SlideShare uma empresa Scribd logo
Miguel Ângelo- Pormenor da Capela Sistina- Roma
A Capela Sistina é uma
capela     situada   no    Palácio
Apostólico, residência oficial do
Papa na Cidade do Vaticano,
erigida entre os anos 1475 e
1483, durante o pontificado do
Papa Sisto IV. A Celebração
Eucarística     de    inauguração
ocorreu em 15 de Agosto de
1483.
          Era      um      projeto
relativamente       simples      e
despretensioso,      no     início,
destinado ao culto particular
dos papas e da alta hierarquia
eclesiástica, contudo, fruto de
uma época de expansão política
e territorial da Santa Sé viria a
tornar-se num dos símbolos
desta, tamanha magnificência
adquiriu.
          A celebridade da capela
deve-se, também, ao fato de que
nela se realizam os conclaves
para a eleição do Sumo Pontífice
da Igreja Católica Romana
Paulo III, papa em 1534,
nomeou Miguel Ângelo,
arquitecto, pintor e escultor
do Vaticano, fixando-o em
Roma. Dá-lhe depois a
missão de pintar um fresco
na frontaria da Capela
Sistina, o Juízo Final, que
concluiu em 1541. Jesus
Cristo é representado como
um Deus olímpico, o que
mereceria grandes críticas
durante a Contra-Reforma.
Juízo Final
Corpos trabalhados                                                         Figuras centrais
 de forma escultórica                                                       definem uma
                                                                            composição triangular
                                                                            que termina na
                                                                            cabeça de S. José




                                                                            S. João Baptista
                                                                            (Idade do Antigo
                                                                            Testamento) separa
                                                                            o mundo pagão da
                                                                            Redenção
Virgem representada no
chão, imagem de
humildade de origem
medieval                 Miguel Ângelo Sagrada Família, 1504-06, Florença
BOTTICELLI – Nascimento de Vénus
O Belo Idealizado


                                                 Nu, centro da
                                                 composição,e
                                                 quilibrado e
                                                 simétrico.
                                                 Cores frias e
                                                 claras
                                                 acentuam a
Os
                                                 expressão
ventos
                                                 poética da
levam
                                                 nudez divina.
Vênus
para
terra

                                              Flora aguarda-a
              Traço                           com um manto
              decorativo das
              ondas do mar     Costa
                               recortada em
                               golfos e
                               promontórios
Botticelli,   A Primavera
Leonardo a
    Caracteriza
      imagem
da Vinci
Mona Lisa




 .
Detalhe do rosto da Mona Lisa em que a técnica do sfumato pode ser observada. Reparar
          nos lábios e bochechas.

 Sfumato é um termo criado por
  Leonardo da Vinci para se referir à
  técnica de pintura em que
  sucessivas camadas de cor são
  misturadas em diferentes graus de
  forma a passar ao olho humano a
  sensação de profundidade, forma e
  volume.
 Em italiano, sfumato quer dizer
  "misturado" com conotações de
  "esfumaçado" e é derivado da
  palavra italiana referente à
  "fumaça". Leonardo descrevia o
  sfumato como "sem linhas ou
  limites, à maneira da fumaça".
 A partir de sua introdução à pintura
  no Renascimento, o sfumato
  passou a ser uma técnica universal
  de desenho e pintura, sendo
  ensinada como um conhecimento
  básico para estudantes de artes.
“sfumato”




   Virgem e Menino com Santa de
Leonardo da Vinci (aproximadamente
             em 1510)
O “sfumato” foi uma nova técnica
amplamente utilizada no Renascimento
                  Consistia num efeito de
                  gradação das cores, sem
                 utilizar contornos, onde os
                   efeitos de luz e sombra
                      davam a ilusão de
                  distanciamento face ao
                   objecto central da tela
Leonardo da Vinci - A última Ceia
Aponta as características da Pintura- Madona no Prado ( Rafael)


 Naturalismo-
 representação                                                        Noção de perspetiva
 da natureza




                                                                      Tema religioso




Sfumato




                                                                    Composição em
                                                                    pirâmide
RAFAEL
Madonna
Madonna
Van Eyck,
A Virgem, coroada por um
                                                                               anjo, mostra o Menino ao
                                                                               encomendador da obra.

                                                                              Não existe diferença de
                                                                              dimensão entre a Virgem e
                                                                              a figura do chanceler.


                                                                             Tema sagrado transferido
                                                                             para uma dimensão terrena,
                                                                             retratada com rigor realista.
                                                                             Montanhas ao fundo,
                                                                             esfumadas.


                                                                              Pormenor no trabalho das
                                                                              vestes.

                                                                             Chão de mosaicos acentua o
                                                                             efeito de perspectiva. Divide o
Jan Van Eyck, A Virgem do Chanceler Rolin, c. 1435, Paris, Museu do Louvre
                                                                             espaço sagrado e o terreno.
O orgulho
                                                                   humanista é posto
                                                                    em causa por este
                                                                   pintor alemão. Aos
                                                                       pés dos dois
                                                                    dignitários, sob os
                                                                   símbolos das várias
                                                                   áreas do saber, está
                                                                       uma caveira
                                                                    “anamórfica” que
                                                                    recorda que tudo
                                                                    passa , mesmo as
                                                                  certezas racionais da
                                                                         época …




Hans Holbein, Os Embaixadores, 1533, Galeria Nacional , Londres
• Utilização da pintura a óleo
1

    • Uso da técnica do sfumato que consiste na gradação da cor( do
      claro para o escuro e vice-versa)
2   • Utilização da perspetiva de modo a criar a ideia de profundidade




    • Disposição geométrica das figuras(formato de pirâmide)
3
representação   • Representação do retrato, do nu, cenas mitológicas,
                  religiosas
   da figura    • rigor anatómica (resultado de pesquisas e dissecações em
   humana         cadáveres



                • Rigor e expressividade dos rostos (com realismo, expressão
                  de sentidos e estados de alma, traços da personalidade);
  Realismo      • ressalta a espontaneidade dos gestos e a verosimilhança
                  das vestes e dos cenários




                • paisagem utilizada como um elemento essencial da
Naturalismo       composição pictórica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbana
Ilda Bicacro
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
Ilda Bicacro
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
Miguel Sargento
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
3.3 a produção cultural humanismo e renascimento
3.3 a produção cultural  humanismo e renascimento3.3 a produção cultural  humanismo e renascimento
3.3 a produção cultural humanismo e renascimento
Maria Cristina Ribeiro
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
Ana Vilardouro
 
Pesca em portugal
Pesca em portugalPesca em portugal
Pesca em portugal
Nezinha123
 
Personagens memorial do convento
Personagens memorial do conventoPersonagens memorial do convento
Personagens memorial do convento
paulouhf
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
CatarinaTavares28
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
António Fernandes
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
António Fernandes
 
A Educação nos Maias
A Educação nos MaiasA Educação nos Maias
A Educação nos Maias
mauro dinis
 
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforçoTrabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Tiago Garcia
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
Carina Vale
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
Dina Baptista
 
Os Maias estrutura
Os Maias estruturaOs Maias estrutura
Os Maias estrutura
CostaIdalina
 

Mais procurados (20)

As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbana
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
3.3 a produção cultural humanismo e renascimento
3.3 a produção cultural  humanismo e renascimento3.3 a produção cultural  humanismo e renascimento
3.3 a produção cultural humanismo e renascimento
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
 
Pesca em portugal
Pesca em portugalPesca em portugal
Pesca em portugal
 
Personagens memorial do convento
Personagens memorial do conventoPersonagens memorial do convento
Personagens memorial do convento
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
 
A Educação nos Maias
A Educação nos MaiasA Educação nos Maias
A Educação nos Maias
 
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforçoTrabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforço
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
Os Maias estrutura
Os Maias estruturaOs Maias estrutura
Os Maias estrutura
 

Destaque

A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
Geometria aula poligono regular
 Geometria  aula poligono regular Geometria  aula poligono regular
Geometria aula poligono regular
Edilene Ruth Pereira
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
angeldenis21
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
lucfabbr
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Cristiane Seibt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
Carlos Benjoino Bidu
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura FlamengaAntonio
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
Geovane Albertino
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
Rainha Maga
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
Carlos Vieira
 

Destaque (20)

A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
Geometria aula poligono regular
 Geometria  aula poligono regular Geometria  aula poligono regular
Geometria aula poligono regular
 
Arquitectura barroca
Arquitectura barrocaArquitectura barroca
Arquitectura barroca
 
Arte Flamenga
Arte FlamengaArte Flamenga
Arte Flamenga
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINAHISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Pintura Flamenga
Pintura FlamengaPintura Flamenga
Pintura Flamenga
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Renascimento parte1
Renascimento parte1Renascimento parte1
Renascimento parte1
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 

Semelhante a Arte renascentista parte 3

Botticelli – o nascimento de vénus
Botticelli – o nascimento de vénusBotticelli – o nascimento de vénus
Botticelli – o nascimento de vénus
Carla Teixeira
 
Botticelli – o nascimento de vénus
Botticelli – o nascimento de vénusBotticelli – o nascimento de vénus
Botticelli – o nascimento de vénus
Carla Teixeira
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Nelson Faustino
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
Susana Simões
 
História da arte renascimento n1
História da arte   renascimento n1História da arte   renascimento n1
História da arte renascimento n1
Amanda Seraphim
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
Ana Barreiros
 

Semelhante a Arte renascentista parte 3 (6)

Botticelli – o nascimento de vénus
Botticelli – o nascimento de vénusBotticelli – o nascimento de vénus
Botticelli – o nascimento de vénus
 
Botticelli – o nascimento de vénus
Botticelli – o nascimento de vénusBotticelli – o nascimento de vénus
Botticelli – o nascimento de vénus
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
História da arte renascimento n1
História da arte   renascimento n1História da arte   renascimento n1
História da arte renascimento n1
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1
Carla Teixeira
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
Carla Teixeira
 
Renascimento parte 2
Renascimento parte 2Renascimento parte 2
Renascimento parte 2
Carla Teixeira
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
Carla Teixeira
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (19)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 
Da rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismoDa rev cient ao iluminismo
Da rev cient ao iluminismo
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1A produção cultural do renascimento parte 1
A produção cultural do renascimento parte 1
 
A produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimentoA produção cultural do renascimento
A produção cultural do renascimento
 
Renascimento parte 2
Renascimento parte 2Renascimento parte 2
Renascimento parte 2
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
 

Arte renascentista parte 3

  • 1.
  • 2. Miguel Ângelo- Pormenor da Capela Sistina- Roma
  • 3. A Capela Sistina é uma capela situada no Palácio Apostólico, residência oficial do Papa na Cidade do Vaticano, erigida entre os anos 1475 e 1483, durante o pontificado do Papa Sisto IV. A Celebração Eucarística de inauguração ocorreu em 15 de Agosto de 1483. Era um projeto relativamente simples e despretensioso, no início, destinado ao culto particular dos papas e da alta hierarquia eclesiástica, contudo, fruto de uma época de expansão política e territorial da Santa Sé viria a tornar-se num dos símbolos desta, tamanha magnificência adquiriu. A celebridade da capela deve-se, também, ao fato de que nela se realizam os conclaves para a eleição do Sumo Pontífice da Igreja Católica Romana
  • 4. Paulo III, papa em 1534, nomeou Miguel Ângelo, arquitecto, pintor e escultor do Vaticano, fixando-o em Roma. Dá-lhe depois a missão de pintar um fresco na frontaria da Capela Sistina, o Juízo Final, que concluiu em 1541. Jesus Cristo é representado como um Deus olímpico, o que mereceria grandes críticas durante a Contra-Reforma.
  • 6. Corpos trabalhados Figuras centrais de forma escultórica definem uma composição triangular que termina na cabeça de S. José S. João Baptista (Idade do Antigo Testamento) separa o mundo pagão da Redenção Virgem representada no chão, imagem de humildade de origem medieval Miguel Ângelo Sagrada Família, 1504-06, Florença
  • 8. O Belo Idealizado Nu, centro da composição,e quilibrado e simétrico. Cores frias e claras acentuam a Os expressão ventos poética da levam nudez divina. Vênus para terra Flora aguarda-a Traço com um manto decorativo das ondas do mar Costa recortada em golfos e promontórios
  • 9. Botticelli, A Primavera
  • 10. Leonardo a Caracteriza imagem da Vinci Mona Lisa .
  • 11. Detalhe do rosto da Mona Lisa em que a técnica do sfumato pode ser observada. Reparar nos lábios e bochechas.  Sfumato é um termo criado por Leonardo da Vinci para se referir à técnica de pintura em que sucessivas camadas de cor são misturadas em diferentes graus de forma a passar ao olho humano a sensação de profundidade, forma e volume.  Em italiano, sfumato quer dizer "misturado" com conotações de "esfumaçado" e é derivado da palavra italiana referente à "fumaça". Leonardo descrevia o sfumato como "sem linhas ou limites, à maneira da fumaça".  A partir de sua introdução à pintura no Renascimento, o sfumato passou a ser uma técnica universal de desenho e pintura, sendo ensinada como um conhecimento básico para estudantes de artes.
  • 12. “sfumato” Virgem e Menino com Santa de Leonardo da Vinci (aproximadamente em 1510)
  • 13. O “sfumato” foi uma nova técnica amplamente utilizada no Renascimento Consistia num efeito de gradação das cores, sem utilizar contornos, onde os efeitos de luz e sombra davam a ilusão de distanciamento face ao objecto central da tela
  • 14. Leonardo da Vinci - A última Ceia
  • 15. Aponta as características da Pintura- Madona no Prado ( Rafael) Naturalismo- representação Noção de perspetiva da natureza Tema religioso Sfumato Composição em pirâmide
  • 19. A Virgem, coroada por um anjo, mostra o Menino ao encomendador da obra. Não existe diferença de dimensão entre a Virgem e a figura do chanceler. Tema sagrado transferido para uma dimensão terrena, retratada com rigor realista. Montanhas ao fundo, esfumadas. Pormenor no trabalho das vestes. Chão de mosaicos acentua o efeito de perspectiva. Divide o Jan Van Eyck, A Virgem do Chanceler Rolin, c. 1435, Paris, Museu do Louvre espaço sagrado e o terreno.
  • 20. O orgulho humanista é posto em causa por este pintor alemão. Aos pés dos dois dignitários, sob os símbolos das várias áreas do saber, está uma caveira “anamórfica” que recorda que tudo passa , mesmo as certezas racionais da época … Hans Holbein, Os Embaixadores, 1533, Galeria Nacional , Londres
  • 21. • Utilização da pintura a óleo 1 • Uso da técnica do sfumato que consiste na gradação da cor( do claro para o escuro e vice-versa) 2 • Utilização da perspetiva de modo a criar a ideia de profundidade • Disposição geométrica das figuras(formato de pirâmide) 3
  • 22. representação • Representação do retrato, do nu, cenas mitológicas, religiosas da figura • rigor anatómica (resultado de pesquisas e dissecações em humana cadáveres • Rigor e expressividade dos rostos (com realismo, expressão de sentidos e estados de alma, traços da personalidade); Realismo • ressalta a espontaneidade dos gestos e a verosimilhança das vestes e dos cenários • paisagem utilizada como um elemento essencial da Naturalismo composição pictórica.