SlideShare uma empresa Scribd logo
A EXPANSÃO URBANA E SUAS CONSEQUÊNCIAS
“ As cidades do século XIX transformam-se em espaços multifacetados de gentes e histórias.”
Indicador de aprendizagem:  Explica o movimento migratório Relaciona a explosão populacional do séc. XIX com a expansão urbana.
Industrialização em  1850
Em  1850 :  Zonas  Industrializadas na Europa Nordeste Francês. Bélgica. Holanda. Estados alemães do oeste. Norte de Itália Alemanha  Leste
Analisa o gráfico T N T M
 
Georges Chicotot  (1868-1921) O Entubamento Musée de L‘Assistance Publique - Hôpitaux de Paris
POPULAÇÃO  NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX O CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO A população aumentou na segunda metade do século XIX . CAUSAS: Melhoria da alimentação (arroz, batata, mais área cultivada) Melhoria das condições de higiene (água canalizada, esgotos, recolha  do lixo, pavimentação das ruas nas cidades)
A evolução populacional no séc. XIX consistiu numa explosão demográfica. O  crescimento da Europa ocupou um lugar central , sendo rápido e intenso.  O séc. XIX caracterizou-se por uma explosão da população branca sobretudo na América, na África e na Austrália que aumentaram a sua população com a vinda dos europeus que passaram a ser ¼ da população mundial.  A explosão demográfica europeia deve-se  ao decréscimo da mortalidade – embora a mortalidade infantil permanecesse elevada, a verdade é que a baixa de mortalidade foi geral e irreversível. Isto pode ser explicado pela melhor higiene a nível individual e público (com a construção de esgotos e instalações para abastecimento de água potável),
pela melhoria na alimentação, melhores cuidados na infância  e pelos avanços na medicina. Entretanto as taxas de natalidade sobem relativamente até 1870 e depois estagnam ou decrescem a partir daí, dando-se início ao regime demográfico moderno.
Analisa o gráfico:
 
MELHORIAS NAS CIDADES DO SÉCULO XIX ÁGUA CANALIZADA A VIDA NA CIDADE
RECOLHA DO LIXO ILUMINAÇÃO PÚBLICA
Primeira consequência - e a mais imediata e perceptível- do afluxo de novos habitantes : as cidades depressa se sentiram apertadas nos seus limites históricos , encerradas em muralhas fortificadas herdadas da idade Média. Depressa  trataram de os dilatar , arrasando as muralhas , atulhando os fossos, expandindo-se à sua volta , absorvendo uma após outra , as aldeias das cercanias. As aglomerações desenvolvem-se  sem plano, em círculos concêntricos e auréolas  sucessivas em terreno plano , ao longo de corredores naturais , segundo as linhas de água, englobando as aldeias vizinhas. Se o terreno é escasso, como em Manhattan, a cidade cresce em altura e conquista a terceira dimensão , antes de explorar as profundezas, mergulhando no solo para aí escavar ou enterra a  rede canalização indispensável à vida de uma grande cidade. René Remond 1-Por que se sentiram  as “cidades apertadas nos seus limites históricos”? 2-Como os “ trataram de os dilatar ”?
 
NAS CIDADES, OS CAMPONESES PROCURAVAM TRABALHO, SOBRETUDO NAS FÁBRICAS, MAS NEM SEMPRE CONSEGUIAM…
 
 
 
 
São cerca de 3000 , cada um com o seu papel verde na mão e um número preso ao peito com um alfinete.. Empurram-nos, pressionam-nos, mas eles não opõem qualquer resistência , não dizem uma palavra de protesto, como que adormecidos, embrutecidos pelos quinze dias no mar. Logo que os imigrantes são submetidos ao exame médico , chegam agrupados por nacionalidade perante os inspectores encarregados de os interrogar na língua do seu país, sobre o seu estado civil,  o seu passado os seus meios de subsistência , as suas relações nos Estados Unidos e os seus projectos. O insperctor interroga cada imigrante; se ele mostra os 150 dólares fixados como mínimo e se ele paga os 2 dólares exigidos pelo governo americano como preço de entrada no grande circo nacional, o homem é admitido. Jules Huret,  Na América, de S. Francisco ao Canadá
O Titanic, era, na sua época um luxuoso palácio flutuante. A ideia era fazer os ricos sentirem-se em casa. O navio, com capacidade para 3000 pessoas, tinha três classes: a primeira classe, destinada a ricos milionários; a segunda, destinada a classe média e a terceira, destinada a pessoas com poucos recursos, especialmente  imigrantes.
O luxo e a ostentação da Primeira Classe do Titanic era algo indescritível. Possuía grandes e riquíssimos salões  dotados de todo o conforto e  de todas as regalias possíveis e imagináveis que só o dinheiro poderia pagar.
Mas, o Titanic era também um navio de imigrantes, em busca de uma vida melhor na América. Era o meio de deslocação para muitas pessoas que fugiam da miséria e procuravam melhorar as suas condições de vida.
Quando começou a evacuação ,esta  foi feita A evacuação era feita conforme as classes sociais. Os  passageiros da Terceira Classe quase todos emigrantes  estavam reunidos e fechados na parte inferior do navio que lhes estava destinada .
Muitos passageiros revoltaram-se, e alguns aventuraram-se pelos labirintos de corredores no interior do navio para tentar encontrar outra saída.  Alguns conseguiram escapar com vida, mas muitos deles acabaram sepultados dentro do Titanic .
Se quiseres saber mais sobre esta história, vê o filme Titanic de James Cameron.
A população urbana conhece um impulso decisivo no séc. XIX. De uma forma geral a urbanização foi mais significativa nos países industrializados e nos países novos. As cidades passam de 23 em 1800 para 135 em 1900. As cidades expandem-se essencialmente porque se verifica um crescimento da população e a industrialização leva muitas vezes ao êxodo rural favorecido pela revolução dos transportes. Deste modo houve mudanças em relação aos sectores de trabalho: o sector primário recuou enquanto o secundário e o terciário cresceram. Outro factor que influencia o crescimento urbano é a emigração – as pessoas emigram para os países que lhes oferecem melhores condições de trabalho
Em relação a migrações podemos distinguir dois tipos principais:  As migrações do campo para a cidade, ou seja, o êxodo rural, impulsionado pelas dificuldade na agricultura e pelos efeitos da industrialização, tornando as cidades em poderosos pólos de atracção para as massas camponesas.    A Emigração, levada a cabo principalmente pelos Europeus que saem em massa da Europa para o resto do mundo.  Os motivos que levaram as pessoas a sair da Europa foram vários: a Europa estava superpovoada, havia uma precária distribuição dos recursos, os países novos necessitavam de mão-de-obra para explorar os seus ricos recursos naturais e ofereciam sociedades abertas e flexíveis onde a promoção era rápida e a própria política colonialista dos países Europeus empurrava as pessoas para o povoamento e exploração económica das suas colónias.
 
Lê o documento da pág 59
A população urbana conhece um impulso decisivo no séc. XIX. De uma forma geral a urbanização foi mais significativa nos países industrializados e nos países novos. As cidades passam de 23 em 1800 para 135 em 1900.
 
Nesta altura, já havia iluminação nocturna – primeiro a gás e depois, a electricidade.
NOVOS SERVIÇOS Aumentou a limpeza com: - a recolha do lixo; - o aumento da rede de esgotos; - o aumento da rede de água canalizada. Aumentaram as ruas iluminadas, primeiro a gás e depois a electricidade. Surgiu um serviço de incêndios e de transportes públicos (primeiro o americano e depois o eléctrico).
Abriram-se novas ruas e avenidas, praças e jardins públicos. Construíram-se escolas, tribunais, hospitais, prisões e mercados .
Nos tempos livres era chique passear nos jardins, como o “Passeio Público” em Lisboa ou o “Jardim de S. Lázaro”, no Porto.
Para se circular na cidade havia pequenas carruagens puxadas a cavalos – “Seges”. Depois surgiu o automóvel
Descreve a partir das seguintes imagens  os contrastes sociais e económicos existentes numa cidade
A Nova Cidade Industrial
Londres-início XIX por Gustave Dore
 
Casas de Trabalhadores Manchester
 
 
 
 
 
Estas cidades eram magníficas pelas suas exposições universais, hinos à modernidade e ao optimismo. Adornavam-se com estações de caminhos- de – ferro , teatros, óperas, parques e sólidos edifícios burgueses alinhados ao longo de avenidas em linha recta ladeadas de árvores. O gás e depois a electricidade transformaram as cidades em deslumbrantes espectáculos luminosos. Todas as cidades tinham porém as suas escórias. Em Paris , em 4 milhões de habitantes, 321 mil  viviam em locais superpovoados. Há em todas as cidades , famílias cujo alojamento constitui apenas num só quarto. Assim temos, um único quarto para dormir , , para tomar as refeições , para repousar . Um único quatro para o homem bêbado , as crianças doentes a chorarem , os cuidados íntimos de higiene, a mulher que dá à luz, o cadáver que jaz na cama até que o venham buscar. É difícil  imaginar o grau de tristeza e degradação que estas condições de existência  podem representar para uma criatura que ainda não perdeu a vergonha. Jean Carpentier, François Lebrun, História da Europa 1- Indica os aspectos positivos e negativos das grandes cidades europeias. 2-Comenta a expressão sublinhada.
Mal preparadas para receber as multidões, as cidades não possuíam os adequados sistemas sanitários, redes de distribuição de água ou serviço de limpeza de ruas. Nos bairros populares superpovoados uma grande maioria da população vivia na miséria e promiscuidade. Periodicamente surgiam grandes epidemias de cólera e tuberculose que faziam razias na cidade. Havia muitas manifestações de desregramento e delinquência (prostituição, mendicidade, alcoolismo, criminalidade, etc.). Além disto a cidade era propícia a greves, manifestações e revoluções da classe operária. Para resolver todos estes problemas, foram levados a cabo pelo Estado grandes projectos urbanísticos nas cidades:
O centro torna-se o local mais cuidado, para onde convergem grandes obras de renovação. No centro não faltam os bancos, as bolsas de comércio e de valores, os grandes armazéns e mercados, os edifícios governamentais e administrativos, as gares ferroviárias, os teatros, a ópera, os museus, os cafés. No centro, zonas verdes são cuidadosamente tratadas, a pavimentação é esmerada nas ruas e passeios, a água potável abunda, tal como a rede de esgotos e saneamento e as condutas de abastecimento do gás. Há, no centro, praças, grandes espaços e avenidas. Pretendia-se não só favorecer a iluminação e o arejamento, mas também a circulação de pessoas e carros e , até, a vigilância policial. O centro das cidades deixa de reunir o grosso da população urbana. Porém no final do sec. XIX, o núcleo antigo das cidades já não tem condições para albergar as vagas sucessivas de populações que aí ocorrem. As rendas sobem e o alojamento começa a faltar. Desta forma , começam a surgir os subúrbios: morada dos recém chegados, que aí se distribuem segundo a região de origem.  
A crescente carestia dos terrenos situados no centro das cidades  origina a especialização  dos bairros e a sua diferenciação social : O centro  é o local privilegiado dos negócios e da administração Os trabalhadores vão para as periferias, pois não conseguem pagar as rendas dos melhores bairros A partir de agora a diferença entre a desigualdade das categorias sociais  está também presente na topografia da cidade: aos bairros finos da burguesia, no centro da cidade, opôem –se os bairros populares , nos subúrbios Quer na habitação, quer no trabalho  aprofunda-se a divisão entre ricos e pobres, entre empregados e empregadores.
De que forma é que esta imagem descreve a vida numa cidade europeia?
 
 
Compara as cidades do s é culo XIX  à s actuais em rela ç ão ao urbanismo e problemas sociais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
713773
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
Maria Adelaide
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
Ana Catarina
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
Maria Cerqueira
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Ilda Bicacro
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
cattonia
 
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º AnoSoluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
713773
 
2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais
Ministério da Educação
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
A distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoA distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicação
Ilda Bicacro
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
Rui Neto
 
Teoria institucional da arte
Teoria institucional da arteTeoria institucional da arte
Teoria institucional da arte
João Martins
 

Mais procurados (20)

A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º AnoSoluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
 
2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
A distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicaçãoA distribuição espacial das redes de comunicação
A distribuição espacial das redes de comunicação
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
Teoria institucional da arte
Teoria institucional da arteTeoria institucional da arte
Teoria institucional da arte
 

Destaque

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
cidalialuis
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Carlos Vieira
 
O mundo industrializado no
O mundo industrializado noO mundo industrializado no
O mundo industrializado no
maria40
 
Revisao 9 D Sb
Revisao 9 D SbRevisao 9 D Sb
Revisao 9 D Sb
Sérgio Bernardo
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
António Luís Catarino
 
Especiarias
EspeciariasEspeciarias
Especiarias
fernandaataide55
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
Hist8
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
profhistoria
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
Jorge Almeida
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
Álvaro Maurício
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
cattonia
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
Rui Neto
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
Rainha Maga
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
Carlos Vieira
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
Rainha Maga
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
Carlos Vieira
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
cattonia
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
Lucilia Fonseca
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
oliviaguerra
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
maria40
 

Destaque (20)

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
O mundo industrializado no
O mundo industrializado noO mundo industrializado no
O mundo industrializado no
 
Revisao 9 D Sb
Revisao 9 D SbRevisao 9 D Sb
Revisao 9 D Sb
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
 
Especiarias
EspeciariasEspeciarias
Especiarias
 
CorrecçãO Ficha
CorrecçãO FichaCorrecçãO Ficha
CorrecçãO Ficha
 
A Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma CatólicaA Contra-Reforma Católica
A Contra-Reforma Católica
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
 
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso PortuguêsO Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
O Mundo Industrializado no século XIX e o Caso Português
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 
A abertura ao mundo - expansão
A abertura ao mundo -  expansãoA abertura ao mundo -  expansão
A abertura ao mundo - expansão
 
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De SlidesDa Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica ~ ApresentaçãO De Slides
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
 

Semelhante a A expansão urbana e suas consequências

6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 
Aula 1 módulo 8
Aula 1 módulo 8Aula 1 módulo 8
Aula 1 módulo 8
Emanuel Vieira
 
século XIX em Portugal
século XIX em Portugalséculo XIX em Portugal
século XIX em Portugal
Marilia Ferreira
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
Rui Oliveira
 
Da Vida Nas Cidades
Da Vida Nas CidadesDa Vida Nas Cidades
Da Vida Nas Cidades
jdlimaaear
 
HIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANOHIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANO
Luís Ferreira
 
início do século XX _ GUERRAS E REVOLUÇÕES .pdf
início do século XX _ GUERRAS E REVOLUÇÕES .pdfinício do século XX _ GUERRAS E REVOLUÇÕES .pdf
início do século XX _ GUERRAS E REVOLUÇÕES .pdf
felipescherner
 
Reurbanização do rio de janeiro
Reurbanização do rio de janeiroReurbanização do rio de janeiro
Reurbanização do rio de janeiro
Renata Kaori
 
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
SandraDias655909
 
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O 7° ANO.pptx
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O  7° ANO.pptxCONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O  7° ANO.pptx
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O 7° ANO.pptx
Jéssica Frontelli
 
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
GiseleFinatti
 
2 az grupo-meninosdavila
2 az grupo-meninosdavila2 az grupo-meninosdavila
2 az grupo-meninosdavila
claudia murta
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
cattonia
 
A vida no séc. 19
A vida no séc. 19A vida no séc. 19
A vida no séc. 19
Alex Faria
 
A Vida no Século XIX
A Vida no Século XIXA Vida no Século XIX
A Vida no Século XIX
Ana Tapadas
 
Hgp trabalho sec XIX
Hgp trabalho sec XIXHgp trabalho sec XIX
Hgp trabalho sec XIX
MrBatatamo
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
eb23ja
 
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponesesUnidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Vítor Santos
 
Alterações da vida quotidiana
Alterações da vida quotidianaAlterações da vida quotidiana
Alterações da vida quotidiana
Luís Fialho
 

Semelhante a A expansão urbana e suas consequências (20)

6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 
Aula 1 módulo 8
Aula 1 módulo 8Aula 1 módulo 8
Aula 1 módulo 8
 
século XIX em Portugal
século XIX em Portugalséculo XIX em Portugal
século XIX em Portugal
 
Trabalho De Historia
Trabalho De HistoriaTrabalho De Historia
Trabalho De Historia
 
Da Vida Nas Cidades
Da Vida Nas CidadesDa Vida Nas Cidades
Da Vida Nas Cidades
 
HIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANOHIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANO
 
início do século XX _ GUERRAS E REVOLUÇÕES .pdf
início do século XX _ GUERRAS E REVOLUÇÕES .pdfinício do século XX _ GUERRAS E REVOLUÇÕES .pdf
início do século XX _ GUERRAS E REVOLUÇÕES .pdf
 
Reurbanização do rio de janeiro
Reurbanização do rio de janeiroReurbanização do rio de janeiro
Reurbanização do rio de janeiro
 
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
 
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O 7° ANO.pptx
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O  7° ANO.pptxCONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O  7° ANO.pptx
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O 7° ANO.pptx
 
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
 
2 az grupo-meninosdavila
2 az grupo-meninosdavila2 az grupo-meninosdavila
2 az grupo-meninosdavila
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
 
A vida no séc. 19
A vida no séc. 19A vida no séc. 19
A vida no séc. 19
 
A Vida no Século XIX
A Vida no Século XIXA Vida no Século XIX
A Vida no Século XIX
 
Hgp trabalho sec XIX
Hgp trabalho sec XIXHgp trabalho sec XIX
Hgp trabalho sec XIX
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
 
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponesesUnidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
 
Alterações da vida quotidiana
Alterações da vida quotidianaAlterações da vida quotidiana
Alterações da vida quotidiana
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

A expansão urbana e suas consequências

  • 1. A EXPANSÃO URBANA E SUAS CONSEQUÊNCIAS
  • 2. “ As cidades do século XIX transformam-se em espaços multifacetados de gentes e histórias.”
  • 3. Indicador de aprendizagem: Explica o movimento migratório Relaciona a explosão populacional do séc. XIX com a expansão urbana.
  • 5. Em 1850 : Zonas Industrializadas na Europa Nordeste Francês. Bélgica. Holanda. Estados alemães do oeste. Norte de Itália Alemanha Leste
  • 7.  
  • 8. Georges Chicotot (1868-1921) O Entubamento Musée de L‘Assistance Publique - Hôpitaux de Paris
  • 9. POPULAÇÃO NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX O CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO A população aumentou na segunda metade do século XIX . CAUSAS: Melhoria da alimentação (arroz, batata, mais área cultivada) Melhoria das condições de higiene (água canalizada, esgotos, recolha do lixo, pavimentação das ruas nas cidades)
  • 10. A evolução populacional no séc. XIX consistiu numa explosão demográfica. O crescimento da Europa ocupou um lugar central , sendo rápido e intenso. O séc. XIX caracterizou-se por uma explosão da população branca sobretudo na América, na África e na Austrália que aumentaram a sua população com a vinda dos europeus que passaram a ser ¼ da população mundial. A explosão demográfica europeia deve-se ao decréscimo da mortalidade – embora a mortalidade infantil permanecesse elevada, a verdade é que a baixa de mortalidade foi geral e irreversível. Isto pode ser explicado pela melhor higiene a nível individual e público (com a construção de esgotos e instalações para abastecimento de água potável),
  • 11. pela melhoria na alimentação, melhores cuidados na infância e pelos avanços na medicina. Entretanto as taxas de natalidade sobem relativamente até 1870 e depois estagnam ou decrescem a partir daí, dando-se início ao regime demográfico moderno.
  • 13.  
  • 14. MELHORIAS NAS CIDADES DO SÉCULO XIX ÁGUA CANALIZADA A VIDA NA CIDADE
  • 15. RECOLHA DO LIXO ILUMINAÇÃO PÚBLICA
  • 16. Primeira consequência - e a mais imediata e perceptível- do afluxo de novos habitantes : as cidades depressa se sentiram apertadas nos seus limites históricos , encerradas em muralhas fortificadas herdadas da idade Média. Depressa trataram de os dilatar , arrasando as muralhas , atulhando os fossos, expandindo-se à sua volta , absorvendo uma após outra , as aldeias das cercanias. As aglomerações desenvolvem-se sem plano, em círculos concêntricos e auréolas sucessivas em terreno plano , ao longo de corredores naturais , segundo as linhas de água, englobando as aldeias vizinhas. Se o terreno é escasso, como em Manhattan, a cidade cresce em altura e conquista a terceira dimensão , antes de explorar as profundezas, mergulhando no solo para aí escavar ou enterra a rede canalização indispensável à vida de uma grande cidade. René Remond 1-Por que se sentiram as “cidades apertadas nos seus limites históricos”? 2-Como os “ trataram de os dilatar ”?
  • 17.  
  • 18. NAS CIDADES, OS CAMPONESES PROCURAVAM TRABALHO, SOBRETUDO NAS FÁBRICAS, MAS NEM SEMPRE CONSEGUIAM…
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22.  
  • 23. São cerca de 3000 , cada um com o seu papel verde na mão e um número preso ao peito com um alfinete.. Empurram-nos, pressionam-nos, mas eles não opõem qualquer resistência , não dizem uma palavra de protesto, como que adormecidos, embrutecidos pelos quinze dias no mar. Logo que os imigrantes são submetidos ao exame médico , chegam agrupados por nacionalidade perante os inspectores encarregados de os interrogar na língua do seu país, sobre o seu estado civil, o seu passado os seus meios de subsistência , as suas relações nos Estados Unidos e os seus projectos. O insperctor interroga cada imigrante; se ele mostra os 150 dólares fixados como mínimo e se ele paga os 2 dólares exigidos pelo governo americano como preço de entrada no grande circo nacional, o homem é admitido. Jules Huret, Na América, de S. Francisco ao Canadá
  • 24. O Titanic, era, na sua época um luxuoso palácio flutuante. A ideia era fazer os ricos sentirem-se em casa. O navio, com capacidade para 3000 pessoas, tinha três classes: a primeira classe, destinada a ricos milionários; a segunda, destinada a classe média e a terceira, destinada a pessoas com poucos recursos, especialmente imigrantes.
  • 25. O luxo e a ostentação da Primeira Classe do Titanic era algo indescritível. Possuía grandes e riquíssimos salões dotados de todo o conforto e de todas as regalias possíveis e imagináveis que só o dinheiro poderia pagar.
  • 26. Mas, o Titanic era também um navio de imigrantes, em busca de uma vida melhor na América. Era o meio de deslocação para muitas pessoas que fugiam da miséria e procuravam melhorar as suas condições de vida.
  • 27. Quando começou a evacuação ,esta foi feita A evacuação era feita conforme as classes sociais. Os passageiros da Terceira Classe quase todos emigrantes estavam reunidos e fechados na parte inferior do navio que lhes estava destinada .
  • 28. Muitos passageiros revoltaram-se, e alguns aventuraram-se pelos labirintos de corredores no interior do navio para tentar encontrar outra saída. Alguns conseguiram escapar com vida, mas muitos deles acabaram sepultados dentro do Titanic .
  • 29. Se quiseres saber mais sobre esta história, vê o filme Titanic de James Cameron.
  • 30. A população urbana conhece um impulso decisivo no séc. XIX. De uma forma geral a urbanização foi mais significativa nos países industrializados e nos países novos. As cidades passam de 23 em 1800 para 135 em 1900. As cidades expandem-se essencialmente porque se verifica um crescimento da população e a industrialização leva muitas vezes ao êxodo rural favorecido pela revolução dos transportes. Deste modo houve mudanças em relação aos sectores de trabalho: o sector primário recuou enquanto o secundário e o terciário cresceram. Outro factor que influencia o crescimento urbano é a emigração – as pessoas emigram para os países que lhes oferecem melhores condições de trabalho
  • 31. Em relação a migrações podemos distinguir dois tipos principais:  As migrações do campo para a cidade, ou seja, o êxodo rural, impulsionado pelas dificuldade na agricultura e pelos efeitos da industrialização, tornando as cidades em poderosos pólos de atracção para as massas camponesas.  A Emigração, levada a cabo principalmente pelos Europeus que saem em massa da Europa para o resto do mundo. Os motivos que levaram as pessoas a sair da Europa foram vários: a Europa estava superpovoada, havia uma precária distribuição dos recursos, os países novos necessitavam de mão-de-obra para explorar os seus ricos recursos naturais e ofereciam sociedades abertas e flexíveis onde a promoção era rápida e a própria política colonialista dos países Europeus empurrava as pessoas para o povoamento e exploração económica das suas colónias.
  • 32.  
  • 33. Lê o documento da pág 59
  • 34. A população urbana conhece um impulso decisivo no séc. XIX. De uma forma geral a urbanização foi mais significativa nos países industrializados e nos países novos. As cidades passam de 23 em 1800 para 135 em 1900.
  • 35.  
  • 36. Nesta altura, já havia iluminação nocturna – primeiro a gás e depois, a electricidade.
  • 37. NOVOS SERVIÇOS Aumentou a limpeza com: - a recolha do lixo; - o aumento da rede de esgotos; - o aumento da rede de água canalizada. Aumentaram as ruas iluminadas, primeiro a gás e depois a electricidade. Surgiu um serviço de incêndios e de transportes públicos (primeiro o americano e depois o eléctrico).
  • 38. Abriram-se novas ruas e avenidas, praças e jardins públicos. Construíram-se escolas, tribunais, hospitais, prisões e mercados .
  • 39. Nos tempos livres era chique passear nos jardins, como o “Passeio Público” em Lisboa ou o “Jardim de S. Lázaro”, no Porto.
  • 40. Para se circular na cidade havia pequenas carruagens puxadas a cavalos – “Seges”. Depois surgiu o automóvel
  • 41. Descreve a partir das seguintes imagens os contrastes sociais e económicos existentes numa cidade
  • 42. A Nova Cidade Industrial
  • 43. Londres-início XIX por Gustave Dore
  • 44.  
  • 46.  
  • 47.  
  • 48.  
  • 49.  
  • 50.  
  • 51. Estas cidades eram magníficas pelas suas exposições universais, hinos à modernidade e ao optimismo. Adornavam-se com estações de caminhos- de – ferro , teatros, óperas, parques e sólidos edifícios burgueses alinhados ao longo de avenidas em linha recta ladeadas de árvores. O gás e depois a electricidade transformaram as cidades em deslumbrantes espectáculos luminosos. Todas as cidades tinham porém as suas escórias. Em Paris , em 4 milhões de habitantes, 321 mil viviam em locais superpovoados. Há em todas as cidades , famílias cujo alojamento constitui apenas num só quarto. Assim temos, um único quarto para dormir , , para tomar as refeições , para repousar . Um único quatro para o homem bêbado , as crianças doentes a chorarem , os cuidados íntimos de higiene, a mulher que dá à luz, o cadáver que jaz na cama até que o venham buscar. É difícil imaginar o grau de tristeza e degradação que estas condições de existência podem representar para uma criatura que ainda não perdeu a vergonha. Jean Carpentier, François Lebrun, História da Europa 1- Indica os aspectos positivos e negativos das grandes cidades europeias. 2-Comenta a expressão sublinhada.
  • 52. Mal preparadas para receber as multidões, as cidades não possuíam os adequados sistemas sanitários, redes de distribuição de água ou serviço de limpeza de ruas. Nos bairros populares superpovoados uma grande maioria da população vivia na miséria e promiscuidade. Periodicamente surgiam grandes epidemias de cólera e tuberculose que faziam razias na cidade. Havia muitas manifestações de desregramento e delinquência (prostituição, mendicidade, alcoolismo, criminalidade, etc.). Além disto a cidade era propícia a greves, manifestações e revoluções da classe operária. Para resolver todos estes problemas, foram levados a cabo pelo Estado grandes projectos urbanísticos nas cidades:
  • 53. O centro torna-se o local mais cuidado, para onde convergem grandes obras de renovação. No centro não faltam os bancos, as bolsas de comércio e de valores, os grandes armazéns e mercados, os edifícios governamentais e administrativos, as gares ferroviárias, os teatros, a ópera, os museus, os cafés. No centro, zonas verdes são cuidadosamente tratadas, a pavimentação é esmerada nas ruas e passeios, a água potável abunda, tal como a rede de esgotos e saneamento e as condutas de abastecimento do gás. Há, no centro, praças, grandes espaços e avenidas. Pretendia-se não só favorecer a iluminação e o arejamento, mas também a circulação de pessoas e carros e , até, a vigilância policial. O centro das cidades deixa de reunir o grosso da população urbana. Porém no final do sec. XIX, o núcleo antigo das cidades já não tem condições para albergar as vagas sucessivas de populações que aí ocorrem. As rendas sobem e o alojamento começa a faltar. Desta forma , começam a surgir os subúrbios: morada dos recém chegados, que aí se distribuem segundo a região de origem.  
  • 54. A crescente carestia dos terrenos situados no centro das cidades origina a especialização dos bairros e a sua diferenciação social : O centro é o local privilegiado dos negócios e da administração Os trabalhadores vão para as periferias, pois não conseguem pagar as rendas dos melhores bairros A partir de agora a diferença entre a desigualdade das categorias sociais está também presente na topografia da cidade: aos bairros finos da burguesia, no centro da cidade, opôem –se os bairros populares , nos subúrbios Quer na habitação, quer no trabalho aprofunda-se a divisão entre ricos e pobres, entre empregados e empregadores.
  • 55. De que forma é que esta imagem descreve a vida numa cidade europeia?
  • 56.  
  • 57.  
  • 58. Compara as cidades do s é culo XIX à s actuais em rela ç ão ao urbanismo e problemas sociais.