SlideShare uma empresa Scribd logo
Outubro Rosa – Prevenção do
CA de mama e de colo uterino
Prof. Me. Giovanna Brichi Pesce
A campanha
Anatomia feminina
Anatomia feminina
Anatomia feminina
Ectopia cervical
Define-se ectopia como sendo a presença de epitélio colunar,
incluindo glândulas e estroma, na ectocérvice.
Na presença de ectopia, observa-se o reposicionamento da junção
escamocolunar (JEC) externamente ao orifício externo do colo, com
consequente exposição do epitélio colunar ao meio vaginal.
Ao longo da vida, a JEC tende a adentrar o canal.
(BRASIL, 2010)
Zona de transformação
Região do colo do útero
onde o epitélio colunar
foi ou está sendo
substituído pelo epitélio
escamoso metaplásico;
Mulheres na pré-
menopausa: zona
de transformação
fica totalmente
localizada na
ectocérvix;
Após menopausa: o
colo diminui de
tamanho.
É na zona de transformação que se
localizam mais de 90% das lesões
precursoras ou malignas do colo do útero.
Câncer de colo de útero
O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que para
cada ano do triênio 2020/2022, sejam diagnosticados
16.590 novos casos de câncer de
colo do útero no Brasil, com um risco estimado de
15,43 casos a cada 100 mil mulheres, ocupando a
terceira posição
HPV
Está determinado que a infecção pelo HPV é causa necessária
para o desenvolvimento do câncer do colo do útero
100 tipos de HPVs;
40 tipos podem infectar o trato genital inferior;
13 tipos são considerados oncogênicos para o colo uterino.
Os tipos 16 e 18 estão presentes em 70% dos casos de CA do
colo do útero
Prevenção
Primária: Preservativo e Imunização (Bivalente: 16
e 18), Quadrivalente (6,11,16,18)
Secundária: Rastreamento.
As vacinas anti-HPV não eliminam a necessidade
da prevenção secundária por meio do
rastreamento, pois as mesmas não oferecem
proteção para 30% dos casos de câncer do colo
do útero.
Então o preventivo...
Possui o objetivo de:
1- Pesquisar células neoplásicas
ou pré-neoplásicas do colo
uterino, antes que progridam
para carcinoma invasor;
2- Avaliação da microflora;
Câncer de mama
Divisão anatômica Em quatro
quadrantes, adicionando mais um, o
central, com a aréola e o mamilo:
Supero-lateral/ superior externo (QSL).
Supero-medial/ superior interno (QSM).
Infero-lateral/ inferior externo (QIL).
Infero-medial/ inferior interno (QIM).
Quadrante central/ retro-areolar.
E O QUE
REALIZAR
DURANTE A
CONSULTA DE
ENFERMAGEM
À MULHER?!
É importante que, durante o
agendamento da consulta, sejam
feitas algumas orientações à mulher:
 A coleta do exame citopatológico
não pode ser conduzido se a
mulher estiver menstruada (5 dias
após a menstruação é o ideal);
 A paciente não pode estar
utilizando nenhuma pomada
ginecológica;
 Abstinência sexual de 48 horas;
 Não deve-se realizar a ducha
íntima.
1º passo: ACOLHIMENTO!!!
ANAMNESE
PLANO DE CUIDADO
– COLETA DE
CITOPATOLÓGICO
NO SOAP
PRONTUÁRIO
ELETRÔNICO
Motivo da consulta / Queixa do Paciente /
Entrevista Clínica
 Coleta de citopatológico de colo uterino, paciente com …. anos, último exame realizado em ....... com resultado: ..................;
 Antecedentes pessoais obstétricos: G: ...... PN:...... PC: ..... A:...... OU nulipara;
 Menarca com ...... anos;
 Primeira gravidez com ...........anos;
 Última gravidez há...........;
 Cirurgias pélvicas: ............ ou Nega Cirurgias pélvicas;
 Antecedentes patológicos (IST, HPV), ou Nega antecedentes patológicos;
 Tabagista ou Nega tabagismo
 Antecedentes pessoais e familiares patológicos: (história pregressa e/ou familiar de câncer de mama) ou Nega
Antecedentes pessoais e familiares patológicos de câncer de mama ou ovário;
 DUM:.......................... Ciclo menstrual regular, ou ciclo menstrual irregular, fluxo menstrual normal, ou intenso.
 Uso de métodos anticoncepcionais: ................... desde .................
 Presença de queixas relacionadas a corrimentos vaginais:..................................ou Nega....
 Dispareunia e sangramentos vaginais pós-coito ou anormais.............. Ou Nega................
 Queixas mamárias, por exemplo: mastalgia, nódulo mamário, alterações do mamilo, descarga papilar, assimetria da mama
ou retração da pele ou Nega queixas mamarias.
Materiais necessários
 Luva de Procedimento;
 Espéculo vaginal (Collins)
 Espátula de Ayre: é um instrumento utilizado, atualmente, para a obtenção do material
cervical (colo do útero). O formato da espátula é ideal para a amostragem da
superfície ectocervical.
 Escovinha endocervical: escova alongada usada no canal do colo uterino para obter
amostragem de material da endocérvice.
 Avental
 Foco de luz
 Lubrificante
 Lâmina de vidro de borda fosca e recipiente para lâmina de vidro: placa usada na
coleta e pesquisa das amostras, sendo obrigatória a identificação da paciente.
 Spray fixador
 Fichas de requisição, lápis e caneta
 Lavar as mãos antes e após o atendimento;
 Receber a cliente cordialmente;
 Perguntar se atende às exigências para a realização do exame;
 Realizar o preenchimento do formulário de exame
citopatológico;
 Solicitar que a mulher troque de roupa, em local reservado, se
vista com o avental descartável e esvazie a bexiga;
 Explicar sobre o exame que será realizado;
Exame clínico das mamas
I. Inspeção
Posição: sentada ou em pé, com os braços ao longo do corpo,
dando preferência que esteja sentada para conforto da paciente.
Observar: Número (mamas e mamilo); Tamanho da mama
(pequena, média, grande, hiperplásica); Simetria (simétricas ou
assimétricas); Formato (cônica, convexa, pendular, pendular
volumosa); Formato da papila (protusas, semi-protusas, planas,
invertidas, retraídas); Cor da aréola (rosa, marrom, preta); Pele (se
possui edema, eritema, cicatriz ou se é normal); Presença de
nódulos visíveis (tumores superficiais acima de 1 cm).
Alterações que podem ser
observadas
Atelia: ausência congênita do mamilo;
Politelia: presença extra de mamilo sem glândula mamaria;
Amastia: ausência congênita (uni ou bilateral) de glândula
mamária.
Polimastia: glândulas mamárias a mais na linha láctea (região
axilar a região inguinal).
II. Inspeção dinâmica
Posição: em pé ou sentada
pedir para paciente realizar 4 movimentos:
Dois deles alteram a tensão nos ligamentos suspensores da
mama, que são:
 Erguer os braços a 90º.
 Erguer os braços a 180º.
III. Palpação
• POSIÇÃO:
•
• TÉCNICAS:
• VEALPEAU:
• BLOOD GOOD:
Possíveis achados

•
•
Na presença de nódulos ou condensação, sempre analisar e
descrever suas características:
• Limites (se não for definido, é indicativo de malignidade, se for
bem delimitado, tende a ser benigno).
• Consistência (a consistência mais endurecida é sugestiva de
malignidade)
• Mobilidade (pouco indica malignidade)
 Aderência a estruturas subjacentes (que pode ser vista pela
baixa mobilidade na inspeção dinâmica).
 Diâmetro (pode auxiliar no estadiamento da neoplasia).
IV. Expressão
Técnica: realiza-se a manobra do gatilho, que consiste na
compressão da aréola, em sentido centrípeto, em várias direções
em ambas as mamas.
V. Palpação dos linfonodos
 Gânglios axilares: Posição: sentada, com antebraço fletido e braço em
abdução. Mãos sustentadas no ombro do profissional.
Linfonodos aumentados: podem ser decorrentes de processos inflamatórios
nos membros superiores. Linfonodos volumosos e aderidos: podem ser
decorrentes de processos malignos.
 Fossa supraclavicular: Dedos encurvados para girar na fossa. Pedir para a
paciente virar a cabeça para o lado que está sendo palpado e levantar o
mesmo ombro, pra relaxar a musculatura. Linfonodos só são palpáveis
nesta região em caso de câncer avançado.
 Fossa infraclavicular: Rotação dos dedos na região; Paciente na mesma
posição anterior, inclinando a cabeça para frente.
Próximo passo: posicionar a paciente
 Posicionar foco de luz;
 Calçar as luvas de procedimento;
 Introduzir o espéculo e observar as características das paredes
vaginais;
 Realizar limpeza de secreção que possa estar presente no colo
uterino com uma gaze fixada em pinça e uso individual da
cliente;
 Realizar coleta da ectocervice com a espátula de ayre (do lado
que apresenta reentrância), encaixando a ponta mais longa da
espátula no orifício externo do colo, apoiando-a firmemente,
fazendo uma raspagem da mucosa ectocervical em
movimento rotativo de 360º em torno de todo orifício
cervical, para que toda superfície do colo seja raspada;
 Estender o material de maneira uniforme, dispondo-o no sentido
transversal, próximo da região fosca, na medida superior da
lâmina;
 Realizar coleta da endocervice introduzindo a escova e fazendo
movimento giratório de 360º, percorrendo todo o contorno do
orifício cervical;
 Colocar o material retirado na metade inferior da lâmina, no
sentido longitudinal;
 Colocar a lâmina dentro da caixa identificada;
 Fechar o espéculo cuidadosamente, evitar beliscar as paredes
vaginais e retirá-lo delicadamente;
 Desprezar o material contaminado no lixo com saco branco
 Retirar as luvas;
 Auxiliar a mulher a descer da mesa;
 Solicitar que troque de roupa;
 Esclarecer sobre o que foi visualizado no exame;
 Enfatizar a importância do retorno para o resultado do exame
e encaminhá-la pra agendamento (se necessário)
Registro: Exame Físico e
Complementares
 Inspeção dos órgãos genitais externos: Sem alterações ou ..... (atentando
à integridade do clitóris, do meato uretral, dos grandes e pequenos lábios
vaginais, presença de lesões anogenitais;
 Ao exame especular: Colo integro, róseo, leucorreia de cor branca sem
cheiro (+)..... (Observar aspecto do colo, presença de secreção anormal ou
friabilidade do colo, atrofia, lesões vegetantes ou ulceradas, ectopia)
 Exame clínico das mamas (ECM): Mamas simétricas sem retrações, nódulos
palpáveis ou secreção mamilar. Ou (nódulo palpável, descarga papilar
sanguinolenta ou em “água de rocha”, lesão eczematosa da pele, edema
mamário com pele em aspecto de “casca de laranja”, retração na pele da
mama, mudança no formato do mamilo)
Problema detectado/hipótese
diagnóstica
 Colocar aqui, os achados anormais.
Intervenção - Procedimento
Orientações realizadas durante a consulta:
Resultado do exame;
Importância da periodicidade;
Planejamento familiar;
Prevenção de IST;
Fatores predisponentes do CA de colo uterino
Estilo de vida saudável.
Casos Especiais
Coleta de exame citopatológico na
gestante
Coleta de exame citopatológico na mulher
histerectomizada
Referências
 Brasil, Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual
de Orientação Trato Genital Inferior. Cap 2, 2010.
 Sirovich BE, Feldman S, Goodman A. Screening for cervical cancer [Internet].
Waltham, MA: UpToDate; [cited 2010 Jan 27] Disponível
em: http://www.uptodate.com/patients/content/topic.do?topicKey=~iiPOJoCo33z2
gc

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptxCÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
ESFMariaFranciscadeL
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Oncoguia
 
Slide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptxSlide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptx
MicaelMota2
 
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroOutubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
PaulaRhuama
 
Aula+papanicolaou
Aula+papanicolaouAula+papanicolaou
Aula+papanicolaou
Jackeline Cristina
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
Rodrigo Abreu
 
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Carina Araki de Freitas
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
WellingtonTeixeira24
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Anderson Silva
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
DayrlaneTorres
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
pralucianaevangelista
 
Saúde do Homem
Saúde do HomemSaúde do Homem
Saúde do Homem
Amanda Thomé
 
Sistema de informação em saúde
Sistema de informação em saúdeSistema de informação em saúde
Sistema de informação em saúde
André Aleixo
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
Tania Fonseca
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
Roberta Araujo
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Neto Pontes
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
Lucas Matos
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação

Mais procurados (20)

CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptxCÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
 
Slide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptxSlide saude da mulher (1).pptx
Slide saude da mulher (1).pptx
 
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do úteroOutubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
Outubro rosa - câncer de mama e do colo do útero
 
Aula+papanicolaou
Aula+papanicolaouAula+papanicolaou
Aula+papanicolaou
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
 
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
 
Saúde do Homem
Saúde do HomemSaúde do Homem
Saúde do Homem
 
Sistema de informação em saúde
Sistema de informação em saúdeSistema de informação em saúde
Sistema de informação em saúde
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
Câncer de cólo de útero
Câncer de cólo de úteroCâncer de cólo de útero
Câncer de cólo de útero
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
 

Semelhante a Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx

slide_modulo_6.pdf
slide_modulo_6.pdfslide_modulo_6.pdf
slide_modulo_6.pdf
MarianaGevergi
 
pccu 1.pdf
pccu 1.pdfpccu 1.pdf
pccu 1.pdf
victor375732
 
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdfCANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
Andréa Pereira
 
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Citologia 1
Citologia 1Citologia 1
Citologia 1
hiltonufrj
 
Exame Clínico das Mamas
Exame Clínico das MamasExame Clínico das Mamas
Câncer ginecológico 2017 revisado em agosto
Câncer ginecológico 2017 revisado em agostoCâncer ginecológico 2017 revisado em agosto
Câncer ginecológico 2017 revisado em agosto
angelalessadeandrade
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfAULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
EnfermagemUniavan
 
Cirurgiaambulatorial
CirurgiaambulatorialCirurgiaambulatorial
Cirurgiaambulatorial
Simone Brito
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdf
ANA FONSECA
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ssuser80ae40
 
A técnica citológica de papanicolaou
A técnica citológica de  papanicolaouA técnica citológica de  papanicolaou
A técnica citológica de papanicolaou
Jaqueline Almeida
 
Curso 68
Curso 68Curso 68
fund.pptx
fund.pptxfund.pptx
fund.pptx
DheniseMikaelly
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem
KalianeValente
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Trauma na gestante
Trauma na gestanteTrauma na gestante
Trauma na gestante
Silvia Luanda Rezende
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
bianca375788
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
gizaraposo
 

Semelhante a Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx (20)

slide_modulo_6.pdf
slide_modulo_6.pdfslide_modulo_6.pdf
slide_modulo_6.pdf
 
pccu 1.pdf
pccu 1.pdfpccu 1.pdf
pccu 1.pdf
 
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdfCANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
 
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
 
Citologia 1
Citologia 1Citologia 1
Citologia 1
 
Exame Clínico das Mamas
Exame Clínico das MamasExame Clínico das Mamas
Exame Clínico das Mamas
 
Câncer ginecológico 2017 revisado em agosto
Câncer ginecológico 2017 revisado em agostoCâncer ginecológico 2017 revisado em agosto
Câncer ginecológico 2017 revisado em agosto
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfAULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
 
Cirurgiaambulatorial
CirurgiaambulatorialCirurgiaambulatorial
Cirurgiaambulatorial
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdf
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
 
A técnica citológica de papanicolaou
A técnica citológica de  papanicolaouA técnica citológica de  papanicolaou
A técnica citológica de papanicolaou
 
Curso 68
Curso 68Curso 68
Curso 68
 
fund.pptx
fund.pptxfund.pptx
fund.pptx
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
 
Trauma na gestante
Trauma na gestanteTrauma na gestante
Trauma na gestante
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 

Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx

  • 1. Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama e de colo uterino Prof. Me. Giovanna Brichi Pesce
  • 6.
  • 7. Ectopia cervical Define-se ectopia como sendo a presença de epitélio colunar, incluindo glândulas e estroma, na ectocérvice. Na presença de ectopia, observa-se o reposicionamento da junção escamocolunar (JEC) externamente ao orifício externo do colo, com consequente exposição do epitélio colunar ao meio vaginal. Ao longo da vida, a JEC tende a adentrar o canal. (BRASIL, 2010)
  • 8.
  • 9. Zona de transformação Região do colo do útero onde o epitélio colunar foi ou está sendo substituído pelo epitélio escamoso metaplásico; Mulheres na pré- menopausa: zona de transformação fica totalmente localizada na ectocérvix; Após menopausa: o colo diminui de tamanho.
  • 10. É na zona de transformação que se localizam mais de 90% das lesões precursoras ou malignas do colo do útero.
  • 11. Câncer de colo de útero O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que para cada ano do triênio 2020/2022, sejam diagnosticados 16.590 novos casos de câncer de colo do útero no Brasil, com um risco estimado de 15,43 casos a cada 100 mil mulheres, ocupando a terceira posição
  • 12.
  • 13. HPV Está determinado que a infecção pelo HPV é causa necessária para o desenvolvimento do câncer do colo do útero 100 tipos de HPVs; 40 tipos podem infectar o trato genital inferior; 13 tipos são considerados oncogênicos para o colo uterino. Os tipos 16 e 18 estão presentes em 70% dos casos de CA do colo do útero
  • 14.
  • 15. Prevenção Primária: Preservativo e Imunização (Bivalente: 16 e 18), Quadrivalente (6,11,16,18) Secundária: Rastreamento. As vacinas anti-HPV não eliminam a necessidade da prevenção secundária por meio do rastreamento, pois as mesmas não oferecem proteção para 30% dos casos de câncer do colo do útero.
  • 16. Então o preventivo... Possui o objetivo de: 1- Pesquisar células neoplásicas ou pré-neoplásicas do colo uterino, antes que progridam para carcinoma invasor; 2- Avaliação da microflora;
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Divisão anatômica Em quatro quadrantes, adicionando mais um, o central, com a aréola e o mamilo: Supero-lateral/ superior externo (QSL). Supero-medial/ superior interno (QSM). Infero-lateral/ inferior externo (QIL). Infero-medial/ inferior interno (QIM). Quadrante central/ retro-areolar.
  • 22.
  • 23. E O QUE REALIZAR DURANTE A CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHER?!
  • 24. É importante que, durante o agendamento da consulta, sejam feitas algumas orientações à mulher:  A coleta do exame citopatológico não pode ser conduzido se a mulher estiver menstruada (5 dias após a menstruação é o ideal);  A paciente não pode estar utilizando nenhuma pomada ginecológica;  Abstinência sexual de 48 horas;  Não deve-se realizar a ducha íntima.
  • 26. ANAMNESE PLANO DE CUIDADO – COLETA DE CITOPATOLÓGICO NO SOAP PRONTUÁRIO ELETRÔNICO
  • 27. Motivo da consulta / Queixa do Paciente / Entrevista Clínica  Coleta de citopatológico de colo uterino, paciente com …. anos, último exame realizado em ....... com resultado: ..................;  Antecedentes pessoais obstétricos: G: ...... PN:...... PC: ..... A:...... OU nulipara;  Menarca com ...... anos;  Primeira gravidez com ...........anos;  Última gravidez há...........;  Cirurgias pélvicas: ............ ou Nega Cirurgias pélvicas;  Antecedentes patológicos (IST, HPV), ou Nega antecedentes patológicos;  Tabagista ou Nega tabagismo  Antecedentes pessoais e familiares patológicos: (história pregressa e/ou familiar de câncer de mama) ou Nega Antecedentes pessoais e familiares patológicos de câncer de mama ou ovário;  DUM:.......................... Ciclo menstrual regular, ou ciclo menstrual irregular, fluxo menstrual normal, ou intenso.  Uso de métodos anticoncepcionais: ................... desde .................  Presença de queixas relacionadas a corrimentos vaginais:..................................ou Nega....  Dispareunia e sangramentos vaginais pós-coito ou anormais.............. Ou Nega................  Queixas mamárias, por exemplo: mastalgia, nódulo mamário, alterações do mamilo, descarga papilar, assimetria da mama ou retração da pele ou Nega queixas mamarias.
  • 28.
  • 29. Materiais necessários  Luva de Procedimento;  Espéculo vaginal (Collins)  Espátula de Ayre: é um instrumento utilizado, atualmente, para a obtenção do material cervical (colo do útero). O formato da espátula é ideal para a amostragem da superfície ectocervical.  Escovinha endocervical: escova alongada usada no canal do colo uterino para obter amostragem de material da endocérvice.  Avental  Foco de luz  Lubrificante  Lâmina de vidro de borda fosca e recipiente para lâmina de vidro: placa usada na coleta e pesquisa das amostras, sendo obrigatória a identificação da paciente.  Spray fixador  Fichas de requisição, lápis e caneta
  • 30.
  • 31.
  • 32.  Lavar as mãos antes e após o atendimento;  Receber a cliente cordialmente;  Perguntar se atende às exigências para a realização do exame;  Realizar o preenchimento do formulário de exame citopatológico;  Solicitar que a mulher troque de roupa, em local reservado, se vista com o avental descartável e esvazie a bexiga;  Explicar sobre o exame que será realizado;
  • 33. Exame clínico das mamas I. Inspeção Posição: sentada ou em pé, com os braços ao longo do corpo, dando preferência que esteja sentada para conforto da paciente. Observar: Número (mamas e mamilo); Tamanho da mama (pequena, média, grande, hiperplásica); Simetria (simétricas ou assimétricas); Formato (cônica, convexa, pendular, pendular volumosa); Formato da papila (protusas, semi-protusas, planas, invertidas, retraídas); Cor da aréola (rosa, marrom, preta); Pele (se possui edema, eritema, cicatriz ou se é normal); Presença de nódulos visíveis (tumores superficiais acima de 1 cm).
  • 34. Alterações que podem ser observadas Atelia: ausência congênita do mamilo; Politelia: presença extra de mamilo sem glândula mamaria; Amastia: ausência congênita (uni ou bilateral) de glândula mamária. Polimastia: glândulas mamárias a mais na linha láctea (região axilar a região inguinal).
  • 35.
  • 36. II. Inspeção dinâmica Posição: em pé ou sentada pedir para paciente realizar 4 movimentos: Dois deles alteram a tensão nos ligamentos suspensores da mama, que são:  Erguer os braços a 90º.  Erguer os braços a 180º.
  • 37.
  • 38. III. Palpação • POSIÇÃO: • • TÉCNICAS: • VEALPEAU: • BLOOD GOOD:
  • 39.
  • 41. Na presença de nódulos ou condensação, sempre analisar e descrever suas características: • Limites (se não for definido, é indicativo de malignidade, se for bem delimitado, tende a ser benigno). • Consistência (a consistência mais endurecida é sugestiva de malignidade) • Mobilidade (pouco indica malignidade)  Aderência a estruturas subjacentes (que pode ser vista pela baixa mobilidade na inspeção dinâmica).  Diâmetro (pode auxiliar no estadiamento da neoplasia).
  • 42. IV. Expressão Técnica: realiza-se a manobra do gatilho, que consiste na compressão da aréola, em sentido centrípeto, em várias direções em ambas as mamas.
  • 43. V. Palpação dos linfonodos  Gânglios axilares: Posição: sentada, com antebraço fletido e braço em abdução. Mãos sustentadas no ombro do profissional. Linfonodos aumentados: podem ser decorrentes de processos inflamatórios nos membros superiores. Linfonodos volumosos e aderidos: podem ser decorrentes de processos malignos.  Fossa supraclavicular: Dedos encurvados para girar na fossa. Pedir para a paciente virar a cabeça para o lado que está sendo palpado e levantar o mesmo ombro, pra relaxar a musculatura. Linfonodos só são palpáveis nesta região em caso de câncer avançado.  Fossa infraclavicular: Rotação dos dedos na região; Paciente na mesma posição anterior, inclinando a cabeça para frente.
  • 45.  Posicionar foco de luz;  Calçar as luvas de procedimento;  Introduzir o espéculo e observar as características das paredes vaginais;  Realizar limpeza de secreção que possa estar presente no colo uterino com uma gaze fixada em pinça e uso individual da cliente;  Realizar coleta da ectocervice com a espátula de ayre (do lado que apresenta reentrância), encaixando a ponta mais longa da espátula no orifício externo do colo, apoiando-a firmemente, fazendo uma raspagem da mucosa ectocervical em movimento rotativo de 360º em torno de todo orifício cervical, para que toda superfície do colo seja raspada;
  • 46.  Estender o material de maneira uniforme, dispondo-o no sentido transversal, próximo da região fosca, na medida superior da lâmina;  Realizar coleta da endocervice introduzindo a escova e fazendo movimento giratório de 360º, percorrendo todo o contorno do orifício cervical;  Colocar o material retirado na metade inferior da lâmina, no sentido longitudinal;  Colocar a lâmina dentro da caixa identificada;
  • 47.  Fechar o espéculo cuidadosamente, evitar beliscar as paredes vaginais e retirá-lo delicadamente;  Desprezar o material contaminado no lixo com saco branco  Retirar as luvas;  Auxiliar a mulher a descer da mesa;  Solicitar que troque de roupa;  Esclarecer sobre o que foi visualizado no exame;  Enfatizar a importância do retorno para o resultado do exame e encaminhá-la pra agendamento (se necessário)
  • 48. Registro: Exame Físico e Complementares  Inspeção dos órgãos genitais externos: Sem alterações ou ..... (atentando à integridade do clitóris, do meato uretral, dos grandes e pequenos lábios vaginais, presença de lesões anogenitais;  Ao exame especular: Colo integro, róseo, leucorreia de cor branca sem cheiro (+)..... (Observar aspecto do colo, presença de secreção anormal ou friabilidade do colo, atrofia, lesões vegetantes ou ulceradas, ectopia)  Exame clínico das mamas (ECM): Mamas simétricas sem retrações, nódulos palpáveis ou secreção mamilar. Ou (nódulo palpável, descarga papilar sanguinolenta ou em “água de rocha”, lesão eczematosa da pele, edema mamário com pele em aspecto de “casca de laranja”, retração na pele da mama, mudança no formato do mamilo)
  • 50. Intervenção - Procedimento Orientações realizadas durante a consulta: Resultado do exame; Importância da periodicidade; Planejamento familiar; Prevenção de IST; Fatores predisponentes do CA de colo uterino Estilo de vida saudável.
  • 52. Coleta de exame citopatológico na gestante
  • 53. Coleta de exame citopatológico na mulher histerectomizada
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57. Referências  Brasil, Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de Orientação Trato Genital Inferior. Cap 2, 2010.  Sirovich BE, Feldman S, Goodman A. Screening for cervical cancer [Internet]. Waltham, MA: UpToDate; [cited 2010 Jan 27] Disponível em: http://www.uptodate.com/patients/content/topic.do?topicKey=~iiPOJoCo33z2 gc