SlideShare uma empresa Scribd logo
A cerâmica grega
Evolução da cerâmica grega 480 a 323 a.c. Estilo clássico Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Fase arcaica Final século VIII a 650 a.c. Fase orientalizante Estilo arcaico IX a VIII a.c. Estilo geométrico Séculos Período
- utilizavam-se  motivos geométricos  dispostos à volta do corpo dos vasos, compondo bandas ou frisos;  - eram decoradas com motivos como meandros, gregas, triângulos, losangos, linhas quebradas ou contínuas,  realçados a preto sobre o fundo de cor natural do vaso . Estilo geométrico  (sécs. IX e VIII a.C.)
Estilo geométrico  (sécs. IX e VIII a.C.)
séc. VIII  - introdução de  elementos figurativos  (animais e/ou figuras humanas) na decoração Temas:  batalhas ou cerimónias fúnebre e que eram apresentados como meras silhuetas a negro, muito esquematizadas - Aumento progressivo do tamanho das peças, que se destinavam a ser colocadas nos cemitérios como indicadores das sepulturas, à semelhança de estelas ou monumentos funerários. Estilo geométrico  (sécs. IX e VIII a.C.)
Elementos figurativos e geométricos dividem o mesmo espaço. Servia de urna funerária: o fundo com furos para escoar o líquido lançado no ritual. Leitura do vaso: O defunto deitado ladeado por carpideiras de braços erguidos e a procissão do enterro com guerreiros a pé e de carro. Não tinham a visão dos egípcios em relação a outra vida além-túmulo. Moral da narrativa: aqui jaz um homem importante chorado por muitos e teve um funeral esplêndido. Vaso de Dipylon. Séc. VIII a. c. Alt. 1,08 . Museu Metropolitano de Arte, Nova Iorque.
Anfora de Dipylon. 760-750. A. c. Alt. 1,55m. Museu Arqueológico  de Atenas. Grécia. As ânforas (vasos) com boca larga, simbolizavam as mulheres que transportavam água. As ânforas (Jarros) com gargalo alongado, simbolizavam os homens que derramam vinhos. Estilo geométrico  (sécs. IX e VIII a.C.)
Pitcher Attic. 750 a. C. Antiguidades Staatliche de Mônaco da Baviera. Pintura geométrica sobre cerâmica. Estilo geométrico  (sécs. IX e VIII a.C.)
Fase orientalizante   (até c. 650 a.C.), marcada por influências orientais.  Os  temas  - regresso ao figurativo (necessidade de narrar e representar) e aparecimento das cenas de carácter mitológico. técnica da incisão , pequenos traços realçados a branco ou vermelho que compunham pormenores anatómicos ou de vestuário Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
A  figuração:  animais míticos ou lendários  e de  figuras híbridas  como  grifos (animais mitológicos, misto de leão e águia),  esfinges  (figura mitológica com cabeça de mulher, corpo de leão, cauda de serpente e asas de águia) e  górgonas  (figura mitológica, mulher com a cabeça armada de serpentes, o mesmo que Medusa);  -  elementos vegetais e naturalistas , como lótus e palmetas; - figuras de grande tamanho , tratadas ainda em silhueta estilizada Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
Fase arcaica (finais do séc. VII até cerca de 480 a.C.)  aparecimento da cerâmica decorada com a   técnica das figuras pintadas a negro .   Sobre o fundo vermelho do barro destacam-se os elementos figurativos (silhuetas estilizadas segundo a lei da frontalidade )  Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
Fase arcaica  (finais do séc. VII até cerca de 480 a.C.)  técnica da incisão   que permite pormenorizar o interior das figuras, (linhas de contorno dos músculos ,a barba, o cabelo e até o padrão do vestuário). Há maior rigor na representação das figuras, que lhes imprime um grande realismo e expressividade.  Tema: relatos mitológicos, cenas da vida familiar e do quotidiano; Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
Pintor de Amásis. Um tear no gineceu. Lécito (moringa)  ático com figuras negras. 550-530 a. C. Museu Metropolitano de Arte de Nova York. Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
Odisseu  (o maior guerreiro grego) representado no gargalo do vaso com seus dois amigos, que para escapar da caverna vigiado pelo ciclopes Polifemo (gigante com um só olho na testa) que se alimenta de carne humana, o embriagou e depois furou seu olho. No corpo do vaso, as três górgonas: (Medusa: a impetuosa; Esteno: a que oprime; Euríale: a que está ao largo. Belas e de cabelos invejáveis. Ulisses cegando Polifemo e Górgonas. 675-650 a. C. Alt. 1,42m Museu de Elêusis. Leitura das imagens do vaso. Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
Aprimoramento da técnica da pintura em cerâmica.  Autoria de Exéquias. Exéquias. Dionísio (Deus do Vinho) num barco (interior de um Kylix  ático (prato) 540 a. C. Diâm. 0,305m Staatliche Antikensammlungen, Munique. Pintava a figura com preto, e para realçá-la riscava-se os detalhes com um estilete, podendo aplicar o branco ou roxo para destacar certas zonas. A forma de pintar em pratos libertou o artista da perspectiva lateral do vaso. Podemos observar que as figuras ainda obedecem a lei da lateralidade egípcia em relação ao perfil. A frontalidade reservada apenas ao peitoral.
Descrevendo a narrativa do Kylix (prato) de Exéquias. Dionísio Deus do vinho, capturado por piratas, fez nascer uva por toda a embarcação, amedrontados  atiraram-se ao mar e foram transformados em Golfinhos.  Os artistas passaram a assinar com frequência as suas peças, numa forma de orgulho e fama.  Exéquias. Dionísio (Deus do Vinho) num barco (interior de um Kylix  ático (prato) 540 a. C. Diâm. 0,305m Staatliche Antikensammlungen, Munique.
Este Kylix, (prato) é uma obra-prima da pintura arcaica do período final.  A Deusa da Aurora Eos, segurando  o seu filho e rei etíope,  Memnon, que foi morto por Aquiles (o maior guerreiro da Guerra de Tróia).   Pintor Douris. Eos ( deusa do amanhecer – aurora) e Memnon (seu filho e rei etíope). Interior de um kylix (prato) ático de figuras vermelhas. 490-480 a. C. Diâm. 0,30m. Museu do Louvre, Paris. Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
Correspondeu ao período do apogeu técnico, estético e conceptual do povo grego e a arte foi encarada como uma consequência directa da superioridade criativa, racional e filosófica da cultura grega.  O desenho e a pintura tiveram um enorme desenvolvimento através da criação dos cânones escultóricos, a perspectiva, as sombras e os claro-escuro e a posição em escorço.  É implantada a  técnica das figuras vermelhas sobre o fundo negro  (mantendo-se o fabrico da cerâmica das figuras negras) Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
a pintura ganha uma maior perspectiva, dinamismo, realismo, naturalismo e expressividade.  toda a superfície do vaso era coberta verniz negro, à excepção das figuras, que mantinham a cor avermelhada natural;  os pormenores anatómicos e outros eram acrescentados com um pincel mergulhado em tinta preta.  Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.) Destinado a guardar perfumes para o culto dos mortos, este lekythos ilustra-nos a técnica do chamado “estilo belo”. Sobre o fundo branco, o pintor desenha apenas a linha dos contornos a negro Lekythos do pintor Bonsaquet, 440-430 a.c., altura, 48 cm
Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos Estilo clássico Estilo arcaico Estilo geométrico Características Período
Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos Estilo clássico Estilo arcaico - Motivos geométricos, realçados a preto - Introdução de elementos figurativos Estilo geométrico Características Período
Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos Estilo clássico Influências orientais cenas mitológicas e elementos vegetais e naturalistas Estilo arcaico - Motivos geométricos, realçados a preto - Introdução de elementos figurativos Estilo geométrico Características Período
Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos Estilo clássico Técnica das figuras pintadas a negro silhuetas estilizadas (lei da frontallidade) Influências orientais cenas mitológicas e elementos vegetais e naturalistas Estilo arcaico - Motivos geométricos, realçados a preto - Introdução de elementos figurativos Estilo geométrico Características Período
Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos técnica das figuras vermelhas sobre o fundo negro maior perspectiva, dinamismo, realismo, naturalismo e expressividade.  Estilo clássico Técnica das figuras pintadas a negro silhuetas estilizadas (lei da frontallidade) Influências orientais cenas mitológicas e elementos vegetais e naturalistas Estilo arcaico - Motivos geométricos, realçados a preto - Introdução de elementos figurativos Estilo geométrico Características Período
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1   pintura e cerâmica grega regularMódulo 1   pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Carla Freitas
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
Carla Freitas
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
TLopes
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
Ana Barreiros
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
Carla Freitas
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
Carla Freitas
 
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasMódulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Carla Freitas
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
Carla Freitas
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
Caso prático 2 paula rego
Caso prático 2   paula regoCaso prático 2   paula rego
Caso prático 2 paula rego
Carla Freitas
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Hca Faro
 
Cultura da Ágora - Pintura grega
Cultura da Ágora - Pintura grega Cultura da Ágora - Pintura grega
Cultura da Ágora - Pintura grega
Carlos Vieira
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
Ana Barreiros
 
Cultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura gregaCultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura grega
Carlos Vieira
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
Ana Barreiros
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
Andrea Dressler
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
Hca Faro
 
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena NikéCaso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Hca Faro
 

Mais procurados (20)

Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1   pintura e cerâmica grega regularMódulo 1   pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
 
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicasMódulo 3 - Escultura e pintura românicas
Módulo 3 - Escultura e pintura românicas
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Caso prático 2 paula rego
Caso prático 2   paula regoCaso prático 2   paula rego
Caso prático 2 paula rego
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
 
Cultura da Ágora - Pintura grega
Cultura da Ágora - Pintura grega Cultura da Ágora - Pintura grega
Cultura da Ágora - Pintura grega
 
Templo da deusa niké
Templo da deusa nikéTemplo da deusa niké
Templo da deusa niké
 
Cultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura gregaCultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura grega
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
A Cultura da Ágora
A Cultura da ÁgoraA Cultura da Ágora
A Cultura da Ágora
 
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena NikéCaso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
Caso prático 1: tempos de Pártenon e de Atena Niké
 

Semelhante a Ceramica grega

Arte na grécia
Arte na gréciaArte na grécia
Arte na grécia
Willians Martins
 
Arte grega: história da pintura.
Arte grega: história da pintura.Arte grega: história da pintura.
Arte grega: história da pintura.
Professor Gilson Nunes
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
guestf7402f6
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
Camila
 
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaArte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Professor Gilson Nunes
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
Endelion
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
gabi1307
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Gonçalo Tavares
 
Pintura na grécia antiga
Pintura na grécia antigaPintura na grécia antiga
Pintura na grécia antiga
MarisaPinto97
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Sandro Bottene
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
GabrielaSanita
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Adriana Guimarães Manaro
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
Silmara Nogueira
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
Carlos Benjoino Bidu
 
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
Anita Rink
 
Hca
HcaHca
GréCia Antiga Arte
GréCia  Antiga ArteGréCia  Antiga Arte
GréCia Antiga Arte
Sílvia Mendonça
 
História da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pinturaHistória da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pintura
Raphael Lanzillotte
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
HCA_10I
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
Cinthya Nascimento
 

Semelhante a Ceramica grega (20)

Arte na grécia
Arte na gréciaArte na grécia
Arte na grécia
 
Arte grega: história da pintura.
Arte grega: história da pintura.Arte grega: história da pintura.
Arte grega: história da pintura.
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmicaArte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
Arte Grega: princípio, a pintura em cerâmica
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Pintura na grécia antiga
Pintura na grécia antigaPintura na grécia antiga
Pintura na grécia antiga
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
 
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
 
Hca
HcaHca
Hca
 
GréCia Antiga Arte
GréCia  Antiga ArteGréCia  Antiga Arte
GréCia Antiga Arte
 
História da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pinturaHistória da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pintura
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
Ana Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
Ana Barreiros
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Ana Barreiros
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
Ana Barreiros
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
Ana Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 

Último

A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Ceramica grega

  • 2. Evolução da cerâmica grega 480 a 323 a.c. Estilo clássico Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Fase arcaica Final século VIII a 650 a.c. Fase orientalizante Estilo arcaico IX a VIII a.c. Estilo geométrico Séculos Período
  • 3. - utilizavam-se motivos geométricos dispostos à volta do corpo dos vasos, compondo bandas ou frisos; - eram decoradas com motivos como meandros, gregas, triângulos, losangos, linhas quebradas ou contínuas, realçados a preto sobre o fundo de cor natural do vaso . Estilo geométrico (sécs. IX e VIII a.C.)
  • 4. Estilo geométrico (sécs. IX e VIII a.C.)
  • 5. séc. VIII - introdução de elementos figurativos (animais e/ou figuras humanas) na decoração Temas: batalhas ou cerimónias fúnebre e que eram apresentados como meras silhuetas a negro, muito esquematizadas - Aumento progressivo do tamanho das peças, que se destinavam a ser colocadas nos cemitérios como indicadores das sepulturas, à semelhança de estelas ou monumentos funerários. Estilo geométrico (sécs. IX e VIII a.C.)
  • 6. Elementos figurativos e geométricos dividem o mesmo espaço. Servia de urna funerária: o fundo com furos para escoar o líquido lançado no ritual. Leitura do vaso: O defunto deitado ladeado por carpideiras de braços erguidos e a procissão do enterro com guerreiros a pé e de carro. Não tinham a visão dos egípcios em relação a outra vida além-túmulo. Moral da narrativa: aqui jaz um homem importante chorado por muitos e teve um funeral esplêndido. Vaso de Dipylon. Séc. VIII a. c. Alt. 1,08 . Museu Metropolitano de Arte, Nova Iorque.
  • 7. Anfora de Dipylon. 760-750. A. c. Alt. 1,55m. Museu Arqueológico de Atenas. Grécia. As ânforas (vasos) com boca larga, simbolizavam as mulheres que transportavam água. As ânforas (Jarros) com gargalo alongado, simbolizavam os homens que derramam vinhos. Estilo geométrico (sécs. IX e VIII a.C.)
  • 8. Pitcher Attic. 750 a. C. Antiguidades Staatliche de Mônaco da Baviera. Pintura geométrica sobre cerâmica. Estilo geométrico (sécs. IX e VIII a.C.)
  • 9. Fase orientalizante (até c. 650 a.C.), marcada por influências orientais. Os temas - regresso ao figurativo (necessidade de narrar e representar) e aparecimento das cenas de carácter mitológico. técnica da incisão , pequenos traços realçados a branco ou vermelho que compunham pormenores anatómicos ou de vestuário Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
  • 10. A figuração: animais míticos ou lendários e de figuras híbridas como grifos (animais mitológicos, misto de leão e águia), esfinges (figura mitológica com cabeça de mulher, corpo de leão, cauda de serpente e asas de águia) e górgonas (figura mitológica, mulher com a cabeça armada de serpentes, o mesmo que Medusa); - elementos vegetais e naturalistas , como lótus e palmetas; - figuras de grande tamanho , tratadas ainda em silhueta estilizada Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
  • 11. Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
  • 12. Fase arcaica (finais do séc. VII até cerca de 480 a.C.) aparecimento da cerâmica decorada com a técnica das figuras pintadas a negro . Sobre o fundo vermelho do barro destacam-se os elementos figurativos (silhuetas estilizadas segundo a lei da frontalidade ) Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
  • 13. Fase arcaica (finais do séc. VII até cerca de 480 a.C.) técnica da incisão que permite pormenorizar o interior das figuras, (linhas de contorno dos músculos ,a barba, o cabelo e até o padrão do vestuário). Há maior rigor na representação das figuras, que lhes imprime um grande realismo e expressividade. Tema: relatos mitológicos, cenas da vida familiar e do quotidiano; Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
  • 14. Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
  • 15. Pintor de Amásis. Um tear no gineceu. Lécito (moringa) ático com figuras negras. 550-530 a. C. Museu Metropolitano de Arte de Nova York. Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
  • 16. Odisseu (o maior guerreiro grego) representado no gargalo do vaso com seus dois amigos, que para escapar da caverna vigiado pelo ciclopes Polifemo (gigante com um só olho na testa) que se alimenta de carne humana, o embriagou e depois furou seu olho. No corpo do vaso, as três górgonas: (Medusa: a impetuosa; Esteno: a que oprime; Euríale: a que está ao largo. Belas e de cabelos invejáveis. Ulisses cegando Polifemo e Górgonas. 675-650 a. C. Alt. 1,42m Museu de Elêusis. Leitura das imagens do vaso. Estilo arcaico (final do séc. VIII ao séc. V a.C.)
  • 17. Aprimoramento da técnica da pintura em cerâmica. Autoria de Exéquias. Exéquias. Dionísio (Deus do Vinho) num barco (interior de um Kylix ático (prato) 540 a. C. Diâm. 0,305m Staatliche Antikensammlungen, Munique. Pintava a figura com preto, e para realçá-la riscava-se os detalhes com um estilete, podendo aplicar o branco ou roxo para destacar certas zonas. A forma de pintar em pratos libertou o artista da perspectiva lateral do vaso. Podemos observar que as figuras ainda obedecem a lei da lateralidade egípcia em relação ao perfil. A frontalidade reservada apenas ao peitoral.
  • 18. Descrevendo a narrativa do Kylix (prato) de Exéquias. Dionísio Deus do vinho, capturado por piratas, fez nascer uva por toda a embarcação, amedrontados atiraram-se ao mar e foram transformados em Golfinhos. Os artistas passaram a assinar com frequência as suas peças, numa forma de orgulho e fama. Exéquias. Dionísio (Deus do Vinho) num barco (interior de um Kylix ático (prato) 540 a. C. Diâm. 0,305m Staatliche Antikensammlungen, Munique.
  • 19. Este Kylix, (prato) é uma obra-prima da pintura arcaica do período final. A Deusa da Aurora Eos, segurando o seu filho e rei etíope, Memnon, que foi morto por Aquiles (o maior guerreiro da Guerra de Tróia). Pintor Douris. Eos ( deusa do amanhecer – aurora) e Memnon (seu filho e rei etíope). Interior de um kylix (prato) ático de figuras vermelhas. 490-480 a. C. Diâm. 0,30m. Museu do Louvre, Paris. Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
  • 20. Correspondeu ao período do apogeu técnico, estético e conceptual do povo grego e a arte foi encarada como uma consequência directa da superioridade criativa, racional e filosófica da cultura grega. O desenho e a pintura tiveram um enorme desenvolvimento através da criação dos cânones escultóricos, a perspectiva, as sombras e os claro-escuro e a posição em escorço. É implantada a técnica das figuras vermelhas sobre o fundo negro (mantendo-se o fabrico da cerâmica das figuras negras) Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
  • 21. a pintura ganha uma maior perspectiva, dinamismo, realismo, naturalismo e expressividade. toda a superfície do vaso era coberta verniz negro, à excepção das figuras, que mantinham a cor avermelhada natural; os pormenores anatómicos e outros eram acrescentados com um pincel mergulhado em tinta preta.  Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
  • 22. Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
  • 23. Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.)
  • 24. Estilo clássico (séc. V e séc. IV a.C.) Destinado a guardar perfumes para o culto dos mortos, este lekythos ilustra-nos a técnica do chamado “estilo belo”. Sobre o fundo branco, o pintor desenha apenas a linha dos contornos a negro Lekythos do pintor Bonsaquet, 440-430 a.c., altura, 48 cm
  • 25. Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos Estilo clássico Estilo arcaico Estilo geométrico Características Período
  • 26. Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos Estilo clássico Estilo arcaico - Motivos geométricos, realçados a preto - Introdução de elementos figurativos Estilo geométrico Características Período
  • 27. Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos Estilo clássico Influências orientais cenas mitológicas e elementos vegetais e naturalistas Estilo arcaico - Motivos geométricos, realçados a preto - Introdução de elementos figurativos Estilo geométrico Características Período
  • 28. Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos Estilo clássico Técnica das figuras pintadas a negro silhuetas estilizadas (lei da frontallidade) Influências orientais cenas mitológicas e elementos vegetais e naturalistas Estilo arcaico - Motivos geométricos, realçados a preto - Introdução de elementos figurativos Estilo geométrico Características Período
  • 29. Evolução da cerâmica grega Finais do século VII a cerca de 480 a.c. Final século VIII a 650 a.c. 480 a 323 a.c. Fase arcaica Fase orientalizante IX a VIII a.c. Séculos técnica das figuras vermelhas sobre o fundo negro maior perspectiva, dinamismo, realismo, naturalismo e expressividade. Estilo clássico Técnica das figuras pintadas a negro silhuetas estilizadas (lei da frontallidade) Influências orientais cenas mitológicas e elementos vegetais e naturalistas Estilo arcaico - Motivos geométricos, realçados a preto - Introdução de elementos figurativos Estilo geométrico Características Período
  • 30. FIM