SlideShare uma empresa Scribd logo
ÁLCOOIS
• Vinho, cerveja, aguardente e uísque são
    bebidas alcoólicas. Todos contém
  ETANOL, conhecido como ÁLCOOL.

    H3C – CH2 – OH          Etanol

• Cada bebida alcoólica contém um diferente
   teor de etanol. É comum encontrarmos no
   rótulo a graduação alcoólica expressa em
    o.
      GL, que se lê “graus Gay-Lussac”. Essa
  escala diz qual a porcentagem (em volume)
  de etanol na bebida. Alguns valores típicos
                       são:
•   Cerveja: 4o.GL
•   Vinho: 9 a 12 o. GL
•   Pinga, cachaça ou caninha: 40o. GL
•   Vodca: 40o. GL
•   Uísque: 43 o.GL

    Como dissemos, o etanol é chamado apenas
      de álcool. No entanto, para os químicos, o
     termo álcool engloba uma grande família de
        compostos, todos com uma semelhança
                      estrutural:
• Apresentam grupo OH ligado a um
        carbono saturado, isto é, aquele que
             só faz ligações simples.


    OH                        • O grupo OH é
                                 chamado de
    C           álcool           hidroxila ou
                                  oxidrila.
Carbono saturado
(ligações simples)
Note que de acordo com a definição, ao lado,
             estruturas do tipo,



          O
=C                           não são álcoois.

≡ C – OH .
Assim são exemplos de álcoois:

  H          H H          H H H
H C   OH   H C   C OH   H C   C C OH
  H          H H          H H H




       Carbonos saturados
E não são exemplos de álcoois:

  H   H          H
H C   C   OH   H C   C C   OH    OH
  H   H          H




          Carbonos insaturados
Para dar nome aos álcoois, de acordo com a
Iupac, devemos proceder como no caso dos
hidrocarbonetos, só que empregando o sufixo
ol:
          Sufixo          Indica que o
                        composto é um

             o          Hidrocarboneto


            ol              Álcool
Assim por exemplo:

• H3C – OH       Met an ol
                                 Álcool
                             Ligação simples
                         1 carbono


H3C – CH2 – OH       Et an ol
                                   Álcool
                                  Ligação simples
                                  2 carbonos
1    2      3
 H2C    CH2    CH3   Propan -1- ol         HO
  OH
                           Posição do OH




                                                OH
  1    2      3
H3C    CH     CH3    Propan-2-ol
       OH
                           Posição do OH
• Como você pode ver, quando há mais de uma
     possibilidade para a posição do OH é necessário
     indicá-la através da numeração dos carbonos. A
     numeração dos carbonos é feita começando pela
        extremidade mais próxima do grupo OH.


    1     2     3     4    5                  Numeração incorreta
    5     4     3     2    1                 Numeração correta
  H3C – CH2 – CH2 – CH – CH3
                    OH    Extremidade mais
                         próxima do OH



De acordo com a regra o correto é pentan-2-ol, e não Pentan-4-ol
                              OH
Nomenclatura de álcoois de cadeia
                ramificada.
• A nomenclatura de álcoois que apresentam ramificações é feita
de modo similar ao de hidrocarbonetos ramificados.

• A novidade é que a cadeia principal deve obrigatoriamente
incluir o carbono ligado à hidroxila (OH).

• A numeração da cadeia principal tem que ser feita de modo
que o carbono ligado à hidroxila receba o menor número de
carbonos possível.
• A prioridade é dada ao grupo OH, e não mais as
ramificações.

• Se, por acaso, o grupo de OH estiver posicionado a uma
mesma distância de ambas as extremidades da cadeia
principal, ela deve ser numerada de forma que deixe as
ramificações como menores números possíveis.
Assim:
Em um álcool ramificado, a cadeia principal é a
maior seqüência de carbonos que contêm aquele que
está ligado à hidroxila (OH). A numeração da cadeia
principal tem de começar pela extremidade mais
próxima do grupo OH. Como exemplos considere os
seguintes casos:
  1         2   3         4       5       Numeração incorreta
  5        4    3             2   1       Numeração correta
• H3C CH        CH2      CH       CH3
                                         4- metil-pentan-2-ol
       CH3              OH
                      Extremidade mais
                      próxima do OH
CH3
 4   3  2                    1
H3C C CH2                  CH2    OH       3,3- dimetil-butan-1-ol
    CH3
   3         2         1
   CH2 CH2 CH2 OH                       3- fenil-Propan-1-ol




                           OH
   5    4          3       2       1
H3C     CH        CH         CH   CH3       3-etil-4-metil-Pentan-2-ol

       CH3       CH2

                 CH3
OH
          1
          2

           CH3
 2-metil-ciclo-hexanol


     OH
      1
          2
          3

              CH    CH3
              CH3
3-isopropil-ciclo-pentanol
Metanol
       Apesar de todos os álcoois apresentarem OH, seus efeitos
no organismo podem ser muito diferentes. Assim, é importante
notar que nas bebidas alcoólicas está presente um álcool em
especial: o etanol.
       Existem álcoois que são perigosos se inalados ou
ingeridos. É o caso, por exemplo, do metanol. Ingerir a pequena
quantidade de 30 mL desse álcool leva à morte. Quantidades
menores, 10 mL ou 15 mL, causam cegueira.
       Apesar de tóxico, o metanol é muito importante em
laboratórios, indústrias e também como combustível.
Algumas aplicações do etanol
• Como solvente em perfumes, loções, desodorantes
  e medicamentos;
• Na limpeza doméstica. Para essa finalidade, o
  produto apresenta-se misturado a substâncias que
  alteram o sabor e o arama. Essas substâncias,
  chamadas agentes desnaturantes, são colcadas
  propositalmente para impedir o uso desse álcool
  (denominado álcool desnaturado) seja usado para
  a fabricação de perfumes e bebidas.
• Em automóveis, como combustível. Foi criado em
  14 de novembro de 1975 o Programa Nacional do
  Álcool (Proálcool), visando à utilização do etanol
  como combustível.
• Esse álcool é o etanol hidratado (álcool com água),
  que, por lei, deve estar entre 93,2 e 93,8 o.GL; a ele
  são adicionados agentes desnaturantes.
• Atualmente o programa passa por dificuldades,
  sendo alvo de muitas críticas.
• Esse álcool também é misturado na sua forma
  anidra (sema água) à gasolina na proporção de
  25% conforme legislação atual para diminuir o
  consumo de gasolina e reduzir o índice de polução
  em aproximadamente 30%.
Reação de combustão dos álcoois
• Do mesmo modo que os hidrocarbonetos,
  os álcoois são combustíveis e portanto
  sofrem reação de combustão.

Combustível + comburente →
 combustão

   álcool     +     O2     →   Produtos
Classificação das reações de
            combustão
Há três tipos de combustão que podem ocorrer.

• Combustão completa → produz gás carbônico
  (CO2) e água na forma de vapor (H2O).

• Combustão incompleta → com formação de
  monóxido de carbono (CO) e água (H2O)

• Combustão incompleta → com formação de
  carbono na forma de fuligem ( C ) e água.
Como escrever as reações ?
 • Completa
 Combustível +    O2   →    CO2 + H2O

 • Incompleta
Combustível +    O2    →   CO + H2O     ou

Combustível +    O2    →   C   + H2O
etanol     H3C—CH2—OH (C2H6O)

   • Combustão completa

  1 C2H6O +       3 O2     → 2 CO2 + 3 H2O
combustível     comburente
  • Combustão incompleta
  1 C2H6O +        2 O2     →   2 CO + 3 H2O
 combustível     comburente

   1 C2H6O +       1 O2       → 2 C + 3 H2O
  combustível    comburente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hidrocarbonetos 3a2
Hidrocarbonetos   3a2Hidrocarbonetos   3a2
Hidrocarbonetos 3a2
EEB Francisco Mazzola
 
Química Orgânica - Função Álcool
Química Orgânica - Função ÁlcoolQuímica Orgânica - Função Álcool
Química Orgânica - Função Álcool
Jamille Lisboa
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Adrianne Mendonça
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Aula   polaridade,  geometria molecular e forças intermolecularesAula   polaridade,  geometria molecular e forças intermoleculares
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Profª Alda Ernestina
 
Compostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Compostos da Quimica Orgânica - ÁlcooisCompostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Compostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Nathália Rodrigues
 
Reações químicas tipos- 1o ano
Reações químicas  tipos- 1o anoReações químicas  tipos- 1o ano
Reações químicas tipos- 1o ano
Karol Maia
 
Aldeidos e cetonas
Aldeidos e cetonasAldeidos e cetonas
Aldeidos e cetonas
Adrianne Mendonça
 
Estudo das Soluções
Estudo das SoluçõesEstudo das Soluções
Estudo das Soluções
Carlos Priante
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
Profª Alda Ernestina
 
Cetona
CetonaCetona
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
Adrianne Mendonça
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
Joelson Barral
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
José Nunes da Silva Jr.
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
Marilena Meira
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Química orgânica - Isomeria
Química orgânica - IsomeriaQuímica orgânica - Isomeria
Química orgânica - Isomeria
Francisco Ivanildo
 
Nomenclatura de Hidrocarbonetos
Nomenclatura de HidrocarbonetosNomenclatura de Hidrocarbonetos
Nomenclatura de Hidrocarbonetos
José Marcelo Cangemi
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Kátia Elias
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
Polo UAB de Alagoinhas
 

Mais procurados (20)

Hidrocarbonetos 3a2
Hidrocarbonetos   3a2Hidrocarbonetos   3a2
Hidrocarbonetos 3a2
 
Química Orgânica - Função Álcool
Química Orgânica - Função ÁlcoolQuímica Orgânica - Função Álcool
Química Orgânica - Função Álcool
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Aula   polaridade,  geometria molecular e forças intermolecularesAula   polaridade,  geometria molecular e forças intermoleculares
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
 
Compostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Compostos da Quimica Orgânica - ÁlcooisCompostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Compostos da Quimica Orgânica - Álcoois
 
Reações químicas tipos- 1o ano
Reações químicas  tipos- 1o anoReações químicas  tipos- 1o ano
Reações químicas tipos- 1o ano
 
Aldeidos e cetonas
Aldeidos e cetonasAldeidos e cetonas
Aldeidos e cetonas
 
Estudo das Soluções
Estudo das SoluçõesEstudo das Soluções
Estudo das Soluções
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
Cetona
CetonaCetona
Cetona
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Química orgânica - Isomeria
Química orgânica - IsomeriaQuímica orgânica - Isomeria
Química orgânica - Isomeria
 
Nomenclatura de Hidrocarbonetos
Nomenclatura de HidrocarbonetosNomenclatura de Hidrocarbonetos
Nomenclatura de Hidrocarbonetos
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 

Semelhante a Alcoois

Estudo dos álcoois 1
Estudo dos álcoois 1 Estudo dos álcoois 1
Estudo dos álcoois 1
Manuel Vicente
 
Haletos 3a3
Haletos 3a3Haletos 3a3
Capítulo 5 – funções oxigenadas
Capítulo 5 – funções oxigenadasCapítulo 5 – funções oxigenadas
Capítulo 5 – funções oxigenadas
Fabiano Santos
 
Quimica 003 funcoes oxigenadas
Quimica  003 funcoes oxigenadasQuimica  003 funcoes oxigenadas
Quimica 003 funcoes oxigenadas
con_seguir
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Vinny Silva
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Vinny Silva
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Mariana Ferreira
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
Fabi Wentz
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
samuelr81
 
ÁLCOOISgg.pptx
ÁLCOOISgg.pptxÁLCOOISgg.pptx
ÁLCOOISgg.pptx
DESCULPE Por partilhar
 
Ácidos
ÁcidosÁcidos
Teoria acido e_base
Teoria acido e_baseTeoria acido e_base
Teoria acido e_base
Ivo Rodrigues
 
Quimica organica
Quimica organicaQuimica organica
Quimica organica
izaborgesa
 
Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
estead2011
 
Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
estead2011
 
Apostila funcao inorganica
Apostila funcao inorganicaApostila funcao inorganica
Apostila funcao inorganica
Otoazevedo Otoazevedo
 
Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.
JulianaGimenes
 
Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.
JulianaGimenes
 
Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.
segundocol
 
áCido carboxílico-3a3
áCido carboxílico-3a3áCido carboxílico-3a3
áCido carboxílico-3a3
EEB Francisco Mazzola
 

Semelhante a Alcoois (20)

Estudo dos álcoois 1
Estudo dos álcoois 1 Estudo dos álcoois 1
Estudo dos álcoois 1
 
Haletos 3a3
Haletos 3a3Haletos 3a3
Haletos 3a3
 
Capítulo 5 – funções oxigenadas
Capítulo 5 – funções oxigenadasCapítulo 5 – funções oxigenadas
Capítulo 5 – funções oxigenadas
 
Quimica 003 funcoes oxigenadas
Quimica  003 funcoes oxigenadasQuimica  003 funcoes oxigenadas
Quimica 003 funcoes oxigenadas
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
 
ÁLCOOISgg.pptx
ÁLCOOISgg.pptxÁLCOOISgg.pptx
ÁLCOOISgg.pptx
 
Ácidos
ÁcidosÁcidos
Ácidos
 
Teoria acido e_base
Teoria acido e_baseTeoria acido e_base
Teoria acido e_base
 
Quimica organica
Quimica organicaQuimica organica
Quimica organica
 
Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
 
Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
 
Apostila funcao inorganica
Apostila funcao inorganicaApostila funcao inorganica
Apostila funcao inorganica
 
Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.
 
Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.
 
Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.Funções.org.oxig.
Funções.org.oxig.
 
áCido carboxílico-3a3
áCido carboxílico-3a3áCido carboxílico-3a3
áCido carboxílico-3a3
 

Mais de Fernando Lucas

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Fernando Lucas
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Fernando Lucas
 
Momento linear e impulso
Momento linear e impulsoMomento linear e impulso
Momento linear e impulso
Fernando Lucas
 
Aula4 introbusto
Aula4 introbustoAula4 introbusto
Aula4 introbusto
Fernando Lucas
 
Teoria ácido base
Teoria ácido baseTeoria ácido base
Teoria ácido base
Fernando Lucas
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
Fernando Lucas
 
As regras da cadeia
As regras da cadeiaAs regras da cadeia
As regras da cadeia
Fernando Lucas
 
Hipérbole
HipérboleHipérbole
Hipérbole
Fernando Lucas
 
Elipse
ElipseElipse
Parábola
ParábolaParábola
Parábola
Fernando Lucas
 
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavaresMovimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Fernando Lucas
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
Fernando Lucas
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
Fernando Lucas
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
Fernando Lucas
 
Petroleo3
Petroleo3Petroleo3
Petroleo3
Fernando Lucas
 
Petroleo2
Petroleo2Petroleo2
Petroleo2
Fernando Lucas
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Fernando Lucas
 
Organica completa
Organica completaOrganica completa
Organica completa
Fernando Lucas
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
Fernando Lucas
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
Fernando Lucas
 

Mais de Fernando Lucas (20)

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
 
Momento linear e impulso
Momento linear e impulsoMomento linear e impulso
Momento linear e impulso
 
Aula4 introbusto
Aula4 introbustoAula4 introbusto
Aula4 introbusto
 
Teoria ácido base
Teoria ácido baseTeoria ácido base
Teoria ácido base
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
 
As regras da cadeia
As regras da cadeiaAs regras da cadeia
As regras da cadeia
 
Hipérbole
HipérboleHipérbole
Hipérbole
 
Elipse
ElipseElipse
Elipse
 
Parábola
ParábolaParábola
Parábola
 
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavaresMovimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Petroleo3
Petroleo3Petroleo3
Petroleo3
 
Petroleo2
Petroleo2Petroleo2
Petroleo2
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Organica completa
Organica completaOrganica completa
Organica completa
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
 

Alcoois

  • 2. • Vinho, cerveja, aguardente e uísque são bebidas alcoólicas. Todos contém ETANOL, conhecido como ÁLCOOL. H3C – CH2 – OH Etanol • Cada bebida alcoólica contém um diferente teor de etanol. É comum encontrarmos no rótulo a graduação alcoólica expressa em o. GL, que se lê “graus Gay-Lussac”. Essa escala diz qual a porcentagem (em volume) de etanol na bebida. Alguns valores típicos são:
  • 3. Cerveja: 4o.GL • Vinho: 9 a 12 o. GL • Pinga, cachaça ou caninha: 40o. GL • Vodca: 40o. GL • Uísque: 43 o.GL Como dissemos, o etanol é chamado apenas de álcool. No entanto, para os químicos, o termo álcool engloba uma grande família de compostos, todos com uma semelhança estrutural:
  • 4. • Apresentam grupo OH ligado a um carbono saturado, isto é, aquele que só faz ligações simples. OH • O grupo OH é chamado de C álcool hidroxila ou oxidrila. Carbono saturado (ligações simples)
  • 5. Note que de acordo com a definição, ao lado, estruturas do tipo, O =C não são álcoois. ≡ C – OH .
  • 6. Assim são exemplos de álcoois: H H H H H H H C OH H C C OH H C C C OH H H H H H H Carbonos saturados
  • 7. E não são exemplos de álcoois: H H H H C C OH H C C C OH OH H H H Carbonos insaturados
  • 8. Para dar nome aos álcoois, de acordo com a Iupac, devemos proceder como no caso dos hidrocarbonetos, só que empregando o sufixo ol: Sufixo Indica que o composto é um o Hidrocarboneto ol Álcool
  • 9. Assim por exemplo: • H3C – OH Met an ol Álcool Ligação simples 1 carbono H3C – CH2 – OH Et an ol Álcool Ligação simples 2 carbonos
  • 10. 1 2 3 H2C CH2 CH3 Propan -1- ol HO OH Posição do OH OH 1 2 3 H3C CH CH3 Propan-2-ol OH Posição do OH
  • 11. • Como você pode ver, quando há mais de uma possibilidade para a posição do OH é necessário indicá-la através da numeração dos carbonos. A numeração dos carbonos é feita começando pela extremidade mais próxima do grupo OH. 1 2 3 4 5 Numeração incorreta 5 4 3 2 1 Numeração correta H3C – CH2 – CH2 – CH – CH3 OH Extremidade mais próxima do OH De acordo com a regra o correto é pentan-2-ol, e não Pentan-4-ol OH
  • 12. Nomenclatura de álcoois de cadeia ramificada. • A nomenclatura de álcoois que apresentam ramificações é feita de modo similar ao de hidrocarbonetos ramificados. • A novidade é que a cadeia principal deve obrigatoriamente incluir o carbono ligado à hidroxila (OH). • A numeração da cadeia principal tem que ser feita de modo que o carbono ligado à hidroxila receba o menor número de carbonos possível.
  • 13. • A prioridade é dada ao grupo OH, e não mais as ramificações. • Se, por acaso, o grupo de OH estiver posicionado a uma mesma distância de ambas as extremidades da cadeia principal, ela deve ser numerada de forma que deixe as ramificações como menores números possíveis.
  • 14. Assim: Em um álcool ramificado, a cadeia principal é a maior seqüência de carbonos que contêm aquele que está ligado à hidroxila (OH). A numeração da cadeia principal tem de começar pela extremidade mais próxima do grupo OH. Como exemplos considere os seguintes casos: 1 2 3 4 5 Numeração incorreta 5 4 3 2 1 Numeração correta • H3C CH CH2 CH CH3 4- metil-pentan-2-ol CH3 OH Extremidade mais próxima do OH
  • 15. CH3 4 3 2 1 H3C C CH2 CH2 OH 3,3- dimetil-butan-1-ol CH3 3 2 1 CH2 CH2 CH2 OH 3- fenil-Propan-1-ol OH 5 4 3 2 1 H3C CH CH CH CH3 3-etil-4-metil-Pentan-2-ol CH3 CH2 CH3
  • 16. OH 1 2 CH3 2-metil-ciclo-hexanol OH 1 2 3 CH CH3 CH3 3-isopropil-ciclo-pentanol
  • 17. Metanol Apesar de todos os álcoois apresentarem OH, seus efeitos no organismo podem ser muito diferentes. Assim, é importante notar que nas bebidas alcoólicas está presente um álcool em especial: o etanol. Existem álcoois que são perigosos se inalados ou ingeridos. É o caso, por exemplo, do metanol. Ingerir a pequena quantidade de 30 mL desse álcool leva à morte. Quantidades menores, 10 mL ou 15 mL, causam cegueira. Apesar de tóxico, o metanol é muito importante em laboratórios, indústrias e também como combustível.
  • 18. Algumas aplicações do etanol • Como solvente em perfumes, loções, desodorantes e medicamentos; • Na limpeza doméstica. Para essa finalidade, o produto apresenta-se misturado a substâncias que alteram o sabor e o arama. Essas substâncias, chamadas agentes desnaturantes, são colcadas propositalmente para impedir o uso desse álcool (denominado álcool desnaturado) seja usado para a fabricação de perfumes e bebidas.
  • 19. • Em automóveis, como combustível. Foi criado em 14 de novembro de 1975 o Programa Nacional do Álcool (Proálcool), visando à utilização do etanol como combustível. • Esse álcool é o etanol hidratado (álcool com água), que, por lei, deve estar entre 93,2 e 93,8 o.GL; a ele são adicionados agentes desnaturantes. • Atualmente o programa passa por dificuldades, sendo alvo de muitas críticas. • Esse álcool também é misturado na sua forma anidra (sema água) à gasolina na proporção de 25% conforme legislação atual para diminuir o consumo de gasolina e reduzir o índice de polução em aproximadamente 30%.
  • 20. Reação de combustão dos álcoois • Do mesmo modo que os hidrocarbonetos, os álcoois são combustíveis e portanto sofrem reação de combustão. Combustível + comburente → combustão álcool + O2 → Produtos
  • 21. Classificação das reações de combustão Há três tipos de combustão que podem ocorrer. • Combustão completa → produz gás carbônico (CO2) e água na forma de vapor (H2O). • Combustão incompleta → com formação de monóxido de carbono (CO) e água (H2O) • Combustão incompleta → com formação de carbono na forma de fuligem ( C ) e água.
  • 22. Como escrever as reações ? • Completa Combustível + O2 → CO2 + H2O • Incompleta Combustível + O2 → CO + H2O ou Combustível + O2 → C + H2O
  • 23. etanol H3C—CH2—OH (C2H6O) • Combustão completa 1 C2H6O + 3 O2 → 2 CO2 + 3 H2O combustível comburente • Combustão incompleta 1 C2H6O + 2 O2 → 2 CO + 3 H2O combustível comburente 1 C2H6O + 1 O2 → 2 C + 3 H2O combustível comburente