SlideShare uma empresa Scribd logo
TEORIA ÁCIDO-BASE DE BRØNSTED-LOWRY

        Foi desenvolvida pelo químico dinamarquês BRØNSTED e pelo químico
britânico LOWRY, independentemente, em 1923, trata-se de uma definição mais geral
para o conceito de ácido-base, quando comparada ao conceito de ARRHENIUS, já que
o conceito de BRØNSTED- LOWRY não se limita a soluções aquosas.

       DEFINIÇÃO:
Ácido: substância capaz de doar prótons ( );
Base: substância capaz de receber prótons ( ).

       Um exemplo de reação ácido-base, como quando HCl é adicionado em água:




       Na equação o ácido é o HCl, pois este doa prótons e a água é base, pois recebe
os prótons. Outro exemplo de reação ácido-base:




       Nessa reação o       é a base e a água é o ácido, porém a reação é reversível,
assim na reação inversa o      é o ácido e o      é a base. A partir dessa observação,
podemos definir o conceito de par conjugado, da seguinte forma:
       O       está relacionado com        pela aquisição de um próton, assim como
     está relacionado com        pela perda de um próton, chamamos de par ácido-
base conjugado, ou seja,

-     é o ácido conjugado da base      ,e      é a base conjugada do ácido        ;
-     é a base conjugada do ácido      ,e      é ácido conjugado da base      .

       Existem espécies químicas conhecidas como anfóteras ou anfipróticas, pois
podem atuar tanto como ácido, ou como base, um exemplo comum é o da água,
outros exemplos são amônia liquida e acido acético, essas substâncias sofre reações de
auto-ionização, como a seguir:



       FORÇAS DE ÁCIDOS E BASES

      As reações de ácido-base de BRØNSTED- LOWRY podem ser vistas como duas
reações opostas ou competitivas, dessa forma podemos julgar as forças relativas de
ácidos e bases considerando o deslocamento do equilíbrio. Melhorando, quanto mais
forte é um ácido mais ele doa prótons, ao doar ele desloca o equilíbrio para o seu
conjugado, de forma análoga acontece com as bases.
       Como exemplo, na reação

       O equilíbrio é totalmente deslocado para a direita, pois o        é melhor doador
de prótons do que         , ou seja, o ácido clorídrico é mais forte, e semelhantemente
ocorre com as bases.
       Podemos ainda, inferir que quanto mais forte é um ácido, mais fraca é sua base
conjugada, pois quanto maior sua tendência de doar prótons, menor a tendência de
sua base recebe-los. Assim como, quanto mais forte é uma base, mais fraco é seu ácido
conjugado.
       Exemplo:

       Como o equilíbrio é deslocado para a esquerda, o          é um ácido fraco,
portanto    é uma base forte, ou seja, a tendência a receber prótons do   é maior
que a tendência para doar prótons do    .



Escrito por F.L. Tibola
Graduando em Engenharia Química

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Eliando Oliveira
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
José Nunes da Silva Jr.
 
Estudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido baseEstudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido base
Carlos Kramer
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
Adrianne Mendonça
 
Equilíbrio Químico e Iônico
Equilíbrio Químico e IônicoEquilíbrio Químico e Iônico
Equilíbrio Químico e Iônico
Carlos Priante
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Familia compostos organicos
Familia compostos organicosFamilia compostos organicos
Familia compostos organicos
Fernando Lucas
 
Ácidos e bases
Ácidos e basesÁcidos e bases
Ácidos e bases
Atami Santos
 
áCido carboxílico-3a3
áCido carboxílico-3a3áCido carboxílico-3a3
áCido carboxílico-3a3
EEB Francisco Mazzola
 
Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas
Nai Mariano
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Ajudar Pessoas
 
Forca e Nomenclatura dos Ácidos
Forca e Nomenclatura dos ÁcidosForca e Nomenclatura dos Ácidos
Forca e Nomenclatura dos Ácidos
Hebertty Dantas
 
Equilíbrio iônico
Equilíbrio iônicoEquilíbrio iônico
Equilíbrio iônico
Kellvin Jordan
 
Aula 4 5 acidos e bases, efeitos eletrônicos
Aula 4   5 acidos e bases, efeitos eletrônicosAula 4   5 acidos e bases, efeitos eletrônicos
Aula 4 5 acidos e bases, efeitos eletrônicos
Gustavo Silveira
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
Josenildo Vasconcelos
 
Acidos e bases (1)
Acidos e bases (1)Acidos e bases (1)
7 titulacoes
7  titulacoes7  titulacoes
7 titulacoes
daniela pinto
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
Carlos Priante
 

Mais procurados (20)

Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Estudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido baseEstudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido base
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
 
Equilíbrio Químico e Iônico
Equilíbrio Químico e IônicoEquilíbrio Químico e Iônico
Equilíbrio Químico e Iônico
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Familia compostos organicos
Familia compostos organicosFamilia compostos organicos
Familia compostos organicos
 
Ácidos e bases
Ácidos e basesÁcidos e bases
Ácidos e bases
 
áCido carboxílico-3a3
áCido carboxílico-3a3áCido carboxílico-3a3
áCido carboxílico-3a3
 
Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
PH e pOH
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
 
Forca e Nomenclatura dos Ácidos
Forca e Nomenclatura dos ÁcidosForca e Nomenclatura dos Ácidos
Forca e Nomenclatura dos Ácidos
 
Equilíbrio iônico
Equilíbrio iônicoEquilíbrio iônico
Equilíbrio iônico
 
Aula 4 5 acidos e bases, efeitos eletrônicos
Aula 4   5 acidos e bases, efeitos eletrônicosAula 4   5 acidos e bases, efeitos eletrônicos
Aula 4 5 acidos e bases, efeitos eletrônicos
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Acidos e bases (1)
Acidos e bases (1)Acidos e bases (1)
Acidos e bases (1)
 
7 titulacoes
7  titulacoes7  titulacoes
7 titulacoes
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
 

Destaque

Slides ácidos e bases
Slides ácidos e basesSlides ácidos e bases
Slides ácidos e bases
Roberto Bagatini
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
Plínio Gonçalves
 
Aula 19 a teoria de arrhenius - 3º ano
Aula 19   a teoria de arrhenius - 3º anoAula 19   a teoria de arrhenius - 3º ano
Aula 19 a teoria de arrhenius - 3º ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
2º ANO | Aulas 17 a 18 - Leis de Faraday de QUÍMICA | Prof. Rodrigo Almeida
2º ANO | Aulas 17 a 18 - Leis de Faraday de QUÍMICA | Prof. Rodrigo Almeida 2º ANO | Aulas 17 a 18 - Leis de Faraday de QUÍMICA | Prof. Rodrigo Almeida
2º ANO | Aulas 17 a 18 - Leis de Faraday de QUÍMICA | Prof. Rodrigo Almeida
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
PIBID Joel Job
 
Importância da biodiversidade
Importância da biodiversidadeImportância da biodiversidade
Importância da biodiversidade
fabiopombo
 
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Silvana Sanches
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Leonardo Kaplan
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
Rebeca Vale
 
A célula
A célulaA célula
A célula
catiacsantos
 
A célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaA célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vida
Leonardo Alves
 

Destaque (11)

Slides ácidos e bases
Slides ácidos e basesSlides ácidos e bases
Slides ácidos e bases
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
 
Aula 19 a teoria de arrhenius - 3º ano
Aula 19   a teoria de arrhenius - 3º anoAula 19   a teoria de arrhenius - 3º ano
Aula 19 a teoria de arrhenius - 3º ano
 
2º ANO | Aulas 17 a 18 - Leis de Faraday de QUÍMICA | Prof. Rodrigo Almeida
2º ANO | Aulas 17 a 18 - Leis de Faraday de QUÍMICA | Prof. Rodrigo Almeida 2º ANO | Aulas 17 a 18 - Leis de Faraday de QUÍMICA | Prof. Rodrigo Almeida
2º ANO | Aulas 17 a 18 - Leis de Faraday de QUÍMICA | Prof. Rodrigo Almeida
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Importância da biodiversidade
Importância da biodiversidadeImportância da biodiversidade
Importância da biodiversidade
 
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos. Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
Os cinco Grandes Reinos- classificação dos seres vivos.
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
A célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaA célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vida
 

Semelhante a Teoria ácido base

Teoria acido base de browsted loury
Teoria  acido base  de browsted louryTeoria  acido base  de browsted loury
Teoria acido base de browsted loury
Adrianne Mendonça
 
Atividade04
Atividade04Atividade04
Atividade04
Márcio dos Santos
 
Capitulo 4 para internet
Capitulo 4 para internetCapitulo 4 para internet
Capitulo 4 para internet
Julyanne Rodrigues
 
Unidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e BasesUnidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e Bases
José Nunes da Silva Jr.
 
Atividade04
Atividade04Atividade04
Atividade04
Priscyla Jane
 
Estudo dirigido - Diversidade Química EAD
Estudo dirigido - Diversidade Química EADEstudo dirigido - Diversidade Química EAD
Estudo dirigido - Diversidade Química EAD
Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins
 
269
269269
Jefferson, jan, victor 8b
Jefferson, jan, victor 8bJefferson, jan, victor 8b
Jefferson, jan, victor 8b
Altair Orlando da Costa
 
áCidos e base1
áCidos e base1áCidos e base1
áCidos e base1
Matheus Xavier Guimarães
 
áCidos e base1
áCidos e base1áCidos e base1
áCidos e base1
Matheus Xavier Guimarães
 
Teoria ácido base prevupe
Teoria ácido base prevupeTeoria ácido base prevupe
Teoria ácido base prevupe
Jesrayne Nascimento
 
Materia quimica iii periodo 2014
Materia quimica iii periodo 2014Materia quimica iii periodo 2014
Materia quimica iii periodo 2014
Celestino Silva
 
objetivos de aula.pdf
objetivos de aula.pdfobjetivos de aula.pdf
objetivos de aula.pdf
MaryMathias9
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânica
Profª Alda Ernestina
 
Acidosebases 111101133643-phpapp02
Acidosebases 111101133643-phpapp02Acidosebases 111101133643-phpapp02
Acidosebases 111101133643-phpapp02
Wagner Bertolini
 
Conceito de base
Conceito de baseConceito de base
Conceito de base
Margarida Rodrigues
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
Wendell Moura
 
Ph e solução do tampão
Ph e solução do tampãoPh e solução do tampão
Ph e solução do tampão
Gabi Campos
 
Aula 5 ácidos x bases
Aula 5   ácidos x basesAula 5   ácidos x bases
Aula 5 ácidos x bases
Laís Flávia
 

Semelhante a Teoria ácido base (19)

Teoria acido base de browsted loury
Teoria  acido base  de browsted louryTeoria  acido base  de browsted loury
Teoria acido base de browsted loury
 
Atividade04
Atividade04Atividade04
Atividade04
 
Capitulo 4 para internet
Capitulo 4 para internetCapitulo 4 para internet
Capitulo 4 para internet
 
Unidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e BasesUnidade 04 - Ácidos e Bases
Unidade 04 - Ácidos e Bases
 
Atividade04
Atividade04Atividade04
Atividade04
 
Estudo dirigido - Diversidade Química EAD
Estudo dirigido - Diversidade Química EADEstudo dirigido - Diversidade Química EAD
Estudo dirigido - Diversidade Química EAD
 
269
269269
269
 
Jefferson, jan, victor 8b
Jefferson, jan, victor 8bJefferson, jan, victor 8b
Jefferson, jan, victor 8b
 
áCidos e base1
áCidos e base1áCidos e base1
áCidos e base1
 
áCidos e base1
áCidos e base1áCidos e base1
áCidos e base1
 
Teoria ácido base prevupe
Teoria ácido base prevupeTeoria ácido base prevupe
Teoria ácido base prevupe
 
Materia quimica iii periodo 2014
Materia quimica iii periodo 2014Materia quimica iii periodo 2014
Materia quimica iii periodo 2014
 
objetivos de aula.pdf
objetivos de aula.pdfobjetivos de aula.pdf
objetivos de aula.pdf
 
Acidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânicaAcidez e basicidade na química orgânica
Acidez e basicidade na química orgânica
 
Acidosebases 111101133643-phpapp02
Acidosebases 111101133643-phpapp02Acidosebases 111101133643-phpapp02
Acidosebases 111101133643-phpapp02
 
Conceito de base
Conceito de baseConceito de base
Conceito de base
 
Solução tampão
Solução tampãoSolução tampão
Solução tampão
 
Ph e solução do tampão
Ph e solução do tampãoPh e solução do tampão
Ph e solução do tampão
 
Aula 5 ácidos x bases
Aula 5   ácidos x basesAula 5   ácidos x bases
Aula 5 ácidos x bases
 

Mais de Fernando Lucas

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Fernando Lucas
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Fernando Lucas
 
Momento linear e impulso
Momento linear e impulsoMomento linear e impulso
Momento linear e impulso
Fernando Lucas
 
Aula4 introbusto
Aula4 introbustoAula4 introbusto
Aula4 introbusto
Fernando Lucas
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
Fernando Lucas
 
As regras da cadeia
As regras da cadeiaAs regras da cadeia
As regras da cadeia
Fernando Lucas
 
Hipérbole
HipérboleHipérbole
Hipérbole
Fernando Lucas
 
Elipse
ElipseElipse
Parábola
ParábolaParábola
Parábola
Fernando Lucas
 
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavaresMovimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Fernando Lucas
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
Fernando Lucas
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
Fernando Lucas
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
Fernando Lucas
 
Petroleo3
Petroleo3Petroleo3
Petroleo3
Fernando Lucas
 
Petroleo2
Petroleo2Petroleo2
Petroleo2
Fernando Lucas
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Fernando Lucas
 
Organica completa
Organica completaOrganica completa
Organica completa
Fernando Lucas
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
Fernando Lucas
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
Fernando Lucas
 
Isomeria2
Isomeria2Isomeria2
Isomeria2
Fernando Lucas
 

Mais de Fernando Lucas (20)

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
 
Momento linear e impulso
Momento linear e impulsoMomento linear e impulso
Momento linear e impulso
 
Aula4 introbusto
Aula4 introbustoAula4 introbusto
Aula4 introbusto
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
 
As regras da cadeia
As regras da cadeiaAs regras da cadeia
As regras da cadeia
 
Hipérbole
HipérboleHipérbole
Hipérbole
 
Elipse
ElipseElipse
Elipse
 
Parábola
ParábolaParábola
Parábola
 
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavaresMovimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
Movimento em 1_dimensao_-_prof_romero_tavares
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
 
A equação de bernoulli
A equação de bernoulliA equação de bernoulli
A equação de bernoulli
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Petroleo3
Petroleo3Petroleo3
Petroleo3
 
Petroleo2
Petroleo2Petroleo2
Petroleo2
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Organica completa
Organica completaOrganica completa
Organica completa
 
Nitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicosNitrilas acidos sulfonicos
Nitrilas acidos sulfonicos
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
 
Isomeria2
Isomeria2Isomeria2
Isomeria2
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 

Teoria ácido base

  • 1. TEORIA ÁCIDO-BASE DE BRØNSTED-LOWRY Foi desenvolvida pelo químico dinamarquês BRØNSTED e pelo químico britânico LOWRY, independentemente, em 1923, trata-se de uma definição mais geral para o conceito de ácido-base, quando comparada ao conceito de ARRHENIUS, já que o conceito de BRØNSTED- LOWRY não se limita a soluções aquosas. DEFINIÇÃO: Ácido: substância capaz de doar prótons ( ); Base: substância capaz de receber prótons ( ). Um exemplo de reação ácido-base, como quando HCl é adicionado em água: Na equação o ácido é o HCl, pois este doa prótons e a água é base, pois recebe os prótons. Outro exemplo de reação ácido-base: Nessa reação o é a base e a água é o ácido, porém a reação é reversível, assim na reação inversa o é o ácido e o é a base. A partir dessa observação, podemos definir o conceito de par conjugado, da seguinte forma: O está relacionado com pela aquisição de um próton, assim como está relacionado com pela perda de um próton, chamamos de par ácido- base conjugado, ou seja, - é o ácido conjugado da base ,e é a base conjugada do ácido ; - é a base conjugada do ácido ,e é ácido conjugado da base . Existem espécies químicas conhecidas como anfóteras ou anfipróticas, pois podem atuar tanto como ácido, ou como base, um exemplo comum é o da água, outros exemplos são amônia liquida e acido acético, essas substâncias sofre reações de auto-ionização, como a seguir: FORÇAS DE ÁCIDOS E BASES As reações de ácido-base de BRØNSTED- LOWRY podem ser vistas como duas reações opostas ou competitivas, dessa forma podemos julgar as forças relativas de
  • 2. ácidos e bases considerando o deslocamento do equilíbrio. Melhorando, quanto mais forte é um ácido mais ele doa prótons, ao doar ele desloca o equilíbrio para o seu conjugado, de forma análoga acontece com as bases. Como exemplo, na reação O equilíbrio é totalmente deslocado para a direita, pois o é melhor doador de prótons do que , ou seja, o ácido clorídrico é mais forte, e semelhantemente ocorre com as bases. Podemos ainda, inferir que quanto mais forte é um ácido, mais fraca é sua base conjugada, pois quanto maior sua tendência de doar prótons, menor a tendência de sua base recebe-los. Assim como, quanto mais forte é uma base, mais fraco é seu ácido conjugado. Exemplo: Como o equilíbrio é deslocado para a esquerda, o é um ácido fraco, portanto é uma base forte, ou seja, a tendência a receber prótons do é maior que a tendência para doar prótons do . Escrito por F.L. Tibola Graduando em Engenharia Química