de uma coluna jônica se parece com uma pilha de anéis  O capitel era formado por duas espirais unidas por duas curvas  o capitel no topo da coluna parece ser um pergaminho gigante. Ordem Coríntia  Sugere luxo e ostentação  possuem linhas esculpidas por toda sua superfície  sua base também se parece com uma pilha de anéis  o capitel era formado com folhas de acanto e quatro espirais simétricas  fazendo delas as colunas mais decorativas de todos os tipos de colunas gregas.
  • 9. As colunas dóricas são as mais baixas entre as colunas gregas. A altura de uma coluna dórica é cinco vezes e meia a sua largura. A altura de uma coluna jônica é nove vezes sua largura. Já a altura das colunas coríntias é 10 vezes sua largura, fazendo com que ela seja a mais alta das colunas gregas.