SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Baixar para ler offline
Disciplina: Citologia Oncótica
• Histórico sobre a técnica citológica de
Papanicolaou
• Coleta de materiais para exame
citológico
Profa. Ms. Bruna Rocha de Souza
Era realizada observação dos órgãos do corpo, feita
principalmente às custas das atividades de necropsia
Entre séculos XV e XVI
INTRODUÇÃO
Fim do século XIX
Morfologia microscópica das alterações patológicas,
especialmente do câncer passou a ser objeto de investigações
Microscópio composto ponto de partida essencial para
um estudo detalhado das células e tecidos
Início do século XIX
Várias publicações apresentavam
ilustrações sobre células vaginais
INTRODUÇÃO
Início do século XX
As descrições morfológicas dos tecidos humanos normais
estavam praticamente completas
INTRODUÇÃO
CITOPATOLOGIA
Área da Patologia que estuda as doenças a partir de
observação ao microscópio de células obtidas através:
• Esfregaços
• Aspirações
• Raspados
• Centrifugação de líquidos
CITOPATOLOGIA
Estudo das células e suas alterações em casos patológicos
O exame citopatológico, " ginecológico preventivo”
Faz a avaliação morfológica das céls que é determinante para a
detecção pré-maligna
CITOPATOLOGIA
Permite:
• Analisar claramente o paciente
• Direcionar um tratamento específico
Método rápido, custo, se realizado adequadamente e por
profissional treinado, é de grande confiabilidade
Biomédicos com especialização: Citopatologia, Citologia Clínica
ou Citologia Oncótica
CITOPATOLOGIA
Exige-se conhecimentos em áreas afins como:
• Patologia
• Imunologia
• Hematologia
• Fisiologia
• Bioquímica
• Biologia molecular
CITOPATOLOGIA
• Nasceu em 13 de maio de 1883 na
Grécia
• Formou-se médico na Alemanha
• Em 1910 foi para EUA (terra das
oportunidades)
George Papanicolaou (1883-1962)
VISÃO HISTÓRICA
Trabalhou como assistente de laboratório
Professor 1923  analisava secreções uterinas de pacientes
 observou uma amostra cheia de células deformadas
George Papanicolaou
VISÃO HISTÓRICA
Normal Patológico
Escreveu mais de 100 páginas sobre o assunto e distribuiu
durante um encontro médico em 1928
Despertou o interesse dos médicos para o exame quando
resumiu o trabalho para 8 páginas (em 1943)
George Papanicolaou
VISÃO HISTÓRICA
George Papanicolau e Aureli Babès
Relataram a presença de células cancerosas em esfregaços
vaginais e cervicais
Pesquisadores reconheceram a importância do método
citológico no diagnóstico do câncer de colo uterino
VISÃO HISTÓRICA
Ambos apresentaram suas observações em 1928
Papanicolaou Babès
Encontro científico
(Michigan, EUA)
Publicou em um artigo em
uma revista Francesa
VISÃO HISTÓRICA
Papanicolaou e Herbert Traut
Publicaram artigo sobre o valor dos esfregaços vaginais na
descoberta de cânceres ocultos do colo uterino e do
endométrio
VISÃO HISTÓRICA
 A validade dessas observações foi confirmada por vários
outros autores
 Estabeleceu-se grande valor do sistema de detecção
citológica do câncer
VISÃO HISTÓRICA
1947
Ernest Ayre criou a espátula de madeira (espátula de Ayre)
Utilizada até hoje na coleta de material biológico para
realização do exame de Papanicolaou
VISÃO HISTÓRICA
Espátula de Ayre
Dados publicados por diversos pesquisadores confirmaram que
o rastreamento citológico leva a da incidência de câncer no
colo uterino
1970-1980: período de crítica na história da citologia
ginecológica
Prevalência X Incidência
VISÃO HISTÓRICA
Principais problemas apresentados pelo sistema de detecção
citológica do câncer cervical:
I) Alvos na população rastreada
Grupo de mulheres que mantém hábitos de alto risco
• multiplicidade de parceiros sexuais e exposição DST’s
• mulheres pós menopausa
VISÃO HISTÓRICA
II) Técnicas de preparo dos esfregaços são falhas
Esfregaço inadequado pode levar a resultados falso-negativos
III) Técnicas de coloração, rastreamento e interpretação
Resultados falso-negativos podem gerar repercussões, deve
haver monitoramento dos métodos de coleta e interpretação
VISÃO HISTÓRICA
O sucesso desses programas está relacionado:
• Cobertura efetiva da população de risco
• Qualidade na coleta e interpretação do material
• Tratamento e acompanhamento adequado
 Conceitos usados atualmente
VISÃO HISTÓRICA
CÂNCER DO COLO
DO ÚTERO
Câncer do colo do útero (cervical) é causado principalmente
pela infecção persistente por alguns tipos de HPV
A infecção genital pelo vírus pode provocar alterações
celulares que poderão evoluir para o câncer
CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
Detecção precoce  necessária, o CCU tem evolução lenta e
seu processo inclui lesões neoplásicas ou pré-neoplásicas,
podendo ser observadas no exame de Papanicolau
CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
3o tumor mais frequente em mulheres
4a causa de morte de mulheres por câncer no Brasil
1990  70% dos casos diagnosticados eram da doença
invasiva
Atualmente  44% dos casos são de lesão in situ
CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
Diagnóstico precoce  chances de cura do câncer cervical
são de 100%
Evolução da doença  sintomas  sangramento vaginal,
corrimento e dor  prognóstico ???
CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
TÉCNICA DE PAPANICOLAOU
O exame preventivo:
• Indicado para mulheres entre 25 e 64 anos
• Indolor, simples e rápido
• Pode causar pequeno desconforto que diminui se a mulher
conseguir relaxar e se o exame for realizado de forma
adequada
TÉCNICA DE PAPANICOLAOU
• Não estar menstruada (aguardar o 5º dia após o término)
• Não usar creme vaginal
• Não manter relações sexuais (24h antes da coleta)
• Deixar o fixador próximo a lâmina já identificada
ANTES DO INÍCIO DA COLETA
• Identificar a lâmina, na extremidade fosca com o lápis (não
utilizar canetas)
- nome
- idade
- data da última menstruação ou menopausa
- uso de medicações
ANTES DO INÍCIO DA COLETA
Material para coleta:
• Par de luvas para procedimento
• Formulário de requisição do exame
• Lápis
• Máscara cirúrgica*
• Avental
ANTES DO INÍCIO DA COLETA
Material para coleta:
Espéculo Lâmina com uma
extremidade fosca
Espátula de Ayre
ANTES DO INÍCIO DA COLETA
Material para coleta:
Escova cervical Fixador apropriado Recipiente para
acondicionamento
das lâminas
ANTES DO INÍCIO DA COLETA
As céls são colhidas:
• Fundo de saco posterior da vagina (fundo de saco vaginal)
• Ectocérvice (abertura do colo)
• Endocérvice (interior do colo)
Colocadas em uma lâmina transparente de vidro, coradas e
levadas a exame ao microscópico
COLETA
Orifício
COLETA
CITOPATOLOGIA
COLETA DE MATERIAL PARA
PAPANICOLAOU
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
1. Acolher a paciente, orientá-la sobre o exame e prepará-la
para a coleta
Descrever no prontuário se há lesões, secreção, verrugas
2. Preparar previamente todo o ambiente da sala de coleta e
todos os materiais necessários ao exame
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
3. Posicionar a paciente deitada em posição ginecológica
4. Introduza o espéculo e abra-o lentamente e com delicadeza
5. Com a espátula de Ayre, retira-se material do fundo de
saco da vagina (extremidade côncava)
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
Com as reentrâncias da espátula ou com a escova fazer a
coleta da ectocérvice
6. Introduzir a escova e retirar material da endocérvice
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
São comercializados diferentes tipos de escovas cervicais que
possibilitam a coleta das células que revestem o canal cervical
Há relatos de que o uso das escovas a eficácia da detecção
das lesões situadas neste local
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
Cervex  composta de filamentos plásticos de tamanhos
variáveis permite coleta do canal endocervical e da
ectocérvice podendo substituir a utilização de escova +
espátula
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
ATENÇÃO:
Ambas as superfícies da espátula e todas as faces da escova
devem entrar em contato com a lâmina de vidro, tomando
cuidado pois movimentos circulares podem lesar as células
FIXAÇÃO DO MATERIAL
Fixação do material
Deve ser procedida imediatamente após a coleta do material
Mantém características originais das céls, impedindo-as de
dessecar
Dessecamento produz modificações morfológicas e tintoriais
das células
Fixador ideal: não pode ser tóxico, custo deve ser aceitável
Álcool é considerado o fixador ideal seja em forma líquida ou
aerossol
FIXAÇÃO DO MATERIAL
Álcool: desnatura as proteínas e ácidos nucleicos tornando-os
insolúveis e estáveis
Tempo de fixação: 15 minutos
Outros fixadores: isopropanol, propanol e mistura de álcool
com solução de um plástico (ex. polietilenoglicol)
FIXAÇÃO DO MATERIAL
Fixador a base de álcool éter
Foi inicialmente defendido por Papanicolaou foi abandonado
por motivos de segurança
FIXAÇÃO DO MATERIAL
Fixação com aerossol
O orifício de saída do fixador deve estar a 30 cm da superfície
da lâmina
FIXAÇÃO DO MATERIAL
Fixação com aerossol
Se aplicado muito próximo da lâmina, o jato pode deslocar e
danificar células criando artefatos dificultando a análise do
esfregaço
A distância superior a 30cm pode prejudicar a fixação
FIXAÇÃO DO MATERIAL
COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
Concluindo o procedimento
Feche o espéculo e retire-o
Auxilie a paciente para descer da mesa
Envie as lâminas ao laboratório
Se realizado de acordo com o padrão de qualidade,
abrangência de 80% ou mais da população e tratamento
adequado
TÉCNICA DE PAPANICOLAOU
Diminui incidência de 90% dos casos de câncer do colo do
utero
MICROSCÓPIO
Núcleos: captam os elementos basófilos dos corantes
assumindo uma cor azul ou tom azulado
Citoplasma: pode assumir uma cor rosa (eosinofílico) ou azul
(cianofílico)
LEITURA E INTERPRETAÇÃO
Coloração
• Céls epiteliais descamadas do epitélio vaginal e cervical
• Muco, leucócito, macrófagos
• Raramente encontra-se células de origem endometrial,
tubária e ovariana
• Pode conter fungos, bactérias, parasitas e vírus
O esfregaço contém
LEITURA E INTERPRETAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
janinemagalhaes
 

Mais procurados (20)

Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 
Oncologia básica
Oncologia básicaOncologia básica
Oncologia básica
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 
1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
 
Anticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e AntiagreganteAnticoagulante e Antiagregante
Anticoagulante e Antiagregante
 
Sistema Geniturinário
Sistema GeniturinárioSistema Geniturinário
Sistema Geniturinário
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
Sistema hematológico
Sistema hematológicoSistema hematológico
Sistema hematológico
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Aula 1 - B
Aula 1 - BAula 1 - B
Aula 1 - B
 
Aula sobre citologia normal
Aula sobre citologia normalAula sobre citologia normal
Aula sobre citologia normal
 

Destaque

Destaque (20)

Cronograma aula de Citologia Oncotica
Cronograma aula de Citologia OncoticaCronograma aula de Citologia Oncotica
Cronograma aula de Citologia Oncotica
 
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restriçãoAula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
 
Aula de CItologia Oncótica sobre Citologia Hormonal
Aula de CItologia Oncótica sobre Citologia HormonalAula de CItologia Oncótica sobre Citologia Hormonal
Aula de CItologia Oncótica sobre Citologia Hormonal
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticos
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticosAula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticos
Aula de Instrumentação Biomédica sobre erros pre analiticos
 
Aula sobre de Instrumentação Biomédica sobre PRIMEIRO SOCORROS
Aula sobre de Instrumentação Biomédica sobre PRIMEIRO SOCORROSAula sobre de Instrumentação Biomédica sobre PRIMEIRO SOCORROS
Aula sobre de Instrumentação Biomédica sobre PRIMEIRO SOCORROS
 
Aula sobre Instrumentação biomédica
Aula sobre Instrumentação biomédicaAula sobre Instrumentação biomédica
Aula sobre Instrumentação biomédica
 
Aula de Biologia Molecular Tipos de mutações e carcinogenese
Aula de Biologia Molecular Tipos de mutações e carcinogeneseAula de Biologia Molecular Tipos de mutações e carcinogenese
Aula de Biologia Molecular Tipos de mutações e carcinogenese
 
Tecnica de Papanicolau
Tecnica de PapanicolauTecnica de Papanicolau
Tecnica de Papanicolau
 
Preventivo
PreventivoPreventivo
Preventivo
 
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNAAula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
 
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPVAula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
 
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de Proteínas
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de ProteínasAula de Biologia Molecular sobre Síntese de Proteínas
Aula de Biologia Molecular sobre Síntese de Proteínas
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AnsiolíticosAula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 
Atividade de IMAGENS
Atividade de IMAGENSAtividade de IMAGENS
Atividade de IMAGENS
 
Microscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia ClínicaMicroscopia Citopatologia Clínica
Microscopia Citopatologia Clínica
 
Montenegro ca colo
Montenegro ca coloMontenegro ca colo
Montenegro ca colo
 
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre EsquistossomoseAula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
Aula de Parasitologia Médica sobre Esquistossomose
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
 

Semelhante a A técnica citológica de papanicolaou

Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
RaianePereira17
 
4 consulta ginecologica
4 consulta ginecologica4 consulta ginecologica
4 consulta ginecologica
Cinthia13Lima
 
Conhecimentos básicos em enfermagem
Conhecimentos básicos em enfermagemConhecimentos básicos em enfermagem
Conhecimentos básicos em enfermagem
Virginia Scalia
 

Semelhante a A técnica citológica de papanicolaou (20)

Citologia 1
Citologia 1Citologia 1
Citologia 1
 
Anat pat
Anat patAnat pat
Anat pat
 
Aula palestra citologia esfoliativa unitoledo out 16
Aula palestra citologia esfoliativa unitoledo out 16Aula palestra citologia esfoliativa unitoledo out 16
Aula palestra citologia esfoliativa unitoledo out 16
 
Histerossalpingografia
HisterossalpingografiaHisterossalpingografia
Histerossalpingografia
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
 
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdfCANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
 
4 consulta ginecologica
4 consulta ginecologica4 consulta ginecologica
4 consulta ginecologica
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
MANUAL_PATOLOGIA.pdf
MANUAL_PATOLOGIA.pdfMANUAL_PATOLOGIA.pdf
MANUAL_PATOLOGIA.pdf
 
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloLesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
 
Manual conduta-pocket
Manual conduta-pocketManual conduta-pocket
Manual conduta-pocket
 
slide_modulo_6.pdf
slide_modulo_6.pdfslide_modulo_6.pdf
slide_modulo_6.pdf
 
Conhecimentos básicos em enfermagem
Conhecimentos básicos em enfermagemConhecimentos básicos em enfermagem
Conhecimentos básicos em enfermagem
 
Biopsias e raspagens
Biopsias e raspagensBiopsias e raspagens
Biopsias e raspagens
 
Biossegurana
BiosseguranaBiossegurana
Biossegurana
 
GUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
GUIA prático de Parasitologia dos HelmintosGUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
GUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
 
Aula sobre Histerossalpingografia
Aula sobre HisterossalpingografiaAula sobre Histerossalpingografia
Aula sobre Histerossalpingografia
 
Aula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - AtualidadeAula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - Atualidade
 
AULA Câncer do colo do útero.pptx
AULA Câncer do colo do útero.pptxAULA Câncer do colo do útero.pptx
AULA Câncer do colo do útero.pptx
 
pccu 1.pdf
pccu 1.pdfpccu 1.pdf
pccu 1.pdf
 

Mais de Jaqueline Almeida

Mais de Jaqueline Almeida (20)

Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos VírusAula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAAula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
 
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de ÓrgãosAula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
 
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre EutanásiaAula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre Eutanásia
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento BacterianoBacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
 
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
 
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma LattesAula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 

Último (8)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 

A técnica citológica de papanicolaou

  • 1. Disciplina: Citologia Oncótica • Histórico sobre a técnica citológica de Papanicolaou • Coleta de materiais para exame citológico Profa. Ms. Bruna Rocha de Souza
  • 2. Era realizada observação dos órgãos do corpo, feita principalmente às custas das atividades de necropsia Entre séculos XV e XVI INTRODUÇÃO Fim do século XIX Morfologia microscópica das alterações patológicas, especialmente do câncer passou a ser objeto de investigações
  • 3. Microscópio composto ponto de partida essencial para um estudo detalhado das células e tecidos Início do século XIX Várias publicações apresentavam ilustrações sobre células vaginais INTRODUÇÃO
  • 4. Início do século XX As descrições morfológicas dos tecidos humanos normais estavam praticamente completas INTRODUÇÃO
  • 6. Área da Patologia que estuda as doenças a partir de observação ao microscópio de células obtidas através: • Esfregaços • Aspirações • Raspados • Centrifugação de líquidos CITOPATOLOGIA
  • 7. Estudo das células e suas alterações em casos patológicos O exame citopatológico, " ginecológico preventivo” Faz a avaliação morfológica das céls que é determinante para a detecção pré-maligna CITOPATOLOGIA
  • 8. Permite: • Analisar claramente o paciente • Direcionar um tratamento específico Método rápido, custo, se realizado adequadamente e por profissional treinado, é de grande confiabilidade Biomédicos com especialização: Citopatologia, Citologia Clínica ou Citologia Oncótica CITOPATOLOGIA
  • 9. Exige-se conhecimentos em áreas afins como: • Patologia • Imunologia • Hematologia • Fisiologia • Bioquímica • Biologia molecular CITOPATOLOGIA
  • 10. • Nasceu em 13 de maio de 1883 na Grécia • Formou-se médico na Alemanha • Em 1910 foi para EUA (terra das oportunidades) George Papanicolaou (1883-1962) VISÃO HISTÓRICA
  • 11. Trabalhou como assistente de laboratório Professor 1923  analisava secreções uterinas de pacientes  observou uma amostra cheia de células deformadas George Papanicolaou VISÃO HISTÓRICA Normal Patológico
  • 12. Escreveu mais de 100 páginas sobre o assunto e distribuiu durante um encontro médico em 1928 Despertou o interesse dos médicos para o exame quando resumiu o trabalho para 8 páginas (em 1943) George Papanicolaou VISÃO HISTÓRICA
  • 13. George Papanicolau e Aureli Babès Relataram a presença de células cancerosas em esfregaços vaginais e cervicais Pesquisadores reconheceram a importância do método citológico no diagnóstico do câncer de colo uterino VISÃO HISTÓRICA
  • 14. Ambos apresentaram suas observações em 1928 Papanicolaou Babès Encontro científico (Michigan, EUA) Publicou em um artigo em uma revista Francesa VISÃO HISTÓRICA
  • 15. Papanicolaou e Herbert Traut Publicaram artigo sobre o valor dos esfregaços vaginais na descoberta de cânceres ocultos do colo uterino e do endométrio VISÃO HISTÓRICA
  • 16.  A validade dessas observações foi confirmada por vários outros autores  Estabeleceu-se grande valor do sistema de detecção citológica do câncer VISÃO HISTÓRICA
  • 17. 1947 Ernest Ayre criou a espátula de madeira (espátula de Ayre) Utilizada até hoje na coleta de material biológico para realização do exame de Papanicolaou VISÃO HISTÓRICA Espátula de Ayre
  • 18. Dados publicados por diversos pesquisadores confirmaram que o rastreamento citológico leva a da incidência de câncer no colo uterino 1970-1980: período de crítica na história da citologia ginecológica Prevalência X Incidência VISÃO HISTÓRICA
  • 19. Principais problemas apresentados pelo sistema de detecção citológica do câncer cervical: I) Alvos na população rastreada Grupo de mulheres que mantém hábitos de alto risco • multiplicidade de parceiros sexuais e exposição DST’s • mulheres pós menopausa VISÃO HISTÓRICA
  • 20. II) Técnicas de preparo dos esfregaços são falhas Esfregaço inadequado pode levar a resultados falso-negativos III) Técnicas de coloração, rastreamento e interpretação Resultados falso-negativos podem gerar repercussões, deve haver monitoramento dos métodos de coleta e interpretação VISÃO HISTÓRICA
  • 21. O sucesso desses programas está relacionado: • Cobertura efetiva da população de risco • Qualidade na coleta e interpretação do material • Tratamento e acompanhamento adequado  Conceitos usados atualmente VISÃO HISTÓRICA
  • 23. Câncer do colo do útero (cervical) é causado principalmente pela infecção persistente por alguns tipos de HPV A infecção genital pelo vírus pode provocar alterações celulares que poderão evoluir para o câncer CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
  • 24. Detecção precoce  necessária, o CCU tem evolução lenta e seu processo inclui lesões neoplásicas ou pré-neoplásicas, podendo ser observadas no exame de Papanicolau CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
  • 25. 3o tumor mais frequente em mulheres 4a causa de morte de mulheres por câncer no Brasil 1990  70% dos casos diagnosticados eram da doença invasiva Atualmente  44% dos casos são de lesão in situ CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
  • 26. Diagnóstico precoce  chances de cura do câncer cervical são de 100% Evolução da doença  sintomas  sangramento vaginal, corrimento e dor  prognóstico ??? CÂNCER DO COLO DO ÚTERO
  • 28. O exame preventivo: • Indicado para mulheres entre 25 e 64 anos • Indolor, simples e rápido • Pode causar pequeno desconforto que diminui se a mulher conseguir relaxar e se o exame for realizado de forma adequada TÉCNICA DE PAPANICOLAOU
  • 29. • Não estar menstruada (aguardar o 5º dia após o término) • Não usar creme vaginal • Não manter relações sexuais (24h antes da coleta) • Deixar o fixador próximo a lâmina já identificada ANTES DO INÍCIO DA COLETA
  • 30. • Identificar a lâmina, na extremidade fosca com o lápis (não utilizar canetas) - nome - idade - data da última menstruação ou menopausa - uso de medicações ANTES DO INÍCIO DA COLETA
  • 31. Material para coleta: • Par de luvas para procedimento • Formulário de requisição do exame • Lápis • Máscara cirúrgica* • Avental ANTES DO INÍCIO DA COLETA
  • 32. Material para coleta: Espéculo Lâmina com uma extremidade fosca Espátula de Ayre ANTES DO INÍCIO DA COLETA
  • 33. Material para coleta: Escova cervical Fixador apropriado Recipiente para acondicionamento das lâminas ANTES DO INÍCIO DA COLETA
  • 34. As céls são colhidas: • Fundo de saco posterior da vagina (fundo de saco vaginal) • Ectocérvice (abertura do colo) • Endocérvice (interior do colo) Colocadas em uma lâmina transparente de vidro, coradas e levadas a exame ao microscópico COLETA
  • 37. COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
  • 38. COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU 1. Acolher a paciente, orientá-la sobre o exame e prepará-la para a coleta Descrever no prontuário se há lesões, secreção, verrugas 2. Preparar previamente todo o ambiente da sala de coleta e todos os materiais necessários ao exame
  • 39. COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU 3. Posicionar a paciente deitada em posição ginecológica 4. Introduza o espéculo e abra-o lentamente e com delicadeza 5. Com a espátula de Ayre, retira-se material do fundo de saco da vagina (extremidade côncava)
  • 40. COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
  • 41. COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU Com as reentrâncias da espátula ou com a escova fazer a coleta da ectocérvice 6. Introduzir a escova e retirar material da endocérvice
  • 42. COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
  • 43. São comercializados diferentes tipos de escovas cervicais que possibilitam a coleta das células que revestem o canal cervical Há relatos de que o uso das escovas a eficácia da detecção das lesões situadas neste local COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
  • 44. Cervex  composta de filamentos plásticos de tamanhos variáveis permite coleta do canal endocervical e da ectocérvice podendo substituir a utilização de escova + espátula COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU
  • 45. COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU ATENÇÃO: Ambas as superfícies da espátula e todas as faces da escova devem entrar em contato com a lâmina de vidro, tomando cuidado pois movimentos circulares podem lesar as células
  • 46. FIXAÇÃO DO MATERIAL Fixação do material Deve ser procedida imediatamente após a coleta do material Mantém características originais das céls, impedindo-as de dessecar Dessecamento produz modificações morfológicas e tintoriais das células
  • 47. Fixador ideal: não pode ser tóxico, custo deve ser aceitável Álcool é considerado o fixador ideal seja em forma líquida ou aerossol FIXAÇÃO DO MATERIAL
  • 48. Álcool: desnatura as proteínas e ácidos nucleicos tornando-os insolúveis e estáveis Tempo de fixação: 15 minutos Outros fixadores: isopropanol, propanol e mistura de álcool com solução de um plástico (ex. polietilenoglicol) FIXAÇÃO DO MATERIAL
  • 49. Fixador a base de álcool éter Foi inicialmente defendido por Papanicolaou foi abandonado por motivos de segurança FIXAÇÃO DO MATERIAL
  • 50. Fixação com aerossol O orifício de saída do fixador deve estar a 30 cm da superfície da lâmina FIXAÇÃO DO MATERIAL
  • 51. Fixação com aerossol Se aplicado muito próximo da lâmina, o jato pode deslocar e danificar células criando artefatos dificultando a análise do esfregaço A distância superior a 30cm pode prejudicar a fixação FIXAÇÃO DO MATERIAL
  • 52. COLETA DE MATERIAL PARA PAPANICOLAOU Concluindo o procedimento Feche o espéculo e retire-o Auxilie a paciente para descer da mesa Envie as lâminas ao laboratório
  • 53. Se realizado de acordo com o padrão de qualidade, abrangência de 80% ou mais da população e tratamento adequado TÉCNICA DE PAPANICOLAOU Diminui incidência de 90% dos casos de câncer do colo do utero
  • 55. Núcleos: captam os elementos basófilos dos corantes assumindo uma cor azul ou tom azulado Citoplasma: pode assumir uma cor rosa (eosinofílico) ou azul (cianofílico) LEITURA E INTERPRETAÇÃO Coloração
  • 56. • Céls epiteliais descamadas do epitélio vaginal e cervical • Muco, leucócito, macrófagos • Raramente encontra-se células de origem endometrial, tubária e ovariana • Pode conter fungos, bactérias, parasitas e vírus O esfregaço contém LEITURA E INTERPRETAÇÃO