SlideShare uma empresa Scribd logo
Indicador de aprendizagem

 Indicar os princípios do Luteranismo (S)




                                        Leitura da pág.108
Após a ruptura com a Igreja Católica, Lutero
estabeleceu os princípios de uma nova religião:
              o LUTERANISMO
                 - A salvação obtém-se pela fé;
                 -A Bíblia é a única fonte de fé
                 - Há dois sacramentos: Batismo e Eucaristia;
                 - Não é obrigatório o celibato dos padres.
                 -recusa a autoridade do Papa, do culto dos
                 santos e da Virgem


                 -Em conclusão, para Lutero, a vida religiosa é
                 acima de tudo, uma ação de amor fraternal e
                 incondicional a Deus.
Indicador de aprendizagem

 Comparar o Luteranismo ,com o Calvinismo (S)




                                      Leitura da pág.111
Na Suíça, surge um outro reformista,
 João Calvino . Este era mais radical
 que Lutero e acreditava que desde o
nascimento , estamos predestinados a
   ser ou não salvos. Nada do que se
  fizesse podia alterar esse estado de
 coisas. Esta religião ficou conhecida
           como Calvinismo.
Na Suíça, João Calvino fundou o
         CALVINISMO

          - O Homem está predestinado por Deus à
          salvação ou à condenação;
          -Há dois sacramentos: Batismo e
          Eucaristia;

          -A autoridade do Papa é rejeitada;

          -A Igreja é uma comunidade de fiéis;

          - Não é obrigatório o celibato dos pastores.
Indicador de aprendizagem:

 Explicar o contexto histórico em que se processou a
Reforma Protestante na Inglaterra (S)
O aspeto político das Reforma teve, na Inglaterra, a sua manifestação mais evidente. O
próprio facto de a reforma religiosa ter sido conduzida diretamente pelos reis ingleses
serve             como               comprovativo              dessa             visão.

A dinastia Tudor nasceu num quadro de fortalecimento do poder real na Inglaterra. O
primeiro rei Tudor, Henrique VII, procurou consolidar esse poder, esbarrando,
entretanto, no forte poder político e económico exercido pela Igreja Católica no país.
Mas, foi o seu filho, Henrique VIII quem vislumbrou a oportunidade de se voltar contra
esse poder. A meio da crise provocada na Alemanha pelo movimento luterano, Henrique
VIII aproveitou-se do momento para estabelecer um confronto com o papado.

A razão para esse confronto liga-se a uma questão política e dinástica. Casado com a
nobre espanhola, Catarina de Aragão, Henrique VIII tivera com ela uma filha, Mary.
Impossibilitada de ter outros filhos, Catarina criava uma situação potencialmente
perigosa para a monarquia inglesa. Sem filhos homens (o trono inglês jamais fora
ocupado até então por uma mulher), Henrique VIII, alegava o risco de morrer sem um
                                      herdeiro.

Alegando a imperiosa necessidade de um herdeiro, Henrique solicita ao papa a
anulação       de         seu        casamento          com          Catarina.

Perante a recusa papal, Henrique VIII anulou por conta própria o seu casamento,
desposando, em seguida, Ana Bolena. Excomungado pelo papa, Henrique VIII reagiu,
em 1534, com o Ato de Supremacia, por meio do qual criou uma Igreja nacional
chamada Igreja Anglicana , da qual era o chefe.

                                                                              Adaptado
A reforma religiosa  parte 2
• A Igreja era proprietária de muitas terras e
               monopolizava o comércio de “relíquias
               sagradas”. Setores da nobreza queriam apossar-
  Razões       se das terras e dos bens da Igreja
económicas


             • Henrique VIII teve seu pedido de anulação de
               casamento com Catarina de Aragão negado.
               Queria essa anulação pelo facto de Catarina ter
               origem espanhola, por não ter tido um filho do
  Razões       sexo masculino e para poder se casar com sua
 políticas     amante, Ana Bolena.



                                             Leitura da pág.113
Assim, o rei Henrique VIII,
 aprovou o “Acto de Supremacia”
    instituindo em Inglaterra o
  Anglicanismo, rompendo com a
    Igreja Católica : defende os
 mesmos princípios que Lutero: a
salvação só se atinge pela fé, o rei é
 o chefe supremo da Igreja, acaba
           com o celibato.
Catolicismo                 Luteranismo                Calvinismo               Anglicanismo

A salvação atinge-se pelas       A salvação atinge-se    A salvação atinge-se      A salvação atinge-se
boas acções e pela Fé            pela Fé                 pela escolha de Deus      pela Fé
                                                         (Predestinação)

Sete sacramentos:            Dois sacramentos:           Dois sacramentos:         Dois sacramentos:
     Baptismo                    Baptismo                    Baptismo                  Baptismo
     Comunhão                    Comunhão                    Comunhão                  Comunhão
     Confissão
     Crisma
     Matrimónio
     Sacerdócio
     Extrema- unção


Culto da Virgem Maria e dos Recusa do culto da Virgem    Recusa do culto da        Recusa do culto da
santos                      Maria e dos santos           Virgem Maria e dos        Virgem Maria e dos
                                                         santos                    santos
                                 Recusa da autoridade        Recusa da                 -Recusa da
Obediência ao Papa               do Papa                     autoridade do Papa        autoridade do Papa
                                 O chefe da igreja é o       O chefe da Igreja é   -O chefe da Igreja é o
                                 Estado                      o rei                 Rei



Proibição do casamento dos Abolição do celibato          Abolição do celibato      Abolição do celibato
clérigos
A reforma religiosa  parte 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de FéSete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Raniere Menezes
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
História da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaHistória da Igreja Moderna
História da Igreja Moderna
Alberto Simonton
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
Natalino das Neves Neves
 
Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestante
Erberson Pinheiro
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Adriano Pascoa
 
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Adriano Pascoa
 
Estudo bíblico – reforma protestante
Estudo bíblico – reforma protestanteEstudo bíblico – reforma protestante
Estudo bíblico – reforma protestante
Francisco Simas
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
boasnovassena
 
História da Igreja - O Século XIX e as Revoluções
História da Igreja - O Século XIX e as RevoluçõesHistória da Igreja - O Século XIX e as Revoluções
História da Igreja - O Século XIX e as Revoluções
Glauco Gonçalves
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
Sérgio Miguel
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aula
PIB Penha
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 3 as igrejas antigas e no brasil
Seminário sobre a história da igreja. parte 3   as igrejas antigas e no brasilSeminário sobre a história da igreja. parte 3   as igrejas antigas e no brasil
Seminário sobre a história da igreja. parte 3 as igrejas antigas e no brasil
Robson Rocha
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
Adriano Pascoa
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de MilãoHistória da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
Glauco Gonçalves
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 

Mais procurados (17)

Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de FéSete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
Sete Concílios Ecumênicos - Credos e Confissões de Fé
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
História da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaHistória da Igreja Moderna
História da Igreja Moderna
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
 
Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestante
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
 
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
 
Estudo bíblico – reforma protestante
Estudo bíblico – reforma protestanteEstudo bíblico – reforma protestante
Estudo bíblico – reforma protestante
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
 
História da Igreja - O Século XIX e as Revoluções
História da Igreja - O Século XIX e as RevoluçõesHistória da Igreja - O Século XIX e as Revoluções
História da Igreja - O Século XIX e as Revoluções
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aula
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 3 as igrejas antigas e no brasil
Seminário sobre a história da igreja. parte 3   as igrejas antigas e no brasilSeminário sobre a história da igreja. parte 3   as igrejas antigas e no brasil
Seminário sobre a história da igreja. parte 3 as igrejas antigas e no brasil
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de MilãoHistória da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
História da Igreja - Das perseguições ao Edito de Milão
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 

Destaque

Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura Flamenga
Antonio
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
Carla Teixeira
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
Carla Teixeira
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Geovane Albertino
 
Geometria aula poligono regular
 Geometria  aula poligono regular Geometria  aula poligono regular
Geometria aula poligono regular
Edilene Ruth Pereira
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
lucfabbr
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Cristiane Seibt
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
Carlos Benjoino Bidu
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
angeldenis21
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
Rainha Maga
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
Carlos Vieira
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Jorge Almeida
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Carlos Pinheiro
 

Destaque (20)

Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura Flamenga
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Geometria aula poligono regular
 Geometria  aula poligono regular Geometria  aula poligono regular
Geometria aula poligono regular
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 

Semelhante a A reforma religiosa parte 2

A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
cattonia
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Elisângela Martins Rodrigues
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Douglas Barraqui
 
Reforma protestante e Contrarreforma
Reforma protestante e ContrarreformaReforma protestante e Contrarreforma
Reforma protestante e Contrarreforma
Lú Carvalho
 
Arenovacaodaespiritualidade
ArenovacaodaespiritualidadeArenovacaodaespiritualidade
Arenovacaodaespiritualidade
marcos ANDRADE
 
Reformas e Reformadores
Reformas e ReformadoresReformas e Reformadores
Reformas e Reformadores
Dalton Lopes Reis Jr.
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
Cristian Gomes
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
A Reforma e a Contra Reforma Revisões
A Reforma e a Contra Reforma RevisõesA Reforma e a Contra Reforma Revisões
A Reforma e a Contra Reforma Revisões
Maria Gomes
 
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma CatólicaA Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
Maria Gomes
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
phrity
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
Nuno Faustino
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Susana Simões
 
A reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosaA reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosa
Kelly Delfino
 
Revejo o que aprendi .- A reforma protestante e a Contra Reforma Católica
Revejo o que aprendi .- A reforma protestante e a Contra Reforma CatólicaRevejo o que aprendi .- A reforma protestante e a Contra Reforma Católica
Revejo o que aprendi .- A reforma protestante e a Contra Reforma Católica
Maria Gomes
 
A reforma protestante (3)
A reforma protestante (3)A reforma protestante (3)
A reforma protestante (3)
Fernanda Silva
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
SabrinaAnime
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
Maida Marciano
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
Gilbert Patsayev
 
Identificar as correntes religiosas resultants da reforma protestante
Identificar as correntes religiosas resultants da reforma protestanteIdentificar as correntes religiosas resultants da reforma protestante
Identificar as correntes religiosas resultants da reforma protestante
Orlanda Felix Chirindja
 

Semelhante a A reforma religiosa parte 2 (20)

A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Reforma protestante e Contrarreforma
Reforma protestante e ContrarreformaReforma protestante e Contrarreforma
Reforma protestante e Contrarreforma
 
Arenovacaodaespiritualidade
ArenovacaodaespiritualidadeArenovacaodaespiritualidade
Arenovacaodaespiritualidade
 
Reformas e Reformadores
Reformas e ReformadoresReformas e Reformadores
Reformas e Reformadores
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
A Reforma e a Contra Reforma Revisões
A Reforma e a Contra Reforma RevisõesA Reforma e a Contra Reforma Revisões
A Reforma e a Contra Reforma Revisões
 
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma CatólicaA Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
A Reforma Protestante e a Contra Reforma Católica
 
Reforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e ContrarreformaReforma Protestante e Contrarreforma
Reforma Protestante e Contrarreforma
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
A reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosaA reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosa
 
Revejo o que aprendi .- A reforma protestante e a Contra Reforma Católica
Revejo o que aprendi .- A reforma protestante e a Contra Reforma CatólicaRevejo o que aprendi .- A reforma protestante e a Contra Reforma Católica
Revejo o que aprendi .- A reforma protestante e a Contra Reforma Católica
 
A reforma protestante (3)
A reforma protestante (3)A reforma protestante (3)
A reforma protestante (3)
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
Identificar as correntes religiosas resultants da reforma protestante
Identificar as correntes religiosas resultants da reforma protestanteIdentificar as correntes religiosas resultants da reforma protestante
Identificar as correntes religiosas resultants da reforma protestante
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
Carla Teixeira
 
Renascimento parte 2
Renascimento parte 2Renascimento parte 2
Renascimento parte 2
Carla Teixeira
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
Carla Teixeira
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (19)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Renascimento parte 2
Renascimento parte 2Renascimento parte 2
Renascimento parte 2
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
 

A reforma religiosa parte 2

  • 1. Indicador de aprendizagem  Indicar os princípios do Luteranismo (S) Leitura da pág.108
  • 2. Após a ruptura com a Igreja Católica, Lutero estabeleceu os princípios de uma nova religião: o LUTERANISMO - A salvação obtém-se pela fé; -A Bíblia é a única fonte de fé - Há dois sacramentos: Batismo e Eucaristia; - Não é obrigatório o celibato dos padres. -recusa a autoridade do Papa, do culto dos santos e da Virgem -Em conclusão, para Lutero, a vida religiosa é acima de tudo, uma ação de amor fraternal e incondicional a Deus.
  • 3. Indicador de aprendizagem  Comparar o Luteranismo ,com o Calvinismo (S) Leitura da pág.111
  • 4. Na Suíça, surge um outro reformista, João Calvino . Este era mais radical que Lutero e acreditava que desde o nascimento , estamos predestinados a ser ou não salvos. Nada do que se fizesse podia alterar esse estado de coisas. Esta religião ficou conhecida como Calvinismo.
  • 5. Na Suíça, João Calvino fundou o CALVINISMO - O Homem está predestinado por Deus à salvação ou à condenação; -Há dois sacramentos: Batismo e Eucaristia; -A autoridade do Papa é rejeitada; -A Igreja é uma comunidade de fiéis; - Não é obrigatório o celibato dos pastores.
  • 6. Indicador de aprendizagem:  Explicar o contexto histórico em que se processou a Reforma Protestante na Inglaterra (S)
  • 7. O aspeto político das Reforma teve, na Inglaterra, a sua manifestação mais evidente. O próprio facto de a reforma religiosa ter sido conduzida diretamente pelos reis ingleses serve como comprovativo dessa visão. A dinastia Tudor nasceu num quadro de fortalecimento do poder real na Inglaterra. O primeiro rei Tudor, Henrique VII, procurou consolidar esse poder, esbarrando, entretanto, no forte poder político e económico exercido pela Igreja Católica no país. Mas, foi o seu filho, Henrique VIII quem vislumbrou a oportunidade de se voltar contra esse poder. A meio da crise provocada na Alemanha pelo movimento luterano, Henrique VIII aproveitou-se do momento para estabelecer um confronto com o papado. A razão para esse confronto liga-se a uma questão política e dinástica. Casado com a nobre espanhola, Catarina de Aragão, Henrique VIII tivera com ela uma filha, Mary. Impossibilitada de ter outros filhos, Catarina criava uma situação potencialmente perigosa para a monarquia inglesa. Sem filhos homens (o trono inglês jamais fora ocupado até então por uma mulher), Henrique VIII, alegava o risco de morrer sem um herdeiro. Alegando a imperiosa necessidade de um herdeiro, Henrique solicita ao papa a anulação de seu casamento com Catarina. Perante a recusa papal, Henrique VIII anulou por conta própria o seu casamento, desposando, em seguida, Ana Bolena. Excomungado pelo papa, Henrique VIII reagiu, em 1534, com o Ato de Supremacia, por meio do qual criou uma Igreja nacional chamada Igreja Anglicana , da qual era o chefe. Adaptado
  • 9. • A Igreja era proprietária de muitas terras e monopolizava o comércio de “relíquias sagradas”. Setores da nobreza queriam apossar- Razões se das terras e dos bens da Igreja económicas • Henrique VIII teve seu pedido de anulação de casamento com Catarina de Aragão negado. Queria essa anulação pelo facto de Catarina ter origem espanhola, por não ter tido um filho do Razões sexo masculino e para poder se casar com sua políticas amante, Ana Bolena. Leitura da pág.113
  • 10. Assim, o rei Henrique VIII, aprovou o “Acto de Supremacia” instituindo em Inglaterra o Anglicanismo, rompendo com a Igreja Católica : defende os mesmos princípios que Lutero: a salvação só se atinge pela fé, o rei é o chefe supremo da Igreja, acaba com o celibato.
  • 11. Catolicismo Luteranismo Calvinismo Anglicanismo A salvação atinge-se pelas A salvação atinge-se A salvação atinge-se A salvação atinge-se boas acções e pela Fé pela Fé pela escolha de Deus pela Fé (Predestinação) Sete sacramentos: Dois sacramentos: Dois sacramentos: Dois sacramentos: Baptismo Baptismo Baptismo Baptismo Comunhão Comunhão Comunhão Comunhão Confissão Crisma Matrimónio Sacerdócio Extrema- unção Culto da Virgem Maria e dos Recusa do culto da Virgem Recusa do culto da Recusa do culto da santos Maria e dos santos Virgem Maria e dos Virgem Maria e dos santos santos Recusa da autoridade Recusa da -Recusa da Obediência ao Papa do Papa autoridade do Papa autoridade do Papa O chefe da igreja é o O chefe da Igreja é -O chefe da Igreja é o Estado o rei Rei Proibição do casamento dos Abolição do celibato Abolição do celibato Abolição do celibato clérigos