SlideShare uma empresa Scribd logo
A Arte Grega
  A Arquitectura
Arquitectura
• A arte grega clássica foi uma arte racional,

      – Conciliou dualidades e oposições:
         aliou estética e ética;
         politica e religião;
         técnica e ciência;
         realismo e idealismo,
         Beleza e funcionalidade.

• Esteve ao serviço da vida pública.
• Os edifícios gregos estabeleceram uma harmoniosa
  ligação entre o Homem e os deuses, entre o mundo
  concreto e o mundo espiritual.

• Estão perfeitamente enquadrados na Natureza

• A génese da sua arquitectura encontra-se entre os
  povos que habitaram a bacia do Mediterrâneo
  (Mesopotâmios, Egípcios, Cretenses, Cicládicos) e os
  povos indo-europeus que invadiram o território
  (Aqueus, Micénicos e Dórios)
Evolução da Arte Grega
• 3 períodos claramente definidos, quer pelas
  características estéticas quer pelas tecnológicas:

  – Período arcaico: século VIII a V a.C., caracterizado pela
    procura do inteligível da ordem, do monumental, da
    sobriedade e da maturidade;

  – Período clássico: 2ª metade do século V e o século IV a.C.,
    um tempo em que a arte atingiu a plenitude, o equilíbrio,
    o realismo e o idealismo,
– Período helenístico: marcado pela miscigenação de
    culturas, pelo gosto do particular, do concreto e individual
    e, simultaneamente, tempo de declíneo da cultura grega.


• Arquitectura grega: inicialmente executada em
  madeira (nomeadamente o cedro importado do
  Líbano), sendo substituída pelo mármore a partir de
  finais do século VII a. C.

• Tal como os materiais, também as estruturas e as
  proporções evoluíram (ligação entre a geometria e
  arquitectura, na qual a matemática estabeleceu o
  ritmo e a harmonia)
• Criação de normas e de regras construtivas e
  artísticas (cânones);

• Definição de modelos e valores estéticos → todos os
  detalhes e/ou pormenores estavam sujeitos à
  harmonia do conjunto.

• Elaboração de projectos em que constava:
   – o estudo topográfico do terreno;
   – a adaptação do edifício ao relevo;
   – Escolha criteriosa da ordem, de acordo com o tipo
     de edifício.
• Os arquitectos elaboravam planos nos quais as
  medidas e proporções eram rigorosamente
  estabelecidas.

• Produção de maquetas em madeira ou terracota
  posteriormente submetidas a aprovação oficial.

• A arte grega esteve ao serviço da vida pública e da
  vida religiosa, conjugando-os de forma harmoniosa.
A cidade grega
• Aberta à vida ao ar livre, enquadrada na Natureza,
  era concebida com 3 áreas distintas:

   – Área sagrada – religiosa, localizada na acrópole,
     na qual se construíam templos, santuários,
     oráculos, e tesouros.

   – Área pública – na zona baixa, onde se instalava a
     ágora, que era o centro da vida da pólis, local de
     reunião, em torno dela existiam assembleias,
     teatros, estádios, mercados, stoas, etc.
• Estrutura tradicional de cidade grega:
  – Cidade formada por avenidas longitudinais que se
    cruzavam ortogonalmente com ruas transversais,
    formando quarteirões regulares com áreas
    diferenciadas, segundo as suas funções.

  – Os quarteirões constituíam o módulo a partir do
    qual a cidade se desenvolvia e que era formado
    por duas filas de casas de configuração e área
    semelhantes..
– casas espaçosas e organizadas em volta de um
  pátio central, utilizando o plano centrípeto que os
  Romanos também desenvolveram.
• o templo foi o exemplo máximo da arquitectura grega
  e tinha, no século V, no Pártenon e em Atena Niké, o
  encontro exemplar entre o racionalismo, o
  antropocentrismo e o idealismo do pensamento grego.
• a sua forma e estruturas básicas evoluíram a partir do
  mégaron micénico (sala de trono, no palácio), que era
  formado por uma sala quadrangular, com um vestíbulo
  ou pórtico suportado por duas colunas e com telhado
  de duas águas.
• Esta estrutura básica tornou-se, gradualmente, mais
  complexa, com maiores dimensões e rodeada por
  colunas
• O templo era a morada e abrigo do deus, local onde
  se colocava a sua imagem, a qual os fieis não tinham
  acesso, pois os rituais eram realizados ao ar livre, em
  redor do templo.

• Os Gregos usaram, o sistema de construção designado
  por trilítico, definido por pilares verticais unidos por
  lintéis horizontais, não utilizando linhas curvas.

• 0 exterior do edifício era majestosamente decorado
  com esculturas e pintado com azuis, vermelhos e
  dourados, Virado para o exterior, o templo grego tem
  um forte sentido escultórico.
• Na sua estrutura planimétrica final, o templo era
  formado por três espaços: uma cella ou naos,
  onde se encontrava a estatua da divindade,
  antecedida por um espaço designado por
  pronaos, espécie de pórtico, e um outro espaço
  do lado posterior da cella designado por
  opistódomos, que tinha como função ser a
  câmara do tesouro, onde se guardavam as
  oferendas aos deuses e os bens preciosos da
  cidade.
• Esta estrutura tripartida era rodeada por um
  peristilo, espécie de corredor coberto e
  circundante, aberto lateralmente através de uma
  ou mais fiadas de colunas.
A arte-grega-inicio
• Em alçado, o templo era constituído por:
  – uma base ou envasamento, que era uma
    plataforma elevada e tinha como função nivelar o
    terreno;
  – as colunas, que constituíam o sistema de elevação
    e suporte do tecto;
  – e o entablamento, elemento superior e de remate
    que era formado pela arquitrave, pelo friso e pela
    cornija, encimada pelo frontão triangular. O tecto
    de duas águas era coberto por telhas de barro
• O templo grego, possui uma simetria axial, criando
  fachadas simétricas, duas a duas.


• Marcado por esta mesma estrutura desde a sua
  origem no século IX a. C., o templo grego sofreu, uma
  sensível evolução estilística.

• No século VII a. C., os Gregos já tinham definido os
  dois principais estilos arquitectónicos ou ordens: a
  ordem dórica e a ordem jónica.
A arte-grega-inicio
• O conceito de ordem esta ligado a um sistema de
  proporções que harmonizava as partes do edifício em
  relação ao todo.

• aplicado ao traçado das colunas determinava as
  proporções das suas partes constituintes: base, fuste e
  capitel, e a relação entre a sua espessura e a sua altura
  totais.

•     A coluna é o elemento que melhor define as
    características de cada ordem, de tal forma que o
    diâmetro médio do seu fuste determina o módulo métrico
    segundo o qual se construía todo o sistema proporcional
    do edifício.
•     A coluna teve também um valor icónico
    extremamente forte, além da sua função estrutural.

• ela é o símbolo do Homem

• tomou     assumidamente       a     forma humana
  (antropomórfica) no pórtico das cariátides do
  Erectéion, na acrópole de Atenas, e de atlantes,
  como no caso do templo de Zeus Olímpico, em
  Agrigento, datado do século IV a. C.
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
A arte-grega-inicio
A ordem dórica
• A ordem dórica surge nas costas do Peloponeso, ao
  sul e apresenta-se no auge no século V a.C..
• É principalmente empregue no exterior de templos
  dedicados a divindades masculinas e é a mais simples
  das três ordens gregas definindo um edifício em geral
  baixo e de carácter sólido.
• A coluna não tem base, tem entre quatro a oito
  módulos de altura, o fuste é raramente monolítico e
  apresenta vinte estrias ou sulcos verticais
  denominados de caneluras.
• O capitel é formado pelo équino, ou coxim, que se
  assemelha a uma almofada e por um elemento
  quadrangular, o ábaco.
• O friso é intercalado por módulos compostos de três
  estrias verticais, os tríglifos, com dois painéis
  consecutivos lisos ou decorados, as métopas.
• A cornija apresenta-se horizontal nas alas, quebrando-
  se em ângulo nas fachadas de acordo com o telhado
  de duas águas. A versão romana transmite, em geral,
  maior leveza através das suas dimensões mais
  reduzidas.
A arte-grega-inicio
A ordem jónica
• A ordem jónica surge a leste, na Grécia oriental e
  seria, por volta de 450 a.C., adoptada também por
  Atenas.
• Desenvolvendo-se      paralelamente    ao   dórico
  apresenta, no entanto, formas mais fluidas e uma
  leveza geral, sendo mais utilizado em templos
  dedicados a divindades femininas.
• A coluna possui uma base larga, tem geralmente
  nove módulos de altura, o fuste é mais elegante e
  apresenta vinte e quatro caneluras.
• O capitel acentua a analogia vegetal da coluna pela
  criação de um elemento novo entre o coxim e o ábaco
  de carácter fitomórfico.
• Este     elemento     dispõe     de   dois    “rolos”
  consideravelmente projectados para os lados, as
  volutas. O friso passa a ter elemento único decorado
  em continuidade.
A arte-grega-inicio
Ordem coríntia
• Também denominado como capitel coríntio é
  característico do final do século V a.C. e, utilizado
  inicialmente só no interior, é um estilo notoriamente
  mais decorativo e trabalhado.
• A coluna possui geralmente dez módulos de altura e
  o fuste é composto por vinte e quatro caneluras
  afiadas.
• capitel apresenta uma profusão decorativa de
  rebentos e folhas de acanto tendo-se tornado o
  capitel de uso generalizado na época romana. O
  tecto passa a ser horizontal.
A arte-grega-inicio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame mód. I de HCA
Exame mód. I de HCAExame mód. I de HCA
Exame mód. I de HCA
teresagoncalves
 
Arquitetura Grega
Arquitetura GregaArquitetura Grega
Arquitetura Grega
Isis Magalhães
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
Ana Barreiros
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
Ana Barreiros
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
Carla Teixeira
 
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaArte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Professor Gilson Nunes
 
História da Arte:: Do gótico ao renascimento
História da Arte:: Do gótico ao renascimentoHistória da Arte:: Do gótico ao renascimento
História da Arte:: Do gótico ao renascimento
Mauricio Mallet Duprat
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
NunoOliveira413523
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 
Cerâmica Grega
Cerâmica GregaCerâmica Grega
Cerâmica Grega
artes10n
 
01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio
Vítor Santos
 
Escultura grega
Escultura gregaEscultura grega
Escultura grega
Ana Barreiros
 
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
João Couto
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Hca Faro
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
Carla Freitas
 
Templos Gregos
Templos GregosTemplos Gregos
Templos Gregos
Sílvia Mendonça
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
Viviane Marques
 
Arquitetura Egipcia
Arquitetura EgipciaArquitetura Egipcia
Arquitetura Egipcia
antonio050291
 
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1   pintura e cerâmica grega regularMódulo 1   pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Carla Freitas
 
Arquitetura no Renascimento
Arquitetura no RenascimentoArquitetura no Renascimento
Arquitetura no Renascimento
João Coutinho
 

Mais procurados (20)

Exame mód. I de HCA
Exame mód. I de HCAExame mód. I de HCA
Exame mód. I de HCA
 
Arquitetura Grega
Arquitetura GregaArquitetura Grega
Arquitetura Grega
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
 
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaArte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
 
História da Arte:: Do gótico ao renascimento
História da Arte:: Do gótico ao renascimentoHistória da Arte:: Do gótico ao renascimento
História da Arte:: Do gótico ao renascimento
 
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdfMódulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
Módulo 1 HCA - A Cultura da Ágora.pdf
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Cerâmica Grega
Cerâmica GregaCerâmica Grega
Cerâmica Grega
 
01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio
 
Escultura grega
Escultura gregaEscultura grega
Escultura grega
 
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
Templos Gregos
Templos GregosTemplos Gregos
Templos Gregos
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Arquitetura Egipcia
Arquitetura EgipciaArquitetura Egipcia
Arquitetura Egipcia
 
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1   pintura e cerâmica grega regularMódulo 1   pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
 
Arquitetura no Renascimento
Arquitetura no RenascimentoArquitetura no Renascimento
Arquitetura no Renascimento
 

Semelhante a A arte-grega-inicio

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
cattonia
 
GréCia Arte Resumos
GréCia Arte ResumosGréCia Arte Resumos
GréCia Arte Resumos
Isidro Santos
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a arte
cattonia
 
Arquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia AntigaArquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia Antiga
Lyzaa Martha
 
Arquitectura grega
Arquitectura gregaArquitectura grega
Arquitectura grega
Cátia Morgado
 
Ordem arquitectónica
Ordem arquitectónicaOrdem arquitectónica
Ordem arquitectónica
forte10pm1
 
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B ArtesJorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
jorgeeflavio
 
Arte greco romana
Arte greco romanaArte greco romana
Arte greco romana
cattonia
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
Endelion
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
miguelpim
 
U_ARQ- Arquitetura Clássica
U_ARQ- Arquitetura ClássicaU_ARQ- Arquitetura Clássica
U_ARQ- Arquitetura Clássica
ale2405
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
Ricardo Staiger
 
Arquitetura
ArquiteturaArquitetura
Arquitetura
Rhaissa Coutinho
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
GabrielaSanita
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
A arte_arquitetura grega.pdf
A arte_arquitetura grega.pdfA arte_arquitetura grega.pdf
A arte_arquitetura grega.pdf
LciaBarbosa8
 
Antiguidade clássica romanos
Antiguidade clássica   romanosAntiguidade clássica   romanos
Antiguidade clássica romanos
Maiara Giordani
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
HCA_10I
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
rhachel
 
Arte Grega Clássica
Arte Grega ClássicaArte Grega Clássica
Arte Grega Clássica
anonimopontopt
 

Semelhante a A arte-grega-inicio (20)

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
GréCia Arte Resumos
GréCia Arte ResumosGréCia Arte Resumos
GréCia Arte Resumos
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a arte
 
Arquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia AntigaArquitetura da Grécia Antiga
Arquitetura da Grécia Antiga
 
Arquitectura grega
Arquitectura gregaArquitectura grega
Arquitectura grega
 
Ordem arquitectónica
Ordem arquitectónicaOrdem arquitectónica
Ordem arquitectónica
 
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B ArtesJorge E Flavio 1 E.M. B Artes
Jorge E Flavio 1 E.M. B Artes
 
Arte greco romana
Arte greco romanaArte greco romana
Arte greco romana
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
U_ARQ- Arquitetura Clássica
U_ARQ- Arquitetura ClássicaU_ARQ- Arquitetura Clássica
U_ARQ- Arquitetura Clássica
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
 
Arquitetura
ArquiteturaArquitetura
Arquitetura
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
A arte_arquitetura grega.pdf
A arte_arquitetura grega.pdfA arte_arquitetura grega.pdf
A arte_arquitetura grega.pdf
 
Antiguidade clássica romanos
Antiguidade clássica   romanosAntiguidade clássica   romanos
Antiguidade clássica romanos
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
ARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdfARQUITETURA.pdf
ARQUITETURA.pdf
 
Arte Grega Clássica
Arte Grega ClássicaArte Grega Clássica
Arte Grega Clássica
 

A arte-grega-inicio

  • 1. A Arte Grega A Arquitectura
  • 2. Arquitectura • A arte grega clássica foi uma arte racional, – Conciliou dualidades e oposições:  aliou estética e ética;  politica e religião;  técnica e ciência;  realismo e idealismo,  Beleza e funcionalidade. • Esteve ao serviço da vida pública.
  • 3. • Os edifícios gregos estabeleceram uma harmoniosa ligação entre o Homem e os deuses, entre o mundo concreto e o mundo espiritual. • Estão perfeitamente enquadrados na Natureza • A génese da sua arquitectura encontra-se entre os povos que habitaram a bacia do Mediterrâneo (Mesopotâmios, Egípcios, Cretenses, Cicládicos) e os povos indo-europeus que invadiram o território (Aqueus, Micénicos e Dórios)
  • 4. Evolução da Arte Grega • 3 períodos claramente definidos, quer pelas características estéticas quer pelas tecnológicas: – Período arcaico: século VIII a V a.C., caracterizado pela procura do inteligível da ordem, do monumental, da sobriedade e da maturidade; – Período clássico: 2ª metade do século V e o século IV a.C., um tempo em que a arte atingiu a plenitude, o equilíbrio, o realismo e o idealismo,
  • 5. – Período helenístico: marcado pela miscigenação de culturas, pelo gosto do particular, do concreto e individual e, simultaneamente, tempo de declíneo da cultura grega. • Arquitectura grega: inicialmente executada em madeira (nomeadamente o cedro importado do Líbano), sendo substituída pelo mármore a partir de finais do século VII a. C. • Tal como os materiais, também as estruturas e as proporções evoluíram (ligação entre a geometria e arquitectura, na qual a matemática estabeleceu o ritmo e a harmonia)
  • 6. • Criação de normas e de regras construtivas e artísticas (cânones); • Definição de modelos e valores estéticos → todos os detalhes e/ou pormenores estavam sujeitos à harmonia do conjunto. • Elaboração de projectos em que constava: – o estudo topográfico do terreno; – a adaptação do edifício ao relevo; – Escolha criteriosa da ordem, de acordo com o tipo de edifício.
  • 7. • Os arquitectos elaboravam planos nos quais as medidas e proporções eram rigorosamente estabelecidas. • Produção de maquetas em madeira ou terracota posteriormente submetidas a aprovação oficial. • A arte grega esteve ao serviço da vida pública e da vida religiosa, conjugando-os de forma harmoniosa.
  • 8. A cidade grega • Aberta à vida ao ar livre, enquadrada na Natureza, era concebida com 3 áreas distintas: – Área sagrada – religiosa, localizada na acrópole, na qual se construíam templos, santuários, oráculos, e tesouros. – Área pública – na zona baixa, onde se instalava a ágora, que era o centro da vida da pólis, local de reunião, em torno dela existiam assembleias, teatros, estádios, mercados, stoas, etc.
  • 9. • Estrutura tradicional de cidade grega: – Cidade formada por avenidas longitudinais que se cruzavam ortogonalmente com ruas transversais, formando quarteirões regulares com áreas diferenciadas, segundo as suas funções. – Os quarteirões constituíam o módulo a partir do qual a cidade se desenvolvia e que era formado por duas filas de casas de configuração e área semelhantes..
  • 10. – casas espaçosas e organizadas em volta de um pátio central, utilizando o plano centrípeto que os Romanos também desenvolveram.
  • 11. • o templo foi o exemplo máximo da arquitectura grega e tinha, no século V, no Pártenon e em Atena Niké, o encontro exemplar entre o racionalismo, o antropocentrismo e o idealismo do pensamento grego. • a sua forma e estruturas básicas evoluíram a partir do mégaron micénico (sala de trono, no palácio), que era formado por uma sala quadrangular, com um vestíbulo ou pórtico suportado por duas colunas e com telhado de duas águas. • Esta estrutura básica tornou-se, gradualmente, mais complexa, com maiores dimensões e rodeada por colunas
  • 12. • O templo era a morada e abrigo do deus, local onde se colocava a sua imagem, a qual os fieis não tinham acesso, pois os rituais eram realizados ao ar livre, em redor do templo. • Os Gregos usaram, o sistema de construção designado por trilítico, definido por pilares verticais unidos por lintéis horizontais, não utilizando linhas curvas. • 0 exterior do edifício era majestosamente decorado com esculturas e pintado com azuis, vermelhos e dourados, Virado para o exterior, o templo grego tem um forte sentido escultórico.
  • 13. • Na sua estrutura planimétrica final, o templo era formado por três espaços: uma cella ou naos, onde se encontrava a estatua da divindade, antecedida por um espaço designado por pronaos, espécie de pórtico, e um outro espaço do lado posterior da cella designado por opistódomos, que tinha como função ser a câmara do tesouro, onde se guardavam as oferendas aos deuses e os bens preciosos da cidade. • Esta estrutura tripartida era rodeada por um peristilo, espécie de corredor coberto e circundante, aberto lateralmente através de uma ou mais fiadas de colunas.
  • 15. • Em alçado, o templo era constituído por: – uma base ou envasamento, que era uma plataforma elevada e tinha como função nivelar o terreno; – as colunas, que constituíam o sistema de elevação e suporte do tecto; – e o entablamento, elemento superior e de remate que era formado pela arquitrave, pelo friso e pela cornija, encimada pelo frontão triangular. O tecto de duas águas era coberto por telhas de barro
  • 16. • O templo grego, possui uma simetria axial, criando fachadas simétricas, duas a duas. • Marcado por esta mesma estrutura desde a sua origem no século IX a. C., o templo grego sofreu, uma sensível evolução estilística. • No século VII a. C., os Gregos já tinham definido os dois principais estilos arquitectónicos ou ordens: a ordem dórica e a ordem jónica.
  • 18. • O conceito de ordem esta ligado a um sistema de proporções que harmonizava as partes do edifício em relação ao todo. • aplicado ao traçado das colunas determinava as proporções das suas partes constituintes: base, fuste e capitel, e a relação entre a sua espessura e a sua altura totais. • A coluna é o elemento que melhor define as características de cada ordem, de tal forma que o diâmetro médio do seu fuste determina o módulo métrico segundo o qual se construía todo o sistema proporcional do edifício.
  • 19. A coluna teve também um valor icónico extremamente forte, além da sua função estrutural. • ela é o símbolo do Homem • tomou assumidamente a forma humana (antropomórfica) no pórtico das cariátides do Erectéion, na acrópole de Atenas, e de atlantes, como no caso do templo de Zeus Olímpico, em Agrigento, datado do século IV a. C.
  • 26. A ordem dórica • A ordem dórica surge nas costas do Peloponeso, ao sul e apresenta-se no auge no século V a.C.. • É principalmente empregue no exterior de templos dedicados a divindades masculinas e é a mais simples das três ordens gregas definindo um edifício em geral baixo e de carácter sólido. • A coluna não tem base, tem entre quatro a oito módulos de altura, o fuste é raramente monolítico e apresenta vinte estrias ou sulcos verticais denominados de caneluras.
  • 27. • O capitel é formado pelo équino, ou coxim, que se assemelha a uma almofada e por um elemento quadrangular, o ábaco. • O friso é intercalado por módulos compostos de três estrias verticais, os tríglifos, com dois painéis consecutivos lisos ou decorados, as métopas. • A cornija apresenta-se horizontal nas alas, quebrando- se em ângulo nas fachadas de acordo com o telhado de duas águas. A versão romana transmite, em geral, maior leveza através das suas dimensões mais reduzidas.
  • 29. A ordem jónica • A ordem jónica surge a leste, na Grécia oriental e seria, por volta de 450 a.C., adoptada também por Atenas. • Desenvolvendo-se paralelamente ao dórico apresenta, no entanto, formas mais fluidas e uma leveza geral, sendo mais utilizado em templos dedicados a divindades femininas. • A coluna possui uma base larga, tem geralmente nove módulos de altura, o fuste é mais elegante e apresenta vinte e quatro caneluras.
  • 30. • O capitel acentua a analogia vegetal da coluna pela criação de um elemento novo entre o coxim e o ábaco de carácter fitomórfico. • Este elemento dispõe de dois “rolos” consideravelmente projectados para os lados, as volutas. O friso passa a ter elemento único decorado em continuidade.
  • 32. Ordem coríntia • Também denominado como capitel coríntio é característico do final do século V a.C. e, utilizado inicialmente só no interior, é um estilo notoriamente mais decorativo e trabalhado. • A coluna possui geralmente dez módulos de altura e o fuste é composto por vinte e quatro caneluras afiadas. • capitel apresenta uma profusão decorativa de rebentos e folhas de acanto tendo-se tornado o capitel de uso generalizado na época romana. O tecto passa a ser horizontal.