SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Módulo VII- A Cultura do Salão
Rococó é o estilo artístico que
surgiu na França como
desdobramento do barroco.
O termo deriva do francês
rocaille, que significa
"embrechado", técnica de
incrustação de conchas e
fragmentos de vidro utilizados
originariamente na decoração
de grutas artificiais.
Em português por
aproximação, o termo rococó
significa concha.
Na França, o rococó é também
chamado estilo Luís XV e Luís
XVI.
Quando Luiz XIV morreu em
1715, a corte mudou-se de
Versalhes para Paris e aí entrou em
contato com os ricos e bem-
sucedidos       comerciantes       e
banqueiros          que,         por
nascimento, não pertenciam à
aristocracia. Mas, graças à riqueza
que possuíam, tinham condições
de proteger os artistas, atitudes
que lhes dava prestígio pessoal
para serem aceites na sociedade
aristocrata.   Tornaram-se,      por
isso, os clientes perfeitos dos
artistas, que passaram a produzir
quadros pequenos e estatuetas de
porcelana          para         uso
doméstico, muito ao gosto da
sociedade na época.
A arte rococó refletia, portanto, os
valores de uma sociedade fútil que
buscava nas obras de arte algo
que lhe desse prazer e a levasse a
esquecer seus problemas reais.
Palácio Real de Queluz




A fachada dos edifícios reflete um barroco sem exageros ou estilo
clássico dos renascentistas italianos.
Na arquitetura, o rococó manifestou-se principalmente nas decorações de
espaços interiores:
-ornamentação abundante e delicada
-salas e os salões têm a forma oval e as paredes são cobertas com pinturas de
cores claras suaves, espelhos e ornamentos com motivos florais




                                                                    Interior do
                                                                    Palácio de
                                                                    Queluz
Na escultura surgem figuras isoladas, cada uma com existência própria e
individual, que contribuem para o equilíbrio geral da decoração interior das
igrejas.
Na escultura, o estilo rococó
substituiu os volumes que indicam o
vigor e a emergia barrocos por linhas
suaves e graciosas. A escultura, que
se torna intimista, geralmente
procura retratar as pessoas mais
importantes da época.




          Voltaire
Na pintura, são nítidas as diferenças entre o Barroco e o Rococó.
Distingue a pintura barroca da pintura do Rococó
 Temas religiosos em que as atitudes        Os personagens são membros de uma
dos personagens eram repletas de            aristocracia ociosa que vive os seus
conotações dramáticas e heróicas,           últimos tempos de fausto antes da
                                            Revolução Francesa. o Rococó
                                            desenvolvia temas mundanos.
Desaparecem os contrastes radicais de claro-escuro e passam a predominar as
tonalidades claras e luminosas. A técnica do pastel passa a ser bastante utilizada,
pois permite a produção de “certos efeitos de delicadeza e leveza dos tecidos,
maciez da pele feminina, sedosidade dos cabelos, luzes e brilhos.”




 FRAGONARD, O Balanço                        FRAGONARD        O BEIJO ROUBADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoHCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoValeriya Rozhkova
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCarlos Vieira
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXCarla Freitas
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalAna Barreiros
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização históricaCarla Freitas
 
Módulo 6 pintura barroca
Módulo 6   pintura barrocaMódulo 6   pintura barroca
Módulo 6 pintura barrocaCarla Freitas
 
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7   caso pratico 1 bodas de figaroMódulo 7   caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaroCarla Freitas
 
Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal Sílvia Tavares
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixAna Barreiros
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCarlos Vieira
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaAna Barreiros
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Ana Barreiros
 
Módulo 7 a arte rococó
Módulo 7   a arte rococóMódulo 7   a arte rococó
Módulo 7 a arte rococóCarla Freitas
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoCarla Freitas
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoCarlos Pinheiro
 

Mais procurados (20)

Rococó
RococóRococó
Rococó
 
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoHCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Módulo 6 pintura barroca
Módulo 6   pintura barrocaMódulo 6   pintura barroca
Módulo 6 pintura barroca
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Rococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11ºRococó, HCA 11º
Rococó, HCA 11º
 
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7   caso pratico 1 bodas de figaroMódulo 7   caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
 
Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xix
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássica
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
 
Módulo 7 a arte rococó
Módulo 7   a arte rococóMódulo 7   a arte rococó
Módulo 7 a arte rococó
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 

Destaque

Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoCarla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINACarlos Benjoino Bidu
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamengalucfabbr
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoCarla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaCristiane Seibt
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura FlamengaAntonio
 

Destaque (20)

Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura Flamenga
 

Semelhante a O rococó e o neoclássico parte 1

Semelhante a O rococó e o neoclássico parte 1 (20)

A arte do rococó
A arte do rococóA arte do rococó
A arte do rococó
 
A arte do rococó
A arte do rococóA arte do rococó
A arte do rococó
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Rococo 2019ok
Rococo 2019okRococo 2019ok
Rococo 2019ok
 
Maneirismo e rococó
Maneirismo e rococóManeirismo e rococó
Maneirismo e rococó
 
Resumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococóResumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococó
 
Seminários história da arte 02
Seminários história da arte   02Seminários história da arte   02
Seminários história da arte 02
 
Período Artístico Rococó
Período Artístico RococóPeríodo Artístico Rococó
Período Artístico Rococó
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1aSlide a arte barroca by edenilson c santos 1a
Slide a arte barroca by edenilson c santos 1a
 
Rococó e Setecentismo
Rococó e SetecentismoRococó e Setecentismo
Rococó e Setecentismo
 
Maneirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococoManeirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococo
 
Barroco 2019ok
Barroco 2019okBarroco 2019ok
Barroco 2019ok
 
Barroco 2019ok
Barroco 2019okBarroco 2019ok
Barroco 2019ok
 
O Rococó
O RococóO Rococó
O Rococó
 
Seminários história da arte 1 b 04
Seminários história da arte 1 b   04Seminários história da arte 1 b   04
Seminários história da arte 1 b 04
 
Aula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococoAula 04 barroco-e_rococo
Aula 04 barroco-e_rococo
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Artebarroca 110315140146-phpapp02
Artebarroca 110315140146-phpapp02Artebarroca 110315140146-phpapp02
Artebarroca 110315140146-phpapp02
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salãoCarla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoCarla Teixeira
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3Carla Teixeira
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (15)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Renascimento parte 2
Renascimento parte 2Renascimento parte 2
Renascimento parte 2
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
 

O rococó e o neoclássico parte 1

  • 1. Módulo VII- A Cultura do Salão
  • 2. Rococó é o estilo artístico que surgiu na França como desdobramento do barroco. O termo deriva do francês rocaille, que significa "embrechado", técnica de incrustação de conchas e fragmentos de vidro utilizados originariamente na decoração de grutas artificiais. Em português por aproximação, o termo rococó significa concha. Na França, o rococó é também chamado estilo Luís XV e Luís XVI.
  • 3. Quando Luiz XIV morreu em 1715, a corte mudou-se de Versalhes para Paris e aí entrou em contato com os ricos e bem- sucedidos comerciantes e banqueiros que, por nascimento, não pertenciam à aristocracia. Mas, graças à riqueza que possuíam, tinham condições de proteger os artistas, atitudes que lhes dava prestígio pessoal para serem aceites na sociedade aristocrata. Tornaram-se, por isso, os clientes perfeitos dos artistas, que passaram a produzir quadros pequenos e estatuetas de porcelana para uso doméstico, muito ao gosto da sociedade na época. A arte rococó refletia, portanto, os valores de uma sociedade fútil que buscava nas obras de arte algo que lhe desse prazer e a levasse a esquecer seus problemas reais.
  • 4. Palácio Real de Queluz A fachada dos edifícios reflete um barroco sem exageros ou estilo clássico dos renascentistas italianos.
  • 5. Na arquitetura, o rococó manifestou-se principalmente nas decorações de espaços interiores: -ornamentação abundante e delicada -salas e os salões têm a forma oval e as paredes são cobertas com pinturas de cores claras suaves, espelhos e ornamentos com motivos florais Interior do Palácio de Queluz
  • 6. Na escultura surgem figuras isoladas, cada uma com existência própria e individual, que contribuem para o equilíbrio geral da decoração interior das igrejas.
  • 7. Na escultura, o estilo rococó substituiu os volumes que indicam o vigor e a emergia barrocos por linhas suaves e graciosas. A escultura, que se torna intimista, geralmente procura retratar as pessoas mais importantes da época. Voltaire
  • 8. Na pintura, são nítidas as diferenças entre o Barroco e o Rococó. Distingue a pintura barroca da pintura do Rococó Temas religiosos em que as atitudes Os personagens são membros de uma dos personagens eram repletas de aristocracia ociosa que vive os seus conotações dramáticas e heróicas, últimos tempos de fausto antes da Revolução Francesa. o Rococó desenvolvia temas mundanos.
  • 9. Desaparecem os contrastes radicais de claro-escuro e passam a predominar as tonalidades claras e luminosas. A técnica do pastel passa a ser bastante utilizada, pois permite a produção de “certos efeitos de delicadeza e leveza dos tecidos, maciez da pele feminina, sedosidade dos cabelos, luzes e brilhos.” FRAGONARD, O Balanço FRAGONARD O BEIJO ROUBADO