SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
ESCOLA BÁSICA 2,3 DE SILVARES
   ANO LECTIVO 2011 / 2012

     GEOGRAFIA – 8º ANO




      Estrutura das áreas urbanas


       Material de apoio às aulas
Funções urbanas

 No espaço urbano é possível encontrar uma grande diversidade de funções

  urbanas que se organizam em áreas mais ou menos homogéneas e com

  características próprias – ÁREAS FUNCIONAIS.

 A localização das áreas funcionais é influenciada:


     Pelo custo dos terrenos, dos imóveis e das rendas;

     Pelo grau de acessibilidade dos lugares.
                                                      O custo, de um modo geral, diminui à
                                                       medida que aumenta a distância ao
                                                       centro.
CBD
Áreas Funcionais – Centro / CBD

O Central Business District (CBD) é o termo geográfico que designa a área central de
uma aglomeração urbana de maior dimensão e importância, caracterizada pela forte
concentração terciária.
• Em Portugal, esta área da cidade designa-se por «Baixa»; nos Estados Unidos por
«Downtown»; em França por «Cité» e em Inglaterra por «City».

A área central de uma cidade individualiza-se das restantes:
     pela forte concentração das actividades terciárias;
     pela grande intensidade de usos do solo;
     pelo fraco número de alojamentos;
     pelo volume de empregos que fornece;
    pela forte atracção que exerce sobre a população: tratar negócios, ver
    montras, fazer compras, etc.

 No CBD concentram-se actividades do sector terciário que vão desde o comércio especializado
 até aos mais altos níveis de decisão da Administração Pública (ministérios, tribunais
 superiores, etc.) e da actividade privada (sedes de bancos, companhias de seguro, etc.).
Áreas Funcionais – Centro / CBD

 É também no CBD que tendem a realizar-se actividades de animação lúdica e cultural
  de qualidade (teatros, cinemas,…).

 No centro da cidade, o tráfego é quase sempre muito intenso, tanto de veículos como
  de peões, devido à concentração de uma grande diversidade de funções raras -
  funções que só se encontram disponíveis em determinados lugares, as únicas que têm
  capacidade para suportar os elevados custos do solo e que, por isso, atraem
  diariamente um grande número de pessoas.

 Demograficamente, o CBD caracteriza-se por uma enorme concentração de população
  flutuante - presente apenas durante o dia. Os residentes são, essencialmente, pessoas
  idosas, como poucos recursos, e outras mais jovens e de maiores rendimentos que
  ocupam os edifícios renovados.
A expansão do CBD

 O CBD caracteriza-se por ser uma área da cidade onde se regista uma forte
  concentração das actividades (devido à sua maior acessibilidade). É para esta área que
  convergem as principais vias de trânsito, o que origina uma forte concentração de
  veículos e peões. Apresenta problemas como:
   congestionamento do centro (área mais antiga, de ruas estreitas);

   dificuldades de estacionamento;

   escassez de espaço para a expansão das actividades;

   diminuição geral da acessibilidade – acesso ao centro mais difícil e demorado .




    Assim,
     verifica-se a tendência para a descentralização de algumas actividades para
       outras áreas da cidade;
     surgem, assim, novas centralidades noutros pontos da cidade, onde o espaço
       disponível e as melhores acessibilidades permitem ofertas mais inovadoras.
Áreas residenciais
Áreas Funcionais – Áreas residenciais

 A função residencial é a que ocupa mais espaço, distribuindo-se por diferentes áreas
  da cidade.
     A qualidade das habitações reflecte as características sociais da população que nelas reside.

 As áreas residenciais dividem-se, assim, em:
       áreas residenciais para classes com rendimentos elevados;
       áreas residenciais para classes com rendimentos médios;
       áreas residenciais para classes com rendimentos baixos;
Áreas Funcionais – Áreas residenciais

 Áreas residenciais para classes com rendimentos elevados:
     elevada acessibilidade;
     ambiente aprazível;
     existência de jardins e espaços verdes;
     afastadas de unidades industriais;
     baixos índices de poluição;
     qualidade da construção;
     prestígio social da área;
     elevado valor do solo e do preço da habitação, o que a torna acessível a um estrato
      social restrito, as classes média alta e alta.
Áreas Funcionais – Áreas residenciais

   Áreas residenciais para classes com rendimentos médios
     São os bairros da classe média que ocupam a maior parte do solo urbano.

     surgem em áreas periféricas;

     predominam edifícios plurifamiliares, com um elevado número de pisos e de andares;

     elevada densidade de construção;

     a qualidade ficam aquém das áreas de habitação de luxo;

     O aumento da distância ao centro da cidade, e, consequentemente, a diminuição do preço do
       solo, o desenvolvimento dos transportes e o desejo de aquisição de casa própria têm
       contribuído para o crescimento destes bairros nas periferias da cidade.

       O aumento da distância ao centro da cidade, e, consequentemente, a diminuição do preço do
        solo, o desenvolvimento dos transportes e o desejo de aquisição de casa própria têm contribuído
        para o crescimento destes bairros nas periferias da cidade.
Áreas industriais
Áreas Funcionais – Áreas industriais

   Áreas residenciais para classes com rendimentos baixos
     A população de menores recursos geralmente reside em:

          Áreas antigas da cidade, normalmente com edifícios degradados;

          Bairros de habitação social, mandados construir pelo Estado ou pelas autarquias;

          Bairros de habitação precária – barracas ou bairros de lata, sem água canalizada e sem
            rede de esgotos, habitados por uma população de escassos recursos, muitas vezes
            imigrantes.

       O aumento da distância ao centro da cidade, e, consequentemente, a diminuição do preço do
        solo, o desenvolvimento dos transportes e o desejo de aquisição de casa própria têm contribuído
        para o crescimento destes bairros nas periferias da cidade.
Áreas Funcionais – Função Industrial

 Nos países desenvolvidos
      A função industrial foi sendo gradualmente deslocada para a periferia porque:
          as indústrias são grandes consumidoras de espaço;
          o tráfego de veículos pesados é muito intenso;
          a poluição atmosférica e sonora é extraordinariamente acentuada.

 Actualmente promove-se a criação de espaços próprios destinados à indústria – os
  parques industriais.




  Nos países em desenvolvimento
      A função industrial está ainda a ganhar importância nas grandes cidades, tanto
        em termos de espaço como da ocupação profissional da população.
Planta funcional da cidade de Lisboa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...713773
 
Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e PortoÁreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e PortoIdalina Leite
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - GeografiaAna Vilardouro
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Idalina Leite
 
eografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanaseografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanasbruno oliveira
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano713773
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacionalCacilda Basto
 
A reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaA reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaIlda Bicacro
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano713773
 
renda locativa áreas funcionais lugar central
 renda locativa áreas funcionais lugar central renda locativa áreas funcionais lugar central
renda locativa áreas funcionais lugar centralMinistério da Educação
 
Areas urbanas
Areas urbanasAreas urbanas
Areas urbanasmanjosp
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano713773
 
A Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana NacionalA Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana NacionalMaria Adelaide
 
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º AnoSoluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano713773
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosIlda Bicacro
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesrmmpr
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 

Mais procurados (20)

A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e PortoÁreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
eografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanaseografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanas
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
 
A reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaA reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbana
 
FunçãO Residenciial
FunçãO ResidenciialFunçãO Residenciial
FunçãO Residenciial
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
 
renda locativa áreas funcionais lugar central
 renda locativa áreas funcionais lugar central renda locativa áreas funcionais lugar central
renda locativa áreas funcionais lugar central
 
Areas urbanas
Areas urbanasAreas urbanas
Areas urbanas
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
A Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana NacionalA Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana Nacional
 
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º AnoSoluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 

Semelhante a Funções urbanas e áreas funcionais em Lisboa

áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionaisPocarolas
 
Ficha 16
Ficha 16Ficha 16
Ficha 16manjosp
 
areas funcionais cidade_1ª.pptx
areas funcionais cidade_1ª.pptxareas funcionais cidade_1ª.pptx
areas funcionais cidade_1ª.pptxnialb
 
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasA OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasMaria Adelaide
 
Espa -o-urbano
Espa -o-urbanoEspa -o-urbano
Espa -o-urbanoMara Silva
 
A diferenciação dos lugares
A diferenciação dos lugaresA diferenciação dos lugares
A diferenciação dos lugaresMayjö .
 
apontamentos geografia 8ºano.pdf
apontamentos geografia 8ºano.pdfapontamentos geografia 8ºano.pdf
apontamentos geografia 8ºano.pdfSilvia Couto
 
áReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrpáReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrpGeografias Geo
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansãoIdalina Leite
 
Função Morfologia das cidades e áreas urbanas
Função Morfologia das cidades e áreas urbanasFunção Morfologia das cidades e áreas urbanas
Função Morfologia das cidades e áreas urbanasEduardoTeixeira41324
 
2. Função industrial e residencial.ppt..
2. Função industrial e residencial.ppt..2. Função industrial e residencial.ppt..
2. Função industrial e residencial.ppt..RogrioRamos34
 
Problemas urbanos, soluções
Problemas urbanos, soluçõesProblemas urbanos, soluções
Problemas urbanos, soluçõesIdalina Leite
 
Organização interna das cidades
Organização interna das cidadesOrganização interna das cidades
Organização interna das cidadesIdalina Leite
 
Áreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaÁreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaCarlamspc
 
áReas metropolitanas de lisboa e do porto
áReas metropolitanas de lisboa e do portoáReas metropolitanas de lisboa e do porto
áReas metropolitanas de lisboa e do portoMiguel Silva
 

Semelhante a Funções urbanas e áreas funcionais em Lisboa (20)

áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionais
 
A cidade
A cidadeA cidade
A cidade
 
Ficha 16
Ficha 16Ficha 16
Ficha 16
 
areas funcionais cidade_1ª.pptx
areas funcionais cidade_1ª.pptxareas funcionais cidade_1ª.pptx
areas funcionais cidade_1ª.pptx
 
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasA OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
 
Espa -o-urbano
Espa -o-urbanoEspa -o-urbano
Espa -o-urbano
 
A diferenciação dos lugares
A diferenciação dos lugaresA diferenciação dos lugares
A diferenciação dos lugares
 
apontamentos geografia 8ºano.pdf
apontamentos geografia 8ºano.pdfapontamentos geografia 8ºano.pdf
apontamentos geografia 8ºano.pdf
 
áReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrpáReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrp
 
Cidades
CidadesCidades
Cidades
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
 
Função Morfologia das cidades e áreas urbanas
Função Morfologia das cidades e áreas urbanasFunção Morfologia das cidades e áreas urbanas
Função Morfologia das cidades e áreas urbanas
 
2. Função industrial e residencial.ppt..
2. Função industrial e residencial.ppt..2. Função industrial e residencial.ppt..
2. Função industrial e residencial.ppt..
 
1.1.àreas funcionais renda l ocativa
1.1.àreas funcionais renda l ocativa1.1.àreas funcionais renda l ocativa
1.1.àreas funcionais renda l ocativa
 
1 Urbano Rural Cidade
1  Urbano Rural Cidade1  Urbano Rural Cidade
1 Urbano Rural Cidade
 
Problemas urbanos, soluções
Problemas urbanos, soluçõesProblemas urbanos, soluções
Problemas urbanos, soluções
 
Organização interna das cidades
Organização interna das cidadesOrganização interna das cidades
Organização interna das cidades
 
Cidades (blog)
Cidades (blog)Cidades (blog)
Cidades (blog)
 
Áreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaÁreas de fixação humana
Áreas de fixação humana
 
áReas metropolitanas de lisboa e do porto
áReas metropolitanas de lisboa e do portoáReas metropolitanas de lisboa e do porto
áReas metropolitanas de lisboa e do porto
 

Mais de Pocarolas

Os sectores-de-actividade
Os sectores-de-actividadeOs sectores-de-actividade
Os sectores-de-actividadePocarolas
 
Formas de urbanização
Formas de urbanizaçãoFormas de urbanização
Formas de urbanizaçãoPocarolas
 
Formas de Urbanização
Formas de UrbanizaçãoFormas de Urbanização
Formas de UrbanizaçãoPocarolas
 
Migrações 2
Migrações 2Migrações 2
Migrações 2Pocarolas
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeiaPocarolas
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etáriasPocarolas
 
Indicadores demográficos
Indicadores demográficosIndicadores demográficos
Indicadores demográficosPocarolas
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição populaçãoPocarolas
 
Esfera Terrestre
Esfera Terrestre Esfera Terrestre
Esfera Terrestre Pocarolas
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentosPocarolas
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição populaçãoPocarolas
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etáriasPocarolas
 
Evolução população mundial
Evolução população mundialEvolução população mundial
Evolução população mundialPocarolas
 
Riscos e catástrofes
Riscos e catástrofesRiscos e catástrofes
Riscos e catástrofesPocarolas
 
Riscos e catástrofes
Riscos e catástrofesRiscos e catástrofes
Riscos e catástrofesPocarolas
 
O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)Pocarolas
 

Mais de Pocarolas (17)

Os sectores-de-actividade
Os sectores-de-actividadeOs sectores-de-actividade
Os sectores-de-actividade
 
Formas de urbanização
Formas de urbanizaçãoFormas de urbanização
Formas de urbanização
 
Formas de Urbanização
Formas de UrbanizaçãoFormas de Urbanização
Formas de Urbanização
 
Migrações 2
Migrações 2Migrações 2
Migrações 2
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etárias
 
Indicadores demográficos
Indicadores demográficosIndicadores demográficos
Indicadores demográficos
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição população
 
Esfera Terrestre
Esfera Terrestre Esfera Terrestre
Esfera Terrestre
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentos
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição população
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etárias
 
Evolução população mundial
Evolução população mundialEvolução população mundial
Evolução população mundial
 
Riscos e catástrofes
Riscos e catástrofesRiscos e catástrofes
Riscos e catástrofes
 
Riscos e catástrofes
Riscos e catástrofesRiscos e catástrofes
Riscos e catástrofes
 
O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)
 

Último

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Funções urbanas e áreas funcionais em Lisboa

  • 1. ESCOLA BÁSICA 2,3 DE SILVARES ANO LECTIVO 2011 / 2012 GEOGRAFIA – 8º ANO Estrutura das áreas urbanas Material de apoio às aulas
  • 2. Funções urbanas  No espaço urbano é possível encontrar uma grande diversidade de funções urbanas que se organizam em áreas mais ou menos homogéneas e com características próprias – ÁREAS FUNCIONAIS.  A localização das áreas funcionais é influenciada:  Pelo custo dos terrenos, dos imóveis e das rendas;  Pelo grau de acessibilidade dos lugares.  O custo, de um modo geral, diminui à medida que aumenta a distância ao centro.
  • 3. CBD
  • 4. Áreas Funcionais – Centro / CBD O Central Business District (CBD) é o termo geográfico que designa a área central de uma aglomeração urbana de maior dimensão e importância, caracterizada pela forte concentração terciária. • Em Portugal, esta área da cidade designa-se por «Baixa»; nos Estados Unidos por «Downtown»; em França por «Cité» e em Inglaterra por «City». A área central de uma cidade individualiza-se das restantes:  pela forte concentração das actividades terciárias;  pela grande intensidade de usos do solo;  pelo fraco número de alojamentos;  pelo volume de empregos que fornece; pela forte atracção que exerce sobre a população: tratar negócios, ver montras, fazer compras, etc. No CBD concentram-se actividades do sector terciário que vão desde o comércio especializado até aos mais altos níveis de decisão da Administração Pública (ministérios, tribunais superiores, etc.) e da actividade privada (sedes de bancos, companhias de seguro, etc.).
  • 5. Áreas Funcionais – Centro / CBD  É também no CBD que tendem a realizar-se actividades de animação lúdica e cultural de qualidade (teatros, cinemas,…).  No centro da cidade, o tráfego é quase sempre muito intenso, tanto de veículos como de peões, devido à concentração de uma grande diversidade de funções raras - funções que só se encontram disponíveis em determinados lugares, as únicas que têm capacidade para suportar os elevados custos do solo e que, por isso, atraem diariamente um grande número de pessoas.  Demograficamente, o CBD caracteriza-se por uma enorme concentração de população flutuante - presente apenas durante o dia. Os residentes são, essencialmente, pessoas idosas, como poucos recursos, e outras mais jovens e de maiores rendimentos que ocupam os edifícios renovados.
  • 6. A expansão do CBD  O CBD caracteriza-se por ser uma área da cidade onde se regista uma forte concentração das actividades (devido à sua maior acessibilidade). É para esta área que convergem as principais vias de trânsito, o que origina uma forte concentração de veículos e peões. Apresenta problemas como:  congestionamento do centro (área mais antiga, de ruas estreitas);  dificuldades de estacionamento;  escassez de espaço para a expansão das actividades;  diminuição geral da acessibilidade – acesso ao centro mais difícil e demorado . Assim,  verifica-se a tendência para a descentralização de algumas actividades para outras áreas da cidade;  surgem, assim, novas centralidades noutros pontos da cidade, onde o espaço disponível e as melhores acessibilidades permitem ofertas mais inovadoras.
  • 8. Áreas Funcionais – Áreas residenciais  A função residencial é a que ocupa mais espaço, distribuindo-se por diferentes áreas da cidade.  A qualidade das habitações reflecte as características sociais da população que nelas reside.  As áreas residenciais dividem-se, assim, em:  áreas residenciais para classes com rendimentos elevados;  áreas residenciais para classes com rendimentos médios;  áreas residenciais para classes com rendimentos baixos;
  • 9. Áreas Funcionais – Áreas residenciais  Áreas residenciais para classes com rendimentos elevados:  elevada acessibilidade;  ambiente aprazível;  existência de jardins e espaços verdes;  afastadas de unidades industriais;  baixos índices de poluição;  qualidade da construção;  prestígio social da área;  elevado valor do solo e do preço da habitação, o que a torna acessível a um estrato social restrito, as classes média alta e alta.
  • 10. Áreas Funcionais – Áreas residenciais  Áreas residenciais para classes com rendimentos médios  São os bairros da classe média que ocupam a maior parte do solo urbano.  surgem em áreas periféricas;  predominam edifícios plurifamiliares, com um elevado número de pisos e de andares;  elevada densidade de construção;  a qualidade ficam aquém das áreas de habitação de luxo;  O aumento da distância ao centro da cidade, e, consequentemente, a diminuição do preço do solo, o desenvolvimento dos transportes e o desejo de aquisição de casa própria têm contribuído para o crescimento destes bairros nas periferias da cidade.  O aumento da distância ao centro da cidade, e, consequentemente, a diminuição do preço do solo, o desenvolvimento dos transportes e o desejo de aquisição de casa própria têm contribuído para o crescimento destes bairros nas periferias da cidade.
  • 12. Áreas Funcionais – Áreas industriais  Áreas residenciais para classes com rendimentos baixos  A população de menores recursos geralmente reside em:  Áreas antigas da cidade, normalmente com edifícios degradados;  Bairros de habitação social, mandados construir pelo Estado ou pelas autarquias;  Bairros de habitação precária – barracas ou bairros de lata, sem água canalizada e sem rede de esgotos, habitados por uma população de escassos recursos, muitas vezes imigrantes.  O aumento da distância ao centro da cidade, e, consequentemente, a diminuição do preço do solo, o desenvolvimento dos transportes e o desejo de aquisição de casa própria têm contribuído para o crescimento destes bairros nas periferias da cidade.
  • 13. Áreas Funcionais – Função Industrial  Nos países desenvolvidos  A função industrial foi sendo gradualmente deslocada para a periferia porque:  as indústrias são grandes consumidoras de espaço;  o tráfego de veículos pesados é muito intenso;  a poluição atmosférica e sonora é extraordinariamente acentuada.  Actualmente promove-se a criação de espaços próprios destinados à indústria – os parques industriais.  Nos países em desenvolvimento  A função industrial está ainda a ganhar importância nas grandes cidades, tanto em termos de espaço como da ocupação profissional da população.
  • 14. Planta funcional da cidade de Lisboa