SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
POSIÇÕES
PARA
EXAMES
Prof. Bruno Silva
Semiotécnica e Semiologia I
Exame Físico e Processo
de Enfermagem
• É um instrumento utilizado pela enfermagem para
coletar e analisar as informações do paciente/ cliente,
que permeia todo o processo da assistência de
enfermagem sistematizada.
• A sistematização da assistência de enfermagem ou SAE
significa a organização da assistência com base no
processo de enfermagem.
• A SAE é um instrumento da trabalho da enfermeira que
organiza e direciona a assistência constituindo um
modelo.
• No Brasil, Wanda Horta define que o Processo de
enfermagem em 6 etapas:
• Histórico; 2. diagnóstico; 3. plano assistencial; 4.
plano de cuidados ou prescrição; 5 .evolução ou
registro; 6.prognóstico.
A primeira etapa do processo de
enfermagem é o Histórico, que é
composto por oito tópicos:
1. identificação;
2. dados clínicos de
interesse da
enfermagem;
3. percepção e
expectativas do
paciente;
4. hábitos relacionados
a saúde;
5. atendimento das
necessidades básicas;
6. EXAME FISICO;
7. ajustamento do paciente a
equipe de saúde e ao
hospital;
8. impressões do entrevistado
sobre o paciente.
Modelos
• Os modelos podem ser abertos (mais
aconselhável), fechados (são muito longos) ou
mistos. Os mistos podem ser checados ou
escritos.
• Os enfermeiros tendem a valorizar um modelo
biomédico que enfoca a doença. Nesses
modelos descrevem sinais e sintomas e os
fatores etiológicos de determinada patologia fica
mais curto, exigindo um para cada
especialidade médica.
• O Histórico de enfermagem é uma competência
legal do enfermeiro e não pode ser delegado.
Estruturando o Exame físico
• O exame físico consiste na coleta de dados físicos
observados diretamente pela examinadora. Para realizá-lo
é importante:
• O paciente e o enfermeiro devem estar em posição correta.
• A iluminação deve ser adequada (Luz natural ou artificial de
cor branca).
• Deve ser preservado a privacidade e somente os
seguimentos avaliados devem ficar descobertos durante o
exame.
• O paciente tem direito a um acompanhante durante o
exame.
• O enfermeiro deve explicar os seus objetivos e solicitar o
seu consentimento
• Para a avaliação de órgãos genitais, pode solicitar a saída
do acompanhante e caso possível solicitar um auxiliar para
acompanhá-lo.
POSIÇÕES PARA EXAMES
• O paciente pode assumir várias posições durante o
exame físico, e sua escolha pelo enfermeiro
dependerá de área a ser examinada.
O exame físico deve ser planejado de forma que:
• o paciente não permaneça em posições
constrangedoras ou desconfortáveis por longos
• períodos de tempo;
• favoreça o exame físico de várias partes do corpo,
respeitando a privacidade e avaliando o
• estado físico do paciente pelo seu grau de
dependência durante o exame.
Posição ortostática ou ereta
• Paciente fica em pé com os
pés um pouco afastados um
do outro e com os membros
superiores estendidos
naturalmente junto ao corpo. O
peso fica distribuído
eqüitativamente nos MMII.
• Indicação: Exame neurológico.
Posição sentada
• O paciente fica sentado
numa cadeira na maca
ou no leito com as
mãos repousando
sobre as coxas.
Posição/decúbito dorsal
• paciente fica deitado na maca ou leito com o ventre
para cima, membros superiores e inferiores relaxados.
• O paciente deve ser colocado deitado de costas, com
as pernas estendidas ou ligeiramente fletidas para
provocar o relaxamento dos músculos abdominais.
• Os braços devem estar estendidos ao longo do corpo.
• O lençol que recobre o paciente deve estar solto na
cama.
Decúbito lateral direito
• O paciente fica deitado com o lado direito
para baixo, pernas levemente fletidas,
braço direito em abdução, o lado
esquerdo para cima e o braço repousando
sobre a face lateral da coxa.
Decúbito lateral esquerdo
• O paciente fica deitado com o lado
esquerdo para baixo, pernas levemente
fletidas, braço esquerdo em abdução, o
lado direito para cima e o braço
repousando sobre a face lateral da coxa.
Decúbito ventral
• O paciente fica deitado com o ventre para
baixo, braços fletidos e mãos sob a testa.
Posição de Litotomia
(Litotômica)
• Posição que se assemelha à ginecológica. Colocar o
paciente em decúbito dorsal, com a cabeça e os ombros
ligeiramente elevados.
• As coxas devem estar bem flexionadas sobre o abdômen,
afastadas uma da outra e as pernas sobre as coxas.
Normalmente, para se colocar o paciente nesta posição,
usam-se suportes para os joelhos (perneiras).
• Indicações: Cirurgia ou exames de períneo, reto, vagina e
bexiga.
Posição genu-peitoral
• O paciente deve ser colocado ajoelhado sobre a
cama com os joelhos afastados, as pernas
estendidas e o peito apoiado sobre a cama. A
cabeça deve estar lateralizada, apoiada sobre
os braços.
• Indicações: exames vaginais e retais.
Posição supina
• Paciente fica deitado em decúbito dorsal
com travesseiros sobre a cabeça, braços
estendidos ao longo do corpo, pernas
estendidas ou ligeiramente fletidas.
Posição prona
• Paciente fica em decúbito ventral com a cabeça
virada para um dos lados, braços abduzidos para
cima, com cotovelos fletidos e pernas estendidas.
Posição de Sims
• Colocar o paciente em decúbito lateral esquerdo,
mantendo a cabeça apoiada no travesseiro. O corpo
deve estar ligeiramente inclinado para frente, com o
braço esquerdo esticado para trás, de forma a permitir
que parte do peso do corpo apóie sobre o peito.
• O braço direito deve ser posicionado de acordo com a
vontade do paciente e os MMII devem estar flexionados;
o direito, mais que o esquerdo.
• Indicações: exames vaginais, retais, clister e lavagem
intestinal.
Posição de Trendenlenburg
• O paciente é colocado em decúbito dorsal
horizontal, com o corpo num plano inclinado, de
forma que a cabeça fique mais baixa em relação
ao corpo.
• Indicações: Cirurgias da região pélvica, estado de
choque tromboflebites.
Posição de Flower
• Colocar o paciente em decúbito dorsal, elevar a
cabeceira da cama até que o tronco do paciente
atinja um ângulo de 45 graus em relação à cama.
• Indicações: Para alimentação e em patologias
respiratórias, de modo geral.
Seguindo o exame
• Após determinarmos a posição que iremos utilizar para iniciar
o exame físico, Lavar as mãos, luva de procedimento, unhas
curtas para não ferir, aquecer as mãos.
• O enfermeiro emprega os órgão dos sentidos: a visão, o tato, a
audição e o olfato. Utiliza também instrumentos:
1. Esfigmomanômetro
2. Estetoscópio
3. Relógio
4. Termômetro
5. Foco de luz/ lanterna
6. Otoscópio
7. Oftalmoscópio
8. Laringoscópio
9. Rinoscópio
10. Espátula
11. Régua e fita métrica
12. Luvas
13. Lubrificantes
14. Algodão e gaze
15. Martelo para reflexo
16. Alfinetes
17. Balança
18. Lápis demográfico
19. Material para
registro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosHeberth Macedo
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadahospital
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'joselene beatriz
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - CompletaSMS - Petrópolis
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoConceição Quirino
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemRaíssa Soeiro
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoFabricio Marques Moreira
 

Mais procurados (20)

Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 

Semelhante a Aula 2 __posicoes_para_exames

Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de EnfermagemCentro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de EnfermagemJandresson Soares de Araújo
 
Atividade e mobilidade
Atividade e mobilidadeAtividade e mobilidade
Atividade e mobilidadeEliane Xavier
 
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptxaula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptxKelengomez
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoCleanto Santos Vieira
 
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdfPOSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdfCASA
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mangoTeorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mangoRaimundo Bany
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2Raimundo Bany
 
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptxFundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptxVeridyanaValverde1
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxDokiNorkis
 
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptxFaceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptxCELEYCOELHODESOUZA
 
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptxAula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptxNadjaAndrade5
 
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxRaianePereira17
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaRegiane Ribeiro
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularmilagre moreira
 

Semelhante a Aula 2 __posicoes_para_exames (20)

Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de EnfermagemCentro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
 
Atividade e mobilidade
Atividade e mobilidadeAtividade e mobilidade
Atividade e mobilidade
 
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptxaula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
aula FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM enf 20..pptx
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdfPOSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mangoTeorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
 
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptxFundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
 
Aula 11 12-17
Aula 11 12-17Aula 11 12-17
Aula 11 12-17
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
AP1.pptx
AP1.pptxAP1.pptx
AP1.pptx
 
Curso 68
Curso 68Curso 68
Curso 68
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptxFaceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
Faceta Aula 1 conforto do paciente . (2).pptx
 
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptxAula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
 
Intraoperatórios
IntraoperatóriosIntraoperatórios
Intraoperatórios
 
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
 

Último

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 

Aula 2 __posicoes_para_exames

  • 2. Exame Físico e Processo de Enfermagem • É um instrumento utilizado pela enfermagem para coletar e analisar as informações do paciente/ cliente, que permeia todo o processo da assistência de enfermagem sistematizada. • A sistematização da assistência de enfermagem ou SAE significa a organização da assistência com base no processo de enfermagem. • A SAE é um instrumento da trabalho da enfermeira que organiza e direciona a assistência constituindo um modelo. • No Brasil, Wanda Horta define que o Processo de enfermagem em 6 etapas: • Histórico; 2. diagnóstico; 3. plano assistencial; 4. plano de cuidados ou prescrição; 5 .evolução ou registro; 6.prognóstico.
  • 3. A primeira etapa do processo de enfermagem é o Histórico, que é composto por oito tópicos: 1. identificação; 2. dados clínicos de interesse da enfermagem; 3. percepção e expectativas do paciente; 4. hábitos relacionados a saúde; 5. atendimento das necessidades básicas; 6. EXAME FISICO; 7. ajustamento do paciente a equipe de saúde e ao hospital; 8. impressões do entrevistado sobre o paciente.
  • 4. Modelos • Os modelos podem ser abertos (mais aconselhável), fechados (são muito longos) ou mistos. Os mistos podem ser checados ou escritos. • Os enfermeiros tendem a valorizar um modelo biomédico que enfoca a doença. Nesses modelos descrevem sinais e sintomas e os fatores etiológicos de determinada patologia fica mais curto, exigindo um para cada especialidade médica. • O Histórico de enfermagem é uma competência legal do enfermeiro e não pode ser delegado.
  • 5. Estruturando o Exame físico • O exame físico consiste na coleta de dados físicos observados diretamente pela examinadora. Para realizá-lo é importante: • O paciente e o enfermeiro devem estar em posição correta. • A iluminação deve ser adequada (Luz natural ou artificial de cor branca). • Deve ser preservado a privacidade e somente os seguimentos avaliados devem ficar descobertos durante o exame. • O paciente tem direito a um acompanhante durante o exame. • O enfermeiro deve explicar os seus objetivos e solicitar o seu consentimento • Para a avaliação de órgãos genitais, pode solicitar a saída do acompanhante e caso possível solicitar um auxiliar para acompanhá-lo.
  • 6. POSIÇÕES PARA EXAMES • O paciente pode assumir várias posições durante o exame físico, e sua escolha pelo enfermeiro dependerá de área a ser examinada. O exame físico deve ser planejado de forma que: • o paciente não permaneça em posições constrangedoras ou desconfortáveis por longos • períodos de tempo; • favoreça o exame físico de várias partes do corpo, respeitando a privacidade e avaliando o • estado físico do paciente pelo seu grau de dependência durante o exame.
  • 7. Posição ortostática ou ereta • Paciente fica em pé com os pés um pouco afastados um do outro e com os membros superiores estendidos naturalmente junto ao corpo. O peso fica distribuído eqüitativamente nos MMII. • Indicação: Exame neurológico.
  • 8. Posição sentada • O paciente fica sentado numa cadeira na maca ou no leito com as mãos repousando sobre as coxas.
  • 9. Posição/decúbito dorsal • paciente fica deitado na maca ou leito com o ventre para cima, membros superiores e inferiores relaxados. • O paciente deve ser colocado deitado de costas, com as pernas estendidas ou ligeiramente fletidas para provocar o relaxamento dos músculos abdominais. • Os braços devem estar estendidos ao longo do corpo. • O lençol que recobre o paciente deve estar solto na cama.
  • 10. Decúbito lateral direito • O paciente fica deitado com o lado direito para baixo, pernas levemente fletidas, braço direito em abdução, o lado esquerdo para cima e o braço repousando sobre a face lateral da coxa.
  • 11. Decúbito lateral esquerdo • O paciente fica deitado com o lado esquerdo para baixo, pernas levemente fletidas, braço esquerdo em abdução, o lado direito para cima e o braço repousando sobre a face lateral da coxa.
  • 12. Decúbito ventral • O paciente fica deitado com o ventre para baixo, braços fletidos e mãos sob a testa.
  • 13. Posição de Litotomia (Litotômica) • Posição que se assemelha à ginecológica. Colocar o paciente em decúbito dorsal, com a cabeça e os ombros ligeiramente elevados. • As coxas devem estar bem flexionadas sobre o abdômen, afastadas uma da outra e as pernas sobre as coxas. Normalmente, para se colocar o paciente nesta posição, usam-se suportes para os joelhos (perneiras). • Indicações: Cirurgia ou exames de períneo, reto, vagina e bexiga.
  • 14. Posição genu-peitoral • O paciente deve ser colocado ajoelhado sobre a cama com os joelhos afastados, as pernas estendidas e o peito apoiado sobre a cama. A cabeça deve estar lateralizada, apoiada sobre os braços. • Indicações: exames vaginais e retais.
  • 15. Posição supina • Paciente fica deitado em decúbito dorsal com travesseiros sobre a cabeça, braços estendidos ao longo do corpo, pernas estendidas ou ligeiramente fletidas.
  • 16. Posição prona • Paciente fica em decúbito ventral com a cabeça virada para um dos lados, braços abduzidos para cima, com cotovelos fletidos e pernas estendidas.
  • 17. Posição de Sims • Colocar o paciente em decúbito lateral esquerdo, mantendo a cabeça apoiada no travesseiro. O corpo deve estar ligeiramente inclinado para frente, com o braço esquerdo esticado para trás, de forma a permitir que parte do peso do corpo apóie sobre o peito. • O braço direito deve ser posicionado de acordo com a vontade do paciente e os MMII devem estar flexionados; o direito, mais que o esquerdo. • Indicações: exames vaginais, retais, clister e lavagem intestinal.
  • 18. Posição de Trendenlenburg • O paciente é colocado em decúbito dorsal horizontal, com o corpo num plano inclinado, de forma que a cabeça fique mais baixa em relação ao corpo. • Indicações: Cirurgias da região pélvica, estado de choque tromboflebites.
  • 19. Posição de Flower • Colocar o paciente em decúbito dorsal, elevar a cabeceira da cama até que o tronco do paciente atinja um ângulo de 45 graus em relação à cama. • Indicações: Para alimentação e em patologias respiratórias, de modo geral.
  • 20. Seguindo o exame • Após determinarmos a posição que iremos utilizar para iniciar o exame físico, Lavar as mãos, luva de procedimento, unhas curtas para não ferir, aquecer as mãos. • O enfermeiro emprega os órgão dos sentidos: a visão, o tato, a audição e o olfato. Utiliza também instrumentos: 1. Esfigmomanômetro 2. Estetoscópio 3. Relógio 4. Termômetro 5. Foco de luz/ lanterna 6. Otoscópio 7. Oftalmoscópio 8. Laringoscópio 9. Rinoscópio 10. Espátula 11. Régua e fita métrica 12. Luvas 13. Lubrificantes 14. Algodão e gaze 15. Martelo para reflexo 16. Alfinetes 17. Balança 18. Lápis demográfico 19. Material para registro