SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Professora (Estagiária): Magda Vieira
Professora Supervisora: Kátia Aquino
Cinética Química
Profa. Kátia Aquino
2
As reações também possuem
suas velocidades próprias
http://www.franciscoevangelista.com/2012/07/incendio-residencial-com-vitima-fatal.html
Muito rápida: combustão
Muito lenta: Petróleo
http://maisquecuriosidade.blogspot.com.br/2010/05/coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-o.html
3
É a área da química que estuda a velocidade
das reações e os fatores que a influencia,
tais como:
• CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES;
• SUPERFÍCIE DE CONTATO;
• TEMPERATURA;
• CATALISADORES/INIBIDORES;
• CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES;
• SUPERFÍCIE DE CONTATO;
• TEMPERATURA;
• CATALISADORES/INIBIDORES;
Cinética Química
4
Observe:
http://www.alunosonline.com.br/quimica/cinetica-quimica.html
5
Br2(aq) + HCOOH (aq) → 2Br-
(aq) + 2H+
(aq) + CO2 (g)
A cor avermelhada do primeiro becker é por conta do
bromo. Com o passar do tempo a concentração de bromo
diminui e é observada a perda de cor do sistema.
Exemplo de reação
tempo
http://quimica2univia.files.wordpress.com/2012/04/clase17.jpg?w=640
6
Velocidade média=−
Δ[ A]
Δt
=
Δ[B]
Δt
Para a reação:
A → B
Variação da quantidade de um reagente
ou produto em uma reação química num
intervalo de tempo.
vm=
Δm
Δt
ou
Δn
Δt
ou
ΔV
Δt
ou
ΔC
Δt
m = massa, n = no
mols, V = volume, C = concentração
molar
Velocidade média de um
componente da reação (Vm)
7
Uma reação apresenta uma reação média que pode ser
obtida pela divisão da velocidade de cada componente da
reação química pelo respectivo coeficiente estequiométrico.
aA + bB → cC + dD
Vm = -∆[A]
a∆t
= --∆∆[B][B]
b∆t
=-∆[B] ∆[C]
c∆t
= ∆[D]
d∆t
Exemplo geral:
Velocidade média
da reação (Vm)
8
C4H9Cl(aq) + OH- (aq)  C4H9OH (aq) + Cl- (aq)
Tempo
(s)
[C4H9Cl]
(M)
0 0,1000
50 0,0905
100 0,0820
150 0,0741
Comportamento
gráfico
9
 É a variação na quantidade de um
reagente ou produto num instante, ou
seja, no menor intervalo de tempo que
se possa imaginar.
 É a variação na quantidade de um
reagente ou produto num instante, ou
seja, no menor intervalo de tempo que
se possa imaginar.
Velocidade
instantânea (Vi)
A velocidade instantânea (Vi) pode
ser obtida através da declividade da
reta tangente à curva do gráfico
concentração vs. tempo em um
determinado instante..
Não esqueça que a declividade
da reta (m) pode ser obtida
No gráfico por:
m=(y-yo)/(x-xo )
Escolha seus pontos!
Como calcular Vi?
11
C4H9Cl(aq) + OH- (aq)  C4H9OH (aq) + Cl- (aq)
Exemplo t=0s:
Velocidade
instantânea em t=0s
Vi = - (0,060 – 0,100) M
(200 – 0)
Vi = 2,0 x 10- 4
M/s
12
C4H9Cl(aq) + OH- (aq)  C4H9OH (aq) + Cl- (aq)
Exemplo em t=600s:
Velocidade instantânea em
t=600s
Vi = - (0,017- 0,042) M
(800 – 400) s
Vi = 6,2 x 10- 5
M/s
13
COLISÃO ENTRE AS MOLÉCULAS
ORIENTAÇÃO FAVORÁVEL
ENERGIA MÍNIMA
NATUREZA DOS REAGENTES
REAÇÃO QUÍMICA
Condições para que
uma reação ocorra
importante
14
UMA REAÇÃO É UM FENÔMENO PROBABILÍSTICO
1- OS REAGENTES SE ENCONTRAM;
2- O ENCONTRO DE DUAS MOLÉCULAS
CORRESPONDE A UMA COLISÃO;
SE BASEIA NO MODELO CINÉTICO DOS GASES
3- AS MOLÉCULAS PODEM ( DEPENDENDO DA ENERGIA):
• COLIDIR E SEPARAR
• COLIDIR, ROMPER LIGAÇÕES E FORMAR NOVAS LIGAÇÕES
4- FREQUÊNCIA COM QUE AS MOLÉCULAS COLIDEM
5- FRAÇÃO DAS COLISÕES QUE APRESENTAM UMA ENERGIA
MÍNIMA
Teoria da Colisões
COLISÃO ENTRE AS MOLÉCULAS
15
Para que uma reação aconteça é necessário que as
moléculas dos reagentes colidam com a orientação correta.
ORIENTAÇÃO FAVORÁVEL
http://www.brasilescola.com/quimica/condicoes-para-ocorrencia-reacoes-quimicas.htm
16
Em 1888, o químico sueco Svante Arrhenius
sugeriu que as moléculas deviam possuir uma
energia mínima para que pudessem reagir.
No modelo da colisão, a energia na colisão provém
da energia cinética das moléculas colidentes.
Em cada colisão, esta energia pode provocar:
• ESTIRAMENTO
• FLEXÃO
• TORÇÃO
• ROMPIMENTO
Para que a reação aconteça, as moléculas devem apresentar uma
energia cinética superior ou igual a um certo mínimo. Essa energia
mínima é denominada de Energia de Ativação.
Fonte:
http://www.magnet.fsu.edu/education/t
utorials/pioneers/arrhenius.html
ENERGIA MÍNIMA
17
Reação endotérmica
Reação exotérmica
Ea = Ecomplexo ativado – E Reagentes
Fonte: http://www.agracadaquimica.com.br/index.php?
&ds=1&acao=quimica/ms2&i=22&id=587
Energia de ativação
e os gráficos
18
CONCENTRAÇÃO DOS
REAGENTES
SUPERFÍCIE DE CONTATO
TEMPERATURA
ESTADO FÍSICO DOS REAGENTES
CATALISADORES/ INIBIDORES
Fatores que influenciam
na velocidade de uma reação
19
Para a maioria das reações a
velocidade aumenta com um
aumento da temperatura.
Para a maioria das reações a
velocidade aumenta com um
aumento da temperatura.
TEMPERATURA
CHOQUES
ENERGIA
CINÉTICA
VELOCIDADE
TEMPERATURA
20
Um aumento de 10ºC faz com que a
velocidade da reação dobre.
Um aumento de 10ºC faz com que a
velocidade da reação dobre.
Temperatura 5ºC 15ºC 25ºC
Velocidade V 2V 4V
Cuidado, pois
esta regra possui
limitações, ou
seja, não é
sempre válida.
Regra de Van't Hoff
ESTADO FÍSICO DOS REAGENTES
Quanto maior o estado entrópico dos reagentes,
mais rápida será a reação.
Substâncias que estão no estado líquido tende a reagir mais
rapidamente se as mesmas estiverem no estado sólido.
Por estarem mais livres, há maior probabilidade de choques
entre as moléculas.
22
SUPERFÍCIE DE CONTATO
http://educacao.uol.com.br/quimica/cinetica-quimica-1-fatores-que-interferem-na-velocidade-das-reacoes.jhtm
23
Quem oxidaria
mais
rapidamente?
http://www.roboticasimples.com/artigos.php?acao=10
São substâncias que, quando presentes,
aumentam (catalisador) ou diminuem
(inibidor) a velocidade das reações
químicas, sem serem consumidos.
São substâncias que, quando presentes,
aumentam (catalisador) ou diminuem
(inibidor) a velocidade das reações
químicas, sem serem consumidos.
Os catalisadores/inibidores encontram “caminhos
alternativos” ou seja, outra rota reacional que
apresenta uma menor energia de ativação
(catalisador) ou maior energia de ativação
(inibidor).
Os catalisadores/inibidores encontram “caminhos
alternativos” ou seja, outra rota reacional que
apresenta uma menor energia de ativação
(catalisador) ou maior energia de ativação
(inibidor).
CATALISADORES/ INIBIDORES
Fonte: Química Geral – Fundamentos/ Daltamir Justino Maia e J.C. Bianchi. – São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2007)
• Atuam propiciando uma rota alternativa ;
• A variação de entalpia é a mesma, independente do caminho;
• O catalisador não elimina o caminho A da reação, mas possibilita um caminho B;
• Como o novo caminho envolve energias menores, praticamente toda reação ocorre por
este caminho.
Catalisador e a Energia
de ativação
• O catalisador se encontra na mesma fase dos reagentes.
Exemplo: Decomposição da água oxigenada H2O2 (aq) pelo I-
(aq) :
H2O2 + I-
 H2O + IO-
H2O2 + IO-
 H2O + O2 + I-
2H2O2  2H2O + O2
I-
Água oxigenada+sabão+catalisador
Catálise homogênea
http://www.emdialogo.uff.br/node/3234
• O catalisador não está na mesma fase que os reagentes.
Catálise heterogênea
os catalisadores automotivos
http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/catalise-heterogenea.htm
• Enzimas são proteínas com um ou mais sítios ativos tipo cavidade,
onde a reação ocorre;
• São catalisadores biológicos que funcionam modificando moléculas
de substrato para promover reações.
Catálise enzimática
http://www.mundoeducacao.com.br/biologia/enzimas.htm
• É uma reação onde os produtos da reação agem como catalisador
da própria reação;
• A reação é cada vez mais rápida à medida que esta vai progredindo;
Autocatálise
3 Cu(s) + 8 HNO3(aq) → 3 Cu(NO3)2(aq) + 2 NO(g) + 4 H2O(l)
catalisador
http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/autocatalise.htm
30
CONCENTRAÇÃO DOS
REAGENTES
http://www.marco.eng.br/cinetica/trabalhodealunos/CineticaBasica/influencia.html
A velocidade da reação diminui quando as
concentrações dos reagentes diminuem.
A velocidade da reação diminui quando as
concentrações dos reagentes diminuem.
A velocidade da reação diminui com o
passar do tempo.
A velocidade da reação diminui com o
passar do tempo.
Os dados cinéticos são geralmente obtidos a partir
da velocidade inicial da reação.
Os dados cinéticos são geralmente obtidos a partir
da velocidade inicial da reação.
Concentração x velocidade
Dado a REAÇÃO ELEMENTAR abaixo:
aA + bB  cC + dD
V = K[A]a
. [B]b
A lei de velocidade será dada por::
a e b  são os expoentes de A e B,
que correspondem aos coeficientes
estequiométricos da reação.
“ A velocidade de uma reação química
elementar, a uma dada temperatura, é
diretamente proporcional ao produto das
concentrações dos reagentes, em mol/L,
elevadas aos seus respectivos
coeficientes estequiométricos.”
“ A velocidade de uma reação química
elementar, a uma dada temperatura, é
diretamente proporcional ao produto das
concentrações dos reagentes, em mol/L,
elevadas aos seus respectivos
coeficientes estequiométricos.”
Fonte:
http://en.wikipedia.org/wiki/Cato_Maximilian_Guldberg
A lei de velocidade das reações (ou lei de
Guldberg –Waage) foi proposta em 1867
pelos cientistas noruegueses Cato
Maximilian Guldberg (1836-1902) e Peter
Waage (1833-1900)
Lei da velocidade
reação elementar
Reação elementar:
Ocorre em uma única etapa;
Não há formação de intermediários;
Os produtos se formam diretamente da colisão dos reagentes;
A lei de velocidade apresenta os expoentes iguais aos coeficientes da
reação.
Reação elementar:
Ocorre em uma única etapa;
Não há formação de intermediários;
Os produtos se formam diretamente da colisão dos reagentes;
A lei de velocidade apresenta os expoentes iguais aos coeficientes da
reação.
REAÇÕES ELEMENTARES GERAIS
Exemplos Molecularidade Lei de Velocidade
A  produtos Unimolecular V=K[A]
2A produtos Bimolecular V=K[A]2
A + B
produtos
Bimolecular V=K[A] [B]
Mecanismo de reação:
Cada etapa é uma reação elementar;
Na soma algébrica das etapas, os compostos
intermediários desaparecem na reação global;
Mecanismo de reação:
Cada etapa é uma reação elementar;
Na soma algébrica das etapas, os compostos
intermediários desaparecem na reação global;
Reação não elementar:
Ocorrem em um conjunto de etapas, chamado mecanismo de
reação.
Reação não elementar:
Ocorrem em um conjunto de etapas, chamado mecanismo de
reação.
A velocidade da reação não elementar depende
apenas da etapa lenta
Reação não elementar
Reação genérica: 2A + 3B + C  Produtos2A + 3B + C  Produtos
Experimento [A]0(mol/L) Velocidade inicial da
reação (mol/L.min)
I 1 0,02
II 2 0,04
III 4 0,08
Lei das velocidades
Reação não elementar
Reação genérica: 2A + 3B + C  Produtos2A + 3B + C  Produtos
Experimento [B]0(mol/L) Velocidade inicial da
reação (mol/L.min)
I 1 0,02
II 2 0,08
III 4 0,32
Reação genérica:
2A + 3B + C  Produtos2A + 3B + C  Produtos
Experimento [C]0(mol/L) Velocidade inicial da
reação (mol/L.min)
I 1 0,02
II 2 0,02
III 4 0,02
Reação genérica anterior
2A + 3B + C  Produtos2A + 3B + C  Produtos
QUAL A LEI DE VELOCIDADE QUE PODEMOS PROPOR?
V = K[A] [B] 2V = K[A] [B] 2
V = K[A] [B] 2V = K[A] [B] 2
V = K[A] [B] 2V = K[A] [B] 2
Concluindo...
Vamos
exercitar!
Qual a lei de velocidade da reação que ocorre segundo o
mecanismo a seguir?
Etapa 1: NO2 (g) + NO2(g)  NO3(g) + NO(g) (lenta)
Etapa 2: NO3(g) + CO (g)  NO2(g) + CO2(g) (rápida)
Global: NO2(g) + CO (g)  NO(g) + CO2(g)
Ordem de reação (ordem global) é a soma dos valores das
potências a que as concentrações de reagentes se encontram
elevadas na equação cinética da reação (lei de velocidade).
Ordem de reação (ordem global) é a soma dos valores das
potências a que as concentrações de reagentes se encontram
elevadas na equação cinética da reação (lei de velocidade).
Consideremos a reação geral:
aA + bB → cC + dD
A equação da velocidade assume a forma:
Velocidade = k[A]α
[B]β
α, β,k – determinados experimentalmente
α e β– ordem de uma reação; α é a ordem de A e β é a ordem de B.
A reação tem ordem global α + β
Ordem de uma reação
Ordem zero em relação a um reagente: se a alteração da
concentração desse reagente não causa alteração na velocidade;
Primeira ordem em relação a um reagente: se duplicar a
concentração, duplica a velocidade da reação também;
Ordem n em relação a um reagente: se duplicar a concentração
aumenta de 2n
a velocidade da reação.
Uma reação é de:
Reações de ordem zero são raras;
A equação cinética é:
velocidade = k[A]0
ou
v=k
A velocidade de uma reação de ordem zero é
constante e independente das concentrações de
reagentes.
(A)
= N2O
(B)
2 N2O(g)  2N2 (g) + O2(g) (em platina aquecida)
Obs.: A concentração molar é maior em B, mas isso não afeta
a velocidade da reação, pois a superfície da platina pode
adsorver um determinado número de moléculas.
2 N2O(g)  2N2 (g) + O2(g) (em platina aquecida)
Obs.: A concentração molar é maior em B, mas isso não afeta
a velocidade da reação, pois a superfície da platina pode
adsorver um determinado número de moléculas.
Reação de ordem zero
A equação concentração x tempo
É obtida da integração (cálculo integral, que é visto no
ensino superior) da equação da lei de velocidade.
Matemáticamente temos:
[A] = [A]0 – k t
Graficamente:
k=declividade
da reta
Numa reação de primeira ordem a velocidade depende da
concentração de reagente elevada à potência unitária.
45
A  ProdutosA  Produtos
a) Diminuição da concentração do reagente com o
tempo.
v=k[A]
Reação de ordem 1
velocidade=−
Δ[A]
Δt
velocidade=k [A]
⇔ln[A]=ln[A]0−kt
46
A  ProdutosA  Produtos
(equação da reta)
b) Utilização da representação
gráfica da relação linear de ln[A] em
função do tempo para calcular a
constante de velocidade.
Tempo de meia vida (T1/2): Reação
de primeira ordem
47
Variação da concentração
de um reagente com o número
de tempos de meia vida (t1/2)
para uma reação de primeira
ordem.
t=t1/2
[A] = [A]0/2
Tempo de de meia-vida (t1/2): é o tempo necessário para que a concentração
de uma reagente diminua para metade do seu valor inicial.
t1/2=
1
k
ln
[ A]0
[ A]0/ 2
⇔t1/2=
1
k
ln2⇔t1/ 2=
0,693
k
É a reação cuja velocidade depende da concentração de
reagente elevada ao quadrado ou de concentrações de dois
reagentes diferentes, cada um deles elevada à unidade.
A → produto
48
velocidade=−
Δ[ A]
Δt
velocidade=k [ A]2
⇔
1
[ A]
=
1
[ A0 ]
+kt
Reação de ordem 2
(equação da reta)
Podemos obter uma equação para
o tempo de meia-vida da reação
de 2ª ordem, se fizermos
[A] = [A]0/2 na equação:
1
[ A]
=
1
[ A]0
+kt
1
[A]0 /2
=
1
[A]0
+kt1/2 ⇔t1/2=
1
k [ A]0
Tempo de meia vida (T1/2): Reação
de segunda ordem
Ordem Equação Cinética Equação
Concentração x
Tempo
Tempo de Meia
Vida
0 Velocidade =k [A] = [A]0 - kt
1 Velocidade = k [A] ln[A] = ln[A]0 - kt
2 Velocidade = k [A]2
1
[A]
=
1
[A]0
+ kt
t½
ln2
k
=
t½ =
[A]0
2k
t½ =
1
k[A]0
Resumindo...
51
Como a temperatura e a velocidade de reação estão diretamente ligadas,
elas podem estar relacionadas pela equação de Arrhenius.
Como a temperatura e a velocidade de reação estão diretamente ligadas,
elas podem estar relacionadas pela equação de Arrhenius.
kk == Ae-Ea/RT
kk == Ae-Ea/RT
Onde:
• k é a constante da velocidade
• Ea é a energia de ativação
• R é a constante dos gases (8,314 J/mol.K)
• A é uma “constante” relacionada com a frequência das colisões
• T é a temperatura em Kelvin
Equação de ArrheniusAprofunde
seus
conhecimentos
52
k=Ae− Ea/ RT
⇔ ln k=(−
E a
R )(1
T )+ln A
E a ( kJ/mol)
R = 8,314 J/K . mol
Cálculo da Energia Energia de ativação
com a utilização gráfica
Vamos
exercitar!
Em uma dada temperatura, a decomposição do N2O3 em
NO2 e NO é de primeira ordem, com K = 3,2x10-4
s-1
.
Considerando que a concentração inicial de N2O3 é de 10 M,
quanto tempo levará para que essa concentração seja
reduzida para 2 M? Qual o tempo de meia vida dessa
reação?
Questão 1
Vamos
exercitar!
A sacarose (C12H22O11) se decompõe em glicose e frutose em
solução ácida. A velocidade da reação é dada por:
V = k[sacarose].
Sabendo que K = 0,208 h-1
a 25ºC, qual o tempo necessário para
que 87,5% da concentração inicial de sacarose reaja nessa
temperatura?
Questão 2
Bons estudos!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
Ajudar Pessoas
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
Profª Alda Ernestina
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
Polo UAB de Alagoinhas
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Adrianne Mendonça
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
loirissimavivi
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
Lucas Tardim
 
Concentração das soluções
Concentração  das soluçõesConcentração  das soluções
Concentração das soluções
Adrianne Mendonça
 
Reações orgânicas reação de substituição
Reações orgânicas   reação de substituiçãoReações orgânicas   reação de substituição
Reações orgânicas reação de substituição
Rafael Nishikawa
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
ADSONTORREZANE
 
Densidade
DensidadeDensidade
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
paramore146
 
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Karol Maia
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
Thiago
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Kátia Elias
 
Entalpia
EntalpiaEntalpia
Entalpia
Dani Barbosa
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
Adrianne Mendonça
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
Ezequias Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Concentração das soluções
Concentração  das soluçõesConcentração  das soluções
Concentração das soluções
 
Reações orgânicas reação de substituição
Reações orgânicas   reação de substituiçãoReações orgânicas   reação de substituição
Reações orgânicas reação de substituição
 
PH e pOH
  PH  e pOH  PH  e pOH
PH e pOH
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2Aula 9   Mol   Quantidade De Materia2
Aula 9 Mol Quantidade De Materia2
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Reações orgânicas
Reações orgânicasReações orgânicas
Reações orgânicas
 
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Entalpia
EntalpiaEntalpia
Entalpia
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 

Destaque

Quixere extracao-calcario
Quixere extracao-calcarioQuixere extracao-calcario
Quixere extracao-calcario
Liana Maia
 
Introdução às Reações Orgânicas
Introdução às Reações OrgânicasIntrodução às Reações Orgânicas
Introdução às Reações Orgânicas
José Nunes da Silva Jr.
 
Cinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaCinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-química
Danilo Alves
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Fernando Lucas
 
Conceitos de cinética química
Conceitos de cinética químicaConceitos de cinética química
Conceitos de cinética química
Hugo Félix Félix
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula 7 Testes De Estabilidade E Fundamentos De Cinetica Quimica
Aula 7   Testes De Estabilidade E Fundamentos De Cinetica QuimicaAula 7   Testes De Estabilidade E Fundamentos De Cinetica Quimica
Aula 7 Testes De Estabilidade E Fundamentos De Cinetica Quimica
newton.andreo
 

Destaque (7)

Quixere extracao-calcario
Quixere extracao-calcarioQuixere extracao-calcario
Quixere extracao-calcario
 
Introdução às Reações Orgânicas
Introdução às Reações OrgânicasIntrodução às Reações Orgânicas
Introdução às Reações Orgânicas
 
Cinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaCinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Conceitos de cinética química
Conceitos de cinética químicaConceitos de cinética química
Conceitos de cinética química
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Aula 7 Testes De Estabilidade E Fundamentos De Cinetica Quimica
Aula 7   Testes De Estabilidade E Fundamentos De Cinetica QuimicaAula 7   Testes De Estabilidade E Fundamentos De Cinetica Quimica
Aula 7 Testes De Estabilidade E Fundamentos De Cinetica Quimica
 

Semelhante a Cinetica quimica

apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
IgorAngel1
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
MistaelPantojaLeao
 
AULA - CINÉTICA QUÍMICA - velocidade das reações.pptx
AULA - CINÉTICA QUÍMICA  - velocidade das reações.pptxAULA - CINÉTICA QUÍMICA  - velocidade das reações.pptx
AULA - CINÉTICA QUÍMICA - velocidade das reações.pptx
crislania1
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Íngrede Silva
 
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Apostila de química 2013  3 col  1 bim.Apostila de química 2013  3 col  1 bim.
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Valnei Nascimento Nascimento
 
ACFrOgDUJEqAF2_I5uQo9RhDzfWyBNsyYlnnb526svRv16Q4pQA-fSsfEdJdXZ6XR6nbm4c0n5dlq...
ACFrOgDUJEqAF2_I5uQo9RhDzfWyBNsyYlnnb526svRv16Q4pQA-fSsfEdJdXZ6XR6nbm4c0n5dlq...ACFrOgDUJEqAF2_I5uQo9RhDzfWyBNsyYlnnb526svRv16Q4pQA-fSsfEdJdXZ6XR6nbm4c0n5dlq...
ACFrOgDUJEqAF2_I5uQo9RhDzfWyBNsyYlnnb526svRv16Q4pQA-fSsfEdJdXZ6XR6nbm4c0n5dlq...
PesquisaCampoCampoPe
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
colegioexpansao
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
MariaCeclia811680
 
Ana nery cinética química
Ana nery   cinética químicaAna nery   cinética química
Ana nery cinética química
Escola Técnica Ana Nery
 
Aulas sobre a disciplina 8 - Cinética Química.ppt
Aulas sobre a disciplina 8 - Cinética Química.pptAulas sobre a disciplina 8 - Cinética Química.ppt
Aulas sobre a disciplina 8 - Cinética Química.ppt
Leonardo Maciel
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
Giovanna Mariotti
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
jolielinda1008
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Lerisson Freitas
 
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 22014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
francar francar
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químico
Marilena Meira
 
introdução a cinética química aula 01.1.pptx
introdução a cinética química aula 01.1.pptxintrodução a cinética química aula 01.1.pptx
introdução a cinética química aula 01.1.pptx
crislania1
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
Carlos Priante
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Eduardo Lima
 
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdfEstudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
NeireNaianaCostaFaia
 
Teoria do Equilibrio
Teoria do EquilibrioTeoria do Equilibrio
Teoria do Equilibrio
Cursos Profissionalizantes
 

Semelhante a Cinetica quimica (20)

apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
 
AULA - CINÉTICA QUÍMICA - velocidade das reações.pptx
AULA - CINÉTICA QUÍMICA  - velocidade das reações.pptxAULA - CINÉTICA QUÍMICA  - velocidade das reações.pptx
AULA - CINÉTICA QUÍMICA - velocidade das reações.pptx
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
 
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Apostila de química 2013  3 col  1 bim.Apostila de química 2013  3 col  1 bim.
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
 
ACFrOgDUJEqAF2_I5uQo9RhDzfWyBNsyYlnnb526svRv16Q4pQA-fSsfEdJdXZ6XR6nbm4c0n5dlq...
ACFrOgDUJEqAF2_I5uQo9RhDzfWyBNsyYlnnb526svRv16Q4pQA-fSsfEdJdXZ6XR6nbm4c0n5dlq...ACFrOgDUJEqAF2_I5uQo9RhDzfWyBNsyYlnnb526svRv16Q4pQA-fSsfEdJdXZ6XR6nbm4c0n5dlq...
ACFrOgDUJEqAF2_I5uQo9RhDzfWyBNsyYlnnb526svRv16Q4pQA-fSsfEdJdXZ6XR6nbm4c0n5dlq...
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
 
Ana nery cinética química
Ana nery   cinética químicaAna nery   cinética química
Ana nery cinética química
 
Aulas sobre a disciplina 8 - Cinética Química.ppt
Aulas sobre a disciplina 8 - Cinética Química.pptAulas sobre a disciplina 8 - Cinética Química.ppt
Aulas sobre a disciplina 8 - Cinética Química.ppt
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 22014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
2014 1 - qb70 d- cinetica aula 2
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químico
 
introdução a cinética química aula 01.1.pptx
introdução a cinética química aula 01.1.pptxintrodução a cinética química aula 01.1.pptx
introdução a cinética química aula 01.1.pptx
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdfEstudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
 
Teoria do Equilibrio
Teoria do EquilibrioTeoria do Equilibrio
Teoria do Equilibrio
 

Último

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

Cinetica quimica

  • 1. 1 Professora (Estagiária): Magda Vieira Professora Supervisora: Kátia Aquino Cinética Química Profa. Kátia Aquino
  • 2. 2 As reações também possuem suas velocidades próprias http://www.franciscoevangelista.com/2012/07/incendio-residencial-com-vitima-fatal.html Muito rápida: combustão Muito lenta: Petróleo http://maisquecuriosidade.blogspot.com.br/2010/05/coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-o.html
  • 3. 3 É a área da química que estuda a velocidade das reações e os fatores que a influencia, tais como: • CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES; • SUPERFÍCIE DE CONTATO; • TEMPERATURA; • CATALISADORES/INIBIDORES; • CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES; • SUPERFÍCIE DE CONTATO; • TEMPERATURA; • CATALISADORES/INIBIDORES; Cinética Química
  • 5. 5 Br2(aq) + HCOOH (aq) → 2Br- (aq) + 2H+ (aq) + CO2 (g) A cor avermelhada do primeiro becker é por conta do bromo. Com o passar do tempo a concentração de bromo diminui e é observada a perda de cor do sistema. Exemplo de reação tempo http://quimica2univia.files.wordpress.com/2012/04/clase17.jpg?w=640
  • 6. 6 Velocidade média=− Δ[ A] Δt = Δ[B] Δt Para a reação: A → B Variação da quantidade de um reagente ou produto em uma reação química num intervalo de tempo. vm= Δm Δt ou Δn Δt ou ΔV Δt ou ΔC Δt m = massa, n = no mols, V = volume, C = concentração molar Velocidade média de um componente da reação (Vm)
  • 7. 7 Uma reação apresenta uma reação média que pode ser obtida pela divisão da velocidade de cada componente da reação química pelo respectivo coeficiente estequiométrico. aA + bB → cC + dD Vm = -∆[A] a∆t = --∆∆[B][B] b∆t =-∆[B] ∆[C] c∆t = ∆[D] d∆t Exemplo geral: Velocidade média da reação (Vm)
  • 8. 8 C4H9Cl(aq) + OH- (aq)  C4H9OH (aq) + Cl- (aq) Tempo (s) [C4H9Cl] (M) 0 0,1000 50 0,0905 100 0,0820 150 0,0741 Comportamento gráfico
  • 9. 9  É a variação na quantidade de um reagente ou produto num instante, ou seja, no menor intervalo de tempo que se possa imaginar.  É a variação na quantidade de um reagente ou produto num instante, ou seja, no menor intervalo de tempo que se possa imaginar. Velocidade instantânea (Vi)
  • 10. A velocidade instantânea (Vi) pode ser obtida através da declividade da reta tangente à curva do gráfico concentração vs. tempo em um determinado instante.. Não esqueça que a declividade da reta (m) pode ser obtida No gráfico por: m=(y-yo)/(x-xo ) Escolha seus pontos! Como calcular Vi?
  • 11. 11 C4H9Cl(aq) + OH- (aq)  C4H9OH (aq) + Cl- (aq) Exemplo t=0s: Velocidade instantânea em t=0s Vi = - (0,060 – 0,100) M (200 – 0) Vi = 2,0 x 10- 4 M/s
  • 12. 12 C4H9Cl(aq) + OH- (aq)  C4H9OH (aq) + Cl- (aq) Exemplo em t=600s: Velocidade instantânea em t=600s Vi = - (0,017- 0,042) M (800 – 400) s Vi = 6,2 x 10- 5 M/s
  • 13. 13 COLISÃO ENTRE AS MOLÉCULAS ORIENTAÇÃO FAVORÁVEL ENERGIA MÍNIMA NATUREZA DOS REAGENTES REAÇÃO QUÍMICA Condições para que uma reação ocorra importante
  • 14. 14 UMA REAÇÃO É UM FENÔMENO PROBABILÍSTICO 1- OS REAGENTES SE ENCONTRAM; 2- O ENCONTRO DE DUAS MOLÉCULAS CORRESPONDE A UMA COLISÃO; SE BASEIA NO MODELO CINÉTICO DOS GASES 3- AS MOLÉCULAS PODEM ( DEPENDENDO DA ENERGIA): • COLIDIR E SEPARAR • COLIDIR, ROMPER LIGAÇÕES E FORMAR NOVAS LIGAÇÕES 4- FREQUÊNCIA COM QUE AS MOLÉCULAS COLIDEM 5- FRAÇÃO DAS COLISÕES QUE APRESENTAM UMA ENERGIA MÍNIMA Teoria da Colisões COLISÃO ENTRE AS MOLÉCULAS
  • 15. 15 Para que uma reação aconteça é necessário que as moléculas dos reagentes colidam com a orientação correta. ORIENTAÇÃO FAVORÁVEL http://www.brasilescola.com/quimica/condicoes-para-ocorrencia-reacoes-quimicas.htm
  • 16. 16 Em 1888, o químico sueco Svante Arrhenius sugeriu que as moléculas deviam possuir uma energia mínima para que pudessem reagir. No modelo da colisão, a energia na colisão provém da energia cinética das moléculas colidentes. Em cada colisão, esta energia pode provocar: • ESTIRAMENTO • FLEXÃO • TORÇÃO • ROMPIMENTO Para que a reação aconteça, as moléculas devem apresentar uma energia cinética superior ou igual a um certo mínimo. Essa energia mínima é denominada de Energia de Ativação. Fonte: http://www.magnet.fsu.edu/education/t utorials/pioneers/arrhenius.html ENERGIA MÍNIMA
  • 17. 17 Reação endotérmica Reação exotérmica Ea = Ecomplexo ativado – E Reagentes Fonte: http://www.agracadaquimica.com.br/index.php? &ds=1&acao=quimica/ms2&i=22&id=587 Energia de ativação e os gráficos
  • 18. 18 CONCENTRAÇÃO DOS REAGENTES SUPERFÍCIE DE CONTATO TEMPERATURA ESTADO FÍSICO DOS REAGENTES CATALISADORES/ INIBIDORES Fatores que influenciam na velocidade de uma reação
  • 19. 19 Para a maioria das reações a velocidade aumenta com um aumento da temperatura. Para a maioria das reações a velocidade aumenta com um aumento da temperatura. TEMPERATURA CHOQUES ENERGIA CINÉTICA VELOCIDADE TEMPERATURA
  • 20. 20 Um aumento de 10ºC faz com que a velocidade da reação dobre. Um aumento de 10ºC faz com que a velocidade da reação dobre. Temperatura 5ºC 15ºC 25ºC Velocidade V 2V 4V Cuidado, pois esta regra possui limitações, ou seja, não é sempre válida. Regra de Van't Hoff
  • 21. ESTADO FÍSICO DOS REAGENTES Quanto maior o estado entrópico dos reagentes, mais rápida será a reação. Substâncias que estão no estado líquido tende a reagir mais rapidamente se as mesmas estiverem no estado sólido. Por estarem mais livres, há maior probabilidade de choques entre as moléculas.
  • 24. São substâncias que, quando presentes, aumentam (catalisador) ou diminuem (inibidor) a velocidade das reações químicas, sem serem consumidos. São substâncias que, quando presentes, aumentam (catalisador) ou diminuem (inibidor) a velocidade das reações químicas, sem serem consumidos. Os catalisadores/inibidores encontram “caminhos alternativos” ou seja, outra rota reacional que apresenta uma menor energia de ativação (catalisador) ou maior energia de ativação (inibidor). Os catalisadores/inibidores encontram “caminhos alternativos” ou seja, outra rota reacional que apresenta uma menor energia de ativação (catalisador) ou maior energia de ativação (inibidor). CATALISADORES/ INIBIDORES
  • 25. Fonte: Química Geral – Fundamentos/ Daltamir Justino Maia e J.C. Bianchi. – São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007) • Atuam propiciando uma rota alternativa ; • A variação de entalpia é a mesma, independente do caminho; • O catalisador não elimina o caminho A da reação, mas possibilita um caminho B; • Como o novo caminho envolve energias menores, praticamente toda reação ocorre por este caminho. Catalisador e a Energia de ativação
  • 26. • O catalisador se encontra na mesma fase dos reagentes. Exemplo: Decomposição da água oxigenada H2O2 (aq) pelo I- (aq) : H2O2 + I-  H2O + IO- H2O2 + IO-  H2O + O2 + I- 2H2O2  2H2O + O2 I- Água oxigenada+sabão+catalisador Catálise homogênea http://www.emdialogo.uff.br/node/3234
  • 27. • O catalisador não está na mesma fase que os reagentes. Catálise heterogênea os catalisadores automotivos http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/catalise-heterogenea.htm
  • 28. • Enzimas são proteínas com um ou mais sítios ativos tipo cavidade, onde a reação ocorre; • São catalisadores biológicos que funcionam modificando moléculas de substrato para promover reações. Catálise enzimática http://www.mundoeducacao.com.br/biologia/enzimas.htm
  • 29. • É uma reação onde os produtos da reação agem como catalisador da própria reação; • A reação é cada vez mais rápida à medida que esta vai progredindo; Autocatálise 3 Cu(s) + 8 HNO3(aq) → 3 Cu(NO3)2(aq) + 2 NO(g) + 4 H2O(l) catalisador http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/autocatalise.htm
  • 31. A velocidade da reação diminui quando as concentrações dos reagentes diminuem. A velocidade da reação diminui quando as concentrações dos reagentes diminuem. A velocidade da reação diminui com o passar do tempo. A velocidade da reação diminui com o passar do tempo. Os dados cinéticos são geralmente obtidos a partir da velocidade inicial da reação. Os dados cinéticos são geralmente obtidos a partir da velocidade inicial da reação. Concentração x velocidade
  • 32. Dado a REAÇÃO ELEMENTAR abaixo: aA + bB  cC + dD V = K[A]a . [B]b A lei de velocidade será dada por:: a e b  são os expoentes de A e B, que correspondem aos coeficientes estequiométricos da reação. “ A velocidade de uma reação química elementar, a uma dada temperatura, é diretamente proporcional ao produto das concentrações dos reagentes, em mol/L, elevadas aos seus respectivos coeficientes estequiométricos.” “ A velocidade de uma reação química elementar, a uma dada temperatura, é diretamente proporcional ao produto das concentrações dos reagentes, em mol/L, elevadas aos seus respectivos coeficientes estequiométricos.” Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Cato_Maximilian_Guldberg A lei de velocidade das reações (ou lei de Guldberg –Waage) foi proposta em 1867 pelos cientistas noruegueses Cato Maximilian Guldberg (1836-1902) e Peter Waage (1833-1900) Lei da velocidade reação elementar
  • 33. Reação elementar: Ocorre em uma única etapa; Não há formação de intermediários; Os produtos se formam diretamente da colisão dos reagentes; A lei de velocidade apresenta os expoentes iguais aos coeficientes da reação. Reação elementar: Ocorre em uma única etapa; Não há formação de intermediários; Os produtos se formam diretamente da colisão dos reagentes; A lei de velocidade apresenta os expoentes iguais aos coeficientes da reação.
  • 34. REAÇÕES ELEMENTARES GERAIS Exemplos Molecularidade Lei de Velocidade A  produtos Unimolecular V=K[A] 2A produtos Bimolecular V=K[A]2 A + B produtos Bimolecular V=K[A] [B]
  • 35. Mecanismo de reação: Cada etapa é uma reação elementar; Na soma algébrica das etapas, os compostos intermediários desaparecem na reação global; Mecanismo de reação: Cada etapa é uma reação elementar; Na soma algébrica das etapas, os compostos intermediários desaparecem na reação global; Reação não elementar: Ocorrem em um conjunto de etapas, chamado mecanismo de reação. Reação não elementar: Ocorrem em um conjunto de etapas, chamado mecanismo de reação. A velocidade da reação não elementar depende apenas da etapa lenta Reação não elementar
  • 36. Reação genérica: 2A + 3B + C  Produtos2A + 3B + C  Produtos Experimento [A]0(mol/L) Velocidade inicial da reação (mol/L.min) I 1 0,02 II 2 0,04 III 4 0,08 Lei das velocidades Reação não elementar
  • 37. Reação genérica: 2A + 3B + C  Produtos2A + 3B + C  Produtos Experimento [B]0(mol/L) Velocidade inicial da reação (mol/L.min) I 1 0,02 II 2 0,08 III 4 0,32
  • 38. Reação genérica: 2A + 3B + C  Produtos2A + 3B + C  Produtos Experimento [C]0(mol/L) Velocidade inicial da reação (mol/L.min) I 1 0,02 II 2 0,02 III 4 0,02
  • 39. Reação genérica anterior 2A + 3B + C  Produtos2A + 3B + C  Produtos QUAL A LEI DE VELOCIDADE QUE PODEMOS PROPOR? V = K[A] [B] 2V = K[A] [B] 2 V = K[A] [B] 2V = K[A] [B] 2 V = K[A] [B] 2V = K[A] [B] 2 Concluindo...
  • 40. Vamos exercitar! Qual a lei de velocidade da reação que ocorre segundo o mecanismo a seguir? Etapa 1: NO2 (g) + NO2(g)  NO3(g) + NO(g) (lenta) Etapa 2: NO3(g) + CO (g)  NO2(g) + CO2(g) (rápida) Global: NO2(g) + CO (g)  NO(g) + CO2(g)
  • 41. Ordem de reação (ordem global) é a soma dos valores das potências a que as concentrações de reagentes se encontram elevadas na equação cinética da reação (lei de velocidade). Ordem de reação (ordem global) é a soma dos valores das potências a que as concentrações de reagentes se encontram elevadas na equação cinética da reação (lei de velocidade). Consideremos a reação geral: aA + bB → cC + dD A equação da velocidade assume a forma: Velocidade = k[A]α [B]β α, β,k – determinados experimentalmente α e β– ordem de uma reação; α é a ordem de A e β é a ordem de B. A reação tem ordem global α + β Ordem de uma reação
  • 42. Ordem zero em relação a um reagente: se a alteração da concentração desse reagente não causa alteração na velocidade; Primeira ordem em relação a um reagente: se duplicar a concentração, duplica a velocidade da reação também; Ordem n em relação a um reagente: se duplicar a concentração aumenta de 2n a velocidade da reação. Uma reação é de:
  • 43. Reações de ordem zero são raras; A equação cinética é: velocidade = k[A]0 ou v=k A velocidade de uma reação de ordem zero é constante e independente das concentrações de reagentes. (A) = N2O (B) 2 N2O(g)  2N2 (g) + O2(g) (em platina aquecida) Obs.: A concentração molar é maior em B, mas isso não afeta a velocidade da reação, pois a superfície da platina pode adsorver um determinado número de moléculas. 2 N2O(g)  2N2 (g) + O2(g) (em platina aquecida) Obs.: A concentração molar é maior em B, mas isso não afeta a velocidade da reação, pois a superfície da platina pode adsorver um determinado número de moléculas. Reação de ordem zero
  • 44. A equação concentração x tempo É obtida da integração (cálculo integral, que é visto no ensino superior) da equação da lei de velocidade. Matemáticamente temos: [A] = [A]0 – k t Graficamente: k=declividade da reta
  • 45. Numa reação de primeira ordem a velocidade depende da concentração de reagente elevada à potência unitária. 45 A  ProdutosA  Produtos a) Diminuição da concentração do reagente com o tempo. v=k[A] Reação de ordem 1
  • 46. velocidade=− Δ[A] Δt velocidade=k [A] ⇔ln[A]=ln[A]0−kt 46 A  ProdutosA  Produtos (equação da reta) b) Utilização da representação gráfica da relação linear de ln[A] em função do tempo para calcular a constante de velocidade.
  • 47. Tempo de meia vida (T1/2): Reação de primeira ordem 47 Variação da concentração de um reagente com o número de tempos de meia vida (t1/2) para uma reação de primeira ordem. t=t1/2 [A] = [A]0/2 Tempo de de meia-vida (t1/2): é o tempo necessário para que a concentração de uma reagente diminua para metade do seu valor inicial. t1/2= 1 k ln [ A]0 [ A]0/ 2 ⇔t1/2= 1 k ln2⇔t1/ 2= 0,693 k
  • 48. É a reação cuja velocidade depende da concentração de reagente elevada ao quadrado ou de concentrações de dois reagentes diferentes, cada um deles elevada à unidade. A → produto 48 velocidade=− Δ[ A] Δt velocidade=k [ A]2 ⇔ 1 [ A] = 1 [ A0 ] +kt Reação de ordem 2 (equação da reta)
  • 49. Podemos obter uma equação para o tempo de meia-vida da reação de 2ª ordem, se fizermos [A] = [A]0/2 na equação: 1 [ A] = 1 [ A]0 +kt 1 [A]0 /2 = 1 [A]0 +kt1/2 ⇔t1/2= 1 k [ A]0 Tempo de meia vida (T1/2): Reação de segunda ordem
  • 50. Ordem Equação Cinética Equação Concentração x Tempo Tempo de Meia Vida 0 Velocidade =k [A] = [A]0 - kt 1 Velocidade = k [A] ln[A] = ln[A]0 - kt 2 Velocidade = k [A]2 1 [A] = 1 [A]0 + kt t½ ln2 k = t½ = [A]0 2k t½ = 1 k[A]0 Resumindo...
  • 51. 51 Como a temperatura e a velocidade de reação estão diretamente ligadas, elas podem estar relacionadas pela equação de Arrhenius. Como a temperatura e a velocidade de reação estão diretamente ligadas, elas podem estar relacionadas pela equação de Arrhenius. kk == Ae-Ea/RT kk == Ae-Ea/RT Onde: • k é a constante da velocidade • Ea é a energia de ativação • R é a constante dos gases (8,314 J/mol.K) • A é uma “constante” relacionada com a frequência das colisões • T é a temperatura em Kelvin Equação de ArrheniusAprofunde seus conhecimentos
  • 52. 52 k=Ae− Ea/ RT ⇔ ln k=(− E a R )(1 T )+ln A E a ( kJ/mol) R = 8,314 J/K . mol Cálculo da Energia Energia de ativação com a utilização gráfica
  • 53. Vamos exercitar! Em uma dada temperatura, a decomposição do N2O3 em NO2 e NO é de primeira ordem, com K = 3,2x10-4 s-1 . Considerando que a concentração inicial de N2O3 é de 10 M, quanto tempo levará para que essa concentração seja reduzida para 2 M? Qual o tempo de meia vida dessa reação? Questão 1
  • 54. Vamos exercitar! A sacarose (C12H22O11) se decompõe em glicose e frutose em solução ácida. A velocidade da reação é dada por: V = k[sacarose]. Sabendo que K = 0,208 h-1 a 25ºC, qual o tempo necessário para que 87,5% da concentração inicial de sacarose reaja nessa temperatura? Questão 2