SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 73
Roteiro de consulta de
Puericultura 0 a 02 anos
Devani Ferreira Pires – Ambulatório de Puericultura
Puericultura
É uma ciência que reúne todas as noções (fisiologia, higiene,
sociologia) suscetíveis de favorecer o desenvolvimento físico e
psíquico das crianças desde o período da gestação até a puberdade.
(Dicionário eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa).
Cuidando bem da saúde da criança
Pré-Natal
Vínculo afetivo
Alimentação: aleitamento materno exclusivo 06 meses
Sono / Higiene / Cuidados ambientais
Prevenção de injúrias
Orientações antecipatórias
Vigilância do crescimento e desenvolvimento
Imunização
Prevenção de deficiência de macro e micronutrientes
Detecção precoce de problemas de saúde
Reabilitação - se indicado
Pré-Natal•
• - Exames laboratoriais: hemograma, classificação sanguínea, sorologia para
toxoplasmose, citomegalovírus, sífilis, rubéola, HTLV 1 e 2, HIV 1 e 2, sorologia
para hepatite B e C, glicemia, EAS, urocultura s/n;
• - Alimentação saudável / suplementação com ácido fólico 03 meses antes da
fecundação e sua manutenção / Prevenção ou tratamento de anemia;
• - Evitar contato com doenças infectocontagiosas e tratá-las adequadamente
quando diagnosticadas;
• - Prevenir a toxoplasmose através de orientações sobre o consumo de carne
cozidas e evitar contato com gatos e atividades de risco para a infecção;
• - Evitar: tabagismo (ativo ou passivo), álcool, drogas lícitas ou ilícitas, poluentes
ambientais, substâncias tóxicas, estresse.
O bebê e sua história
É essencial encarar a criança como um ser humano que começa
com todos os sentimentos intensos dos seres humanos, embora
sua relação com o mundo esteja apenas principiando.
Todo ser humano precisa de um outro para constituir-se do ponto
de vista psíquico; o bebê não existe sozinho.
(Winnicott)
Comunicação na consulta de Puericultura
• Proporcionar um ambiente acolhedor
• Desenvolver empatia
• Saber ouvir, orientar e fornecer informações claras
• Considerar a criança no contexto da família e da comunidade
• Criar uma parceria efetiva com a família – Criar laços
• Utilizar o encorajamento e a motivação
• Negociar mudanças de comportamento possíveis
Adaptado: Jayme Murahovschi. Consulta Pediátrica no primeiro ano de vida. Temas de Pediatria. Nestlé Nutrition Institute.
Utilizando estratégias da Política
Nacional de Humanização
Acolhimento com avaliação e classificação de risco
Clínica ampliada
Equipe de referência, apoio matricial e projeto terapêutico singular
Cartilhas da Política Nacional de Humanização, 2004 e 2008.
Reconhecendo fatores de risco
 RN com história de exposição à droga ilícita e ou álcool intra-utero;
 RN pertencentes à família de baixo nível socioeconômico ou pobreza;
 Recém-Nascido de Muito Baixo Peso (peso ao nascimento < 1500g) e
Extremamente Baixo Peso (peso ao nascimento < 1000g);
 Recém-Nascido pequeno para a idade gestacional (PIG) ​​e ou com diagnóstico
de Restrição de Crescimento Intra-uterino (RCIU) ou pós-natal;
FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
Reconhecendo fatores de risco
• Recém-nascido ou lactentes ou crianças dependentes de fórmulas especiais;
• Recém-Nascidos ou lactentes ou crianças que fizeram uso de nutrição parenteral
total (NPT) por tempo superior a 04 semanas durante a hospitalização;
• Portadores de doenças genéticas ou outras doenças crônica;
• Portadores de fissuras labiopalatinas;
FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
Reconhecendo fatores de risco
• Recém-Nascido ou lactentes com ganho peso inadequado antes da alta hospitalar
(<20 g/d)
• RN ou lactentes com Failure to Thrive (dificuldade para ganhar peso);
• Recém-Nascido, lactente ou criança com síndromes convulsivas;
• Recém-Nascido ou lactente com microcefalia, hidrocefalia, meningite ou outras
patologias do Sistema Nervoso;
• Neonato ou lactente com doença infecciosa congênita ou história de sepse;
FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
Reconhecendo fatores de risco
• RN ou lactente ou criança que necessite do uso de tecnologias:
• Necessidade de alimentação enteral prolongada
• Necessidade de gastrostomia
• Necessidade de traqueostomia
• Necessidade de suporte ventilatório e aspiração de vias aéreas
• Necessidade de alimentação parenteral após a alta hospitalar
FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
Reconhecendo fatores de risco
• Doença pulmonar crônica / Displasia broncopulmonar / Apneia
• Insuficiência renal crônica
• Anomalias congênitas / Erro Inato do metabolismo
• Doenças endocrinológicas / Doenças do aparelho digestivo
• Cardiopatia congênita cianótica / Osteopenia da prematuridade
• Anemia da prematuridade / Deficiências neurológicas graves
FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
Anamnese
CARACTERIZAR SITUAÇÃO PSICOSSOCIAL DA FAMÍLIA
Situação socioeconômica
Condições de moradia
Acesso ao serviço de saúde
Uso de drogas e álcool
Violência doméstica
História de depressão ou outros transtornos psíquicos
Gravidez: desejada (?) planejada (?) aceita (?)
Há história ou evidência de maus tratos ou negligência
Escolaridade materna / Saúde materna / Vínculo afetivo
Suporte social e familiar
Desemprego
Classificação quanto ao peso de nascimento
Peso adequado ao nascimento: peso igual ou superior a 2500g
Baixo peso ao nascimento (BP): peso inferior a 2500g
Muito Baixo Peso ao nascimento (MBP): peso inferior a 1500g
Extremamente Baixo Peso ao nascimento (EBP): peso inferior a 1000g
Classificação Peso do recém-nascido X
Idade Gestacional
RN Adequado para a Idade Gestacional (AIG): entre o percentil 10 e 95
RN Pequeno para a Idade Gestacional (PIG): peso abaixo do percentil 10
RN Grande para a Idade Gestacional (GIG): peso acima do percentil 95
Classificação de Lubchenco e Battaglia, 1967.
Anamnese
• Antecedentes: pré-natal (solicitar cartão de Pré-Natal), tipo de parto; Boletim de APGAR
• Obter informação: reanimação na sala de parto (?) Procedimento realizado;
• Idade Gestacional / Peso ao nascimento / Comprimento / Perímetro Craniano;
• Internação em Unidade Neonatal – revisar diagnósticos, uso de oxigenioterapia,
antibioticoterapia, fototerapia, transfusão sanguínea, tempo de permanência hospitalar, peso
na alta;
• Alimentação: aleitamento materno, fórmula infantil (tipo, diluição), fórmulas especiais;
• Funções eliminatórias
• Queixas atuais
Estado comportamental do neonato
ESTADO COMPORTAMENTAL, segundo Brazelton :
Sono profundo
Sono ativo
Sonolência
Alerta calmo (inativo)
Alerta ativo
Choro
Brazelton. The Neonatal Behavioral Assessment Scale (NBAS), 1973.
Sono
Necessidade de sono:
Recém-Nascido: 15-18 horas (70%-80% do tempo)
Lactente: 13-15 horas
Pré-Escolar: 12-13 horas
Escolar: 10-12 horas
Adolescente: 10 horas
Adulto: 05-08 horas
Choro
O choro do recém-nascido é considerado um ato reflexo que se
desenvolve progressivamente, com integração entre a
maturação fisiológica e as experiências ambientais, e torna-se
ato voluntário na fase da linguagem pré-verbal, que se inicia a
partir de um mês de idade.
(Rev Paul Pediatria 2006;24(3):270-4)
Causas do choro
Fome, necessidade de colo, desconforto
Excesso de estímulos, irritabilidade
Calor ou frio, cansaço, sono, cólicas e dor
Investigar: infecção; condições cirúrgicas
como hérnias; traumas; fraturas; intolerância
alimentar; Doença do Refluxo Gastresofágico;
picada de insetos; corpo estranho; glaucoma;
invaginação intestinal; otite, problemas
neurológicos, dermatite das fraldas.
Herman M and Le A. The crying infant. emed.theclinics.com
Exame da Pele
Integridade
Cor
Mancha mongólica
Lesões de pele
Nevus
Hemangiomas
Milium
Eritema tóxico do recém-nascido
Aparelho locomotor
Articulações
Clavículas
Coluna vertebral
Dedos supranumerários
Deformidades de membros
Doença displásica do quadril – Manobra de Ortolani
Fratura (tocotraumatismo ou secundária à doença)
Tônus muscular
Pé torto
Aparelho respiratório
Inspeção do tórax
Expansibilidade torácica
Frequência respiratória:
Até 60 ipm em menores de 02 meses de idade
Até 50 ipm de 02 meses a 01 ano de idade
Até 40 ipm entre 01 a 04 anos de idade
Ausculta
Percussão
Exame do abdome
• Inspeção: forma, simetria, aspecto, movimentos peristálticos, abaulamentos
difusos e localizados, depressões difusas ou localizadas, diástases, presença de
circulação venosa anômala. Cicatriz umbilical: aspecto, tumoração, secreção.
• Palpação superficial e profunda: sensibilidade, tensão, tumorações,
visceromegalias. Presença de ascite.
• Fígado: tamanho, consistência, bordas. Baço: tamanho, sensibilidade.
• Percussão: timbre, delimitação das vísceras, sensibilidade localizada.
• Ausculta: timbre e presença dos ruídos hidroaéreos.
Sistema cardiovascular
Inspeção
Palpação
Ausculta
Frequência cardíaca
Pressão arterial
Pulsos
Pressão Arterial
DIMENSÕES PARA O MANGUITO DE BORRACHA
Vera H. Koch, Erika A Furusawa. Diretrizes para medida da Pressão Arterial, MAPA e MRPA. SBP.
Perímetro cefálico e fontanelas
Idade Crescimento do perímetro cefálico
0 a 03 meses Aumenta 02 centímetros por mês = 06
03 a 06 meses Aumenta 01 centímetro por mês = 03
06 a 12 meses Aumenta 0,5 centímetro por mês = 03
Crescimento em média: 12 centímetros no primeiro ano de vida
PC esperado para o comprimento: comprimento ÷ 2 + 9 (menina) ou 10 (menino).
O crescimento do crânio no primeiro ano de vida chega atingir cerca de 83,6% do tamanho do adulto.
A fontanela bregmática (anterior) fecha-se clinicamente entre 06 — 18 meses. A fontanela lambdoide
(posterior) fecha-se com 02 meses.
Exame do crânio
Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
Exame do crânio
INSPEÇÃO: formato, simetria, abaulamentos, depressões, cavalgamento de suturas;
MEDIÇÃO: perímetro craniano, avaliar crescimento;
PALPAÇÃO
PERCUSSÃO
Formato do crânio
Exame do crânio
Escafocefalia ou dolicocefalia:
fechamento precoce da sutura
sagital. O crânio apresenta-se
alongado no sentido anteroposterior.
Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
Exame do crânio
A trigonocefalia corresponde ao
fechamento precoce da sutura metópica.
A fronte é estreita, marcada por uma
crista mediana e apontada anteriormente
como a proa de um barco, levando a uma
forma triangular ou em quilha
característica da fronte. As bossas
frontais são apagadas.
Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
Exame do crânio
A plagiocefalia é a cranioestenose que
corresponde ao fechamento precoce da sutura
coronal unilateral. É caracterizada por uma
assimetria do crânio e da face, apresentando
uma ascensão da órbita no lado acometido,
com deslocamento do nariz e um abaulamento
frontal contralateral à sutura comprometida. A
assimetria orbitária é a característica clínica
mais marcante e o diagnóstico pode ser feito
olhando-se a criança de cima e se observando a
ascensão de uma órbita
Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
Exame do crânio
Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
A Plagiocefalia posterior ocorre pelo
fechamento da sutura lambdoide
unilateral. Ocorre um achatamento do
lado da sutura acometida, levando à
formação de uma bossa frontal
contralateral compensatória. Geralmente
se observa um deslocamento posterior
da orelha no lado acometido.
Exame do crânio
Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
BRAQUICEFALIA – SUTURA CORONAL BILATERAL:
A braquicefallia corresponde ao fechamento de ambas as suturas coronais, levando a um
recuo frontal bilateral, predominando na parte supra-orbital. Em geral, o crânio é
retraído anterior e posteriormente, levando a uma fronte curta com dorso nasal baixo e
região occipital aplainada, e alargado transversalmente.
Exame neurológico do neonato
• Reflexos arcaicos: Moro, sucção, procura, tônico cervical
assimétrico (RTC ou reflexo de Magnus–De Kleijn),
retificação, preensão palmar e plantar, marcha reflexa,
Landau, Galant, cutâneo plantar em extensão, reflexo
cócleopalpebral (RCP).
• Avaliar tônus: normal, aumentado, diminuído.
• Movimentos anormais: tremores, movimentos
mioclônicos ou tônicos, clônus, sincinesias,
espasticidade.
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento neuropsicomotor
Desenvolvimento da linguagem
Idade Habilidade
0 – 1mês e ½ Choro;
1m e ½ – 4m Vocalização, inicia o balbucio, emite sons musicais;
4m – 9 m Balbucia consoantes encadeadas, aos 09 meses fala “mama”, “papa”;
9m – 12 m
Fala dissílabos com sentido, jargão, repetição de sílabas. A criança responde ao
seu próprio nome; compreende expressões como “não” e “tchau”; segue
instruções faladas simples;
18 – 24 meses Fala entre 10 – 50 palavras;
02 – 03 anos
Frases afirmativas e negativas compostas por 3 e 4 elementos, mas com
omissões de palavras (preposições, os artigos e os pronomes) com alterações de
concordância, desvios de flexão nominal e inversão dos elementos.
Fatores de Risco associados a
alteração de linguagem
• Otites recorrentes nos dois primeiros anos de vida;
• Fala pouco compreendida desde o início da aquisição;
• Histórico de familiares com alterações de linguagem;
• Problemas frequentes nas vias aéreas superiores;
• Pouca estimulação de linguagem em casa;
• Desnutrição;
• Anemia nos primeiros anos de vida;
• Intercorrências perinatais (infecções congênitas ou adquiridas);
• Síndromes genéticas / Atraso do desenvolvimento neuropsicomotor.
Fonte: http://fonoaudiologiaparapediatras.wordpress.com/fatores-de-risco/
Encaminhar para avaliação especializada
• Não reage aos sons;
• Não sorri e não estabelece contato visual;
• Não produz nenhum som com mais de 06 meses;
• Não compreende instruções simples com 01 ano;
• Não fala palavras isoladas com 02 anos;
• Não é possível entender 50% do que a criança fala por volta dos 03 anos;
• Com 03 anos não constrói frases simples;
• Usa mais gestos do que a fala, para se comunicar, aos 03 anos;
• Não conta história com 04 anos;
• Com 05 anos ainda faz trocas na fala que prejudicam entender o que diz;
• Apresenta vocabulário reduzido;
• Não conhece letras aos 07 anos.
http://fonoaudiologiaparapediatras.wordpress.com/fatores-de-risco/
Conferir triagem neonatal obrigatória
• Triagem Auditiva Neonatal Universal (TANU) – Emissões otoacústicas (EOA)
• Teste do Reflexo vermelho
• Triagem Neonatal para Erro Inato do Metabolismo
• Teste da oximetria de pulso
Teste da oximetria de pulso
Recomendação:
Realizar a aferição da oximetria de pulso, em todo recém-nascido aparentemente saudável com
idade gestacional > 34 semanas, antes da alta da Unidade Neonatal.
Local de aferição: membro superior direito e em um dos membros inferiores.
Para a adequada aferição, é necessário que o recém-nascido esteja com as extremidades
aquecidas e o monitor evidencie uma onda de traçado homogêneo.
Momento da aferição: Entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar.
Resultado normal: Saturação periférica maior ou igual a 95% em ambas as medidas (membro
superior direito e membro inferior) e diferença menor que 3% entre as medidas do membro
superior direito e membro inferior.
Diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica: oximetria de pulso como ferramenta de triagem neonatal. Departamentos de Cardiologia e
Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. 2011.
Inspeção do coto umbilical
EVOLUÇÃO NORMAL
Cordão gelatinoso ao nascimento
Desidratação
Mumificação
Despreendimento
• Observar presença de secreção
sanguinolenta, purulenta, odor fétido
e hiperemia na pele do abdome ao
redor da região umbilical.
Avaliação clínica da icterícia neonatal
AVALIAÇÃO DA ICTERÍCIA ATRAVÉS DAS ZONAS DÉRMICAS DE KRAMER
Avaliação da icterícia neonatal
Atenção: importante realizar diagnóstico diferencial
entre icterícia fisiológica e patológica.
HIPERBILIRRUBINEMIA FISIOLÓGICA:
1) No RN de termo: aumento de bilirrubina nos primeiros 03 dias até 6-8 mg/dl,
estando dentro dos limites fisiológicos se inferior a 12 mg/dl, com duração aproximada
de 07 dias;
2) No RNPT: o valor máximo de bilirrubina pode ser de 10-12 mg/dl no 5º dia, podendo
atingir 15 mg/dl, com duração de até 15 dias.
Indicação de Fototerapia
Academia Americana de Pediatria
Conduta: RN > 35 semanas saudáveis
RISCO E PERCENTIL
Idade do RN Baixo risco
< p 40
Intermediário
inferior p 40-75
Intermediário
superior p 76-95
Alto risco >
percentil 95
48 horas < 8,6 mg/dl 8,6 a 10,8 10,9 a 13,2 > 13,2
60 horas < 9,6 9,6 a 12,6 12,7 a 15,2 > 15,2
72 horas < 11,2 11,2 a 13,4 13,5 a 15,9 > 15,9
96 horas < 12,4 12,4 a 15,2 15,3 a 17,4 > 17,4
Conduta Alta
hospitalar e
avaliação
em 48 h.
BT sérica ou BT
transcutânea
após 48 horas.
BT sérica ou BT
transcutânea
após 24 horas.
BT sérica ou BT
transcutânea em
06 a 12 horas e
fototerapia.
Almeida MFB, Draque CM. Síndrome ictérica do RN: diagnóstico diferencial.
Sociedade Brasileira de Pediatria-PRORN.
Peso
Perda de peso inicial: pode atingir no máximo 10% do peso do nascimento até o 10º dia de
vida, com recuperação até o 14º dia;
Em geral a criança duplica o peso do nascimento entre o 5º e o 6º mês de vida e o triplica aos
12 meses de vida;
Fórmulas para obtenção do peso estimado para a idade:
03 a 12 meses: Idade (meses) + 9 ÷ 2
01 a 06 anos: Idade (anos) x 2 + 8
7 a 12 anos: Idade (anos) x 7 – 5 ÷ 2
Velocidade absoluta de ganho de Peso = grama por dia:
P2 – P1 ÷ número de dias (importante no 1º trimestre).
Velocidade relativa de ganho de peso = grama/Kg/dia:
P2 – P1 ÷ número de dias
P1 (Kg)
Ganho ponderal adequado
GANHO DE PESO - GRAMA DIA
40 semanas a 03 meses 30 g/dia
03 a 06 meses 20 - 25g/dia
06 a 09 meses 15g/dia
09 a 12 meses 10g/dia
12 a 24 meses 06g/dia
A partir do 2º ano de vida o ganho de peso é em média 2 Kg/ano até 08 anos de idade
Crescimento linear
No primeiro ano de vida a criança cresce em média 25 centímetros, 15
centímetros no primeiro semestre e 10 cm no segundo;
No segundo ano de vida cresce em média 10 a 12 centímetros;
Fórmula para obtenção da estatura (média para idade) entre 02 a 12 anos:
Idade (em anos) multiplicado por 6 (Estatura = Id x 6).
Perímetro cefálico para a idade - curva da OMS
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menino.pdf
Escore z > 2: PC acima do esperado para idade
Escore Z ≥ -2 e ≤ 2: PC adequado para a idade
Escore Z < -2: PC abaixo do esperado para a idade
Peso para a idade - curva da OMS
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menino.pdf
< Escore-z -3: Muito baixo peso para idade
> Escore-z -3 e < Escore-z -2: Peso baixo para idade
Escore-z ≥ -2 e < Escore-z +2: Peso adequado ou eutrófico
≥ Escore-z +2: Peso elevado para idade
Comprimento para idade – curva OMS
< Escore-z -3: Comprimento muito baixo peso para idade
> Escore-z -3 e < Escore-z -2: comprimento baixo para idade
≥ Escore-z -2 e ≤ 2: comprimento adequado para idade
> Escore-z 2: comprimento elevado para idade
Índice de massa corpórea (IMC)
Índice de Massa corpórea: é o indicador que avalia a proporção entre o peso e
comprimento ou altura. Calcula-se dividindo-se o peso em quilograma pela estatura em
metros quadrados. IMC = Kg ÷ estatura (m2), é expresso em Kg/m2
Interpretação da curva da OMS para o IMC, segundo o Escore Z:
< Escore-z -3: Magreza acentuada
> Escore-z -3 e < Escore-z -2: Magreza
> Escore-z -2 e < Escore-z +2: Peso adequado ou Eutrófico
> Escore-z +1 e < Escore-z +2: Risco de sobrepeso
> Escore-z +2 e < Escore-z +3: Sobrepeso
> Escore-z +3: Obesidade
Alimentação do lactente
Cuidar do corpo que cresce é saber escolher os alimentos para manter um equilíbrio entre
ganhos e perdas calóricas, com os extras necessários para garantir o aumento da
velocidade de crescimento e desenvolvimento mental e motor adequado;
O aleitamento materno é o padrão normativo para a alimentação e nutrição do lactente,
recomendado de forma exclusiva no primeiro semestre de vida e complementado até os
dois anos de idade;
O leite humano proporciona a oferta de nutrientes responsáveis pelo adequado
crescimento, atividades imunomoduladoras, proteção contra infecções gastrointestinais,
respiratórias, de vias aéreas superiores e trato urinário; proteção contra alergias e
maturação do sistema digestório e neurológico.
Virgínia Resende Silva Weffort. Importância da nutrição adequada na primeira infância. Pediatria moderna – vol. XLIX-Nº 6 – junho/2013
Alimentação do lactente
• Respeitar o desenvolvimento neuropsicomotor, renal e digestório do lactente, promovendo
uma melhor aceitação do alimento e absorção de nutrientes;
• A oferta excessiva de carboidratos e de lipídeos predispõem a doenças crônicas como a
obesidade e diabetes tipo 2;
• As frutas devem ser consumidas 02 a 03 vezes ao dia;
• Necessidade de água:
0 a 06 meses: 700 ml (Leite materno livre demanda ou fórmula infantil)
07 a 12 meses: 800 ml (incluindo leite materno ou fórmula e alimentação complementar)
01 a 03 anos: 1300 ml
Virgínia Resende Silva Weffort. Importância da nutrição adequada na primeira infância. Pediatria moderna – vol. XLIX-Nº 6 – junho/2013
Técnica de aleitamento materno
Posicionamento Correto:
• Mãe apoiada
• Corpo do bebê todo voltado para o corpo da mãe
• Corpo do bebê alinhado
• Barriga do bebê voltado para a barriga da mãe
• Corpo do bebê apoiado pelo antebraço da mãe
• Cabeça do bebê de frente para a mama
Unicef
Técnica de aleitamento materno
Pega Correta:
• Boca bem aberta
• A boca apreende toda ou quase toda
aréola
• Lábio inferior virado para fora
• Queixo do bebê toca a mama
• Visualiza-se mais aréola acima do lábio
superior que abaixo do lábio inferior
Importante: a pega correta evita a fissura e promove esvaziamento adequado da mama.
Unicef
Alimentação complementar
Faixa etária Tipo de alimento
Até 06 meses Leite Materno Exclusivo
A partir de 06 meses Leite materno + alimentos complementares
Papa de frutas (lanche da manhã e da tarde)
Primeira papa como refeição principal (equivalente ao almoço)
Iniciar a oferta de água nos intervalos das refeições
A partir de 07 meses Leite materno manter, porém não oferecer antes das refeições principais
Papa de frutas (lanche da manhã e da tarde)
Comidinha – papinha de misturas múltiplas no horário do almoço
Comidinha – papinha de misturas múltiplas no horário do jantar
Ceia: Leite materno. Alerta: retirar a mamada da madrugada
A partir dos 09 meses Passar gradativamente para a refeição da família, com ajuste da consistência
adequada à etapa do desenvolvimento do lactente.
Entre 10 e 12 meses Manter Leite Materno + alimentação da família com práticas saudáveis.
Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012
Grupo de alimentos
GRUPO ALIMENTOS: inicialmente amassados na consistência de purê,
posteriormente cortados em pequenos pedaços.
Cereais e tubérculos
(03 porções)
arroz, aipim/mandioca/macaxeira,
batata-doce, macarrão, batata, cará, farinhas,
batata-baroa e inhame.
Leguminosas
(02 porções)
feijões, lentilha, ervilha seca, soja e
grão-de-bico.
Legumes, verduras
(03 porções)
Frutas (03 porções)
folhas verdes, laranja, abóbora/jerimum, banana, beterraba,
abacate, quiabo, mamão, cenoura, melancia, tomate e manga.
Carnes e ovos
(02 porções)
frango, peixe (cuidado com espinha), pato, boi, ovo, miúdos e
vísceras. Bem cozidos e cortados adequados à mastigação do bebê.
Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012
Recomendações de porção por grupos
GRUPO Recomendação diária entre
06 - 12 meses
Recomendação diária entre
12 – 24 meses
Cereais, pães e tubérculos 03 porções ao dia 05 porções ao dia
Verduras e legumes 03 porções ao dia 03 porções ao dia
Frutas 03 porções 04 porções
Leite e produtos lácteos 03 porções 03 porções
Carne, miúdos e ovos 02 porções 02 porções
Leguminosas 02 porções 02 porções
Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012
Importante
Não é recomendado oferecer açúcar até os dois anos de idade;
Não há necessidade de introduzir mamadeira após o 6º mês de idade: apenas o prato e
colher para os alimentos de consistência pastosa e o copo para os alimentos líquidos;
Para aumentar o teor energético diário da alimentação de crianças com baixo peso para a
estatura: acrescentar, às refeições principais (almoço e jantar), uma colher das de
sobremesa de óleo para crianças menores de um ano e uma colher das de sopa para
maiores de um ano.
Passo a passo da refeição infantil
• 03 porções de alimento básico (ex: arroz)
• 01 porção de leguminosa (exemplo: feijão)
• 01 porção de alimento de origem animal (exemplo: fígado)
• 01 porção de legume (exemplo: abóbora)
• 01 porção de verdura (exemplo: espinafre)
• Acrescente 1 colher de óleo canola ou soja ou azeite de oliva
para aumentar o valor calórico da refeição, se indicado.
COLOQUE OS ALIMENTOS SEPARADOS NAS SEGUINTES PORÇÕES
Fonte: Os dez passos para a alimentação saudável de crianças menores de dois anos – orientação prática para as mães
02 dose da triplice viral , agora como tetra viral aos 15 meses. Vacinação contra HPV, a partir de março de 2014 para adolescentes entre 11 a 13 anos. 03 doses: para completar a proteção,
sendo que a segunda, seis meses depois da primeira dose, e a terceira, cinco anos após a primeira dose.
Suplementação com vitaminas e ferro
Hemoglobina no período neonatal
Alterações laboratoriais na deficiência de ferro
Exame laboratorial Depleção de ferro sem
anemia
Depleção de ferro com anemia
Hemoglobina Normal Diminuída (Hb < 11,0 mg/dl)
VCM Normal (80 – 100 fl) Diminuída
HCM Normal (26 – 34 pg) Diminuída
RDW Normal (11,5% – 14,5%) Aumentado
Ferro sérico Diminuído (< 30 µg/dl) Diminuído
Ferritina Diminuída (< 10 µg/dl) Diminuída
Saturação de transferrina Baixo (< 100%) Muito baixo
Fonte: Baker RD et als. Diagnosis and prevention of iron deficiency and iron-deficiency anemia in infants and
Young children (0-3 years of age). Pediatrics, vol 126, nº 5, November, 2010.
Anemia
Definição: quando a concentração de hemoglobina encontra-se inferior a 2 desvios-
padrão da concentração média de hemoglobina, para uma população normal do
mesmo gênero e faixa etária.
Idade Nível de hemoglobina Hematócrito
06 meses a 05 anos Anemia: < 11,0 g/dl < 33%
05 a 11 anos Anemia: < 11,5 g/dl < 34%
12 a 13 anos Anemia: < 12 g/dl < 36%
Fonte: International nutritional anemia consultative Group. Guidelines for the use of iron supplements to
prevent and trat the iron deficiency anemia.
Suplementação de ferro
Situação Recomendação
Recém-Nascido de termo , peso adequado para IG,
leite materno.
Ferro elementar 1 mg/Kg/dia, a partir do 6º mês ou a
partir da introdução dos alimentos complementares até o
24º mês.
Recém-Nascido a termo, peso adequado para IG
em uso de fórmula infantil > 500 ml/dia.
Não recomendado.
RN pré-termo e RN de peso entre 1500 e 2490 g, a
partir do 30º dia de vida.
Ferro elementar 2 mg/Kg/dia durante 01 ano de idade.
Após 01 ano: 1 mg/Kg/dia até 02 anos.
RN pré-termo c/ peso entre 1490 g e 1000 g. Ferro elementar 3 mg/Kg/dia durante 01 ano.
Posteriormente: 1 mg/Kg/dia até o 24º mês.
RN pré-termo com peso menor que 1000g. Ferro elementar 4 mg/Kg/dia durante 01 ano.
Posteriormente 1 mg/Kg/dia até o 24º mês.
Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012.
Vitaminas lipossolúveis
Vitamina Dose Duração
Vitamina D 400 UI /dia/via oral. Da primeira semana de vida até o 18º mês de vida,
lactentes em aleitamento materno que não
recebam exposição solar regular e adequada.
Vitamina A Lactente entre 06 a 11 meses: 100.000UI
por Via Oral;
Lactente entre 12 a 59 meses: 200.00UI
por Via Oral com intervalo de 06 meses.
Até a idade de 04 anos, 11 meses e 29 dias.
Suplementação de vitamina A em bebês e crianças de 6-59 meses de vida. Organização Mundial da Saúde, 2013.
Condição clínica Encaminhar o mais breve possível
Hérnia inguinal Cirurgia Pediátrica
Genitália ambígua Geneticista / Endocrinologia Pediátrica
Alterações do crânio Neuropediatria / Neurocirurgia
Anormalidades cardíacas Cardiologia Pediátrica
Displasia do quadril Ortopedia
Reflexo Vermelho alterado Oftalmologia Pediátrica
Retinopatia da Prematuridade Oftalmologia – Retinólogo
Anemia falciforme Serviço de Referência – Hematologia Pediátrica
Hipotireoidismo / Fenilcetonúria Serviço de Referência – Endocrinologia / Nutrição
Fibrose Cística Serviço de Referência – Pneumologia Pediátrica
Defeitos Lisossomais Serviço de Referência – Gastroenterologia / Neurologia
Roteiro de consulta de Puericultura 0-2 anos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaNadja Salgueiro
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestaçãoAlinebrauna Brauna
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescenteyolandasergia
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tannerblogped1
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOblogped1
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoErivaldo Rosendo
 

Mais procurados (20)

A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 

Destaque

Modelo de consulta de Hiperdia
Modelo de consulta de HiperdiaModelo de consulta de Hiperdia
Modelo de consulta de HiperdiaIranildo Ribeiro
 
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físicoJucie Vasconcelos
 
Puericultura del neonato
Puericultura del neonatoPuericultura del neonato
Puericultura del neonatoHorace1027
 
Valores normales en el laboratorio
Valores normales en el laboratorioValores normales en el laboratorio
Valores normales en el laboratoriogavoxxxx
 
Interpretacion clinica de las pruebas de laboratorio
Interpretacion clinica de las pruebas de laboratorioInterpretacion clinica de las pruebas de laboratorio
Interpretacion clinica de las pruebas de laboratorioLic. Medico Cirujano
 
Puericultura del recien nacido
Puericultura del recien nacidoPuericultura del recien nacido
Puericultura del recien nacidoANA Poveda
 
Valores normales de laboratorio del r.n
Valores normales de laboratorio del r.nValores normales de laboratorio del r.n
Valores normales de laboratorio del r.nBelia Damian
 
Hemograma pediatria
Hemograma pediatriaHemograma pediatria
Hemograma pediatriaJose Chang
 
Examen fisico del recien nacido
Examen fisico del recien nacidoExamen fisico del recien nacido
Examen fisico del recien nacidoDaniel Ochoa
 
Pruebas de laboratorio en pediatria
Pruebas de laboratorio en pediatriaPruebas de laboratorio en pediatria
Pruebas de laboratorio en pediatriaMOSQUETERO36
 
Pediatria: Examen fisico del recien nacido
Pediatria: Examen fisico del recien nacidoPediatria: Examen fisico del recien nacido
Pediatria: Examen fisico del recien nacidoWendy Cedillo Carpio
 
Tabla De Valores Normales
Tabla De Valores NormalesTabla De Valores Normales
Tabla De Valores Normalesgraff95
 
Examenes de laboratorio (BH, QS, TP, TPT, EGO)
Examenes de laboratorio (BH, QS, TP, TPT, EGO)Examenes de laboratorio (BH, QS, TP, TPT, EGO)
Examenes de laboratorio (BH, QS, TP, TPT, EGO)Patricia Cornejo
 

Destaque (20)

Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Modelo de consulta de Hiperdia
Modelo de consulta de HiperdiaModelo de consulta de Hiperdia
Modelo de consulta de Hiperdia
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
 
Puericultura y Pediatria
Puericultura y PediatriaPuericultura y Pediatria
Puericultura y Pediatria
 
Puericultura del neonato
Puericultura del neonatoPuericultura del neonato
Puericultura del neonato
 
Valores normales en el laboratorio
Valores normales en el laboratorioValores normales en el laboratorio
Valores normales en el laboratorio
 
Interpretacion clinica de las pruebas de laboratorio
Interpretacion clinica de las pruebas de laboratorioInterpretacion clinica de las pruebas de laboratorio
Interpretacion clinica de las pruebas de laboratorio
 
Nomas de laboratorio clinico
Nomas de laboratorio clinicoNomas de laboratorio clinico
Nomas de laboratorio clinico
 
Puericultura del recien nacido
Puericultura del recien nacidoPuericultura del recien nacido
Puericultura del recien nacido
 
Valores normales de laboratorio del r.n
Valores normales de laboratorio del r.nValores normales de laboratorio del r.n
Valores normales de laboratorio del r.n
 
Manual practico de laboratorio clinico
Manual practico de laboratorio clinicoManual practico de laboratorio clinico
Manual practico de laboratorio clinico
 
Hemograma pediatria
Hemograma pediatriaHemograma pediatria
Hemograma pediatria
 
Examen fisico del recien nacido
Examen fisico del recien nacidoExamen fisico del recien nacido
Examen fisico del recien nacido
 
Pruebas de laboratorio en pediatria
Pruebas de laboratorio en pediatriaPruebas de laboratorio en pediatria
Pruebas de laboratorio en pediatria
 
Laboratorio clínico
Laboratorio clínicoLaboratorio clínico
Laboratorio clínico
 
Pediatria: Examen fisico del recien nacido
Pediatria: Examen fisico del recien nacidoPediatria: Examen fisico del recien nacido
Pediatria: Examen fisico del recien nacido
 
Tabla De Valores Normales
Tabla De Valores NormalesTabla De Valores Normales
Tabla De Valores Normales
 
Examenes de laboratorio (BH, QS, TP, TPT, EGO)
Examenes de laboratorio (BH, QS, TP, TPT, EGO)Examenes de laboratorio (BH, QS, TP, TPT, EGO)
Examenes de laboratorio (BH, QS, TP, TPT, EGO)
 

Semelhante a Roteiro de consulta de Puericultura 0-2 anos

III Jornada de Perinatologia de Joinville
III Jornada de Perinatologia de JoinvilleIII Jornada de Perinatologia de Joinville
III Jornada de Perinatologia de JoinvilleMarcio Fossari
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatalMARY SOUSA
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatalMARY SOUSA
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxDokiNorkis
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asiJhivagoOliveira
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento maternoDr Athayde
 
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...Biblioteca Virtual
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxEduardoFatdukbrGonal
 

Semelhante a Roteiro de consulta de Puericultura 0-2 anos (20)

Rede Cegonha SP
Rede Cegonha SPRede Cegonha SP
Rede Cegonha SP
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
III Jornada de Perinatologia de Joinville
III Jornada de Perinatologia de JoinvilleIII Jornada de Perinatologia de Joinville
III Jornada de Perinatologia de Joinville
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Caderno de coco ped
Caderno de coco pedCaderno de coco ped
Caderno de coco ped
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
 
Consulta pediatrica 2011
Consulta pediatrica 2011Consulta pediatrica 2011
Consulta pediatrica 2011
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
 
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
 

Mais de blogped1

Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativablogped1
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...blogped1
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016blogped1
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vidablogped1
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciablogped1
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN blogped1
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infânciablogped1
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesblogped1
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Agudablogped1
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Mediablogped1
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facialblogped1
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016blogped1
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomablogped1
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.blogped1
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal blogped1
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitualblogped1
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...blogped1
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal blogped1
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostoseblogped1
 
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica DiscenteInternato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discenteblogped1
 

Mais de blogped1 (20)

Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
 
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica DiscenteInternato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 

Roteiro de consulta de Puericultura 0-2 anos

  • 1. Roteiro de consulta de Puericultura 0 a 02 anos Devani Ferreira Pires – Ambulatório de Puericultura
  • 2. Puericultura É uma ciência que reúne todas as noções (fisiologia, higiene, sociologia) suscetíveis de favorecer o desenvolvimento físico e psíquico das crianças desde o período da gestação até a puberdade. (Dicionário eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa).
  • 3. Cuidando bem da saúde da criança Pré-Natal Vínculo afetivo Alimentação: aleitamento materno exclusivo 06 meses Sono / Higiene / Cuidados ambientais Prevenção de injúrias Orientações antecipatórias Vigilância do crescimento e desenvolvimento Imunização Prevenção de deficiência de macro e micronutrientes Detecção precoce de problemas de saúde Reabilitação - se indicado
  • 4. Pré-Natal• • - Exames laboratoriais: hemograma, classificação sanguínea, sorologia para toxoplasmose, citomegalovírus, sífilis, rubéola, HTLV 1 e 2, HIV 1 e 2, sorologia para hepatite B e C, glicemia, EAS, urocultura s/n; • - Alimentação saudável / suplementação com ácido fólico 03 meses antes da fecundação e sua manutenção / Prevenção ou tratamento de anemia; • - Evitar contato com doenças infectocontagiosas e tratá-las adequadamente quando diagnosticadas; • - Prevenir a toxoplasmose através de orientações sobre o consumo de carne cozidas e evitar contato com gatos e atividades de risco para a infecção; • - Evitar: tabagismo (ativo ou passivo), álcool, drogas lícitas ou ilícitas, poluentes ambientais, substâncias tóxicas, estresse.
  • 5. O bebê e sua história É essencial encarar a criança como um ser humano que começa com todos os sentimentos intensos dos seres humanos, embora sua relação com o mundo esteja apenas principiando. Todo ser humano precisa de um outro para constituir-se do ponto de vista psíquico; o bebê não existe sozinho. (Winnicott)
  • 6. Comunicação na consulta de Puericultura • Proporcionar um ambiente acolhedor • Desenvolver empatia • Saber ouvir, orientar e fornecer informações claras • Considerar a criança no contexto da família e da comunidade • Criar uma parceria efetiva com a família – Criar laços • Utilizar o encorajamento e a motivação • Negociar mudanças de comportamento possíveis Adaptado: Jayme Murahovschi. Consulta Pediátrica no primeiro ano de vida. Temas de Pediatria. Nestlé Nutrition Institute.
  • 7. Utilizando estratégias da Política Nacional de Humanização Acolhimento com avaliação e classificação de risco Clínica ampliada Equipe de referência, apoio matricial e projeto terapêutico singular Cartilhas da Política Nacional de Humanização, 2004 e 2008.
  • 8. Reconhecendo fatores de risco  RN com história de exposição à droga ilícita e ou álcool intra-utero;  RN pertencentes à família de baixo nível socioeconômico ou pobreza;  Recém-Nascido de Muito Baixo Peso (peso ao nascimento < 1500g) e Extremamente Baixo Peso (peso ao nascimento < 1000g);  Recém-Nascido pequeno para a idade gestacional (PIG) ​​e ou com diagnóstico de Restrição de Crescimento Intra-uterino (RCIU) ou pós-natal; FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
  • 9. Reconhecendo fatores de risco • Recém-nascido ou lactentes ou crianças dependentes de fórmulas especiais; • Recém-Nascidos ou lactentes ou crianças que fizeram uso de nutrição parenteral total (NPT) por tempo superior a 04 semanas durante a hospitalização; • Portadores de doenças genéticas ou outras doenças crônica; • Portadores de fissuras labiopalatinas; FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
  • 10. Reconhecendo fatores de risco • Recém-Nascido ou lactentes com ganho peso inadequado antes da alta hospitalar (<20 g/d) • RN ou lactentes com Failure to Thrive (dificuldade para ganhar peso); • Recém-Nascido, lactente ou criança com síndromes convulsivas; • Recém-Nascido ou lactente com microcefalia, hidrocefalia, meningite ou outras patologias do Sistema Nervoso; • Neonato ou lactente com doença infecciosa congênita ou história de sepse; FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
  • 11. Reconhecendo fatores de risco • RN ou lactente ou criança que necessite do uso de tecnologias: • Necessidade de alimentação enteral prolongada • Necessidade de gastrostomia • Necessidade de traqueostomia • Necessidade de suporte ventilatório e aspiração de vias aéreas • Necessidade de alimentação parenteral após a alta hospitalar FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
  • 12. Reconhecendo fatores de risco • Doença pulmonar crônica / Displasia broncopulmonar / Apneia • Insuficiência renal crônica • Anomalias congênitas / Erro Inato do metabolismo • Doenças endocrinológicas / Doenças do aparelho digestivo • Cardiopatia congênita cianótica / Osteopenia da prematuridade • Anemia da prematuridade / Deficiências neurológicas graves FOLLOW-UP CARE OF HIGH-RISK INFANTS. PEDIATRICS Vol. 114 No. 5 November 2004.
  • 13. Anamnese CARACTERIZAR SITUAÇÃO PSICOSSOCIAL DA FAMÍLIA Situação socioeconômica Condições de moradia Acesso ao serviço de saúde Uso de drogas e álcool Violência doméstica História de depressão ou outros transtornos psíquicos Gravidez: desejada (?) planejada (?) aceita (?) Há história ou evidência de maus tratos ou negligência Escolaridade materna / Saúde materna / Vínculo afetivo Suporte social e familiar Desemprego
  • 14. Classificação quanto ao peso de nascimento Peso adequado ao nascimento: peso igual ou superior a 2500g Baixo peso ao nascimento (BP): peso inferior a 2500g Muito Baixo Peso ao nascimento (MBP): peso inferior a 1500g Extremamente Baixo Peso ao nascimento (EBP): peso inferior a 1000g
  • 15. Classificação Peso do recém-nascido X Idade Gestacional RN Adequado para a Idade Gestacional (AIG): entre o percentil 10 e 95 RN Pequeno para a Idade Gestacional (PIG): peso abaixo do percentil 10 RN Grande para a Idade Gestacional (GIG): peso acima do percentil 95 Classificação de Lubchenco e Battaglia, 1967.
  • 16. Anamnese • Antecedentes: pré-natal (solicitar cartão de Pré-Natal), tipo de parto; Boletim de APGAR • Obter informação: reanimação na sala de parto (?) Procedimento realizado; • Idade Gestacional / Peso ao nascimento / Comprimento / Perímetro Craniano; • Internação em Unidade Neonatal – revisar diagnósticos, uso de oxigenioterapia, antibioticoterapia, fototerapia, transfusão sanguínea, tempo de permanência hospitalar, peso na alta; • Alimentação: aleitamento materno, fórmula infantil (tipo, diluição), fórmulas especiais; • Funções eliminatórias • Queixas atuais
  • 17. Estado comportamental do neonato ESTADO COMPORTAMENTAL, segundo Brazelton : Sono profundo Sono ativo Sonolência Alerta calmo (inativo) Alerta ativo Choro Brazelton. The Neonatal Behavioral Assessment Scale (NBAS), 1973.
  • 18. Sono Necessidade de sono: Recém-Nascido: 15-18 horas (70%-80% do tempo) Lactente: 13-15 horas Pré-Escolar: 12-13 horas Escolar: 10-12 horas Adolescente: 10 horas Adulto: 05-08 horas
  • 19. Choro O choro do recém-nascido é considerado um ato reflexo que se desenvolve progressivamente, com integração entre a maturação fisiológica e as experiências ambientais, e torna-se ato voluntário na fase da linguagem pré-verbal, que se inicia a partir de um mês de idade. (Rev Paul Pediatria 2006;24(3):270-4)
  • 20. Causas do choro Fome, necessidade de colo, desconforto Excesso de estímulos, irritabilidade Calor ou frio, cansaço, sono, cólicas e dor Investigar: infecção; condições cirúrgicas como hérnias; traumas; fraturas; intolerância alimentar; Doença do Refluxo Gastresofágico; picada de insetos; corpo estranho; glaucoma; invaginação intestinal; otite, problemas neurológicos, dermatite das fraldas. Herman M and Le A. The crying infant. emed.theclinics.com
  • 21. Exame da Pele Integridade Cor Mancha mongólica Lesões de pele Nevus Hemangiomas Milium Eritema tóxico do recém-nascido
  • 22. Aparelho locomotor Articulações Clavículas Coluna vertebral Dedos supranumerários Deformidades de membros Doença displásica do quadril – Manobra de Ortolani Fratura (tocotraumatismo ou secundária à doença) Tônus muscular Pé torto
  • 23. Aparelho respiratório Inspeção do tórax Expansibilidade torácica Frequência respiratória: Até 60 ipm em menores de 02 meses de idade Até 50 ipm de 02 meses a 01 ano de idade Até 40 ipm entre 01 a 04 anos de idade Ausculta Percussão
  • 24. Exame do abdome • Inspeção: forma, simetria, aspecto, movimentos peristálticos, abaulamentos difusos e localizados, depressões difusas ou localizadas, diástases, presença de circulação venosa anômala. Cicatriz umbilical: aspecto, tumoração, secreção. • Palpação superficial e profunda: sensibilidade, tensão, tumorações, visceromegalias. Presença de ascite. • Fígado: tamanho, consistência, bordas. Baço: tamanho, sensibilidade. • Percussão: timbre, delimitação das vísceras, sensibilidade localizada. • Ausculta: timbre e presença dos ruídos hidroaéreos.
  • 26. Pressão Arterial DIMENSÕES PARA O MANGUITO DE BORRACHA Vera H. Koch, Erika A Furusawa. Diretrizes para medida da Pressão Arterial, MAPA e MRPA. SBP.
  • 27. Perímetro cefálico e fontanelas Idade Crescimento do perímetro cefálico 0 a 03 meses Aumenta 02 centímetros por mês = 06 03 a 06 meses Aumenta 01 centímetro por mês = 03 06 a 12 meses Aumenta 0,5 centímetro por mês = 03 Crescimento em média: 12 centímetros no primeiro ano de vida PC esperado para o comprimento: comprimento ÷ 2 + 9 (menina) ou 10 (menino). O crescimento do crânio no primeiro ano de vida chega atingir cerca de 83,6% do tamanho do adulto. A fontanela bregmática (anterior) fecha-se clinicamente entre 06 — 18 meses. A fontanela lambdoide (posterior) fecha-se com 02 meses.
  • 28. Exame do crânio Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
  • 29. Exame do crânio INSPEÇÃO: formato, simetria, abaulamentos, depressões, cavalgamento de suturas; MEDIÇÃO: perímetro craniano, avaliar crescimento; PALPAÇÃO PERCUSSÃO Formato do crânio
  • 30. Exame do crânio Escafocefalia ou dolicocefalia: fechamento precoce da sutura sagital. O crânio apresenta-se alongado no sentido anteroposterior. Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
  • 31. Exame do crânio A trigonocefalia corresponde ao fechamento precoce da sutura metópica. A fronte é estreita, marcada por uma crista mediana e apontada anteriormente como a proa de um barco, levando a uma forma triangular ou em quilha característica da fronte. As bossas frontais são apagadas. Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
  • 32. Exame do crânio A plagiocefalia é a cranioestenose que corresponde ao fechamento precoce da sutura coronal unilateral. É caracterizada por uma assimetria do crânio e da face, apresentando uma ascensão da órbita no lado acometido, com deslocamento do nariz e um abaulamento frontal contralateral à sutura comprometida. A assimetria orbitária é a característica clínica mais marcante e o diagnóstico pode ser feito olhando-se a criança de cima e se observando a ascensão de uma órbita Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses
  • 33. Exame do crânio Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses A Plagiocefalia posterior ocorre pelo fechamento da sutura lambdoide unilateral. Ocorre um achatamento do lado da sutura acometida, levando à formação de uma bossa frontal contralateral compensatória. Geralmente se observa um deslocamento posterior da orelha no lado acometido.
  • 34. Exame do crânio Fonte: http://clariceabreu.com.br/?cirurgia-cmf=craniostenoses-ou-craniossinostoses BRAQUICEFALIA – SUTURA CORONAL BILATERAL: A braquicefallia corresponde ao fechamento de ambas as suturas coronais, levando a um recuo frontal bilateral, predominando na parte supra-orbital. Em geral, o crânio é retraído anterior e posteriormente, levando a uma fronte curta com dorso nasal baixo e região occipital aplainada, e alargado transversalmente.
  • 35. Exame neurológico do neonato • Reflexos arcaicos: Moro, sucção, procura, tônico cervical assimétrico (RTC ou reflexo de Magnus–De Kleijn), retificação, preensão palmar e plantar, marcha reflexa, Landau, Galant, cutâneo plantar em extensão, reflexo cócleopalpebral (RCP). • Avaliar tônus: normal, aumentado, diminuído. • Movimentos anormais: tremores, movimentos mioclônicos ou tônicos, clônus, sincinesias, espasticidade.
  • 38. Desenvolvimento da linguagem Idade Habilidade 0 – 1mês e ½ Choro; 1m e ½ – 4m Vocalização, inicia o balbucio, emite sons musicais; 4m – 9 m Balbucia consoantes encadeadas, aos 09 meses fala “mama”, “papa”; 9m – 12 m Fala dissílabos com sentido, jargão, repetição de sílabas. A criança responde ao seu próprio nome; compreende expressões como “não” e “tchau”; segue instruções faladas simples; 18 – 24 meses Fala entre 10 – 50 palavras; 02 – 03 anos Frases afirmativas e negativas compostas por 3 e 4 elementos, mas com omissões de palavras (preposições, os artigos e os pronomes) com alterações de concordância, desvios de flexão nominal e inversão dos elementos.
  • 39. Fatores de Risco associados a alteração de linguagem • Otites recorrentes nos dois primeiros anos de vida; • Fala pouco compreendida desde o início da aquisição; • Histórico de familiares com alterações de linguagem; • Problemas frequentes nas vias aéreas superiores; • Pouca estimulação de linguagem em casa; • Desnutrição; • Anemia nos primeiros anos de vida; • Intercorrências perinatais (infecções congênitas ou adquiridas); • Síndromes genéticas / Atraso do desenvolvimento neuropsicomotor. Fonte: http://fonoaudiologiaparapediatras.wordpress.com/fatores-de-risco/
  • 40. Encaminhar para avaliação especializada • Não reage aos sons; • Não sorri e não estabelece contato visual; • Não produz nenhum som com mais de 06 meses; • Não compreende instruções simples com 01 ano; • Não fala palavras isoladas com 02 anos; • Não é possível entender 50% do que a criança fala por volta dos 03 anos; • Com 03 anos não constrói frases simples; • Usa mais gestos do que a fala, para se comunicar, aos 03 anos; • Não conta história com 04 anos; • Com 05 anos ainda faz trocas na fala que prejudicam entender o que diz; • Apresenta vocabulário reduzido; • Não conhece letras aos 07 anos. http://fonoaudiologiaparapediatras.wordpress.com/fatores-de-risco/
  • 41. Conferir triagem neonatal obrigatória • Triagem Auditiva Neonatal Universal (TANU) – Emissões otoacústicas (EOA) • Teste do Reflexo vermelho • Triagem Neonatal para Erro Inato do Metabolismo • Teste da oximetria de pulso
  • 42. Teste da oximetria de pulso Recomendação: Realizar a aferição da oximetria de pulso, em todo recém-nascido aparentemente saudável com idade gestacional > 34 semanas, antes da alta da Unidade Neonatal. Local de aferição: membro superior direito e em um dos membros inferiores. Para a adequada aferição, é necessário que o recém-nascido esteja com as extremidades aquecidas e o monitor evidencie uma onda de traçado homogêneo. Momento da aferição: Entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar. Resultado normal: Saturação periférica maior ou igual a 95% em ambas as medidas (membro superior direito e membro inferior) e diferença menor que 3% entre as medidas do membro superior direito e membro inferior. Diagnóstico precoce de cardiopatia congênita crítica: oximetria de pulso como ferramenta de triagem neonatal. Departamentos de Cardiologia e Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. 2011.
  • 43. Inspeção do coto umbilical EVOLUÇÃO NORMAL Cordão gelatinoso ao nascimento Desidratação Mumificação Despreendimento • Observar presença de secreção sanguinolenta, purulenta, odor fétido e hiperemia na pele do abdome ao redor da região umbilical.
  • 44. Avaliação clínica da icterícia neonatal AVALIAÇÃO DA ICTERÍCIA ATRAVÉS DAS ZONAS DÉRMICAS DE KRAMER
  • 45. Avaliação da icterícia neonatal Atenção: importante realizar diagnóstico diferencial entre icterícia fisiológica e patológica. HIPERBILIRRUBINEMIA FISIOLÓGICA: 1) No RN de termo: aumento de bilirrubina nos primeiros 03 dias até 6-8 mg/dl, estando dentro dos limites fisiológicos se inferior a 12 mg/dl, com duração aproximada de 07 dias; 2) No RNPT: o valor máximo de bilirrubina pode ser de 10-12 mg/dl no 5º dia, podendo atingir 15 mg/dl, com duração de até 15 dias.
  • 46. Indicação de Fototerapia Academia Americana de Pediatria
  • 47. Conduta: RN > 35 semanas saudáveis RISCO E PERCENTIL Idade do RN Baixo risco < p 40 Intermediário inferior p 40-75 Intermediário superior p 76-95 Alto risco > percentil 95 48 horas < 8,6 mg/dl 8,6 a 10,8 10,9 a 13,2 > 13,2 60 horas < 9,6 9,6 a 12,6 12,7 a 15,2 > 15,2 72 horas < 11,2 11,2 a 13,4 13,5 a 15,9 > 15,9 96 horas < 12,4 12,4 a 15,2 15,3 a 17,4 > 17,4 Conduta Alta hospitalar e avaliação em 48 h. BT sérica ou BT transcutânea após 48 horas. BT sérica ou BT transcutânea após 24 horas. BT sérica ou BT transcutânea em 06 a 12 horas e fototerapia. Almeida MFB, Draque CM. Síndrome ictérica do RN: diagnóstico diferencial. Sociedade Brasileira de Pediatria-PRORN.
  • 48. Peso Perda de peso inicial: pode atingir no máximo 10% do peso do nascimento até o 10º dia de vida, com recuperação até o 14º dia; Em geral a criança duplica o peso do nascimento entre o 5º e o 6º mês de vida e o triplica aos 12 meses de vida; Fórmulas para obtenção do peso estimado para a idade: 03 a 12 meses: Idade (meses) + 9 ÷ 2 01 a 06 anos: Idade (anos) x 2 + 8 7 a 12 anos: Idade (anos) x 7 – 5 ÷ 2 Velocidade absoluta de ganho de Peso = grama por dia: P2 – P1 ÷ número de dias (importante no 1º trimestre). Velocidade relativa de ganho de peso = grama/Kg/dia: P2 – P1 ÷ número de dias P1 (Kg)
  • 49. Ganho ponderal adequado GANHO DE PESO - GRAMA DIA 40 semanas a 03 meses 30 g/dia 03 a 06 meses 20 - 25g/dia 06 a 09 meses 15g/dia 09 a 12 meses 10g/dia 12 a 24 meses 06g/dia A partir do 2º ano de vida o ganho de peso é em média 2 Kg/ano até 08 anos de idade
  • 50. Crescimento linear No primeiro ano de vida a criança cresce em média 25 centímetros, 15 centímetros no primeiro semestre e 10 cm no segundo; No segundo ano de vida cresce em média 10 a 12 centímetros; Fórmula para obtenção da estatura (média para idade) entre 02 a 12 anos: Idade (em anos) multiplicado por 6 (Estatura = Id x 6).
  • 51. Perímetro cefálico para a idade - curva da OMS http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menino.pdf Escore z > 2: PC acima do esperado para idade Escore Z ≥ -2 e ≤ 2: PC adequado para a idade Escore Z < -2: PC abaixo do esperado para a idade
  • 52. Peso para a idade - curva da OMS http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menino.pdf < Escore-z -3: Muito baixo peso para idade > Escore-z -3 e < Escore-z -2: Peso baixo para idade Escore-z ≥ -2 e < Escore-z +2: Peso adequado ou eutrófico ≥ Escore-z +2: Peso elevado para idade
  • 53. Comprimento para idade – curva OMS < Escore-z -3: Comprimento muito baixo peso para idade > Escore-z -3 e < Escore-z -2: comprimento baixo para idade ≥ Escore-z -2 e ≤ 2: comprimento adequado para idade > Escore-z 2: comprimento elevado para idade
  • 54. Índice de massa corpórea (IMC) Índice de Massa corpórea: é o indicador que avalia a proporção entre o peso e comprimento ou altura. Calcula-se dividindo-se o peso em quilograma pela estatura em metros quadrados. IMC = Kg ÷ estatura (m2), é expresso em Kg/m2 Interpretação da curva da OMS para o IMC, segundo o Escore Z: < Escore-z -3: Magreza acentuada > Escore-z -3 e < Escore-z -2: Magreza > Escore-z -2 e < Escore-z +2: Peso adequado ou Eutrófico > Escore-z +1 e < Escore-z +2: Risco de sobrepeso > Escore-z +2 e < Escore-z +3: Sobrepeso > Escore-z +3: Obesidade
  • 55. Alimentação do lactente Cuidar do corpo que cresce é saber escolher os alimentos para manter um equilíbrio entre ganhos e perdas calóricas, com os extras necessários para garantir o aumento da velocidade de crescimento e desenvolvimento mental e motor adequado; O aleitamento materno é o padrão normativo para a alimentação e nutrição do lactente, recomendado de forma exclusiva no primeiro semestre de vida e complementado até os dois anos de idade; O leite humano proporciona a oferta de nutrientes responsáveis pelo adequado crescimento, atividades imunomoduladoras, proteção contra infecções gastrointestinais, respiratórias, de vias aéreas superiores e trato urinário; proteção contra alergias e maturação do sistema digestório e neurológico. Virgínia Resende Silva Weffort. Importância da nutrição adequada na primeira infância. Pediatria moderna – vol. XLIX-Nº 6 – junho/2013
  • 56. Alimentação do lactente • Respeitar o desenvolvimento neuropsicomotor, renal e digestório do lactente, promovendo uma melhor aceitação do alimento e absorção de nutrientes; • A oferta excessiva de carboidratos e de lipídeos predispõem a doenças crônicas como a obesidade e diabetes tipo 2; • As frutas devem ser consumidas 02 a 03 vezes ao dia; • Necessidade de água: 0 a 06 meses: 700 ml (Leite materno livre demanda ou fórmula infantil) 07 a 12 meses: 800 ml (incluindo leite materno ou fórmula e alimentação complementar) 01 a 03 anos: 1300 ml Virgínia Resende Silva Weffort. Importância da nutrição adequada na primeira infância. Pediatria moderna – vol. XLIX-Nº 6 – junho/2013
  • 57. Técnica de aleitamento materno Posicionamento Correto: • Mãe apoiada • Corpo do bebê todo voltado para o corpo da mãe • Corpo do bebê alinhado • Barriga do bebê voltado para a barriga da mãe • Corpo do bebê apoiado pelo antebraço da mãe • Cabeça do bebê de frente para a mama Unicef
  • 58. Técnica de aleitamento materno Pega Correta: • Boca bem aberta • A boca apreende toda ou quase toda aréola • Lábio inferior virado para fora • Queixo do bebê toca a mama • Visualiza-se mais aréola acima do lábio superior que abaixo do lábio inferior Importante: a pega correta evita a fissura e promove esvaziamento adequado da mama. Unicef
  • 59. Alimentação complementar Faixa etária Tipo de alimento Até 06 meses Leite Materno Exclusivo A partir de 06 meses Leite materno + alimentos complementares Papa de frutas (lanche da manhã e da tarde) Primeira papa como refeição principal (equivalente ao almoço) Iniciar a oferta de água nos intervalos das refeições A partir de 07 meses Leite materno manter, porém não oferecer antes das refeições principais Papa de frutas (lanche da manhã e da tarde) Comidinha – papinha de misturas múltiplas no horário do almoço Comidinha – papinha de misturas múltiplas no horário do jantar Ceia: Leite materno. Alerta: retirar a mamada da madrugada A partir dos 09 meses Passar gradativamente para a refeição da família, com ajuste da consistência adequada à etapa do desenvolvimento do lactente. Entre 10 e 12 meses Manter Leite Materno + alimentação da família com práticas saudáveis. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012
  • 60. Grupo de alimentos GRUPO ALIMENTOS: inicialmente amassados na consistência de purê, posteriormente cortados em pequenos pedaços. Cereais e tubérculos (03 porções) arroz, aipim/mandioca/macaxeira, batata-doce, macarrão, batata, cará, farinhas, batata-baroa e inhame. Leguminosas (02 porções) feijões, lentilha, ervilha seca, soja e grão-de-bico. Legumes, verduras (03 porções) Frutas (03 porções) folhas verdes, laranja, abóbora/jerimum, banana, beterraba, abacate, quiabo, mamão, cenoura, melancia, tomate e manga. Carnes e ovos (02 porções) frango, peixe (cuidado com espinha), pato, boi, ovo, miúdos e vísceras. Bem cozidos e cortados adequados à mastigação do bebê. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012
  • 61. Recomendações de porção por grupos GRUPO Recomendação diária entre 06 - 12 meses Recomendação diária entre 12 – 24 meses Cereais, pães e tubérculos 03 porções ao dia 05 porções ao dia Verduras e legumes 03 porções ao dia 03 porções ao dia Frutas 03 porções 04 porções Leite e produtos lácteos 03 porções 03 porções Carne, miúdos e ovos 02 porções 02 porções Leguminosas 02 porções 02 porções Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012
  • 62. Importante Não é recomendado oferecer açúcar até os dois anos de idade; Não há necessidade de introduzir mamadeira após o 6º mês de idade: apenas o prato e colher para os alimentos de consistência pastosa e o copo para os alimentos líquidos; Para aumentar o teor energético diário da alimentação de crianças com baixo peso para a estatura: acrescentar, às refeições principais (almoço e jantar), uma colher das de sobremesa de óleo para crianças menores de um ano e uma colher das de sopa para maiores de um ano.
  • 63. Passo a passo da refeição infantil • 03 porções de alimento básico (ex: arroz) • 01 porção de leguminosa (exemplo: feijão) • 01 porção de alimento de origem animal (exemplo: fígado) • 01 porção de legume (exemplo: abóbora) • 01 porção de verdura (exemplo: espinafre) • Acrescente 1 colher de óleo canola ou soja ou azeite de oliva para aumentar o valor calórico da refeição, se indicado. COLOQUE OS ALIMENTOS SEPARADOS NAS SEGUINTES PORÇÕES Fonte: Os dez passos para a alimentação saudável de crianças menores de dois anos – orientação prática para as mães
  • 64.
  • 65. 02 dose da triplice viral , agora como tetra viral aos 15 meses. Vacinação contra HPV, a partir de março de 2014 para adolescentes entre 11 a 13 anos. 03 doses: para completar a proteção, sendo que a segunda, seis meses depois da primeira dose, e a terceira, cinco anos após a primeira dose.
  • 68. Alterações laboratoriais na deficiência de ferro Exame laboratorial Depleção de ferro sem anemia Depleção de ferro com anemia Hemoglobina Normal Diminuída (Hb < 11,0 mg/dl) VCM Normal (80 – 100 fl) Diminuída HCM Normal (26 – 34 pg) Diminuída RDW Normal (11,5% – 14,5%) Aumentado Ferro sérico Diminuído (< 30 µg/dl) Diminuído Ferritina Diminuída (< 10 µg/dl) Diminuída Saturação de transferrina Baixo (< 100%) Muito baixo Fonte: Baker RD et als. Diagnosis and prevention of iron deficiency and iron-deficiency anemia in infants and Young children (0-3 years of age). Pediatrics, vol 126, nº 5, November, 2010.
  • 69. Anemia Definição: quando a concentração de hemoglobina encontra-se inferior a 2 desvios- padrão da concentração média de hemoglobina, para uma população normal do mesmo gênero e faixa etária. Idade Nível de hemoglobina Hematócrito 06 meses a 05 anos Anemia: < 11,0 g/dl < 33% 05 a 11 anos Anemia: < 11,5 g/dl < 34% 12 a 13 anos Anemia: < 12 g/dl < 36% Fonte: International nutritional anemia consultative Group. Guidelines for the use of iron supplements to prevent and trat the iron deficiency anemia.
  • 70. Suplementação de ferro Situação Recomendação Recém-Nascido de termo , peso adequado para IG, leite materno. Ferro elementar 1 mg/Kg/dia, a partir do 6º mês ou a partir da introdução dos alimentos complementares até o 24º mês. Recém-Nascido a termo, peso adequado para IG em uso de fórmula infantil > 500 ml/dia. Não recomendado. RN pré-termo e RN de peso entre 1500 e 2490 g, a partir do 30º dia de vida. Ferro elementar 2 mg/Kg/dia durante 01 ano de idade. Após 01 ano: 1 mg/Kg/dia até 02 anos. RN pré-termo c/ peso entre 1490 g e 1000 g. Ferro elementar 3 mg/Kg/dia durante 01 ano. Posteriormente: 1 mg/Kg/dia até o 24º mês. RN pré-termo com peso menor que 1000g. Ferro elementar 4 mg/Kg/dia durante 01 ano. Posteriormente 1 mg/Kg/dia até o 24º mês. Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012.
  • 71. Vitaminas lipossolúveis Vitamina Dose Duração Vitamina D 400 UI /dia/via oral. Da primeira semana de vida até o 18º mês de vida, lactentes em aleitamento materno que não recebam exposição solar regular e adequada. Vitamina A Lactente entre 06 a 11 meses: 100.000UI por Via Oral; Lactente entre 12 a 59 meses: 200.00UI por Via Oral com intervalo de 06 meses. Até a idade de 04 anos, 11 meses e 29 dias. Suplementação de vitamina A em bebês e crianças de 6-59 meses de vida. Organização Mundial da Saúde, 2013.
  • 72. Condição clínica Encaminhar o mais breve possível Hérnia inguinal Cirurgia Pediátrica Genitália ambígua Geneticista / Endocrinologia Pediátrica Alterações do crânio Neuropediatria / Neurocirurgia Anormalidades cardíacas Cardiologia Pediátrica Displasia do quadril Ortopedia Reflexo Vermelho alterado Oftalmologia Pediátrica Retinopatia da Prematuridade Oftalmologia – Retinólogo Anemia falciforme Serviço de Referência – Hematologia Pediátrica Hipotireoidismo / Fenilcetonúria Serviço de Referência – Endocrinologia / Nutrição Fibrose Cística Serviço de Referência – Pneumologia Pediátrica Defeitos Lisossomais Serviço de Referência – Gastroenterologia / Neurologia